apostila desenho mecanico i

Download Apostila   desenho mecanico i

Post on 30-Jul-2015

43 views

Category:

Documents

8 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1. Desenho Mecnico I Prof. Fernando C1 C4 C3 C2O1 O2 T1 T2 t1 t2 2. Tangncia e Concordncia Captulo 01 3. Chama-se concordncia de duas linhas curvas ou de uma reta com uma curva, a ligao entre elas, executada de tal forma, que se possa passar de uma para outra, sem ngulo, inflexo ou ponto de descontinuidade. A concordncia em desenho geomtrico se baseia nos seguinte princpio: 1 - Tangenciar um ponto significa cont-lo no traado; 2 - Para concordar um arco com uma reta necessrio que o ponto de concordncia e o centro do arco, estejam ambos sobre uma mesma perpendicular. 3 - Para concordar dois arcos, o ponto de concordncia assim como os centros dos arcos, devem estar sobre uma mesma reta, que normal aos arcos no ponto de concordncia. Vejamos alguns exemplos: 1 - Tangncia da circunferncia C entre a reta R e o ponto P. 3 - Concordncia de circunferncias no mesmo sentido e em sentidos contrrios. 2 - Tangncia da circunferncias C1 e C2 no ponto T. Reta R Circunferncia C Centro O Ponto de tangncia T Ponto P O2TO1 C1 R1 R2 C2 O2 T O1 C1 R1R2 C2 O2TO1O2T O1 Tangncia e Concordncia 1-1 4. 4 -Concordcia entre duas retas e um arco de circunferncia (com raio definido) 6 - Tangncia interna entre circunferncias e retas 5 - Tangncia externa entre circunferncias e retas. O1 O1 C = r1 1 C = r3 1r2 - C =2 r2 C1 C4 C3 C2 O2 O2 Tangente 1 Tangente 2 T1 T1 T2 T2 t1 O r t2 O1 O2 T1 T2 t1 t2 O1 C = r1 1 C = r3 1r2 + C =2 r2 O2 C1 C4 C3 C2 O1 O2 T1 T2 O1 O2 T1 T1 T2 T2 1-2 * O objetivo aqui fazer um arredondamento qualquer na unio das duas retas 5. 7 - Tangncia interna entre circunferncias e um arco com raio definido - r3. 9 - Tangncia interna e externa entre circunferncias e um arco com raio definido - r3. 8 - Tangncia externa entre circunferncias e um arco com raio definido - r3. O1 O1 O1 O1 C = r1 1 C1 C1 C = r3 3r1 + C = r3 1r3 - C = r4 3r2 + C = r4 2r3 - C =2 r2 C =2 r2 C2 C2 O2 O2 O2 O2 O1 C1 C3 C4 C2 O2 O1 O2 I O1 I C1 C3 C4 C2 O2 O1 O1 C = r1 1 C1 C = r3 1r3 + C = r4 2r3 - C =2 r2 C2 O2 O2 I O1 C1 C = r3 1r3 + C = r4 2r3 - C2 O2 1-3 * O objetivo aqui fazer arcos tangenciarem circunferncias de diversas maneiras Arbitrar Arbitrar 6. 10 - Levantar uma perpendicular na extremidade de uma reta. 11 - Dividir uma reta ao meio e traar uma perpendicular. 12 - Traar a bissetriz de um ngulo. A B C E D A A A B B B P 0 P P P C1 C1 A A P B B0 C2 C3 13 - Dividir um ngulo reto em trs partes iguais CB C1 A CB C1 C3 C2 A CB 1-4 7. 15 - Traar uma tangente por um ponto dado sobre uma circunferncia. 14 - Construir um tringulo equiltero dado um lado AB. 16 - De um ponto dado fora da circunferncia, traar tangentes e sua circunferncia. BA O O O B C P P P P P A O P 17 - Dividir uma circunferncia em 3 e 6 partes iguais. 1-5 8. 19 - Dividir uma circunferncia em 5 partes iguais. 18 - Dividir uma circunferncia em 4 e 8 partes iguais. 20 - Dividir uma circunferncia em 7 partes iguais. 