apostila desonera§£o de folha - cenofisco

Download Apostila Desonera§£o de Folha - Cenofisco

Post on 11-Aug-2015

1.085 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

PREVIDNCIA SOCIAL Desonerao da Folha de Pagamento Ampliao do Nmero de Empresas BeneciadasTodos os comentrios e consideraes da matria Desonerao da Folha de Pagamento Ampliao do Nmero de Empresas Beneciadas objetivam alertar os leitores para os procedimentos a serem analisados quanto aos seus efeitos.

Acesse nosso site e fale com o representante de sua regio.

www.cenosco.com.br w . n . m r

Manual de Procedimentos

TRABALHO PREVIDNCIAe Legislao

PREVIDNCIA SOCIALDesonerao da Folha de Pagamento Ampliao do Nmero de Atividades BeneciadasSUMRIO 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. Introduo 1.1. No aplicao Prestao de Servio mediante Cesso de Mo de Obra Reteno Previdenciria Contribuio Destinada a Terceiros Reduo Atividades Concomitantes 4.1. Receita bruta 13 Salrio Ausncia de Contribuies 5.1. 13 Salrio Clculo Procedimento para Clculo da Reduo de Alquotas Obrigaes Acessrias 7.1. SEFP/GFIP Anexo I Atividades beneciadas a partir de 01/08/2012 Anexo II Atividades beneciadas a partir de 01/01/2013

em vigor no primeiro dia do quarto ms subsequente data de publicao da Lei n 12.715/12 (DOU 18/09/2012), ou seja, a partir de 01/01/2013; e d) da contribuio sobre o valor da receita bruta relativa s empresas que fabricam os produtos classicados nas posies 01.03, 02.06, 02.09, 05.04, 05.05, 05.07, 05.10, 05.11, 10.05, 11.06, 12.01, 12.08, 12.13, no Captulo 15, no Captulo 16, no Captulo 19, nas posies 23.01, 23.04, 23.06, 2309.90, 30.02, 30.03, 30.04 da TIPI, que entra em vigor no primeiro dia do quarto ms subsequente data de publicao da Lei n 12.715/12 (DOU 18/09/2012), ou seja, a partir de 01/01/2013. Isto posto, as empresas com as atividades a seguir relacionadas tero a contribuio previdenciria de 20%, calculada sobre o total da folha de pagamento de empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais, substituda pela aplicao das alquotas de 1% ou 2%, conforme o caso, sobre o valor da receita bruta, no sendo aplicada s empresas que exeram exclusivamente as atividades de representante, distribuidor ou revendedor de programas de computador. Convm ressaltar que, as referidas contribuies tm carter impositivo aos contribuintes que exercem as atividades a seguir mencionadas e devero ser apuradas e pagas de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz da pessoa jurdica (art. 4 e 1 do art. 5 do Decreto n 7.828/12). Com a publicao do Decreto n 7.828/12 passaram a vigorar as seguintes regras: I de 01/08/2012 a 31/12/2014 a) alquota de 2% sobre o valor da receita bruta para as empresas que prestam servios de Tecnologia da Informao (TI), de Tecnologia da Informao e Comunicao (TIC), conforme listados no item 3 deste trabalho, call center, concepo, desenvolvimento ou projeto de circuitos integrados e o setor hoteleiro (CNAE 5510-8/01);Nota Cenosco: Enquadram-se na subclasse 5510-8/01 da Classicao Nacional de Atividades Econmicas (CNAE 2.0) as seguintes atividades: Cdigo 5510-8/01 5510-8/01 5510-8/01 5510-8/01 5510-8/01 5510-8/01 Descrio CNAE Administrao de Hotis. Hotel. Hotel com ou sem Servio de Restaurante. Hotel Fazenda. Pousada. SPA com Servio de Alojamento.

1. IntroduoA Lei n 12.715, 17/09/2012 (DOU de 18/09/2012), entre outras providncias alterou, em seu art. 55, os arts. 7 a 10 da Lei n 12.546/11, que institui o Regime Especial de Reintegrao de Valores Tributrios para as Empresas Exportadoras (REINTEGRA), conhecido, tambm, como Plano Brasil Maior. Salientamos que, de acordo com o 2 do art. 78 e art. 79 da Lei n 12.715/12, estabelece que os arts. 53 a 56 entram em vigor no primeiro dia do quarto ms subsequente data de publicao da Medida Provisria n 563/12, produzindo efeitos a partir de sua regulamentao, o que ocorreu por meio do Decreto n 7.828, de 16/10/2012 (DOU de 17/10/2012) exceo: a) da nova redao dada ao 15 e ao novo 23 do art. 8 da Lei n 10.865/04, que entram em vigor na data de publicao da Lei n 12.715/12 (DOU 18/09/2012); b) do disposto no inciso III do caput do art. 7 e no 3 do art. 8 da Lei n 12.546/11, que entra em vigor em 01/01/2013; c) da contribuio sobre o valor da receita bruta relativa s empresas que fabricam os produtos classicados nas posies 2515.11.00, 2515.12.10, 2516.11.00, 2516.12.00, 6801.00.00, 6802.10.00, 6802.21.00, 6802.23.00, 6802.29.00, 6802.91.00, 6802.92.00, 6802.93.10, 6802.93.90, 6802.99.90, 6803.00.00, 8473.30.99, 8504.90.10, 8518.90.90 e 8522.90.20 da TIPI, que entra

Dezembro

1a semana

No 49/12 3

TRABALHO PREVIDNCIAe Legislao

Manual de Procedimentosde pescados, imprprios para alimentao humana; sangue humano, sangue animal preparado para uso teraputico, prolticos ou de diagnstico, vacinas; medicamentos, conforme classicao na Tabela de Incidncia do Imposto sobre Produtos Industrializados (TIPI), dentre outros, conforme o Decreto n 7.660/11, nos cdigos referidos nos Anexos I e II do Decreto n 7.828/12 (veja item 8 e 9 deste trabalho).

