APOSTILA HISTÓRIA 6 ANO

Download APOSTILA HISTÓRIA 6 ANO

Post on 08-Dec-2014

176 views

Category:

Documents

47 download

TRANSCRIPT

MATERIAL DE HISTRIA PARA O 6 ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ADAPTADO DE ACORDO COM O CBC DE MINAS GERAIS

Autora: Natania A.da Silva Nogueira Escola Municipal Judith Lintz Guedes Machado - 2 edio (Revisada e ampliada em janeiro de 2011 - ainda no est totalmente de acordo com a nova norma ortogrfica) .

Ano 2011

2

INDICEI INTRODUZINDO O ESTUDO DA HISTRIA 03 15 23 41 64 71 77

II - A PR-HISTRIAIII - AS PRIMEIRAS CIVILIZAES IV AS CIVILIZAES CLSSICAS

V - AS GRANDES NAVEGAES E GRANDES DESCOBERTAS VI - A OCUPAO DO TERRITRIO BRASILEIROVII - HISTRIA LOCAL

3

I INTRODUZINDO O ESTUDO DA HISTRIA O que Histria? Histria tudo o que est relacionado presena, s atividades, as maneiras de ser das pessoas. Tambm dado outro sentido: Histria, cincia que estuda a vida humana atravs do tempo. O estudo da histria pode servir a diferentes finalidades, que variam conforme o ponto de vista. Historiador a pessoa que interpreta os fatos histricos ou experincias humanas com ajuda dos registros deixados de um povo. Em histria h tempos de curta, mdia e longa durao. Curta durao aquele que passa imediatamente. Mdia durao um fato no nosso tempo. E longa durao aquele que ocorreu h muito tempo atrs. Porque estudamos Histria? Estudamos histria para aprender a questionar e refletir sobre acontecimentos que j aconteceram como forma de melhorar nosso entendimento sobre a realidade. A partir deste questionamento passamos a construir nosso conhecimento e a fazer melhor uso do conjunto da experincia e conhecimento humanos, passados de gerao a gerao. Como dividimos o estudo da Histria? A histria comea quando os homens encontram os elementos de sua existncia nas realizaes de seus antepassados. Do ponto de vista europeu, divide-se em cinco grandes perodos: Pr-histria, Antiguidade, Idade Mdia, Idade Moderna e Idade Contempornea.

4

As cincias auxiliares da Histria Para estudar a histria, os historiadores precisam da ajuda de outros cientistas, que tambm trabalham com o passado. Dos mais importantes auxiliares dos historiadores, esto: Os arquelogos: eles escavam a terra, entram em cavernas, mergulham em mares de rios em busca de vestgios. Os arquelogos trabalham com o que chamamos de cultura material. Cultura material tudo aquilo que foi produzido pelo homem ou que marca a presena dele em determinado local. Por exemplo: pedaos de cermica, objetos pessoas, construes antigas ou restos delas; Os paleontlogos: estudo os fsseis, restos de animais, como dinossauros ou de plantas que com o tempo foram fossilizadas (transformadas em pedra ou em algum outro tipo de matria orgnica); Os antroplogos: eles estudam as sociedades humanas e, em alguns casos, os restos humanos, como esqueletos, mmias, que so encontrados pelos arquelogos em suas escavaes. Gelogo: estuda a historia da terra, das rochas, das montanhas. Ele capaz de dizer quando um fenmeno natural como um terremoto ou a erupo de vulco ocorreram e quais foram os estragos causados, apenas analisando camadas de rocha e terra. Com a ajuda dos documentos produzidos por estes cientistas o Historiador analisa as informaes e reconstitui a histria de uma pessoa, de um povo, de uma poca. um trabalho muito lento e longo, que feito a cada dia. A histria , portanto, uma cincia dinmica e que caminha junto com outras cincias. Os Tipos de Histria H muitos tipos de histria, mas trs so considerada mais importantes: 1. A HISTRIA CINCIA: aquela baseada em pesquisas cientficas e que ns estudamos nos livros de histria; 2. A HISTRIA DE FICO: aquela usada para se fazer romances, filmes, novelas, histrias em quadrinhos. So histrias no verdadeiras, mas que no so mentiras, pois quando elas so criadas para divertir e no para enganar as pessoas; 3. A HISTRIA DE VIDA: a nossa histria, a histria de cada pessoa que caminha sobre a terra.

5

A CONTAGEM DO TEMPO HISTRICO A contagem das pocas ou eras da Histria varia segundo o parmetro de cada civilizao. Desde a Antiguidade, os povos adotam diferentes sistemas para a contagem do tempo anual (calendrio) e, posteriormente, para o incio de sua prpria histria (era). Hoje o calendrio cristo predominante, mas ainda subsistem os calendrios hebreu, chins e muulmano. Primeiro calendrio - Surge no Egito Antigo em cerca de 3.000 a.C. Considera as fases da Lua e divide o ano em 12 meses de 29 ou 30 dias. Calendrio hebreu- O ano 1 da era judaica corresponde a 3.761 a.C. Em setembro de 1995 comea o ano 5756 dos judeus. Seu calendrio lunissolar (considera o Sol e a Lua), com ano mdio de 356,246 dias e meses de 29 ou 30 dias. Calendrio chins- lunissolar e comporta dois ciclos: um de 12 anos (de 354 ou 355 dias, ou 12 meses lunares) e um de sete anos (com anos de 383 ou 384 dias, ou 13 meses). Os anos do primeiro ciclo tm nomes de animais: rato, boi, tigre, lebre, drago, serpente, cavalo, cabra, macaco, galo, cachorro e porco. Calendrio cristo - proposto em 525 pelo historiador grego Dionsio, o Menor, para pr fim desordem dos diversos sistemas de contagem cronolgica ento empregados. Calculando a data da Pscoa crist, Dionsio toma o nascimento de Jesus Cristo como ano 1 do sculo I, tendo por base o calendrio juliano. Os perodos e acontecimentos anteriores a isso passam a ser datados com a sigla a.C. (antes de Cristo) e contados de trs para diante. Era crist - O calendrio cristo adotado no ocidente a partir do sculo VI. No sculo X a era crist oficializada pela Igreja Romana e introduzida na Igreja bizantina. No final do sculo XIX, quando a contagem cronolgica da Histria pelo sistema de Dionsio j est difundida e uniformizada pelo mundo, descobre-se um erro de clculo. Cristo nasce, segundo a moderna historiografia, no ano 4 a.C.

6

Atividades1 - Relacione palavras e imagens: 1 Histria fico ( )

2 Histria cincia

(

)

3 - Paleontlogo

(

)

4 - Gelogo

(

)

7

5 - Antroplogo

(

)

8

2 - Resolva os seguintes problemas: a - Um fssil de um ancestral do homem foi encontrado numa caverna e seus ossos possuem mais de 200 mil anos. Este Homens viveu num perodo antes ou depois de Cristo? Justifique sua resposta: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ b - Um grande rei nasceu no ano 344 a.C. Se ele estivesse vivo at os hoje, quantos anos ele teria? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 3 Sobre os arquelogos, responda: a) Como o arquelogo trabalha? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ b) Geralmente, onde o arquelogo encontra os vestgios (objetos produzidos pelo ser humano) mais antigos? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

9

APRENDENDO A CONTAR O TEMPO POR MEIO DOS SCULOSO tempo histrico normalmente agrupado em sculos. Cada sculo tem 100 anos e passa a ser contado a partir do ano 01. Para sabermos a qual sculo corresponde um determinado ano, basta fazer um clculo muito simples. Ns pegamos um ano, acrescentamos 01 sua centena e o resultado o sculo que buscamos. EX:

1356 +1__ 14 = XIVOs sculos so representados por algarismos romanos. Assim o sculo 14 = XIV 1 - A partir destas informaes, faa a converso de anos para sculos, na tabela abaixo: Anos 01 - 100 101 200 201 300 301 400 401 500 501 600 601 700 701 800 801 900 901 1000 Sculo Anos 1001 1101 1201 1301 1401 1501 1601 1701 1801 1901 2001 1100 1200 1300 1400 1500 1600 1700 - 1800 1900 - 2000 - 2100

Sculos

2 Siga o exemplo descubra a que sculo pertence os anos abaixo: 1134= XII 1100= 434= 1567= 890= 2001= 1300= 84= 587= 1678= 1000= 434= 1790= 1340= 1888= 234= 1123= 587=

10

11

O SURGIMENTO DA VIDA NA TERRANo se sabe ao certo quando surgiu a vida na terra, mas os cientistas acreditam que tudo tenha comeado na gua, onde teriam se desenvolvido desenvolveram os primeiros microorganismos. Os microorganismos so seres muito pequenos que no podem ser vistos a olho nu e, para enxerglos, precisa-se da ajuda de um microscpio. Dentre os seres microscpicos, tem-se as BACTRIAS, alguns FUNGOS (leveduras e bolores), os PROTOZORIOS, as ALGAS microscpicas e os VRUS (estes ltimos so to pequenos que para enxerg-los preciso usar microscpio eletrnico). Os microrganismos encontram-se distribudos em praticamente todos os lugares da natureza. Esto no ar, na gua (mares, rios, lagos e gua subterrnea) e no solo. Veja abaixo alguns exemplos de microorganismos.

Fonte: http://baraodemel.blogspot.com/2010_04_25_archive.html

Alguns desses primeiros seres vivos passaram por milhes e milhes de anos de evoluo e acabaram dando origem s espcies animais que ocuparam nosso planeta. Leia a histria em quadrinhos abaixo e entenda melhor como tudo aconteceu.

12

13

14

Fonte: Portal da Turma da Mnica

15

Atividades:1 O que so microorganismos? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 2 Que tipo de microorganismos existem? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 3 Aps ler a histria em quadrinhos do Horcio, descreva de forma resumida como supostamente nasceu o primeiro ser vivo do nosso planeta: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 4 Onde este ser unicelular vivia? _________________________________________________________________ 5- Explique como um nico ser vivo pode ter dado origem a outros seres, todos to diferentes: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

16

6 Caa palavras: R S U R F A S D G L B T H N E Z X C V B N U X H I T V P Y U I O P B I C W E O C E A N O R S E R T V L G J K A U T L A Z O Q U W T U J O U I Q A I L F H K R L R A R G Y F A L L I A T M A R B X T O M A R Y S D K E O K J Procure as seguintes Palavras: 1 - Povoar 2 - Evoluo 3 - Unicelular 4 - Oceano 5 - Histria

17

II - A PR-HISTRIAVamos falar um pouco da PR-HISTRIA, que um dos perodos mais longos da histria da humanindade, com mais de 3 milhes de anos. Este perodo se divide em trs partes: Paleoltico, Neoltico e Idade dos Metais. A Pr-Histria comea com o surgimento do ser humano e termina com a inveno da escrita. Neste perodo os dinossauros j no caminhavam mais pela terra e, portanto, nossos ancestrais nunca chegaram a serem devorados por um Tiranossauro Rex.

Muitas vezes, quando assistimos a um filme, a um desenho animado ou mesmo lemos uma revista em quadrinhos, podem aparecer homens prhistricos perseguidos por dinossauros. Isto se chama licena potica. quando um escritor cria uma histria onde ele mistura personagens reais com imaginrios, utiliza elementos da histria sem respeitar o tempo de cada coisa. Assim, temos que prestar ateno para no confundir histria real com fico e mostrar que somos craques em interpretao, pois entender as informaes contidas em filmes, histrias em quadrinhos, livros de romance e encenaes de teatro so formas de ler a realidade na qual vivemos. Assim, interpretar entender a mensagem que nos passam em uma conversa, em uma novela, em um programa de rdio, no livro escolar, etc.

18

O paleoltico Segundo a cincia, o ser humano passou por um longo processo de evoluo, at que s restasse a nossa espcie: o homo sapiens, sapiens. Nosso ancestral mais antigo foi o australopithecus, que teria surgido no mundo h mais ou menos 3 milhes de anos. Ele era um homindio. Existiram dois tipos de homindeos: os australopithecus e os homo. Ns pertencemos espcie homo. Antes de ns, havia o homo habilis, o homo erectus e o homo sapiens neanderthalensis. Durante o PALEOLTICO , tambm chamado de IDADE DA PEDRA LASCADA, os primeiros seres humanos os homindeos criaram seus primeiros instrumentos, feitos com pedra lascada, ossos de animais e madeira. Nesta poca os homindeos moravam nas cavernas e dependiam do que a natureza lhes oferecia como razes, frutos, animais para caar e peixes para pescar.

A vida era muito difcil e nem sempre se conseguia o alimento para todos. Por esta razo, os nossos ancestrais estavam sempre se mudando, indo atrs de comida. Como no ficavam muito tempo em um mesmo lugar, eles eram NMADES. Comiam, no incio, a carne de animais sem cozinhar, depois aconteceu uma coisa muito importante: os homindeos aprenderam a dominar o fogo e, assim, a cozinhar seu alimento, se aquecer no inverno e a defender suas cavernas e abrigos dos animais selvagens. A descoberta do fogo mudou a vida dos nossos ancestrais e representou um dos maiores feitos humanos do Paleoltico. Mas no foi uma tarefa fcil. Primeiro, os homindeos tiravam o fogo da natureza, depois, eles aprenderam a dominar e a produzir o fogo. Observe a histria em quadrinhos abaixo, e entenda melhor:

19

Fonte: Portal da Turma da Mnica

20

O Neoltico O Paleoltico termina quando os homindeos aprendem a cultivar seus alimentos. Esta mudana recebeu o nome de REVOLUO AGRCOLA e marca o incio de uma nova fase da pr-histria: o NEOLTICO, ou IDADE DA PEDRA POLIDA. A partir da observao da natureza, eles foram aprendendo o ciclo da vida e que animais e plantas podiam ser domesticados. Aprenderam a selecionar as plantas que lhes trariam mais alimentos e os animais que seriam mais teis, fornecendo carne, couro, leite e fora de trabalho (transportando madeira, alimentos, pessoas, etc). O primeiro animal a ser domesticado foi o co. Produzindo o seu alimento, os grupos humanos comearam a se fixar em um s lugar, a construir casas e a se tornarem agricultores e criadores de animais. Com isto, deixaram de ser nmades se tornaram SEDENTRIOS.No toa que sou o melhor amigo do homem!

