Apostila Libras Intermediario COM SIMBOLO NEPES

Download Apostila Libras Intermediario COM SIMBOLO NEPES

Post on 30-Jul-2015

198 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

Centro Federal de Educao Tecnolgica de Santa Catarina Unidade So Jos Coordenadoria de Cultura Geral Ncleo de Estudos e Pesquisas em Educao de Surdos

APRENDENDO LNGUA BRASILEIRA DE SINAIS COMO SEGUNDA LNGUA

NVEL INTERMEDIRIO

REALIZAOLuiz Incio Lula da Silva Presidente da Repblica Fernando Haddad Ministro da Educao Eliezer Pacheco Secretrio da Educao Profissional e Tecnolgica SETEC-MEC

CENTRO FEDERAL DE EDUCAO TECNOLGICA DE SANTA CATARINA CEFET/SCConsuelo Aparecida Sielski Santos Diretora Geral Regina Rogrio Vice-Diretora Geral Nilva Schroeder Diretora de Ensino Rosangela Mauzer Casarotto Diretora de Administrao e Planejamento Marcelo Carlos da Silva Diretor de Relaes Externas Maria Clara Schneider Diretora de Ps-Graduao e Pesquisa Wilson Zapellini Diretor de Gesto do Conhecimento

CEFET/SC UNIDADE SO JOSJorge Pereira Diretor da Unidade So Jos Maria Lcia de Souza Cidade Coordenadora de Cultura Geral

NCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAO DE SURDOS - NEPESVilmar Silva Coordenador do NEPES Kelly Machado Pinho da Rosa e Simone Gonalves Lima da Silva Arte Final

Srgio Barbosa Jnior Ilustraes Originais

2

CENTRO FEDERAL DE EDUCAO TECNOLGICA DE SANTA CATARINA CEFET/SC NCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAO DE SURDOS NEPES

APRENDENDO LIBRAS COMO SEGUNDA LNGUA NVEL INTERMEDIRIO

CADERNO PEDAGGICO II CURSO DE LIBRAS

Fbio Irineu da Silva Flaviane Reis Gisele Maciel Monteiro Rangel Marco Di Franco Paulo Roberto Gauto Simone Gonalves de Lima da Silva Uslei Paterno

SANTA CATARINA, 2008

3

APRESENTAO

O curso de Libras desenvolvido pelo Ncleo de Estudos e Pesquisas em Educao de Surdos NEPES do Centro Federal de Educao Tecnolgica de Santa Catarina CEFET/SC pretende ser um meio difusor da Lngua e da cultura do povo surdo. Almejamos oferecer um suporte intelectual para quem tem o interesse de se aprofundar na Lngua Brasileira de Sinais LIBRAS. O NEPES vem realizando estudos e pesquisas em Educao de Surdos desde 1994, experincia que envolve tanto aspectos polticos, culturais e pedaggicos. Hoje, o NEPES mantm cursos de Ps-graduao lato sensu em Educao de Surdos, Educao de Jovens e Adultos surdos EJA Bilnge, Ensino Mdio Bilnge e cursos profissionalizantes de Libras para alunos, funcionrios, docentes e famlias de surdos. Para saber mais sobre o trabalho do NEPES visite

www.sj.cefetsc.edu.br/~nepes. A Lngua Brasileira de Sinais uma lngua que tem ganhado espao na sociedade por conta dos movimentos surdos em prol de seus direitos, uma luta de muitos anos que caracteriza o povo surdo como um povo com cultura e lngua prpria que oprimido pela sociedade majoritria impondo um padro de cidado sem levar em conta as especificidades lingsticas, sociais e culturais dos surdos. Sendo assim, atravs de anos de luta o povo surdo conquistou o direito1 de usar sua lngua que possibilita no s a comunicao, mas tambm sua efetiva participao na sociedade. No entanto, para que esta participao seja efetiva preciso difundir a lngua, a cultura, as histrias e a concepo de mundo dos surdos. E para isso o Ncleo de Estudos e Pesquisas em Educao de Surdos NEPES elaborou este material com contedos fundamentais para aprendizagem desta segunda lngua. Esperamos despertar em voc o desejo de conhecer, a vontade de aprender e compreender uma nova lngua, a Lngua Brasileira de Sinais.

Os autoresLei Federal n. 10.436/2002 (LEI ORDINRIA) 24/04/2002 que Dispe sobre a Lngua Brasileira de Sinais - Libras e d outras providncias. Decreto n. 5.626/2005 regulamenta a lei n 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispe sobre a lngua brasileira de sinais - libras, e o art. 18 da lei n 10.098, de 19 de dezembro de 2000.1

4

SUMRIO

Etapa I - Introduo a Gramtica da Libras............................................................................ ESTUDO DA LNGUA 1 - Recapitulando.............................................................................. ESTUDO DA LNGUA 2 Onde fica?..................................................................................... Veja no DVD Onde fica?.............................................................................................................. Pronomes demonstrativos e Indefinidos na Libras ................................................................ Atividade 1 Responda rpido em Libras............................................................................... Sinais em foco: Perspectiva LONGE / PERTO.......................................................................... Veja no DVD O Mundo em Lngua de Sinais............................................................................. Conversando em Libras Dilogo............................................................................................. Curiosidades Surdos & Tecnologias................................................................................... ESTUDO DA LNGUA 3 Procurando Emprego!................................................................ Veja no DVD Procurando Emprego................................................. Sinais em Foco: Profisses e Afins............................................................................................. Conversando em Libras Dilogo............................................................................................. Voc sabia...? O Tornar-se Empregvel e a Formao Profissional................................ ESTUDO DA LNGUA 4 A Viagem...................................................................................... Expresses e Advrbios de Tempo / Freqncia..................................................................... Sinais em foco: Meios Transportes............................................................................................. Atividade 3 Responda rpido.................. Conversando em Libras Dilogo............................................................................................ Mais uma para voc responder................................................................................................. Voc sabia...? Os Movimentos Surdos................................................................................ REVISO DA ETAPA I ............................................................................................................. Etapa II Produo e Compreenso de Sinais................... ESTUDO DA LNGUA 5 A Grande Famlia......................................................................... Conversando em Libras Dilogo............................................................................................. ESTUDO DA LNGUA 6 Caractersticas Pessoais e Personalidades............................... Adjetivos e Comparativos em Libras......................................................................................... Atividade De olho no contexto................................................................................................ Veja no DVD Meu amigo ................................................................................................... ESTUDO DA LNGUA 7 E Vento Levou......................................................................... Tipos de Verbos na Libras ..........................................................................................................

7 8 9 9 10 11 12 12 13 14 15 15 16 17 18 21 21 22 22 23 25 26 28 29 30 31 32 32 32 33 34 34

5

Veja no DVD Aviso Importante.......................................................................................... Os verbos classificadores Manuais e Instrumentos.............................................................. Atividades no DVD Cad o verbo? I, II e III.......................................................................... Sinais em Foco: Negao em Libras........................................................................................... Veja no DVD Contextos da Negao.................................................................................. Conversando em Libras Dilogo............................................................................................. Curiosidade A Primeira Publicao sobre Lngua de Sinais no Brasil.................. REVISO DA ETAPA II............................................................................................................ Etapa III Vocabulrio de dificuldades.................................................................................. ESTUDO DA LNGUA 8 - PARECE, MAS NO ............................... Atividade .......................................... CUIDADO COM O CONTEXTO................... Atividade no DVD SINAIS EM CONTEXTO........ Para voc conhecer Leis em Destaque ................................................................................. CONCLUINDO OS ESTUDOS................................................................................................ BIBLIOGRAFIAS........................................................................................................................

35 37 38 41 41 42 43 44 45

46 46 47 4849 59 60

6

Objetivo Conhecer aspectos gramaticais da Libras de modo contextualizado favorecendo a prtica da conversao.

7

ESTUDO DA LNGUA 1 Recapitulando... Recapitulando... Estamos, aos poucos, avanando no nosso objetivo de aprender um novo idioma, a Libras, agora hora de relembrar o que j foi apreendido e continuar a caminhada...Ento responda as perguntas abaixo com suas palavras para depois apresentar ao professor(a) e seus colegas de curso: 1 Para voc as lnguas de sinais so lnguas de mesmo status que as lnguas orais? Por qu? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________

2 O que voc entende por Cultura Surda? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________

3 - Escolha um dos trechos abaixo e sinalize para seus colegas e professor(a):

a) Hoje acordei e levei um susto, tinha um gato na minha cama! Quando olhei de novo vi que no era um gato era o meu marido. b) Todo dia a mesma coisa, acordar, trabalhar, estudar, comer e dormir... Como fazer diferente? c) Quem comeu meu queijo?

