apostila de instalação de Águas pluviais - infra - slides

Download Apostila de Instalação de Águas Pluviais - infra - slides

Post on 05-Dec-2014

194 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

SISTEMAS PREDIAIS DE GUAS PLUVIAISPROFESSORA: Dra. ELIETE DE PINHO ARAUJO PLANO DE AULA Ementa: Aplicao dos conhecimentos tericos adquiridos durante o curso, por meio da realizao de projetos individuais e de grupo (guas pluviais), visitas obras, execuo de maquete, artigos cientficos, apresentao de vdeos e provas especficas. Objetivos: O aluno dever ser capaz de elaborar os projetos das instalaes prediais de guas pluviais; O aluno dever ser capaz de analisar a adequao dos projetos de guas pluviais; aos projetos arquitetura, estrutura, fundao e topografia do terreno; Capacitar ao aluno para acompanhamento de obra; Capacitar ao aluno para elaborar projetos de instalaes de guas pluviais adequando aos outros projetos. Interdisciplinaridade: A disciplina tem relao de interdisciplinaridade com as disciplinas de projetos de engenharia, de arquitetura e de urbanismo, de desenho, de teoria, de sistemas estruturais e com todas do curso.

Contedo Programtico: guas Pluviais: .rede condutora: materiais, dimetros, legenda, conexes .desvios dos tubos .esgotamento de subsolo .caixa de areia .poo de visita .planta baixa, locao e cobertura, situao e detalhes na esc. 1/25 .exemplos prticos de apresentao de projetos j elaborados de guas pluviais .aproveitamento de gua de chuva e limpeza para reso de gua Recursos: Aulas expositivas usando recursos de data-show e manuseio dos materiais especificados nos projetos; Canetas hidrocor, apostila e computador Avaliao: Com suas prprias palavras, cite as opes de instalaes pluviais no subsolo do prdio; Quais os materiais utilizados neste sistema? Elabore o projeto de guas pluviais de um prdio residencial, por exemplo.

Bibliografia: Bsica: 1. Hlio Creder: Instalaes Hidrulicas e Sanitrias (Livros Tcnicos e Cientficos Editora S.A) 2. Archibald Joseph Macintyre: Instalaes Hidrulicas (Editora Guanabara S.A) Especfica: 1. ABES (Associao Brasileira de Engenharia Sanitria e Ambiental). Reso da gua. So Paulo: ABES, 1992. 2. BARBOSA, A; CANTO, F.; CESCHINI, L; COSTA, N; e ALLAN, N. Projeto Re+gua: Reso de gua Uma Alternativa diante da Escassez. Trabalho final de curso. MBA em Projetos, FGV Fundao Getlio Vargas, Braslia, 2001. 3. BLUM, J. R. Critrios e padres de qualidade da gua. In: Mancuso, P., Santos H. (org). Reso de gua. Barueri, SP: Manole (USP), 2003. 4. HESPANHOL, I. Reso da gua Uma Alternativa Vivel. Revista Bio., So Paulo. Ano XI, ano 11, n. 18, p 24-25, 2001. 5. HESPANHOL, I. Potencial de Reso de gua no Brasil: agricultura, indstria, municpio e recarga de aqferos. In: Mancuso, P., Santos H. (org). Reso de gua. Barueri, SP: Manoel (USP), 2003. 6. LAVRADOR FILHO, J. Contribuio para o entendimento do reso planejado da gua e algumas consideraes sobre suas possibilidades no Brasil. Dissertao (Mestrado), Escola Politcnica, Universidade de So Paulo, 1987.