A Idade dos Metais Os grupos humanos ficaram mais numerosos e mais saudveis, passando as pessoas a viverem mais tempo. Surgiram as primeiras habitaes construdas pelos seres humanos. Estamos caminhando para a IDADE DOS METAIS, quando os grupos humanos desenvolveram as tcnicas de fundio do metal (derretimento a altas temperaturas), e criaram as primeiras ligas metlicas feitas com cobre, bronze, ouro, prata, ferro, etc. Atravs do domnio de tcnicas de fundio, o homem teve condies de criar instrumentos mais eficientes para o cultivo agrcola, derrubada de floretas e a prtica da caa. Infelizmente, o domnio sobre os metais teve influncia nas disputas entre as comunidades que competiam pelo controle das melhores pastagens e reas de cultivo, surgindo assim as primeiras guerras. Nesta poca iro surgir, tambm, as primeiras cidades, os primeiros governos e o ser humano ir desenvolver novas habilidades, surgiram

21

profisses como a de ferreiro, marceneiro, padeiro, soldado dentre outras. Ao final deste perodo, surgir a escrita e com ela chegar ao fim a Prhistria.

Ns no sabemos escrever, porque no temos mos... Ser que vai fazer tanta diferena assim?

A partir da criao da escrita, a humanidade comea uma nova etapa de sua evoluo social: a Civilizao. Nesta etapa iremos estudar como as pessoas passaram a viver em sociedades complexas, organizadas sobre um governo, com leis para todos e com o crescente desenvolvimento da economia.

22

Atividades1 - Para o homem primitivo os instrumentos feitos de pedra eram uma tecnologia avanada. Sobre este assunto faa uma pequena produo de texto relacionando a tecnologia que temos hoje com a tecnologia produzida durante a pr-histria, comparando os benefcios que elas nos trouxeram e ainda trazem. ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________

2 Preste ateno na mensagem do quadrinho abaixo:Ns, dinossauros, caminhamos sobre a terra h milhes de anos. Havia muitos de ns. Alguns eram grandes, outros eram pequenos. Atualmente, estamos extintos. Restaram de ns apenas algumas marcas nas pedras e nossos ossos.

Vamos fazer um exerccio de interpretao. a) Os dinossauros ainda existem? ( ) Sim ( ) No

23

b) O que aconteceu com os dinossauros? _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ c) Como sabemos que eles existiram, um dia? _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ 3 - Levando em conta o que voc aprendeu sobre homens e dinossauros, diga o que h de errado na figura ao lado: ____________________________________ ____________________________________ ____________________________________ ____________________________________ ____________________________________ ____________________________________ ____________________________________ ____________________________________ 4 - Arquelogos encontram sinais de fogo controlado Homindeos que migraram da frica em direo sia e Europa j controlavam o fogo h 790 mil anos. As evidncias indicam que espcies semelhantes ao homem moderno, como o Homo erectus, tinham um comportamento sofisticado. De acordo com os pesquisadores da Universidade Hebraica, foram encontrados vestgios de diferentes tipos de madeiras queimadas que datam de 690 mil a 790 mil anos atrs. O local tambm guardava ferramentas de pedra e ossos com marcas de corte, o que sugere consumo de carne. Os pesquisadores acreditam que o local servia como uma espcie de lareira e descartam a hiptese de fogo natural. "[O controle do fogo] certamente levou a mudanas profundas de comportamento [destes homindeos], no que se refere dieta, defesa e interao social". h 790 mil anos.

Fonte do texto: Folha online, 29/04/2004 Fonte da Imagem: Portal da Turma da Mnica

24

a) Segundo o texto, quando o homem comeou a dominar o fogo? _________________________________________________________________ b) Explique, usando seus conhecimentos, qual foi a importncia do fogo para o homem primitivo. _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 5 Na historia em quadrinhos sobre o controle do fogo, os seres humanos esto representados por animais imaginrios, inclusive dinossauros. Mas a mensagem que a histria nos passa verdadeira. Usando seus conhecimentos sobre o assunto, preencha os bales abaixo e coloque em palavras os pensamentos dos personagens.

4 Explique o que foi a Idade dos Metais e cite uma coisa boa e uma coisa ruim que ocorreu neste perodo: _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________ _______________________________________________________________

25

III - AS PRIMEIRAS CIVILIZAES1 Uma civilizao um tipo de comunidade ou de sociedade humana que conseguiu um grande nvel de evoluo social, cultural, econmica e poltica. Quando o ser humano alcana este nvel de desenvolvimento, ele deixa de pertencer a uma sociedade primitiva e se tornou civilizado. As cidades surgem para organizar a sociedade, nelas ficavam os governos, as igrejas (que representam a religio de cada povo), os exrcitos (que devem proteger as pessoas). Nelas so comercializados a produo agrcola e artesanal e so oferecidos servios como de marceneiro, carpinteiro, ferreiro, padeiro e qualquer outra atividade produtiva, que caracteriza a economia de uma comunidade (economia se refere a tudo aquilo que se produz, ao trabalho que a pessoa desempenha em alguma atividade, a tudo que produz, riqueza material de um povo). S ns, da espcie humana, somos capazes de nos organizar na forma de civilizao. As primeiras civilizaes das quais se tem notcia surgiram na Mesopotmia e no Egito. A Mesopotmia fica no Oriente Mdio. Ela uma regio banhada por dois importantes rios: o Rio Tigre e o Rio Eufrates. Nas margens destes dois rios, nasceram as primeiras cidades das quais se tem notcia.

A civilizao egpcia nasceu no nordeste da frica, nas margens do rio Nilo.

1

Imagens adaptadas do livro em quadrinhos Histria do Mundo em quadrinhos , de Larry Gonick,

26

A MESOPOTMIA A MESOPOTMIA a regio do Oriente Mdio que compreende os vales e plancies entre os rios Tigres e Eufrates, que desguam no Golfo Prsico. Mesopotmia do grego quer dizer terra entre rios. Hoje, esta regio equivale ao territrio do Iraque e pases vizinhos. Nela que se tm o registro das primeiras civilizaes, perto de 4000 a.C. Neste perodo comea a estruturar-se o Estado, o surgimento da escrita,o desenvolvimento da economia comercial e a utilizao da roda nos veculos. Na Mesopotmia as pessoas aprenderam a irrigar os campos, a drenar os pntanos e a evitar as inundaes, garantindo o armazenamento de gua para os perodos de seca. L a agricultura prosperou e milhares de pessoas podiam ser alimentadas, sem necessidade de se buscar alimentos em outras regies.O rio vai nos ajudar a ter boas colheitas! Vamos poder plantar mais e comer mais.

Nesta terra frtil nossa civilizao pode prosperar.

Tudo isto ajudou no desenvolvimento e no crescimento das cidades, algumas delas com mais de 10 mil habitantes. Algumas dessas cidades tornaram-se muito poderosas, possuam reis que as governavam e exrcitos que as protegiam. Em torno delas havia aldeias de camponeses que trabalhavam na agricultura.

27

Como estas cidades eram organizadas como pequenos pases, elas foram chamadas de cidades-estados. De tempos em tempos, uma cidade-estado se destacava na regio, sob o governo de algum rei muito poderoso. Muitos povos viveram na Mesopotmia, mas alguns deles se destacaram mais. Vamos conhecer um pouco sobre cada um deles? Os Sumrios Este povo viveu na Mesopotmia entre 3.500 2.550 a.C. Eles fundaram importantes cidadesestado como Ur, Uruk, Eridu e Lagash. A populao nestas cidades variava entre 10 mil a 50 mil habitantes. No caso da cidade de Ur , a populao chegou a 200 mil habitantes. Cada cidade tinha um PATESI, um representante poltico, com funes polticas e militares. Era auxiliado pelos sacerdotes do templo e altos funcionrios. Ele controlava as construes civis e hidrulicas, administrava os tributos (impostos pagos) da populao. Os governantes destas cidades eram considerados intermedirios ou representantes dos deuses da terra ( o que chamamos de teocracia, quando uma pessoa ou um grupo de pessoas governa em nome de um deus). Os deuses eram considerados donos das terras. Nas cidades, havia templos chamados de ZIGURATES pirmides de tijolos macios - que serviam de santurios e meio de comunicao entre deuses e humanos. Eles eram erguidos como meio de homenagear e agradecer o deus patrono de cada cidade. Entre algumas das mais importantes realizaes culturais dos sumrios, temos: ESCRITA: escrita cuneiforme, feita em argila mole, com um estilete em forma de cunha. Foi utilizado nas relaes comerciais com os povos

28

do Mediterrneo e do vale do Indo. Com o tempo passou a ser usada no s no comrcio, mas em textos religiosos, literrios e jurdicos. INVENO E USO DA RODA: antes os veculos dos Sumrios eram trens puxados por animais, por isso a necessidade de melhorar e acelerar os transportes os levou a utilizar a roda. Isso serviu para acelerar as comunicaes por meios terrestres e revolucionar os meios de locomoo da poca.

Os Amoritas ou Babilnios Viveram na Mesopotmia entre 2000 a.C.-1750 a.C. Eles vieram do deserto da Arbia e estabeleceram na cidade de Babilnia, sendo depois denominados babilnios. O rei mais conhecido e importante de Babilnia foi Hamurbi. Ele responsvel pela elaborao de um dos primeiros cdigos de leis (jurdico) escrito da humanidade: a Cdigo de Hamurbi. O Cdigo Hamurbi tinha o objetivo de dar disciplina vida econmica e garantir a propriedade privada e ordem na sociedade. Baseava-se em um princpio bem prtico olho por olho e dente por dente, este era o princpio de Talio, onde o castigo ou punio do criminoso deveria ser equivalente ao crime cometido. Este cdigo envolvia todos os aspectos da vida babilnica, como, por exemplo: comrcio, famlia, adultrio, escravido e outros. Mas as punies variavam de acordo com a posio social, tanto da vtima quanto do infrator. Depois da morte de Hamurbi, o imprio entrou em decadncia. Os Assrios Foi outro importante povo da Mesopotmia, entre os anos de 1300 a.C.612 a.C. Assria quer dizer : lugar de passagem, vem da palavra Assur, cidade do norte mesopotmico. o nome da principal divindade assria. Os Assrios eram um povo guerreiro que vivia da conquista e do saque de povos vizinhos. Os Assrios organizaram um dos primeiros exrcitos permanentes da poca. Alm de terem uma avanada tcnica militar, eles eram guerreiros cruis. Vencer no era o suficiente: havia o massacre e a tortura dos povos vencidos. Isto servia de intimidao sobre os povos conquistados.

29 Os assrios so um povo muito feroz, que no tem medo da guerra. Eles conquistam e matam sem piedade. Os outros povos tm muito medo dos assrios, mas mesmo assim sempre lutam para se defender.

A sociedade Assria era composta por uma camada aristocrticasacerdotal e militar, que sujeitava a massa camponesa, atravs de pagamento de tributos (impostos), tanto em alimentao com em prestao de servios gratuitos para o governo. O mais conhecido rei dos assrios foi Assurbanipal. Este rei, alm de ter um esprito guerreiro, era apreciador da cincia e da literatura, tanto que criou uma grande biblioteca em Nnive, a capital dos assrios, considerada a maior biblioteca do mundo antigo. Os Caudeus Viveram na Mesopotmia entre 612 a.C.- 539 a.C. Eles eram chamados, tambm, de neobabilnios (novos babilnios). Quando derrotaram os assrios, fizeram de Babilnia, a capital da Mesopotmia, reconstruindo-a e fazendo dela a mais bela cidade da antiguidade. O rei mais destacado foi Nabucodonosor. Este foi um brilhante construtor, foi responsvel pela construo dos Jardins suspensos de Babilnia, considerado uma das sete maravilhadas do mundo antigo. Mesmo com tanto esplendor e glria, esse reinado no durou muito. Aps a morte de Nabucodonosor, a cidade foi conquistada. Em 539 a.C., o rei Persa Ciro, anexou Babilnia ao imprio Persa. A religio dos povos da Mesopotmia, assim como da maioria dos povos antigos, era POLITETA. Eles possuam vrios deuses, embora um ou outro se destacasse.

30

Atividades 1 - Uma civilizao : a) uma forma de organizao inventada na pr-histria pelos homens primitivos. b) uma forma de se organizar a produo de alimentos para que eles nunca faltem. c) um tipo de comunidade ou de sociedade humana que conseguiu um grande nvel de evoluo social, cultural, econmica e poltica. d) o nome dado ao perodo da Idade dos Metais. e) a denominao que damos para a evoluo das espcies.

2 Observando o mapa, responda: Na regio da Mesopotmia surgiram as primeiras cidades. Escreva resumidamente como elas eram e o que atividades se desenvolviam nelas: _________________________________ _________________________________

3 As primeiras civilizaes surgiram na regio qual damos o nome de Crescente Frtil esta regio se localiza: a) regio que fica no norte do Amazonas, onde h muitos rios. b) regio que fica no sul do Brasil, onde h muitas cachoeiras. c) regio que fica no leste do Canad, onde tem muitos lagos. d) regio banhada pelos Rios Tigre, Eufrates, Jordo e Nilo e) regio que prxima ao Mar do Norte, na Europa. 4 Explique Como a presena de rios ajudou no desenvolvimento das cidades? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 5 - Os assrios destacaram-se: a) Pelas suas realizaes cientficas. b) Pelo notvel desenvolvimento comercial.

31

c) Pelo fato de fazerem da guerra a base da sua economia. d) Pela codificao do antigo direito consuetudinrio. e) Pela construo de tumbas monumentais para seus reis. 6 - Observe a imagem, ela a representao de a) uma pirmide egpcia, erguida em homenagem a um fara. b) uma pirmide maia, localizada na Amrica Central. c) um castelo medieval, localizado na Alemanha. d) um templo, chamado de Zigurate. e) uma fortaleza, erguida pelos Assrios. 7 Explique c que foi o Cdigo de Hamurbi? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 8 Caracterize a religio dos povos antigos? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

32

O EGITO ANTIGO A civilizao egpcia antiga desenvolveu-se no nordeste africano s margens do rio Nilo, aproximadamente em 3200 a.C. O rio era utilizado como via de transporte (atravs de barcos) de mercadorias e pessoas. As guas do rio Nilo tambm eram utilizadas para beber, pescar e fertilizar as margens, nas pocas de cheias, favorecendo a agricultura.Eu sou o Fara, sou um deus.

A sociedade egpcia estava dividida em vrias camadas, sendo que o fara era a autoridade mxima. O fara era o rei e concentrava em si autoridade militar, religiosa e poltica. Como era considerado um deus vivo, ele tambm exercia um poder teocrtico.

Sacerdotes, militares e escribas (responsveis pela escrita) tambm ganharam importncia na sociedade. Esta era sustentada pelo trabalho e impostos pagos por camponeses, artesos e pequenos comerciantes, todos considerados servos do Estado. Havia, tambm, em menor quantidade, escravos que eram geralmente pessoas capturadas em guerras.

Eu sou um escriba, eu fao todos os registros escritos do Egito.

A escrita egpcia tambm foi algo importante para este povo, pois permitiu a divulgao de idias, comunicao e controle de impostos. Existiam duas formas de escrita: a demtica (mais simplificada) e a hieroglfica (mais complexa e formada por desenhos e smbolos). Uma espcie de papel chamado papiro, que era produzido a partir de uma planta de mesmo nome, era utilizado para registrar os textos. Os textos tambm eram escritos em pedra, principalmente nas paredes dos templos e das tumbas.