8

ESTUDO DA LNGUA 2 Onde fica?

- Qual o caminho de A at B? - Qual o caminho de B at D? - Qual o caminho de C at A?

VEJA NO DVD Onde Fica?

9

Pronomes Demonstrativos em Libras

Observe nos sinais abaixo que os pronomes demonstrativos e os advrbios de lugar tm o mesmo sinal a diferena se d conforme o contexto do enunciado: EST@ / AQUI - olhar para o lugar apontado, perto da 1 pessoa.

ESS@ / A - olhar para o lugar apontado, perto da 2 pessoa.

AQUEL@ / L - olhar para um lugar distante apontando

10

Pronomes IndefinidosOs pronomes indefinidos na Libras se apresenta das seguintes formas:

Ningum Usados somente para pessoas:

Ningum / Nada Usado para pessoas e coisas.

Nada Usado para pessoas e coisas. (mos abertas esfregando-se uma na outra)

Atividade - 1Responda rpido em Libras: Quem est sentado a sua direita? Quem est sentado a sua esquerda? Quem est sentado a sua frente? Quem est sentado atrs de voc?

11

Sinais em Foco: Perspectiva Longe / Perto Localizao regional Cidades / Estados

VEJA NO DVD O Mundo em Libras

12

Conversando em Libras Dilogo

SITUAO: Bate-papo (duas pessoas conversando sobre a visita que receberam)

A) ONTEM PESSOAS GRUPO VISITAR ESCOLA (MUITO) BOM! (A visita de ontem na escola foi muito boa) B) VERDADE. LEGAL PESSOAS BRASIL DIFERENTES ( mesmo, foi legal ver pessoas de diferentes estados do Brasil.) A) GOSTAR MAIS PESSOAS BAHIA SEMPRE ALEGRE. (Eu gostei mais dos baianos, eles estavam sempre alegres.) B) EU VONTADE CONHECER BAHIA MAS (MUITO) LONGE... (Eu tenho vontade de conhecer a Bahia, mas muito longe) A) FUTURO PODE... (Quem sabe no futuro?) B) PODE...AGORA VOLTAR TRABALHAR OK?. TCHAU (Pode ser...Agora preciso voltar para o trabalho ok? Tchau)

A) TCHAU. NOITE ENCONTRAR. (Tchau, a noite nos encontramos)

13

Curiosidades Surdos & TecnologiasO avano das tecnologias no deixou os surdos margem, hoje h uma grande variedade de produtos tecnolgicos que se adaptaram ao estilo de vida dos surdos lhes proporcionando comodidade, segurana e autonomia. Veja alguma dessas tecnologias:

14

ESTUDO DA LNGUA 3 Procurando Emprego

Voc conhece profissionais surdos de que reas? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ O que voc tem a dizer sobre os surdos no mercado de trabalho? H alguma profisso que voc acha que os surdos no podem exercer? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________

VEJA NO DVD Procurando Emprego

15

Sinais em Foco: Profisses e afins

Dica: - Converse com Surdos (em Libras) sobre as profisses que eles gostariam de exercer.

16

Conversando em Libras Dilogo SITUAO: Procurando Emprego

A) BO@ TARDE! (Boa tarde!)

B) BO@ TARDE! PODE AJUDAR COISAS? (Boa tarde. Posso ajuda-lo?) A) EU NOME R-O-B-E-R-T-O PROCURAR TRABALHO-VAGA COZINHAR. (Meu nome Roberto e estou procurando uma vaga para trabalhar como cozinheiro.) B) VOC J EXPERIENCIA COZINHAR? TER CURSO? Voc j tem experincia na rea? J fez algum curso? A) TER SIM, J TRABALHAR COZINHA RESTAURANTE 3 ANOS FAZER CURSO S-E-N-A-C. (J trabalhei durante 3 anos em cozinha de restaurante e j fiz curso no SENAC) B) BOM, VC CURRICULO DAR SE TER VAGA (EU) AVISAR (VOC). (timo. Voc deixa seu currculo e se tiver alguma vaga ns entraremos em contato com voc) A) OK, MELHOR AVISAR CELULAR MENSAGEM OU E-MAIL (ok, seria melhor vocs fazerem contato por e-mail ou mensagem de texto pelo celular.) B) CERT@ (certo) A) OBRIGAD@ (obrigodo) B)TCHAU (tchau)

17

Voc Sabia...?O Tornar-se Empregvel e a Formao Profissional*Texto elaborado pelo Professor Vilmar Silva* Coordenador do NEPES CEFET/SC

A poltica governamental, principalmente nos ltimos tempos, tem se utilizado de um expediente nada convincente para o trabalhador, dentre eles os surdos, quando associa a possibilidade de emprego melhoria na formao profissional. O argumento utilizado pelo governo, no incio da dcada de 90 do sculo passado, foi de que a fora de trabalho no Brasil era de setenta milhes de pessoas com uma mdia de trs anos e meio de escolaridade, enquanto nossos vizinhos Chile, Uruguai, Argentina e Paraguai contavam com uma fora de trabalho em mdia com seis anos de escolaridade. Com este quadro educacional, para um pas que buscava qualidade e produtividade para ampliar suas possibilidades no mercado internacional, tornava-se indispensvel ampliar a proposta de formao profissional vigente e elevar o nvel de escolaridade dos trabalhadores. O governo tambm frisava, que no novo contexto internacional, o trabalhador surdo ou ouvinte , precisava se adequar nova realidade do trabalho, que tinha e tem como nica constante transitoriedade, em que profisses aparecem e desaparecem

abruptamente. Na prtica, significava e significa dizer que o trabalhador, para ser produtivo, alm de ser explorado, precisa buscar permanentemente a formao profissional. Frente transitoriedade das profisses, nos dias de hoje, para se manter empregvel o trabalhador precisa de centros de formao profissional com mltiplas entradas e sadas para se qualificar e requalificar durante toda a sua vida produtiva.

18

Mas, como fica a formao profissional dos surdos se os centros de formao (CEFETs, SENAI, SENAC, Universidade Pblicas e Privadas, etc.) no possuem em seu quadro de profissionais professores de Libras, Intrpretes e os projetos curriculares no privilegiam a experincia visual dos surdos? A reposta para esta pergunta simples: os surdos sem uma estrutura pedaggica mnima, nesses centros de formao profissional, no tm como se qualificar para o mercado de trabalho. Por no possurem uma qualificao mnima no tem como ingressar no mercado de trabalho. Portanto, no podem ser explorados pelo capital. E por no serem explorados enquanto fora de trabalho, no possuem os pr-requisitos para adquirir os bens materiais (televiso, geladeira, carro, casa, etc.) produzidos pela humanidade. Isto , no mundo do trabalho o surdo duplamente excludo. A lgica de se manter empregvel passou a ser de responsabilidade do prprio trabalhador. Dito de outro modo: o governo fez o seu papel quando mudou a poltica nacional de formao profissional, permitindo generosamente ao trabalhador fazer mltiplas capacitaes (cursos de qualificao e requalificao, cursos tcnicos, tecnlogos, etc.). Se ele no se torna empregvel porque no se capacitou adequadamente, ou seja, no se tornou competente para aquele trabalho, portanto a culpa sua e no do governo. Por trs dessa lgica de formao permanente do trabalhador para ter uma possibilidade de insero no mercado de trabalho, o que se observa uma substituio da identidade de cidado de plenos direitos pela identidade de cidado consumidor, na qual o emprego aparece como dependendo da estrita vontade individual de formao, quando se sabe que fatores de ordem macroeconmicos contribuem decisivamente com fechamento de postos de trabalho. O trabalhador, nesse novo contexto do mercado de trabalho e conseqentemente da formao profissional, passa a ser um consumidor de conhecimentos que devem prepar-lo a competir em um mercado onde no h espao para todos, mas somente para alguns. Assim, o tornar-se empregvel emerge em sintonia com a definio da

19

impossibilidade de existncia do pleno emprego como direito, adquirindo este a condio de mera possibilidade. Para se inserir no mercado de trabalho cada vez mais competitivo, o trabalhador surdo tambm passa a depender de sua capacidade individual em consumir os conhecimentos mais adequados que lhe garantam o emprego. De novo, voltamos a pergunta anterior: como o trabalhador surdo pode ser um consumidor de conhecimentos se os centros de formao profissional no esto preparados para receb-los? A situao atual to perversa que o Estado, nesse processo, deixa de ser o provedor da formao profissional, permitindo a ampliao cada vez maior dos centros de formao privada, atribuindo ao trabalhador a responsabilidade pela sua prpria formao. O trabalhador, por este vis, deve ter a liberdade de escolher as opes que melhor o capacitem a competir, desde de que pague pelo acesso ao conhecimento, no intuito de garantir seus direitos de consumidor. Dentro desta lgica, no se deixa de ser consumidor se outras pessoas consomem mais. Porm, quando isto ocorre, os que consomem menos perdem alguns direitos bsicos da cidadania (sade, educao, habitao, etc.),

independentemente de sua condio lingstica, social, sexual, nacional, racial e outros. A condio de cidadania negada quando essa diferenciao se produz na vida social. Neste sentido, o conceito tornar-se empregvel passa a colocar em foco que a cidadania est vinculada a possibilidade de consumir, no permitindo a existncia do sujeito como cidado de plenos direitos.

