aprendizagem situada: anÁlise de uma atividade ?· este estudo se baseia na teoria de...

Download APRENDIZAGEM SITUADA: ANÁLISE DE UMA ATIVIDADE ?· Este estudo se baseia na teoria de Aprendizagem…

Post on 21-Jan-2019

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Sociedade Brasileira de

Educao Matemtica

Educao Matemtica na Contemporaneidade: desafios e possibilidades So Paulo SP, 13 a 16 de julho de 2016

RELATO DE EXPERINCIA

1 XII Encontro Nacional de Educao Matemtica ISSN 2178-034X

APRENDIZAGEM SITUADA: ANLISE DE UMA ATIVIDADE SITUACIONAL

Autor: Larissa Gehrinh Borges Instituio: Universidade Tecnolgica Federal do Paran Campus: Londrina/PR

E-mail: larissageborges@hotmail.com

Coautor 1: Gisele Romano Paez Instituio:Instituo Federal de So Paulo Campus Araraquara

E-mail:giselepaez@gmail.com

Coautor 2: Josilda Maria Belther Instituio: Institudo Federal de So Paulo Campus: Araraquara/SP

E-mail: josilda@ifsp.edu.br

Resumo: Este estudo se baseia na teoria de Aprendizagem Situada de Jean Lave e possui como objeto de aprendizagem uma proposta situacional, objetivando verificar as relaes matemticas que os indivduos pesquisados estabelecem com a matemtica escolar e aquelas praticadas em seu cotidiano, sem que os mesmos percebam, garantindo, assim, uma anlise situada e a promoo de uma socializao entre os indivduos em um contexto informal. Metodologicamente, ser realizada uma ida ao cinema com a finalidade de identificar as diferentes matemticas e significados informais utilizadas pelos alunos em uma contextualizao situada. A atividade foi realizada com 4 alunos, 2 dos anos iniciais e 2 dos anos finais do Ensino Fundamental de trs escolas particulares do municpio de Araraquara/SP. Palavras-chave: Aprendizagem Situada; Matemtica Informal; Significados

Matemticos;

Introduo

Diante da realidade encontrada durante a vivncia em sala de aula nas observaes

de estgio, regncia, e durante as intervenes com o PIBID Programa Institucional de

Bolsas de Iniciao Docncia -, o fato de verificar o processo mecnico de aulas

expositivas a qual Souza (1991) define, caracterizando como Partindo-se de contedos

matemticos anteriormente adquiridos fazem-se exposies iniciais, passam-se

exerccios para casa e termina-se com avaliaes do produto por provas escritas (p.99),

causou-me uma inquietao: Como aqueles grupos de alunos lidam com a matemtica

em situaes do seu cotidiano? Como aqueles alunos aplicam/relacionam a matemtica

praticada no cotidiano com a aprendida/vivenciada nas aulas de matemtica no ensino

regular?

Sociedade Brasileira de

Educao Matemtica

Educao Matemtica na Contemporaneidade: desafios e possibilidades So Paulo SP, 13 a 16 de julho de 2016

RELATO DE EXPERINCIA

2 XII Encontro Nacional de Educao Matemtica ISSN 2178-034X

Buscando entender essas possveis relaes entre matemtica escolar inserida ou no

no cotidiano dos alunos do ensino bsico, me deparei com a teoria da Aprendizagem

Situada de Jean Lave a qual, segundo a autora, ocorre em atividades informais do

cotidiano dos indivduos, em grupos ou individualmente, ou seja, o indivduo a pratica

com espontaneidade sem que seja cobrado ou avaliado por tal ao, e essa teoria a

base terica para o desenvolvimento desta pesquisa.

1. Fundamentao Terica

Nesta proposta, a pesquisa principal est centrada na anlise da aprendizagem

situada, definida por Jean Lave (1991) como uma aprendizagem que ocorre em funo

do contexto e da cultura na qual o indivduo se situa, a partir das interaes sociais onde

os aprendizes se envolvem em uma comunidade de prtica, a qual caracterizada por

Lave e Wenger (1991) apud Miguel e Vilela (2008) como uma comunidade de prtica

uma condio intrnseca para a existncia de conhecimento (p.115).

A educao formal aquela desenvolvida nas escolas, com contedos

previamente demarcados; a informal como aquela que os indivduos aprendem

durante seu processo de sociali-zao - na famlia, bairro, clube, amigos etc.,

carregada de valores e culturas pr-prias, de pertencimento e sentimentos

herdados: e a educao no-formal aquela que se aprende no mundo da

vida, via os processos de compartilhamento de ex-perincias, principalmente

em espaos e aes coletivos cotidianas. (GOHN, 2006, p.28).

Quando se trata de uma proposta voltada para a teoria da Aprendizagem situada,

ento, , a aprendizagem ocorre de maneira informal, ou seja, de maneira no intencional

por ser uma situao em que o aprendiz est acostumado a viver. Ele, na maioria das

vezes, no se d conta do raciocnio o qual est desenvolvendo de forma natural, ou

seja, no estabelece relao com a matemtica formal aprendida em sala de aula.