21 - Dividir uma circunferncia em 9 partes iguais. C1 C1 C1 C2 C2 C4C4 C3 C1 Lado Lado 1-6 9. Normas Tcnicas Captulo 02 10. Desenho Mecnico I Prof. Fernando Escrita em desenho tcnico (NBR 8402) O objetivo da norma NBR 8402 fixar as condies exigveis para a escrita usada em desenhos tcnicos e documentos semelhantes. As principais exigncias na escrita em desenhos tcnicos so: a) legibilidade; b) uniformidade; C) adequao microfilmagem e a outros processos de reproduo. Tabela - Proporces e dimenses de smbolos grficos Exemplo de escrita vertical Exemplo de escrita inclinada 2-1 11. Exerccio de Caligrafia Tcnica ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ0123456789 ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ0123456789 abcdefghijklmnopqrstuvwxyz abcdefghijklmnopqrstuvwxyz Desenho Mecnico I Prof. Fernando 2-2 12. Margem Formato Dimenses Esquerda Outras Comprimento Espessura linhas da margem A0 841x1189 25 10 175 1,4 A1 594x841 25 10 175 1,0 A2 420x594 25 7 178 0,7 A3 297x420 25 7 178 0,7 A4 210x297 25 7 178 0,7 A legenda deve ficar no canto inferior direito nos formatos A3,A2, A1 e A0, ou ao longo da largura da folha de desenho no formato A4. A legenda consiste basicamente de : 1 - ttulo do desenho 2 - nmero 3 - escala 4 - logo da empresa/instituio 5 - data e nome 6 - descrio dos componentes: - quantidade - denominao - pea - material, normas, dimenses Disposio da folha para desenho tcnico (NBR 10582) Legenda A2A4 A0 A1 A3 Folhas de desenho (NBR 10068) Desenho Mecnico I Prof. Fernando 2-3 13. Modelo de folha com legenda Desenho Mecnico I Prof. Fernando, Eng. Ms. A3 A4 3 63 Detalhe ESCALA: TURMA: DES. n. UNIDADE: DATA: 1:1 185 7 7 25 DISCIPLINA: ESCALA: TURMA: DES. n. UNIDADE: DATA: ALUNO: TTULO: 30 40 40 7 8814 7 7 25 2-4 DISCIPLINA: ESCALA: TURMA: DES. n. UNIDADE: DATA: ALUNO: TTULO: 30 40 40 7 8814 14. Dobramento de folha (NBR 13142) O objetivo da norma NBR 13142 fixar as condies exigveis para o dobramento de cpia de desenho tcnico. Requisitos gerais - O formato final do dobramento de cpias de desenhos formatos A0, A1, A2 e A3 deve ser o formato A4. - As dimenses do formato A4 devem ser (210x297mm) conforme a NBR 10068. - As cpias devem ser dobradas de modo a deixar visvel a legenda (NBR 10582). - O dobramento deve ser feito a partir do lado direito, em dobras verticais, de acordo com as medidas indicadas nas figuras. - Quando as cpias de desenho formato A0, A1 e A2 tiverem que ser perfuradas para arquivamento, deve ser dobrado, para trs, o canto superior esquerdo, conforme indicado (dobra 2). Dobramento de folhas na orientao paisagem Desenho Mecnico I Prof. Fernando 2-5 15. Dobramento de folhas na orientao retrato Dobramento de folha (NBR 13142) Desenho Mecnico I Prof. Fernando 2-6 16. Tipos de linhas (NBR 8403) Tipo de linhas Descrio Aplicaes Desenho Mecnico I Prof. Fernando 2-7 17. Escala (NBR 8196) Para os efeitos desta Norma aplicam-se as definies da NBR 10647. A designao completa de uma escala deve consistir na palavra ESCALA, seguida da indicao da relao: a) ESCALA 1:1, para escala natural; b) ESCALA X:1, para escala de ampliao (X > 1); c) ESCALA 1:X, para escala de reduo (X > 1). - O valor de X deve ser conforme especificado na tabela. - A palavra ESCALA pode ser abreviada na forma ESC. - A escala deve ser indicada na legenda da folha de desenho. - Quando for necessrio o uso de mais de uma escala na folha de desenho, alm da escala geral, estas devem estar indicadas junto identificao do detalhe ou vista a que se referem; na legenda, deve constar a escala geral. - A escala a ser escolhida para um desenho depende da complexidade do objeto ou elemento a ser representado e da finalidade da