Apostila de Libras EAD

Download Apostila de Libras EAD

Post on 27-Oct-2015

141 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

Lngua Brasileira de Sinais - LibrasDaniel Neves PintoJouberto Ucha de MendonaReitorAmlia Maria Cerqueira UchaVice-ReitoraJouberto Ucha de Mendona JuniorPr-Reitoria Administrativa - PROADIhanmark Damasceno dos SantosPr-Reitoria Acadmica - PROACDomingos Svio Alcntara MachadoPr-Reitoria Adjunta de Graduao - PAGRTemisson Jos dos SantosPr-Reitoria Adjunta de Ps-Graduaoe Pesquisa - PAPGPGilton Kennedy Sousa FragaPr-Reitoria Adjunta de Assuntos Comunitrios e Extenso - PAACEJane Luci Ornelas FreireGerente do Ncleo de Educao a Distncia - NeadAndrea Karla Ferreira NunesCoordenadora Pedaggica de Projetos - NeadLucas Cerqueira do ValeCoordenador de Tecnologias Educacionais - NeadEquipe de Elaborao e Produo de Contedos Miditicos: Alexandre Meneses Chagas - Supervisor Adelson Tavares de Santana - IlustradorAncjo Santana Resende - CorretorClaudivan da Silva Santana - DiagramadorEdivan Santos Guimares - DiagramadorGeov da Silva Borges Junior - IlustradorMrcia Maria da Silva Santos - CorretoraMonique Lara Farias Alves - WebdesignPedro Antonio Dantas P. Nou - WebdesignRebecca Wanderley N. Agra Silva - DesignRodrigo Sangiovanni Lima - AssessorWalmir Oliveira Santos Jnior - IlustradorRedao:Ncleo de Educao a Distncia - NeadAv. Murilo Dantas, 300 - FarolndiaPrdio da Reitoria - Sala 40CEP: 49.032-490 - Aracaju / SETel.: (79) 3218-2186E-mail: infonead@unit.brSite: www.ead.unit.brImpresso:Grfica GutembergTelefone: (79) 3218-2154E-mail: grafica@unit.brSite: www.unit.brCopyright Universidade TiradentesP659l Pinto, Daniel Neves.Lngua brasileira de sinais-libras. / Daniel Neves Pinto. Aracaju : UNIT, 2010.168 p. : il.Inclui bibliografia 1. Linguagens de gestos dos surdos e dos surdos-mudos. 2. Lngua brasileira de sinais. 3. Lngua de sinais. 4. Comunicao gestual. I. Universidade Tiradentes (UNIT). Pr-Reitoria Adjunta de Ensino a Distncia. II. Ttulo. CDU: 81221.24 Prezado(a) estudante, A modernidade anda cada vez mais atrelada ao tempo, e a educao no pode ficar para trs. Prova disso so as nossas disci-plinas on-line, que possibilitam a voc estudar com o maior confor-to e comodidade possvel, sem perder a qualidade do contedo. Por meio do nosso programa de disciplinas on-line voc pode ter acesso ao conhecimento de forma rpida, prtica e eficiente, como deve ser a sua forma de comunicao e interao com o mundo na modernidade. Fruns on-line, chats, podcasts, livespace, vdeos, MSN, tudo vlido para o seu aprendizado. Mesmo com tantas opes, a Universidade Tira-dentes optou por criar a coleo de livros Srie Biblio-grfica Unit como mais uma opo de acesso ao conhe-cimento. Escrita por nossos professores, a obra contm todo o contedo da disciplina que voc est cursando na modalidade EAD e representa, sobretudo, a nossa preocupao em garantir o seu acesso ao conhecimento, onde quer que voc esteja.Desejo a voc bom aprendizado e muito sucesso!Professor Jouberto Ucha de MendonaReitor da Universidade TiradentesApresentaoiblio-onhe-ntm ando SumrioParte I: Histria, Cultura e Lingustica da Libras .................11Tema 1: Aspectos Histricos, Conceituais e Sociais ...........13 1.1 Nomenclaturas e conceitos sobre lngua e linguagem ..................................................................... 141.2. Fundamentos histricos e culturais da lngua brasileira de sinais ....................................................... 211.3 Aspectos biolgicos e suas definies ....................... 311.4 Iniciao lngua .......................................................... 43Tema 2: Estudos Lingusticos ................................................552.1 Lxico, vocabulrios icnicos e arbitrrios ................. 552.2 Estruturas sub-lexicais e suas expresses no manuais. ....................................................................... 612.3 Morfologia e seus estudos internos ............................ 722.4 Diferenas Bsicas em LIBRAS .................................... 78Parte II: Surdez: Interao e Implicaes .............................87Tema 3: Surdez e Interao ...................................................893.1 Aspectos comunicativos corporais e classificadores ......893.2 Interao argumentativa com estrutura da surdez e famlia ............................................................................ 973.3 Interao atravs da lngua de sinais ........................ 1033.4 Surdez, sociedade em seu processo de incluso ..... 111Tema 4: Lngua de Sinais: Saberes e Fazeres ...................119 4.1 Aspectos pedaggicos em suas possibilidades no contexto de ensino-aprendizagem ............................ 1194.2 Possibilidades de trabalho ......................................... 1324.3 Conduta e legislao .................................................. 1384.4 Frases em expresses da libras ................................. 149Referncias ............................................................................159Concepo da DisciplinaEmentaFundamentos histricos, socioculturais e definies referentes Lngua Brasileira de Sinais. Legislao e conceitos sobre lngua e linguagem. Entendimentos dos conhecimentos necessrios para a incluso dos surdos quanto aos aspectos Biolgicos, Pedaggicos e Psicossociais.Objetivos- Compreender os fundamentos histricos, culturais e psicossociais da Lngua de Sinais, nomenclaturas e seus conceitos, auxiliando no processo das aes inclusivas;- Conhecer noes legislativas, utilizando-as de forma coesa;- Conhecer os aspectos patolgicos da surdez, possibilitando uma reflexo sobre o preconceito vivido no contexto dos surdos;- Desenvolver noes prticas de verbalizao e Sinalizao da Lngua de Sinais junto a sua estrutura lexical, morfolgica, sintaxe, semntica e pragmtica, colocando em prtica a Lngua Brasileira de Sinais;- Estimular embasamento cnico, terico, prtico, tcnico e pedaggico, acrescentando tais embasamentos em suas prticas interpretativas;- Despertar, no aluno, o interesses em trabalhar com os surdos;- Compreender os conhecimentos bsicos e domnios necessrios para a comunicao com pessoas surdas, facilitando a incluso social, possibilitando a relao interpessoal atravs do uso da Libras;- Utilizar Libras com coeso e coerncia para que haja entendimento. Orientaes para EstudoA disciplina prope orient-lo em seus procedimentos de estudo e na produo de trabalhos cientficos, possibilitando que voc desenvolva em seus trabalhos pesquisas, o rigor metodolgico e esprito crtico necessrios ao estudo.Tendo em vista que a experincia de estudar a distncia algo novo, importante que voc observe algumas orientaes:Cuide do seu tempo de estudo! Defina um horrio regular para acessar todo o contedo da sua disciplina disponvel neste material impresso e no Ambiente Virtual de Apren-dizagem (AVA). Organize-se de tal forma para que voc possa dedicar tempo suficiente para leitura e reflexo; Esforce-se para alcanar os objetivos propostos na disciplina; Utilize-se dos recursos tcnicos e humanos que esto ao seu dispor para buscar esclarecimentos e para aprofundar as suas reflexes. Estamos nos referindo ao contato permanente com o professor e com os colegas a partir dos fruns, chats e encontros presencias. Alm dos recursos disponveis no Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA.Para que sua trajetria no curso ocorra de forma tranquila, voc deve realizar as atividades propostas e estar sempre em con-tato com o professor, alm de acessar o AVA.Para se estudar num curso a distncia deve-se ter a clareza que a rea da Educao a Distncia pauta-se na autonomia, respon-sabilidade, cooperao e colaborao por parte dos envolvidos, o que requer uma nova postura do aluno e uma nova forma de con-cepo de educao.Por isso, voc contar com o apoio das equipes pedaggica e tcnica envolvidas na operacionalizao do curso, alm dos re-cursos tecnolgicos que contribuiro na mediao entre voc e o professor.Parte IHISTRIA, CULTURA E LINGUSTICA DA LIBRAS1 Aspectos Histricos, Conceituais e SociaisA Lngua Brasileira de Sinais (Libras) surge com a perspectiva de apoiar a implementao da Educao Especial to enfocada na Lei de Diretrizes e Bases da Educao Nacional. O Poder Pblico instituiu a Lei n 10.436, de 24 de abril de 2002, regulamentada pelo Decreto n 5626, de 22 de dezembro de 2005, que dispem sobre a Lngua Brasileira de Sinais Libras. Tal Decreto apoia a educao da Lngua de Sinais como disciplina, assegurando aos Surdos o atendimento especializado. Dentro deste contexto, alicera-se uma proposta inovadora sempre com o objetivo de consolidar a comunicao e a efetiva integrao na vida em sociedade.Neste tema, iremos conhecer conceitos culturais e histricos da lngua de sinais e dos surdos com seus aspectos biolgicos e lingusticos.14 Lngua Brasileira de Sinais - Libras1.1 NOMENCLATURAS E CONCEITOS SOBRE LNGUA E LINGUAGEMPara voc, o que Libras ou LSB?Libras a sigla pronunciada nacionalmente para Lngua Brasileira de Sinais difundida pela Federao Nacional de Educao e Integrao de Surdos (FENEIS).A Lngua de Sinais a lngua natural, materna, primeira lngua (L1) dos surdos e usada pela maioria deles no Brasil. Conforme Capovilla (2006, p.1479), Lngua de Sinais o verdadeiro equipamento da vida mental do Surdo; ele pensa e se comunica apenas por este meio. O surdo utiliza a modalidade lingustica quiroarticulatria-visual, ou seja, atravs das mos e dos olhos e no oroarticulatria-auditiva, que se d atravs da oralizao (boca) e ouvido.A Libras tambm conhecida como LSB (Lngua de Sinais Brasileira), sigla que segue padres internacionais de denominao das lnguas de sinais, assim como a American Sign Language (LSA), ou seja, Lngua de Sinais Americana, bem como a Lngua de Sinais Francesa (LSF), Lngua de Sinais Mexicana (LSM), etc.Para voc entender melhor, Lngua Brasileira no existe, filosoficamente falando, o correto Lngua de Sinais Brasileira, pois, o termo lngua de sinais constitui uma unidade vocabular, ou seja, funcio-na como se as trs palavras (lngua, de e sinais) fossem uma s. No existe uma Lngua Brasileira (em sinais ou falada).Alm das formas de escrever ou pronunciar a Lngua Brasileira de Sinais, temos que atentar para seu significado.A correta Libras e no LIBRAS. Quando foi divulgado o uso da sigla LIBRAS, explicava-se esta sigla da seguinte forma: LI de Lngua, BRA de Brasileira, e S de Sinais. Com a grafia Libras, a importante estar sempre anotando suas reflexes.DICA:15Lngua Brasileira de Sinais - Librassigla significa: Li de Lngua de Sinais, e bras de Brasileira, assim, deixa claro que Libras no simplesmente gestos, uma lngua com estruturas lingusticas que compreende e comunica e que ainda cabe na palma das mos.A Lngua de Sinais a lngua natural, materna, primeira lngua (L1) dos surdos e usada pela maioria dos surdos no Brasil.Conforme Capovilla (2006, p.1479), Lngua de Sinais o verdadeiro equipamento da vida mental do Surdo; ele pensa e se comunica apenas por este meio. O surdo utiliza a modalidade lingustica quiroarticulatria-visual e no oroarticulatria-auditiva. Ao contrrio do que muitos imaginam, a Lngua de Sinais no se constitui simplesmente de mmicas e gestos soltos, uti-lizados pelos surdos para facilitar a comunicao. uma lngua com estruturas gramaticais prprias.Atribui-se s Lnguas de Sinais o status de lnguas porque elas tambm so compostas pelos nveis lingusticos: o fonolgico, o morfolgico, o sinttico e o semntico.O que denominado palavra ou item lexical nas lnguas oral-auditivas denominado sinal nas lnguas de sinais.O que diferencia a Lngua de Sinais das demais lnguas a sua modalidade visual-espacial.Assim, uma pessoa que entra em contato com uma Lngua de Sinais ir aprender outra lngua, como o Ingls, Espanhol, etc. A Lngua Brasileira de Sinais e a Lngua Portuguesa tm uma vasta diferena desde a lngua pronunciada at a escrita.Veja algumas diferenas entre a Lngua Brasileira de Sinais e a lngua portuguesa:- a primeira diferena voc j sabe: atravs da Lngua de Sinais se fala com as mos e a Lngua Portuguesa fala-se com a boca;16 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasMuitas diferenas so claras tais como as descritas acima, e outras so percebveis quanto a sua gramtica. Vamos conferir algumas delas apresentadas por Quadros (2003, p. 84):- a Lngua de Sinais visual-espacial e a Lngua Portuguesa oral-auditiva;- a Lngua de Sinais baseada nas experincias das comuni-dades surdas mediante as interaes culturais surdas, en-quanto a Lngua Portuguesa constitui-se baseada nos sons;- a Lngua de Sinais apresenta uma sintaxe espacial incluindo os chamados classificadores1. A Lngua Portuguesa usa uma sintaxe linear utilizando a des-crio para captar o uso de classificadores;- a Lngua de Sinais utiliza a estrutura tpico-comentrio, en-quanto a Lngua Portuguesa evita este tipo de construo;- a Lngua de Sinais utiliza a estrutura de foco atravs de repeties sistemticas. Este processo no comum na Lngua Portuguesa;- a Lngua de Sinais utiliza referncias anafricas atravs de pontos estabelecidos no espao que exclui ambigidades que so possveis na lngua portuguesa;- a Lngua de Sinais no tem marcao de gnero, enquanto que na Lngua Portuguesa o gnero marcado a ponto de ser redundante que envolve na ltima letra como a para feminino e o para masculino;1 um recurso visual da Libras que utilizamos para deixar a sinalizao com mais vida, ou seja, ela feita de forma que fique clara a mensagem.17Lngua Brasileira de Sinais - Libras- a Lngua de Sinais atribui um valor gramatical s expresses faciais. Esse fator no considerado como relevante na Ln-gua Portuguesa, apesar de poder ser substitudo pela pro-sdia;- coisas que so ditas na Lngua de Sinais no so ditas usando o mesmo tipo de construo gramatical na lngua Portuguesa. Assim, encontramos diversos contextos que em Portugus consideraramos grande enquanto que em Libras poder ser feito com apenas um sinal;- a escrita da Lngua de Sinais no alfabtica.INTRPRETEPessoa que interpreta de uma lngua fonte para uma lngua alvo2.INTRPRETE DE LNGUA DE SINAISPessoa que interpreta de uma lngua qualquer para a Lngua de Sinais ou Lngua de Sinais para outra determinada lngua.LNGUA um sistema de signos compartilhado por uma comuni-dade lingustica comum. H uma raiz, tem seus fundamentos e pesquisas sobre ela. A fala ou os sinais so expresses de di-ferentes lnguas. A lngua um fato social, ou seja, um sistema coletivo de uma determinada comunidade lingustica. A lngua a expresso lingustica que tecida em meio a trocas sociais, culturais e polticas. As lnguas naturais apresentam proprieda-des especficas da espcie humana: so recursivas (a partir de um nmero reduzido de regras, produz-se um nmero infinito de frases possveis, so criativas, dispem de uma multiplicida-2 Lngua Fonte: a lngua que o Intrprete ouve ou v para, a partir dela, fazer a interpreta-o para a lngua alvo. Lngua alvo: a lngua para a qual ser feita a interpretao.18 Lngua Brasileira de Sinais - Librasde de funes (argumentativa, potica, conotativa, informativa, persuasiva, e motiva etc.) e apresentam formas e significados. (QUADROS, 2003, p. 7).Portanto, o correto Lngua de Sinais por-que se trata de uma lngua viva e, logo, a quan-tidade de sinais est em aberto, podendo ser acrescentados novos sinais.Nome, assim como no desenho do sinal representado ao lado, uma lngua e no lin-guagem. LNGUA ORAL-AUDITIVA a lngua falada com a boca, utiliza a audio e o vocal para compreender e produzir os sons que formam as palavras. LNGUA VISUAL- ESPACIALRefere-se lngua sinalizada, falada com as mos, utiliza a viso e o espao para compreender e produzir os sinais e assim formam a estrutura da lngua.LINGUAGEMSo diversas formas de trans-misso como sistema de smbolos e serve como meio de comunicao, ideias ou sentimentos atravs de sig-nos convencionais, sonoros, grficos, gestuais etc., podendo ser percebida pelos diversos rgos dos sentidos, o que leva a dis-tinguirem-se vrias espcies de linguagem: visual, auditiva, ttil, etc., ou, ainda, outras mais complexas, constitudas, ao mesmo tempo, de elementos diversos.Fonte: http://www.elapsus.it19Lngua Brasileira de Sinais - LibrasQuadros (2003, p. 7) afirma que linguagem so gestos, sinais, sons, smbolos ou palavras, usados para representar conceitos de comunicao, ideias, significados e pensamentos.TRADUO a atividade que envolve um texto de uma lngua fonte trans-plantando-a para uma lngua alvo da forma mais exata possvel. Mas, o tradutor que ir fazer a ponte, ter tempo hbil para con-cluir a traduo, assim sendo, o profissional poder pesquisar livros, dicionrios, internet, outros profissionais etc.INTERPRETAOAo que consiste em estabelecer o processo transitrio da comunicao verbal para sinalizao ou da comunicao sinalizada para verbalizao simultneamente, intermitente ou consecutivamente:- Interpretao SimultneaAcontece simultaneamente, ou seja, ao mesmo tempo. O Intrprete ouve/v a informao da lngua fonte, processa a informao e, posteriormente, faz a passagem para a outra lngua (lngua alvo).- Interpretao Intermitente o processo de interpretao feita sentena por sentena, ou seja, o enunciador passa sua cincia em trechos enquanto o Intrprete processa a informao, faz a interpretao e, logo aps, o enunciador entra novamente com sua orao e assim sucessivamente.- Interpretao Consecutiva a forma interpretativa de uma lngua para outra onde o Intrprete ouve/v o enunciado em uma lngua fonte, processa a 20 Lngua Brasileira de Sinais - Librasinformao e faz a passagem para a lngua alvo aps a concluso do enunciador, ou seja, o enunciador apresenta todos os seus contextos e aps sua concluso o Intrprete entra com sua interpretao.SURDOS OU DEFICIENTES?Profissionais ligados educao dos surdos e mdicos especialistas ligados rea tm utilizado largamente o termo Deficiente Auditivo (DA). O uso da expresso deficiente auditivo j foi muito criticado refletindo uma viso. Nela, o surdo visto como portador de uma enfermidade localizada que precisa ser tratada, para que seus efeitos sejam debelados.Todas as investigaes atuais tm chamado a ateno para a adequao do emprego do termo Surdo. Esta expresso optada pelos prprios surdos e comunidades surdas do Brasil. muito importante considerar que o surdo difere do ouvinte, no apenas porque no ouve, mas porque desenvolve potencia-lidades psico - culturais prprias. Surdo-mudo, provavelmente, a mais antiga e incorreta designao atribuda aos surdos.No plano pessoal, a deciso quanto a usar o termo pessoa com deficincia auditiva ou os termos pessoa surda e surda, fica por conta de cada pessoa. Geralmente, pessoas com surdez leve, moderada ou acentuada referem-se a si mesmas com tendo uma deficincia auditiva. J as que tm surdez severa, profunda ou anacusia3 preferem ser consideradas surdas.SURDO OU MUDO?O fato de uma pessoa ser surda no significa que ela seja muda. Pessoas surdas no falam porque no aprenderam a falar. Muitas fazem a leitura labial, e podem fazer muitos sons com a garganta como rir, afinal, os surdos no so mudos.3 Perda auditiva devido ao fator idade.21Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPara RefletirQuanto pessoa surda:Como a chamaremos? Como nos referiremos a ela? De Surdo, Deficiente auditivo ou Mudo? E os termos: Quais so os corretos? Linguagem de Sinais ou Lngua de Sinais? 