apostila - prática iii

Download Apostila - Prática III

Post on 15-Jan-2016

4 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Pratica Jurídica

TRANSCRIPT

MATERIAL DE APOIO

MATERIAL DE APOIO PRTICA III - CVEL APELAO Conceito A apelao o recurso destinado a impugnar os atos do juiz que ponham termo ao processo, com ou sem resoluo de mrito, ou seja, serve para impugnar tanto as sentenas terminativas, quanto as definitivas. Cabimento O art. 513 do CPC preleciona que pode ser interposta apelao contra toda sentena, tenha sido apreciado ou no o mrito. Essa afirmao, no entanto, deve ser vista com ressalvas, haja vista que admite, ao menos, trs excees, quais sejam: a) recurso inominado contra sentenas proferidas nos Juizados Especiais Cveis (art. 41 da lei n 9.099/95); b) embargos infringentes contra sentenas proferidas em execuo fiscal de valor igual ou inferior a 50 OTN`s (art. 34 da lei 6.830/80), e; c) recurso ordinrio constitucional contra sentena proferida em demanda em que forem partes, de um lado, Estado estrangeiro ou organismo internacional, e, de outro, Municpio ou pessoa residente e domiciliada no Brasil (art. 539, inc. II, alnea b, do CPC). Regularidade formal A interposio do recurso de apelao feita perante o prprio juzo prolator da sentena, no prazo de 15 dias, ressalvados os casos previstos nos arts. 188 e 191 do CP quando o prazo para recorrer ser em dobro para a Fazenda Pblica, para o Ministrio Pblico e para os litisconsortes com diferentes procuradores , bem como no art. 198, inc. II, do ECA, que prev o prazo de 10 dias para o manejo do recurso de apelao. O recurso de apelao pode ser interposto por via postal, cujo termo para fins de contagem de prazo ser o do protocolo na serventia, luz do art. 506, pargrafo nico, do CPC, ou o da postagem, quando o tribunal tiver firmado convnio para protocolo integrado. Tambm se admite a interposio via fax, desde que o original seja juntado at 5 dias depois de findo o prazo, conforme art. 2 da lei 9.800/99. Pela redao do art. 514 do CPC possvel concluir que a apelao deva ser redigida em uma s pea processual, muito embora tenha sido sedimentado na prtica forense a formulao de duas peas, sendo uma delas dirigida ao juzo de primeiro grau e a outra, na qual esto as razes recursais, dirigida ao tribunal competente. De qualquer forma, as razes recursais, no cvel, devem ser apresentadas quando da interposio do recurso. O indigitado dispositivo (art. 514 do CPC) fixa o contedo da apelao, estabelecendo, inicialmente, que devem constar os nomes do apelante e do apelado, com suas respectivas qualificaes, visando, com isso, delimitar subjetivamente o recurso. O requisito da qualificao se mostra excessivo quando as partes no recurso j eram partes na demanda, justificando-se apenas nos casos de recurso manejado por terceiro prejudicado. Ademais, a apelao deve conter os fundamentos de fato e de direito, compreendendo as chamadas razes de apelao, que ho de ser apresentadas juntamente com a petio de interposio, no havendo chance para juntada ou complementao posterior, tampouco para se apelar por meio de cota lanada nos autos. Por fim, deve conter o pedido de nova deciso, sendo que ao se demonstrar um error in procedendo, deve o apelante pugnar pela anulao da sentena, ao passo que restando evidenciado um error in judicando, dever requerer sua reforma. Demonstrados os dois tipos de erros, deve-se requerer a anulao e, subsidiariamente, a reforma da sentena. Efeitos A apelao, como qualquer outro recurso, possui efeito devolutivo, por meio do qual so transferidas ao rgo ad quem as questes suscitadas pelas partes no processo, com o objetivo de serem reexaminadas. O efeito devolutivo na apelao limitado na sua extenso pela matria que a parte recorrente impugnar, podendo coincidir ou no com os limites da sua sucumbncia. No tocante profundidade do recurso, todas as questes, fundamentos e argumentos so transferidos ao rgo ad quem, mesmo que o apelante recorra de apenas alguns captulos da sentena que lhe foi integralmente desfavorvel. Alm do efeito devolutivo, a apelao contm, via de regra, o efeito suspensivo, de forma que, quando interposta, prolonga o estado de ineficcia da sentena proferida. Tal regra excepcionada pelas hipteses previstas nos incisos do art. 520 do CPC, diante das quais o recurso ser recebido to-somente no efeito devolutivo. Nos casos em que a apelao no possui efeito suspensivo, poder o relator conced-lo, caso haja requerimento neste sentido e desde que a ausncia de tal efeito possa ocasionar leso grave e de difcil reparao ao recorrente, conforme inteligncia do art. 558, pargrafo nico, do CPC. Se a apelao for recebida no duplo efeito, no ser lcito ao apelado iniciar desde logo a execuo da sentena. No entanto, se for recebida somente no efeito devolutivo, ser possvel o incio da execuo provisria, prevista no art. 475-O do CPC. No caso de apelao[footnoteRef:1] contra a sentena que indefere a petio inicial, ser admitido, ainda, o efeito regressivo, podendo o julgador, no prazo de 48 horas, reformar o seu entendimento e determinar a citao do demandado, a teor do que dispe o art. 296 do CPC. No havendo retratao, os autos devero ser encaminhados ao tribunal competente, no sendo preciso a citao do ru para acompanhar o recurso. [1: Pode acontecer de o rgo jurisdicional indeferir apenas parcialmente a petio inicial, caso em que no teremos uma sentena, e sim uma deciso interlocutria, impugnvel pelo recurso de agravo de instrumento. ]