33

Nossa, quanta

coisa escrita!

A economia egpcia era baseada na agricultura que era realizada, principalmente, nas margens frteis do rio Nilo. Os egpcios tambm praticavam o comrcio de mercadorias e o artesanato. Os trabalhadores rurais eram constantemente convocados pelo fara para prestarem algum tipo de trabalho em obras pblicas (canais de irrigao, pirmides, templos, diques). A religio egpcia tinha vrios deuses (muitos deles com corpo formado por parte de ser humano e parte de animal sagrado) que interferiam na vida das pessoas. As oferendas e festas em homenagem aos deuses eram muito realizadas e tinham como objetivo agradar aos seres superiores, deixandoos felizes para que ajudassem nas guerras, colheitas e momentos da vida. Cada cidade possua deus protetor e templos religiosos em sua homenagem. Como acreditavam na vida aps a morte, mumificavam os cadveres, colocando-os em tumbas cujo tamanho e a riqueza dependiam da fortuna de quem estava sendo enterrado. Os faras, por exemplo, mandavam construir pirmides para guardar seu corpo e seus bens materiais, pois acreditavam na vida aps a morte.Mnica, Cebolinha, vejam s! So as pirmides do Egito! Era nelas que os faras eram enterrados, com todos os seus tesouros!

34

Muitos animais tambm eram considerados sagrados pelos egpcios, de acordo com as caractersticas que apresentavam : chacal (esperteza noturna), gato (agilidade), carneiro (reproduo), jacar (agilidade nos rios e pntanos), serpente (poder de ataque), guia (capacidade de voar), escaravelho (ligado ressurreio).

Algumas curiosidades sobre os egpcios: As cidades: as casas e palcios do Egito antigo eram construdas com tijolo e, ao contrrio dos templos que eram construdos em pedra, no resistiram ao passar dos sculos.

As Cincias: a cincia egpcia era voltada para a soluo dos problemas do dia-a-dia. A matemtica, por exemplo, procurava encontrar solues para a medio das terras ou para o traado dos planos das pirmides e templos. A medicina, que teve como patrono o sbio Imhotep, foi uma das cincias que se desenvolveu bastante, principalmente em funo do tratamento que era dado aos cadveres para preserv-los intactos. Os enterros: os egpcios enterravam seus mortos na banda ocidental do rio Nilo, pois l acreditava-se o sol iniciava sua jornada noturna atravs do mundo dos mortos. Assim, no deserto ocidental, instalaram-se imensas necrpoles (cemitrios), nas quais as pirmides, os templos morturios e os tmulos abertos em plena rocha eram edificados e mantidos. A Higiene: sendo um povo muito asseado, os antigos egpcios cuidavam bastante de sua higiene pessoal e de suas vestimentas. Lavavam-se vrias vezes ao dia. Limpar as unhas dos ps, lavar a boca e cuidar dos cabelos, tambm fazia parte das ocupaes cotidianas com o corpo. A maquiagem ocupava uma parte considervel de tais ocupaes, tanto para as mulheres quanto para os homens. Os cosmticos, os enfeites para a cabea e os acessrios tinham papel marcante na aparncia da mulher egpcia. Todos se vestiam, geralmente, com roupas de linho que se apresentavam sempre limpas e em perfeito estado de conservao. Conhea mais sobre a religio egpcia por meio de seus Deuses.

35

OS DEUSES EGPCIOSOsris Irmo de Seth e marido de sis, o filho primognito de Geb(terra) e Nut(cu) e por isso teve o direito de governar o trono do Egito. Seu irmo Seth, por inveja destri Osris e espalha seus pedaos por todo o Egito. representado em forma de mmia, com uma coroa branca, plumas e chifres. Anbis Conduzia as almas para Osris julg-las. Era o senhor da Terra do Silncio do Ocidente, a terra dos mortos, o preparador do caminho para o outro mundo. sis A deusa mais popular do Egito, ela representava a magia e os mistrios daquela regio, a me perfeita em sua dedicao. representada como uma mulher que costuma carregar inscritos sobre sua cabea os hierglifos referentes ao seu nome.

Horus uma divindade solitria relacionado ao juzo das almas no mundo inferior, apresentando as almas ao Juiz Divino. Era considerado idntico e feito da mesma substncia de seu pai, Osris.

Hathor a deusa-vaca, smbolo do Cu; era representante do sexo feminino, da alegria, do amor, da fecundidade e do prazer.

Maat Representa o equilbrio , a harmonia do universo e personifica a justia, protegendo os tribunais

Neftis Irm de sis e, junto com ela, representava o aspecto dual da natureza; sis representava o bem e Neftis o mal.

Thoth Deus da sabedoria e do mistrio, o deus escrevente; o juz, cuja sabedoria e autoridade marcante sobre todos os outros deuses. Anota os pensamentos, palavras e aes dos homens durante a vida e as pesa na balana da justia divina. Seth Deus que simbolizava o lado escuro de Osris, o mesmo que o Adversrio, o lado malgno contrapondo-se a Osris. Matou seu irmo Osris numa luta pelo poder no Egito.

R O primeiro dos deuses, criado a partir do Caos Inicial, emergiu da escurido numa flor de ltus. Tambm conhecido como AmonR, o Deus Sol.

36

Atividades 1 Leia os quadrinhos com ateno:Cebolinha, eu tenho que achar o endereo da minha amiga Neph, mas no entendo o que est escrito aqui... porque est escrito em egpcio, sua boba!

Ajude a Mnica a encontrar e a entender o endereo, explicando como a escrita egpcia: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 2 - Observe a imagem. Ela mostra u fragmento da escrita egpcia, uma das mais antigas do mundo. Este tipo de escrita, que mistura smbolos e desenhos tem um nome especfico. Ela se chama escrita: escrita egpcia era a: a) Cuneiforme b) Hieroglfica c) Arbica d) Bizantina e) Ocidental

37

3 - Eu sou Clepatra, rainha do Egito. Eu fao parte da elite egpcia, ou seja, do grupo dos mais ricos. Mas s h pessoas ricas no Egito? Descubra quais so os grupos sociais que compunham a sociedade egpcia e faa uma lista deles, abaixo:

_________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 4 No Egito qual a funo era funo das pirmides? a) Serem somente obras para mostrar o poder da capacidade egpcia de construo. b) Marcos para mostrar a permanncia dos hebreus no Egito. c) Serem templos aos deuses, onde inclusive eram feitos sacrifcios humanos. d) O de serem tmulos aos faras que as mandavam construir. Aps sua morte elas tambm eram usadas como templos para cultuar os faras mortos. e) Marcos do poder militar dos egpcios frente aos povos da frica. 5 Caracterize a religio egpcia: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 6 Cite quem eram os trabalhadores no Antigo Egito: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

38

7 Descreva como eram as casas dos egpcios? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 8 - Para os egpcios a higiene era muito importante. E para voc, ela ? Descreva abaixo seus hbitos de higiene, da hora que voc acorda at a hora de dormir: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 7 - Vamos pesquisar? Procure na biblioteca algumas curiosidade sobre o Egito: a) A extenso do Rio Nilo: ________________________________________________________________ b) O nome das trs maiores pirmides do Egito: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ c) O que a Esfinge: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 8 Vamos nos divertir um pouco? Preencha os bales e crie uma aventura de Cebolinha, Mnica e Casco no antigo Egito:

39

O segredo da Pirmide

40

41

42

Dica de leitura: As Crnicas dos Kane: A pirmide Vermelha, Rick Riordan (autor da srie Percy Jackson e os Olimpianos), editora. Na obra A Pirmide Vermelha, os irmos Carter e Sadie Kane vivem separados desde a morte da me. Sadie criada em Londres pelos avs e Carter viaja o mundo como o pai, o Dr. Julius Kane, um famoso egiptologista. Levados pelo pai ao Bristish Museum, os irmos descobrem que os deuses do Egito esto despertando. Para piorar, Set, o deus mais cruel, tem vigiado os Kane. A fim de det-lo, os irmos embarcam em uma perigosa jornada em busca que revelar a verdade sobre sua famlia e sua ligao com uma ordem secreta do tempo dos faras. Riodan, Rick. A Pirmide Vermelha. Intrnseca, 2010. 445 p. (srie As Crnicas dos Kane, Vol. 1)

43

IV AS CIVILIZAES CLSSICAS Chamamos de civilizaes clssicas as civilizaes grega e romana. Elas so consideradas o bero da civilizao moderna, da qual fazemos parte. Elas tm muitas coisas em comum, como o fato de adotarem a escravido como forma de trabalho. Vamos saber mais um pouco sobre elas?

A GRCIA ANTIGA A civilizao grega surgiu entre os mares Egeu, Jnico e Mediterrneo, por volta de 2000 AC. Os gregos originaram-se de povos que migraram para a pennsula balcnica: os aqueus, os jnicos, os dricos e os elios. As populaes invasoras so em geral conhecidas como "helnicas", pois sua organizao de cls fundamentava-se na crena de que descendiam do deus Heleno, filho de Deucalio e Pirra. Os que no falavam grego eram chamados de brbaros. Jamais chegaram a formar um governo nacional, porm estavam unidos pela mesma cultura, religio e lngua. Situada na sul da Pennsula Balcnica, o territrio da Grcia continental caracteriza-se pelo seu relevo montanhoso, banhada pelo Mar Egeu da costa ocidental e banhada pelo Mar Adritico. O territrio da Grcia continental era muito montanhoso, tornando a agricultura uma atividade difcil. Por esta razo, os gregos migraram para outras regies, onde fundaram colnias. As colnias foram o meio utilizado pelos gregos para disseminarem a sua religio e seus hbitos por toda a extenso do Mediterrneo. Foram algumas colnias gregas:: vilas na Siclia, sul da Itlia, Turquia, terras no mar Negro, ndia, Portugal e Sudo.

44

O mundo grego era dividido em centenas de cidades-estados, espalhadas em vrias partes do mundo conhecido (sia Menor, frica e Europa). Estas cidades-estados eram chamadas de Polis. Cada cidade-estado tinha sua prpria forma poltico-administrativa, organizao social e deuses protetores. A economia dos gregos baseava-se no cultivo de oliveiras, trigo e vinhedos. O artesanato grego, com destaque para a cermica, teve grande aceitao no Mar Mediterrneo. Com o comrcio martimo, os gregos alcanaram grande desenvolvimento, chegando at mesmo a cunhar moedas de metal. Os escravos, devedores ou prisioneiros de guerras, foram utilizados como mo-de-obra na Grcia. Algumas de suas cidades-estados se tornaram centros econmicos muito poderosos As duas plis mais importantes da Grcia foram: Esparta e Atenas. AtenasLegal! Estamos em Atenas, terra da democracia! Aqui o povo pode decidir o que deve ser feito pela cidade. No legal? Ei! Que democracia esta onde as mulheres no podem participar?

Atenas era uma cidade jnica, situada na pequena pennsula da tica. Desde os tempos dos antigos, seus habitantes se entregavam navegao martima e, em contato com outros povos de civilizaes adiantadas, aprenderam e desenvolveram os elementos de uma vida espiritual e materialmente superior. As tradies davam cidade como fundada por Ccrope, colono egpcio. Um dos seus monarcas lendrios teria sido o heri Teseu. O ltimo desta fase foi Codro que sacrificou a prpria vida para salvar o pas da invaso dos drios. A fim de honrar-lhes a memria, os atenienses aboliram a realeza, declararam que ningum possua dignidade bastante para substituir um rei com aquelas qualidades. Em Atenas dava-se muito valor cultura, leitura e artes de forma geral. Os cidados atenienses dedicavam-se a estas atividades enquanto os escravos

45

trabalhavam. Por esta razo, os atenienses nos deixaram muitas heranas, que podem ser apreciadas at hoje. A organizao social de Atenas A populao de Atenas dividia-se em trs classes: cidados, metecos e escravos. A cidadania era um privilgio que se adquiria pelo nascimento. Somente filhos de pai e me atenienses se reservavam o direito de serem cidados. Os estrangeiros e seus descendentes, domiciliados em Atenas, formavam a classe dos metecos, excludos, como os escravos, da vida poltica. Em Atenas, todos os cidados tinham direitos polticos, mas nem todos habitantes eram cidados. A organizao poltica de Atenas Tal como nas demais cidades da Grcia, havia em Atenas a classe dos aristocratas, os euptridas (bem nascidos), como ali eram chamados. Estes, durante muito tempo, governaram a polis. O governo dos nobres era opressor e indiferente s necessidades do povo. Com o tempo, formou-se uma nova classe social: a dos comerciantes e de industrias que desejavam participar dos atos de governo. Uniram-se, por isso, aos demais e deram comeo a uma srie de lutas, visando a melhores condies de vida de toda a populao. No sculo VII a.C., surgiram as primeiras leis escritas, atribudas a Drcon e que se tornaram famosas pela severidade e rigor. Era um passo frente na conquista dos direitos humanos. Foram os gregos que inventaram a democracia, forma de governo onde quem toma as decises o povo. Os cidados atenienses reuniam-se em uma praa chamada Apela e l todos os cidados adultos tinham direito de falar (exceto mulheres, escravos e estrangeiros). Os cidados decidiam atravs de um plebiscito reformas que deveriam ser feitas na cidade, nas leis, etc. A democracia uma das grandes heranas que temos dos gregos at hoje. Educao em Atenas Em Atenas, apesar das mulheres tambm serem educadas para as tarefas de me e esposa, a educao era tratada de outra forma, pois at mesmo nas classes mais pobres da sociedade ateniense encontravam-se homens alfabetizados. Eles eram instrudos para cuidarem no s da mente, como tambm do corpo, o que lhes dava vantagem na hora da guerra, pois eram to bons guerreiros quanto eram estrategistas.

46

Esparta

Para o espartano s existe um tipo de morte: lutando bravamente durante uma batalha.

