Apostila de Logistica Reversa

Download Apostila de Logistica Reversa

Post on 29-Dec-2015

137 views

Category:

Documents

2 download

TRANSCRIPT

<p>LOGSTICA REVERSA</p> <p>LOGSTICA REVERSA2013Mateus OliveiraEtec Sales Gomes10/09/2013</p> <p>LOGSTICA REVERSA</p> <p>INTRODUO</p> <p>Logstica Reversa o processo logstico de retirar produtos novos ou usados de seu ponto inicial na cadeia de suprimento, como devolues de clientes, inventrio excedente ou mercadoria obsoleta, e redistribu-los usando regras de gerenciamento dos materiais que maximizem o valor dos itens no final de sua vida til original.</p> <p>CONCEITOS</p> <p>Uma operao de logstica reversa consideravelmente diferente das operaes normais. Devem-se estabelecer pontos de coletas para receber os bens usados do usurio final, ou remover ativos da cadeia de suprimento para que se possa atingir um uso mais eficiente do inventrio / material.Requer sistemas de embalagem e armazenagem que garantam que a maior parte do valor que ainda h no item usado no se perca por um manuseio incorreto. Tambm requer frequentemente de um meio de transporte que seja compatvel com o sistema logstico regular. A disposio dos materiais pode incluir a devoluo de bens ao inventrio ou armazm, devoluo de bens ao fabricante original, venda dos bens num mercado secundrio, reciclagem, ou uma combinao que gere o maior valor para os bens em questo.</p> <p>DEFINIO</p> <p>Logstica Reversa um termo bastante geral. No sentido mais amplo, Logstica Reversa significa o conjunto das operaes relacionadas ao reuso de produtos e materiais. A gesto destas operaes pode ser chamada de Gesto de Recuperao de Produtos (PRM - Product Recovery Management). PRM lida com o cuidado com os produtos e materiais depois do seu uso. Algumas destas atividades so, at certo ponto, similares s que ocorrem no caso de devolues internas de itens defeituosos gerados por processos produtivos. No entanto, a Logstica Reversa se refere a todas as atividades logsticas de recolher, desmontar e processar produtos usados, partes de produtos e/ou materiais para garantir uma recuperao sustentvel (e benfica ao meio ambiente).</p> <p>A Logstica Reversa lida com 5 questes bsicas:</p> <p>1. Quais alternativas esto disponveis para recuperar produtos, partes de produtos e materiais?</p> <p>2. Quem deve realizar as diversas atividades de recuperao?</p> <p>3. Como estas atividades devem ser realizadas?</p> <p>4. possvel integrar as atividades tpicas da logstica reversa com sistemas de distribuio e produo clssicos?</p> <p>5. Quais so os custos e benefcios da logstica reversa, do ponto de vista econmico e ambiental?PORQUE A LOGSTICA REVERSA?</p> <p>Tradicionalmente, empresas de manufatura no se sentiam responsveis por seus produtos depois do uso pelos clientes. A maior parte dos produtos usados era jogada fora com considerveis danos ao ambiente. Hoje em dia, consumidores e autoridades esperam que os fabricantes reduzam o lixo gerado por seus produtos. Isto aumentou a ateno com o gerenciamento de resduos. Recentemente, devido a novas leis de gerenciamento de resduos, a nfase se voltou recuperao, devido aos altos custos e impactos ambientais do descarte. As principais razes para aderir logstica reversa so:</p> <p>1. Leis ambientes que foram as empresas a receber de volta seus produtos e cuidar de seu tratamento.</p> <p>2. Benefcios econmicos de usar produtos devolvidos no processo produtivo, ao invs de descart-los.</p> <p>3. A crescente conscincia ambiental dos consumidores. </p> <p>TECNOLOGIA DA INFORMAO</p> <p>- Qual o valor agregado por sistemas de rastreamento de produtos?- Qual o efeito de designs de produtos diferentes e contratos alternativos?- Como podemos gerenciar a informao para reduzir a complexidade?</p> <p>ECONOMIA EMPRESARIAL</p> <p>- Qual a influncia do design, estrutura do produto e valor agregado na recuperabilidade do produto?