1.2. FUNDAMENTOS HISTRICOS E CULTURAIS DA LNGUA BRASILEIRA DE SINAISA Libras (Lngua Brasileira de Sinais) de origem francesa. A Lngua de Sinais no universal e cada pas possui a sua pr-pria lngua, que sofre as influncias da cultura nacional.Como qualquer outra lngua, ela tambm possui expres-ses que diferem de regio para regio (os regionalismos), o que a legitima ainda mais como lngua.FUNDAMENTOS HISTRICOSA histria dos Surdos registra os acontecimentos histricos, como grupo que possui uma lngua, uma identidade e uma cultura.Ao longo das eras, os Surdos travaram grandes batalhas pela afirmao da sua identidade, de sua comunidade, da sua lngua e da sua cultura, at alcanarem o reconhecimento que tm hoje, na era moderna.22 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAt a Idade Mdia No EgitoOs Surdos eram adorados, como se fossem deuses, serviam de mediadores entre os deuses e os Faras, sendo temi-dos e respeitados pela populao.ChinaOs chineses lanavam os surdos ao mar para no deixar marcas ou chances de se reproduzirem.GliaOs gauleses sacrificavam os surdos para o deus Teutates4 a fim de receber bens.EspartaOs surdos eram lanados do alto dos rochedos para no terem como sobreviver. Historiadores dizem que, aps a morte, os surdos eram entregues s guias e aos lees.GrciaOs Surdos eram encarados como seres incompetentes. Aristteles, ensinava que os que nasciam surdos, por no possurem linguagem, no eram capazes de raciocinar. Os RomanosInfluenciados pelo povo grego, tinham ideias semelhantes acerca dos Surdos, vendo-os como seres imperfeitos, sem direito a pertencer sociedade. Era comum lanar as crianas surdas (especialmente as pobres) ao rio Tibre.4 pai do povo, deus tribo. Teutates est associado s guer-ras, mas aparece muitas vezes como um Deus da fertilidade e abundncia. Era considerado o Rei do Mundo.http://pt.wikipedia.org/wiki/Teutates.23Lngua Brasileira de Sinais - LibrasTurquiaEm Constantinopla (hoje Istambul), os Surdos realizavam algumas tarefas, tais como o servio de corte, como pajens das mulheres, ou como bobos, de entretenimento do sulto.Igreja CatlicaSanto Agostinho defendia a ideia de que os pais de filhos Surdos estavam a pagar por algum pecado que haviam cometido. Acreditava que os Surdos podiam comunicar por meio de gestos, que, em equivalncia fala, eram aceitos quanto salvao da alma. A Igreja cria que os Surdos, diferentemente dos ouvintes, no possuam uma alma imortal, uma vez que eram incapazes de proferir os sacramentos.CuriosidadeJohn Beverley, em 700 d.C., ensinou um Surdo a falar, pela primeira vez (em que h registro). Por essa razo, ele foi considerado por muitos como o primeiro educador de surdos.Fim da Idade Mdia e incio do Renascimentopoca em que saiu da perspectiva religiosa para a perspectiva da razo, em que a deficincia passa a ser analisada sob a tica mdica e cientfica.Idade Moderna Distinguiu, pela primeira vez, surdez de mudez. A expresso surdo-mudo deixou de ser a cognome do Surdo.24 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasFranaEm 1712, foi criada a primeira escola de Surdos do mundo: o Instituto Nacional de Surdos-Mudos, em Paris. O Surdo foi reconhecido como ser humano e a partir deste momento viram que ensinar ao surdo a falar seria perda de tempo, que o ensino principal deveria ser a lngua gestual. Jean Massieu foi um dos primeiros professores surdos do mundo.Idade Contempornea at os dias de HojeEstados UnidosThomas Hopkins Gallaudet, americano, e ducador ouvinte, abriu uma escola para surdos em Abril de 1817, a Escola de Hartford. Gallaudet instituiu nessa escola a Lngua Gestual Americana. Ele usou, tambm, o ingls escrito e o alfabeto manual. Em 1830, j existiam nos Estados Unidos cerca de 30 escolas para surdos. AlemanhaEm 1880 nasce Hellen Keller, na Alemanha. Hellen ficou cega e surda aos 19 meses de idade, por causa de uma doena. Aos 7 anos Hellen havia criado cerca de 60 gestos (sinais) para se comunicar com os familiares. Hellen descreveu que a surdez o mais infortune dos sentidos humanos.Em 1880 nasce Hellen Keller, na Alemanha.Fonte: http://www. farm1.static.flickr.com25Lngua Brasileira de Sinais - LibrasItliaEm 1880 aconteceu o Congresso de Milo, que deixou obscura a Histria dos surdos. Um grupo de ouvintes tomou a deciso de excluir a lngua gestual do ensino de surdos, substituindo-a pelo oralismo. Em consequncia disso, o oralismo foi a tcnica preferida na educao dos surdos durante fins do sculo XIX e grande parte do sculo XX.Uma dcada depois do Congresso de Milo, acreditava-se que o ensino da lngua gestual quase tinha desaparecido das escolas em toda a Europa, e o oralismo espalhava-se para outros continentes.BrasilNo perodo de 1500 a 1855, j exis-tiam muitos surdos aqui no Brasil. Nessa poca, a educao era precria, at que, em 1855 Hernest Huet, professor francs de surdos veio ao Brasil a convite de D. Pedro II para fundar a primeira escola de meninos surdos, a Imperial Instituto de Sur-dos Mudos, atualmente Instituto Nacional de Educao de Surdos (INES) no Rio de Janeiro.Desde o sculo XIX, as escolas tradicionais existentes no mtodo oral mudaram de filosofia e, at hoje, boa parte delas vm adotando a comunicao total5. E m 1988, realizou-se o I Encontro Nacional de Intrpretes de Lngua Brasileira de Sinais, organizado pela FENEIS. Foi a primeira vez que houve um intercmbio entre Intrpretes do Brasil e a avaliao sobre tica do profissional Intrprete.Somente em 24 de abril de 2002 foi reconhecida a Lngua Brasileira de Sinais como lngua oficial das comunidades surdas no Brasil. Este foi o primeiro e grande passo para o reconhecimento e formao do profissional Intrprete de Libras.5 Expe a criana lngua oral acompanha-da simultaneamente da da Lngua de Sinais, da escrita e de quaisquer outros meios que se considerem importantes para o seu desenvolvi-mento.26 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAPARELHOS AUDI TIVOSEm 1898, os aparelhos usados eram cornetas ou tubos acsticos e somente em 1948 surgiram apare-lhos com pilhas incorporadas e em 1953 comeou a ser usado o tran-sistor em prteses.Em 1970 aparecem as primeiras tentativas de implantao coclear. Esse tipo de implante sempre gerou muita controvrsia nas comunidades surdas em todo o mundo. Os argumentos a favor do implante resumem-se ao aces-so lngua oral, na idade crtica de aquisio, que a cirurgia simples e segura e com a pos-sibilidade de proporcionar criana uma vida social com som, e no com deficincia. CULTURA SURDA E SUA IDENTIDADEAo longo dos sculos os surdos foram formando uma cultura prpria centrada principalmente em sua forma de comunicao. Hoje, no Brasil, encontraremos em quase todos os grandes polos associaes de surdos, onde eles se renem e convivem socialmente.Os surdos tm uma cultura de caracterstica prpria, so utilizadores de uma comunicao espao-visual, ou seja, comunica-se atravs da viso e de sinais explorados no espao.implantao coclear Fonte: http://www.samaritano.org.br27Lngua Brasileira de Sinais - LibrasO processo de busca por uma identidade de uma pessoa com surdez pode ser afetado desde o seu processo de aprendi-zagem, pois, o perodo em que os pais descobrem a surdez.Por anos, muitos tm avaliado mal o conhecimento pessoal dos surdos. Alguns acham que os surdos no sabem praticamente nada, porque no ouvem nada. H pais que superprotezem seus filhos surdos ou temem integr-los no mundo dos ouvintes. Outros encaram a Lngua de Sinais como primitiva, ou inferior, lngua falada. No de admirar que, com tal ignorncia, alguns surdos se sintam oprimidos e incompreendidos.Todos sentem a necessidade de ser entendidos. Aparen-tes inaptides podem ofuscar as verdadeiras habilidades e cria-tividades do surdo. Em contraste, muitos surdos consideram-se capacitados. Comunicam-se fluentemente entre si, desenvol-vem autoestima e tm bom desempenho acadmico, social e es-piritual. Infelizmente, os maus-tratos que muitos surdos sofrem levam alguns deles a suspeitar dos ouvintes. Uma boa comunicao com uma pessoa surda feita exclu-sivamente por contato visual. De fato, quando duas pessoas con-versam em Lngua de Sinais considerado rude desviar o olhar e interromper o contato visual. Como chamar a ateno de um surdo? Em vez de chamar ou usar o nome da pessoa melhor dar um leve toque no ombro ou no brao dela, acenar se a pessoa estiver perto ou, se estiver distante, fazer um sinal com a mo para outra pessoa chamar a ateno dela. Dependendo da situ-ao, da distncia e do local fsico, pode-se dar umas batidinhas no cho ou fazer piscar a luz. Esses e outros mtodos apropria-dos de captar a ateno do reconhecimento experincia dos Surdos e fazem parte da cultura surda.Muitas pessoas no deficientes ficam confusas quando encontram uma pessoa surda. Isso natural. Todos podem se sentir desconfortvel diante do diferente. Mas esse desconforto diminui e pode at mesmo desaparecer quando existem muitas oportunidades de convivncia entre surdos e ouvintes28 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAo tratar um surdo como se ele no tivesse uma deficincia, estaramos igno-rando uma caracterstica muito impor-tante dele. Dessa forma, no estaramos nos relacionando com ele, mas com ou-tra pessoa, que no real.As pessoas com surdez tm o di-reito, podem e querem tomar suas pr-prias decises e assumir a responsabili-dade por suas escolhas.Por causa da surdez, evidente que o surdo venha a ter dificuldades para desempenhar algumas atividades. Mas por outro lado, poder ter uma extraordinria habilidade para fazer outras coisas como os ouvintes. Por exemplo: os surdos conse-guiro promover diversas prestezas que o ouvinte no conseguir desenvolver.A maioria das pessoas com surdez no se importa de res-ponder perguntas a respeito da sua caracterstica ou sobre como realiza algumas tarefas. Quando algum deseja alguma informao de uma pessoa surda, o correto seria dirigir-se diretamente a ela, e no a seus acompanhantes ou intrpretes. Como as pessoas surdas no podem ouvir mudanas sutis de tom de voz, que indicam sentimentos de alegria, tristeza, sar-casmo ou seriedade, as expresses faciais e corporais, so exce-lentes indicaes do que se quer dizer.Em suma, os surdos so pessoas que tm os mesmos di-reitos, os mesmos sentimentos, os mesmos receios, os mesmos sonhos, assim como todos. Se ocorrer alguma situao emba-raosa, uma boa dose de delicadeza, sinceridade e bom humor nunca falham.Quando dirigir-se ao Surdo, nunca use os termos: Deficiente Auditivo, D.A., Surdo-mudo, Surdinho e Mudinho, estes NO so termos corretos.DICA:29Lngua Brasileira de Sinais - LibrasDentro da comunidade surda, existem trs tipos de surdos: surdos sinalizadores, surdos oralizadores e surdos bimodais.SURDOS SINALIZADORES So os surdos que utilizam seu meio de comunicao nica e exclusi-vamente atravs da Lngua de Sinais. Quando da comunicao com este tipo de surdo, a pessoa dever ficar em lugar iluminado, evitando tambm fi-car contra a luz (de uma janela, ou re-fletor, por exemplo), pois isso dificulta a viso das mos. Quando o surdo no oralizado estiver acompa-nhado de um intrprete, dirigir-se sempre a ele, no ao intrprete. Segundo o censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica) de 2000, o pas possui cerca de 5,7 milhes de defi-cientes auditivos.SURDOS ORALIZADOS So os Surdos que comunicam apenas pela oralizao, ou seja, pela leitura labial e fala. Estes surdos desenvolveram sua tcnica vocal atravs da ajuda de profissionais que abordam a sade vocal. Com os surdos, devemos falar de maneira clara, pronunciando bem as palavras, sem exageros, usando a veloci-dade normal, a no ser que ela pea para falar mais devagar. Usar um tom normal de voz, a no ser que peam para falar mais alto. Falar diretamente com a pessoa, no de lado ou atrs dela. Fazer com que a boca esteja bem visvel. Gesticular ou segurar algo CuriosidadeHoje, no Brasil, existem aproximadamente 5,7 milhes de surdos. (IBGE, 2005).Caso necessrio, comunique com o surdo atravs de bilhetes. O importante comunicar, independente do mtodo.DICA:30 Lngua Brasileira de Sinais - Librasem frente boca torna impossvel a leitura labial. O uso de bigode atrapalha a configurao dos lbios. Se a pessoa surda tiver difi-culdade em entender, avisar. Ser expressivo ao falar.Como as pessoas surdas no podem ouvir mudanas sutis de tom de voz, que indicam sentimentos de alegria, tristeza, sarcasmo ou seriedade, as expresses faciais, os gestos ou sinais e o movimento do corpo so excelentes indicaes do que se quer dizer. Conlundo, no fim de uma conversa com um surdo voc ter um feedback positivo ou negativo que o retorno visual se ele compreendeu ou no.SURDOS BIMODAIS So os surdos que utilizam dos dois modos anteriores ao mesmo tempo, ele sinaliza e oraliza no mesmo instante, ou seja, o uso de duas lnguas distintas ao mesmo tempo. E diferente do Bilinguismo, que o conhecimento e o domnio de duas lnguas distintas.Para Refletir A lngua de sinais teve um desenvolvimento muito gran-de at os dias de hoje. Como voc tem discernido a Lngua de Sinais para seu crescimento pessoal? Em sua comunidade, trabalho ou bairro h surdos? Tente conversar com eles, a prtica a melhor maneira de aprender a Lngua Sinalizada. Como os surdos tm sido vistos e, consequentemente, tratados na sociedade brasileira?No necessita gritar com um surdo oralizado, ele vai ler os lbios e no lhe ouvir.DICA:31Lngua Brasileira de Sinais - Libras1.3 ASPECTOS BIOLGICOS E SUAS DEFINIES Antes de conhecer as verdadeiras patologias6 da surdez, importante buscar e compreender as funes bsicas da audio, sentido esse que controla a lin-guagem e a fala.LOCALIZAO E IDENTIFICAOEstabelece de onde vem a direo e a fonte sonora. Exemplo: O chamado de uma pessoa.ALERTAEsta possibilita atentar os estmulos de curiosidade e periculosidade que nos rodeia como, por exemplo, uma moto em nossa direo.SOCIALIZAOFuno que nos estimula a entrar em contato com outras pessoas. Para saber melhor, revise o tema I no livro de Funda-mentos Antropolgicos e Sociolgicos.INTELECTUALAs principais informaes so transmitidas e captadas por mdias atravs do meio oral.COMUNICAOVisto que a fala um dos instrumentos de comunicao mais utilizados no mundo, sua compreenso depende de um nvel de audio. Os sons percorrem um caminho que compreende desde o meio ambiente, passando pelo ouvido externo, mdio, interno, nervo auditivo e seguindo at o crebro. 6 Patologia o estudo das doenas.32 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasCom base no site de medicina da USP (otorrinousp.org.br), no livro de Sobotta (1995) e Pedroso (2006) apresenta-se a parte biolgica do ouvido humano.- OUVIDO EXTERNO constitudo pelo pavilho auricular, pelo conduto auditivo externo e pela mem-brana timpnica. Estas estruturas so responsveis pela captao e conduo dos sons. - OUVIDO MDIONela encontramos os ossculos, ou seja, os trs menores ossos do corpo humano: martelo, bigorna e estribo. A orelha mdia responsvel pela transfor-mao da energia sonora em energia mecni-ca, e pela proteo da orelha interna de sons muito intensos, por meio da contrao de um msculo chamado estapdio. - OUVIDO INTERNO Possui formato de caracol e com-preende a cclea e os canais semicir-culares. Nestes canais, encontram-se as estruturas responsveis pelo equi-lbrio e na cclea h o rgo de Corti, que transforma a energia mecnica em impulso nervoso. Do ouvido interno, o som conduzido pelo nervo auditivo e demais estruturas da via auditiva at chegar ao crtex cerebral. 33Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPara ter uma compreenso mais clara do funcionamento destes trs ouvidos, vamos unir estas informaes.O som(1) captado pelo pavilho auricular(2), passa pelo conduto auditivo(3) e transmitido membrana timpnica(4), fa-zendo-a vibrar. Essa vibrao transmitida aos ossculos (marte-lo 5, bigorna 6, e estribo 7. O estribo provoca a movimentao da membrana da janela oval(8), que liga o ouvido mdio ao ouvido interno. Esta movimentao provocada pelo estribo faz com que ocorra um deslocamento nos lquidos que se encontram dentro da cclea(9), estimulando o rgo de Corti, ocorrendo a trans-misso do impulso nervoso para o nervo auditivo(10). A partir desta transmisso, o som passa por diversas estruturas, at o cortex cerebral, onde interpretado. (11) Canais semicirculares (12) Trompa de Eustquio.Se vier a acontecer alguma leso em algumas dessas estruturas, poder haver danos na sensibilidade auditiva.A surdez consiste em um impedimento para detectar a energia sonora e, com isso, h graus de perdas auditivas, quais sejam:34 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasBARULHO ALTO- Perda Leve ou Ligeira (26 a 40 dB)A palavra ouvida, mas certos elementos fon-ticos ficam complicados de entender. Tem, por exemplo, dificuldade em compreender uma con-versa a uma distncia superior a 3 metros. Neste grau a surdez no provoca atraso na aquisio da linguagem, pode ter defeitos de articulao e dificuldades em ouvir a voz em tom natural (so pessoas tidas como muito distradas). Ne-cessitam de ensino de leitura da fala e de estimulao da lin-guagem. Deve-se observar tambm uma posio adequada para conversar, ou seja, frente a frente.- Perda Moderada (41 a 70 dB)S consegue ouvir a palavra, quando esta de intensidade forte, alta.Verificam-se algumas dificuldades na aquisio da linguagem e algumas perturba-es da articulao da palavra, e da lingua-gem. Neste caso, o processo compensador a leitura labial. H tambm necessidade de treino auditivo e estimulao da lingua-gem. Pergunta-se muito hein, o qu? Troca palavras fonetica-mente semelhantes como (linha/pinha, mo/no, po/co). - Perda Severa (71 a 90 dB)O Indivduo no consegue perceber a palavra normal. necessrio gritar para que exista uma sensao auditiva verbal. Estas pessoas tm algumas dificuldades na aquisio da linguagem. Necessitam j de cuidados especiais no treino auditivo, leitura da fala e estimulao da linguagem. Escutam somente sons fortes como: ba-rulho da moto, do caminho, serra eltrica, etc. Fonte: www.sxc.huCRIANA DISTRADACRIANA DISTRADAFonte: www.sxc.huHEIN, O QU?35Lngua Brasileira de Sinais - Libras- Perda profunda (superior a 90 dB)Nenhuma sensao auditiva verbal pode ser captada espontaneamente. No capaz de reagir de forma adequada aos sons ambientais, pois, escuta somente sons gra-ves que transmitam vibraes, como trovo, avies, foguetes, etc. As perdas auditivas podem ter diversas origens: congni-tas, quando o problema ocorreu antes do nascimento ou adquiri-das quando aconteceu no Peri (durante) ou ps-natal.Para conhecer as causas da surdez, teremos como auxlio os sites (abcdasaude.com.br) e (otorrinousp.org.br).CAUSAS PR - PARTO- hereditariedade: transmitido geneticamente de gerao em gerao, particularmente quando existem casos de surdez na famlia.adquiridas pela me durante a gestao:- rubola: vrus que transmitido por via respiratria infecta-da por mulheres grvidas. a principal causa congnita;- sfilis: adquirida na relao sexual, esta bactria pode causar vrias consequncias ao beb;- toxoplasmose: parasita presente em animais domsticos, como cachorro, gato etc. A gestante contamina o feto atravs da placenta, provocando srias complicaes, principalmente nos trs primeiros meses de gestao e pode acontecer de o beb nascer com deficincia mltipla como surdez, retardo mental e viso subnormal;ESTRONDO36 Lngua Brasileira de Sinais - Libras- citomegalovrus: vrus herpes que predomina principal-mente em regies mais pobres. D-se por contgio prin-cipalmente por falta de cuidados higinicos. Sua contami-nao pode acontecer ainda na gravidez ou durante sua passagem atravs do canal do parto;- anomalias craniofaciais: anormalidades morfolgicas do pavilho auricular e do canal auditivo;- medicamentos Oto txicos: a ingesto de drogas por mulheres grvidas leva leso do ouvido do beb. Antibi-ticos, diurticos e anti-hipertensivos. Alm destas medi-caes, algumas outras substncias so perigosas e esto presentes nas frmulas de produtos domsticos como: monxido de carbono, tabaco, mercrio, lcool, arsnio e chumbo;- exposio aos Raios X;- desnutrio materna;- incompatibilidade sangunea: o sangue do beb (Rh+), sendo diferente do sangue da me (Rh -), pode ocasionar, futuramente, problemas na sade da criana.durante e ps parto:- herpes: doena sexualmente transmissvel mais comum. A transmisso acontece durante o nascimento e pode at levar o beb morte;- rudo ocupacional;- hipxia: diminuio da oferta de oxignio para o feto durante o momento do nascimento;37Lngua Brasileira de Sinais - Libras- peso no nascimento inferior a 1,5 quilos;- medicamentos Oto txicos: quando utilizados em mltiplas doses ou em combinao com diurticos;- distrbios metablicos;- ventilao mecnica: o beb fica exposto por cinco dias ou mais;- permanncia em incubadora por mais de sete dias;- infeco por vrus ou bactrias: alm da meningite, que o maior causador da surdez em bebs, h outros como sarampo, caxumba e a otite mdia recorrente ou persis-tente por mais de trs meses;- traumas acsticos;- leses traumticas: mais comum em traumatismos crnio-enceflicos;- presbiacusia: perda auditiva gradual devido ao fator ida-de, ocorrncia mais comum em pessoas com mais de 65 anos.Surdez por conduo:- excesso de cera no ouvido;- secreo na orelha mdia (Otite Secretora ou Otite Serosa);- infeces agudas do ouvido (Otite Mdia Aguda);38 Lngua Brasileira de Sinais - Libras- infeces Crnicas do Ouvido (Otite mdia Crnica);- perfurao timpnica, eroses dos ossculos;- otosclerose ou aderncias: Imobilizao de um ou mais ossos do ouvido;- tumores na orelha mdia.Northern e Downs (1996 apud PEDROSO, 2006, p. 48) Uma em cada mil crianas nasce com surdez. Alm disso, duas em mil adquirem a surdez na infncia. No caso de as crianas possuirem fatores de risco para a surdez, essa proporo aumenta para uma criana em cinquenta.Como vimos, so muitas as doenas que podem induzir a surdez em crianas e adultos. Percebe-se que a maior incidncia atravs da me, a qual deve manter seus cuidados at mesmo antes da gravidez. Hoje, h vrios diagnsticos e avaliaes para um atendimen-to mais eficaz, contudo, a preven-o e a deteco precoce so de fundamental importncia para mi-nimizar suas consequncias.Aps o nascimento de um beb, deve ser feito, de prefern-cia em sua primeira semana de vida, o Teste do Pezinho, que um exame de preveno reali-zado no recm-nascido com a finalidade de prevenir o desen-volvimento de doenas e permite identificar doenas graves que podem causar na criana. Todas as mes e pais podem e devem cobrar dos gestores municipais que disponibilizem 39Lngua Brasileira de Sinais - Libraso exame grtis nos postos de sade, mas, este teste no um exame que diagnstica uma surdez. Vrios municpios do Brasil disponibilizam gratuitamente o Teste da Orelhinha (triagem auditiva neonatal). um programa de avaliao da audio em recm nascidos, indicada por institui-es do mundo todo para diagnstico pre-coce de perda auditiva.J as Emisses Oto acsticas Evocadas (EOAs) so indo-lores, com a colocao de um pequeno fone na parte externa do ouvido, com a durao mdica de 3 a 5 minutos. Este sim o primeiro exame a ser feito que pode diagnosticar a surdez ou um futuro problema de audio. Precocemente diagnosticado, a criana ter maiores condies no desenvolvimento da lngua escrita e falada.Alm destes exames, vamos conhecer outros que podero ser indicados:- audiometria de tronco cerebral (BERA): avalia a audio perifrica e a conduo nervosa at o colculo inferior. uma tcnica no invasiva e objetiva, que pode ser aplicada em adultos e crianas de qualquer idade. O BERA realizado dentro de uma cabine acstica, e utiliza 3 eletrodos de superfcie, colocados na fronte e mastides. O resultado expresso em um audiograma, que um grfico que revela as capacidades auditivas do paciente;- imitanciometria: neste exame, uma pequena sonda posicionada, de forma indolor, na entrada do conduto audi-tivo externo do paciente. Neste exame, consegue-se ob-ter dois tipos de testes: Fonte: www.otorrinos24horas.com.br40 Lngua Brasileira de Sinais - Libras timpanometria, que avalia a complacncia da orelha mdia, ou seja, a condutncia sonora das estruturas das orelhas externa e mdia reflexo estapdico, que avalia a integridade do arco reflexo estapediano e, por consequncia, de forma indireta, as estruturas das orelhas mdia e interna, nervo auditivo e tronco cerebral. de extrema utilidade para o diagnstico das otites catarrais crnicas em crianas.As classificaes da surdez dependem da leso no ouvido e de acordo com seu perodo ou poca em que ocorreu a perda da audio. TIPOS DE SURDEZSurdez Pr VerbalSo os surdos que nasceram ou perderam a audio antes de terem desenvolvimento da fala e da linguagem.Surdez Ps VerbalSo aqueles que perderam a audio aps o desenvolvimento da linguagem.Se voc perceber algum que troca de letras na fala e na escrita, com dificuldade