7. RAPAPORT, B. guas cinzas: caracterizao, avaliao financeira e tratamento para reso domiciliar e condominial. Dissertao (Mestrado em Saneamento Ambiental) da Escola Nacional de Sade Pblica, Fundao Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2004. 8. SANTOS, H. Custos dos sistemas de reso de gua. In: Mancuso, P., Santos H. (org). Reso de gua. Barueri, SP: Manole (USP), 2003. 9. SUETNIO, M. 1. Engenharia Sanitria. 2. Esgotos Purificao. Organizao Suetnio Mota. Fortaleza, 2000. 10. TELLES, D. DALKIMIN e COSTA, R. H. P. G. Reso de gua: conceitos, teorias e prticas. Editora Blucher. 1.a Edio. So Paulo, 2007. 11. TOMAZ, P. Economia de gua para empresas e residncias. Um estudo atualizado sobre o uso racional da gua. So Paulo: Navegar Editora, 2 ed., 2001. 12. LEGISLAES (NORMAS, PORTARIAS, RESOLUES E ORIENTAES TCNICAS): MINISTRIO DA SADE: Manual de Gerenciamento dos Resduos de Servios de Sade, Tecnologia em Servios de Sade, Ministrio da Sade, ANVISA, 2006.

SISTEMAS PREDIAIS DE GUAS PLUVIAIS: O abastecimento de gua para as cidades gera alguns problemas. Toda gua ir transformar-se em esgoto, que deve ser coletado e eliminado depois de tratado. Resduos industriais, dejetos humanos (fezes e urina) e guas servidas, que so poludos ou contaminados, compem o esgoto e podem contaminar as guas dos rios, dos lagos, dos mares, assim como o solo. Por isso, devem ser afastados rapidamente para locais onde no afetem a sade e onde sejam tratados antes de voltar para os rios e mares, mantendo tambm a sade do ambiente. Tratar o esgoto significa tirar dele detritos, substncias qumicas e microorganismos nocivos, deixando as guas to limpas quanto possveis, antes de devolv-las natureza. Para isso, so necessrios sistemas de esgotamento que garantam boas condies de higiene com ventilao, sistemas de inspeo e limpeza. Caminho das guas pluviais A gua pluvial que vem da chuva cai nas coberturas dos prdios, nos pisos de subsolo e nas ruas. Ela passa por ralos e vai por tubos at chegar numa caixa de concreto chamada caixa de areia (CA);

Estes tubos (no fundo do lote, jardim ou calada), so chamados de Ramal Condominial. Depois de coletadas de todas as casas do conjunto e da rua interligada a uma rede de dimetro maior chamada Rede Pblica; A rede pblica coleta as guas pluviais de outros Ramais Condominiais e vai aumentando de dimetro, medida que aumenta o nmero de ligaes, at se transformar numa rede bem maior; Todos estes tubos juntos so chamados de Rede Coletora de guas Pluviais, que comporta o que vem da nossa casa e da rua at a um efluente que pode ser um crrego, um lago, um riacho. Essa gua pluvial tambm pode no ser recolhida em rede e se infiltrar no solo. Ou sair sarjeta pelas ruas. Com a preocupao ambiental e a falta de gua no Planeta, uma atitude seria o aproveitamento dessa gua de chuva em vrias atividades como limpeza, lavagem, pequenas obras, instalaes sanitrias, de incndio, de gua quente, de ar condicionado

Sistemas Pblicos de guas Pluviais As guas prediais so, ou deveriam ser, lanados na rede de guas pluviais da cidade. Essa rede, que toda cidade possui ou almeja possuir, pode ser instalada segundo vrios sistemas, dependendo da cidade. Observao: O projeto de esgotamento das guas pluviais deve obedecer s prescries da NB 611, que rege as Instalaes Prediais de guas Pluviais. A instalao predial de guas pluviais dever ser projetada e construda de modo a permitir rpido escoamento e fceis desobstrues, deve vetar a passagem de gases e animais das canalizaes para o interior dos prdios, alm de no permitir vazamentos, formao de depsitos no interior das canalizaes, escapamento de gases e contaminao da gua potvel. A instalao predial de guas pluviais no receber, em hiptese alguma, esgotos sanitrios .Rede Condutora Materiais Tubo e conexes de ferro fundido, plstico, chumbo Dimetros 30, 40, 50, 75 mm 100, 150, 200 mm

Tubos e Conexes: Tubo: Bolsa Ponta

Curva 45o e 90o, t sanitrio, juno, esse, joelho, bujo, tubo operculado, luva.