Reflexes Crticas O que voc achou do texto? Reflita e discuta

20

ESTUDO DA LNGUA 4 A Viagem

Expresses e Advrbios de Tempo / Freqncia

21

Sinais em Foco: Meios de transporte / Hotel / Rodoviria / Aeroporto / Bagagem / Cultura / Turismo

Atividade - 3

Responda rpido em Libras: (dica: as respostas esto acima) a) Qual o veculo de duas rodas que mais causa acidentes? b) O que que tem asas, mas no pssaro, tem rodas, mas no carro? c) O maior ninho do Brasil ? d) Titanic lembra...? e) Sempre lotado? f) Lugar de passagem? g) Grupo de passeio?

22

Conversando em Libras Dilogo SITUAO: Encontro no aeroporto (duas pessoas se encontram por coincidncia no aeroporto) A) OI! BOM! (ol tudo bem!) B) BOM! QUANTO-TEMPO? (tudo bem, nossa quanto tempo?) B) DESCULPE VOC SINAL? (Desculpa qual mesmo o seu sinal?) A) SINAL ESQUECER? (voc esqueceu do meu sinal?) A) (faz sinal) B) LEMBRAR ROSTO SINAL ESQUECER NS-DOIS J ESTUDAR JUNT@ PASSADO. (Eu lembro da sua fisionomia, mas esqueci seu sinal. Ns j estudamos juntas h pouco tempo) A) SIM. AGORA EU VIAJAR RIO GRANDE DO SUL CASA AMIG@ E VC? (Isso mesmo. Estou indo para o Rio Grande do Sul para casa de uma amiga, e voc?) B) EU VIAJAR R-I-O AMANHA FESTA SURDOS. (Estou indo para o Rio de Janeiro, para uma festa dos surdos que vai ter amanh?) A) VOC VIAJAR R-I-O SEMPRE? (Voc sempre viaja para o Rio?) B) NUNCA, HOJE PRIMEIRA VEZ. (Hoje a primeira vez que vou, nunca fui antes.) A) EU FREQUENTAR RIO GRANDE DO SUL SEMPRE-SEXTA. (Eu vou para o Rio Grande do Sul toda sexta-feira) B) BOM ENCONTRAR MAS AGORA PRECISA IR J HORA AVIO. (Foi te encontrar, mas agora preciso ir. J esta na hora do avio sair) A) PROBLEMA-NO. BO@ VIAGEM. 23

(No tem problema. Boa viagem) B) TAMBM VOC. (para voc tambm) A)TCHAU B)TCHAU

24

Mais uma para voc responder...A Viagem

Voc j tem internalizado conhecimentos bsicos para uma boa comunicao em Libras, no entanto, suponha que no lugar onde voc trabalha ou estuda somente voc tem tais conhecimentos e de repente chegam dois surdos pedindo informaes sobre como comprar passagens de volta para casa...Como voc faria para se comunicar com eles? (sinta-se vontade para expressar todas as suas idias).

___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________

Agora suponha que sejam dois Surdos de outro pas como seria sua reao?

___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________

25

Os Movimentos SurdosMadalena Klein (UFRGS) Movimentos Surdos e os Discursos Sobre Surdez, Educao e Trabalho: A constituio do surdo trabalhador. Artigo completo disponvel em: http://www.cultura-sorda.eu/resources/Klein_movimento-surdo.pdf

A comunidade surda v nos movimentos surdos uma possibilidade de caminhada poltica de resistncia s prticas ouvintistas2 at ento hegemnicas nos diferentes espaos educacionais, sociais e culturais, como tambm, um espao de luta pelo reconhecimento da Lngua de Sinais e das identidades surdas. Nas palavras de uma pesquisadora surda, encontramos explicitada sua viso do movimento surdo.Para o movimento surdo, contam as instncias que afirmam a busca do direito do indivduo surdo ser diferente nas questes sociais, polticas e econmicas que envolvem o mundo do trabalho, da sade, da educao, do bem-estar social (Perlin, 1998:71)

Esses movimentos se do a partir dos espaos articulados pelos surdos, como as associaes, as cooperativas, os clubes, onde jovens e adultos surdos estabelecem o intercmbio cultural e lingstico e fazem o uso oficial da Lngua de Sinais (FENEIS, 1995a:10)3 . Um dos principais fatores de reunio das pessoas surdas a Lngua de Sinais, atravs da qual eles encontram oportunidades de compartilhar suas experincias e seus sonhos, e tambm um espao de reafirmao da luta pelo direito ao uso dessa lngua. Mas as questes discutidas pelos movimentos surdos se ampliam e diversificam, segundo suas realidades locais e nacionais. Algumas lutas so compartilhadas pelos grupos de surdos em diferentes regies do mundo, sendo que sua articulao ao nvel mundial est sob a coordenao da Federao Mundial de Surdos (Word Federation of the DeafWFD), com sede na Finlndia. A sua

Segundo Skliar (1998: 15), esse termo se refere as representaes dos ouvintes sobre a surdez e sobre os surdos (...) a partir do qual o surdo est obrigado a olhar-se e narrar-se como se fosse ouvinte. Com esse termo se faz uma analogia ao colonialismo colonialista. Ao falar em movimentos surdos, no estou me referindo ao conjunto generalizado de surdos. Eles representam, neste artigo, grupos determinados, em sua maioria moradores dos centros urbanos, pertencendo a famlias de situao scio-econmica estvel, que tiveram acesso escolarizao.3

2

26

criao, em 1951, significou uma importante conquista de espao poltico para as discusses e articulaes das lutas das comunidades surdas (Souza, 1998). Entre a maioria dos surdos europeus e norte-americanos, principalmente, h uma tradio de festejar o surgimento ou a origem da comunidade surda a partir do encontro do Abade LEpe, por volta de 1760, com duas jovens surdas nas ruas de Paris. Deste encontro resultou seu interesse pela Lngua de Sinais e a fundao da primeira escola pblica para surdos4. (...) Mottez (1992) sugere o nascimento do movimento surdo vinculado diretamente ao encontro de pessoas surdas em banquetes, sendo que o primeiro teria sido organizado para comemorar o aniversrio do Abade. (...) A histria dos movimentos surdos comea a ser contada, pela prpria comunidade surda (FENEIS, Relatrios de 1993, 1996, 1997), a partir da chegada ao Brasil do francs Hernest Huet, surdo e ex-diretor do Instituto de Surdos de Paris. (...) Um exemplo significativo de resistncia nos movimentos surdos vem se dando no campo da educao. As discusses emergentes sobre a participao de surdos nas decises educacionais das escolas, os movimentos em direo ruptura com o que at ento se denomina educao especial, procurando redefinir novos espaos, novos sujeitos, so alguns dos exemplos de saberes, fragmentados e descentrados, s vezes, mas que vm a contrapor os saberes oficiais, institudos e considerados at ento como verdadeiros.

A primeira escola pblica para surdos foi fundada pelo Abade LEpe, na cidade de Paris em 1760, tornando-se, em 1791, o Instituto Nacional de Jovens Surdos de Paris INJS (Institut, 1994). Esta escola foi referncia na educao de surdos nos sculos XVIII e XIX, de onde se formaram vrios professores surdos que fundara novas escolas de surdos em diferentes pases, como o caso do Instituto Nacional de Surdos de nosso pas, fundado a partir da chegada do professor surdo Hernest Huet, em 1857, na cidade do Rio de Janeiro.4

27

REVISO DA ETAPA I

Revisando... 1) Assista no DVD o conto Encontro Marcado e reescreva-o abaixo em lngua portuguesa: ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________

2) Responda as lacunas rapidamente traduzindo para Libras:

a) Agora estou........da minha casa. b) Um dia tem ...........de durao. c) Quem trabalha ganha.........todo ms. d) Hoje acordei s......... e) Amanh a noite vou a uma........ f) Minha escola est em.......por isso no tive aula. g) Amanh viajo para Bahia de..... h) Eu ......um cachorro verde. i) Eu .....vou andar de moto, morro de medo. j) s 16h tenho um..... com meu amigo. k) Demorei quase ..... para chegar em casa. l) Estou atrasado! Vou pegar um ..... m) Minha viagem foi ...