b) alquota de 1% sobre o valor da receita bruta para as empresas que fabricam uidos para freios hidrulicos, plsticos, vesturio e seus acessrios, peles, couros, sedas, ls, tapetes e outros revestimentos para pisos, chapus e artefatos de uso semelhante, mquinas e aparelhos, vlvulas redutoras de presso, dentre outros, conforme classicao na Tabela de Incidncia do Imposto sobre Produtos Industrializados (TIPI), dentre outros, conforme o Decreto n 7.660/11, nos cdigos referidos nos Anexos I e II do Decreto n 7.828/12 (veja itens 8 e 9 deste trabalho). II de 01/01/2013 a 31/12/2014 a) alquota de 2% sobre o valor da receita bruta para as empresas que prestam servios de transporte rodovirio coletivo de passageiros (CNAE 4921-3 e 4922-1);Nota Cenosco: Enquadram-se nas classes 4921-3 e 4922-1 da Classicao Nacional de Atividades Econmicas (CNAE 2.0) as seguintes atividades: Cdigo 4921-3 4922-1 Descrio CNAE Transporte rodovirio coletivo de passageiros, com itinerrio xo, municipal e em regio metropolitana. Transporte rodovirio coletivo de passageiros, com itinerrio xo, intermunicipal, interestadual e internacional.

1.1. No aplicaoObserva-se que, de acordo com o inciso II, do art. 3 do Decreto n 7.828/12, no ser aplicada a substituio prevista no item 1 deste trabalho, s empresas: I que se dediquem a atividades diversas das previstas nos cdigos da TIPI a seguir transcritos, cuja receita bruta delas decorrente seja igual ou superior a 95% da receita bruta total: a) entre 01/12/2011 e 31/12/2014 3926.20.00, 40.15, 42.03, 43.03, 4818.50.00, 63.01 a 63.05, 6812.91.00, 9404.90.00 e nos captulos 61 e 62; e 4202.11.00, 4202.21.00, 4202.31.00, 4202.91.00, 4205.00.00, 6309.00, 64.01 a 64.06. b) entre 01/04/2012 e 31/12/2014 41.04, 41.05, 41.06, 41.07 e 41.14; 8308.10.00, 8308.20.00, 96.06.10.00, 9606.21.00 e 9606.22.00; e 9506.62.00. II aos fabricantes de automveis comerciais leves camionetas, picapes, utilitrios, vans e furges; caminhes e chassis com motor para caminhes, chassis com motor para nibus, caminhestratores, tratores agrcolas e colheitadeiras agrcolas auto propelidas. III s empresas que exeram as atividades de representao, distribuio ou revenda de programas de computador e cuja receita bruta que decorra dessas atividades seja igual ou superior a 95% da receita bruta total, de acordo com inciso II, 3, do art. 2, do Decreto 7.828/12.

b) alquota de 1% sobre o valor da receita bruta para as empresas que prestam servios de: transporte rodovirio coletivo de passageiros, com itinerrio xo, municipal, intermunicipal em regio metropolitana, intermunicipal, interestadual e internacional enquadradas nas classes 4921-3 e 4922-1 da CNAE 2.0; manuteno e reparao de aeronaves, motores, componentes e equipamentos correlatos; transporte areo de carga; transporte areo de passageiros regular; transporte martimo de carga na navegao de cabotagem; transporte martimo de passageiros na navegao de cabotagem; transporte martimo de carga na navegao de longo curso; transporte martimo de passageiros na navegao de longo curso; transporte por navegao interior de carga; transporte por navegao interior de passageiros em linhas regulares; e navegao de apoio martimo e de apoio porturio. c) alquota de 1% sobre o valor da receita bruta para as empresas que fabricam brinquedos; mrmores, cermicas, pedras; animais vivos e miudezas; glndulas e outras substncias de origem animal utilizadas na preparao de produtos farmacuticos; milho, soja, cereais e farinhas; produtos de pastelaria, ps e pellets de carnes, de miudezas e

2. Prestao de Servio mediante Cesso de Mo de Obra Reteno PrevidenciriaO art. 31 da Lei n 8.212/91 determina que a empresa contratante de servios executados mediante cesso de mo de obra, inclusive em regime de trabalho temporrio, dever reter 11% do valor bruto da nota scal ou fatura de prestao de servios e recolher, em nome da empresa cedente da mo de obra, a importncia retida at o dia 20 do ms subsequente ao da emisso da respectiva nota scal ou fatura, ou at o dia til imediatamente anterior se no houver expediente bancrio naquele dia. Contudo, na contratao de empresas para a execuo dos servios de TI e TIC, de call center, de concepo, de desenvolvimento ou projeto de circuitos integrados, do setor hoteleiro enquadradas na subclasse 5510-9/01 da CNAE 2.0, mediante cesso de mo de obra, na forma denida pelo art. 31 da Lei n 8.212/91, a empresa contratante dever reter no mais 11% e, sim, 3,5% do valor bruto da nota scal ou fatura de prestao de servios, ocorrendo, portando uma reduo.

4 No 49/12

Dezembro

1a semana

Manual de Procedimentos3. Contribuio Destinada a Terceiros ReduoDe acordo com o 7 do art. 3 do Decreto 7.828/12 as empresas que prestam, exclusivamente, os servios a seguir relacionados e as empresas de call center continuam fazendo jus s redues das contribuies devidas a Terceiros a que se refere o 7 do art. 14 da Lei n 11.774/08, pela subtrao de 1/10 do percentual correspondente razo entre a receita

View more >