de aprendizado, desatento, sem amizades e sempre isolados, isto pode ser um indicativo de um problema na audio. Encaminhe-o para um especialista em otorrinolaringologia.Surdo Cegueira uma deficincia que apresenta a perda da audio e da viso simultaneamente, impossibilitando o uso dos sentidos criando necessidades especiais de comunicao e causa extrema dificuldade na conquista de metas educacionais, vocacionais e sociais.41Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAlguns portadores de surdo cegueira so retrados e isolados, pois, se deparam com a dificuldade de se comunicar, no apresentam curiosidade, normalmente apresentam problemas de sade que acarretam srios atrasos no desenvolvimento, no gostam do toque das pessoas, no conseguem se relacionar com as pessoas se encontram dificuldade na habilidade com a alimentao e com a rotina do sono, tm problemas de discipli-na, atrasos no desenvolvimento social, emocional e cognitivo e o mais importante, desenvolvem estilo nico de aprendizagem. (HONORA, s/d, p. 122).Durante este captulo, podemos conhecer a classificao da surdez e o tipo de surdo. Pois bem, para todo esse retrospecto, h motivos para que essas redues ou perdas auditivas aconteam e para cada uma questionamos: Quando? HONORA (s/d, 25-35), em diversos momentos apresenta algumas informaes quanto a:CLASSIFICAO: surdo cegueira total; surdez profunda com resduo visual; surdez moderada ou leve com cegueira; surdez moderada com resduo visual; perdas leves, tanto auditivas quanto visuais.TIPOS: cegueira congnita e surdez adquirida; cegueira e surdez adquirida; surdez congnita e cegueira adquirida; baixa viso com surdez congnita ou adquirida; cegueira e surdez congnita.42 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasCAUSAS: Alguns problemas e doenas podem causar surdo cegueira, como: ictercia; prematuridade; sfilis congnita; meningite; sndrome de West; anxia; fator RH negativo; glaucoma; sndrome de Usher; toxoplasmose; consanguinidade.FATORES DE RISCO: epidemias de doenas como rubola, sarampo, meningite; doenas venreas; infeces hospitalares; gravidez de risco; Falta de saneamento bsico.Para Refletir Discuta com seus colegas: como podemos contribuir para a preveno da surdez?43Lngua Brasileira de Sinais - Libras1.4 INICIAO LNGUANeste contedo, vamos iniciar os conhecimentos da lngua propriamente dita, necessitando de sua intensa leitura e prtica sobre os conhecimentos passados.ALFABETO MANUALO alfabeto manual produzido por diferentes formatos das mos, que representam as letras do alfabeto escrito. Assim tambm, tem uma funo especfica para apresentao pessoal, escrever ou fazer a DATILOLOGIA no ar, o nome de pessoas e lugares ou elementos que ainda no tm sinal. Em geral, um erro comparar o alfabeto manual com a Lngua de Sinais. Quando houver necessidade de fazer a datilologia de pa-lavras compostas ou de duas ou mais palavras seguidas, entre uma palavra e outra, d uma pequena pausa (conte mentalmente at dois) e faa a palavra seguinte. Voc conhecer Intrpretes e at mesmo Surdos que usa-ro o empurro das palavras (um tapinha no ar) para separar pa-lavras, mas este mtodo no se usa mais, hoje ele comparado ao brao da mquina de escrever, onde se deve dar um empur-ro para dar incio linha de baixo.44 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasA B C D EF G H I J K L m N O P Q R S T U V X Y W ZA B C D EF G H I J K L M N O P Q R S T U VX Y W Z 45Lngua Brasileira de Sinais - LibrasQuem quem?01 Chico02 Carlos03 Joyce04 Renan05 Marilene06 Maria07 Joyene08 Carol09 Regis10 Denis11 Juninho12 Juliano13 Marcio14 Priscila15 Patricia16 Marisa17 Jos18 Lourdes04 ( ) Renan15 ( )patricia05 ( ) marilene16 ( ) Marisa17 ( ) Jose11 ( ) juninho14 ( )priscila3 ( ) joyce9 ( ) regis7 ( ) joyene2 ( ) carlos13 ( ) marcio6 ( ) maria8 ( ) carol12 ( ) juliano10 ( ) Denis1 ( )Chico18 ( ) lourdes46 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPraticando a datilologia (alfabeto manual)Escreva o nome das palavras que se encontram no alfabeto manual.Prato:Prata:Pato:Mata: Carro: Amiga: Viajar: Longe:Homem:Saboroso: 47Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPara desenvolver com mais agilidade o alfabeto manual, pegue um livro e acompanhe o texto com as mos. Voc dever fazer a datilologia de todas as palavras. Faa de forma clara e sem pressa. Rapidez nas mos no prova de conhecimento. As configuraes bem feitas em suas mos valem mais que a velocidade.DICA:Puxar: Caar:Telefonar: NMEROSEm nmeros, h uma especificidade entre as formas de fazer. Fique atento s duas formas, elas so importantes e faro diferenas em seu aprendizado.Temos os nmeros cardinais representativos de cdigos, ou seja, sero descritos em contextos como: nmero de casa, horas, idade, dinheiro, nmero de roupas e calados, nmero da sala de aula, explicativos, classifica-dores, ordem de chegada, etc.Para fazer os nmeros com mais de uma casa decimal, voc faz os nmeros na ordem repedindo-os em sinais.DICA:48 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasVeja como so eles:1 2 31 2 34 5 64 5 67 8 97 8 900Agora vamos trabalhar com os nmeros:Sem pesquisar a folha anterior, efetue as operaes. 12 + 35 = 987 + 1248 =49Lngua Brasileira de Sinais - Libras1000 + 6547=9987 - 5421 = 14257 - 254 = 65 X 31 =9 x 7 =585 x 641= 8975146 : 2 =465164 : 7 =2196 : 2196=Acrescente o antecessor e sucessor dos nmeros.45166574212152450 Lngua Brasileira de Sinais - Libras3721965499964778711247853184130006187708Outra forma de expressar os nmeros atravs dos numerais que usamos exclusivamente em contextos relacionados a quantidades como, por exemplo: 2 lpis, 5 livros, 1 casa, 3 amigos, etc.. 51Lngua Brasileira de Sinais - LibrasVeja a seguir com feita a datilologia dos nmeros:ABAIXO DAS MOS, ESCREVER OS NMEROS CORRESPONDENTES.Aps conhecer os nmeros e suas estruturas, escreva (V) verdadeira ou (F) falsa nas estruturas com nmeros cardinais e numerais.( ) Moro na rua 21 de Abril nmero 118.( ) Tenho 2 celulares.( ) Brinquei com crianas de 12 anos.( ) Tenho 7 anos e 2 meses.( ) Comprei 32 livros.DICA:Assistir aos vdeos relacionados aos contedos de grande importncia para o aprendizado dirio, portanto, no deixe de fazer suas observaes quantas forem necessrias. No fique em dvida, voc tem vrias ferramentas que possam lhe auxiliar.52 Lngua Brasileira de Sinais - Libras( ) Nas bibliotecas da UNIT h mais de 290 mil exemplares de livros.( ) Estaremos de 8 h. s 22 h. para lhe atender.( ) Este carro custou R$ 65 mil.( ) Encontrei com 2 amigas e 1 amigo da faculdade UNIT.( ) Compre 10 quilos de carne para o churrasco.Para Refletir Voc acha que com apenas o alfabeto manual nas mos o suficiente para atingirmos a comunicao ideal para com os surdos? Reflita, opine e discuta no Frum do AVA suas ponderaes sobre a reflexo.53Lngua Brasileira de Sinais - LibrasResumoDiante das tantas informaes e curiosidades buscadas para atender o processo de aquisio de conhecimento, comuni-cao e atendimento s pessoas com surdez, podemos perceber que a Lngua Brasileira de Sinais vem, historicamente, ganhando seu espao junto comunidade brasileira, assim, j obtendo suas nomenclaturas atualizadas a favor de conceitos e de uma nova ideologia voltada aos surdos. A anatomia do ouvido e suas pato-logias algo inegavelmente necessrio para nosso conhecimen-to, pois, trazem respostas importantes para o desenvolvimento e aprendizado das pessoas com surdez. Observa-se que estamos iniciando a prtica para nos comunicar com os surdos, e atra-vs do alfabeto manual e os nmeros que se pode inicialmente estimular um contato inicial. importante que esta iniciao seja plena para podermos prosseguir nos estudos lingusticos da Lngua Brasileira de Sinais.2 Estudos LingusticosO objetivo temtico presente conhecer as estruturas gramaticais da lngua de sinais dando embasamento para a criao do contexto, alm de auxili-lo no encaixe dos parmetros com os devidos movimentos dos sinais que encontraremos.2.1 LXICO, VOCABULRIOS ICNICOS E ARBITRRIOSSegundo Brito (1995), a Lngua Brasileira de Sinais constituda a partir de elementos de uma gramtica formada das palavras ou itens lexicais e de um lxico que se estruturam a partir de mecanismos morfolgicos, sintticos e semnticos que apresentam caractersticas prprias e elementos bsicos gerais. Essas estruturas, nos permitem fazer ironias, ditados populares e sentidos metafricos.56 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasSinal de televiso (isto Libras)(em Libras) AMIGOLxicoMuitos pensam que a Lngua Brasileira de Sinais (Libras) apenas a comunicao atravs do alfabeto manual.Vrias pessoas falam que sabem se comunicar atravs da Libras, mas, na verdade, sabem apenas o alfabeto manual e acham que soletrar letra por letra (datilologia) em Libras j a prpria lngua. Como por exemplo:M-E-U N-O-M-E ...E faz toda esta frase atravs do alfabeto. Issono Libras.Podemos ser mais claros.AMIGOA M I G O (no Libras) TELEVISOT E L E V I S O Soletrar em alfabeto manual no LibrasFRANGO, este o sinal em libras. No entanto, Libras no a escrita atravs do alfabeto manual de uma palavra em Portu-gus. Em escolas infantis virou moda e brinca-deira falar com as mos e Libras muito mais do que isso. Podemos compa-rar a soletrao manual com as palavras que pegamos emprestadas do ingls como, por exemplo, e-mail.Frango (isto Libras)57Lngua Brasileira de Sinais - Libras Acima podemos perceber que o emprstimo da palavra em Portugus est soletrado. Os sinais em si, so o lxico ou itens lexicais.O alfabeto manual um recurso usual e oportunizado nos momentos de expressar nomes prprios, lugares, palavras desconhecidas ou, ento, um meio de conferir a ortografia em Portugus.Sinais Icnicos e ArbitrriosIcnicos: Qualquer leigo conseguiria entender este tipo de sinal. So sinais visualmente caractersticos com o que estamos acostumados a ver pela rua. Eles no so universais, mas transmitem o real.Posso falar com toda certeza que ao menos 100 palavras em sinais voc j conhece, mesmo antes de terminar este livro.Quero que voc imagine e reflita qual sinal que poderia ser encaixado neste desenho:58 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasNas palavras abaixo, reflita como poderiam ser os sinais:Tchau Mais ou menosQuantas horas TelefoneCorrer FotografarDepois To nem aLouco ChorarMacaco DormirMau cheiro DinheiroAndar BeijarCoceira CorpoEscovar dente BebForte CalorCarona VarrerLadro RevlverPescar CigarroTonto NoivoChapu NoComo voc j viu as palavras e fez os sinais, agora ver alguns sinais para voc pensar qual a palavra.Beber GarfoSorvete59Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAcredito que no encontrou dificuldade para idealizar os sinais e nem para acertar as palavras dos sinais acima. Alm destas, h muitas outras que certamente voc saberia fazer, mas nunca pararam para pensar como so. Arbitrrios: Os Sinais Arbitrrios no parecem com a realidade, neces-sitar um pouco mais de conhecimento da Lngua de Sinais para conhec-los e desenvolv-los. So sinais sem regras e no possuem formas convencionais. Na verdade, um leigo ver o sinal e no entender nada do que est sendo dito. Tente imaginar como seriam os sinais das palavras: gua, tio, idade, queijo, amante, solteiro e conhecer. Voc pode ter ima-ginado vrios movimentos, sinais estranhos e cmicos, mas, no conseguir se aproximar do correto, suas tentativas sero mais difceis do que ganhar na loteria porque estes sinais no se parecem em nada com sua realidade.Para voc entender melhor o que so Sinais arbitrrios, ver alguns sinais e, assim, tente descobrir qual a palavra:nibus ProfessorBarata60 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasConseguiu decifrar os sinais?Vamos l, vou lhe ajudar...Na primeira figura, vou dar uma dica: um inseto. Os dedos esto relacionados s antenas do inseto. Ficou fcil no ? barata.Na segunda e terceira imagens relacionam-se os sinais de professor e nibus. Voc pode observar que estes sinais no so semelhantes com o real, portanto, so sinais arbitrrios.Para Refletir De forma simples, lxico comparado a que na lngua de sinais? Reflita de forma ampla sinais icnico presentes em sua vida. Leo Coco Juros61Lngua Brasileira de Sinais - Libras2.2 ESTRUTURAS SUB-LEXICAIS E SUAS EXPRESSES NO MANUAIS.Segundo Felipe (apud QUITES, s/d, p.1), o sinal formado a partir da combinao do movimento das mos com um deter-minado formato em um determinado lugar, podendo este lugar ser uma parte do corpo ou um espao em frente ao corpo.Podemos comparar os fonemas e, s vezes, os morfemas as articulaes das mos as quais so chamadas de PARMETROS.As estruturas sub-lexicais, fazem parte da gramtica da Ln-gua de Sinais. Esta estrutura compe-se de 5 parmetros.CONFIGURAO DAS MOS (CM) So as formas, as configuraes, os desenhos que as mos tomam na realizao do sinal. Podem ser oriundas7 do alfabeto manual e dos nmeros ou em outras con-figuraes no oriundas feitas pela mo predominante do emissor.Iremos identificar a mo predomi-nante como sendo aquela com a qual que temos mais facilidade de movimentao: mo direita para os destros e mo esquerda para os canhotos. O sinal de TV tem a configurao de mo em L.No quadro a seguir voc ver diversas configuraes apresentadas em Libras.7 Configurao originada do alfabeto manual.Sinal de televiso 62 Lngua Brasileira de Sinais - Libras63Lngua Brasileira de Sinais - Libras(Roubar)PONTOS DE ARTICULAO (PA) So os lugares de onde a mo predominante configurada se aproxima ou incide.Podemos incidir a mo configurada nos seguintes pontos:- Cabea: queixo, boca, nariz, olhos, testa, bochechas, orelhas, ma da face.- Tronco: cintura, barriga, busto, pescoo, ombro.- Brao: pulso, antebrao, cotovelo, brao.- Mo: palma da mo, dorso da mo, dedos (polegar, indicador, m-dio, anelar e mnimo).- Espao Neutro: A frente do tronco ou acima da cabea.Os Pontos de Articulao so cabea, tronco, brao, mo e espao neutro, as es-pecificaes seguintes aos pontos so apenas uma referncia para voc se localizar mais precisamente. Exemplo: Eu no posso falar que o Ponto de Articulao de uma tal palavra testa e sim cabea, pois, a mo configurada em 4 est no ponto de articulao cabea.(Acostumar)(Trabalhar)AdmirarTer64 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasMOVIMENTO (MV): Na Lngua de Sinais, as mos do sinalizador representam o objeto, enquanto o espao a rea onde se realiza o movimento. Portanto, para a realizao do movimento, preciso haver um Objeto e um Espao.Analisa-se o movimento por: tipo, direo, maneira e fre-quncia das mos configuradas.- Tipos: Busca o contato, interao, contorno e movimento das mos.Contato ExemplosDeslizamento QuenteTocar ExperinciaAgarrar MsculoRiscar CoitadoPincelar VarrerEscovar Lavar roupaLigao UnirInteraoExemplosAlternado DiscutirCruzado FugirInsero DentroAproximao Combinar (acordo)Separao Longe65Lngua Brasileira de Sinais - LibrasContorno ExemplosCircular SolteiroSemicircular AntesHelicoidal Todo diaSinuoso SempreMovimentos das mosExemplosDesdobramento simultneo dos dedos DemitirDobramento simultneo dos dedos SaberAbertura simultnea dos dedos BrutoFechamento simultneo dos dedos CheirarAbertura gradativa dos dedos MadrugadaFechamento gradativo dos dedos Roubar- Direo:Os movimentos podem ser analisados de quatro formas quanto aos seus direcionais.O direcionamento auxilia a quem estamos apontando, por exemplo, EU TE AJUDO faz o sinal direcionando a quem ir aju-dar enquanto VOC ME AJUDA a direo do sinal de quem vai ajudar para quem est fazendo o sinal. No direcionais sem movimento, so paralisados junto ao corpo, como:66 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasSentimentoAdmirarCulpadoRei Unidirecionais, movimentam apenas para uma direo.Para direita MorrerPara esquerda CamaroPara baixo De cientePara cima DeusPara frente IrPara trs Por favor, com licenaPara o centro PequenoPara as laterais Amplo Bidirecionais, movimentam em direes diferentes e simetricamente com uma ou duas mos.Para frente e para trs CompararPara cima e para baixo Nunca, polticoPara direita e para esquerda Sanfona, no67Lngua Brasileira de Sinais - Libras Multidirecionais, sinais que se utilizam em vrias direes e exploram vrios itens lexicais, como os sinais a seguir:IncomodarChatoAmolar- Maneira:Refere-se velocidade e tenso do movimento. Velocidade e tenso positiva Um sinal feito com uma velocidade mais intensa e tenso do incio ao fim. Ex.: Rpido Velocidade e tenso negativa Sinal mais vagaroso e frouxo.Ex.: Calmo- Frequncia: Destaca a repetio do movimento. Simples Sinais com apenas um movimento ou que no necessita de vrias movimentaes com a mesma mo configurada para originar o sinal.Ex.: Sentar, responder.DICA:Acesse o dicionrio virtual: http://www.acessobrasil.org.br/libras e veja os sinais das palavras em exemplo.Este site ser seu grande amigo.68 Lngua Brasileira de Sinais - Libras Repetido Necessita de uma srie de repeties para que o sinal tenha originalidade. Ex.: Combinar (programar), namorar.ORIENTAO (OR)Tende a nos facilitar para melhor compreender. Quando um sinal tem sua direo e h uma inverso, significa a oposio, contrrio ou concordncia. EXPRESSO FACIAL E /OU CORPORAL (EFC)As expresses facio/corporais so componentes extre-mamente importantes para qualquer transmisso em Lngua de Sinais. Os quatro parmetros, com auxlio deste quinto, formam-se os sinais. No conjunto destes elementos, conseguimos chegar totalidade das informaes desejadas com as mos, ou seja, possvel falar, rir, discutir, chorar com as mos.Palavra CM PA MV OR EFCTer L Tronco Peito -Triste Y Cabea Queixo TristezaCinza C Mo Dorso da mo -Aeroporto Y Brao Brao SoprarAvio Y EspaoneutroA frente do tronco Soprar69Lngua Brasileira de Sinais - LibrasEXPRESSES NO MANUAISTambm chamadas de Expresso Corporal e Facial, funciona como meio visual de reforar uma ideia que est sendo transmitida e, em outras ocasies, chega at mesmo a confundir-se com o prprio argumento, caso no seja feito similar a palavra desejada. Assim, a expresso no manual tem como finalidade no s de incluir aos meios gramaticais, mas primordialmente melhorar a comunicao com o receptor.Para sinalizar com eficincia, preciso saber adequar as expresses ao contexto, ao ambiente e ao tom da voz transmitida, e este um dos pontos que merecem uma ateno constante, pois voc, caro aluno, ter que transmitir atravs das mos, do corpo e da face na mesma tonalidade do orador.Dentre todas as partes do corpo, a face a que melhor detalha a expresso em um contexto, uma vez que a regio do corpo mais observada pelos surdos. nela que h diversas modificaes que permitem conduzir uma comunicao eficaz. Assim, de nada valeria uma sinalizao bem feita com as mos se acompanhada por uma expresso facial e/ou corporal inconveniente ou aptica.Vamos lembrar algumas situaes que possivelmente voc j percebeu ou passou por elas:- uma criana vem correndo para os seus braos, a um metro de chegar ela tropea. Pense a cara que voc fez ou faria.- Na rua, voc olha para o alto e v que o tempo fechou e que em poucos minutos vai descer gua e voc est sem guar-da-chuva. Que cara heim!- Quando na TV a reprter retrata um assassinato cruel e ainda mostra as imagens. Qual seria sua reao?A reao e a ao um modo de expresso.70 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPara as expresses no manuais, no apenas a cabea fundamental, ela emana tam-bm a movimentao dos bra-os, pernas e tronco simultane-amente, devendo procurar uma sincronizao do corpo por in-teiro. Com o corpo e a face voc consegue transmitir: inseguran-a, paz, alegria, arrogncia, in-veja, dor, tristeza, frio, timidez e vrios outros sentimentos.A expresso facial deve sempre guardar relao com a mensagem que se deseja transmitir, e isto se d pelo fato de que o semblante funciona como um indicador da sinceridade daquilo que falado. Deve atuar como um reforo daquilo que est sen-do dito, e a melhor maneira de se conseguir falar com convic-o e segurana consiste em conhecer tais expresses e saber utiliz-las adequadamente, algo que somente torna-se possvel atravs do exerccio e da prtica, pois, como j disse, a nica maneira de absorver o conhecimento da Libras treinando-a frequentemente.Vamos conhecer alguns mtodos:- inconformidade, abaixa a cabea e salienta a expresso negativa (no);- agressividade, fecha as mos, fecha um pouco os olhos, treme a cabea, ringe os dentes;- impacincia, caminha de l pra c, soprando.Quando seus amigos esto chateados, tristes ou alegres, voc repara e mesmo sem falarem algo voc j capta e comenta: Nossa... Como voc est alegre hoje! ou Por que voc est triste? com a mesma produo que voc deve utilizar na comunicao com o Surdo71Lngua Brasileira de Sinais - LibrasQual a expresso?- postura rgida, tronco bem ereto;- balanando para um lado e outro com os braos colados ao corpo;- sobrancelhas levantadas e boca aberta;- sobrancelhas abaixadas e dentes cerrados;- sobrancelhas levantadas, olhos arregalados e lbios cerrados;- olhos cerrados, boca aberta;- testa franzida e boca torta para o lado;- puxar o tronco para trs ou para frente;- boca em O, olhar de espanto.Sua face e seu corpo em uma ao ou reao ocasiona uma expresso no manual espontnea e nela que voc deve espelhar.72 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasMulherHomemPara Refletir Perceba as expresses que faz parte de nosso cotidiano e veja qual a que mais se encaixa ao seu perfil.2.3 MORFOLOGIA E SEUS ESTUDOS INTERNOSSegundo Quadros (2004, p. 65), Morfologia o estudo da estrutura interna das palavras ou dos sinais, assim como das regras que determinam a formao das palavras. A palavra morfema significa morfh, que significa forma. Os morfemas so as unidades mnimas de significado.A Lngua de Sinais possui tambm um sistema de estrutura e formao de palavras como nas lnguas orais, caracterizando quanto ao:Gnero:Em sinais, Independente de serem pessoas ou animais, indicamos o sexo a partir do sinal de homem e mulher. Uma particularidade en-volve quando referimos ao modo masculino, sempre que voc sinalizar no gnero mas-culino, no h necessidade de serem seguidos pelo sinal de homem.Tempo:O tempo, no correlaciona com o estado do tempo como chuva, calor, frio e sim com passado e futuro. O passado feito com movimento sobre o ombro atingindo atrs da orelha e quanto mais distante for este passado, mais distancia e intensidade voc coloca no sinal. J no presente, na maioria das vezes ter o sinal prprio, mas a intensidade e a expresso so necessrias para distinguir a proximidade do presente.73Lngua Brasileira de Sinais - LibrasGrau:Diferencia-se pela intensidade, movimento e velocidade como: (cheio, curto). E outros pela intensidade da expresso como: (bonito, lindo, bonitinho).Negao:Voc aluno, est acostumado em seu dia-a-dia de fazer NO de vrias maneiras, seja, com o dedo ou com a cabea. Na Lngua de Sinais, alm destes dois recursos, temos mais um que com o sinal prprio e cada um deles usar em situaes especficas, veja exemplos:- Com a cabea: sinal no precisa PRECISA, ACREDITAR mais o movimento negativo com a cabea.