28

Objetivo Avanar na produo e compreenso de sinais da Libras em diferentes contextos.

29

ESTUDO DA LNGUA 5 A Grande Famlia

Dica: - Estude os sinais relacionados famlia e pratique dilogos.

30

Conversando em Libras Dilogo SITUAO: Conhecendo a Famlia dela... (a namorada mostra foto da famlia para o namorado) A) namorada B) namorado

A) OLHA FOTO MINHA FAMILIA. (Olhe a foto da minha famlia) B) HUMM. QUEM EST@ ALT@ FORTE CABELO NADA? (Humm. E quem este alto, forte e careca?) A) PAI. ( meu pai.) B) MULHER DUAS PARECE. QUEM? (Tem duas mulheres muito parecidas. Quem so?) A) UMA MAE. (Uma delas minha me.) B) QUAL-DOS-DOIS? (Qual das duas?) A) LADO DIRET@ (A que est do lado direito.) B) BONIT@...VELH@ VOV SEU? (Bonita...Este velhinho seu av?) A) SIM. MORREU J ( sim, mas j faleceu.) B) EST@ MENINA CABELO COMPRIDO BONIT@ QUEM? (E esta menina bonita de cabelos compridos? Quem ?) A) EU. (Sou eu.) B) VERDADE? DIFERENTE... ( mesmo? Est diferente...) A) PORQUE? FEI@ AGORA? (Por que? Agora estou feia ?) B) NO! AGORA MAIS BONIT@ (No! Agora est muito mais bonita!) 31

ESTUDO DA LNGUA 6 Caracteristicas Pessoais e Personalidades Adjetivos e Comparativos em Libras- Pesquise os sinais e pratique: Velho jovem Velho usado novo Qual-dos-dois? Alto baixo Mais do que Gordo magro Igualdade Grosso fino Inferioridade Grande pequeno Superioridade Feio bonito Forte - fraco Rpido devagar Quente frio

Atividade

De olho no contexto, sinalize as frases abaixo e correlacione ao contexto correto: ( ( ( ( ( ( ) Qual voc quer? Branco ou preto? ) Ele come mais do que eu. ) Qual sua idade? ) Ele comeu menos do que eu. ) Ele pensa que sabe tudo. ) Surdos e ouvintes so iguais no tem melhor ou pior. b) SUPERIORIDADE e) QUAL DOS DOIS c)INFERIORIDADE

a)IGUALDADE d)MAIS DO QUE

32

ATIVIDADES NO DVD Meu amig@ ...

Assista no DVD a atividade Meu amigo ... correlacionando os adjetivos em libras com os parnteses abaixo:

( )

( )

( )

( )

33

ESTUDO DA LNGUA 7 E vento levou...

TIPOS DE VERBOS EM LIBRAS

1 - Verbos sem Concordncia Esse grupo de verbos caracterizado por no apresentar flexo quanto pessoa, eles tambm no incorporam instrumentos e nem argumentos. So os verbos mais simples em libras. Muitos deles apresentam a locao do sinal junto ao corpo.

So verbos como:

Um fato curioso que muitos deles so verbos ligados s emoes ou capacidade intelectual, justamente por esses terem a locao junto ao corpo na libras. Eles geralmente esto associados a apontao. Veja os exemplos no DVD.

34

AtividadeEm dupla elaborar um dilogo que envolva o maior nmero possvel de verbos sem concordncia em seguida apresente para seus colegas e professor.

2- Verbos com Concordncia So verbos que concordam com as pessoas da sentena, mas no incorporam o locativo. A direo do sinal realizada do sujeito para o objeto da sentena. Com isso a direo do movimento destes verbos sempre ir variar com a posio das pessoas que esto envolvidas.

Exemplos deste tipo de verbo so:

VEJA NO DVD Aviso Importante

35

AtividadeCom o grupo de alunos de sua turma pratique o uso destes verbos a partir das seguintes situaes: a) EU AVISAR VOC b) VOC AVISAR EU c) EU AVISAR VOC E ELE d) ELE AVISAR EU e) EU DAR VOC f) EU DAR ELE g) EU DAR VOC E ELE h) EU PERGUNTAR VOC i) VOCE PERGUNTAR EU

3 - Verbos Espaciais Os verbos espaciais so verbos que tm afixos locativos. Estes verbos sempre esto relacionados a existncia de um lugar no discurso. Exemplos de verbos espaciais so COLOCAR, IR, CHEGAR.

AtividadeEm grupos filmem uma pequena narrativa em Libras que utilizem os verbos acima descritos.

36

VERBOS CLASSIFICADORES De Incorporao / Manuais / Instrumentais

1 - Verbos que Incorporam o Formato dos Argumentos da Sentena

Esse grupo de verbos muito diversificado e um pouco complexo. Para entendermos como eles funcionam precisamos ver de maneira bem superficial, o que queremos dizer com argumentos verbais. Para explicar isso, vamos citar um exemplo do portugus, o verbo amar. O verbo amar exprime uma relao entre duas pessoas, onde uma pessoa ama e a outra pessoa amada. Veja o exemplo ________ ama _________ Pessoa que amada Joo ama Maria O verbo amar apresenta dois locais que precisam ser preenchidos, como ilustrado acima. Esses locais so chamados dentro da gramtica de argumentos verbais. Agora que j entendemos um pouco o que argumento verbal podemos estudar melhor o grupo de verbos que incorporam argumentos na libras. Na libras o verbo AMAR funciona da mesma forma que em portugus, onde uma pessoa ama a outra pessoa, e o verbo amar apresenta dois argumentos e apenas isso. Entretanto h um grupo de verbos onde o formato de um dos argumentos modifica a configurao da mo na realizao daquele sinal. Um exemplo o verbo andar, pois em libras conforme o que estiver andando a configurao de mo ser diferente. Agora tente sinalizar as expresses abaixo, discuta com seus colegas e professor:

Pessoa que ama

37

ANDAR-PESSOA / ANDAR-ANIMAL-DE-PATAS ANDAR-ANIMAL-RASTEJANTE / ANDAR-CARRO ANDAR-MOTO / ANDAR-AVIO Outros verbos desse grupo so: ABRIR, NADAR, SEGURAR, CAIR.

Atividade

1) Dos verbos acima citado, tente relacionar as modificaes de configurao que eles podem ter dependendo do argumento da sentena. Uma dica. Monte frases com esses verbos e depois procure sinaliz-las, vers que os verbos sofrero alterao na configurao de mo. Apresente suas consideraes aos colegas e professores. 2) Tente sinalizar as seguintes aes: a) Copo quebrando; b) Lpis rolando; c) Vidro rachando; d) gua vazando; e) Pessoa tropeando; f) Pessoa carregando uma caixa muito pesada.

Atividade no DVD Cad o verbo? I Veja no DVD a histria contada e procure encontrar os verbos que apresentam incorporao de argumento. Anote-os e discuta em sala de aula.

38

2 - Verbos Manuais

Agora vamos conhecer um pouco mais sobre um outro grupo especial de verbos da libras, so os Verbos Manuais. Esse um grupo restrito de verbos e o seu significado s definido dentro do contexto discursivo.

A configurao de mo desses verbos sempre em expresses verbais:

ou em

e

representam aes onde uma pessoa est segurando algo. Tente sinalizar as

PASSAR-ROUPA

PINTAR-PAREDE-ROLO

REGAR-PLANTAS-MANGUEIRA

Outros exemplos so: VARRER-VASSOURA, VARRER-ASPIRADOR, REMAR-REMO, CORTAR-FACO.

Atividade no DVD Cad o verbo? II

Veja no DVD o pequeno conto em libras e tente identificar os Verbos Manuais. Depois em sala de aula o professor(a) ir discutir com vocs os sinais encontrados. 3- Verbos Instrumentais

Os verbos instrumentais so um outro grupo especial de verbos da libras. Esse grupo de verbos mais complexo e exige que vocs prestem muita ateno para poder compreend-los e us-los adequadamente. Em portugus no h nada parecido.

39

Os verbos instrumentais so verbos no qual o formato do instrumento que est sendo usado para realizar aquela ao modifica o formato da configurao da mo. Por exemplo, o verbo CORTAR. Em portugus o verbo cortar exprime uma ao onde algo est sendo partido pela ao desse instrumento. Em libras no encontramos o verbo cortar isolado, ele est sempre ligado ao instrumento que est sendo utilizado para realizar uma determinada ao de cortar. Sinalize os exemplos abaixo.