H vrios estudos que retratam o trazer a matemtica em que os indivduos utilizam

constantemente em momentos informais, para dentro da sala de aula. Dentre esses

estudos, h alguns que optam por fazer simulaes dessas aes informais os quais

Sociedade Brasileira de

Educao Matemtica

Educao Matemtica na Contemporaneidade: desafios e possibilidades So Paulo SP, 13 a 16 de julho de 2016

RELATO DE EXPERINCIA

3 XII Encontro Nacional de Educao Matemtica ISSN 2178-034X

acredito no

ser to eficaz, visto que quando a simulao feita pelo professor, o aluno na maioria

das vezes, intuitivamente, busca fazer clculos exatos, o que foge da aprendizagem

informal.

Segundo Carraher et. al (1988, p. 22) apud Costa (2014), resolver problemas em

sala de aula perde o significado, pois so diferentes os objetivos de um problema escolar

e o de situaes reais.

H uma tendncia forte para perceber a aprendizagem informal e formal como separadas. Isto resulta frequentemente numa polarizao entre elas; [...] a viso dominante na literatura buscar identificar atributos e caractersticas que possam separar radicalmente aprendizagem formal da informal. Esta uma abordagem equivocada, pois o mais importante identificar sua integrao. Desta forma, o desafio est na verdade em reconhecer e identificar os atributos e entender suas implicaes. (ANTONELLO, 2004, p. 3) apud (GUIDOLLE; ANTONELLO; FLACH).

Quando tratamos do ensino de matemtica apoiado na teoria da Aprendizagem

Situada, esbarramos em uma questo bastante importante: Como observ-la em sala de

aula, j que por si prpria j descaracteriza a aprendizagem informal?O contexto sala

de aula, aula de matemtica de uma certa maneira, j transmite a ideia de clculos

exatos, ou seja, o aluno busca seguir uma sequncia determinada de passos, os quais

foram ensinados pelo professor para chegar aos resultados. Diferentemente do que

ocorre, por exemplo, quando um indivduo precisa atravessar uma rua e tem um carro

vindo na sua direo e ele tem que calcular automaticamente/informalmente se dar

tempo para tal travessia, ou se ser necessrio esperar que o carro passe.

Como muitos alunos no conseguem estabelecer relaes entre os conceitos

matemticos ensinados em sala de aula, mais difcil ainda identificar as diferentes

matemticas presentes em seu meio social/cultural, pois vivemos em uma sociedade

ondes uma matemtica entendida como legtima e isso faz com que os alunos no se

sintam seres matematizados, tornando imperceptvel seu uso dirio e sua identificao.

Portanto, segundo Freire (2013) necessrio que os professores estimulem e despertem

seus alunos para que se sintam indivduos matematizados. Cabe ao professor mostrar a

eles que uma simples ao corriqueira como encaixar pecinhas de um quebra-cabea,

requer o uso da matemtica.

Sociedade Brasileira de

Educao Matemtica

Educao Matemtica na Contemporaneidade: desafios e possibilidades So Paulo SP, 13 a 16 de julho de 2016

RELATO DE EXPERINCIA

4 XII Encontro Nacional de Educao Matemtica ISSN 2178-034X

Alguns

autores sugerem que o professor elabore atividades simuladas, porm, acredito que esta

no ser eficaz quando se procura uma anlise de aprendizagem situada porque

Se dermos um problema do tipo indo s compras para ser resolvido em uma aula de matemtica, a maioria das pessoas ir considerar a histria desprovida de importncia ela est l s para encobrir as relaes matemticas. As mesmas pessoas, porm, ao produzirem dilemas matemticos dentro do supermercado, provavelmente iro organizar relaes quantitativas de maneira a ajust-las a problemas e interesses caractersticos do ato de comprar mantimentos. Nem a prtica matemtica nem o ato de fazer compras sero organizados do mesmo modo nas duas situaes. (LAVE, 2002).

Jean Lave (2002) apud Miguel; Vilela (2008) defende que deve ser feita uma

distino entre a matemtica prtica e a de sala de aula, concebidas como um sistema de

proposies e relaes. Diante de uma situao real, o aluno no seguir uma sequncia

de proposies ou regras como faz diante de um problema em sala de aula, portanto,

elas se distinguem no apenas pela maneira que so executadas, mas tambm pelo meio

onde so realizadas.

2. Metodologia

Inicialmente, o projeto visava observar uma determinada turma de Ensino Mdio de

uma escola estadual do municpio de Araraquara, durante a disciplina de Estgio IV do

curso de Licenciatura em Matemtica para que o pesquisador pudesse conhecer os

alunos e tentar identificar situaes em que os alunos utilizavam a matemtica de

maneira informal, fora do contexto de sala de aula e a partir destas situaes,

desenvolver uma proposta de atividade situada.

Por se tratar de uma observao apenas em ambie

Recommended

View more >