- Com o dedo: no pode (definitivamente) PODE mais o sinal o no com o dedo.- Sinal prprio: no pode (por enquanto) NO PODE, sinal prprio.MORFEMAS LEXICAIS E GRAMATICAISOs morfemas lexicais ou gramaticais nem sempre formam palavras equivalentes ao Portugus. A partir de suas unidades mnimas de significao, ter os morfemas em LIBRAS.LEXICAL GRAMATICALAmigo (s) pluralPossibilidade (im) negaoChorar aos prantosFofocar fofocar sem pararVoc utiliza os sinais vrias vezes para impor a gramtica fazendo a diferena entre o normal e o aumentativo ou negativo.74 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasASPECTO VERBAL PONTUAL E ASPECTO VERBAL CON-TINUATIVOO Aspecto Verbal Pontual distingue-se por se trazer a uma ao ou evento ocorrido e finalizado em algum ponto bem defi-nido, enquanto o Aspecto Verbal Continuativo d a continuidade e se d uma outra palavra.ELE TENTAR FALAR AMIGO ONTEM (Ele tentou falar com o amigo ontem), concluiu o tentar, utilizou apenas uma vez. Se voc utilizar o sinal tentar at conseguir ou tentar sem parar EU TENTAR, TENTAR VRIAS VEZES FALAR AMIGO (Eu tentei por diversas vezes falar com meu amigo) refere a uma ao que tem uma continuidade o TENTAR sofreu alterao.ITENS LEXICAIS PARA TEMPO E MARCADE TEMPONa Lngua Brasileira de Sinais, no tem os tempos verbais (conjugao dos verbos) como no Portugus, as palavras vem to-das no verbo infinitivo (EU BRINCAR, ELE CHORAR, etc). Quando necessitar marcar o tempo, os itens lexicais ou os advrbios que iro referir-se o passado, presente e futuro com os sinais de on-tem, ano passado, hoje, agora, semana que vem, assim, no haver perigo de ambiguidade.A utilizao da expresso corporal neste momento im-portante para expressar o passado e futuro, jogando levemente o corpo para trs quando passado e para frente quando futuro (ANO PASSADO, ANO QUE VEM). Quanto mais voc joga o cor-po, mais distante o tempo (MUITOS ANO ATRS).Isso nos faz considerar que realmente a Libras uma lngua que depende do visual-espacial, nesta modalidade que explo-ramos o que est em volta do corpo.Tentar75Lngua Brasileira de Sinais - LibrasINTENSIDADE E QUANTIFICAOA intensidade ocorre quando o sinal conduz movimentos longos em ritmo ligeiro, ou seja, os sinais so feitos de forma mais acelerada e fora. Exemplo: CHUVA (feito de forma branda), TEMPESTADE (feito com intensidade, rpido) Usar o mesmo sinal, porm, com mais intensidade e expresso. J a quantificao obtida com o uso de quantificadores como MUITO, repeties sucessivas, vrias vezes. BATER AT QUEBRAR (sinal de bater, bater, bater,bater at que quebre).INCORPORAO DE ARGUMENTO O mtodo de incorporao de argumento muito frequen-te e visvel na Lngua Brasileira de Sinais devido s caractersticas espaciais, seria mais obvio ir direto ao real do que interpretar a palavra e depois explicar o significado dela. Em nossa Lngua Portuguesa, utilizaramos a mesma entonao, a mesma escrita mas logo j sabemos a qual sentido e como seria na prtica. Exemplo: em Portugus, podemos escrever ou falar a palavra CAIU, em uma apreciao poderemos falar a moto caiu no asfalto, o papel caiu do cho, a criana caiu em casa. O complemento da frase do verbo cair, trs informao da ao de algum ou alguma coisa. O caiu, torna-se muito varivel na Lngua de Sinais, pois, necessita haver transformao em suas frases de acordo com cada contexto, isso porque o cair de uma moto, de um papel e de uma pessoa so totalmente diferentes na realidade, e na LIBRAS corresponder a um sinal diferenciado.76 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasVamos ver como ficaria em outro exemplo:Usando a palavra CORTAR, vem em nossa mente vrias frases que poderia encaixar esta palavra. vou cortar um papel, vou cortar uma rvore ou vou cortar o dedo, estas frases contm variantes de incorporao e argumentos.Vou lhe ajudar a ir mais longe, mas, preciso que voc aps esta leitura v aos recursos do vdeo.- Como voc cortaria um papel? Com tesoura ou com um estilete? - Vamos cortar uma rvore juntos? Com que voc gostaria de cortar?Certamente voc no cortaria da mesma forma que o papel, mas se voc pensou em cortar um tronco desta espessura com um estilete ou uma tesoura, precisar de bons anos para conseguir derrub-la.E o dedo, como seria uma ao do corte? Poderia ser com caco de vidro, gilete de barbear, uma faca e at mesmo com uma folha de papel, mas a ao no ser da mesma forma dos cortes acima e para cada corte h uma srie de feitio diferenciada e isso ter que ser passado ao surdo de forma clara e eficaz.FORMAES DE PALAVRAS POR DERIVAO E POR COMPOSIOLembrando que estamos falando da Lngua de Sinais, suas palavras por derivao so formadas atravs dos sinais e no pela escrita, e iremos observar que as primeiras palavras so constitudas 77Lngua Brasileira de Sinais - Librasa partir de seus radicais aos quais se ligam aos afixos ou morfemas gramaticais. Por este mtodo, vejamos como ficaria a ilustrao.NO QUERER derivado do QUERER pelo meio de afixo negativo, FEIOSO derivado do FEIO atravs da expresso facial, assim como FEINHO grau diminutivo utilizado pela adjuno da expresso facial. TENTAR AT CONSEGUIR explora o aspecto continuativo e derivao de TENTAR. O processo de composio pode ser tambm a unio de dois sinais simples para formar um sinal composto.O sinal de: Para Refletir Revendo a Incorporao de Argumento, traga para dentro da Libras situaes que provocariam diversas formas de expressar com as mos. Sem usar palavras verbais no diminutivo ou aumentativo, transforme sinais que voc j conhece de forma que a derivao e composio se altere.PAPEL HIGINICO(PAPEL + BANHEIRO)ALUNO: (PESSOA + ESTUDAR)ESCOLA necessita de uma adjuno (CASA + ESTUDAR).78 Lngua Brasileira de Sinais - Libras2.4 DIFERENAS BSICAS EM LIBRASPALAVRASSinais que utilizam a configurao das mos oriundos do alfabeto ou nmeros, ou seja, sinais com configurao em B, P, Y, 2, 5etc.Exemplo: configurao em D TODO DIA, DOMINGO, EU, DEUS, SILNCIOetc.Configurao de mo em 5 (QUINTA-FEIRA)Configurao de mo em L (ONTEM)As palavras devero ser feitos com a sua mo predomi-nante e que no tenha o Ponto de Articulao brao e mo.PALAVRAS SIMPLESPara as Palavras Simples, no h necessidade da Configu-rao da Mo ser oriundo do alfabeto ou dos nmeros, mas, de-vero ser feitos tambm com a sua mo predominante e no ter Ponto de Articulao brao e mo.79Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAs configuraes podero ser as seguintes:Exemplos: Perceba que a mo no tem uma configurao igual s letras do alfabeto ou dos nmeros.CAVALO PESSOA PINGA CACHAASAL80 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPALAVRAS COMPOSTASComo j vimos anteriormente no processo de formao de palavras por composio, as Palavras Compostas so combina-es de dois ou mais sinais onde iro formar a palavra.No podemos esquecer que a palavra composta na Lngua Portuguesa no interfere a Palavra composta da Lngua de Sinais, uma palavra simples em Portugus pode formar uma palavra composta em Lngua de Sinais, assim como, uma palavra com-posta no Portugus uma palavra simples na Lngua de Sinais, ento no h uma regra que relacione a Lngua de Sinais com a Lngua Portuguesa, temos que levar em conta a movimentao dos sinais, havendo mais de um sinal para uma palavra ela uma Palavra Composta.Vejamos os exemplos:COMER + NOITE (jantar) CASA + REMDIO (Farmcia)VENDER + CARNE (Aougueiro) TENDA + PALHAO (Circo) 81CAIXA + GUARDAR + GARFO + COISAS (Faqueiro)PALAVRAS DE DUAS CONFIGURAES DIFERENTESSo palavras realizadas com dois movimentos diferentes, ou seja, uma mo configurada no pode ter a mesma configura-o da outra mo. Utilizaremos movimentos com as duas mos e configuraes diferentes ou a mo predominante configurada sobre o brao como ponto de articulao.Para voc entender melhor, veja os exemplos:Mo predominante em F sobre a outra mo com outra configurao.(Frias)A mo predominante se movimenta de cima para baixo tendo como base o ante-brao.(banheiro)PALAVRAS DE MOVIMENTOS IGUAISPalavras com movimentos iguais so as palavras a quais podem ter dois ou mais movimentos iguais, ou seja, ser feito com as duas mos simultaneamente e com a mesma Configurao de Mo independente do movimento ou da orientao. Podemos falar que so sinais fceis de sinalizar e de visualizar, temos que lembrar que a mo predominante dever estar igual a outra mo Lngua Brasileira de Sinais - Libras82 Lngua Brasileira de Sinais - Librasque far o Ponto de Articulao. Ento se sua Mo pre-dominante est configurada em B, o Ponto de apoio dever tambm estar em B, B mo direita e B mo esquerda podemos formar o sinal de (CASA).Temos outros exemplos que podero ser teis para o seu aprendizado. NASCER QUERER PROIBIRPALAVRAS DE SENTIDOS E SINAIS DISTINTOSEstas palavras mantm a mesma escrita no Portugus, so Homnimos Homgrafos, isto , palavras que tm grafia igual e significado diferente e haver tambm sinais dspares, como por exemplo: MANGA (fruta) e MANGA (camisa); CANTAR (msica) e CANTAR (paquerar); CAIR do skate (verbo) e CAIR na gandaia (festa). Diante dos exemplos abaixo Podemos ver a Diferena: ESCOVA (dente)ESCOVA (cabelo)ESCOCOVA (dente)83Lngua Brasileira de Sinais - LibrasDICA: PALAVRAS DESSEMELHANTES NA GRAFIA E COM O MESMO SINALEstas palavras podero conter o mesmo sentido, mas sua escrita no Portugus ser diferente e ter o mesmo sinal na Lngua de Sinais. Resumindo, teremos o mesmo sinal para as palavras sinnimas.Para o sinal de TRISTE conforme o sinal na figura ao lado pode-se expressar tambm como: INFELIZ, ABATIDO, DEPRIMIDO, JURURU, MAGOADO, DESGOSTOetc.Alm de apenas visualizar o sinal, faa voc mesmo o sinal, repita seus sinnimos junta-mente com sinal por diversas vezes. Sempre que voc encontrar dificuldade em achar o sinal de uma palavra, procure o sinnimo dela, em Libras ter o mesmo efeito.Vejamos mais alguns exemplos:BANCO (agncia bancria)BANCO (assento) MEDO, RECEIO, TEMOR, AMENDRONTADO, ASCO.CALMO, PLCIDO, SERENO,TRANQUILO, SOSSEGADO.84 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasFRASES COM APENAS UM SINALSo frases que poderemos fazer com apenas um sinal. Este sinal ser relevante ao que o contexto condiz e ser acompanhada da expresso facial e ou corporal.Temos como exemplo vrias frases interrogativas:- Quantos anos voc tem?Sinal de IDADE + expresso interrogativa [?] (levante assobrancelhas e o queixo)- Onde voc mora? Sinal de CASA + expresso [?]- Qual o seu nome? Sinal de NOME + expresso [?]- Qual o seu sinal? Sinal de SINAL + expresso [?]DICA:No deixe de assistir os vdeos e reveja quantas vezes for necessrio, l voc ver diversos exemplos que poder lhe ajudar a aprender melhor. As anotaes de suas dvidas podero ser teis em sua monografia.Para Refletir Juntando todas estas diferenas em palavras, monte uma frase sua contendo pelo menos 3 tipos de palavras e destina ao AVA para discutirmos com os demais colegas.Lngua Brasileira de Sinais - Libras 85ResumoOs estudos lingsticos da Lngua Brasileira de Sinais proje-tam o conhecimento para diferenciar a Lngua de Sinais do Por-tugus, e compreendemos as estruturas dos sinais populares como os sinais icnicos e dos sinais arbitrrios que devero ter seus fundamentos estudados. As estruturas sub-lexicais e suas expresses trata a primeira parte terica da Lngua de Sinais obtendo 5 parmetros importantes na compreenso dos sinais, tendo como quinto elemento, a expresso corpo facial, um au-xlio a toda estrutura contextual da Libras. A morfologia e seus estudos internos determinam a estruturao das palavras quanto ao seu gnero, tempo, grau e negao determinando suas in-corporaes que conduz aos movimentos ideais. Observado as diferenas bsicas em Libras, conhecemos os diversos tipos de palavras dentro da Lngua Brasileira de Sinais, facilitando assim a compreenso da lngua.Parte IISURDEZ: INTERAO E IMPLICAES3 Surdez e InteraoNa unidade anterior, tivemos o embasamento da lngua de sinais, seus auxlios, dicas de como super-la e aprend-la. A partir de agora, iremos interagir conectando estas duas partes, pois uma no se faz sem a outra.Esta modalidade espao-visual , alm de gratificante, gostosa de aprender e comunicar.3.1 ASPECTOS COMUNICATIVOS CORPORAIS E CLASSIFICADORESA Comunicao Corporal um artifcio de interao com o qual compartilhamos mensagens, sentimentos, emoes e ideias, podendo influenciar o comportamento das pessoas que, por sua vez, reagiro a partir de suas crenas, valores, histria de vida e cultura.90 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasA comunicao servir para seu dia-a-dia desempenhando diversas atividades. Dentre elas, a sua funo como educador, colaborador ou intermediador, exigindo uma habilidade que ten-de a facilitar o alcance dos objetivos que passar a informao.Por considerarmos afirmativas essenciais para o aprimo-ramento profissional, a linguagem no-verbal ser um meio de interao que possibilitar ao surdo compreender seus efeitos e suas inmeras mensagens manifestadas corporalmente.ASPECTOS COMUNICATIVOS CORPORAISA linguagem corporal, atravs da Lngua de Sinais, tem um grande valor para a comunicao espao-visual e sempre dever ser inserida aos sinais destacando realidades e expresses diver-sas a fim de potencializar e auxiliar na clareza da contextualiza-o dos sinais.A voz do corpo (linguagem corporal) proporciona um su-primento eficaz, objetivo, assertivo e contribui para a clareza da mensagem, tornando-a real. O anseio positivo e o impacto facial e corporal so fundamentais em um contexto e podero ser uti-lizados a todo momento em uma interpretao, porm, devero ser adequados ao ambiente, ao momento e mensagem.Este tipo de linguagem aproxima o comunicador da Libras ao surdo, repassando qualquer sentimento e emoo positiva ou negativa. Ao recebermos um feedback positivo do surdo, conseguimos nos auto-analisar, com isso, ganhamos indiretamen-te um incentivo para continuarmos nos co-municando com as mos e com o corpo.Para voc manter um padro de exce-lncia em linguagem ou expresso corpo-ral, ter que entender e valorizar a forma de interao dos surdos.Falar com o corpo expressar sentimentos, emoes e transmitir mensagens, cujos significados so influenciados pelo 8 FEEDBACK: o retorno visual positivo ou negativo do espec-tador sobre o desem-penho da pessoa que passou a informao.91Lngua Brasileira de Sinais - Librascontexto. O conhecimento deste recurso um meio de ampliar a percepo de quem realmente precisa e mais um instrumento para melhorar a qualidade da conversao da Lngua de Sinais.IMPORTNCIA DA LINGUAGEM CORPORALVoc j deve estar cansado(a) de saber da importncia da expresso facio/corporal. Alm disso, importante que voc tambm tenha conhecimento da sua influncia e da maneira como empreg-la corretamente. preciso valoriz-la, observ-la e utiliz-la.Como profissionais que estaro em constante interao com outras pessoas, vocs devero se lembrar das diferentes crenas, valores e culturas que permeiam estas relaes e estar conscientes da influncia que sofremos e exercemos, mutua-mente, atravs da linguagem corporal. A trajetria da expresso corporal pode transformar as interaes em situaes de troca, que venham a ser enri-quecedoras para os envolvidos no processo de comunicao.A busca de uma soluo reflexiva que resgata e valoriza a Interpretao e a construo de seu conhecimento. Assim, a comunicao visual o instrumento mais importante do ser surdo. Somente com este tipo de comunicao ele pode perceber as mensagens implcitas. ou explcitas. FUNO DA LINGUAGEM CORPORALComo j disse no incio do captulo, a funo da linguagem corporal expressar, atravs do corpo, emoes, sentimentos, reaes de forma que os surdos consigam assimilar o sinal com a expresso, desempenhando um papel de suma importncia no contexto da comunicao.Ao observarmos o simples modo de se vestir das pessoas, de andar, de falar e promover atitudes diferenciadas saberemos se esto ou so alegres, tristes, cansadas ou oprimidas.92 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasMuitas vezes, a comunicao no-verbal modifica o significado da fala, ou seja, a mensagem verbal contrria ao que ex-presso pela comunicao corporal, mas se bem utilizada ser muito mais fcil o entendimento de seu aluno, paciente, cliente, amigo.EXPRESSO E MOVIMENTOAs expresses e movimentos do corpo so formas com-plexas de comunicao, interao e de manifesta sentimentos, vontades, emoes e exterioriza contedos.Leitor, as expresses no quadro a seguir so apenas indcios, e a linguagem corporal deve ser sempre interpretada dentro do contexto comunicativo.Expresses no verbais Possveis InterpretaesRoer unhas, esfregar as unhas Ansiedade, inseguranaParar com as mos na cintura Incompreenso, agressividadeLevantar o nariz e virar o rosto Superioridade, OrgulhosoCoar sobrancelhas, curvar o tronco Cansao, aborrecimentoBraos cruzados no peito DefensivaDedo indicador na fronte ou coar o queixo Avaliao, pensamento.Andar com as mos nos bolsos, olhando para baixoFalta de entusiasmo, desmotivado.Mos fechadas, rugir os dentes Frustrao, dio.Coar a testa, olhos fechados Avaliao negativaAndar de um lado para o outro Impacincia.Desviar o olhar Descon anaO movimento corporal se faz palavras para aqueles que esto atentos e envolvidos na comunicao. (CORRAZE, 1982, p. 37).93Lngua Brasileira de Sinais - LibrasA literatura em geral no conceitua especificamente a lin-guagem corporal, mas Corraze (1982, p. 37) adverte que quan-do se mostra a existncia de formas universais nas mensagens no-verbais, no se pode deixar de pensar que a cinsica9 s estuda uma parte delas. Isto , no processo de comunicao no-verbal, necessrio muito mais do que apenas a linguagem do corpo. H que se considerar o tom da voz, o espao utilizado, o toque e os fatores do ambiente inseridos em um determinado contexto. O signifi-cado atribudo vai depender de todos estes elementos interrelacionados.COMUNICAO E SURDEZA pessoa com surdez adquire sua linguagem corporal naturalmente. uma caracterstica prpria dos surdos, alm de adquiri-la tambm se ao relacionar com outras pessoas.Para Piaget, a linguagem um sistema para representar a realidade. ela que torna possvel a comunicao entre as pessoas, a transmisso de informao e a troca de experincia.Situaes espontneas de relacionamento entre pais, amigos, professores podem realizar estimulao e interao atravs da linguagem corporal, mantendo, assim, sua ateno e ajudando-os a se expressar por atitudes corporais e, sequen-cialmente, transforma-las em auxlio para os prprios sinais.A partir do momento em que uma pessoa com surdez percebe que suas expresses tomam um progresso e se tor-na necessidade para a comunicao diria, passa a espelhar involuntariamente todo seu estigma atravs de sua face, seus gestos e seu corpo, passando a explorar cada vez mais estes recursos.9 Cinsica: falar sem ser exclusivamente pela palavra oral.94 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPANTOMIMAMuitos confundem expresses corporais, expresses faciais, sinais, gestos e pantomima, dizendo que tudo faz parte da Lngua de Sinais.A pantomima na verdade um teatro gestual que utiliza o mnimo possvel de palavras oralizadas e faz um maior uso de gestos. uma artifcio de narrar com o corpo em modalidade cnica, excelente para comediantes, cmicos, atores, etc. uma representao praticamente universal entendida facilmente por todos.Esta modalidade no est ligada Lngua de Sinais, pois, costuma ser exagerada e chama muito a ateno de quem v, mas, pode ser um bom suporte para ajudar o surdo a se desprender da timidez e comear a fazer expresses de forma mais natural, uma vez que as expresses faciais e corporais so recursos mais difceis na comunicao da LibrasCLASSIFICADORESCom este recurso sim podemos falar que conseguiremos atingir a lngua de forma que os surdos de qualquer lugar do mundo compreendam a lngua.O classificador um feitio que estabelece um tipo de concordncia em que suas configuraes de mos se referem pessoa, animal e objetos e funcionam como marcadores de concordncia. Voc, aluno(a), j sabe que para a Lngua de Sinais a reproduo, a forma, a descrio, o movimento e sua relao espacial so essenciais, tornando mais intensos e perceptveis os significados do emitir.BRITO (1995, p. 103) diz que os classificadores funcionam como parte dos verbos em uma sentena, sendo chamados verbos de movimento ou de localizao, indicando o objeto que se move ou localizado.95Lngua Brasileira de Sinais - LibrasOs classificadores so representados por configuraes especficos de mos ligadas s expresses corpo/faciais, logo, nada tm em comum com mmicas.Os classificadores tornam mais vivo e compreensvel o sig-nificado do que se quer proferir representando por uma adjeti-vao descritiva, a qual atribui quanto ao seu tamanho, forma e espessura.Para classificadores de animal e pessoa poder haver singular sinalizando com apenas uma mo ou um dedo fazendo o movimento (UMA PESSOA CAMINHANDO) e no plural, marcado por duas ou mais pessoas ou animais simultaneamente com as duas mos ou com dois dedos (DOIS LEES ANDANDO), sequencialmente relacionando a forma de andar do animal.Os classificadores, na maioria das vezes, representam caractersticas fsicas do referente como o nosso prprio comportamento ou movimento, o que confere grande flexibi-lidade denotativa e conotativa aos sinais.Veja algumas frases que devem ser feitas de forma diferenciada devido a sua ao:- MARIA EDUARDA passou por PEDRO (representao de um dedo passando pelo outro dedo da outra mo).