CORTAR-FACA

CORTAR-TESOURA CORTAR-GUILHOTINA

Podemos notar que em portugus o instrumento da ao geralmente no est presente na sentena, veja abaixo:

(1) Joo cortou o po.

Em libras o verbo cortar necessita que se explicite o instrumento que foi usado na ao de cortar.

(2) JOO PO CORTAR-FACA.

H uma srie de verbos que so instrumentais em libras e que dependendo do instrumento que utilizado na ao h alterao da configurao da mo. Como exemplo de verbos instrumentais podemos citar: FURAR-X; CAVAR-X; CORTAR-X; PINTAR-X; COLHER-X.

Atividade no DVD Cad o verbo? III

Veja no DVD o pequeno conto em libras e procure identificar os verbos instrumentais

40

Sinais em Foco: Negao em Libras Tipos de Negao em Libras

1 Negao utilizando o sinal NO. Sinalize: CONHECER JOO? CONHECER-NO

2 Negao simultnea ao sinal atravs do movimento da cabea Sinalize: NO-ACREDITAR VOC HOJE NO-PRECISAR VOC IR

3 Negao por incorporao (incorporao da negao) Sinalize: NO-QUERER NO-TER NO-GOSTAR

- Agora discuta com seus colegas e Professor as diferenas encontradas.

ATIVIDADE NO DVD Contextos da Negao

Traduza para a lngua portuguesa os enunciados em Libras: a) b) c) d) e) f) ________________________________________________ ________________________________________________ ________________________________________________ ________________________________________________ ________________________________________________ ________________________________________________

41

Conversando em Libras Dilogo

SITUAO: Pedindo informao (pessoa pedindo vrias informaes para outra pessoa no ponto de nibus) A) Quem pede informao B) Informante

A) BOM DIA! VOC CONHECER ONDE CIDADE S--O S-E-B-A-S-T-I--O? (Bom dia! Voc sabe onde fica Cidade So Sebastio?) B) CONHECER-NO (No conheo) A) SABER ONDE RUA G-U-A-R-A-J-? (Sabe onde fica rua Guaruj?) B) SABER-NO (No sei) A) J VER ONIBUS 175 PASSAR? (Viu se o nibus 175 j passou?) B) VER-NO (No vi.) A) TXI TER AQUI? (Por aqui tem txi?) B) NUNCA-VI (Nunca vi no) A) PUXA!!! NUNCA-VI NO!NO!NO.

42

A Primeira Publicao sobre Lngua de Sinais no Brasil

Foi feita, em 1873, pelo Surdo Flausino Jos da Gama aluno do Instituto de Surdos-Mudos do Rio de Janeiro (atual Instituto Nacional de Educao de Surdos INES). O estudo resultou na obra Iconographia dos Signaes dos Surdos-Mudos, publicado em 1875. Veja a seguir:

Cpia disponvel no acervo do NEPES

43

REVISO DA ETAPA II

Revisando... 1) Monte sua rvore genealgica mais recente e apresente aos seus colegas e professor(a) descrevendo as semelhanas fsicas e emocionais de alguns: 2) Crie um pequeno conto que envolva verbos de incorporao, manuais e instrumentais. Apresente aos seus colegas e professor(a).OBS: Esta atividade ser filmada para que posteriormente cada um possa se auto-avaliar.

3) Faa a correspondncia ente os sinais e seu uso em diferentes contextos.

a)

b)

c)

d)

e)

( ( ( ( (

) No comi nada hoje. ) No tenho dinheiro. ) Ainda no recebi salrio. ) Nunca andei de avio. ) No consigo abrir a porta.

44

Objetivo Conhecer, praticar e revisar vocbulos que facilitam a conversao.

45

ESTUDO DA LNGUA 8 Parece, mas no ...

Nas lnguas de sinais existem sinais que so quase idnticos, mas possuem significados diferentes que so percebidos no contexto, assim como na lngua portuguesa, por exemplo, as palavras: firma (empresa) firma (confirmao) manga (camisa) - manga (fruta) ouve (ato de ouvir) houve (acontecer) so idnticas, mas apresentam significados diferentes. Ento cuidado para no confundir, pois as aparncias enganam...

Veja os exemplos: Cadeira / Sentar Oito / S Sbado / Laranja Vdeo / Fita de vdeo Pesquisar / Perguntar Avio / Voar Caf / Xcara Deputado / Advogado Curto / Pequeno Estudar / Aula Remdio / Engraado Carro / Dirigir Pente / Pentear Acordo / Vingar Oficial / Verdade Vidro / Verde Combinar / Compromisso Como / Para qu?

VEJA NO DVD Parece, mas no ...

Assista os sinais acima no DVD e comente as diferenas encontradas.

AtividadeCrie uma pequena histria (conto/ narrativa / piada) utilizando duplas de sinais quaseidnticos.

46

CUIDADO COM O CONTEXTO... J sabemos que a lngua de sinais principalmente visual, a iconicidade uma caracterstica bsica. No entanto quando se est acostumado a ouvir a percepo visual, pela falta de uso, acaba por no se ampliar muito, logo h a tendncia de pessoas ouvintes ao sinalizarem em Libras associar sinais s palavras da Lngua Portuguesa e a seus significados. preciso ento estar atento e exercitar a percepo visual sobre os acontecimentos e objetos a nossa volta para estar sempre dentro do contexto de sinalizao. Observe os exemplos...

PALAVRA DO PORTUGUES: MAIS Em Libras apresenta diferentes significados e formas de enunciar. (Veja a sinalizao com seu Professor) MAIS (SOMA) MAIS (DOBRO) MAIS(FALTA) MAIS(NOVAMENTE)

PALAVRA DO PORTUGUES: AINDA Em Libras apresenta diferentes significados e formas de enunciar. (Veja a sinalizao com seu Professor) AINDA-NO PRONTO ACABADO

PALAVRA DO PORTUGUES: FALTAR Em Libras apresenta diferentes significados e formas de enunciar. (Veja a sinalizao com seu Professor) FALTAR PESSOAS COISAS FALTAR (AUSNCIA)

47

Atividade no DVD Sinais em Contexto - MAIS

1) Assista no DVD a cena -1 sinais em contexto - MAIS e escolha a opo correta: Os sinais que aparecem consecutivamente so: a) Mais (soma) / Mais (dobro). / Mais (novamente) / Mais (falta) b) Mais (falta) / Mais (novamente). / Mais (dobro) / Mais (soma) c) Mais (soma) / Mais (falta). / Mais (dobro) / Mais (novamente) d) Mais (novamente) / Mais (soma). / Mais (dobro) / Mais (falta)

Atividade no DVD Sinais em Contexto - FALTAR

Assista o DVD - sinais em contexto - FALTAR e assinale as alternativas corretas: 1) 2) 3) 4) 5) (a) (a) (a) (a) (a) (b) (b) (b) (b) (b) (c) (c) (c) (c) (c)

48

Leis em destaque...No Estado de Santa Catarina os movimentos surdos vm alcanando algumas das metas sobre a difuso da lngua brasileira de sinais, ou seja, oficializ-la como lngua prpria do povo surdo. Ano 2000, em 25 de abril no Estado. Lei n. 11.385. Ano 2002, em 24 de abril no Brasil. Lei n. 10.436. Ano 2005, em 12 de dezembro, regulamentao da lei de libras, conforme abaixo. Decreto n. 5.626. http://www.mp.sc.gov.br/legisla/est_leidec/lei_estadual/2000/le11385_00.htm

LEI N 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002. O PRESIDENTE DA REPBLICA Fao saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1 reconhecida como meio legal de comunicao e expresso a Lngua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expresso a ela associados. Pargrafo nico. Entende-se como Lngua Brasileira de Sinais - Libras a forma de comunicao e expresso, em que o sistema lingstico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical prpria, constituem um sistema lingstico de transmisso de idias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil. Art. 2 Deve ser garantido, por parte do poder pblico em geral e empresas concessionrias de servios pblicos, formas institucionalizadas de apoiar o uso e difuso da Lngua Brasileira de Sinais Libras como meio de comunicao objetiva e de utilizao corrente das comunidades surdas do Brasil. Art. 3 As instituies pblicas e empresas concessionrias de servios pblicos de assistncia sade devem garantir atendimento e tratamento adequado aos portadores de deficincia auditiva, de acordo com as normas legais em vigor. Art. 4 O sistema educacional federal e os sistemas educacionais estaduais, municipais e do Distrito Federal devem garantir a incluso nos cursos de formao de Educao Especial, de Fonoaudiologia e de Magistrio, em seus nveis mdio e superior, do ensino da Lngua Brasileira de Sinais - Libras, como parte integrante dos Parmetros Curriculares Nacionais - PCNs, conforme legislao vigente. Pargrafo nico. A Lngua Brasileira de Sinais - Libras no poder substituir a modalidade escrita da lngua portuguesa. Art. 5 Esta Lei entra em vigor na data de sua publicao. Braslia, 24 de abril de 2002; 181 da Independncia e 114 da Repblica. FERNANDO HENRIQUE CARDOSOo o o o o o o