Esparta era uma polis totalmente diferente de Atenas. Localizava-se no sudoeste do Peloponeso. A regio, que quase toda cercada de montanhas, chamou-se, em outros tempos, de Lacnia. Inicialmente foi habitada pelos pelasgos, depois foi invadida pelos aqueus e, por fim, conquistada pelos drios. Esses ltimos fixaram o centro de sua atividade na cidade de Esparta. A hostilidade dos aqueus, vencidos mas no conformados, a influncia do solo spero, do clima e da prpria situao geogrfica, tornaram os espartanos, no decorrer dos sculos, um povo guerreiro. Trs motivos principais levaram os espartanos a guerras de conquista: 1- A preocupao de abater qualquer outro Estado que, por seu poderio, constitusse ameaa ao polis; 2- A necessidade de outras terras para a populao crescente; 3- O desejo de aumentar o poderio militar, absorvendo novas tropas auxiliares ou aliadas. A organizao social espartana A organizao poltica e social de Esparta atribuda a Licurgo, personagem lendria, que teria vivido no sculo IX a.C. A populao se compunha de trs classes sociais: espaciatas, periecos e ilotas. Os espaciatas, tambm chamados espartanos, eram descendentes dos antigos drios e formavam a classe dos iguais, espcie de aristrocacia

47

dominante. Os periecos integravam a classe formada pelos antigos aqueus que no foram despojados de suas pequenas propriedades; no tinham direitos polticos, mas gozavam de completa liberdade social e econmica. Os ilotas eram tambm aqueus, pertencentes, porm, quela grande maioria que fora privada de seus haveres e reduzida a condies de trabalho humilde. A organizao poltica de Esparta Em Esparta predominava a oligarquia, uma forma de governo onde poucos tinham poder. Esparta era governada por dois reis ao mesmo tempo. Em poca de guerra, somente um deles marchava para o combate. O poder dos monarcas sofria, porm, limitaes impostas pelos seguintes outros rgos de governo: I - A Gersia, cmara formada de cidados maiores de 60 anos, que redigia as leis a serem por todos obedecidas; II - A pela, assemblia em que tomavam parte os maiores de 30 anos, com poderes para aceitar ou rejeitar as propostas da Gersia; III - Os foros, conselheiros ou magistrados, em nmeros de cinco, eleitos por um ano e com atribuies de convocarem as duas cmaras, de darem ordem a militares, de administrar justia e de vigiar a vida particular dos adultos. A educao espartana A educao dos espartanos visava fazer de cada indivduo um soldado. O recm-nascido que apresentasse defeito para a vida militar era morto por ordem do Estado. Quando os meninos alcanavam os setes anos de idade, tornavam-se recrutas e passavam a fazer parte de uma pequena tropa.Ns, espartanos, no fugimos de uma boa briga. Com apenas 300 soldados, nosso exrcito enfrentou mais de 100 mil persas.

Sob as ordens de um monitor, praticavam diariamente exerccios atlticos e ginstica. Aos vinte anos, o jovem ingressava no exrcito; aos trinta, podia casar-se e participar da pela. A vida militar s findava quando o homem espartano chegava aos 60 anos de idade. Todos, mesmo os monarcas, antes dessa idade, eram obrigados a tomar parte nos exrcitos militares. A cultura intelectual foi quase nula em Esparta, limitando-se ao ensino de

48

poesias sagradas, a cantos de guerra e a uma eloqncia particular que devia expressar muitas coisas em poucas palavras. Chama-se lacnica a linguagem breve, concisa, sentenciosas, igual a que e falava na Lacnia. Religio e cultura da Grcia Antiga Os gregos criaram vrios mitos para poder passar mensagens para as pessoas e tambm com o objetivo de preservar a memria histrica de seu povo. H trs mil anos, no havia explicaes cientficas para grande parte dos fenmenos da natureza ou para os acontecimentos histricos. Portanto, para buscar um significado para os fatos polticos, econmicos e sociais, os gregos criaram uma srie de histrias, de origem imaginativa, que eram transmitidas, principalmente, atravs da literatura oral.

Deuses gregos De acordo com o gregos, os deuses habitavam o topo do Monte Olimpo, principal montanha da Grcia Antiga. Deste local, comandavam o trabalho e as relaes sociais e polticas dos seres humanos. Os deuses gregos eram imortais, porm possuam caractersticas de seres humanos. Cimes, inveja, traio e violncia tambm eram caractersticas encontradas no Olmpo. Muitas vezes, apaixonavam-se por mortais e acabavam tendo filhos com estes. Desta unio entre deuses e mortais surgiam os heris. Todos ns j ouvimos falar sobre eles, mesmo sem saber. A mitologia grega foi uma das heranas que os gregos nos deixaram. Nela h aventuras, romances e tragdias que inspiraram escritores, pintores e escultores em todas as pocas. Quem j no ouviu falar de Zeus, de Hrcules ou de Afrodite?

49

A Mulher Maravilha, famosa super herona das histrias em quadrinhos, uma guerreira amazona, filha da lendria rainha das amazonas Hiplita. Os mitos gregos so at hoje fontes de novas criaes, principalmente nos quadrinhos e no cinema.

Conhea os principais deuses gregos : Zeus - deus de todos os deuses. Afrodite - deusa do amor e beleza. Poseidon - deus dos mares Hades - deus dos mortos. Hera - deusa dos casamentos e da maternidade. Apolo - deus da luz e das obras de artes. Ares - divindade da guerra. Artemis - deusa da caa. Atena - deusa da sabedoria e da serenidade. Hermes - divindade que representava o comrcio e as comunicaes. Hefestos - divindade do fogo e do trabalho.

Praticavam, ainda, os gregos, o culto dos heris, eram seres mitolgicos considerados pelos gregos, como seus antecessores, fundadores de suas cidades, s quais davam proteo: Teseu, pido, Perseu, Belerofonte e Hrcules. Leia abaixo o trecho de uma adaptao de uma lenda grega, feita por Maurcio de Sousa.

50

51

Fonte: Portal da Turma da Mnica

52

Os Jogos Olmpicos Diversos jogos peridicos eram promovidos pelos gregos em homenagem aos deuses, como os Jogos Olmpicos, dedicados a Zeus, na cidade Olmpia. Os Jogos Olmpicos eram praticados de quatro em quatro anos. Durante sua realizao, no havia guerras, e respeitavam-se como as pessoas sagradas os seus participantes. Os jogos olmpicos eram realizados em honra a Zeus (o mais importante deus grego) e incluam provas de diversas modalidades esportivas: corridas, saltos, arremesso de disco, lutas corporais. Alm do esporte, havia tambm competies musicais e poticas.

Fonte: Axterix nos Jogos Olmpicos

Os Jogos Olmpicos eram anunciados por todo o mundo grego dez meses antes de sua realizao. Os gregos atribuam tamanha importncia a essas competies que chegavam a interromper guerras entre cidades (trgua sagrada) para no prejudicar a realizao dos jogos. Pessoas dos lugares mais distantes iam a Olmpia a fim de assistir aos jogos. Havia, entretanto, proibio participao das mulheres, seja como esportistas, seja como espectadoras. Os atletas que participavam das competies eram respeitados pelos gregos em geral. O prmio para os vencedores era apenas uma coroa feita com ramos de oliveira colhidos num bosque consagrado a Zeus. Mas a sua glria era imensa. As cidades recepcionavam os vitoriosos com festas e homenagens. Os Jogos Olmpicos da Idade Antiga foram celebrados at 393 d.C., quando o imperador romano Teodsio, que era cristo, mandou fechar o templo de Zeus em Olmpia, para combater cultos no-cristos. Quinze sculos depois o educador francs Pierre de Fredy, o baro de Coubertin (1836-1937), empreendeu esforos para restaurar os Jogos Olmpicos. Sua "causa" obteve simpatia e adeso internacionais. Em 1896, foram realizados em Atenas os

53

primeiros Jogos Olmpicos da poca contempornea. As atuais Olimpadas, tambm realizadas de quatro em quatro anos, reunindo atletas de diversos pases do mundo, procuram preservar o ideal de unir os povos por meio do esporte. Atividades: 1 Como surgiu a Grcia? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 2 O que era a Polis? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 3 Que classes sociais existiam em Atenas? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 4 Como era a educao dos jovens atenienses? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 5 Como era a religio dos gregos? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

54

6 - A Eugenia em Esparta Os espartanos tinham uma preocupao obsessiva com o que se entendia ser a qualidade de sua raa. A necessidade de se constituir um exrcito forte acabaria requerendo um material humano de primeira linha, dessa maneira, mantinham um acompanhamento cuidadoso na gravidez de suas mulheres que eram levadas para fazer exerccios que possibilitassem uma melhor gestao. Ao nascer, a criana espartana era inspecionada por membros do governo, que verificavam seu estado de sade. Se fosse saudvel, merecia os cuidados do Estado. Se fosse doente ou apresentasse alguma deficincia fsica ou mental, podia ser imediatamente morta (chamamos essa prtica de eugenia). Quando nascia uma criana espartana, pendurava-se na porta da casa um ramo de oliveira (se fosse um menino) ou uma fita de l (se nascesse uma menina). Havia rituais privados de purificao e reconhecimento da criana pelo pai, alm de uma festa de nascimento conhecida como genetlia, na qual o recm-nascido recebia um nome e presentes de parentes e amigos. a) Porque os espartanos preocupavam-se com a qualidade de sua raa? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ b) O que acontecia com a criana que nascia com algum defeito fsico ou mental? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ c) Como as pessoas sabiam o sexo de uma criana que acabara de nascer na cidade? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

55

7 - O teatro na Grcia Antiga O teatro grego surgiu a partir da evoluo das artes e cerimnias gregas como, por exemplo, a festa em homenagem ao deus Dionsio (deus do vinho e das festas). Durante o perodo clssico da histria da Grcia (sculo V a.C.) foram estabelecidos os estilos mais conhecidos de teatro: a tragdia e a comdia. squilo e Sfocles so os dramaturgos de maior importncia desta poca. A ao, diversos personagens e temas cotidianos foram representados nos teatros gregos desta poca. Nesta poca clssica foram construdos diversos teatros ao ar livre. Os atores representavam usando mscaras e tnicas de acordo com o personagem. As mulheres eram proibidas de participar. Os temas mais representados nas peas teatrais gregas eram: tragdias relacionadas a fatos cotidianos, problemas emocionais e psicolgicos, lendas e mitos, homenagem aos deuses gregos, fatos hericos e crticas humorsticas aos polticos. a) Qual a origem do teatro? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ b) Quais eram os estilos de teatro mais conhecidos? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ c) Quais eram os temas mais comuns das peas teatrais? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 8 As Olimpadas A ideia de um festival esportivo nos moldes das Olimpadas surgiu na Era Antiga, aproximadamente 2500 a.C., quando os gregos realizavam festivais em honra a Zeus. Conta a lenda que os Jogos foram criados por Hrcules, que plantou a oliveira de onde eram retiradas as folhas para a confeco da coroa dos vencedores. Aps a primeira Olimpada, ficou acertado que os Jogos seriam realizados a cada quatro anos, durante os meses de julho ou agosto. Podiam competir gregos que fossem cidados livres e nunca tivessem cometido assassinatos ou outros crimes. O termo olmpico, chegaria quase dois mil anos depois. Em 776 a.C., o rei de Ilia, fez uma aliana com Licurgo, monarca de Esparta, e Clstenes, rei da Pissa. O

56

acordo foi selado no templo de Hera, no santurio de Olmpia, surgindo assim o nome Olimpadas. Esse tratado estabeleceu uma "trgua sagrada" em toda a Grcia enquanto os Jogos eram realizadas no poderia haver guerra. Essa trgua era respeitada risca. A vitria nos Jogos Olmpicos consagrava o atleta e proporcionava a ele uma recepo de heri no retorno sua cidade de origem.

Com exceo das sacerdotisas de Dmetra, apenas os homens podiam assistir s disputas. Pouco antes dos Jogos Olmpicos, as mulheres, usando cabelos soltos e tnicas curtas e competindo no mesmo estdio de Olmpia, participavam de uma outra competio, a Heraea, em homenagem Hera, mulher de Zeus. a) Como e onde surgiram a Olimpada? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ ________________________________________________________________ b) Explique como funcionava a trgua sagrada: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ c) Quem podia participar dos jogos? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ d) Como as mulheres participavam? _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________________

57

9 Sobre a democracia ateniense correto afirmar que: a) havia uma ampla participao popular - inclusive de mulheres. b) baseava-se num sistema de participao indireta, com eleies para delegados distritais que representavam a populao em assemblias realizadas na Agora. c) era marcada pela restrio na participao, j que o critrio de excluso era a alfabetizao d) foi erroneamente denominada dessa maneira, j que a participao era restrita e indireta. e) Escravos, mulheres e estrangeiros estavam excludos da participao poltica. 10 Observe a imagem abaixo, ela a representao de uma polis.

Sobre as poleis correto afirmar que: a) Possuam reis que faziam as leis e as impunham para a populao. b) Eram aglomerados de casas, sem qualquer organizao, distribudas de forma irregular. c) Eram cidades-estados governadas pela comunidade, atravs de assemblias. d) Eram cidades-estados com o tipo de organizao semelhante s cidadesestados da Mesopotmia. e) Organizavam-se em confederaes, lideradas pela cidade mais importante da poca: Tebas

58

A ROMA ANTIGA Alguns historiadores acreditam que Roma tenha se formado a partir de uma aldeia de agricultores e pastores, onde teria sido erguida uma fortificao para defender o territrio de invases De uma pequena fortaleza, Roma acabou se transformando no centro de um vasto imprio. Essa trajetria pode ser dividida em trs grandes perodos: - Monrquico (753 a.C. ) - Republicano (509-27 a.C.) - Imperial (27 a.C 476 d.C) Perodo Monrquico Nesta poca a cidade foi governada por reis de diferentes origens, os ltimos eram etruscos e dominaram a cidade por cerca de cem anos. Durante o governo os etruscos, Roma adquiriu o aspecto de cidade, foram realizadas diversas obras pblicas, como a construo de templos, drenagem de pntanos e sistema de esgoto. A sociedade romana estava assim dividia: Patrcios ou nobres: descendentes das famlias que promoveram a ocupao inicial de Roma. Eram os grandes proprietrios de terra e gado. Plebeus: eram pequenos agricultores, comerciantes, pastores e artesos. Constituam a maioria da populao e no tinham direitos polticos. Escravos eram plebeus endividados e principalmente prisioneiros de guerra. Realizavam todo tipo de trabalho e eram considerados bens materiais. No tinham nenhum direito civil ou poltico. O ltimo rei etrusco foi Tarquipnio. Ele foi deposto em 509 a.C, por ter descontentado os patrcios, com medidas a favor dos plebeus. No seu lugar os patrcios colocaram no poder dois magistrados, chamados de Cnsules. Com isso terminava o perodo monrquico e tinha incio o perodo republicano. Perodo Republicano Repblica uma palavra de origem latina que significa coisa pblica. Nela, os patrcios tinham o poder e controlavam as instituies polticas e a justia. Eles exerciam o governo em benefcio prprio. Para os plebeus, sem

59

direito participao poltica, restavam apenas deveres, como pagar impostos e servir o exrcito. Os cnsules exerciam o cargo por um ano, auxiliados por um conselho de 100 cidados, responsveis pelas finanas e pelos assuntos externos. Esse conselho recebia no nome de Senado, e a ele competia ainda aprovar as leis que eram elaboradas pela Assemblia dos Cidados, dominada pelos patrcios.Eu sou Asterix, sou um gauls e um famoso personagem de histrias em quadrinhos. Meu povo viveu na poca dos romanos. Somos chamados de brbaros, pois no somos romanos. Os romanos expandiram muito suas terras durante a Repblica e se tornaram o maior Imprio da Antiguidade.

medida que Roma foi crescendo e se tornando poderosa, as diferenas entre plebeus e patrcios foram se acentuando. Marginalizados, os plebeus desencadearam uma luta contra os patrcios, que se estendeu por cerca de dois sculos. Durante este perodo, os plebeus conquistaram vrios direitos. Entre eles, o de eleger seus prprios representantes, chamados de Tribunos da Plebe. Os tribunos tinham o poder de vetar as decises do Senado que fossem prejudiciais aos plebeus. Outras conquistas foram: a proibio da escravido por dvidas e o estabelecimento de leis escritas, vlidas tanto para plebeus quanto para patrcios. Conseguiram ainda a igualdade civil e a autorizao para casamentos entre plebeus e patrcios, alm de igualdade poltica e religiosa.