- Quais atividades de recuperao so adequadas para cada produto? (ou seja, quando descartar, reciclar, remanufaturar, reusar ou reparar?)- Quais so as consequncias econmicas de curto, mdio e longo prazos da Logstica Reversa?- Como podemos medir parmetros qualitativos associados logstica Reversa?</p> <p>INTEGRAO</p> <p>- Quais so as oportunidades e presses da legislao de gesto de resduos?- Quais so as tendncias regulatrias?- para quais indstrias a logstica reversa ter maior importncia?</p> <p>OPES DE RECUPERAO</p> <p>Reuso direto: envolve produtos que no so reparados ou atualizados, mas so limpos e levados a um estado no qual podem ser reutilizados pelo consumidor.Reparo: o produto retornado ao estado funcional aps seu conserto. A qualidade do produto reparado normalmente menor que a do produto novo.</p> <p>Reciclagem: o produto no mantm sua funcionalidade. O objetivo usar parte ou a totalidade dos materiais do produto devolvido. Os materiais recuperados podem ser usados nos processos produtivos do produto original ou em outras indstrias."Refurbishing": na remodelao o produto atualizado para que atinja padres de qualidade e operao similares ao produto original.</p> <p>Remanufatura: os produtos so completamente desmontados e todos os mdulos e partes examinados em detalhe. Peas deterioradas so consertadas ou trocadas. O produto remanufaturado recebe uma avaliao de qualidade e so entregues ao produto sob condies de garantia de produto novo.</p> <p>A logstica reversa a rea da logstica que trata dos aspectos de retornos de produtos, embalagens ou materiais ao seu centro produtivo. Apesar de ser um tema extremamente atual, esse processo j podia ser observado h alguns anos nas indstrias de bebidas, com a reutilizao de seus vasilhames, isto , o produto chegava ao consumidor e retornava ao seu centro produtivo para que sua embalagem fosse reutilizada e voltasse ao consumidor final. Esse processo era contnuo e aparentemente cessou a partir do momento em que as embalagens passaram a ser descartveis. Contudo, empresas incentivadas pelas Normas ISO 14000 e preocupadas com a gesto ambiental, tambm conhecida como "logstica verde", comearam a reciclar materiais e embalagens descartveis, como latas de alumnio, garrafas plsticas e caixas de papelo, entre outras, que passaram a se destacar como matria-prima e deixaram de ser tratadas como lixo. Dessa forma, podemos observar a logstica reversa no processo de reciclagem, uma vez que esses materiais retornam a diferentes centros produtivos em forma de matria prima.</p> <p>CUSTOS</p> <p>Segundo LACERDA (in CEL 2000), os processos de logstica reversa tm trazido considerveis retornos para as empresas. O reaproveitamento de materiais e a economia com embalagens retornveis tm trazido ganhos que estimulam cada vez mais novas iniciativas e esforos em desenvolvimento e melhoria nos processos de logstica reversa. Tambm no podemos ignorar os custos que o processo de logstica reversa pode acarretar para as empresas, quando no feito de forma intencional, isto , na citao acima percebemos que a logstica reversa utilizada em prol da empresa, transformando materiais, que seriam inutilizados, em matria-prima, reduzindo assim, os custos para a empresa. Acontece que o contrrio tambm pode acontecer, e o que notamos com mais frequncia, isto , materiais que voltam aos seus centros produtivos devido s falhas na produo, pedidos emitidos em desacordo com aquilo que ocliente queria, troca de embalagens, etc. Este tipo de processo reverso da logstica acarreta custos adicionais, muitas vezes altos para as empresas, uma vez que processos como armazenagem, separao, conferncia e distribuio sero feitos em duplicidade, e assim como os processos, os custos tambm so duplicados.CONCORRNCIA</p> <p>LACERDA (in CEL 2000) defende que os clientes valorizam empresas que possuem polticas de retorno de produtos, pois isso lhes garante o direito de devoluo ou troca de produtos. Este processo envolve uma estrutura para recebimento, classificao e expedio de produtos retornados, bem como um novo processo no caso de uma nova sada desse mesmo produto. Dessa forma, empresas que possuem um processo de logstica reversa, bem gerido tendem a se sobressair no mercado, uma vez que podem atender aos seus clientes de forma melhor e diferenciada de seus concorrentes.