Apostila Design

Download Apostila Design

Post on 18-Oct-2015

30 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li><p> 1</p><p>DESIGN E ARQUITETURA: DO ECLETISMO AO PS-MODERNISMO: </p><p>INTERFACES </p><p>Profa. Dra. Paula da Cruz Landim </p><p>INTRODUO </p><p>Nos ltimos tempos o uso da palavra design passou a ser muito explorado pelos meios de comunicao, principalmente na publicidade, demonstrando com isso a fora que o design agrega como valor de imagem, mas, pouco se fala do seu contedo. </p><p>Possivelmente o desconhecimento da importncia do design no contexto das empresas tenha provocado esse excesso de exposio, gerando equvocos e deturpaes como a utilizao do design como marca, como Hair Design em vez de cabeleireiro, Flower Design em vez de Floricultura, Design Tour para agncia de turismo, sem falar na terrvel expresso design arrojado. Outros se apoderam do design para vender efmeras e duvidosas peas de artesanato "pseudo-chic", onde no so observados qualidade, usabilidade, e custos, s para citar alguns exemplos. </p><p>A corrente dominante da histria da humanidade acredita que o grande salto evolutivo que distingue o Homo erectus do restante dos mamferos foi sua capacidade de dominar o meio ambiente. A cada problema ambiental apresentado, o homem primitivo associava uma soluo. Ao perceber uma lasca de pedra cortante e o benefcio direto que tal funo proporcionava, o homem dava um passo no domnio e na compreenso da funo do design. Isso aconteceu em todo o mundo primitivo, ao mesmo tempo, aparentemente sem contato entre os povos. </p><p>Se essa compreenso da funo do design to elementar e os benefcios to aparentes, por que ainda hoje to difcil justificar o papel do design como atividade transformadora e geradora de benefcios palpveis? </p><p>Algumas descobertas do homem primitivo explicam quo antigos e enraizados so alguns dos valores que hoje consideramos bens inerentes da civilizao. </p><p>A descoberta e o domnio do fogo e de ferramentas de caa e corte permitiram que as primeiras tribos nmades se fixassem e adquirissem estrutura social hierarquizada, com diviso de trabalho especializado. Com a agricultura e a domesticao de animais, o homem no precisava mais se deslocar atrs da caa e, pela primeira vez na histria, tinha tempo livre, no dedicado sobrevivncia. Os primeiros produtos desse cio foram imagens grficas que representavam a realidade, testemunhas pictricas do objeto de desejo e temor. </p><p>O nascimento da arte e da comunicao, companheiros inseparveis, hoje definio do chamado design grfico, propiciou um legado de conhecimento muito mais eficiente que a transmisso oral e tambm detonou o processo que culminou na linguagem escrita. </p><p>Ao longo dos sculos, o valor da arte e da escrita nunca foi questionado e todos os escribas, os calgrafos religiosos de todas as culturas e os produtores de artes em geral tiveram seu ofcio garantido na hierarquia social. </p><p>O Design surgiu ento da necessidade humana. Entendendo necessidade, nesse caso, como todos os desejos e ansiedades dos seres humanos no contexto em que vivem, no tempo e no espao. A sua natural evoluo de conhecimento e construo de sua existncia comprova sua passagem pelo mundo, transformando essas necessidades em atitudes concretas. </p><p>As descobertas tecnolgicas motivaram as novas possibilidades de construir coisas. O fazer humano demandou sempre novidades para suprir seus desejos de realizar tarefas no universo cotidiano, com menos esforo e mais preciso, sejam elas necessidades de carter fsico ou filosficas, psicolgicas, estticas e simblicas. </p></li><li><p> 2</p><p>Dentro dessa complexidade humana, do pensar e do fazer, que se faz necessrio uma compreenso mais detalhada da contribuio da cincia, da arte e da tecnologia na vida das pessoas. Nesse aspecto o Design, em todos os seus campos de ao tem muito a contribuir, seja ele o Design Grfico ou Programao Visual, com solues para problemas de comunicao e informao, o Design de Interiores ou Ambientes, na integrao racional do homem com os espaos construdos e o Design Industrial ou Design de Produtos, responsvel pelos objetos e equipamentos que utilizamos no dia a dia. </p><p>Portanto, cabe ao profissional do Design de produtos, utilizar ferramentas metodolgicas de planejamento e desenvolvimento do projeto que tragam respostas criativas e inovadoras com viabilidade industrial e comercial. Para tal, necessita de uma ampla compreenso das necessidades das empresas, e das necessidades dos usurios. </p><p>Esses mecanismos metodolgicos permitem a visualizao de todo o processo do projeto, sem perder de vista os aspectos culturais, estticos e simblicos, seguidos de rigorosa compreenso da tecnologia, dos materiais, dos processos de fabricao, atravs de estreita relao entre a planificao detalhada da produo e o ciclo fabril. O processo se justifica pelo carter multidisciplinar do Design. </p><p>O design industrial - a concepo e planejamento de produtos para reproduo mltipla - um processo criativo e inventivo preocupado com a sntese de fatores instrumentais tais como a engenharia, tecnologia, materiais e