60

Perodo do ImprioEu, Jlio Csar, fui um grande general, conquistador e governante de Roma. No cheguei a ser Imperador, mas lancei as bases do Imprio, tanto que todos que vieram depois de mim fizeram questo de serem chamados de Csares

Entre 133 a.C. e 27 a.C., diversos conflitos sociais e disputas polticas agitaram Roma, provocando o fim da Repblica e o incio do Imprio. Colaboraram para essa transio o enfraquecimento das instituies republicanas e fortalecimento de lderes do exrcito, que ganharam popularidade com as vitrias nas guerras e conquistas. Assim, diversos generais romanos sucederam-se no poder at a implantao definitiva do imprio. O perodo imperial, tradicionalmente, costuma ser dividido em dois momentos: Alto Imprio, perodo em que Roma alcanou esplendor (que vai at o sculo III d. C); Baixo Imprio, fase marcada por crises que conduziram desagregao do Imprio Romano (do sculo III ao sculo V). Economia Romana Na Roma antiga, a agricultura era a atividade econmica fundamental dos romanos, diferente de outros povos da poca, que preferiam dar maior importncia ao comrcio e ao artesanato. Mas isso se deve, em parte, geografia favorvel da pennsula Itlica, que, ao contrrio das terras da Grcia, por exemplo, permitia o trabalho agrcola em grande quantidade. Quanto mais terras voc possua, mais prestgio social teria, no mundo romano antigo. Essas terras, porm, podiam ser pblicas ou privadas. As terras privadas eram ocupadas por famlias romanas desde os primeiros

61

tempos, e as terras pblicas, por sua vez, geralmente eram as conquistadas de outros povos durante a expanso romana. Normalmente, os pequenos proprietrios no possuam escravos, ao contrrio das famlias mais ricas, cuja produo era maior pelo uso da mode-obra escrava obtida nas guerras. As vivas e os filhos dos pequenos agricultores, no encontrando meios de cultivar suas propriedades, acabavam por desfazer-se delas. Para piorar essa situao, os produtos agrcolas importados das regies conquistadas chegavam por baixo preo, levando os pequenos agricultores a enfrentar situaes difceis, culminando em dvidas e na perda de suas prprias terras. A propriedade fundiria (de terra) era vista, na Roma antiga, como algo sagrado. Entre os princpios religiosos originais dos romanos, estava o de que a terra era confiada a um chefe de famlia pelos deuses e pelos antepassados, tornando-se inseparvel dele. Cultura e religio Romana

Os romanos eram prticos e no eram bobos. O que eles puderam aprender com gregos, etruscos e outros povos eles aprenderam.

A cultura romana foi muito influenciada pela cultura grega. Os romanos adotaram muitos aspectos da arte, pintura e arquitetura grega. A lngua romana era o latim, que depois de um tempo espalhou-se pelos quatro cantos do imprio, dando origem, na Idade Mdia, ao portugus, francs, italiano, romeno e espanhol. Os romanos eram prticos e realizaram grandes obras de engenharia, construindo aquedutos que levavam gua para toda a cidade e uma rede muito eficiente de estradas. Os romanos comearam a urbanizao de Europa. Alm de Roma, eles fundaram Paris (Frana), Londres (Inglaterra), Lyon (Frana), Bordeaux, Cologne, Toledo (Espanha), e Milo (Itlia).

62

Foram eles, tambm, que criaram o primeiro Cdigo de Direito Civil, preservado pelos Bizantinos e que serve de base para nossos cdigos de lei atuais. A mitologia romana representava formas de explicao da realidade que os romanos no conseguiam explicar de forma cientfica. Trata tambm da origem de seu povo e da cidade que deu origem ao imprio. Entre os principais mitos romanos, podemos destacar: Rmulo e Remo e O rapto de Proserpina. Desde os tempos da fundao de Roma, havia a crena em muitos deuses. Ao longo dos sculos, os romanos assimilaram numerosas influncias religiosas. Quando os romanos conquistaram a Grcia, acabaram por adotar os deuses gregos, mudando-lhes apenas o nome. Por exemplo, Zeus tornou-se Jpiter, Ares virou Marte, Afrodite passou a ser chamada de Vnus. Durante o perodo do Imprio, os romanos conheceram o Cristianismo. Os romanos perseguirem os cristos durante muitos anos, at que o Imperador Teodsio (379-395) se converteu ao Cristianismo, que passou a ser a religio do Imprio. O Fim do Imprio

O Imprio Romano chegou ao fim no sculo V, quando a capital Roma foi tomada por povos brbaros que j h muitos anos vinham invadindo as terras do Imprio. O ltimo imperador romano, Rmulo Augusto, ainda bem jovem, foi destronado. Nesta poca o Imprio Romano estava dividido em duas partes: Roma Ocidental e Roma Oriental. A Roma Oriental, chamada Imprio Bizantino, ainda sobreviveria por mais 1000 anos.

Quem invade, um dia tambm invadido. Agora a nossa vez!!!

63

Atividades 1 Quais eram as classes sociais existentes em Roma? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 2 O que significa Repblica? Quem governava nesta fase da histria de Roma? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________

3 Quais foram as conquistas dos romanos durante a Repblica? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 4 - O que os romanos produziam? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 5 Qual a diferena entre as terras pblicas e as terras privadas? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 6 Quem eram os escravos romanos?

64

_________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 7 Cite duas contribuies deixadas pelos Romanos: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 8 Caio Jlio Csar, foi um patrcio, lder militar e poltico romano. Desempenhou um papel crtico na transformao da Repblica Romana no Imprio Romano. O seu assassinato nos idos de Maro de 44 a.C. por um grupo de senadores travou o seu trabalho e abriu caminho a uma instabilidade poltica que viria a culminar no fim da Repblica e incio do Imprio Romano. Os feitos militares de Csar so conhecidos atravs do seu prprio punho e de relatos de autores como Suetnio e Plutarco. Sobre Jlio Csar correto afirmar que: a) Subiu ao poder durante o II Triunvirato. b) Foi rei de Roma durante a monarquia. c) Participou do I Triunvirato e depois governou como ditador. d) Tornou-se senador romano e foi eleito Imperador. e) considerado o primeiro Imperador Romano. 9 - Acerca do fascnio exercido pelos espetculos de sangue na arena, muitos romanos afirmavam que eles inspiravam um nobre desprezo pela morte. Mas possvel interpretar esses espetculos como um ritual que reafirmava o poder e a autoridade do Estado romano. Os gladiadores, por exemplo, eram indivduos sem direitos, marginalizados ou condenados por subverso da ordem pblica. Ao execut-los em pblico, o povo romano reunido celebrava a sua superioridade e o seu direito de dominar. (Adaptado de J. A. Shelton, As the Romans Did, Oxford, 1998, p. 350.)

65

Sobre o circo romano e a poltica de controle da populao, podemos afirmar que: a) as lutas de gladiadores eram importantes instrumentos de manuteno da ordem, pois o gladiadores eram escravos rebeldes, sacrificados na arena como exemplo para quem desafiasse o governo. b) o circo empregava muitos plebeus que conseguiam com isso aumentar a renda de suas famlias c) durante o imprio foi criada a poltica do po e circo: durante as batalhas e encenaes o povo recebia po e trigo de graa, esquecendo assim dos graves problemas sociais e econmicos que caracterizaram aquele perodo. d) O governo investia no circo como uma forma de arrecadar impostos da populao, que durante as festividades tinha que efetuar pagamentos aos ficais que ficavam de planto durante todo o espetculo. e) As lutas de gladiadores representavam um tradio religiosa muito antiga, herdada dos gregos e dos macednios. 10 Leia com ateno e responda: Olha eu aqui de novo: Clepatra, rainha do Egito. O que eu estou fazendo aqui? Pois bem, eu vivi durante o perodo romano e fui amante de Julio Csar. Eu me suicidei logo aps a morte dele, pois me recusava e entregar meu reino aos romanos. Mas o Imprio Romano no durou para sempre. Explique o que aconteceu com ele: _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________

66

V - AS GRANDES NAVEGAES E GRANDES DESCOBERTASDo Imprio Romano, vamos fazer uma viagem de aproximadamente 1500 anos no futuro. Vamos desembarcar em Portugal, um pequeno pas localizado na pennsula Ibrica, uma pequena faixa de terra cercada pelo mar e localizada no continente europeu. Portugal foi o primeiro pas a ser formado na Europa, ainda no sculo XII. Seu territrio havia pertencido ao antigo Imprio Romano por isto o idioma dos portugueses o portugus de origem latina (o latim era a lngua falada pelos romanos, lembra?). Tambm na pennsula Ibrica ficava um outro pas, a Espanha. Junto com Portugal, a Espanha teve um papel muito importante nas Grandes Navegaes e na descoberta e povoamento do continente americano. Agora, iremos conhecer um pouquinho mais sobre esta histria e sobre as conquistas destes dois pases, muito ligados histria do nosso Brasil.

Mapa da pennsula Ibrica. A parte escura representa a Espanha, a parte menor, clara, representa Portugal. Navegaes portuguesas e espanholas

Os portugueses eram grandes comerciantes e se dedicavam principalmente ao comrcio martimo. Como Portugal era cercado pelo mar, nada mais natural que os portugueses aprendessem a navegar muito bem. Os reis de Portugal incentivavam a navegao e comrcio, principalmente D. Henrique, o Infante, que criou um centro de estudos: A Escola de Sagres. A escola de Sagres reunia um grupo de marinheiros, cartgrafos e outras pessoas que se interessavam pelo mar e pela navegao que se reuniam para tentar encontrar formas mais modernas de viajar pelos mares e oceanos, em navios mais resistentes e com novos instrumentos nuticos. Graas escola de Sagres, Portugal se tornou o pioneiro, ou seja, o primeiro pas a entrar nas GRANDES NAVEGAES. As grandes navegaes foram um conjunto de viagens martimas que expandiram os limites do mundo conhecido at ento. Mares nunca antes

67

navegados, terras, povos, flora e fauna comearam a ser descobertas pelos europeus. Com as descobertas martimas muitas crenas passadas de gerao a gerao, foram conferidas, confirmadas, ou desmentidas. Eram crenas de que os oceanos eram povoados por animais gigantescos ou que em outros lugares habitavam seres estranhos e perigosos. Ou que a terra poderia acabar a qualquer momento no meio do oceano, o que faria os navios carem no nada. O motivo poderoso que fez alguns europeus desafiarem o desconhecido, enfrentando medo, foi a necessidade de encontrar um novo caminho para se chegar s regies produtoras de especiarias (sedas, de porcelana, de ouro, temperos, marfim, corantes, etc), enfim, da riqueza. A caravela foi uma inveno Portuguesa. Um navio mais leve, mais rpido e com capacidade de carga maior que os navios at ento utilizados. Junto com outros instrumentos nuticos como a bssula, astrolbio e os mapas martimos, a caravela foi fundamental para as conquistas martimas portuguesas. Os dois primeiros pases que possuam essas condies favorveis eram Portugal e Espanha. Portugal, conhecedor de que as ndias (como genericamente era chamado o Oriente), ficava a Leste, decidiu navegar nessa direo, contornando o continente africano. Esta rota foi chamada Ciclo Oriental. J a Espanha apostou no projeto trazido pelo genovs Cristvo Colombo, que acreditava na idia de que a terra ra redonda e que bastaria navegar sempre em direo do ocidente para se contornar a terra e se atingir as ndias. Era o Ciclo Ocidental. E a disputa estava iniciada entre os dois pases. Veja como foram as conquistas portuguesas: 1415 conquistaram Ceuta, importante cidade comercial que ficava no norte da frica; durante o sculo XV conquistou outras regies no litoral da frica e Ilha da Madeira, Aores, Cabo Verde e Cabo Bojador; 1488 chegaram ao Sul da frica, contornando o Cabo da Boa Esperana; 1498 atingiram a ndia com Vasco da Gama, encontrado, finalmente, o caminho martimo para as ndias. A Espanha comeou a navegar mais tarde, s aps conseguir expulsar os

68

mulumanos de seu territrio (o longo processo de expulso dos mulumanos da pennsula Ibria recebeu o nome de guerras da Reconquista). Em 1492, Cristvo Colombo obteve do rei espanhol as trs caravelas, Santa Maria, Pinta e Nina, com as quais deveria dar a volta ao mundo e chegar s ndias. Aps um ms de viagem ele chegou terra firme, pensando ter atingido seu destino. Infelizmente para Colombo, descobriu-se pouco depois que ele no havia chegado s ndias, e "apenas" tinha descoberto um novo continente, que recebeu o nome de Amrica, em homenagem a Amrico Vespcio que foi o navegador que constatou isso. Colombo caiu em desgraa, morreu na misria. A primeira viagem em torno da terra foi realizada em 1519 por Ferno de Magalhes e Sebastio del Cano. Portugal apressou-se a garantir tambm para si as vantagens dessa descoberta e, em 1494, assinou com a Espanha o famoso Tratado das Tordesilhas, que simplesmente dividia o mundo entre os dois pases pioneiros das grandes navegaes. Foi traada uma linha imaginria que passava a 370 lguas de Cabo Verde. As terras a Leste desta linha seriam portuguesas e as que ficavam a Oeste seriam espanholas. Foi assim que parte do Brasil ficou pertencendo a Portugal seis anos antes de Portugal aqui chegar. O Tratado de Tordesilhas dividia, portanto, o "novo mundo" em duas partes, a partir de um meridiano 370 lguas a oeste do arquiplago de Cabo Verde, as terras as leste pertenciam a Portugal e as terras ao oeste da linha pertenciam Espanha. O Tratado de Tordesilhas permaneceu vlido at 1750, quando os portugueses comearam a avanar (descumprir o Tratado de Tordesilhas) para terras a oeste, da ento passou a vigorar o princpio que a terra pertencia a quem a ocupasse. O Meridiano de Tordesilhas passava pelo Brasil, nas atuais cidades de Belm, no Par, e Laguna, em Santa Catarina. Muitos anos mais tarde, os bandeirantes ultrapassaram o Meridiano de Tordesilhas.