49

Paulo Renato Souza

http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/LEIS/2002/L10436.htm

DECRETO N 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. PRESIDENTE DA REPBLICA, no uso das atribuies que lhe confere o art. 84, inciso IV, da o Constituio, e tendo em vista o disposto na Lei n 10.436, de 24 de abril de 2002, e no art. 18 da Lei o n 10.098, de 19 de dezembro de 2000, DECRETA: CAPTULO I DAS DISPOSIES PRELIMINARES Art. 1 Este Decreto regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Art. 2 Para os fins deste Decreto, considera-se pessoa surda aquela que, por ter perda auditiva, compreende e interage com o mundo por meio de experincias visuais, manifestando sua cultura principalmente pelo uso da Lngua Brasileira de Sinais - Libras. Pargrafo nico. Considera-se deficincia auditiva a perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqncias de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz. CAPTULO II DA INCLUSO DA LIBRAS COMO DISCIPLINA CURRICULAR Art. 3 A Libras deve ser inserida como disciplina curricular obrigatria nos cursos de formao de professores para o exerccio do magistrio, em nvel mdio e superior, e nos cursos de Fonoaudiologia, de instituies de ensino, pblicas e privadas, do sistema federal de ensino e dos sistemas de ensino dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios. 1 Todos os cursos de licenciatura, nas diferentes reas do conhecimento, o curso normal de nvel mdio, o curso normal superior, o curso de Pedagogia e o curso de Educao Especial so considerados cursos de formao de professores e profissionais da educao para o exerccio do magistrio. 2 A Libras constituir-se- em disciplina curricular optativa nos demais cursos de educao superior e na educao profissional, a partir de um ano da publicao deste Decreto. CAPTULO III DA FORMAO DO PROFESSOR DE LIBRAS E DO INSTRUTOR DE LIBRAS Art. 4 A formao de docentes para o ensino de Libras nas sries finais do ensino fundamental, no ensino mdio e na educao superior deve ser realizada em nvel superior, em curso de graduao de licenciatura plena em Letras: Libras ou em Letras: Libras/Lngua Portuguesa como segunda lngua.o o o o o o

50

Pargrafo nico. As pessoas surdas tero prioridade nos cursos de formao previstos no caput. Art. 5 A formao de docentes para o ensino de Libras na educao infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental deve ser realizada em curso de Pedagogia ou curso normal superior, em que Libras e Lngua Portuguesa escrita tenham constitudo lnguas de instruo, viabilizando a formao bilnge. 1 Admite-se como formao mnima de docentes para o ensino de Libras na educao infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental, a formao ofertada em nvel mdio na modalidade normal, que viabilizar a formao bilnge, referida no caput. 2 As pessoas surdas tero prioridade nos cursos de formao previstos no caput. Art. 6 A formao de instrutor de Libras, em nvel mdio, deve ser realizada por meio de: I - cursos de educao profissional; II - cursos de formao continuada promovidos por instituies de ensino superior; e III - cursos de formao continuada promovidos por instituies credenciadas por secretarias de educao. 1 A formao do instrutor de Libras pode ser realizada tambm por organizaes da sociedade civil representativa da comunidade surda, desde que o certificado seja convalidado por pelo menos uma das instituies referidas nos incisos II e III. 2 As pessoas surdas tero prioridade nos cursos de formao previstos no caput. Art. 7 Nos prximos dez anos, a partir da publicao deste Decreto, caso no haja docente com ttulo de ps-graduao ou de graduao em Libras para o ensino dessa disciplina em cursos de educao superior, ela poder ser ministrada por profissionais que apresentem pelo menos um dos seguintes perfis: I - professor de Libras, usurio dessa lngua com curso de ps-graduao ou com formao superior e certificado de proficincia em Libras, obtido por meio de exame promovido pelo Ministrio da Educao; II - instrutor de Libras, usurio dessa lngua com formao de nvel mdio e com certificado obtido por meio de exame de proficincia em Libras, promovido pelo Ministrio da Educao; III - professor ouvinte bilnge: Libras - Lngua Portuguesa, com ps-graduao ou formao superior e com certificado obtido por meio de exame de proficincia em Libras, promovido pelo Ministrio da Educao. 1 Nos casos previstos nos incisos I e II, as pessoas surdas tero prioridade para ministrar a disciplina de Libras. 2 A partir de um ano da publicao deste Decreto, os sistemas e as instituies de ensino da educao bsica e as de educao superior devem incluir o professor de Libras em seu quadro do magistrio. Art. 8 O exame de proficincia em Libras, referido no art. 7 , deve avaliar a fluncia no uso, o conhecimento e a competncia para o ensino dessa lngua. 1 O exame de proficincia em Libras deve ser promovido, anualmente, pelo Ministrio da Educao e instituies de educao superior por ele credenciadas para essa finalidade.o o o o o o o o o o o o

51

2 A certificao de proficincia em Libras habilitar o instrutor ou o professor para a funo docente. 3 O exame de proficincia em Libras deve ser realizado por banca examinadora de amplo conhecimento em Libras, constituda por docentes surdos e lingistas de instituies de educao superior. Art. 9 A partir da publicao deste Decreto, as instituies de ensino mdio que oferecem cursos de formao para o magistrio na modalidade normal e as instituies de educao superior que oferecem cursos de Fonoaudiologia ou de formao de professores devem incluir Libras como disciplina curricular, nos seguintes prazos e percentuais mnimos: I - at trs anos, em vinte por cento dos cursos da instituio; II - at cinco anos, em sessenta por cento dos cursos da instituio; III - at sete anos, em oitenta por cento dos cursos da instituio; e IV - dez anos, em cem por cento dos cursos da instituio. Pargrafo nico. O processo de incluso da Libras como disciplina curricular deve iniciar-se nos cursos de Educao Especial, Fonoaudiologia, Pedagogia e Letras, ampliando-se progressivamente para as demais licenciaturas. Art. 10. As instituies de educao superior devem incluir a Libras como objeto de ensino, pesquisa e extenso nos cursos de formao de professores para a educao bsica, nos cursos de Fonoaudiologia e nos cursos de Traduo e Interpretao de Libras - Lngua Portuguesa. Art. 11. O Ministrio da Educao promover, a partir da publicao deste Decreto, programas especficos para a criao de cursos de graduao: I - para formao de professores surdos e ouvintes, para a educao infantil e anos iniciais do ensino fundamental, que viabilize a educao bilnge: Libras - Lngua Portuguesa como segunda lngua; II - de licenciatura em Letras: Libras ou em Letras: Libras/Lngua Portuguesa, como segunda lngua para surdos; III - de formao em Traduo e Interpretao de Libras - Lngua Portuguesa. Art. 12. As instituies de educao superior, principalmente as que ofertam cursos de Educao Especial, Pedagogia e Letras, devem viabilizar cursos de ps-graduao para a formao de professores para o ensino de Libras e sua interpretao, a partir de um ano da publicao deste Decreto. Art. 13. O ensino da modalidade escrita da Lngua Portuguesa, como segunda lngua para pessoas surdas, deve ser includo como disciplina curricular nos cursos de formao de professores para a educao infantil e para os anos iniciais do ensino fundamental, de nvel mdio e superior, bem como nos cursos de licenciatura em Letras com habilitao em Lngua Portuguesa. Pargrafo nico. O tema sobre a modalidade escrita da lngua portuguesa para surdos deve ser includo como contedo nos cursos de Fonoaudiologia.o o