Legenda: AP coluna de gua pluvial VR vlvula de reteno CP coletor pblico _ . _ . _ guas pluviais PV poo de visita tubulao que desce tubulao que sobe R FF CA CPr TO B RA CS ralo simples ou seco ferro fundido caixa de areia coletor predial tubo operculado bujo ralo abacaxi caixa sifonada

PROJETO DE GUAS PLUVIAIS: Planta baixa escala 1/50: Dimenses recomendadas das instalaes: tubo de queda: 3 = 75 mm ou 4 = 100m a coluna de gua pluvial na cobertura recebe um ralo abacaxi para evitar entrada de folhas, animais e outros a coluna de guas pluviais est recebendo s aguas que caem nas calhas instaladas na cobertura do prdio Desvio da coluna de gua pluvial: Quando a AP sofre desvio obrigatria a instalao do TO (tubo operculado) antes da curva. Distncias: A distncia mxima entre CAs de 25,00 m e a distncia mxima entre CA e CP de 15,00 m. Todas as caixas podem estar instaladas junto s colunas de guas pluviais. Prdio com subsolo: Vai haver o recalque da bomba, que ir CA ou ao ramal horizontal das APs. Todas as caixas devem estar instaladas fora do limite do subsolo, utilizando-se tubulaes horizontais, com as devidas conexes de visitas e obedecendo a regra de no mximo 25,00 m. As APs continuam ligadas CA por intermdio de uma tubulao horizontal com inclinao de 1 a 3 %, presa no teto do subsolo por braadeiras, conforme dimentro.

O bujo (B) uma conexo essencial, que serve para desentupir a tubulao horizontal . Esgotamento do subsolo com banheiro: Devem ser instalados: Ralos ou canaletas; Caixa de areia; Caixa sifonada; Caixa de inspeo; Poo de captao; Bomba centrfuga de eixo vertical; Recalque FG 75; Ventilao independente em 75 at o telhado.

Se a distncia entre CA-B for maior que 25,00 m, coloca-se um TO na canalizao horizontal, virado para cima e se for menor, no necessrio.

Manilha, poo de visita,

canal e charca:

O esgotamento do subsolo feito somente para gua de lavagem, mecanicamente, por eletro-bomba com eixo vertical, e recalque em ferro galvanizado. Quando no houver rede pblica de gua pluvial, esta gua pode ir para a rede de esgoto sanitrio.

A distncia mxima entre o coletor predial e o pblico no pode ser superior a 15,00 m.rua

TO B CA PV

CP (coletor pblico) CP (coletor pblico) CP (coletor pblico) CP (coletor pblico)CI

CP

15,00 m

Esgotamento do subsolo sem banheiros: somente gua de lavagem e gua de chuva O piso tem ralos, canaletas e caixas que recebem estas guas. O esgotamento feito, mecanicamente, por eletro-bomba com eixo vertical e recalque em ferro galvanizado. Devem ser instalados: Ralos de alvenaria com grelha de FF ou inox , podendo medir 20 x 20 cm / 30 x 30 cm / 40 x 40 cm; Canaleta com grelha de FF ou ao inox; Bomba centrfuga; Poo de captao que pode estar debaixo da escada ou embaixo de alguma vaga Caixa sifonada; Caixa de areia.

R CS Poo de Captao com BombaCA

1. caso : Ligao do recalque CI, se no houver rede de AP

2. caso : Ligao do recalque ao TQ ou AP

Esgotamento do subsolo com banheiro: Devem ser instalados: Ralos ou canaletas; Caixa de arei

Recommended

View more >