69

O Brasil descoberto por Pedro lvares Cabral Embora Dom Henrique, o Infante (ou o Navegador), tenha sido o grande incentivador das navegaes portuguesas, foi durante o governo de Dom Manoel, o Venturoso, que Portugal realizou suas grandes conquistas. Partindo do Tejo a 9 de maro de 1500, com uma frota de 1.500 homens, Cabral seguiu a costa africana. Na altura da Guin, seguindo as ordens recebidas, desvia-se da rota, com o propsito aparente de procurar melhores condies de vento. A 22 de abril, chega s novas terras. Avistou em primeiro lugar um monte, que denominou Monte Pascoal, e aportaram numa baa mais ao norte.O Brasil acabaria por ser descoberto oficialmente no dia 22 de abril de 1500, mas h quem duvide de que a descoberta tenha sido um acidente. Muitos acreditam, hoje, que Pedro Alvares Cabral teria feito o desvio de sua rota para tomar posse de terras que j eram conhecidas por Portugal. A 26 de abril, Frei Henrique Soares rezou uma missa de ao de graas, numa pequena ilha, por eles chamada Coroa Vermelha. Transferiram-se ento para o continente, onde asseguraram a posse da terra com outra missa, rezada com a presena dos ndios ali. encontrados, a 1 de maio. Tendo dado por concluda a sua misso ali, Cabral parte no dia seguinte para a ndia, mandando ao mesmo tempo uma caravela com notcias da descoberta para o rei de Portugal. Era uma carta, escrita por Pro Vaz de Caminha. Em to pouco tempo, Cabral no pde decidir se havia desembarcado em um continente ou no, e julgou haver alcanado uma grande ilha, que denominou Ilha de Vera Cruz. Outras expedies vieram explorar o local descoberto por Cabral, e averiguando ser realmente um continente, denominaram-no Terra de Santa Cruz, em homenagem ao Cruzeiro do Sul, principal constelao vista desta rea.

70

Em 1511, com a explorao, eles descobriram o pau-brasil. Novamente o continente obteve um outro nome: Brasil, como conhecido hoje. Portugal realizava no Brasil o extrativismo do pau-brasil, explorando da Mata Atlntica toneladas da valiosa madeira, cuja tinta vermelha era comercializada na Europa. Neste caso foi utilizado o escambo, ou seja, os indgenas recebiam dos portugueses algumas bugigangas (apitos, espelhos e chocalhos) e davam em troca o trabalho no corte e carregamento das toras de madeira at as caravelas. O Brasil era habitado por tribos nativas de diversas naes a quem os portugueses, a exemplo dos espanhis, chamaram de ndio. Os ndios brasileiros estavam espalhados por todo o litoral e pelo interior e viviam aqui h milhares de anos. O encontro entre europeus e ndios foi inicialmente pacfico. No entanto, to logo comeou a ocupao e colonizao do territrio brasileiro, os nossos ndios foram escravizados e mortos pelos colonizadores, que tomaram posse da terra como se ela a eles pertencesse. ATIVIDADES 1 Que idioma de fala em Portugal? Qual a origem deste idioma? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________ 2 O que era a Escola de Sagres? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________

71

_____________________________________________________________ ________ 3 O que foram as Grandes Navegaes? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________________ 4 Por que as pessoas tinham medo dos oceanos naquela poca? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________ 5 Por que os portugueses resolveram enfrentar seu medo do oceano Atlntico e partir para as navegaes? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________ 6 - Observe a imagem abaixo e responda o que se pede:

A) Porque os ndios tem pena de Colombo?

72

_________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________ B) Porque a Amrica tem este nome? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________ 7 Como os portugueses desejavam chegar s ndias?

___________________________________________________ _______________________________________________ _______________________________________________ _______________________________________________ _______________________________________________ ________________8 Qual foi a primeira conquista portuguesa durante as navegaes? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________ 9 O que foi o meridiano de Tordesilhas? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________ 10 Que nomes o Brasil recebeu?

73

___________________ ___________________ ___________________ ___________________ ___________________ ___________________ ___________________ ___________________ ___________________

74

VI - A OCUPAO DO TERRITRIO BRASILEIROEm 1516, sob comando de Dom Manuel I. a Corte Portuguesa enviou pessoas dispostas a iniciar o povoamento no Brasil e lhes entregou ferramentas para que conseguissem iniciar o desbravamento de algumas terras. Dois anos aps a chegada dos portugueses, os ndios invadiram e destruram a colnia firmada em Porto Seguro. Aps este ataque, o Brasil permaneceu at 1530 sem receber novas pessoas intencionadas em residir ali. Costumamos denominar os primeiros 30 anos aps a descoberta como perodo pr-colonial, quando havia a explorao dos recursos naturais do Brasil, mas ainda no havia povoamento. No ano de 1530, Dom Joo III, rei de Portugal da poca, enviou Martim Afonso de Souza ao Brasil para explorar seu territrio em busca de minerais e ainda fundar as primeiras vilas e povoados. Com total autonomia dada pelo rei, Martim Afonso nomeava autoridades e distribua terras para aqueles que se comprometiam a realizar a misso determinada pelo rei. Quase todo o litoral foi explorado por Martim Afonso e suas expedies. No litoral paulista foi fundada a primeira vila do Brasil, a Vila de So Vicente. L tambm surgiram as primeiras plantaes de cana-deacar, alm dos primeiros engenhos. Para trabalhar nas plantaes foram trazidos escravos africanos e tambm usados escravos indgenas. Mais tarde, a dificuldade em se escravizar o ndio e as vantagens comerciais da escravido negra africana sero fatores que contribuiro para o predomnio do trabalho do negro nas lavouras e , mais tarde nas minas de ouro. Expanso territorial: bandeiras e bandeirantes Foram os bandeirantes os responsveis pela ampliao do territrio brasileiro alm do Tratado de Tordesilhas. Os bandeirantes eram colonos que se aventuravam no interior do Brasil, em busca de ndios para escravizar e de metais e pedras preciosas. Eles partiam da Vila de So Vicente, no atual Estado de So Paulo. Foram os bandeirantes que encontraram as primeiras minas de ouro nas regies de Minas Gerais, Gois e Mato Grosso, no sculo XVIII.

75

A descoberta de ouro e o incio da explorao da minas nas regies aurferas (Minas Gerais, Mato Grosso e Gois) provocou uma verdadeira "corrida do ouro" para estas regies. Procurando trabalho na regio, desempregados de vrias regies do pas partiram em busca do sonho de ficar rico da noite para o dia. A descoberta do ouro e o povoamento de Minas Gerais No final do sculo XVII, os bandeirantes paulistas finalmente encontraram ouro no Brasil, para felicidade da Coroa Portuguesa. As pessoas passaram a se referir ao local como a regio das "minas dos Catagus" (ndios coroados) ou "minas dos Cataguases". Eram tantos os lugares com ouro, que logo as pessoas comearam a chamar a regio como as "minas do ouro" ou as "minas gerais". Milhares de pessoas, de vrias partes do Brasil e de Portugal, para l se dirigiram em busca de fortuna. Mas, naquele serto, no havia plantaes ou criao de animais, nem mesmo estradas pelas quais pudessem ser levados mantimentos para os mineradores. Foram tempos muito difceis, onde pessoas morriam de fome, com os bolsos cheios de ouro. Durante muito tempo, a produo de ouro foi muito grande, mas ela diminuiu fazendo com que as vilas e cidades mineradoras se esvaziassem, e muitas famlias procurassem outras regies para morar e trabalhar. Assim, Minas Gerais comeou a crescer e a aumentar seu territrio. No fim do sculo XVIII, comeou a ocupao das atuais regies da Zona da Mata, Norte de Minas, Tringulo Mineiro e Alto Paranaba.

76

Os Sertes Proibidos (ou reas proibidas) Inicialmente conhecida como Sertes Proibidos, a Zona da Mata era utilizada pelos contrabandistas de ouro como caminho para levar o ouro tirado das minas, escondido do governo para assim no pagar imposto. Para evitar o contrabando, o governo Portugus proibia a colonizao da regio, dizendo que os ndios que aqui habitavam eram muito perigosos. O nome da Zona da Mata est ligado presena da mata Atlntica que cobria as encostas da serra da Mantiqueira. A Zona da Mata passa a ser um importante centro de desenvolvimento de Minas, com a reduo da extrao do ouro. O incio da chegada de pessoas para morarem na Zona da Mata se faz a partir do Caminho Novo, estrada que ligava Minas Gerais capital do pas. Por este caminho levava-se ouro e buscava-se mantimentos e escravos para as minas de ouro. So construdos nesse caminho locais de parada para atender os viajantes que passavam pelo interior das Gerais. As famlias que queriam morar aqui recebiam a doao de uma sesmaria. O sistema de Sesmaria foi criado pelo governo portugus, no ano de 1375, para organizar a distribuio de terras doadas pelo rei. Sesmaria era o nome que se dava a um pedao de terra que era doado a uma pessoa (o sesmeiro). Nesta terra ele deveria produzir alguma coisa: criar gado, cultivar, etc. ATIVIDADES 1 - Explique com suas palavras por que a Zona da Mata era chamada de Sertes Proibidos. _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________________________ 2 - Explique o que foi o sistema de sesmarias: _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________

77

78

3 - Procure no vocabulrio as palavras que voc no entendeu e escreva seu significado no caderno. _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________________________ 4 - A minerao, marcada pela extrao de ouro e diamantes nas regies de Gois, Mato Grosso e principalmente Minas Gerais, atingiu o apogeu entre os anos de 1750 e 1770, justamente no perodo em que a Inglaterra se industrializava e se consolidava como uma potncia hegemnica, exercendo uma influncia econmica cada vez maior sobre Portugal. Podemos afirmar sobre o perodo da minerao no Brasil que: a) atrados pelo ouro, vieram para o Brasil aventureiros de toda espcie, que inviabilizaram a minerao. b) a explorao das minas de ouro s trouxe benefcios para Portugal. c) a minerao deu a uma sociedade urbana e permitiu o surgimento de uma classe mdia socialmente ativa. d) o ouro beneficiou apenas a Inglaterra, que financiou sua explorao. e) a minerao serviu para isolar a regio mineradora do restante do Brasil, impedido a integrao entre as vrias regies. 5 - Bandeiras eram: a) expedies de portugueses que atraam as tribos indgenas para serem catequizadas pelos jesutas; b) expedies organizadas pela Coroa com o objetivo de conquistar as reas litorneas e ribeirinhas do pas; c) expedies particulares que aprisionavam ndios e buscavam metais e pedras preciosas; d) movimentos catequistas liderados pelos jesutas e que pretendiam formar uma nao indgena crist; e) expedies financiadas pela Coroa cujo objetivo era exclusivamente descobrir metais e pedras preciosas. 6 - Sobre a pecuria, leia e responda: A pecuria bovina foi introduzida no Brasil em meados do sculo XVI e se desenvolveu inicialmente em Pernambuco e na Bahia, de onde penetrou para os sertes consumidores desse produto brasileiros. Apesar da sua importncia como elemento de penetrao e de povoamento de vrias

79

regies, a pecuria bovina foi sempre uma atividade secundria, complementar, portanto s atividades econmicas principais como a lavoura cavadeira e mais tarde a minerao. Importante como fornecedora de fora de trao animal e meio de transporte para os engenhos, alm de ser fonte de alimento e de couro, a pecuria no exigia, como o engenho, muito capital para seu desenvolvimento. Por isso mesmo, era muito mais fcil instalar uma fazenda de gado do que um engenho de acar. Para formar uma fazenda de gado, o eventual fazendeiro no precisava de mo-de-obra abundante nem de importar equipamentos caros. O fundamental era a terra, em grande extenso e aberta ao desbravamento no interior da colnia. Nas margens do Rio So Francisco nasceram e cresceram muitas fazendas de gado no decorrer do sculo XVII. A pecuria era o vnculo de ligao do Nordeste com o litoral aucareiro. As fazendas nordestinas do seno abasteciam a zona do acar, ao mesmo tempo que se tornavam rea de atrao para as pessoas pobres e marginalizadas daquela regio, que viam na pecuria uma possibilidade de melhorar sua condio de vida. a) Cite a regio do Brasil onde a pecuria iniciou seu desenvolvimento (quero a regio e no os Estados): _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ b) Indique as principais caractersticas das fazendas de gado: _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 7 - Aleijadinho Antnio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, nasceu por volta de 1738. Filho do arquiteto portugus Manoel Francisco Lisboa e de uma negra, escrava de sua propriedade, chamada Isabel. De personalidade forte e perseverante, teve noes de msica e latim, aprendeu a ler, escrever, estudou desenho e arquitetura com os mestres da poca. Em 1812 ficou totalmente paraltico e morreu pobre em 1814. Seu corpo est enterrado no interior da Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceio. Antnio Francisco Lisboa herdou o apelido de Aleijadinho devido a uma doena misteriosa, popularmente conhecida na poca como zamparina, que atacou seus membros, atrofiando-os. A mutilao no abalou suas foras; seus escravos prendiam os instrumentos em suas mos. A doena implacvel. Cada vez mais arredio, ele se esconde com a ajuda de seus leais escravos Maurcio, Agostinho e Janurio. Executa belas obras em Sabar e Congonhas do

80

Campo, consagrando-se como o maior artista brasileiro do perodo colonial. Quando uma obra isolada do mestre escultor est diante de nossos olhos, ficamos com a impresso de que nela existe vida. Por volta de 1766 contratado pela Ordem Franciscana de Assis para construir a Igreja de So Francisco de Assis, sua obra-prima, na qual consagra seu estilo rococ. Seu nome e sua fama correm entre os aristocratas portugueses e de todos os lugares das Minas Gerais chegam convites para o mestre. a) Qual era a origem familiar de Antnio Francisco Lisboa? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ b) Qual foi a importncia de Aleijadinho para a Histria do Brasil? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________

