apostila de solda curso ufcg

Download Apostila de Solda Curso UFCG

Post on 06-Jul-2015

15.843 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Soldagem a Arco Eltrico Processos Eletrodo Revestido, TIG e MIG-MAG

Oficina de Metalmecnica Soldagem Com Eletrodo Revestido

FIEP - FEDERAO DAS INDSTRIAS DO ESTADO DA PARABAPresidente: Francisco de Assis Benevides Gadelha

SENAI - DEPARTAMENTO REGIONAL DA PARABADiretora Regional: Maria Griclia Pinheiro de Melo Diretor Administrativo Financeiro: Jos Arago da Silva Diretora de Operaes: Maria Berenice de Figueiredo Lopes Diretora de Planejamento e Marketing: Patrcia Gonalves de Oliveira

Oficina de Metalmecnica Soldagem Com Eletrodo Revestido

FIEP SESI SENAI IEL

Federao das Indstrias do Estado da Paraba Servio Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional da Paraba

Soldagem a Arco Eltrico Processos Eletrodo Revestido, TIG e MIG-MAG

Campina Grande PB 2010

Oficina de Metalmecnica Soldagem Com Eletrodo Revestido

autorizada reproduo total ou parcial deste material, por qualquer meio ou sistema desde que a fonte seja citada. Este material foi atualizado, adequado e revisado pela equipe do SENAI Departamento Regional da Paraba, tendo como referencial o Banco de Recursos Didticos do SENAI/DN, bem como outras fontes bibliogrficas. Informamos que no ser permitida qualquer alterao neste material, sem que haja autorizao da UNIEP.

SENAI. PB. Metalmecnica: Qualificao/SENAI

Departamento Regional da Paraba. Campina Grande, 2008. 1. Soldagem a Arco Eltrico (Processos Eletrodo Revestido, TIG e MIG-MAG) CDD

SENAI Servio Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional da Paraba Avenida: Manoel Guimares 195 Jos Pinheiro CEP: 58100-440 Campina Grande PB Fone: (83) 2101.5300 Fax: (83)2101.5394 E-mail: senaipb@fiepb.org.br Home page: http://www.fiepb.org.br

UA1008

Oficina de Metalmecnica Soldagem Com Eletrodo Revestido

SUMRIO1 Segurana na Soldagem 1.1 - Principais riscos para um soldador 1.1.1 - Poluio por fumos de soldagem 1.1.2 - Radiaes visveis e invisveis 1.1.3 - Rudos excessivos 1.1.4 - Choques eltricos 1.1.5 - Incndios e exploses Soldagem com eletrodo revestido 2.1 - Processo eletrodo revestido 2.2 - Histrico 2.3 - Iniciando o Trabalho 2.4 - Ignio do Arco eltrico 2.5 - Ferramentas e acessrios para soldagem com eletrodo revestido Eletricidade na Soldagem 3.1 A Corrente eltrica 3.2 - Circuitos 3.3 - Tipos de corrente eltrica 3.4 - Fontes de Energia para Soldagem 3.4.1 Transformadores 3.4.2 Retificadores 3.4.3 Geradores 3.4.4 - Inovaes Tecnolgicas Eletrodo Revestido 4.1 - Funes do revestimento 4.2 - Escolha do tipo correto de eletrodo 4.3 - Principais tipos de revestimento 4.4 - Classificao AWS para Eletrodos Revestidos 4.5 - Armazenagem e cuidados especiais com eletrodos revestidos Juntas 5.1 Tipos de juntas 5.2 Chanfros e separaes Posies de Soldagem Fenmenos na Soldagem 7.1 Metalurgia da soldagem 7.2 - Sopro magntico Descontinuidades na soldagem 11 11 12 14 21 22 26 33 33 33 34 36 37 43 43 43 44 48 48 50 52 54 56 57 58 58 59 63 65 65 68 72 75 75 76 77

2

3

4

5

6 7

8

Oficina de Metalmecnica Soldagem Com Eletrodo Revestido

9

10 11

12

13

Simbologia de Soldagem 9.1 - Smbolos bsicos 9.2 - Dimenses da solda Instrumentos de medio e controle para soldagem Soldagem TIG 11.1 Processo de Soldagem TIG 11.2 - Surgimento 11.3 Esquema de um equipamento de soldagem TIG 12.4 Tipos de correntes para o Processo TIG 11.5 Fontes de energia para soldagem TIG 10.6 Tocha para soldagem TIG 10.7 Difusores de gs para tocha TIG 10.8 Bocal de gs para tocha TIG 10.9 Eletrodo de tungstnio 10.10 Classificao AWS para varetas 10.11 Gases de proteo 10.12 Regulagem da presso de Trabalho Soldagem MIG-MAG 12.1 Processo de Soldagem MIG-MAG 12.2 Surgimento do Processo 12.3 Esquema de um equipamento MIG-MAG 12.4 Fonte para soldagem MIG-MAG 12.5 Sistemas de alimentao do arame eletrodo 12.6 Roletes para alimentao 12.7 Pistolas de soldagem MIG-MAG 12.8 Arame eletrodo para soldagem MIG-MAG 12.9 Gases de proteo 12.10 Regulagem da vazo do gs de proteo 12.11 Transferncia Metlica 12.12 - Ferramentas e acessrios para soldagem MIG-MAG Terminologias de Soldagem Referncias Bibliogrficas

83 83 90 93 99 99 99 100 101 102 103 107 108 111 115 116 118 123 123 123 124 125 126 128 129 132 137 138 140 142 145 156

Oficina de Metalmecnica Soldagem Com Eletrodo Revestido

APRESENTAO

Caro aluno:

Neste momento voc est iniciando seus estudos na rea de soldagem, no curso SOLDADOR A ARCO ELTRICO PELOS PROCESSOS DE ELETRODO REVESTIDO, TIG E MIG-MAG do SENAI Departamento Regional da Paraba.