- PEGUEI UM PEQUENO DADO (voc ter que lembrar que o DADO pequeno e que voc pegaria com apenas dois dedos. Imagine voc pegando um dado. Esta forma o classificador de PEGAR DADO PEQUENO).96 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAgora imagine que voc ir pegar uma CAIXA GRANDE E PESADA. Como seria isso no real?No se deve confundir os classificadores com movimentos que representam iconicamente qualidades de objetos. Por exemplo, na frase: O casaco da minha me Lisa de bolinhas ou listrado? Estas expresses sero desenhadas no peito do sinaliza-dor, mas esta descrio no um classificador, e sim um adjetivo que, embora classifique, constitui apenas uma relao de quali-dade do objeto e no relao de concordncia de gnero.Para Refletir Cada animal tem seu jeito de andar, de chamar a ateno. Imagine o andar em uma ona e o andar de um elefante. So animais de estilos diferentes, portanto, o classificador do andar destes animais dever ter suas caractersticas e isso voc ter que passar ao surdo de forma visual.97Lngua Brasileira de Sinais - Libras3.2 INTERAO ARGUMENTATIVA COM ESTRUTURA DA SURDEZ E FAMLIA Este tema possui duas palavras-chave: interao e fam-lia. A famlia o principal ncleo social, nela que a primeira educao acontece. A famlia desempenha a responsabilidade de cuidar, promover a sade, o bem estar e dar proteo. Em famlia com membro surdo, acrescenta-se a isto a funo da aprendizagem de outra lngua, a Libras. por meio da interao que o ser humano se integra, participa, convive e se socializa. Nesse processo, a famlia aparece como grande responsvel, pois nela que se inicia a formao social de um ser humano. Para isso acontecer, neces-srio o estabelecimento de um canal de linguagem comum. Por outro lado, interao um elemento constituinte no processo de desenvolvimento cognitivo e aprendizagem, e surge interesse em torno da interao social que a descoberta.Com isso, tem-se uma renovao em torno da interao social considerando o surdo no s como mero receptor passivo, mas tambm como algum com um papel mais ativo com sua lngua, sendo agente construtivo independente de seus mediadores. A partir da, comea a se expandir a viso de que o surdo capaz.O maior problema da interao entre a famlia e o surdo a comunicao, pois atravs dela que conseguimos nos adapta ao meio em que vivemos. necessrio que os pais saibam como lidar com esse fato e compartilhem suas inquietaes com outras famlias ou at mesmo que busquem uma associao de surdos, pois l encon-traro outras pessoas que passam pela mesma situao.Conscienciosos ou inconscientemente, h pais que tendem a negar a existncia da surdez de seu filho. Pensam que se trata de uma situao transitria, que a criana vai acabar superando. Recorrem, por isso, a novos diagnsticos e a diferentes especialistas, com a 98 Lngua Brasileira de Sinais - Librasfinalidade de conseguirem uma informao positiva ou garantias de cura para um futuro prximo. Este posicionamento evita tambm ter que adotar um estilo comunicativo e interativo diferente. J que a criana no vai ser surda, no necessrio pensar que sua linguagem ou educao vo ser diferentes das de seus irmos ou das outras de crianas de sua idade. Quando uma criana surda nasce, seus pais ou res-ponsveis sentem-se impossibilitados de agir nor-malmente com ela. Apresentam-se fragilizados nos primeiros tempos, encontram inmeras dificuldades sua frente e, quase sempre, alteram seus planos de vida em funo desta nova situao. Os encar-gos e as responsabilidades normais de uma famlia ficam modificados e exagerados com a chegada de uma criana diferente. (STELLING, 1996, p. 34).O INCIO DA ESCOLARIZAO E O PAPEL DA FAMLIA Aps a famlia passar por este processo de impacto, comea a questionar o que a escola pode oferecer ao filho. A criana e a famlia tero que se adaptar novanebte. Esta nova adptao se dar agora, no mundo da escolarizao. L ela busca a segunda educao, formulada atravs de regras imposta para que possa ser includa na sociedade. Nesta etapa, compete aos pais possibilitar segurana, carinho e comunicao com a criana surda.A incluso da criana surda na escola visa favorecer oportunidades para que ela possa se desenvolver, adquirindo meios culturais e entrosamento na sociedade construindo sua prpria subjetividade, ter recursos para sua insero no processo lingustico, trocando ideias, sentimentos, compreendendo o que se passa em seu meio e adquirindo, ento, novas concepes de mundo, dando incio aquisio de uma lngua.A famlia dever saber que precisar tambm desenvolver a lngua de seu filho pelo meio corporal, gestual e at por meio das palavras. Simultaneamente, dever agir normalmente com a criana comunicando o tempo todo como se fosse um filho ouvinte antes de aprender a falar, fazendo suas perguntas e respondendo o que for solicitado e tambm cantando e contando historinhas infantis.99Lngua Brasileira de Sinais - LibrasComo incio ao atendimento educacional e a integrao da famlia, a criana certamente ser includa em todos os as-pectos tendo o direito comum de participar de todos os processos educacionais.A continuidade da escolarizao visa a oferecer criana surda as mesmas chances que so ofereci-das s outras crianas no que diz respeito ao exer-ccio efetivo de sua cidadania, para que possa se desenvolver como pessoa, adquirir meios culturais para se posicionar na comunidade e para adqui-rir habilidades para o seu entrosamento eficiente e produtivo na sociedade. (BRASIL, 1994, p. 134).PERSPECTIVAS DA FAMLIAAs famlias vm compreendendo mudanas que acarretam na exigncia de servios de qualidade na educao para seus fi-lhos surdos, pois, por vrios anos essas famlias se viram sem voz aguardando que outros determinassem sobre o futuro educacio-nal de seus filhos sem saber qual seriam a melhoria e a qualidade.Os pais que descobrem a surdez de seu filho tardiamente no conseguem oferecer ou no sabem onde procurar auxlios benficos. Assim, estimam solues de desenvolvimento inte-lectual e social ao filho atravs de terapias fonolgicas, psicol-gicas, cursos de apoio, escolas e tarefas, tudo simultaneamente. Ao perceberem resultados insatisfatrios, reconhecem que tudo no passou de um tiro no escuro, seu filho no conseguiu apri-morar nenhum dos objetivos traados e, a partir deste momento, passa a buscar apoio com profissionais capacitados e associaes. Os pais devem se render e optar por apenas uma direo, a di-reo que dever ser tomada desde o princpio escolar que mant-los em escola regular e na alfabetizao em Libras, assim, o resultado se consegue em menos tempo. Os pais devem dar liberdade de autoescolha, o surdo deve ter uma vida social como a dos ouvintes.Quanto mais confortveis todos os membros da famlia estejam com a surdez, melhor (LUALDI apud HOFFMEISTER, 1999, p. 128).100 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasA construo no ambiente escolar permeia perspectivas boas s famlias dos surdos de tal modo que geral as decises esto sendo cada vez mais cedo e acabam contribuindo direta-mente em bons frutos a seus filhos.Um dos direitos adquiridos pelas pessoas surdas o direito a incluso e no h mais fora de lei que obrigue a famlia a optar pelo que no deseje apenas isso: um direito. O prazer a ser includo em todos os espaos sociais.METODOLOGIA DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL AO SURDO Como j visto, a famlia deve participar do processo educacional do seu filho surdo, desde a fase inicial, e, para um bom desenvolvimento e atendimento, a escola deve deixar a par seus professores e todo corpo institucional para que possam ter um atendimento especializado. E este atendimento especializado no mais pode ser visto como um sistema paralelo educao geral mas que dela faa parte como um conjunto de recursos pe-daggicos e de servio de apoio, que facilitem a aprendizagem de todos esses alunos.O atendimento educacional dever seguir alguns programas para incentivar e capacitar o aluno surdo para a obteno melhores resultados. ENVOLVIMENTO PRECOCEO envolvimento precoce10 deve acontecer inicialmente em casa com os pais e, posteriormente, na escola, onde ir realizar atividades com objetivos de alcanar a ludicidade, a afetividade, a naturalidade e o cotidiano. 10 Estimulao precoce: um conjun-to de atividades vol-tadas para capacitar crianas de 0 a 3 anos de idade. REZENDE (2007)101Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAtuar com benevolncia e naturalidade por meio de brincadeiras que possam levar interao, que fundamental para o xito do trabalho construindo vnculo e tomando estratgias que motivem a realizar tarefas.ESTIMULAO ESPECFICAVisa ao desenvolvimento da lngua, com atividades que levam ampliao dos campos da surdez afetando e constituindo uma prtica para evitar que ela acarrete outros problemas.Em conjectura, acarreta:Estimulao para aquisio da Lngua de Sinais;Estimulao e treinamento auditivos e vocacionais;Estimulao da leitura orofacial.DISPOSIO PSICOMOTORAEste acondicionamento proporciona a capacidade motriz, expressiva e criativa de um surdo a partir do movimento corpo-ral, obtendo percepes motoras e capacidades de atuar e agir consigo mesmo toda informao que explora o ambiente fsico e humano e passa assim a conhecer e explorar o caminho que visa equilbrio e controle motor.ENVOLTURA LINGUSTICAConsiste em aplicar mtodos e tcnicas para a aquisio e o uso da Lngua de Sinais como elemento principal para a comu-nicao, fazendo com que o surdo participe do social com uma linguagem formal e oficial pressupondo atitudes de reciprocidade e evoluo no processo de incluso dando-lhes condies de uma vida diria com argumentos, decises e respeito.102 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasNo podendo consertar a surdez, desligam-se, acomodam-se e transferem suas responsabilidades para terceiros, principalmente par aos profissionais, pois se consideram incapazes para o grande desa-fio de educar um filho diferente, de uma maneira diferente, numa lngua tambm diferente. comum constatarmos pais que fingem ver a surdez do filho, at porque a surdez no visvel fisicamente. Des-te modo, no cumprem o seu papel, no definem sua funo, e depositam suas expectativas de sucesso na escola e/ou na clnica, delegando po-deres a outras pessoas. (STELLING, 1996, p. 67).Na aquisio da leitura e da escrita, as crianas surdas passam por diferentes nveis de aprendizado, escrevendo e arquitetando hipteses de significao que parecem ser reais. Entretanto, os surdos estabelecem primeiramente noes visuais, que do sentido escrita. A Lngua de Sinais diferencia-se das outras lnguas por utilizar a modalidade visual-espacial, que propicia a descoberta da textualidade em produes com os sinais e no com a escrita.Reconhecemos que a participao da famlia ouvinte/surda na educao dos sujeitos surdos fundamental para o cresci-mento cognitivo e psicossocial da criana surda.Em uma famlia que recebe uma pessoa surda, a comunicao no pode ser diferente. Deve haver discusses e dilogos para que os envolvidos possam crescer e compreender o mundo. Desta forma, a comunicao entre a famlia ouvinte e o surdo deve se processar levando-se em considerao a Libras e, alm de mergulhar nessa linguagem, tambm devem fazer das suas casas um ponto de encontro e aprendizagem da Libras.Atualmente, existem diversas possibilidades de crescimento e informaes para as famlias tratarem a situao da surdez com mais naturalidade e um dos ganhos a regulamentao da lei 10436. Com essa lei, os profissionais que esto entrando nas universidades tero maiores capacidades no atendimento e educao dos surdos.103Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPara Refletir Que estratgicas devem ser usadas para estimular um surdo precocemente nas atividades sociais? Voc est preparado(a) para receber um aluno, cliente, paciente e at mesmo um(a) filho(a) surdo(a)?3.3 INTERAO ATRAVS DA LNGUA DE SINAISAs Lnguas de Sinais tm sido pesquisadas e abrigadas na maioria dos pases. O seu uso est espalhado pela nossa nao, seja na educao, servios ou interao social.Todos tem a oportunidade para o desenvolvi-mento lingstico natural, educao de boa quali-dade e educao contnua durante a vida toda. Os pases que antes ignoravam a lngua de sinais esto avanando rapidamente na sua pesquisa e docu-mentao e na criao de legislao que garante o uso desta lngua nativa. (MOURA, 2008, p. 115). Interagir ou comunicar importante e indispensvel para qualquer ser humano. Tanto os homens quanto, os animais usam a comunicao para interagirem. O surdo adquire sua linguagem ao ligar a experincia que est vivendo com a verbalizao e ou sinais que ela observa em outra pessoa (pai, me, colega, professores, etc.), bem como ao relacionar o que est sendo falado pelo outro com suas prprias experincias e tambm ao comunicar seus pensamentos de forma oral, escrita ou com sinais.A difuso de informaes e a troca de experincias tornam possvel a comunicao entre duas ou mais pessoas.104 Lngua Brasileira de Sinais - Libras Quando algum como voc tem alguma experincia de vida e at mesmo as crianas, h sempre excelentes ocasies para conversar das coisas que esto acontecendo, do que esto vendo, ouvindo e de outros momentos que nos leva ao prazer de conversar, bater papo, fofocar, brincar e contar piadas, mas, no pela falta de uma lngua oralizada, do som da voz que deve-mos excluir, omitir ou deixar de repassar ou receber estes tipos de informaes. Com a Lngua de Sinais, podemos realizar essas comunicaes com os mesmo detalhes de uma lngua oralizada.A interao junto Lngua de Sinais se faz indispensvel criana ou a qualquer outra pessoa surda e devemos de alguma forma motivar sempre a aprendizagem e a interao com essa lngua.Em diversas circunstncias, pessoa que convivem com sur-dos tm algumas atitudes imprprias em relao a como interagir com eles. Isso acontece naturalmente sem ao menos percebermos, mas, devemos tratar estes desconfortos para desenvolvermos uma satisfatria interao. E para que isso no acontea, deve-se tomar os seguintes cuidados:- acredite e nunca desconfie das condies de plena com-preenso da mensagem;- deposite sua prpria confiana que ir conseguir interagir com o surdo;- aja com naturalidade em todos os aspectos de interao e informao;Lembre-se, na hora que estiver interagindo com um surdo, no mencione surdo-mudo.DICA:105Lngua Brasileira de Sinais - Libras- ao interagir com os surdos, no vire o rosto, eles tambm se comunicam olhando para os olhos ou utilizam a leitura labial;- no deixe passar batido frases que voc no entendeu, muita gente acaba fazendo a expresso de sim com a cabea como se estivesse entendendo e, na verdade, no com-preendeu nada. Se houve dvida ou no entendeu diga para repetir at entender o contexto;- no superproteja os surdos. Elas so pessoas capazes e sabem se virar para interagir;- no se utilize de frases Pergunta pra ele se..., dirigindo-se ao Intrprete. Sempre que estiver interagindo com o surdo fale diretamente para ele, mesmo que ele tenha intrprete;- quando estiver conversando com um surdo oralizado, pronuncie bem as palavras sem exageros.Neste exemplo, podemos verifi-car que possvel ler sem problemas o texto, pois estamos associando a ima-gem da palavra (imagem mnemnica11) e no a associao da fontica. Esta SEUGNDO AS PESQIUASS, NO IPMOTRA A ODREM DAS LERTAS DE UMA PALARVA DSEDE QUE A PIRMIERA E A TLIMA LERTA ESTAJEM NO LGUAR COERRTO.ITSO SE DVEE AO FTAO DE QUE A MNETE HUAMNA NO L CDAA LERTA SEPRADAMEANTE E SIM A PAVALRA CMOO UM TDOO.11 Imagem Mne-mnica: uma imagem contida na memria por uma recordao.106 Lngua Brasileira de Sinais - Librasuma pequena demonstrao de que a interao s vezes no depende sempre de processos cheios de regras. Voc poder interagir na hora e no momento que desejar com qualquer surdo. Seu nervosismo de achar que no ir conseguir dever ser deixado de lado e partir pro abrao.Moura (2008) apresenta uma viso cujo desejo que seja alcanada at 2020, quais sejam:- direitos humanos completos [...];- acesso pleno comunicao, lngua e informao;- educao de qualidade, com educadores surdos fluentes na lngua de sinais, acesso ao ensino superior e programas de educao para adultos ao longo da vida;- respeito total e amplo uso da lngua de sinais por pessoas no-surdas;- diversidade nos atendimentos pblicos [...];- interao livre graas disponibilidade de intrpretes e tecnologias da informtica;- Nada sobre ns sem ns ser a norma;- reconhecimento da lngua de sinais e dos direitos lingus-ticos em pleno vigor;- os surdos em pases em desenvolvimento, as mulheres e os jovens, bem como outros grupos vulnerveis tero avanado significativamente, atingido a igualdade e a qualidade de vida.At que a viso de Moura seja alcanada, temos que inte-ragir com qualquer pessoa independente da forma de comuni-cao. Comunicar e interagir faz parte da natureza humana e sucessvel ao passar dos anos.107Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPara uma criana obter uma interao, (LENNEBERG apud HONORA, s/d, p. 37-38) descreve um gradual desenvolvimento onde as crianas alcanam funes sociais importantes tendo uma sequncia fixa e em idades cronolgicas relativamente constantes. Veja a evoluo da interao de uma criana quanto s funes bsicas da linguagem.Idadeaproximada Funes sociais e lingusticas bsicasNascimentoConforto pelo som da voz humana; as expresses comuns representam choro por desconforto e fome.6 semanas Resposta voz humana, emisso de sons de prazer e choro para conseguir ajuda.2 meses Comea a distinguir diferentes sons de fala.3 mesesDireciona o olhar para o local de onde desponta o som, emite respostas vocais fala de outros e comea a balbuciar ou controlar sons silbicos com ritmo.4 meses Comea a variar o tom das vocalizaes e imita sons.6 meses Comea a imitar sons feitos por outras pessoas.9 mesesComea a transmitir signi cado pela entonao, usando padres que se assemelham s entonaes dos adultos.12 mesesComea a desenvolver um vocabulrio. Um beb com 12 meses de idade possui vocabulrio de 5 a 10 palavras que ir dobrar nos prximos 6 meses.36 meses O vocabulrio pode chegar entre 900 e 1000 palavras; faz sentenas simples.4 anosPossui um vocabulrio de mais de 1500 palavras, faz muitas perguntas e suas sentenas cam complexas.6 anos Compreende de 20 mil a 24 mil palavras.108 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAs situaes vistas no quadro se referem a uma criana ouvinte num ambiente familiar. Mas, com a falta de audio, con-veniente impor precocemente situaes ldicas que produzam rudos e vibraes com cores e movimentos. Deve-se lembrar sempre que a utilizao de mtodos visuais como fotos, figuras de jornais, palavras com sinais e o incentivo so essenciais ao surdo para assegurar sua ateno.Envolver a interao da pessoa surda no mundo da comu-nicao e da tecnologia no impossvel, h diversos instru-mentos de entretenimento no mundo visual, perceptvel e vibra-trio, conheam:Telefone CelularMuita gente pensa: O que um surdo vai fazer com um celular? Hoje, os celulares so de baterias com vibra call, ou seja, o celular vibra e com isso o portador sabe o momento que o telefone est em chamada. Os surdos utilizam o celular para enviar e receber mensagens, usam como desper-tador, agenda, entre outros. InternetA internet tem sido um dos meios mais utilizados no s pelos ouvintes. Os surdos tm se especializado cada vez mais para buscar seu aprimoramento e assim se utilizam todas as ferramentas nela existentes para a comunicao como: e-mail, msn, chats, sites de relacionamento, pesquisa e estudos.TDD (telecommunications device for the deaf)Telefone para surdos, denominado como TTS (Terminal Telefnico para Surdos), um equipamento de comunicao telefnica 109Lngua Brasileira de Sinais - Librasatravs do qual os surdos se comunicam com outras pessoas escrevendo suas mensagens em um teclado e visualizando em um display as mensagens que lhes so enviadas. O produto usa tecnologia brasileira com o objetivo de quebrar as barreiras de comunicao. Quando um surdo quer falar com algum ouvinte que no possui o TTD, ele liga para a central da operadora e a atendente faz a intermediao entre o surdo e o ouvinte e vice- versa. um mtodo simples e funcional. Na vdeo-aula, voc ver como funciona o TDD e onde encontr-los.Closed Caption ou legenda oculta um sistema de transmisso de le-gendas via sinal de televiso. Essas legen-das podem ser reproduzidas por um te-levisor que possua funo para tal, e tem como objetivo permitir que os surdos possam acompanhar os programas transmitidos. As legendas ficam ocultas at que o usurio do aparelho acione a funo na televiso atravs de um menu ou de uma tecla especfica. A legenda oculta descreve alm das falas dos atores ou apresentadores qualquer outro som presente na cena: palmas, passos, troves, msica, risos, etc. Janela de IntrpreteA janela no acontece em to-dos os programas e nem em todas as emissoras. A janela de Intrprete uma janela que fica ao canto inferior do televi-sor em que um profissional faz toda a interpretao do progra-ma ou parte dele.110 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasEscritaA escrita considerada um eficiente recurso, utilizada na interao entre um sur-do e um ouvinte tendo aproveitamento ma-nuscrito e visual. Podemos dizer que a escrita envolve tambm o desenho. Muitos surdos que no so alfabetizados e no so sinalizadores, utilizam-se de desenhos e formas para se comuni-car e entender a pessoa com quem gostaria de manter o acesso e a informao.Dispositivo luminoso um dispositivo utilizado em residncias de pessoas surdas. So usados nos telefones e campainha. Sua instalao depende de um profissional qualificado e experiente, pois, os fios da cam-painha e do telefone so ligados diretos nas lmpadas de todos os cmodos da casa, inclusive no banheiro. Quando o dispositivo da campainha acionado, ele faz com que as luzes pisquem e apaguem; j as luzes do telefone ficam