estticas para solues para produo mecanizada que equilibrem todas as necessidades e desejos dos consumidores dentro de restries tcnicas e sociais. </p><p>H mais de 200 anos que os produtos da produo industrial mecanizada moldam a nossa cultura material, influenciam as economias do mundo e afetam a qualidade do nosso ambiente e da nossa vida diria. Desde bens de consumo e embalagens at sistemas de transporte e equipamento de produo, os produtos industriais englobam uma extraordinria variedade de funes, tcnicas, atitudes, idias e valores e so um meio atravs do qual experimentamos e compreendemos o mundo que nos rodeia. </p><p>At certo ponto, as origens do design podem remontar Revoluo Industrial e ao nascimento da produo mecanizada. Antes disso, os objetos eram manufaturados, significando que a concepo e realizao de um objeto estavam freqentemente a cargo de um criador individual. Com o aparecimento do processo industrial de fabricao e a diviso do trabalho, o design (concepo e planejamento) foi separado da execuo. Nesta altura, no entanto, o design era visto apenas como um dos muitos aspectos inter-relacionados da produo mecanizada. O primeiro pensamento que entrou no design no tinha nenhum fundamento intelectual, terico ou filosfico e por isso teve um impacto pequeno na natureza do processo industrial e na sociedade. O design moderno pode ser visto como tendo evoludo dos reformadores do design do sculo XIX e em particular de William Morris, que tentou unir teoria e prtica. Este esforo foi um insucesso devido ao processo de fabricao artesanal usado por Morris, mas as suas idias reformistas tiveram um impacto fundamental no desenvolvimento do Movimento Moderno. Foi s no incio do sculo XX, quando pessoas como Walter Gropius conseguiram integrar teoria do design e a prtica atravs de novos meios de produo, que o design moderno verdadeiramente apareceu. Numa tentativa de unir o idealismo social e a realidade comercial, separados at ao final da l Grande Guerra, e promover uma resposta adequada cultura tecnolgica emergente, Gropius fundou a Bauhaus em 1919. O alvo do design moderno, iniciado e ensinado na Bauhaus, era produzir trabalho que unisse aspectos intelectuais, prticos, comerciais e estticos atravs de um esforo artstico que explorasse novas tecnologias. Apesar de a Bauhaus avanar com importantes novas formas de pensar sobre o design, desenvolveu apenas algumas das idias necessrias para o sucesso da integrao da teoria do design no processo industrial. Os princpios forjados na Bauhaus foram mais tarde desenvolvidos na Nova Bauhaus, de Chicago, fundada por Lzl Moholy-Nagy em 1937 e na Hochschule fr Gestaltung, Ulm, fundada em 1953. Ambos os institutos deram importantes contribuies para o novo pensamento sobre a unificao da teoria do design com a prtica em relao aos mtodos industriais de produo. </p><p>No estudo da histria do design, importante lembrar que os produtos do design no podem ser totalmente compreendidos fora dos contextos social, econmico, poltico, cultural e tecnolgico que levaram sua concepo e realizao. Em diferentes alturas do sculo XX, por exemplo, os ciclos econmicos das economias ocidentais tiveram um impacto significativo na prevalncia de objetos que enfatizam o design sobre o estilo e vice-versa. Enquanto o estilo freqentemente um elemento complementar de uma soluo de design, o design e o estilo so duas disciplinas completamente distintas. O estilo est ligado aparncia e tratamento da superfcie - s qualidades expressivas de um produto. O design, por outro lado, est primeiramente ligado resoluo de </p></li><li><p> 3</p><p>problemas - tende a ser global na sua amplitude e geralmente procura simplificao e essncia. Durante crises econmicas, o Funcionalismo (design) tende a impor-se, enquanto que em tempos de prosperidade econmica floresce o anti-racionalismo (estilo). </p><p>Assim, a natureza dos produtos industriais e como eles iro ser determinado por um processo de design ainda mais complexo que est sujeito a muitas influncias e fatores diferentes, de que avultam as restries impostas pelos contextos sociais, econmicos, polticos, culturais, de organizao e comerciais, dentro dos quais os novos produtos so desenvolvidos, e o carter, pensamento e capacidades criativas dos designers individuais ou equipes de designers, especialistas alinhados e fabricantes envolvidos na sua produo. </p><p>No decorrer do sculo XX, o design existiu como caracterstica importante da cultura e da vida cotidiana. A sua rea vasta e inclui objetos tridimensionais, comunicaes grficas e sistemas integrados de informao, tecnologia e ambientes urbanos. Definido no seu sentido mais global como concepo e planejamento de todos os produtos feitos pelo homem, o design pode ser visto fundamentalmente como um instrumento para melhorar a qualidade de vida. Os interesses dos negcios para criar produtos competitivos conduziram evoluo e diversidade do design, assim como carreira de designers individuais. Enquanto alguns designers trabalham em estruturas de conjunto, outros so independentes. Muitos designers independentes optam por atuar fora das limitaes