Este mdulo contm informaes necessrias sobre o curso SOLDADOR A ARCO ELTRICO e tem o objetivo de fazer voc conhecer os princpios e normas tcnicas que comandam o profissional em soldagem, como tambm, conhecer os componentes, os instrumentos, as ferramentas e as mquinas utilizadas no dia-a-dia do profissional desta rea.

A presente srie metdica composta de tarefas, onde so apresentados contedos tcnicos necessrios para a compreenso de conceitos bsicos em soldagem pelo processo de eletrodo revestido, a fim de operacionalizar a realizao da parte prtica. Trata-se de um material de referncia, preparado com todo o cuidado para ajud-lo em sua caminhada profissional. Por isso, desejamos que ele seja, no apenas a porta de entrada no mundo do trabalho, mas, que tambm indique os vrios caminhos que este mundo pode oferecer quando se tem curiosidade, criatividade e vontade de aprender.

Oficina de Metalmecnica Soldagem Com Eletrodo Revestido

Oficina de Metalmecnica Soldagem Com Eletrodo Revestido

CENTRO DE EDUCAO PROFISSIONAL STENIO LOPES

SEGURANA NA SOLDAGEM

Oficina de Metalmecnica Processos de Soldagem 9

Oficina de Metalmecnica Soldagem Com Eletrodo Revestido

1 - SEGURANA NA SOLDAGEM Todo profissional envolvido nos trabalhos de soldagem deve estar consciente das atividades que precisa desempenhar como um todo e, tambm, conhecer os riscos decorrentes da utilizao dos equipamentos manuseados para a execuo dessas atividades. indispensvel, ainda, que esse profissional se preocupe em adotar medidas de sade e segurana capazes de minimizar acidentes, e que vo permitir o desempenho de seu trabalho de forma segura e eficaz. Por isso, vamos apresentar, nesta seo, uma srie de contedos relacionados aos perigos que a soldagem oferece, descrevendo as principais medidas de sade e segurana a serem adotadas para prevenir acidentes e, ainda, o que deve ser feito caso esses acidentes ocorram.Fig. 1 Proteo durante a soldagem

1.1 Principais riscos para um soldador Em todos os processos de soldagem por fuso, os riscos que o soldador se expe so imensos. Entre estes riscos podemos citar os seguintes: Poluio por fumos de soldagem; Radiao visvel e invisvel; Rudos excessivos; Choques eltricos; Incndios e exploses.

Fig. 2 Riscos para o soldador

Oficina de Metalmecnica Processos de Soldagem 11

1.1.1 - Poluio por fumos de soldagem A liberao de fumos metlicos nos processos de soldagem um fato real e inevitvel (fig. 3), estes fumos so oriundos de partculas metlicas liberadas na fuso dos metais, esta poluio provocada principalmente por resduos contidos no metal base a exemplo de leos, impurezas, tintas entre outros. No processo de eletrodo revestido (em alguns casos) so liberados fumos prejudiciais sade do homem, que podem provocar desde irritaes nos olhos e vias areas como problemas futuros em caso de grandes exposies aos mesmos, a exemplo de cncer nos ossos e nos pulmes em virtude de substncias como o fluoreto de clcio e xido de zircnio existentes no revestimento de alguns deles. Precaues: Trabalhar em locais com boa ventilao sem prejudicar a soldagem; (fig. 4) Ventilar foradamente ambientes confinados; (fig. 5) Usar mscaras de proteo para fumos; (fig. 6 e 7) Posicionar-se de maneira a no inalar os fumos; (fig. 8) Utilizar exaustores para soldagem (portteis ou fixos). (fig. 9 e 10)

Fig.3 Poluio por fumos na soldagem

Fig. 4 Ambiente de trabalho ventilado e com sistema de exausto.

Fig. 5 Ventilao forada.

Oficina de Metalmecnica Processos de Soldagem 12

Fig. 6 Mscaras para proteo contra fumos metlicos

Fig. 7 Mscara para soldador com proteo para fumos metlicos

Fig. 8 - Posicionamento correto Do Soldador

Fig. 9 Sistema fixo de exausto

Fig. 10 Sistema de exaustor mvel

Oficina de Metalmecnica Processos de Soldagem 13

1.1.2 Radiaes visveis e invisveis As radiaes emitidas pelos processos de soldagem so apresentadas de forma invisvel e visvel. As radiaes invisveis so em forma de raios Infravermelhos e ultravioletas emitidas nas mesmas propores que as dos raios solares, entretanto ocorre um grande diferencial, os raios solares so filtrados pelas nuvens e pela a camada de oznio fato que nos processos de soldagem agravado pela ausncia destas protees. A emisso de radiao visvel decorrente da luminosidade existente no arco eltrico que em conjunto com os raios invisveis podem causar problemas de viso e queimaduras, podendo ocorrer leses irreversveis nos olhos e at cncer de pele se a exposio do soldador for de forma constante e prolongada. Em virtude desta ausncia fundamental que o soldador utilize todos os equipamentos de proteo individual para que possa preservar a sua prpria sade.Fig. 11- Radiaes luminosas

1.1.2.1 Equipamentos de proteo para soldador: Avental; Casaca; Mangas; Polainas (perneiras); Luvas de cano longo; Toca em algodo ou raspa de couro; culos de proteo; Botas de segurana (bico de ao) Mscara para soldador; Protetor auricular.

A vestimenta do soldador fabricada em raspa de couro ou vaqueta para uma melhor proteo do mesmo. Este por sua vez s poder usar roupas em algodo ou tecidos grossos a exemplo do jeans para evita