apostila de gramática introdutória - site docente ?· *³ contração e combinação as...

Download Apostila de Gramática Introdutória - Site docente ?· *³ Contração e Combinação As preposições…

Post on 10-Nov-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Apostila de Gramtica Introdutria

  • PRONOMES PESSOAIS So palavras que substituem os nomes e representam as pessoas do discurso. As pessoas do discurso (ou pessoas gramaticais) so trs:

    a) 1. pessoa = o falante: eu, ns b) 2. pessoa = o ouvinte: tu, voc a) 1. pessoa = a pessoa de quem se fala: ele, ela, eles, elas

    tabela comparativa ajustada s variaes

    * Pronome pessoal tu

    No portugus europeu normal, o pronome tu empregado como forma prpria da intimidade. Use-se de pais para filhos, de avs ou tios para netos ou sobrinhos, entre irmos ou amigos, entre marido e mulher, entre colegas de faixa etria igual ou prxima. O seu emprego tem-se alargado, nos ltimos tempos, ente colegas de estudo ou da mesma profisso, entre membros de um partido poltico e at, em certas famlias, de filhos para pais, tendendo a ultrapassar os limites da intimidade propriamente dita, em consonncia com uma inteno igualitria ou, simplesmente, aproximativa. No portugus do Brasil, o uso do tu restringe-se ao extremo Sul do pas e a alguns pontos da regio Norte, ainda no suficientemente delimitados. Em quase todo o territrio brasileiro, foi ele substitudo por voc como forma de intimidade ou informalidade.

    * Pronome voc

    um pronome de tratamento pessoal, empregado como forma de intimidade ou infomalidade. Tambm se emprega, fora do campo da intimidade, como tratamento de igual para igual ou de superior para inferior. Seu uso verbal se d na segunda pessoa (substituio do pronome tu), porm, conjugado como a terceira pessoa (ele) por tratar-se de um pronome de tratamento. No portugus de Portugal, "voc" utilizado em situao formal, enquanto "tu" usado em situao informal. Sua origem etimolgica encontra-se na expresso de tratamento de deferncia "vossa merc", que evoluiu sucessivamente a "vossemec", "vosmec", "vanc" e voc. "Vossa merc" (merc significa graa, concesso) era um tratamento dado a pessoas s quais no era possvel se dirigir pelo pronome tu. Em galego a expresso evoluiu para o termo vostede.

    Espanhol

    (variao argentina)

    Portugus (variao brasileira)

    SINGULAR 1. pessoa yo eu 2. pessoa vos tu *, voc * o senhor *, a senhora * 3. pessoa l, ella ele, ela

    PLURAL 1. pessoa nosotros ns a gente * 2. pessoa ustedes vs *, vocs * 3. pessoa ellos, ellas eles, elas os senhores *, as senhoras *

  • * Pronomes de tratamento o(s) senhor(es), a(s) senhora(s)

    O senhor, a senhora so, nas variantes europeia e americana do portugus, formas de respeito ou de cortesia e, como tais, opem-se a tu e voc que exprimem intimidade ou informalidade. Seu uso verbal se d na 3. pessoa do singular ou plural por tratarem-se de pronomes de tratamento.

    * Forma de tratamento a gente

    A alternncia das formas ns e a gente, representando a primeira pessoa do plural, de uso comum entre os falantes no Brasil A gente uma forma popular de se referir primeira pessoa do plural: ns. Neste caso, as outras palavras devem seguir a concordncia para o singular, mesmo que "a gente" expresse uma ideia coletiva e seja equivalente primeira pessoa do plural: "ns". O plural ser usado, bvio, se voc usar a forma ns. Portanto, a concordncia verbal deve prevalecer sempre: use ns com o verbo na 1 pessoa do plural; use a gente com o verbo na 3 pessoa do singular. Agente, sem espao entre o "a" e o "gente", um substantivo, uma palavra que designa uma pessoa que exerce determinada atividade: agente de viagem, agente de servio, etc. Se voc estiver num contexto formal, no h dvida de que ns palavra mais adequada; no entanto, nada impedir a utilizao de a gente num ambiente descontrado e informal. Convm dizer que no h nenhuma impropriedade no uso de a gente desde que seja num ambiente apropriado.

    Forma domstica de tratamento

    Sem flexo de gnero

    Conjuga-se na 3. pessoa do singular ou plural

    Equivale ao pronome pessoal ns

    Sentido de incluso ou de participao

    Origem gramatical no pronome coletivo gente

    a gente; em portugus no la gente; em espanhol

    * Pronome pessoal vs

    O pronome vs praticamente desapareceu da linguagem corrente do Brasil e de Portugal. Mas em discursos enfticos alguns oradores ainda se servem da 2. pessoa do plural para se dirigirem cerimoniosamente a um auditrio qualificado, tambm empregado cerimonialmente na comunicao escrita em mbitos especficos.

  • PRONOMES POSSESSIVOS So palavras que se referem s pessoas do discurso, atribuindo-lhes a posse de alguma coisa.

    GNERO *,* GRAU *,* NMERO *,* Masculino Feminino

    SINGULAR

    1. PESSOA eu meu(s) minha(s)

    2. PESSOA voc seu (s) sua (s) 3. PESSOA ele, ela seu (s) dele(s) * sua (s) dela(s) *

    PLURAL 1. PESSOA ns nosso(s) nossa(s)

    2. PESSOA vocs seu (s) sua (s) 3. PESSOA eles, elas seu (s) dele(s) * sua (s) dela(s) *

    * Concordncia de grau, nmero e gnero

    O gnero do pronome possessivo concorda com o gnero da posse.