do processo industrial, preferindo produzir trabalho majoritariamente virado para a expresso individual. O design no apenas um processo ligado produo mecanizada, um meio de conferir idias persuasivas, atitudes e valores sobre como so ou deviam ser as coisas, de acordo com objetivos individuais, de grupo, institucionais ou nacionais. Como um canal de comunicao entre pessoas, o design oferece uma viso particular do carter e do pensamento do designer e das suas convices do que importante na relao entre o objeto (soluo do design), o utilizador/consumidor, e o processo do design e a sociedade. Posto isto, a inteno no promover nenhuma teoria unificadora do design ou ideologia. Antes, destacar a natureza pluralista do design e a idia de que, historicamente, o design pode ser visto como um debate entre diferentes opinies sobre assuntos como o papel da tecnologia e o processo industrial, a primazia da utilidade, simplicidade e custo, sobre o luxo e a exclusividade, e o papel da funcionalidade, esttica, ornamento e simbolismo em objetos prticos para o uso comum. </p><p>Desta forma, ao longo do sculo XX, os produtos, estilos, teorias e filosofias do design tornaram-se cada vez mais diversificados. Isto devido, em grande parte, crescente complexidade do processo do design. Cada vez mais, no design para a produo industrial, a relao entre concepo, planejamento e fabricao fragmentada e complicada por uma srie de atividades especializadas interligadas envolvendo diferentes indivduos, tais como autores dos modelos, pesquisadores de mercado, especialistas de materiais, engenheiros e tcnicos de produo. Os produtos do design que resultam deste processo multifacetado no so fruto de designers individuais, mas de equipes de indivduos, cada um com as suas idias e atitudes sobre como as coisas devem ser feitas. A pluralidade histrica do design do sculo XX, contudo, tambm devida s alteraes de padres de consumo, de gosto, alteraes de imperativos comerciais e morais de inventores, designers, fabricantes, progresso tecnolgico e variaes de tendncias nacionais do design. </p><p>Esta viso do design no sculo XX caracteriza estes conceitos, estilos, movimentos, designers, escolas, empresas e instituies que deram forma ao curso da teoria do design e prtica, ou deram avano ao desenvolvimento de formas inovadoras, aplicao de materiais, processos e meios tcnicos, ou influenciaram o gosto, a histria do estilo aplicado s artes decorativas, cultura e sociedade em geral. As reas de atividade incluem designs de mobilirio, produto, txteis, vidro, cermica e metais, sendo o design grfico, o design de interiores e a arquitetura mencionados apenas ocasionalmente. </p><p>Ao realar a natureza diversificada do design, outro objetivo demonstrar que as atitudes, idias e valores comunicadas pelos designers e fabricantes no so absolutas, mas sim condicionais e flutuantes. As solues do design, mesmo para o mais objetivo dos problemas, inerentemente efmera, como as necessidades e preocupaes dos designers, fabricantes e mudanas na sociedade. Talvez a razo mais significativa para a diversidade no design, no entanto, seja a crena generalizada de que, apesar da autoridade e sucesso de solues de design particulares, h sempre uma maneira de fazer melhor as coisas. </p><p>Enquanto cada vez mais pases so arrastados para a economia global de mercado livre, o design industrial tem-se tornado um meio crescentemente vital na competio a uma escala global. Ao refletir sobre a histria do design industrial e focando principalmente os seus sucessos, pretende-se demonstrar como o design industrial procura consistentemente desmistificar a tecnologia e oferec-la em formas acessveis ao maior nmero possvel de pessoas. Um outro objetivo sublinhar a fenomenal dimenso da responsabilidade que as prprias empresas de manufatura tiveram na </p></li><li><p> 4</p><p>evoluo da histria do design industrial. Sem a sua vontade de arriscar investimentos necessrios e por vezes enormes exigidos no desenvolvimento de novos produtos, haveria muito pouco design industrial. As empresas de manufatura inovadoras comercialmente motivadas e ao mesmo tempo com preocupaes sociais so freqentemente heris desconhecidos da nossa cultura material. </p><p>Nos anos 50, como reflexo da importante experincia da Escola de Ulm, na Alemanha, Thomz Maldonado resume: "O design industrial uma atividade criativa cujo objetivo determinar as propriedades formais dos objetos produzidos industrialmente. Por propriedades formais no se deve entender apenas as caractersticas exteriores mas, sobretudo, as relaes estruturais e funcionais que fazem de um objeto (ou sistema de objetos), uma unidade coerente, tanto do ponto de vista do produtor como do consumidor. O design Industrial abrange todos os aspectos do ambiente condicionado pela produo". Esse conceito adotado at hoje pelo ICSID - International Council of Society of Industrial Design, entidade internacional das sociedades de Design, com sede na Finlndia. </p><p>Ampliando esse raciocnio, o designer talo-americano Gianfranco Zaccai, da Design Continuum, escritrio com fi...</p></li></ul>