Procedimento A apelao um recurso interposto perante o primeiro grau de jurisdio, ou seja, perante o julgador que proferiu a sentena, o qual ter competncia para realizar a anlise do juzo de admissibilidade recursal. A competncia para apreciar o mrito recursal, no entanto, do tribunal de segundo grau de jurisdio (TJ ou TRF), o qual, antes de proceder a anlise meritria, todavia, tambm analisa o juzo de admissibilidade recursal. Procedimento no juzo a quo Uma vez interposta a apelao, o juzo de piso far o primeiro juzo de admissibilidade recursal, o qual poder ser negativo, caso em que no receber o recurso por meio de deciso interlocutria, recorrvel por agravo de instrumento; ou positivo, no qual receber o recurso, indicando em quais efeitos[footnoteRef:2] (devolutivo e/ou suspensivo) o faz e determina que seja o apelado notificado para apresentar as contrarrazes recursais. [2: Na omisso do julgador, entende-se que o recurso foi recebido em ambos os efeitos. ]

Os captulos do juzo de admissibilidade que recebem a apelao e notificam para contrarrazes so irrecorrveis; ao contrrio do captulo que diz em que efeitos o recurso ser recebido, que desafia agravo de instrumento. O art. 518, 1, do CPC, estabelece que causa de no-recebimento da apelao pelo juzo de piso a circunstncia de o recurso ser interposto contra a sentena que estiver em conformidade com smula do STF e do STJ. Trata-se do instituto da smula impeditiva de recursos, que obsta o caminho recursal no caso de o julgador se filiar aos entendimentos consagrados em smulas dos referidos pretrios. A mens legis simples: caso se admitam a apelao e os recursos subsequentes, a demanda chagar ao STJ e/ou ao STF, que decidiro a demanda com o mesmo entendimento do juzo de primeiro grau[footnoteRef:3]. [3: Ex: Impetrante recorre no mandado de segurana, visando que o impugnado seja condenado a pagar honorrios advocatcios, em confronto com a Smula 105 do STJ. ]

Superado o prazo de contrarrazes, o julgador a quo far o segundo juzo de admissibilidade. No necessrio que tenha sido apresentada resposta pelo apelado para que o julgador assim proceda, como d a entender a redao do art. 518, 2, do CPC, eis que os requisitos de admissibilidade so matrias de ordem pblica, podendo o juiz se manifestar a qualquer momento. Nessa segunda oportunidade, poder o julgador se retratar do juzo positivo que havia feito anteriormente, por meio de deciso recorrvel por agravo de instrumento, ou confirmar seu entendimento prvio, enviando os autos para o tribunal competente. Procedimento no juzo ad quem No tribunal, o recurso de apelao ser distribudo a um relator, que, de maneira monocrtica, realizar um terceiro juzo de admissibilidade, podendo negar seguimento liminarmente a recurso manifestamente inadmissvel, conforme art. 557, caput, do CPC. Sendo negativo o juzo de admissibilidade, o relator no conhecer a apelao interposta, por meio de deciso impugnvel por agravo interno (art. 557, 1, do CPC). Sendo positivo o juzo de admissibilidade, poder o relator julgar monocraticamente o recurso (art. 557, 1-A, do CPC) o que igualmente admitir agravo interno ou formar rgo colegiado para o julgamento da apelao. Em sendo a apelao conhecida pelo relator, sero os autos remetidos para o revisor, o qual lanar o seu visto. Segundo o art. 551, 3, do CPC, no haver a figura do revisor nos recursos interpostos nas causas de procedimento sumrio, de despejo e de indeferimento liminar da petio inicial. Aps o revisor apor o seu visto, encaminhar os autos para o presidente, que designar dia para o julgamento, mandando publicar a pauta em rgo oficial. Entre a data da publicao da pauta e a sesso de julgamento mediar, ao menos, o espao de 48 horas, nos termos do art. 552, 2, do CPC, possibilitando, assim, que as partes e seus advogados, querendo, participem da sesso. A inobservncia de tal prazo (48 h) entre a publicao da pauta e o julgamento sem a presena das partes, acarreta a nulidade, conforme Smula n 117 do STJ. Formado o rgo colegiado, proceder-se- pela quarta vez o juzo de admissibilidade, podendo no conhecer a apelao, por entender que esta no preenche as condies para o processamento, por meio de deciso recorrvel por recurso especial e/ou extraordinrio; ou conhecer da apelao interposta e passar ao julgamento de seu mrito, por meio de ato judicial recorrvel por meio de embargos infringentes, recurso especial e/ou extraordinrio. Saneamento de vcios durante o julgamento da apelao O art. 515, 4, do CPC permite o saneamento de vcios constatados durante o julgamento da apelao, de f