</p> <p>LOGSTICA VERDE E QUESTES AMBIENTAIS</p> <p>Preocupadas com questes ambientais, as empresas esto cada vez mais acompanhando o ciclo de vida de seus produtos. Isto se torna cada vez mais claro quando observamos um crescimento considervel no nmero de empresas que trabalham com reciclagem de materiais.Um exemplo dessa preocupao o projeto Replaneta, que consiste em coleta de latas de alumnio e garrafas PET, para posterior reciclagem, e que tem como bases de sustentao para o sucesso do negcio a automao e uma eficiente operao de logstica reversa (MALINVERNI, 2002.). As novas regulamentaes ambientais, em especial as referentes aos resduos, vm obrigando a logstica a operar nos seus clculos com os "custos e os benefcios externos". E, em funo disto, entende-se que a logstica verde pode ser vista como um novo paradigma no setor. De acordo com ALCOFORADO (2002), a logstica verde ou ecolgica age em conjunto com a logstica reversa, no sentido de minimizar o impacto ambiental, no s dos resduos na esfera da produo e do ps-consumo, mas de todos os impactos ao longo do ciclo de vida dos produtos.</p> <p>LOGSTICA REVERSA NO BRASIL</p> <p>No Brasil ainda no existe nenhuma legislao que abranja esta questo, e por isso o processo de logstica reversa est em difuso e ainda no encarado pelas empresas como um processo "necessrio", visto que a maioria das empresas no possui um departamento especfico para gerir essa questo; assim, algumas Resolues so utilizadas, como, por exemplo, a Conama n258, de 26/08/99, que estabelece que as empresas fabricantes e as importadoras de pneus ficam obrigadas a coletar e a dar destinao final, ambientalmente adequada, aos pneus inservveis, proporcionalmente s quantidades fabricadas e importadas definidas nesta Resoluo, o que praticamente obriga as empresas desse segmento a sustentarem polticas de logstica reversa. BARBIERI e DIAS (2002). Este conceito est em constante crescimento no Brasil e no mundo, e fica claro que as empresas, cada vez mais, tm se preocupado em considerar os custos adicionais e as redues de custos que este processo pode ocasionar.</p> <p>PRM Administrao da Recuperao de Produtos</p> <p>O gerenciamento das operaes que compem o fluxo reverso faz parte da Administrao da Recuperao de Produtos Product Recovery Management (PRM). PRM definida como o gerenciamento de todos os produtos, componentes e materiais usados e descartados pelos quais uma empresa fabricante responsvel legalmente, contratualmente ou por qualquer outra maneira. (Thierry et al. APUD Krikke: 1998, p.9). Algumas de suas atividades so, em parte, similares quelas que ocorrem no caso de devolues internas de itens defeituosos devido a processos de produo no confiveis. PRM lida com uma srie de problemas administrativos, entre os quais se encontra a Logstica Reversa. As seis reas principais do PRM so: (Thierry et al., APUD Krikke: 1998, pp. 11-20).</p> <p> Tecnologia: nesta rea esto includos desenho do produto, tecnologia de recuperao e adaptao de processos primrios. Marketing: diz respeito criao de boas condies de mercado para quem est descartando o produto e para os mercados secundrios. Informao: Diz respeito previso de oferta e demanda, assim como adaptao dos sistemas de informao nas empresas. Organizao: distribui as tarefas operacionais aos vrios membros de acordo com sua posio na cadeia de suprimentos e estratgias de negcios. Finanas: Inclui o financiamento das atividades da cadeia e a avaliao dos fluxos de retorno. Logstica Reversa e Administrao de Operaes: este o foco do trabalho e ser aprofundado no decorrer.