piscando at que ele seja atendido. Outro mtodo se d pelo uso das cores das luzes. Geral-mente a campainha pisca uma luz branca e o telefone pisca uma luz amarela por um determinado tempo. Sinal PrprioQuando conhecemos algum, logo falamos seu nome ou se no conhecemos, perguntamos como se chama. O sinal pr-prio serve para que, todas as vezes que quisermos nos referir quela pessoa, tenhamos um signo, um batismo que nos repre-senta. O nome que estamos falando o que na Lngua Brasileira de Sinais denominamos de sinal pessoal. Assim, aps obter o sinal prprio, d-se incio participao na comunidade surda. O sinal do nome se trata de uma marca, um trao ou persona-lidade da pessoa.111Lngua Brasileira de Sinais - LibrasDia do SurdoEm 26 de setembro comemorado o Dia Nacional do Surdo, data em que so relembradas as lutas histricas por melhores condies de vida, trabalho, educao, sade, dignidade e cidadania e tambm pela inaugurao da primeira escola para Surdos no pas em 1857. Enquanto isso, a Federao Mundial dos Surdos celebra o Dia do Surdo no dia 30 de setembro.Para Refletir So diversas as formas de comunicao e interao com o surdo. Com a incluso estampada por todos os lugares e obrigatria em todas as empresas de atendimento ao pblico, ser que estamos preparados para receber e interagir com os surdos?3.4 SURDEZ, SOCIEDADE EM SEU PROCESSO DE INCLUSOOs processos psicossociais enfatizando a incluso de surdos um assunto muito complexo, sua situao depende da reali-dade de cada centro, estado ou regio. Para analisar cada fato preciso conhecer o surdo e sua vida cotidiana dentro das prticas de uma questo sociocultural. A incluso social tem oferecido aos surdos oportunidades de participarem de todos os sistemas governamentais, e estas oportunidades possibilitam a descoberta de situaes fascinantes e geram tambm a desconfiana e incertezas de normas constantes.H uma distino de fatores e conhecimentos quando se fala de incluso de surdos, alm de sua diversidade (lngua, cul-tura, tradies etc.). Na incluso, alguns fatores primordiais favo-recem o surdo e um deles a valorizao de sua cultura e comu-nicao espao/visual que os elevam no sentido de compreender o universo em seu entorno, construindo uma experincia visual.112 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasA Lngua de Sinais no deve ser encarada como instrumento de incluso, mas sim de valorizao da cultura surda, aceitando sua lngua oficial.Favorecer o aprendizado do indivduo surdo utilizando a Lngua de Sinais ter certeza de que ele adquirir o conhecimento. Com isso pode-se citar o livro O vo da gaivota da autora surda Emmanuelle Laborit (1996, p. 61):Utilizo a lngua dos ouvintes, minha segunda lngua, para expressar minha certeza absoluta de que a Lngua de Sinais nossa primeira Lngua, aquela que nos permite ser seres humanos comuni-cadores. Para dizer, tambm, que nada deve ser recusado aos Surdos, que todas as linguagens podem ser utilizadas, a fim de se ter acesso vida.A sociedade no composta somente de pessoas que ou-vem e, assim, a incluso um tremendo benefcio para inverter papis e trocar experincias aprendendo e cultivando novas ln-guas. Essa troca pode levar a uma maior integrao e incluso social. O surdo, ao se ver valorizado e respeitado em sua ca-racterstica, pode ampliar o interesse pelo aprendizado da lngua oral portuguesa, a qual, hoje, no uma obrigao legal para pessoas surdas. As frases nas mos no apenas substituem a forma grfica da lngua portuguesa, elas tambm repassam sentimentos. H tempos, os surdos eram obrigados a aprender a oralizao para se incluirem na sociedade. Talvez fosse mesmo o melhor meio para enriquecer as relaes entre os pais e famlia.INCLUSO DOS SURDOS NA ESCOLAAtualmente, no Brasil, a incluso dos surdos nas escolas, est sendo um desafio. Temos vistos, em diversas escolas regulares surdos que chegam at a escola e at mesmo s sries finais sem saber ao menos sua lngua materna enquadrando-se aos verda-deiros excludos, pois, no entendem a oralizao dos professores 113Lngua Brasileira de Sinais - Librase pouco tambm entendem sua prpria lngua. Da surge muitas aflies e questionamentos. Em cursos de capacitao em Libras oferecidos pelos governos, fala-se em interpretao e expresso dentro da sala de aula independente de os surdos saberem ou no Lngua de Sinais. Tudo bem, realidade de grandes centros referenciais em Libras esto adaptados e acostumados em a receberem alunos de nveis elevados de entendimento inter-pretativo. Mas, o que fazer com os alunos de interior, indepen-dente do estado, e que no tm apoio desde a infncia? Incluso escolar dos surdos requer uma boa elaborao tanto para o aluno quanto para a escola. Assim, ambos se sentiro aptos a participarem deste processo.As Diretrizes Nacionais para Educao Especial na Educa-o Bsica (BRASIL, 2001 apud GLAT, 2007, p. 31):Todos alunos, em determinado momento de sua vida escolar, podem apresentar necessidades edu-cacionais, e seus professores, em geral, conhecem diferentes estratgias para dar respostas a elas. No entanto, existem necessidades educacionais que requerem da escola uma srie de cursos e apoios de carter mais especializado, que proporcionem ao aluno meio para acesso ao currculo. Essas so as chamadas necessidades educacionais especiais. [...], trata-se de um conceito amplo: em vez de fo-calizar a deficincia da pessoa, enfatiza o ensino e a escola, bem como as formas e as condies de aprendizagem; em vez de procurar, no aluno, a ori-gem de um problema, definiu-se pelo tipo de res-posta educativa e de recursos e apoios que a escola deve proporcionar-lhe para que obtenha sucesso escolar; por fim, em vez de pressupor que o alu-no deva ajustar-se a padres de normalidade para aprender, aponta para a escola o desafio de ajus-tar-se para atender diversidade de seus alunos.Muitos acham que incluir apenas colocar o aluno surdo na sala de aula. O trabalho longo, constante e necessita da participao de todos do ambiente para garantir a incluso.114 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasOuve-se muito: Nem eu e nem a escola estamos preparados para receber os surdos aqui. No tenho obrigao de traba-lhar com os surdos porque o governo no dispe de meios para atendimento. Estes comentrios no so isolados, acontecem e acontecero em vrios lugares e com diversos profissionais e, quem fala, esquece que a escola tem o Intrprete e que a ela dis-ponibilizou sim de um meio para intermediar os professores. preciso apaziguar esta amargura, este desconforto e esta insegurana, pois, a incluso depende dos professores e, que-rendo ou no, vem tambm testar o potencial dos profissionais, aonde eles podem chegar, atropelando algumas etapas. preciso que os professores se incluam no ensino aprendizado da Libras e incluam os surdos em suas salas de aula.O primeiro passo est dado, e agora?Qual a capacidade de aprendizado dos surdos?Estas crianas tm entrado na escola achando que sabem Libras porque j conhecem o alfabeto e pensam que sabem ora-lizao porque sabem se comunicar em casa. A realidade essa e no sei falar se est havendo a incluso ou se esto querendo fazer a incluso. Ensinar a alfabetizao de Libras e Portugus ao mesmo tempo uma prtica confusa e desastrosa, assim como, tentar ensinar para diversos surdos com nveis diferentes. O apoio que deveria ser inclusivo e eficiente passa a ser uma tentativa de aquisio lenta. Alunos surdos com idades mais avanadas tm um aprendizado inferior tanto na Libras quanto no portugus, mas tm maior interesse em aprender. Os mais novos aprendem, mostram interesse em adquirir conhecimento e preferem a sua lngua natural como referencial. J os que intercalam as idades esto na fase mais confusa, pois, j adquiriram anteriormente o ensino atravs da oralizao sem conhecer o portugus ou a Lngua de sinais e acabam utilizando o bimodalismo.115Lngua Brasileira de Sinais - LibrasLaborrit (2006, p. 23) deixa claro o que uma incluso de surdo. A frase dele foi muito feliz: Quando eu aceito a lngua de outra pessoa eu aceitei a pessoa [...] Quando eu rejeito a lngua, eu rejeitei a pessoa porque a lngua parte de ns mesmos [...] Quando eu aceito a Lngua de Sinais, eu aceito o Surdo, e importante ter sempre em mente que o Surdo tem o direito de ser Surdo.Diversas so as dificuldades e problemas encontrados por todos no processo de incluso, mas, tentar facilitar a incluso dos surdos no social dever de todos ns.Grande parcela da populao de pessoas surdas vive ainda no contexto limitado. As barreiras sociais lhes impem restries ao exerccio da cidadania plena, de uma vida digna, participativa. A realidade social necessita dos esforos da famlia, dos governos, da sociedade em geral, no sentido de promover a melhoria de vida de toda a coletividade de forma igualitria e democrtica.A garantia do conhecimento da Libras na formao de profissionais aprova a construo de uma sociedade para todos, ajustada no princpio da incluso, sugerindo preparao e apren-dizagem, atentas s diversidades lingusticas que encontraremos.As discusses hoje existentes sobre pessoas com necessi-dades educacionais especiais pautam-se no desenvolvimento de aes educativas assentadas nos pressupostos de uma educao inclusiva, sugerindo a formao de um profissional cujo perfil de atuao seja compatvel com a necessidade apontada.A incluso representa, portanto, um grande desafio para as escolas adotando um modelo com nfase na aprendizagem e no apenas no ensino. O princpio fundamental da escola inclusiva o de que os alunos, sempre que possvel, devem aprender juntos independentemente de suas dificuldades ou diferenas. A ideia que as escolas devem adequar-se ao social, ao emocional e ao lingustica.116 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAs dificuldades se daro em funo do despreparo dos educadores atuantes no ensino inicial. Por isso, hoje, voc est se capacitando para que no futuro no tenhamos mais surdos com dificuldade de aprendizado e comunicao. Voc ir inclu-lo e estar se incluindo ao mundo do silncio.Incluso e o Papel do ProfissionalEste termo incluso, tanto lido aqui como escutado no dia-a-dia, ir permutar por, vrios autores e at mesmo por vrias outras vezes neste livro. Mas esta palavra e sua ao estaro ligadas diretamente a voc, compartilhando com diversos segui-mentos da sociedade nos inmeros servios na rea da sade e educao.Apesar de toda discriminao, o surdo est includo em uma sociedade cheio de pesares, mas, est em meio a uma nao alegre, que dar auxlio para sobrevivncia e desenvol-vimento dos surdos. Muitas das vezes os prprios surdos so preconceituosos, e o papel do profissional tambm fazer com que o surdo se inclua, ou seja, passe a aceitar seus familiares, seus professores, seus amigos, algum que lhe oriente como lidar com um ser to excludente.Os profissionais comprometidos com a proposta da inclu-so devem acreditar no potencial, no desempenho e no que os surdos so capazes de fazer.Uma pessoa quando abarcada no programa de incluso no deve ser classificado como coitado, deve ser tratado com a viso de garantir acesso e a participao ativa, cobrando normalmente suas tarefas e deveres em cima das possibilidades de empenho e produtividade.Os colaboradores surdos devero ser percebidos como sujeitos que tm diferena e no deficincia. O fato de no ouvir no significa que no pode ou no consegue. preciso considerar sua cultura, suas possibilidades e suas capacidades.117Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPara este processo seguir conforme esperamos, voc deve refletir acerca da importncia do papel do profissional como agente intercessor na incluso do surdo no mercado de trabalho, aprendendo e proporcionando diversidade, experincia e motivao.De acordo com as concepes do Projeto Incluir, busco sugerir possibilidades de acesso e permanncia dos surdos em ambientes distintos, sem que sejam exclusas adotando como fator importante o papel do profissional.Conhea o que pode inserir os surdos na sociedade com a colaborao de um profissional:- planejar os passos do surdo atravs de reforos negati-vos ou positivos, desenvolvendo do mais simples para o mais difcil com mtodos repetitivos criando experincia e baseando-se em resultados apresentados;- facilitar o aprendizado fundamentando na imaturidade;- possibilitar dilogos nas duas lnguas (portugus e Libras), envolvendo a compreenso e aceitao, assim, inovando dilogos e tolerando erros;- compartilhar conhecimentos especficos para desenvolver processos distintos e interdependentes. O processo de incluso consiste em crescer envolvendo quem inclui e quem includo.Diante destas concepes, permita o avano na perspectiva do acolhimento e da diferena, propiciando o alargamento nas trocas de conhecimentos e na formao humana. 118 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPara Refletir Na prtica cotidiana, todas as caractersticas da incluso aqui expostas so levadas em considerao? possvel desenvolver potencialidades das pessoas com surdez no contexto social?ResumoA surdez em seus aspectos comunicativos e interao, prepara artifcios para comunicao corporal. Esta comunicao uma das mais importantes dentro da Libras, pois, facilita a compreen-so e assessora os sinais em um contexto, assim como os classi-ficadores, que so marcadores de concordncia, nos trs o real. A estrutura e apoio familiares so essenciais vida de qualquer pessoa, principalmente no lar que acaba de receber um surdo. A barreira existente na comunicao pode atrasar todo o processo de escolarizao e desenvolvimento lingustico neste novo mem-bro e, nesse sentido, novas perspectivas vm sendo criadas para combater o paradigma da excluso at atingir a aceitao e inte-rao perfeitas. A incluso um fato muito comentado nos dias de hoje e vem favorecer os surdos dentro da sociedade, pois, possibilita facilidades para entrar no mundo do aprendizado de forma total e incondicional.Lngua de Sinais: Saberes e Fazeres 4Neste tema voc ver de forma prtica como se comunicar e trabalhar com um surdo. Portanto, prepare sua criatividade e faa parte destes saberes e fazeres. 4.1 ASPECTOS PEDAGGICOS EM SUAS POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DE ENSINO-APRENDIZAGEMO surdo se utiliza principalmente da viso em sua interao com o meio comunicativo e de aprendizagem. Para o surdo, a Lngua de Sinais primordial, por isso encontrar em algumas bibliografias a referncia de L1 (primeira lngua) que a LS (Ln-gua de Sinais) que totalmente visual-espacial e L2 que a Ln-gua oral-auditiva. Para o aprendiz surdo o processo o mesmo da alfabeti-zao em portugus, o que se alteram so as nfases dadas aos modelos e figuras.120 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasO indivduo surdo possui algumas caractersticas que podem afetar ou dificultar a aprendizagem, mas, na falta da audio, a vibrao e a viso acabam suprindo as informaes recebidas.Uma rica imagem permanece mais tempo viva na memria do que uma extensa explicao. A comunicao visual especfica mantm por mais tempo a ateno do surdo.Imagens ilustradas ou reais so de grande importncia para o aprendizado e no desenvolvimento de prticas tendo a funo de instrumentar o crescimento dos alunos surdos. O visual, tanto na representao abstrata quanto na figurativa tem o potencial de ser aplicado como recurso na transmisso de conhecimento e no desenvolvimento do raciocnio. Para o aprendizado de uma criana surda, alm da parte visual, de grande importncia que eles participem de associa-es, grupos ou espaos onde se permite a socializao entre pessoas de diferentes nveis educacionais e idades. Assim, po-der ter um ambiente diversificado que de tal modo ir desen-volver suas diversas prticas de aprendizado, frisando que a Libras a primeira lngua dos surdos e a L1 dever fazer parte da vida do surdo antes mesmo da L2 (portugus).O surdo possui determinadas caractersticas que podem comprometer ou inibir o aprendizado, fazendo que a viso e a percepo vibratria supram e organizem as informaes recebidas na falta da audio. Um prejuzo dos surdos, devido a seu dficit auditivo, envolve a perda de informaes existentes no meio ambiente em que vivemos, pois, h elementos sonoros que nos permitem sonhar, conhecer e proteger.Conforme o site da 3 Policlnica do CBMERJ (www.3apoliclinica.cbmerj.rj.gov.br), a funo auditiva est sempre em desenvolvi-mento. As habilidades auditivas vo se aprimorando conforme o desenvolvimento da criana, conforme os estmulos que esta criana recebe. 121Lngua Brasileira de Sinais - LibrasVoc poder conhecer algumas das habilidades auditivas abaixo:- ateno auditiva: capacidade da criana de apresentar uma resposta voluntria a um estmulo sonoro;- conscincia auditiva: capacidade da criana de perceber a presena e a ausncia do som;- localizao sonora: capacidade da criana em reconhe-cer de onde a fonte sonora partiu;- discriminao de sons: capacidade de detectar diferen-as e semelhanas dos sons;- seleo figura/fundo: habilidade de selecionar um estmulo sonoro significativo dentro de outros sons apresentados simultaneamente;- deteco sonora: capacidade de perceber se existiu ou no o som;- sensao sonora: habilidade de saber como era o som;- reconhecimento auditivo: capacidade de saber qual foi o evento que causou o som;- compreenso auditiva: compreender por que razo o evento sonoro ocorreu;- memria auditiva: capacidade de perceber o que ficou retido e que pode ser evocado do som apresentado.122 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAs habilidades auditivas fazem parte do processamento au-ditivo e envolvem uma anlise complexa do sinal acstico, inte-grando a informao em modelos auditivos. E isso um proces-so adaptvel e influenciado pelas experincias e aprendizagem de cada criana.Portanto, conhecer a funo auditiva pode levar ao sucesso da informao, ensino e aprendizado.No se inclua totalmente no mundo das figuras e das ima-gens. Se voc insistir exclusivamente neste contexto poder causar defasagem no aprendizado de um surdo, seja criana ou adulto, pois as ilustraes trazem tambm distraes, ocasionando dificuldades em absorver a ateno de forma mais ininterrupta.O incio de um trabalho de ensino-aprendizado da escrita e da leitura de grande importncia. A escrita, sendo uma das pri-meiras atividades, iniciar um meio de identificao e os fazem sentir atrao por livros e, sequencialmente, pela leitura. Recorte, colagem, montagem de frases atravs de figuras correspon-dero memorizao dos objetos relacionando s palavras com a realidade. Somente assim eles (os surdos) sabero o que esto lendo e o que esto sinalizando.Para voc, aluno(a), entender melhor como funciona o contex-to de aprendizado dos surdos, dividirei em sub-tpicos explican-do passo a passo.A utilizao de figuras com o manuseio do lpis chegando escrita uma tima estratgia de aprendizagem, pois, busca o caminho necessrio, que o visual e somente com o recurso do visual possibilita a compreenso e ansiedade de aprender mais.123Lngua Brasileira de Sinais - LibrasVeja a seguir algumas dicas e aproveite essa ideia.Com um lpis, faa o caminho que o pato dever fazer at chegar a lagoa.Desenvolve a coordenao Motora finaMatemtica: Pinte os cachos que tem 8 uvas.Faa conforme o modelo. (Golfinhos pulando no mar)Coordenao Motora124 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPinte os cactos que tem 4 folhas.Desenvolve a matemticaFaa um X onde esto as figuras separadas e depois pinte.Desenvolve a noo de espaoPinte somente os patinhos que esto em direo a sua me:(Desenvolve discriminao visual e lateralidade)125Lngua Brasileira de Sinais - LibrasSepare as borboletas de 5 em 5. (Desenvolve a noo de nmeros atravs da contagem e quantidade).Ligue os pontos em ordem alfabtica (Trabalha a alfabetizao em Libras).Caa-palavras em Libras (Trabalha a ateno e concentrao)P C 0 s A p a t o j CA O L s K r t u F AT N O V E l A E s F Io V P Q E s T U d A R2 I U Ta K G H o C S WH T 7 4 X i Y P B B 8Y E R J O v e M V O w z 5 a 6 8 9 u i 2126 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasCircule as mos que correspondem a nmeros. (trabalha a descoberta dos nmeros, ateno e concentrao).n a e f g 7 c l y mF 5 9 l l h 1 m h 5V S 8 h 2 Q 2 z c y8 F x l 3 Z t l 6 mA T n 6 h J 1 m y 54 6 j l K h y 9 hs G P 1 S b 0 z c ci 7 L m w m h 9 l 3Faa um X nas mos que representam nmeros pares. n a e f g 7 c l y mF 5 9 l l h 1 m h 5V S 8 h 2 Q 2 z c y8 F x l 3 Z t l 6 mA T n 6 h J 1 m y 54 6 j l K h y 9 hs G P 1 S b 0 z c ci 7 L m w m h 9 l 3Voc, universitrio e futuro profissional, ao receber ou atender uma pessoa com surdez, seja homem ou mulher, dever estar atento, pois assumir a responsabilidade de desvelar meios que assegurem a construo do conhecimento, favorecendo a 127Lngua Brasileira de Sinais - Librascomunicao, o entendimento e o atendimento aos surdos. Ser necessrio que voc procure adaptaes e estratgias a fim de facilitar a participao, o desenvolvimento e a aprendizagem do seu cliente, seja ele aluno, paciente ou fregus. Glat (2007) prope didticas importantes a profissionais que trabalham no processo de ensino para surdos:- utilizar sempre a Lngua de Sinais, independente se o surdo sabe ou no LIBRAS.- utilizar sempre a escrita no quadro de giz, slides, desenhos para os surdos escreverem a palavra chave.- empregar palavras que no esto includas no vocabulrio dirio e anex-los em um mural.- proferir frases completas no exagerando nas articulaes e nem na velocidade.- organizar espaos que permitem ao surdo desenvolver e estimular a criatividade, autonomia, ludicidade, memori-zao, raciocnio lgico e sociabilizao.Fazendo um breve apanhado do que foi apresentado, sempre necessrio que a Libras seja oferecida como meio de comunicao e expresso no desenvolvimento do processo de aprendizado. preciso, por parte dos profissionais, da escola, dos pais, uma mudana de posio, pois sabemos que o pre-conceito e a falta de informao contribuem para o fracasso dos surdos nos seus processos de socializao e aprendizagem.A comunicao visual fundamental, tanto para o aprendizado da lngua portuguesa oral quanto para a aquisio da lngua de sinais. 