o

52

CAPTULO IV DO USO E DA DIFUSO DA LIBRAS E DA LNGUA PORTUGUESA PARA O ACESSO DAS PESSOAS SURDAS EDUCAO Art. 14. As instituies federais de ensino devem garantir, obrigatoriamente, s pessoas surdas acesso comunicao, informao e educao nos processos seletivos, nas atividades e nos contedos curriculares desenvolvidos em todos os nveis, etapas e modalidades de educao, desde a educao infantil at superior. 1 Para garantir o atendimento educacional especializado e o acesso previsto no caput, as instituies federais de ensino devem: I - promover cursos de formao de professores para: a) o ensino e uso da Libras; b) a traduo e interpretao de Libras - Lngua Portuguesa; e c) o ensino da Lngua Portuguesa, como segunda lngua para pessoas surdas; II - ofertar, obrigatoriamente, desde a educao infantil, o ensino da Libras e tambm da Lngua Portuguesa, como segunda lngua para alunos surdos; III - prover as escolas com: a) professor de Libras ou instrutor de Libras; b) tradutor e intrprete de Libras - Lngua Portuguesa; c) professor para o ensino de Lngua Portuguesa como segunda lngua para pessoas surdas; e d) professor regente de classe com conhecimento acerca da singularidade lingstica manifestada pelos alunos surdos; IV - garantir o atendimento s necessidades educacionais especiais de alunos surdos, desde a educao infantil, nas salas de aula e, tambm, em salas de recursos, em turno contrrio ao da escolarizao; V - apoiar, na comunidade escolar, o uso e a difuso de Libras entre professores, alunos, funcionrios, direo da escola e familiares, inclusive por meio da oferta de cursos; VI - adotar mecanismos de avaliao coerentes com aprendizado de segunda lngua, na correo das provas escritas, valorizando o aspecto semntico e reconhecendo a singularidade lingstica manifestada no aspecto formal da Lngua Portuguesa; VII - desenvolver e adotar mecanismos alternativos para a avaliao de conhecimentos expressos em Libras, desde que devidamente registrados em vdeo ou em outros meios eletrnicos e tecnolgicos; VIII - disponibilizar equipamentos, acesso s novas tecnologias de informao e comunicao, bem como recursos didticos para apoiar a educao de alunos surdos ou com deficincia auditiva. 2 O professor da educao bsica, bilnge, aprovado em exame de proficincia em traduo e interpretao de Libras - Lngua Portuguesa, pode exercer a funo de tradutor e intrprete de Libras - Lngua Portuguesa, cuja funo distinta da funo de professor docente.o o

53

3 As instituies privadas e as pblicas dos sistemas de ensino federal, estadual, municipal e do Distrito Federal buscaro implementar as medidas referidas neste artigo como meio de assegurar atendimento educacional especializado aos alunos surdos ou com deficincia auditiva. Art. 15. Para complementar o currculo da base nacional comum, o ensino de Libras e o ensino da modalidade escrita da Lngua Portuguesa, como segunda lngua para alunos surdos, devem ser ministrados em uma perspectiva dialgica, funcional e instrumental, como: I - atividades ou complementao curricular especfica na educao infantil e anos iniciais do ensino fundamental; e II - reas de conhecimento, como disciplinas curriculares, nos anos finais do ensino fundamental, no ensino mdio e na educao superior. Art. 16. A modalidade oral da Lngua Portuguesa, na educao bsica, deve ser ofertada aos alunos surdos ou com deficincia auditiva, preferencialmente em turno distinto ao da escolarizao, por meio de aes integradas entre as reas da sade e da educao, resguardado o direito de opo da famlia ou do prprio aluno por essa modalidade. Pargrafo nico. A definio de espao para o desenvolvimento da modalidade oral da Lngua Portuguesa e a definio dos profissionais de Fonoaudiologia para atuao com alunos da educao bsica so de competncia dos rgos que possuam estas atribuies nas unidades federadas. CAPTULO V DA FORMAO DO TRADUTOR E INTRPRETE DE LIBRAS - LNGUA PORTUGUESA Art. 17. A formao do tradutor e intrprete de Libras - Lngua Portuguesa deve efetivar-se por meio de curso superior de Traduo e Interpretao, com habilitao em Libras - Lngua Portuguesa. Art. 18. Nos prximos dez anos, a partir da publicao deste Decreto, a formao de tradutor e intrprete de Libras - Lngua Portuguesa, em nvel mdio, deve ser realizada por meio de: I - cursos de educao profissional; II - cursos de extenso universitria; e III - cursos de formao continuada promovidos por instituies de ensino superior e instituies credenciadas por secretarias de educao. Pargrafo nico. A formao de tradutor e intrprete de Libras pode ser realizada por organizaes da sociedade civil representativas da comunidade surda, desde que o certificado seja convalidado por uma das instituies referidas no inciso III. Art. 19. Nos prximos dez anos, a partir da publicao deste Decreto, caso no haja pessoas com a titulao exigida para o exerccio da traduo e interpretao de Libras - Lngua Portuguesa, as instituies federais de ensino devem incluir, em seus quadros, profissionais com o seguinte perfil: I - profissional ouvinte, de nvel superior, com competncia e fluncia em Libras para realizar a interpretao das duas lnguas, de maneira simultnea e consecutiva, e com aprovao em exame de proficincia, promovido pelo Ministrio da Educao, para atuao em instituies de ensino mdio e de educao superior; II - profissional ouvinte, de nvel mdio, com competncia e fluncia em Libras para realizar a interpretao das duas lnguas, de maneira simultnea e consecutiva, e com aprovao em exame de proficincia, promovido pelo Ministrio da Educao, para atuao no ensino fundamental;

o

54

III - profissional surdo, com competncia para realizar a interpretao de lnguas de sinais de outros pases para a Libras, para atuao em cursos e eventos. Pargrafo nico. As instituies privadas e as pblicas dos sistemas de ensino federal, estadual, municipal e do Distrito Federal buscaro implementar as medidas referidas neste artigo como meio de assegurar aos alunos surdos ou com deficincia auditiva o acesso comunicao, informao e educao. Art. 20. Nos prximos dez anos, a partir da publicao deste Decreto, o Ministrio da Educao ou instituies de ensino superior por ele credenciadas para essa finalidade promovero, anualmente, exame nacional de proficincia em traduo e interpretao de Libras - Lngua Portuguesa. Pargrafo nico. O exame de proficincia em traduo e interpretao de Libras - Lngua Portuguesa deve ser realizado por banca examinadora de amplo conhecimento dessa funo, constituda por docentes surdos, lingistas e tradutores e intrpretes de Libras de instituies de educao superior. Art. 21. A partir de um ano da publicao deste Decreto, as instituies federais de ensino da educao bsica e da educao superior devem incluir, em seus quadros, em todos os nveis, etapas e modalidades, o tradutor e intrprete de Libras - Lngua Portuguesa, para viabilizar o acesso comunicao, informao e educao de alunos surdos. 1 O profissional a que se refere o caput atuar: I - nos processos seletivos para cursos na instituio de ensino; II - nas salas de aula para viabilizar o acesso dos alunos aos conhecimentos e contedos curriculares, em todas as atividades didtico-pedaggicas; e III - no apoio acessibilidade aos servios e s atividades-fim da instituio de ensino. 2 As instituies privadas e as pblicas dos sistemas de ensino federal, estadual, municipal e do Distrito Federal buscaro implementar as medidas referidas neste artigo como meio de assegurar aos alunos surdos ou com deficincia auditiva o acesso comunicao, informao e educao. CAPTULO VI DA GARANTIA DO DIREITO EDUCAO DAS PESSOAS SURDAS OU COM DEFICINCIA AUDITIVA Art. 22. As instituies federais de ensino responsveis pela educao bsica devem garantir a incluso de alunos surdos ou com deficincia auditiva, por meio da organizao de: I - escolas e classes de educao bilnge, abertas a alunos surdos e ouvintes, com professores bilnges, na educao infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental; II - escolas bilnges ou escolas comuns da rede regular de ensino, abertas a alunos surdos e ouvintes, para os anos finais do ensino fundamental, ensino mdio ou educao profissional, com docentes das diferentes reas do conhecimento, cientes da singularidade lingstica dos alunos surdos, bem como com a presena de tradutores e intrpretes de Libras - Lngua Portuguesa. 1 So denominadas escolas ou classes de educao bilnge aquelas em que a Libras e a modalidade escrita da Lngua Portuguesa sejam lnguas de instruo utilizadas no desenvolvimento de todo o processo educativo.o o o