    O grau e o nmero do pronome possessivo concordam com o dono da posse.

    * Colocao dos pronomes

    Os pronomes possessivos, com exceo dos *, sempre so colocados antes do substantivo (posse).

    * Pronome possessivo dele(s), dela(s)

    Utilizados na diferenciao de discurso entre a 3. pessoa do singular ou plural.

    Concordncia somente com o dono da posse, ou seja, somente concorda em grau e nmero.

    Sempre so colocados depois do substantivo (posse).

  • PRONOMES DEMONSTRATIVOS So palavras que indicam o lugar ou a posio dos seres; coisas ou situaes, relacionados s pessoas do discurso.

    VARIVEIS *, *

    INVARIVEIS *, * MASCULINO FEMININO

    NMERO SINGULAR PLURAL SINGULAR PLURAL 1. PESSOA o falante este estes esta estas isto 2. PESSOA o ouvinte esse esses essa essas isso 3. PESSOA de quem se fala aquele aqueles aquela aquelas aquilo

    * Utilizao dos pronomes

    Os pronomes demonstrativos este(s), esta(s), isto indicam o que est perto do falante.

    Os pronomes demonstrativos esse(s), essa(s), isso indicam o que est perto do ouvinte.

    Os pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo indicam o que est perto da pessoa de quem se fala.

    * Concordncia de nmero, gnero e grau:demonstrativos variveis

    Concordam em gnero (masculino, feminino) e grau (singular, plural) com o que se indica; seres ou coisas.

    Concordam em nmero com as pessoas do discurso (falante, ouvinte ou a pessoa de quem se fala).

    * Concordncia de nmero, gnero e grau: demonstrativos invariveis

    Concordam somente em gnero (masculino, feminino) com o que se indica; situaes, eventos ou acontecimentos.

    Concordam em nmero com as pessoas do discurso (falante, ouvinte ou a pessoa de quem se fala).

  • ARTIGO uma palavra que antepomos ao substantivo para determin-lo, indicando o gnero e o nmero do substantivo ao qual se antepe.

    MASCULINO FEMININO

    SINGULAR PLURAL SINGULAR PLURAL

    DEFINIDOS o *,*,* os *,*,* a *,*,* as *,*,* INDEFINIDOS um uns uma umas

    * Uso opcional dos artigos definidos

    Com pronomes possessivos

    Com vocbulos de anatomia

    * Uso como indicador de diferenciao dos artigos definidos

    Indicador de afetividade ou familiaridade antes de nomes prprios.

    Indicador de respeitabilidade antes de ttulos acadmicos ou honorficos.

    * Emprego dos artigos definidos

    a) Emprega-se para pases, excetuando os pases de Angola, Moambique, Cabo Verde, So Tom e Prncipe, Andorra, Portugal, Israel, Cuba, Arago, Castela, So Salvador, Macau e Timor Leste.

    b) No se emprega para cidades, excetuando as cidades do Cairo, Haia, Recife, Rio de Janeiro, Porto, Silcia, Sardenha, Crsega e Madeira.

    c) No uniforme o emprego com os nomes dos estados brasileiros. A maioria leva artigo, no se usam, porm, com artigo: Alagoas, Gois, Mato Grosso, Minas Gerais, Pernambuco, Rondnia, Santa Catarina, So Paulo e Sergipe.

    d) Emprega-se o artigo entre o numeral ambos e o elemento posterior, caso este exija o seu uso: Ambos os atletas foram declarados vencedores. (atletas substantivo que exige artigo.) Ambas as leis esto obsoletas. (leis substantivo que exige artigo.) Ambos vocs esto suspensos. (vocs pronome de tratamento que no admite artigo.)

    e) S se usa artigo diante da palavra casa (lar, moradia), se a palavra estiver especificada. Sa de casa h pouco. Sa da casa do Gilberto h pouco.

    f) Se a palavra terra significar "cho firme", s haver artigo, quando estiver especificada. Se significar planeta, usa-se com artigo.

    Os marinheiros voltaram de terra, pois iro terra do comandante. Os astronautas voltaram da Terra.

  • PREPOSIO* uma palavra invarivel que liga um termo dependente a um termo principal, estabelecendo uma relao entre ambos.

    CLASSIFICAO ESSENCIAIS * a *, ante, aps, at, com, contra, de *, desde, em *, entre, para *, per *, perante, por, sem, sob, sobre, trs

    ACIDENTAIS * afora, fora, como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos, salvante, salvo, segundo, visto, etc.

    * Preposies

    Essenciais: so aquelas que sempre foram preposies.

    Acidentais: so aquelas que passaram a ser preposies depois de exercerem na lngua outras funes.

    * Emprego da Preposio (algumas particularidades)

    a) O sujeito das oraes reduzidas de infinitivo no deve vir contrado com uma preposio. A maneira dele estudar no correta. [Inadequado]. A maneira de ele estudar no correta. [Adequado]

    b) A preposio "a" no deve ser utilizada aps a preposio "perante". Quando o resultado das provas foi divulgado, ela chorou perante a tod