128 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasEspero que voc, discente, reflita e se auto-avalie sobre as questes apresentadas, o seu propsito e sua estimulao de despertar ser o ensejo de aprendizagem e construo de auto-estima de uma criana ou de um adulto surdo.SURDEZ E AS DIFICULDADES NO CONTEXTO DE ENSINO APRENDIZADOA dificuldade escolar traz ndices de evaso e reprovao no s em ouvintes, embora a natureza das disfunes na apren-dizagem leva a uma relao direta entre dificuldade de aprendi-zagem e fracasso escolar. De fato, dificuldades, transtornos, dis-trbios e problemas, todos esto sujeitos a obter. Qualquer aluno que no aprende, no realiza nenhuma das funes sociais da Educao e ficam visveis as dificuldades no ensino e aprendizado.[...] necessrio enfatizar que as condies de aprendizagem no processo de escolarizao do aluno surdo dependem, por via de regra, do modo pelo qual so encaradas suas dificuldades e as diferenas ocorridas no processo educacio-nal [...]. (SILVA, 2001 apud GLAT, 2007, p.107).Problemas como falta de ateno, dificuldade de memori-zao, compreenso e desinteresse pode manifestar como pri-meiro obstculo, mas tenho certeza de que voc, caro aluno passar por cima destas dificuldades.De acordo com vrios autores, existe um numeroso grupo de crianas brasileiras de diferentes camadas sociais que aban-donam precocemente a escola por ser surdo, mas eles no citam se por falta da verdadeira incluso, a qual o aluno se desmotiva a ir escola, ou se por abandono sugerido ou apoiado pelos pais. Para compensar esta falha na carncia cultural, foram organizados, no Brasil, projetos de educao compensatria com surdos e ouvintes na mesma sala de aula e este tipo de educao tem servido para avanar e somar com a incluso.129Lngua Brasileira de Sinais - Libras preciso, inicialmente, reconhecer que a grande dificuldade enfrentada pelos surdos e professores de alunos surdos a cicatriz quase que alheia comunicao: a dvida entre falar oralmente ou usar Lngua de Sinais.A est uma dica para voc que se interessou por Lngua de Sinais. Quem sabe no o tema-chave para seu estudo de concluso de curso. Independente do que vier a ns, devemos sempre permitir ao surdo o direito de acesso sua Lngua Natural, que a lngua de sinais.Esta lngua ostenta outro conjunto de estruturao gramatical altamente complexa que permite ao seu usurio um tipo diferente de pensamento, baseado nas possibilidades inteiramente visuais.Voc faz a diferena e o futuro do ensino e aprendizado do surdo depender exclusivamente de voc. ATIVIDADES PEDAGGICASPara alcanar a aquisio da linguagem, os educadores devero seguir alguns objetivos considerados especficos e importantes na organizao da Libras. QUADROS (2004) prope sugestes de algumas atividades:- atividades de rotina em sinais;- brincadeiras e jogos em sinais;- realizao de experincias em sinais;- hora do conto em sinais;- passeios;- atividades diversas com surdos locais;- mini cursos ou aulas ministradas por outras pessoas surdas.Junto s aparncias formais da Libras, devem ser exploradas funes da lngua que auxilie a forma prtica e educativa nos seguintes aspectos:130 Lngua Brasileira de Sinais - Libras- configurao das mos;- alfabeto manual;- uso de uma mo;- uso de ambas as mos com configuraes iguais e diferentes;- explorao dos pontos de articulao dentro do espao de sinalizao;- intensidade, modo, tempo, forma e tamanho;- incorporao de negao;- emprego das relaes de significado lexical;- sentenas;- figuras de linguagem.As funes diversas e o uso da linguagem:- conversao com diferentes pessoas da comunidade com nveis diferenciados de formao;- explorao de jogos dramticos;- acesso a aulas em vdeo e jornais televisivos;- explorao de relato de estrias;- poesias;- momentos de conversa sobre fatos histricos da comuni-dade surda e da sociedade brasileira.Explorando a arte da lngua de sinais:- produzir estrias usando o alfabeto manual;- produzir estrias usando os nmeros;- produzir estrias usando configuraes de mos especficas;- produzir estrias sobre pessoas surdas;- produzir estrias sobre pessoas ouvintes;- produzir estrias com pessoas surdas no mundo dos ouvintes;131Lngua Brasileira de Sinais - Libras- relatar estrias, contos e fbulas explorando os jogos de posies do corpo e direo dos olhos para estabe-lecimento de personagens. As sugestes de atividades propostas por Ronice tende a desenvolver interao com a escrita e a lngua de sinais.Pensar em diferentes formas de ensinar e aprender, con-siderando diferentes formas de pensar, de expressar, de ver o outro, nos redimensiona e nos provoca no sentido de busca e de encontro. Os efeitos da modalidade provocam novos olhares sobre a pedagogia. As lnguas de sinais, nos contextos em que so usadas pelas pessoas surdas, apresentam diferentes faces de uma possvel pedagogia, a pedagogia visual. Podemos brincar, ler, sentir, perceber o mundo, aprender, ensinar atravs do visual que organiza todos os olhares de forma no auditiva. (QUADROS, 2004, p. 63).Para Refletir Por que muitos surdos atrasam ou no concluem o ensi-no regular? Ser que por falta de estmulos auditivos? Por que no dominam uma lngua oral? Por no conseguirem desenvolver uma lngua? Por apresentarem atrasos na comunicao? Desestmulo para iniciar a estudar? Por falta de auxlio no desenvolvimento do pensamento? Por que tm dificuldades na escrita e m compreenso do que est lendo? Pelo isolamento social da comunidade ouvinte? Por acharem que seu atraso escolar ir atrapalh-los? Ou ser pelas dificuldades de aprendizagem?132 Lngua Brasileira de Sinais - Libras4.2 POSSIBILIDADES DE TRABALHOTodos ns sabemos que a dificuldade em conseguir emprego realidade no Brasil e at mesmo no mundo. Os pases tm enfrentado, hoje, uma grande crise social e econmica em que, infelizmente, uma parte considervel da populao se destaca pela falta de oportunidades. Normalmente, esta parte da populao no tem acesso, sequer, aos meios de informao, para que estejam preparadas a disputar dentro do mercado de trabalho. Paralelamente, encontramos pessoas que no dispem de meios para conseguir uma boa colocao em termos de emprego.Em algumas atividades, que englobam percepo, concen-trao e avaliao visual, os surdos se destacam dos ouvintes, tal fato deve-se, principalmente, falta de conhecimento da popu-lao, de uma forma geral, de que o surdo, tanto quanto qualquer outra pessoa tem capacidade de estar exercendo atividades profissionais variadas, desde que no envolvam a necessidade de ouvir.Como vimos, existe um nmero bem significativo de pessoas surdas no Brasil. importante lembrar que surdez no sinnimo de inaptido, pois existem pessoas que apesar de sua limitao sensorial tm capacidade para ingressar no concorrido mercado de trabalho.A prpria Constituio Federal de 1988, em seu artigo 7, inciso XXXI, explicita a proibio de qualquer discriminao no tocante a salrio e critrios de admisso do trabalhador portador de deficincia, deixando bem claro que as pessoas portadoras de deficincia no podem ser vtimas de preconceitos e discriminaes nas oportunidades de trabalho.Este tema de suma importncia, pois o trabalho forne-ce auto-estima e confiana, alm de proporcionar aos surdos aprendizagem, aprimoramento e principalmente recebimento de salrio decorrente da prestao dos servios que, para muitos, constitui melhoria das condies de vida.133Lngua Brasileira de Sinais - Libras IMPORTNCIA DO TRABALHO AOS SURDOSO trabalho na vida do surdo to importante quanto na vida dos ouvintes, assim, a diferena entre pessoas com surdez implica, basicamente, num carter de sentido diferente. A impostura dos que no enxergam e titulam a surdez como incapacidade se d por que eles no conhecem as potencialidades dos surdos. Isto claro: so pessoas com potencial produtivo dentro das limitaes que so intrnsecas sua condio.Um componente que poucos assimilam que no apenas a falha ou a falta sensorial marca como deficincia. Ser que a falta de produtividade uma deficincia?A importncia do trabalho no pode ou, pelo menos, no deve ser encarada exclusivamente como a satisfao de uma necessidade de sobrevivncia. O trabalho, muitas das vezes na condio particular do surdo, no tem unicamente como meta riquezas ou bens. Embora, inegavelmente, seja o meio mais comum de conseguir tranquilidade, serve tambm como meio de construo de amizades e relaes interpessoais. No recinto de trabalho desenvolvem-se os anseios profis-sionais do indivduo surdo e o campo perfeito para a aplicao daquilo que foi aprendido na vida e na instituio de ensino pela qual passou. O trabalho, ainda que intelectual, implica criao, produo e ocupao.A lei federal que institui cotas para contratao de pessoas com deficincia tem levado empresas brasileiras a buscarem profissionais qualificados para suprir as vagas oferecidas. O Instituto Brasileiro dos Direitos da Pessoa com Deficincia (IBDD), referncia nacional em qualificao e encaminha-mento ao emprego nesta rea, montou um banco de cur-rculos para promover a articulao entre a demanda das empresas e a oferta de mo-de-obra.134 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPOSSIBILIDADES DE TRABALHO DOS SURDOSA capacitao profissional de uma pessoa surda deve ser refletida a partir de uma contextualizao do mundo do traba-lho, da realidade poltico-econmico-social em que o pas vive. Atualmente, o brasileiro est cercado de empresas que valori-zam a excelncia, a produtividade e a qualidade total dos servios prestados. Tanto ouvintes quanto os surdos necessitam correr atrs disso ou melhorar sua qualidade profissional a fim de se inserirem no mercado de trabalho. O surdo adulto ainda encontra dificuldades em ser aceito no mercado de trabalho, uma vez que suas reais potencialidades ainda no so reconhecidas pela classe empresarial por falta de informaes e pelo preconceito relativo aos portadores de neces-sidades especiais em geral. Lutar pela extino das listas de profis-so para surdos que acabam atribuindo incapacidade para certos cargos e limitando oportunidades de emprego. Nos concursos pblicos os surdos tem a garantia da Lei de Reserva de Mercado (10%) em todas as instncias, procurando respeitar proporcionalidade entre as deficincias. de extrema importncia que os pais participam efetiva-mente no processo de incluso de seu filho surdo no mercado de trabalho desde criana.Temos enxergado grandes capacitaes dos surdos desempenhado funes relacionadas a servios grficos, digitao (na informtica), a servios bancrios e administrativos, s funes docentes (Instrutores), entre outras.Na funo de Instrutores, atuam em: - cursos de Lngua Brasileira de Sinais;- atividades de Estimulao Precoce (para possibilitar a aquisio de LIBRAS pelas crianas surdas);135Lngua Brasileira de Sinais - Libras- auxlios da Pr-Escola, do Ensino Fundamental, do Mdio e at do Superior (para viabilizar a aquisio/aprendizado de Libras pelos alunos surdos, para incluso de conte-dos curriculares, em classes ou escolas especiais e em salas de recursos).A maioria dos surdos que conseguem atingir os nveis mais elevados de ensino, hoje, so professores. Assim, atuam em Programas de Estimulao Precoce, em Escolas Especiais, em Salas de Recursos para apoiarem as atividades curriculares dos alunos surdos que se encontram em processo de integrao em classe comum do Ensino Regular, ministrando aulas de Lngua Brasileira de Sinais.CURIOSIDADE- 90% dos funcionrios de uma empresa de cosmticos de Fortaleza-CE so surdos.- O Nordeste o campeo de empregadores de deficientes no Brasil, fazendo a colocao de 1.543 trabalhadores, o que ajudou o Brasil a ter recorde mundial. Fonte: idt (2007).QUALIFICAOA incluso dos surdos no mercado de trabalho est relacionada lei federal 8.213/90, que garante vaga de emprego para porta-dores de necessidades especiais em empresas com mais de cem funcionrios. Porm, analistas de recursos humanos de diversas empresas brasileiras, dizem que enfrentam grandes dificuldades para encontrar portadores de necessidades especiais com quali-ficao para certos tipos de trabalho e mesmo assim considera alto o nmero de contrataes.136 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasUma coordenadora de recrutamento e seleo de uma grande empresa brasileira diz que tem a cumprir uma cota estipulada por lei, o equivalente a 60 funcionrios de sua empresa, e ela fala que j fizeram diversas campanhas, inclusive ofereceram cursos de qualificao, mas que ningum apareceu.Na mesma oportunidade, a coordenadora aponta duas barreiras difceis de superar a insero dos deficientes no mercado de trabalho. A primeira delas a ignorncia e o pre-conceito, pois muitos empresrios ainda no sabem lidar com a deficincia e acreditam que o convvio social destas pessoas difcil, mas o que acontece, na prtica, exatamente o contr-rio. O segundo problema a falta de interesse profissional dos prprios surdos. SURDOS: EXEMPLOS DE SUPERAO- Thomaz Alva Edson, grande inventor da lmpada eltrica; - Marlee Martlin, primeira atriz surda que ganhou Oscar de melhor atriz;- Helen Keller, professora surda e cega que revolucionou o ensino dos surdos e cegos;- Vanessa Vidal, Miss Cear e 2 colocada do Miss Brasil 2008;- Ludwig Van Beethoven, grande msico, elemento da transio entre o Classismo Romantismo com formas clssicas herdadas de Mozart.POSSIBILIDADES DE TRABALHO DOS INTRPRETESA profisso de Intrprete de Libras reconhecida por lei, mas ainda no regulamentada. Independente disso, o mercado vem crescendo e dando sinal de que a sociedade desperta para a incluso.137Lngua Brasileira de Sinais - LibrasA Lngua Brasileira de Sinais est se expandindo, fazendo seu mercado como campo promissor.Para atuar como intrprete no basta ter o domnio da Lngua de Sinais, de extrema importncia que a cultura surda faa parte de sua vida. a rea educacional que vem necessitando de mais profis-sionais para atuar como Intrprete de Libras.H Leis que asseguram a acessibilidade e direitos de comunicao dos surdos na sociedade em relao educao inclusiva, prevendo que cada vez mais, pessoas com surdez frequentam o ambiente escolar. Fazendo que cada vez mais aumente os nmeros de vagas para Intrpretes, pois, onde estiver um aluno surdo dentro de uma sala de aula, dever ter um Intrprete acompanhando o aluno. Alm de Intrpretes educacionais, todos ambientes pblicos ou privados com grande circulao de pessoas, dever haver um Intrprete como em rodovirias, aeroportos, shoppings entre outros.As possibilidades de trabalho esto abertas, embora no existam vagas do ponto de vista formal. Mas elas sero criadas. Tornar-se um intrprete de Libras j pode ser garantia de um futuro promissor.PRECONCEITO O preconceito um dos grandes obstculos que dificultam a incluso social e profissional dos surdos no Brasil.A incluso de surdos no mercado de trabalho passa por algumas dificuldades que ultrapassam os prprios limites impostos pela condio fsica.O preconceito para com os surdos um problema grave, pois, traz fortes reflexos para sua vida, dificultando no s o acesso ao mercado de trabalho, mas tambm a sua vida social. necessrio haver adequao. Uma pessoa surda to capaz ou mais que uma pessoa ouvinte em determinados afazeres, desde que possua condies ideais de trabalho.138 Lngua Brasileira de Sinais - Libras No tenha preconceito, aceite-o e sers surpreendido.Para Refletir Se voc tivesse ou administrasse uma empresa, voc empregaria um surdo ou um Intrprete? O que voc acha da admisso de profissionais surdos pelas empresas ter sido imposta por lei? Em sua opinio, existe preconceito no mercado de trabalho com relao aos profissionais surdos? 4.3 CONDUTA E LEGISLAOToda profisso necessita haver uma conduta acercada de responsabilidades e deveres, exercida de forma honrosa. Em seu dia-a-dia, dever ser consciente do trabalho prestado e agir adequadamente sob princpios e valores. A conduta, quando diz respeito Lngua de Sinais, tem como objetivo proteger vocs profissionais ou futuros profissionais que utilizam ou utilizaro essa lngua, alunos surdos, clientes surdos, pacientes surdos e a quem mais utilizar esta lngua a fim de pa-dronizar seu comportamento e sua comunicao de forma dig-na e correta.Voc, aluno (a), independente da sua rea e profisso, dever ter com a Lngua de Sinais uma qualidade constante para que o surdo tenha condies de lhe entender, criando atitudes comuns como dedicao, humildade, honestidade, respeito, responsa-bilidade e cooperao.O profissional que utiliza a Lngua de Sinais tem como funo primordial estabelecer a intermediao comunicativa entre os 139Lngua Brasileira de Sinais - Librasusurios da Lngua de Sinais e os de Lngua Oral, estimulando a relao direta entre o surdo e o ouvinte ou entre voc e o surdo.Quando voc for intermediar uma conversa, um estudo ou um negcio entre o surdo e o ouvinte, voc no poder assumir nenhuma responsabilidade de interferir, de ensinar, de negociar ou outra atividade que no seja de sua delegao, tendo conscin-cia que estar levando apenas a acessibilidade informao.Dever ser fiel interpretao, no omitindo e nem acres-centando nenhuma informao do dilogo estabelecido entre o usurio da Lngua de Sinais e o de Lngua Oral. Ser confidencial, no podendo em nenhuma hiptese, nem mesmo sobre presso ou ameaa, revelar os dilogos particulares envolvidos.Voc, como comunicador ou Intrprete de Libras, no interferir com conselhos, considera-es ou opinies pessoais, zelando por imparcialidade e neutralidade, no pergun-tando e nem respondendo em lugar do intermediado. Antes de voc interpretar, dever ouvir e compreender a mensagem, deve manter um lag-time12 para evitar erros e, posteriormente s transmitir os dados recebidos. fundamental que se considere, tambm, que o profissional intermediador ou Intrprete de Libras apenas um elemento para que se garanta a aces-sibilidade. Sempre devero lembrar que os sur-dos precisam de tempo para olhar no ouvinte e Intrprete, para as anotaes e materiais, caso houver. Outro aspecto importante a garantia da participao do surdo atravs de perguntas e res-postas que exigem tempo para pensar, para que a interao se d efetivamente. (CAS, 2007, p. 03).12 LAG TIME: tem-po aguardado entre a captao da lngua fonte e a transmisso para a lngua fonte. utilizado para no co-meter erros e leva de 4 a 30 segundos.140 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasLEGISLAOA legislao garante uma sociedade segura e pacfica, na qual os direitos coletivos e individuais so respeitados. Sem ela, no haveria o respeito s particularidades, cada pessoa agiria de forma preconceituosa e com seus prprios conceitos e idias. Mesmo em uma sociedade organizada h desentendimentos e conflitos, e as leis devem proporcionar uma maneira de resolver, propor e punir. Com isso, levando-se em conta a Lngua de Sinais aos surdos, as leis nos propem:- oficializao e a regulamentao da Lngua Brasileira de Sinais Libras, nos municpios, estados e federao;- reconhecimento da lngua de sinais como lngua da educao do Surdo, ou seja, a lngua do povo surdo, em todas as escolas e classes especiais de surdos;- assegurar a toda criana surda o direito de aprender prio-ritariamente lnguas de sinais e aps, tambm, portugus e outras lnguas;- assegurar s crianas, adolescentes, adultos e idosos sur-dos, educao em todos os nveis, como pressuposto a uma capacitao profissional;- levar ao conhecimento das escolas os direitos dos surdos;- promover a conscientizao sobre questes referentes aos surdos;- recomendar que programas da mdia (TV, rdio, jornal) no veiculem posturas que gerem atitudes discriminatrias contra o uso da lngua de sinais e direitos dos surdos defendendo posturas ouvicntricas;141Lngua Brasileira de Sinais - Libras- levar em conta o conhecimento da lngua de sinais para a escolha dos professores de surdos. Entende-se como prova de conhecimento em lngua de sinais: certificado especfico de curso reconhecido pelas Associaes e Federaes de Surdos, com aprovao posterior em banca constituda pela comunidade surda e intrpretes;- iniciativas legais visando impedir preconceitos contra surdos;- regularizar ou implementar o ensino para os surdos onde quer que eles ex.: escolas, associaes, cursos, universidades- formular polticas pblicas para levantamento e atendimento educacional de crianas de rua surdas, conselho tutelar, FEBEM, respeitando sua cultura.Em concursos pblicos, nos quais o surdo concorre com outros deficientes, sua prova de portugus tambm precisa ser analisada com critrios especficos e inclusive na presena de intrpretes.Alm das propostas j constitudas em leis, a comunidade surda luta por outros direitos como:- direcionar os patrimnios dos surdos, assim como o patrimnio das escolas de surdos quando deixar de existir e que o patrimnio da cultura surda, adquirida ao longo dos anos, seja entregue comunidade surda;- liberao do trabalho para os pais que tm filhos surdos para fazerem cursos de lngua de sinais;142 Lngua Brasileira de Sinais - Libras- criar programas de apoio aos surdos idosos, meninos surdos de rua, internos em instituies e/ou casas de deteno, mulheres surdas, portadores de HIV, drogados, como tambm aos vendedores de panfletos, excludos do mercado formal de trabalho.Os surdos tm direito a:- Intrprete de Libras no ambiente de jri, sem nus;- Intrprete em momentos do interrogatrio e prises. Para que voc possa se basear de forma mais extensa, no fim deste captulo ver algumas indicaes de sites que possam lhe apoiar nas pesquisas.Em 2002, sob a lei n 10.436, de 24 de Abril, foi homologada a lei federal que reconhece a Lngua Brasileira de Sinais como meio de comunicao objetiva e de utilizao das comunidades surdas no Brasil. Este foi o primeiro e largo passo da comunidade surda.O decreto federal 5296, de dezembro de 2004, que regula-mentou as leis de acessibilidade (10.098) e de atendimento priorit-rio (10.048), forneceu elementos tcnicos que estipulou prazos para que vias pblicas, estacionamentos, construes, prdios pblicos e edifcios de uso coletivo mantidos pela iniciativa privada. Apesar disso, muitas agncias bancrias ainda no esto acessveis.Reforando a necessidade de fazer valer os diretos da pessoa com deficincia, o Ministrio Pblico Federal e a Federao Brasileira dos Bancos (FEBRABAN) assinaram um Termo de Ajus-tamento de Conduta (TAC), que prev a acessibilidade nas insti-tuies financeiras de todo pas.De acordo com o TAC, todas as agncias bancrias tero que seguir os padres do Desenho Universal. Oferecer condies de acessibilidade e de atendimento prioritrio s pessoas com deficincia fsica, visual, auditiva e mental.143Lngua Brasileira de Sinais - LibrasEntre as mudanas previstas pelo acordo, as agncias bancrias de todo o pas tero que disponibilizar pessoal e equipa-mentos capazes de manter comunicao com pessoas com surdez.De acordo com o TAC as instituies financeiras - distri-budas em agncias bancrias, caixas eletrnicos e postos de atendimentos tero prazos especficos para se adequarem ao Desenho Universal. O termo tambm prev aplicao de multas para os bancos que no cumprirem a legislao.Em 2005 foi promulgado o decreto 5.626, de 22 de dezembro, que tornou obrigatria a insero da incluso da Lngua Brasileira de Sinais como disciplina curricular nos cursos de formao de professores para o exerccio do magistrio em nvel mdio e superior. Tambm atravs deste decreto (5626), os surdos iro ter melhor atendimento dentro de empresas pblicas de todo pas. A partir de agora, todas as empresas pblicas federais, estaduais e municipais so obrigadas a capacitar, pelo menos, 5% dos empregados para o uso e interpretao da Lngua Brasileira de Sinais (Libras).O decreto j est valendo e os rgos da administrao pblica devero incluir em seus oramentos anuais e plurianuais os recursos para formao, capacitao e quali-ficao de professores, servidores e empregados para o uso e interpretao de Libras.Nos aeroportos, rodovirias, em delegacias de polcia, ou seja, todos os rgos precisam ter uma pessoa de planto que utilize Libras para atender o surdo e quem ir avaliar se as insti-tuies se adequaram corretamente ao decreto e aplicar possveis penalidades que devem ser decididas de acordo com cada reclamao o Ministrio Pblico.A incluso e o aprendizado tambm esto assegurados por lei pelos documentos legais: Lei federal 7.853/89; Decreto Federal 3.298/99; Parecer CEE 424/03; Resoluo CEE 451/03; Orientao 144 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasSEE/SD 01/2005. Alm destes destaques, h outras leis que facilitam o acesso e a comunicao dos surdos dando tambm apoios aos Intrpretes de Libras.Em seguida, voc ter uma lei e um decreto atravs da qual voc dever adquirir conhecimento.LEI N 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002.Dispe sobre a Lngua Brasileira de Sinais - Libras e d outras providncias.