81

VII - HISTRIA LOCAL A ocupao e povoamento de Leopoldina Os primeiros habitantes, os ndios Apesar de serem grandes inimigos, os ndios Puris (descendentes dos Goitacazes) e Botocudos habitavam a regio da Zona da Mata, onde hoje esto localizados os municpios de Viosa, Coimbra, Ervlia, So Geraldo, Visconde do Rio Branco, Guiricema, Ub, Tocantins, Rio Pomba, Cataguases, Mira, Miradouro, Muria, Laranjal, Santana de Cataguases e Leopoldina. Os Puris eram pacficos e tinham uma vida muito simples, em contato com a natureza. No conheciam a rede e dormiam no cho, em buracos cavados na terra. Suas tribos no possuam ocas nem malocas. Procuravam fazer seus abrigos debaixo das grandes rvores para evitar os raios solares; fugiam o mais que podiam do sol, pois eles o consideravam prejudicial sade. Fisicamente eram midos e franzinos. Gostavam de pescar, usando para isto uma linha sem anzol, na ponta da qual amarravam minhocas. Em guas mais fundas, usavam redes feitas com o fio do tucum ou com a embira da embaba branca. Tambm pescavam com timb ou com balaios de boca larga que possuam uma armadilha para fechar a tampa quando o peixe entrasse. Nadavam muito bem e construam jangadas. Da terra tiravam favas de caratinga, batatas doces, bananas da terra e milho, mas no desenvolveram a agricultura. Alimentavam-se, tambm, de mel, frutas, razes, principalmente a raiz do caratinga. Eram grandes corredores e muito bons caadores. Andavam sempre agachados. Os ndios Puris s tinham como arma a flecha e o bodoque. Alguns furavam orelhas, lbios e pintavam todo o corpo com uma tinta azul. "EIVIR", "VIRU" ou "CATIPUERA" era o nome da bebida usada pelos Puris, e era preparada com farinha de milho fermentada. Tinha um gosto semelhante ao da cerveja, mas era muito mais forte. Os Puris casavam-se jovens e por afeio, ainda na puberdade. Como no possuam instrumentos musicais, o nico recurso de que dispunham para exprimir o ritmo era a voz. Suas danas eram acompanhadas de cantigas. As danas, de carter religioso, eram em louvor ao sol, lua e s estrelas. Os ndios Botocudos eram diferentes dos Puris, sendo um grupo muito violento. O termo botocudos a denominao dada pelos portugueses aos

82

indgenas que usavam botoques labiais e auriculares (peas arredondadas, s vezes grandes, que fixavam nos lbulos das orelhas e nos lbios, conferindo-lhes aparncia particularmente assustadora). Atacavam as aldeias dos Puris, seus adversrios tradicionais, ou caravana de viajantes e at fazendas, incendiando o que encontravam no caminho. Habitavam o litoral. Com a colonizao dos portugueses, fugiram para o interior do Brasil, para escaparem da escravido. O casamento acontecia de acordo com a vontade do casal e de seus pais, sem cerimnia. Poderia acabar com muita facilidade. As mulheres e os filhos trabalhavam muito e obedeciam ao marido e ao pai. Alm da coleta e da pesca, a mulher construa a cabana e transportava objetos pesados, inclusive os filhos pequenos, carregados s costas ou pelas mos. Quanto religio, h poucos registros sobre suas crenas, sabe-se apenas que a lua era venerada como Iam. Os Botocudos eram muito supersticiosos e atribuam aos Puris todas as desgraas que lhes aconteciam. At mesmo a morte de um membro da tribo era atribuda aos Puris. Para vingar seus mortos, os Botocudos faziam grandes caminhadas atravs da mata para encontrar os Puris e mat-los, vingando, assim, os seus parentes falecidos. O Arraial do Feijo Cru Localizado na Zona da Mata Leste, o municpio de Leopoldina ocupa atualmente uma rea de 942,74 km. Em 1828, os primeiros exploradores chegaram ao territrio que hoje pertence ao municpio de Leopoldina, que ficou inicialmente conhecido com Arraial do Feijo Cru. Essa histria narrada de forma folclrica, pela Lenda do Feijo Cru, tida como marco do surgimento de Leopoldina, encontra-se representada em um painel pintado pelo artista Funchal Garcia, no centro da Cidade de Leopoldina, na Praa Felix Martins. So considerados seus fundadores, e receberam as primeiras sesmarias, o tenente Joaquim Ferreira de Brito e seu genro Francisco Corra de Lacerda. Em 1831, eles doaram terras de suas sesmarias para que fosse construda a primeira igreja (onde hoje est a Igreja do Rosrio) e as duas primeiras casas do arraial. No entanto, existe uma dvida sobre quem deu incio a ocupao de Leopoldina: se a famlia Almeida ou a famlia Monteiro de Barros. A lei que teria criado o distrito de paz e policial, foi a de 30 de setembro de 1830, por poca da elevao da localidade a distrito da Vila de So Manuel do Pomba , em 1837, tendo pertencido, anteriormente, a Barbacena e mais tarde a Mar de Espanha.

83

Em 1854, o municpio de Leopoldina foi separado do municpio de Mar de Espanha e, no dia 27 de abril daquele ano, atravs da Lei 666, criou-se o municpio da vila de Leopoldina. Sua instalao ocorreu no ano seguinte, no dia 20 de janeiro. Em 1861, a vila de Leopoldina, sede do municpio, elevada categoria de cidade. O primeiro recenseamento realizado no Brasil foi em 1872, por ordens de D. Pedro II, e encontrou na provncia de Minas Gerais 3.184.099 habitantes e na Parquia de So Sebastio de Leopoldina, tnhamos 4.835 habitantes. O municpio possua 481 casas. A dificuldade em estudar, devido a falta de escolas, fez com que 3.386 pessoas fossem analfabetas, sendo a maior parte mulheres. Em Leopoldina, no ano de 1872, havia apenas 160 estudantes, dos quais 97 eram homens. Nessa poca a mulher era criada para ser apenas obediente ao homem, portanto, para elas no era fcil estudar. J no ano de 1890, Leopoldina possua uma populao de 13.942 habitantes, destes 2.586 sabiam ler e escrever, continuando grande o nmero de pessoas que no podiam estudar. A luz eltrica chega a Leopoldina em 1908, com o incio do funcionamento da Companhia Fora e Luz Cataguases Leopoldina , tambm atendeu aos municpios vizinhos, como So Joo Nepomuceno, Cataguases e Rio Novo.

84

ATIVIDADES 1 Faa uma relao de quais objetos os ndios utilizavam e quais ainda so usados por voc em sua casa. _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________________________________ 2- Os ndios Puris tinham cuidado em no tomar muito sol. Hoje, ns fazemos o mesmo? Por qu? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________ 3 A chegada do homem branco traz sempre transformaes na vida dos ndios. Observe a tirinha e responda: que transformaes o homem branco trouxe para a natureza, nas regies onde ele colonizou?

_________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________________

85

4 Ser que temos algum antepassado indgena? Procure saber se na sua famlia h ou houve algum de origem indgena. _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________________________________ 5 - Qual foi primeiro nome do nosso municpio? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 6 - Em que ano Leopoldina se tornou um municpio? _________________________________________________________________ _________________________________________________________________ 7 - Aps ler esta lei, faa em seu caderno as questes abaixo: LEI N 666 _ de 27 de abril de 1854. Lei declarando cathegoria de Freguezia e de Villa o Districto de S. Sebastio do Feijo-Cr com a denominao de Villa Leopoldina, e contm outras disposies a respeito. [...] Art. 1 Fica elevado Freguezia o Districto de S. Sebastio do FeijoCr do Municipio do Mar dHespanha. Art. 2 Fica elevada cathegoria de Villa com a denominao de _Villa Leopoldina_ a Freguezia de S. Sebastio do Feijo-Cr creada por esta lei. Art. 3 O Municipio da Villa Leopoldina fica pertencendo Comarca do Pomba e comprehender os Districtos da Villa, Piedade, Rio Pardo, Madre de Deos, S. Jos do Parahyba, Conceio da Boa-Vista, Capivara, Laranjal e Meia Pataca, desmembrados dos Municpios do Mar dHespanha e Presidio. na Secretaria da Presidencia da Provincia em 29 de abril de 1854. Antonio Jos Ribeiro Bhering. a) Reescreva essa lei, mudando a ortografia antiga para a atual. _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________

86

_____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________________________________________________________ 8 - Aps realizar a atividade anterior, responda: a) Do que fala a lei? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________________ b) Antes de ser elevada Vila, a cidade possua um nome, qual era? E depois, qual nome passou a ter? __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ c) Quais as localidades que fazem parte da nova Vila? _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________

87

Leopoldina: uma cidade rumo ao progresso No final da dcada de 1870, a Estrada de Ferro Leopoldina Railway foi construda na nossa regio, ao mesmo tempo a produo de caf aumentou muito. Essa ferrovia foi construda com dinheiro de fazendeiros da nossa regio e seu trajeto acompanhou as fazendas do caf. A facilidade de transporte ajuda a aumentar a venda do caf. Ela trazia novos trabalhadores para a lavoura cafeeira, os imigrantes. A ferrovia ajuda, tambm, a desenvolver o comrcio local. A ferrovia chega primeiro a Cataguases, e depois, a partir do ramal de Vista Alegre, chega a Leopoldina, nossa cidade. Em 1877, a Leopoldina Railway transportou 12,9 milhes de quilos de caf de Alm Paraba, Leopoldina e Cataguases, para a cidade do Rio de Janeiro, onde era vendido para outros pases. A ferrovia levava o caf e trazia mercadorias que eram vendidas na cidade, para aqueles que possuam dinheiro que eram poucos, pois o caf no trouxe riqueza para todos. Os vages do trem traziam, tambm, estudantes que, principalmente na dcada de 1910, entravam na cidade em grande quantidade, atrados pela excelente rede de escolas particulares. Entre 1896 e 1914, foram fundadas cerca de 12 escolas particulares, oferecendo diversos cursos, recebendo a cidade o apelido de Atenas da Zona da Mata. Em 1907 foi criado o Grupo Escolar de Leopoldina que, mais tarde, em 1922, passou a se chamar Grupo Escolar Ribeiro Junqueira. Essa escola ficou conhecida em todo o Brasil por ter tido como diretor o professor paraibano Augusto dos Anjos, em 1914. Augusto dos Anjos morreu em Leopoldina, aos 30 anos, tendo publicado apenas um livro de poesias Eu, mas que o tornaria famoso em todo o pas. Ele foi enterrado no cemitrio de Leopoldina, onde h tambm um memorial em sua homenagem. Pessoas de todas as partes do Brasil vm a Leopoldina para visitar seu tmulo. O teatro, a msica e o cinema eram formas de arte e lazer muito apreciados pela populao da nossa cidade. Era comum os jornais anunciarem a apresentao de companhias teatrais, saraus e filmes.

88

A cidade crescia e prosperava, graas ao caf. Em 1907, Leopoldina foi assim descrita pelo Jornal do Comrcio, de Juiz de Fora: Leopoldina apresenta deslumbrante aspecto. Nas ruas, pelas quais se viam palmeiras, galhardes, flores, era enorme o movimento, notando-se a presena de grande nmero de pessoas vindas de fora. entrada da rua Cotegipe, foi erguido um arco triunfal, no qual se l o nome do sr. Dr. Joo Pinheiro, circundado de bandeiras da nossa nacionalidade. Essa rua, noite, apresentava brilhante aspecto, pela sua profusa

Na cidade viviam aproximadamente 10% do total de habitantes do municpio, enquanto que nos distritos rurais estava o restante dos leopoldinenses. Essa populao que vivia no campo era formada, principalmente, por pequenos agricultores, agregados, ruralistas que trabalhavam em regime de meao ou em troca de um salrio. Havia tambm imigrantes, principalmente italianos, que residiam na Colnia Constana, localizada a alguns quilmetros da sede do municpio, onde hoje o bairro Boa Sorte. Estes eram os responsveis por boa parte da produo de gneros alimentcios comercializados na cidade. A indstria de Leopoldina resumia-se (at 1913) em duas mquinas de beneficiamento de arroz e um engenho de caf, estando mais prxima do campo do que da zona urbana. Os membros da elite agrria e os comerciantes limitavam-se a conquistar novos benefcios urbanos. Mas estes benefcios no eram para todos e no chegavam aos trabalhadores mais pobres. Podemos afirmar, ento, que havia uma Leopoldina moderna e uma Leopoldina atrasada. Apesar de ser um municpio agrrio, onde a economia girava em torno do caf, leite e gneros alimentcios como arroz, Leopoldina, a cidade, buscava acompanhar de perto a modernidade. A cidade representada era diferente dos distritos rurais. Ela estava sempre preocupada com os avanos do progresso. O principal lder poltico de Leopoldina, naquela poca, foi Jos Monteiro Ribeiro Junqueira (1871- 1946). Foi um dos homens mais importantes do nosso municpio. Foi banqueiro, promotor, advogado, empresrio e fazendeiro. Fundou o Ginsio Leopoldinense, a Companhia Fora e Luz, o Banco Ribeiro Junqueira, dentre outros empreendimentos. Na poltica foi deputado estadual, deputado federal e senador.

89

O caf em Leopoldina O caf veio trazido para o Brasil no incio do sculo XVIII. Era plantado nos quintais das grandes propriedades, para uso dos moradores. Mas, a partir de 1870, tornou-se uma importante mercadoria para exportao.

Foi o Vale do Paraba (que vai do Rio de Janeiro a Minas Gerais) que comeou a produzir caf, em 1830. Como essa regio estava ligada Zona da Mata de Minas, o caf acabou chegando at ns. Era plantado principalmente no Sul e na Zona da Mata, e utilizava basicamente a mo-deobra escrava. O plantio de caf era feito em grandes propriedades de terra, grandes fazendas chamadas de latifndios. Minas Gerais acabou se tornando um grande produtor de caf, graas presena de muitas terras livres para cultivo, alm de trabalhadores para as lavouras, primeiro escravos, depois homens livres, com destaque para os municpios de Leopoldina, Juiz de Fora, Mar de Espanha, Cataguases e Ub. Em um discurso feito Assemblia Mineira, em 1859, o Visconde de Caravelas, Carneiro Campos, falava sobre a importncia do crescimento da lavoura de caf nos municpios de Mar de Espanha e Leopoldina. O municpio de Leopoldina se tornou um grande centro produtor de caf, um dos mais ricos e importantes da Zona da Mata. Toda a produo de caf era comercializada no Rio de Janeiro e de l embarcada em navios para outros pases. As fazendas eram bastante numerosas. De 1883 a 1887, em Leopoldina, existiam cerca de 42 unidades produtivas. Havia muitas pequenas

90

propriedades, mas a maior parte da terra estava nas mos dos grandes proprietrios, que tinham melhores condies de expandir o cultivo. A decadncia econmica de Leopoldina No incio do sculo XX, o preo do caf comeou a baixar, porque a concorrncia de outros pases estava prejudicando o Brasil, e os fazendeiros perderam muito dinheiro. Minas Gerais era o segundo maior produtor de caf do Brasil, perdendo apenas para So Paulo. Durante os trinta primeiros anos do sculo XX, o municpio de Leopoldina lutava para salvar a lavoura do caf. Em 1930, j no havia mais esperana para a cafeicultura e muitos fazendeiros perderam suas fortunas. Os municpios que dependiam do caf tambm foram afetados, pois como o dinheiro comeou a sumir, os impostos recolhidos tambm diminuram. Foi o que aconteceu com Leopoldina, um municpio rico que acabou se tornando um municpio pobre. Polticos como Jos Monteiro Ribeiro Junqueira passaram a incentivar a policultura e a criao de gado leiteiro, que se tornou mais tarde muito importante para nosso municpio. Em 20 de setembro 1900, foi criada a lei 353, criando a feira de gado de Leopoldina, com o objetivo de incentivar a produo oferecendo prmios e comendas. A Cooperativa dos Produtores de Leite de Leopoldina tornou-se em pouco tempo uma das maiores fornecedoras do produto para o Estado do Rio de Janeiro. Leopoldina nunca conseguiu se industrializar, como a vizinha Cataguases, e a sua populao foi aos poucos se reduzindo. O municpio que recebia trabalhadores e estudantes vindos de vrias regies de Minas e do Brasil e que, em 1872 possua mais de 40 mil habitantes, foi esvaziando. Mas isso no aconteceu apenas aqui: poucos foram os municpios da Mata que conseguiram sobreviver ao fim da cafeicultura na regio. O escravo Ns sabemos que o Brasil foi um pas escravista, ou seja, onde quase todo o trabalho era feito pelo escravo. Os primeiros escravos foram os ndios, que foram tirados de suas aldeias para trabalhar em fazendas de cana-deacar. Depois, vieram os negros africanos. Estes trabalhadores eram capturados na frica e trazidos para o nosso pas para trabalharem, primeiro nas plantaes de cana-de-acar, na minerao e depois nas plantaes de caf. A escravido uma parte triste da nossa histria, que durou mais de 300 anos.