</p> <p>O objetivo da PRM a recuperao, tanto quanto possvel, de valor, econmico e ecolgico, dos produtos, componentes e materiais. Krikke (1998, pp. 33-35) estabelece quatro nveis em que os produtos retornados podem ser recuperados: nvel de produto, mdulo, partes e material. A reciclagem a recuperao ao nvel de material, sendo este o nvel mais baixo.Diferentes empresas utilizam uma ou mais opes de PRM. Por conseguinte, seu sistema de Logstica Reversa dever ser desenhado de acordo com a (s) opo (es) de PRM utilizadas. O correto planejamento e organizao da Logstica Reversa so fundamentais para o bom andamento do PRM.</p> <p>IMPORTNCIA DA LOGSTICA REVERSA</p> <p>Lambert et al (1998, pgs. 13-19) relacionam as seguintes atividades como parte da administrao logstica em uma empresa: servio ao cliente, processamento de pedidos, comunicaes de distribuio, controle de inventrio, previso de demanda, trfego e transporte, armazenagem e estocagem, localizao de fbrica e armazns/depsitos, movimentao de materiais, suprimentos, suporte de peas de reposio e servios, embalagem, reaproveitamento e remoo de refugo e administrao de devolues. De todas estas atividades, fazem parte diretamente da logstica reversa o reaproveitamento e remoo de refugo e a administrao de devolues.Reaproveitamento e remoo de refugo estudam e gerencia o modo como os subprodutos do processo produtivo sero descartados ou reincorporados ao processo. Devido a legislaes ambientais cada vez mais rgidas, a responsabilidade do fabricante sobre o produto est se ampliando. Alm do refugo gerado em seu prprio processo produtivo, o fabricante esta sendo responsabilizado pelo produto at o final de sua vida til. Isto tem ampliado uma atividade que at ento era restrita a suas premissas.Tradicionalmente, os fabricantes no se sentem responsveis por seus produtos aps o consumo. A maioria dos produtos usados jogada fora ou incinerados com considerveis danos ao meio ambiente. Atualmente, legislaes mais severas e a maior conscincia do consumidor sobre danos ao meio ambiente esto levando as empresas a repensarem sua responsabilidade sobre seus produtos aps o uso. A Europa, particularmente a Alemanha, pioneira na legislao sobre o descarte de produtos consumidos. (Rogers e Tibben-Lembke, 1999). Administrao de devolues (que chamada de Logstica Reversa por Lambert et al) envolve o retorno dos produtos empresa vendedora por motivo de defeito, excesso, recebimento de itens incorretos ou outras razes. (Lambert et al, 1998, p.19).Este trabalho considera como Logstica Reversa as duas atividades descritas acima (Reaproveitamento e remoo de refugo e Administrao de devolues) e no apenas a segunda, como em Lambert et al (1998). Vrias pesquisas e trabalhos mostram a importncia de se prestar ateno a este lado da logstica. Caldwell (1999) entrevistou vrias empresas e mostrou como um pequeno investimento no gerenciamento da Logstica Reversa resulta em economias substanciais. Ele cita um executivo da Sears que diz: A Logstica Reversa a ltima fronteira em reduo de custos.O maior problema apontado por Caldwell (1999) a falta de sistemas informatizados que permitam a integrao da Logstica Reversa ao fluxo normal de distribuio. Por esta razo, muitas empresas desenvolvem sistemas proprietrios ou terceirizam este setor para firmas especializadas, mais capacitadas a lidar com o processo.Todos os autores pesquisados mostram as economias relacionadas ao bom gerenciamento da Logstica Reversa. Rogers e Tibben-Lembke(1999) pesquisaram uma em...</p>