[...]Art. 1o reconhecida como meio legal de comunicao e expresso a Lngua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expresso a ela associados.Pargrafo nico. Entende-se como Lngua Brasileira de Si-nais - Libras a forma de comuni cao e expresso, em que [...], constituem um sistema lingustico de transmisso de ideias e fa-tos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil.Art. 2o Deve ser garantido, por parte do poder pblico em geral e empresas concessionrias de servios pblicos, [...] meio de comunicao objetivo e de utilizao corrente das comunida-des surdas do Brasil.Art. 3o [...], garantir atendimento e tratamento ad equado aos portadores de deficincia auditiva, de acordo com as normas legais em vigor. importante voc estar por dentro das Leis, elas sempre caem em concursos e sempre h algum que ir lhe perguntar sobre leis afins.DICA:145Lngua Brasileira de Sinais - LibrasArt. 4o O sistema educacional federal e os sistemas educa-cionais estaduais, municipais e do Distrito Federal devem garantir a i ncluso nos cursos de formao de Educao Especial, de Fonoaudiologia e de Magistrio, em seus nveis mdio e superior, do ensino da Lngua Brasileira de Sinais - Libras, como parte inte-grante dos Parmetros Curriculares Nacionais - PCNs, conforme legislao vigente.Pargrafo nico. A Lngua Brasileira de Sinais - Libras no poder substituir a modalidade escrita da Lngua Portuguesa.[...]Braslia, 24 de abril de 2002; FERNANDO HENRIQUE CARDOSODECRETO N 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005.Regulamenta a Lei 10.436/02, que dispe sobre a Lngua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n 10.098/00.DECRETA:CAPTULO IDAS DISPOSIES PRELIMINARESArt. 1o Este Decreto regulamenta a Lei n 10.436, de 24 de abril de 2002, e o art. 18 da Lei n 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Art. 2o Para os fins deste Decreto, considera-se pessoa surda aquela que, por ter perda auditiva, compreende e interage com o mundo por meio de experincias visu ais, manifestando sua cultura principalmente pelo uso da Lngua Brasileira de Si-nais - Libras. [...]146 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasCAPTULO IIDA INCLUSO DA LIBRAS COMO DISCIPLINA CURRICULARArt. 3o A Libras deve ser inserida como disciplina curri-cular obrigatria nos cursos de formao de professores para o exerccio do magistrio, em nvel mdio e superior, e nos cursos de Fonoaudiologia, de instituies de ensino, pblicas e privadas, do sistema federal de ensino e dos sistemas de ensino dos Estados, do Distrito Federal e dos Municpios. 1o Todos os cursos de licenciatura, nas diferentes reas do conhecimento, o curso normal de nvel mdio, o curso normal superior, o curso de Pedagogia e o curso de Educao Especial so considerados cursos de formao de professores e profissionais da educao para o exerccio do magistrio. 2o A Libras constituir-se- em disciplina curricular optativa nos demais cursos de educao superior e na educao profissional, a partir de um ano da publicao deste Decreto.CAPTULO III[...]Art. 5 2o As pessoas surdas tero prioridade nos cursos de formao previstos no caput.[...]Art. 9o A partir da publicao deste Decreto, as instituies de ensino mdio que oferecem cursos de formao para o magis-trio na modalidade normal e as instituies de educao superior que oferecem cursos de Fonoaudiologia ou de formao de profes-sores devem incluir Libras como disciplina curricular[...]Pargrafo nico. O processo de incluso da Libras como disciplina curricular deve iniciar-se nos cursos de Educao Especial, Fonoaudiologia, Pedagogia e Letras, ampliando-se progressivamente para as demais licenciaturas.147Lngua Brasileira de Sinais - LibrasArt. 10. As instituies de educao superior devem incluir a Libras como objeto de ensino, pesquisa e extenso nos cursos de formao de professores para a educao bsica, nos cursos de Fonoaudiologia e nos cursos de Traduo e Interpretao de Libras - Lngua Portuguesa.[...]Art. 24. A programao visual dos cursos de nvel mdio e superior, preferencialmente os de formao de professores, na modalidade de educao a distncia, deve dispor de sistemas de acesso informao como janela com tradutor e intrprete de Libras - Lngua Portuguesa e subtitulao por meio do sistema de legenda oculta, de modo a reproduzir as mensagens veiculadas s pessoas surdas, conforme prev o Decreto no 5.296, de 2 de dezembro de 2004. [...]CAPTULO IXDAS DISPOSIES FINAIS[...]Art. 31. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicao.Braslia, 22 de dezembro de 2005; LUIZ INCIO LULA DA SILVAO QUE DIZ A LEIA empresa com cem ou mais empregados est obrigada a preencher de 2% a 5% dos seus cargos com beneficirios reabilitados ou pessoas portadoras de deficincias, habilitadas, na seguinte proporo: de 100 a 200 empregados: 2% de 201 a 500 empregados: 3% de 501 a 1.000 empregados: 4% de 1.001 em diante: 5%148 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasApesar de ter espao no mercado de trabalho, eles precisam se expressar. Mostrar que tm direito de levar uma vida normal. preciso oportunizar aos surdos o seu verdadeiro poder. Incentivar pessoas com surdez algo muito rico no processo de incluso. DICA:Existem diversos outros materiais e informaes nos sites: www.educacao.mg.gov.br e www.mec.gov.brHoje, no basta s contratar, preciso sensibilizar toda sociedade e conhecer as capacidades e habilidades de cada uma dessas pessoas dando oportunidade de crescimento e convo-cando-os para vagas em aberto.Para Refletir Os Surdos, quando se propem a buscar seus objetivos, conseguem. Mas quanto a ns, que ficamos ao seu re-dor, estamos dispostos a ajud-los nessa busca? Crie um projeto que beneficia as pessoas com surdez e o proponha no frum do AVA. 149Lngua Brasileira de Sinais - Libras4.4 FRASES EM EXPRESSES DA LIBRASEm Libras, muitos acharo que nas frases as palavras estaro fora do lugar, mas isso j uma natureza e uma estrutura que deixa de lado o portugus. Os surdos aprendem palavra por palavra, e raramente um texto completo recheado de palavras. Sua escrita em portugus no h artigos A, O, AS, OS e verbos so escritos no infinitivo.Para leigos, os surdos so falhos na escrita, mas, para eles passa a ser natural. Com isso, a Lngua de Sinais no pode ser es-tudada tendo como base a Lngua Portuguesa, pois ela tem gra-mtica diferenciada, independente da lngua oral. A ordem dos sinais na construo de um enunciado corresponde a normas prprias que refletem a forma de o surdo processar suas ideias, na percepo visual-espacial. Veja alguns exemplos que demonstram exatamente essa independncia sinttica do portugus:EU IR IGREJA! (verbo direcional). Em Portugus Eu irei igreja!EU VER CAMELO BLUSA BARATO.Eu vi no camel uma blusa barata.AMIG@ FAZENDA PRECISAR MDICO CACHORRO CUIDAR ANIMAIS.Um amigo da fazenda precisa de um veterinrio para cuidar dos animais.ADVOGAD@ LEI CONHECER TUDO.O advogado conhece todas as leis.150 Lngua Brasileira de Sinais - Libras- Sempre que encontrar uma frase com @ significa que pode estar no masculino ou feminino.DICA:Na estruturao em Libras observa-se que h regras prprias; no so usados artigos, preposies, conjunes, porque esses conectivos esto incorporados ao sinal.Expresses Interrogativas e ExclamativasPara as frases exclamativas e interrogativas, em Libras, preciso ficar muito atento s expresses faciais e corporais, pois nessas situaes se utilizam sinais e expresses simultaneamente. Interrogativa, esta expresso necessita que voc levante as sobrancelhas e faa uma ligeira inclinao com o queixo [?]. Exclamativa, sobrancelhas levantadas e um movimento da cabea inclinando-a para cima e para baixo.NOME? (direcional com expresso interrogativa).Qual o seu nome?NOME! (direcional com expresso exclamativa).Meu nome Joo Victor!IDADE? (direcional com expresso interrogativa).Quantos anos voc tem?IDADE 28! (direcional com expresso exclamativa).Tenho 28 anos!151Lngua Brasileira de Sinais - LibrasTRISTE PORQUE? ( uma pergunta)Por que voc est triste hoje?VOC TRISTE!Hoje voc est triste! (afirmao que voc est triste)LIBRAS APRENDER FCIL? (quer saber se aprender Libras fcil?)Aprender Lngua Brasileira de Sinais fcil?LIBRAS APRENDER FCIL! (afirmou que fcil)Aprender Lngua Brasileira de Sinais fcil!MACEI LONGE^MUITO? (dvida se Macei longe, pergunta)Macei muito longe?MACEI LONGE^MUITO! (expresso afirmando que longe)BOM^MUITO VIAJAR ARACAJU? muito bom viajar para Aracaju? (Pergunta-se se viajar para Aracaju bom)VOC GOSTAR IR FESTA?Voc gosta de ir a festas?Expresses positivas e negativasNas frases positivas e negativas nem sempre ter que fazer o sinal e a expresso simultaneamente, pois h sinais prprios que j implicaro no contexto.152 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasAfirmativa: Expresso facial indiferente. CORAJOSO BONDOSONegativa: Pode ser feita atravs de trs artifcios:a) Sinal de negao diferente do afirmativo:OUVIR NO OUVIRDevemos relacionar o sinal negativo em seu contexto e ver se o correto para o momento o antnimo da palavra mais o sinal de negao ou o sinal prprio em negao.b) Movimento negativo com a cabea, simultaneamente ao que est sendo negada.NO PERDOO / NO DESCULPO153Lngua Brasileira de Sinais - LibrasNeste caso acima, so feitas duas expresses ao mesmo tempo, cara fechada + expresso de NO alm do sinal de DESCULPAR.c) Sinal NO (com o dedo indicador) frase afirmativa.Aps o sinal de QUEBRAR, utiliza-se o sinal de NO com o dedo indicador, aquele sinal popularmente conhecido em nossa sociedade.Expresses ImperativasNestas frases, voc j implicar a tonalidade da palavra na expresso, se o tom for mais agressivo, o sinal com a expresso dever ter a mesma intensidade da palavra como, por exemplo: Cale a boca!Ou ento: SEU IDIOTA VOC UM GROSSO / BRUTOVamos ver se voc entendeu este captulo:Passe a frase para o Portugus e descreva qual o tipo de frase das oraes em Libras conforme sua expresso.FAZENDA DONO ESTPIDO E IGNORANTE BARATA MEDOQUEBRAR154 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasQUEM ALI EST CARRO 15 MIL DINHEIROAMIGO TRABALHAR FACULDADEExpresses temporaisNas noes temporais, adicionamos sinais que informam o tempo presente, passado ou futuro.Presente (j / hoje / agora)J PESQUISAR ACABAR Voc j acabou a pesquisa?HOJE ESCOLA EU^IR PRIMO.Hoje vou escola com meu primoAGORA EMBORAEstou indo embora agora.Passado (Ontem / H muito tempo / Passou)ONTEM EU^IR ESCOLA JUNTO PRIMOOntem, eu fui escola com meu primo.SEMANA PASSADO EU VIAJARSemana passada eu viajei.ANOS^PASSADO EU BICICLETA^CAIRAnos atrs cai de bicicleta.Futuro (amanh / futuro / depois / prximo)EU BRINCAR AMANH REPETIRAmanh irei brincar de novo155Lngua Brasileira de Sinais - LibrasFUTURO EU COMPRAR APARTAMENTO AQUELEBONITO^MUITOUm dia comprarei aquele apartamento lindoDEPOIS EU^IR PESCARDepois irei pescarPRXIMO SBADO EU FUTEBOLJogarei futebol no sbado.Procure estar sempre buscando estas palavras no dicionrio digital do site j indicado e tente fazer todas as frases para voc entender melhor sua estrutura. importante que voc tenha um contato com surdos para obter um melhor aproveitamento. Caso isso no seja possvel, tire suas dvidas conosco, pois elas podero ser teis para voc e demais colegas e por que no tambm para ns?Para Refletir Com a interao direta com um surdo, voc conseguir assimilar melhor estas informaes com mais facilidade. Voc j parou para pensar como um surdo e no como ouvinte?DICA:156 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasResumoConhecer a melhor forma de ensino aprendizado um as-pecto importante na alfabetizao de uma criana surda, assim, faremos que estas crianas iniciam-se suas atividades educacio-nais precocemente sem comprometer seu desenvolvimento pedaggico. Em possibilidades de trabalho, a importncia, a qualificao e a vontade devem superar o medo e o preconceito tanto para o surdo quanto para os intrpretes, tornando real a insero no mercado de trabalho. As condutas ligadas aos sur-dos e aos Intrpretes garantem uma sociedade mais inclusiva e os textos abordam todas estas particularidades. Em 2002, atra-vs da lei 10436, foi reconhecida da lngua materna dos surdos. Apesar de tardia, a principal lei voltada aos surdos e a partir desta lei foram criados outros decretos regulamentares. Alm de aprofundar e assimilar a independncia do Portugus com a Libras, todo este conjunto se fecha nas expresses (frases), determinantes para a comunicao entre o surdo e o ouvinte.Indicao de filmes e sitesFILMESA cor do paraso Adorvel professorAlm do silncio Depois do silncioFilhos do silncio Gestos de amorLgrimas do silncio Minha amada imortalNell No silncio do amorO milagre de Anne Sullivan O pianoSeu nome Jonas Som e friaTestemunha muda Tiro na escuridoTortura perigosa Tudo em famlia157Lngua Brasileira de Sinais - LibrasSITESwww.acessobrasil.org.br/libraswww.atividadeseducativas.com.brwww.dicionariolibras.com.brwww.feneis.com.brwww.ines.gov.brwww.libras.net.comwww.libras.org.brwww.libraselegal.com.brwww.vezdavoz.com.brGABARITOPgina 45041505161711140309070213060812100118Pgina 46PratoPrataPatoMatoCarroAmigaViajarLongeHomemSaborosoPuxarCaarTelefonarPgina 4812 + 35987 + 12481000 + 65479987 - 542114257 - 25465 x 319 x 7585 x 6418975146 : 2465164 : 72196 : 2196Pgina 494516657421215243721965499964778711247853184130006187708Pgina 51VFVVFFVVFFPgina 58BeberSorveteGarfo158 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPGINA 125P C 0 s A p a t o j CA O L s K r t u F AT N O V E l A E s F Io V P Q E s T U d A R2 I U T K G H o C S WH T 7 4 X i Y P B B 8Y E R J O v e M V O w z 5 a 6 8 9 u i 2PGINA 126n a e f g 7 c l y mF 5 9 l l h 1 m h 5V S 8 h 2 Q 2 z c y8 F x l 3 Z t l 6 mA T n 6 h J 1 m y 54 6 j l K h y 9 hs G P 1 S b 0 z c ci 7 L m w m h 9 l 3159Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPGINA 126 n a e f g 7 c l y mF 5 9 l l h 1 m h 5V S 8 h 2 Q 2 z c y8 F x l 3 Z t l 6 mA T n 6 h J 1 m y 54 6 j l K h y 9 hs G P 1 S b 0 z c ci 7 L m w m h 9 l 3161Lngua Brasileira de Sinais - LibrasRefernciasBARRETO, Raylane Andreza Dias Navarro. Fundamentos antro-polgicos e sociolgicos. Aracaju: Grf. UNIT, 2009.BOTELHO, Paula. Linguagem e letramento na educao dos surdos: ideologias e prticas pedaggicas. Belo Horizonte: Autntica, 2005.BRASIL. Decreto n 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Prioridade de atendimento s pessoas com deficincias. Dirio Oficial [da] Repblica Federativa do Brasil, Braslia, DF. 3 dez. 2004. Disponvel em: . Acesso em: 21 jun. 2009.______. Decreto n 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regula-menta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispe sobre a Lngua Brasileira de Sinais. Dirio Oficial [da] Repblica Federativa do Brasil, Braslia, DF. 22 dez. 2005. Disponvel em: . Acesso em: 22 jun. 2009.______. Lei n 10.048, de 8 de novembro de 2000. Atendimento Prioritrio. Dirio Oficial [da] Repblica Federativa do Brasil, Braslia, DF. 9 nov. 2000. Disponvel em: . Acesso em: 21 jun. 2009.______. Lei n 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispe sobre Lngua Brasileira de Sinais. Dirio Oficial [da] Repblica Federativa do Brasil, Braslia, DF. 24 abr. 2002. Disponvel em: < http://www.162 Lngua Brasileira de Sinais - Librasplanalto.gov.br >. Acesso em: 22 jun. 2009.______. Lei n 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Acessibilidade. Dirio Oficial [da] Repblica Federativa do Brasil, Braslia, DF. 20 dez. 2000. Disponvel em: . Acesso em: 21 jun. 2009.______. Secretaria de Educao Especial. DEFICINCIA AUDITIVA. Organizado por Giuseppe Rinaldi et al. Braslia, 1997.BRITO, Lucinda Ferreira. Por uma gramtica da lngua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.CAPOVILLA, Fernando Cesar; RAPHAEL, Walkiria Duarte. Dicionrio enciclopdico iustrado trilingue: e lngua brasileira de sinais portugus/ingls/libras. 3. ed. So Paulo: EDUSP, 2006.CAS Centro de Capacitao de Profissionais da Educao e de Atendimento s Pessoas com Surdez. Cdigo de tica dos Tradutores-Intrpretes de LIBRAS-PORTUGUS. Belo Horizonte: SEE-Esp, 2007.CORRAZE, J. As comunicaes no-verbais. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.Doenas do ouvido. [online] Disponvel em: . Acesso em: 2 jul. 2009.FERREIRA, Aurlio Buarque de Holanda. Mini aurlio sculo XXI escolar: o mini dicionrio da lngua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. 163Lngua Brasileira de Sinais - LibrasGLAT, Rosana; DIAS, Vera Lucia; SILVA, Valria de A.; BRAUN, Patrcia. Educao inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7letras, 2007.HONORA, Mrcia; FRIZANCO, Mary Lopes Esteves. Esclarecendo as deficincias. So Paulo: Ciranda Cultura, s/d.HOFFMEISTER, Roberto J. Famlias, crianas surdas, o mundo dos surdos e os profissionais da audiologia. In: SKILIAR, Carlos (Org.). Atualidade da educao bilngue para surdos: interfaces entre pedagogia e lingustica. Porto Alegre: Mediao, 1999.LABORRIT, Emmanuelle. O voo da gaivota. So Paulo: Best Seller, 1996.MARCHESI, Alvaro. Comunicao, linguagem e pensamento das crianas surdas. In: Desenvolvimento psicolgico e educao: necessidades educativas especiais e aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Mdicas, 1995.MEDICINA USP. O ouvido. Disponvel em: . Acesso em: 14 jul. 2009.MOURA, Maria Ceclia de; VERGAMINI, Sabine A. A.; CAMPOS, Sandra R. L. de. Educao para surdos: prticas e perspectivas. So Paulo: Santos, 2008.PEDROSO, Cristina C. Arajo et al. Fundamentos da educao Especial. Batatais: CUC, 2006.164 Lngua Brasileira de Sinais - LibrasPLANK, D. Desenvolvendo competncias para atendimentos s necessidades educacionais de alunos surdos. Petrpolis, RJ: Vozes, 2002.QUADROS, Ronice Muller de. O tradutor e intrprete de lngua brasileira de sinais e lngua portuguesa. Secretaria de Educao Especial; Programa Nacional de Apoio Educao de Surdos Braslia: MEC; SEESP, 2003.QUADROS, Ronice Muller de; KARNOPP, Lodenir Becker. Lngua brasileira de Sinais: estudos lingusticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. QUITES, Tatiana P. Pimenta. Estudo bsico da gramtica da libras: centro de capacitao de profissionais e de educao s pessoas com surdez. Belo Horizonte 2007.PLANK, D. Desenvolvendo competncias para atendimento s necessidades educacionais de alunos surdos. Petrpolis, RJ: Vozes, 2002.RAMOS, Jorge. Perigos do uso de txicos. So Paulo: CERAVI, 1983. 1 videocassete (30 min),VHS, som., color.REZENDE, Conceio de Vilhena et al. Alfabetizao de criana surda. Caxambu, 2007. (folheto)165Lngua Brasileira de Sinais - LibrasSACKS, Oliver. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Traduo Laura Teixeira Motta. So Paulo: Companhia das Letras, 1998. SOBOTTA, James. Atlas de anatomia humana: cabea, pescoo e extremidade superior. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995.SOUZA, Regina Maria; SILVESTRE, Nria. Educao de surdos: pontos e contra pontos. So Paulo: Summus, 2007.STELLING, Esmeralda (Org.). O aluno surdo e sua famlia. In: Repensando a educao da criana surda. Rio de janeiro: Insti-tuto Nacional de Educao de Surdos INES, 1996.Terceira Policlnica do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro. Funo do ouvido. [online] Disponvel em: . Acesso em: 14 Dez. 2009.WARREN, Rick. Uma vida com propsitos: voc no est aqui por acaso. Traduo James Monteiro dos Reis. So Paulo: Editora vida, 2003.166notaesALngua Brasileira de Sinais - Libras167Lngua Brasileira de Sinais - LibrasnotaesA168notaesALngua Brasileira de Sinais - Libras