91

Muitas pessoas tinham preconceito contra o trabalho, que era tido como coisa de escravo, a maior parte das atividades realizadas na agricultura, na cidade ou nas casas eram feitas por escravos negros. A colheita do caf tambm era feita pelos escravos. Eles arrancavam os gros com as mos e peneiravam para separar as folhas. Depois de colhido, era lavado e colocado para secar. Os gros secos eram amontoados e ensacados. Havia propriedades com muitos escravos, chegando a centenas, mas nas pequenas propriedades rurais, o nmero de cativos no passava de cinco. Em Leopoldina existiam pequenas e grandes fazendas. Leopoldina teve muitos escravos, que trabalhavam nas lavouras de caf. Em 1872, a populao do nosso municpio era de 41.886 habitantes, dos quais 15.253 eram escravos e 26.633 livres. Os municpios que possuam mais escravos eram Juiz de Fora e Leopoldina. Em 1883, Leopoldina j era a segunda cidade com maior nmero de escravos de Minas Gerais, com 16.001. Em 1876 nossa cidade possua 15.253 escravos, passando para 16.001 em 1883. O aumento do nmero de escravos mostra o tamanho da riqueza produzida pelo caf no municpio, pois o escravo era uma mo-de-obra muito cara. Por essa razo, os nossos senhores de escravos lutaram contra a sua libertao. Apesar de viverem sem liberdade, obrigados a trabalhar e sem receber nenhum pagamento pelo seu servio, os escravos podiam constituir famlias, se casavam com as bnos dos padres, tinham padrinhos em seus casamentos que poderiam ser outros escravos, seu proprietrio, algum homem ou mulher branca, ou mesmo um escravo que j havia se libertado. Os filhos de escravos tambm eram batizados e tinham padrinhos livres ou escravos. Os escravos trabalhavam e enriqueciam nossos fazendeiros, que viviam no luxo, possuindo tudo o que o dinheiro pudesse comprar, sempre imitando a moda do Rio de Janeiro. Os escravos moravam nas senzalas e possuam apenas a roupa com que trabalhavam e recebiam uma refeio simples. Quando no trabalhavam direito, podiam ser castigados de forma cruel, com chicotadas e surras. Muitos de nossos fazendeiros lutaram contra o fim da escravido, atravs de nossos representantes polticos na Corte.

92

Mas nem todos os donos de escravos eram cruis e nem todos os leopoldinenses defendiam a escravido. A historiadora Nilza Cantoni nos conta que em Leopoldina havia pessoas que eram contra a escravido. Um desses casos foi o do Jos Jeronymo de Mesquita, o Baro do Bonfim, proprietrio da Fazenda do Paraso que, em 15 de abril de 1888, alforriou 182 escravos e os levou para a cidade onde assistiram juntos a uma missa, como homens livres. Segundo sua biografia, o Baro do Bonfim teria recebido a fazenda Paraso como presente de casamento de seu av. A fazenda de caf possua 300 escravos, que eram bem tratados e cujos filhos, inclusive, recebiam aulas. Ele chegou a construir uma sala de msica para os escravos aprenderem a tocar instrumentos musicais. Um dos grandes abolicionistas brasileiros, que morou e trabalhou em Leopoldina, foi o Dr. Antnio Augusto de Lima (1859-1934), jornalista, poeta, magistrado, jurista, professor e poltico. Nasceu em Congonhas de Sabar (hoje Nova Lima), MG. Foi eleito para a Academia Brasileira de

93

Letras, em 5 de fevereiro de 1903. Foi nomeado promotor do Termo de Leopoldina, e, em 1885, era juiz municipal. Chegou a ser governador de Minas Gerais, em 1895 (na poca ttulo de governador correspondia a presidente do Estado).

Em 13 de maio de 1888, a Princesa Izabel assinou a Lei urea, que libertava todos os escravos do Brasil. Os donos de escravos leopoldinenses se sentiram prejudicados e realizaram vrios protestos contra a monarquia, pois eles acreditavam que o governo brasileiro os havia prejudicado com tal lei e que eles deveriam, portanto, receber indenizaes, pagamentos devido perda da mercadoria deles. Mas bem antes disso, o trabalho do escravo j estava sendo substitudo pelo trabalho livre do imigrante, vindo da Europa, em busca de uma nova vida no Brasil. O imigrante Com o fim da escravido, em 1888, Minas Gerais tentou solucionar o problema da falta de trabalhadores para a lavoura. J h alguns anos, fazendeiros estavam libertando seus escravos e substituindo o trabalho escravo pelo livre. Eles ofereciam aos seus ex-escravos a oportunidade de

94

continuarem trabalhando nas fazendas, recebendo um salrio. Eles tambm traziam para suas fazendas imigrantes.

Os imigrantes vinham para o Brasil com suas famlias, fugindo da fome e das guerras que estavam acontecendo na Europa, principalmente entre os anos da dcada de 1870. A maioria deles era de italianos e alemes. Os imigrantes vinham em busca de trabalho e de terras. Muitos traziam toda a sua famlia e a maioria preferia trabalhar em So Paulo, onde o salrio pago era muito maior do que o oferecido pelos fazendeiros de Minas Gerais Minas Gerais era a regio mais populosa do Brasil, ou seja, tnhamos mais habitantes do que outros Estados. Por esta razo, na Zona da Mata havia mais trabalhadores nacionais do que imigrantes, mas eles tambm foram muito importantes na construo da nossa histria. Os imigrantes alemes preferiam trabalhar nas cidades em pequenas fbricas ou abrindo pequenos comrcios. Os italianos j eram mais ligados ao campo, e procuravam terras para cultivar. Os primeiros imigrantes que chegaram em Leopoldina foram comerciantes, na dcada de 1850, quase sempre identificados como "turcos". A sala de suas casas era a loja. Entre eles esto os primeiros mascates, homens que visitavam as fazendas levando os produtos para serem vendidos. Entre 1860 e 1888, com a abertura da estrada que servia para transportar a produo de caf, foi fundada a Companhia Unio e Indstria, que contratou engenheiros, tcnicos e operrios especializados na Alemanha em 1856. Muitos deles, juntamente com suas famlias, permaneceram na Zona da Mata.

95

A partir de 1877, com a chegada da ferrovia, o nmero de imigrantes em Leopoldina aumentou. H relatos de que em Vista Alegre havia uma hospedaria de imigrantes, local onde os imigrantes descansavam at serem enviadas para fazendas ou cidades onde iriam morar e trabalhar. Com o fim da escravido, em 1888, o nmero de imigrantes que aqui chegaram aumentou bastante. A partir de ento, nossa regio passou a receber agricultores, espanhis e italianos. Diferentemente dos primeiros imigrantes que aqui chegaram, esses eram, em geral, pessoas de origem muito humilde, analfabetos em nossa lngua e, por esta razo, acabaram por ser explorados pelos fazendeiros, muitos dos quais os tratavam como escravos e nem sempre lhes pagavam o salrio devido. Os primeiros que conseguiram se livrar dos abusos dos fazendeiros estabeleceram-se no trecho que ligava a sede do municpio a Tebas. Na Ona e na vizinha Fazenda da Constana, famlias de alemes e espanhis haviam fixado residncia e receberam os novos imigrantes sem dificuldades e, principalmente, sem o preconceito que os impedia de participarem ativamente da vida econmica da cidade. Colnia Constana. A organizao de colnias agrcolas, em Minas Gerais, surgiu da necessidade de oferecer vantagens que fixassem os imigrantes em seu territrio. Lembrem-se de que a maioria deles preferia ir para So Paulo, trabalhar nas lavouras de caf ou na cidade. Oferecer lotes de terra para famlias cultivarem mesmo que elas no fossem proprietrias era uma maneira de atrair para nosso Estado trabalhadores. Em Leopoldina foi criada a Colnia Agrcola Constana pelo decreto n 280, em 12 de abril de 1910 e foi constituda inicialmente a partir das fazendas Constana, Boa Sorte, Ona e Puris, adquiridas pelo Estado. Foram divididos e distribudos lotes de terra para imigrantes que desejassem produzir ali gneros alimentcios variados, para serem vendidos na cidade ou na "venda de secos e molhados" do Sr. Augusto Timbiras, que ficava na entrada do Bairro Boa Sorte. Os italianos que chegaram em Leopoldina vinham quase todos da regio de Veneto, na Itlia, e na chegada ao Brasil, em 1910, ficaram alojados na Hospedaria da Ilha das Flores, no Rio de Janeiro, at que foram transferidos para a Colnia Constana. A partir de junho de 1910, eles passaram a ser o maior grupo residente na Colnia, assim como o mais ativo. Um exemplo disso era que Leopoldina j possua, um ano depois, um representante de Victor Manoel III, Rei da Itlia naquela poca.

96

Os imigrantes vinham para trabalhar na colheita do caf e produzir gneros alimentcios, mas desenvolviam, tambm, outras atividades, como a produo de telhas e tijolos, servios de carpintaria, pedreiros, carreteiros, podadores, ferreiros e outros servios. O dinheiro extra era poupado para, futuramente, a compra de uma pequena propriedade rural. Muitos imigrantes que foram para Juiz de Fora, onde ficaram durante algum tempo na Hospedaria Horta Barbosa, em Juiz de Fora, vieram para Leopoldina entre o final de 1888 e 1909, para trabalhar na Colnia Santo Antnio. A Colnia Santo Antonio foi um ncleo organizado pela Cmara Municipal de Leopoldina, localizado nas proximidades da Igreja de Santo Antnio do Ona, e que durou pouco tempo. Estes imigrantes estiveram, quase sempre, ligados ao distrito de Tebas. Em 1917, a populao da Constana chegava a 1065 habitantes, cerca de 15 pessoas para cada lote. Um grupo de famlias de colonos alemes chegou a morar na colnia Agrcola da Constana, antes da primeira Guerra Mundial, mas no desejavam ficar no campo e sim trabalhar na cidade, por isto acabaram indo embora algum tempo depois. Tivemos tambm espanhis, franceses, gregos, holandeses que se encantaram com nossa terra e por aqui permaneceram. Em 1911, chegam diversos italianos a Leopoldina se dedicando lavoura, depois passam a investir suas economias em pequenas oficinas. Outros so sapateiros, donos de bar, padres, sacristos, aougueiros, alfaiates, jardineiros e exercem outras atividades. Diversos portugueses tambm vieram morar em nossa cidade, dedicando-se a atividades diversas; entre elas, o comrcio de atacado e varejo, dirigindo jornal, cuidando da agricultura, sendo mdico, barbeiro e artistas.

97

1 Observe a imagem

ATIVIDADES

Usando argumentos tirados do texto e informaes complementares, explique qual foi a importncia da ferrovia para a nossa regio. _________________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ________________________________________________________

98

2 Ainda trabalhando com imagens, localize em Leopoldina as espaos pblicos que aparece nas imagens abaixo, que pertencem ao incio do sculo XX:

________________________________ ________________________________ ________________________________ ________________________________

________________________________ ________________________________ ________________________________ ________________________________ 3 Por que Leopoldina era chamada de Atenas da Zona da Mata? __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ 4 Qual era a principal atividade econmica do nosso municpio durante o Imprio e a Primeira Repblica?

99

__________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ 5 Que tratamento recebiam os escravos nas fazendas de caf? __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ 6 O que um abolicionista? __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ Quais foram os principais ncleos de imigrantes que formaram-se em Leopoldina? __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ __________________________________________________________ 6 Leia a histria em quadrinhos abaixo e discuta seu contedo com seus colegas na sala de aula:

100

101

102

103

104

105

(A histria em quadrinhos acima no tem referncia exata pois veio de um fragmento de revista, sem capa e faltando pginas).

106

FONTES PESQUISADAS E ADAPTADAS OS microorganismos. Capturado em: http://decomposicao.vilabol.uol.com.br/pagina4.htm, acesso em 27/01/2011. Portal Turma da Mnica. http://www.monica.com.br/index.htm, acesso em 02/02/2008. Arquelogos encontram sinais de fogo controlado h 790 mil anos. Capturado em http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u11659.shtml , acesso em: 29/04/2004. Eugenia (apostila do prof. Ramiro). Capturado em http://www.portalimpacto.com.br/docs/01Ramiro1ANOAula03APolisGregaE sparta.pdf, acesso em 28/05/2010. Olimpadas da Grcia Antiga. Capturado em http://olimpiadas.uol.com.br/2008/historia/grecia/historia.jhtm, acesso em 28/05/2010 Teatro Grego. Capturado em http://www.suapesquisa.com/musicacultura/teatro_grego.htm, acesso em 28/05/2010 Esparta. Capturado em http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/civilizacao-grega/esparta.php, acesso em 02/02/2008. Roma Antiga. Capturado em http://pt.wikipedia.org/wiki/Roma_Antiga, acesso em 02/02/2008. Observao: Algumas partes do texto foram copiadas, outras adaptadas e uma boa parte delas escrita por mim. Como na poca eu pretendia usar o texto apenas na sala de aula e tive pouco tempo para prepara-lo no tive o cuidado de relacionar adequadamente as fontes utilizadas. Tentei faze-lo nesta reviso (2011), mas sei que alguma coisa deve ter escapado. Peo antecipadamente desculpas e esclareo que no tenho inteno de plagiar ou tomar para mim textos de outros autores. Foi descuido mesmo.