55

2 Os alunos tm o direito escolarizao em um turno diferenciado ao do atendimento educacional especializado para o desenvolvimento de complementao curricular, com utilizao de equipamentos e tecnologias de informao. 3 As mudanas decorrentes da implementao dos incisos I e II implicam a formalizao, pelos pais e pelos prprios alunos, de sua opo ou preferncia pela educao sem o uso de Libras. 4 O disposto no 2 deste artigo deve ser garantido tambm para os alunos no usurios da Libras. Art. 23. As instituies federais de ensino, de educao bsica e superior, devem proporcionar aos alunos surdos os servios de tradutor e intrprete de Libras - Lngua Portuguesa em sala de aula e em outros espaos educacionais, bem como equipamentos e tecnologias que viabilizem o acesso comunicao, informao e educao. 1 Deve ser proporcionado aos professores acesso literatura e informaes sobre a especificidade lingstica do aluno surdo. 2 As instituies privadas e as pblicas dos sistemas de ensino federal, estadual, municipal e do Distrito Federal buscaro implementar as medidas referidas neste artigo como meio de assegurar aos alunos surdos ou com deficincia auditiva o acesso comunicao, informao e educao. Art. 24. A programao visual dos cursos de nvel mdio e superior, preferencialmente os de formao de professores, na modalidade de educao a distncia, deve dispor de sistemas de acesso informao como janela com tradutor e intrprete de Libras - Lngua Portuguesa e subtitulao por meio do sistema de legenda oculta, de modo a reproduzir as mensagens veiculadas o s pessoas surdas, conforme prev o Decreto n 5.296, de 2 de dezembro de 2004. CAPTULO VII DA GARANTIA DO DIREITO SADE DAS PESSOAS SURDAS OU COM DEFICINCIA AUDITIVA Art. 25. A partir de um ano da publicao deste Decreto, o Sistema nico de Sade - SUS e as empresas que detm concesso ou permisso de servios pblicos de assistncia sade, na perspectiva da incluso plena das pessoas surdas ou com deficincia auditiva em todas as esferas da vida social, devem garantir, prioritariamente aos alunos matriculados nas redes de ensino da educao bsica, a ateno integral sua sade, nos diversos nveis de complexidade e especialidades mdicas, efetivando: I - aes de preveno e desenvolvimento de programas de sade auditiva; II - tratamento clnico e atendimento especializado, respeitando as especificidades de cada caso; III - realizao de diagnstico, atendimento precoce e do encaminhamento para a rea de educao; IV - seleo, adaptao e fornecimento de prtese auditiva ou aparelho de amplificao sonora, quando indicado; V - acompanhamento mdico e fonoaudiolgico e terapia fonoaudiolgica; VI - atendimento em reabilitao por equipe multiprofissional;o o o o o

o

56

VII - atendimento fonoaudiolgico s crianas, adolescentes e jovens matriculados na educao bsica, por meio de aes integradas com a rea da educao, de acordo com as necessidades teraputicas do aluno; VIII - orientaes famlia sobre as implicaes da surdez e sobre a importncia para a criana com perda auditiva ter, desde seu nascimento, acesso Libras e Lngua Portuguesa; IX - atendimento s pessoas surdas ou com deficincia auditiva na rede de servios do SUS e das empresas que detm concesso ou permisso de servios pblicos de assistncia sade, por profissionais capacitados para o uso de Libras ou para sua traduo e interpretao; e X - apoio capacitao e formao de profissionais da rede de servios do SUS para o uso de Libras e sua traduo e interpretao. 1 O disposto neste artigo deve ser garantido tambm para os alunos surdos ou com deficincia auditiva no usurios da Libras. 2 O Poder Pblico, os rgos da administrao pblica estadual, municipal, do Distrito Federal e as empresas privadas que detm autorizao, concesso ou permisso de servios o o pblicos de assistncia sade buscaro implementar as medidas referidas no art. 3 da Lei n 10.436, de 2002, como meio de assegurar, prioritariamente, aos alunos surdos ou com deficincia auditiva matriculados nas redes de ensino da educao bsica, a ateno integral sua sade, nos diversos nveis de complexidade e especialidades mdicas. CAPTULO VIII DO PAPEL DO PODER PBLICO E DAS EMPRESAS QUE DETM CONCESSO OU PERMISSO DE SERVIOS PBLICOS, NO APOIO AO USO E DIFUSO DA LIBRAS Art. 26. A partir de um ano da publicao deste Decreto, o Poder Pblico, as empresas concessionrias de servios pblicos e os rgos da administrao pblica federal, direta e indireta devem garantir s pessoas surdas o tratamento diferenciado, por meio do uso e difuso de Libras e da traduo e interpretao de Libras - Lngua Portuguesa, realizados por servidores e empregados capacitados para essa funo, bem como o acesso s tecnologias de informao, conforme prev o Decreto no 5.296, de 2004. 1 As instituies de que trata o caput devem dispor de, pelo menos, cinco por cento de servidores, funcionrios e empregados capacitados para o uso e interpretao da Libras. 2 O Poder Pblico, os rgos da administrao pblica estadual, municipal e do Distrito Federal, e as empresas privadas que detm concesso ou permisso de servios pblicos buscaro implementar as medidas referidas neste artigo como meio de assegurar s pessoas surdas ou com deficincia auditiva o tratamento diferenciado, previsto no caput. Art. 27. No mbito da administrao pblica federal, direta e indireta, bem como das empresas que detm concesso e permisso de servios pblicos federais, os servios prestados por servidores e empregados capacitados para utilizar a Libras e realizar a traduo e interpretao de Libras - Lngua Portuguesa esto sujeitos a padres de controle de atendimento e a avaliao da satisfao do usurio dos servios pblicos, sob a coordenao da Secretaria de Gesto do Ministrio do Planejamento, Oramento e Gesto, em conformidade com o Decreto no 3.507, de 13 de junho de 2000. Pargrafo nico. Caber administrao pblica no mbito estadual, municipal e do Distrito Federal disciplinar, em regulamento prprio, os padres de controle do atendimento e avaliao da satisfao do usurio dos servios pblicos, referido no caput.o o o o

57

CAPTULO IX DAS DISPOSIES FINAIS Art. 28. Os rgos da administrao pblica federal, direta e indireta, devem incluir em seus oramentos anuais e plurianuais dotaes destinadas a viabilizar aes previstas neste Decreto, prioritariamente as relativas formao, capacitao e qualificao de professores, servidores e empregados para o uso e difuso da Libras e realizao da traduo e interpretao de Libras Lngua Portuguesa, a partir de um ano da publicao deste Decreto. Art. 29. O Distrito Federal, os Estados e os Municpios, no mbito de suas competncias, definiro os instrumentos para a efetiva implantao e o controle do uso e difuso de Libras e de sua traduo e interpretao, referidos nos dispositivos deste Decreto. Art. 30. Os rgos da administrao pblica estadual, municipal e do Distrito Federal, direta e indireta, viabilizaro as aes previstas neste Decreto com dotaes especficas em seus oramentos anuais e plurianuais, prioritariamente as relativas formao, capacitao e qualificao de professores, servidores e empregados para o uso e difuso da Libras e realizao da traduo e interpretao de Libras - Lngua Portuguesa, a partir de um ano da publicao deste Decreto. Art. 31. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicao. Braslia, 22 de dezembro de 2005; 184 da Independncia e 117 da Repblica. LUIZ INCIO LULA DA SILVA Fernando Haddado o

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm

58

Finalizando...

Ufaa...Conclumos mais uma etapa e para finalizar propomos um debate sobre o uso da lngua de sinais no momento atual. Alguns encaminhamentos so:

Onde tem sido falada a lngua de sinais hoje?(nas escolas, nos lares, nas igrejas, nos programas televisivos, nas associaes de surdos, nos debates polticos?) Onde encontramos os intrpretes da libras? (nas escolas, nas reparties pblicas, nos hospitais, na tv?) Onde encontramos o Professor Surdo? As leis tem sido cumpridas nos lugares que voc tem acesso?

Esperamos que o curso tenha sido prazeroso e til vida de cada um, aprender uma segunda lngua significa tambm se abrir a outras culturas, outros modos de viver e ver o mundo.

Mas no esquea, ainda h muitas novidades pela frente no curso III.

Agradecemos pela convivncia e at o prximo curso

59

Referncias Bibliogrficas

FELIPE, Tanya A; MONTEIRO, Myrna S. Libras em Contexto: curso bsico, livro do professor instrutor Braslia : Programa Nacional de Apoio Educao dos Surdos, MEC: SEESP, 2001. BRITO, Lucinda Ferreira. Por uma gramtica de lnguas de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: UFRJ, Departamento de Lingstica e Filologia, 1995. QUADROS, Ronice Muller de; KARNOPP, Lodenir Becker. Lngua de sinais brasileira: estudos lingsticos. Porto Alegre : Artmed, 2004. VASCONCELOS, Silvana Patrcia; SANTOS, Fabrcia da Silva; SOUZA, Glucia Rosa da. LIBRAS: lngua de sinais. Nvel 1. AJA - Braslia : Programa Nacional de Direitos Humanos. Ministrio da Justia / Secretaria de Estado dos Direitos Humanos CORDE.

60