representao. Em todos os casos, a escala selecionada deve ser suficiente para permitir uma interpretao fcil e clara da informao representada. A escala e o tamanho do objeto ou elemento em questo so parmetros para a escolha do formato da folha de desenho. O objetivo da norma NBR 8196 fixar as condies exigveis para o emprego de escalas e suas designaes em desenhos tcnicos. Escalas padronizadas para desenho tcnico Reduo Natural Ampliao 1:2 1:5 1:10 1:20 1:100 1:200 1:500 1:1000 2:1 5:1 10:1 20:1 100:1 200:1 500:1 1000:1 1:1 44 35 Esc. 1:1 44 35 Esc. 1:2 Esc. 5:1 13 60 7 Esc. 1:1 60 13 7 Escala de reduo Desenho em Escala Natural 1:1 Escala de ampliao Desenho Mecnico I Prof. Fernando 2-8 18. Perspectiva Isomtrica Captulo 03 19. Quando olhamos para um objeto, temos a sensao de profundidade e relevo. Para transmitir essa idia ao desenho, necessrio recorrer a um modo especial de representao grfica: a perspectiva. Ela representa graficamente as trs dimenses de um objeto em um nico plano, de maneira a transmitir a idia de profundidade e relevo. Existem diferentes tipos de perspectiva. Veja como fica a representao de um cubo em trs tipos diferentes de perspectiva: Desenho em Perspectiva Desenho Mecnico I Prof. Fernando Perspectiva Cavaleira P = 2 / 3 L P = 1 / 2 L P = 1 / 3 L L 30 P L L 45 P L L 60 P L 3-1 20. Perspectiva Isomtrica Cada tipo de perspectiva (Cnica, Cavaleira e Isomtrica) mostra o objeto de um jeito. A perspectiva isomtrica a que d a idia menos deformada do objeto pois mantm as mesmas propores do comprimento, da largura e da altura do objeto representado. Exemplos de representaes em perspectiva isomtrica ngulos de desenho 30 Desenhando perspectivas isomtricas com esquadros Desenho Mecnico I Prof. Fernando 3-2 21. 1 fase - Trace a perspectiva isomtrica do crculo na face superior e marque um ponto A no cruzamento das linhas que dividem o quadrado auxiliar. 2 fase - A partir do ponto A, trace a perpendicular AB. 3 fase - Ligue o ponto B ao crculo por meio de duas linhas conforme imagem abaixo. 4 fase - Apague as linhas de construo e reforce o contorno do cone. 1 fase - Trace o prisma auxiliar respeitando o comprimento, a largura e a altura aproximados do prisma com elementos arredondados. 3 fase - Trace os semicrculos que determinam os elementos arredondados, na face anterior e na face posterior do modelo. 4 fase - Apague as linhas de construo e reforce o contorno do traado. 2 fase - Marque, na face anterior e na face posterior, os semiquadrados que auxiliam o traado dos semicrculos. Exemplos de desenhos isomtricos utilizando papel reticulado Cone Pea prismtica Perspectiva isomtrica Desenho Mecnico I Prof. Fernando 3-3 22. 1 Desenho Mecnico I Prof. Fernando 3-4 23. 2 Desenho Mecnico I Prof. Fernando 3-5 24. 3 Desenho Mecnico I Prof. Fernando 3-6 25. 4 Desenho Mecnico I Prof. Fernando 3-7 26. Projeo Ortogonal Captulo 04 27. Diedros Projeo Ortogonal Um objeto quando representado em perspectiva isomtrica apresentam certa deformao, isto , no so mostradas em verdadeira grandeza, apesar de conservarem as mesmas propores do comprimento, da largura e da altura do objeto. Alm disso, a representao em perspectiva isomtrica nem sempre mostra claramente os detalhes internos da pea. Na indstria, em geral, os desenhos no so representados em perspectiva, mas sim em projeo ortogonal. A projeo ortogonal uma forma de representar