apostila de conserto de impressoras

Download Apostila de Conserto de Impressoras

Post on 12-Feb-2015

31 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

NESTA APOSTILA VOC APRENDER DE UMA MANEIRA PRTICA E DETALHADA COMO CONSERTAR OS VRIOS TIPOS DE IMPRESSORA. COM PRECIOSAS INFORMAES TCNICAS. IDENTIFICANDO SE VALE MAIS REPARAR OS DEFEITOS OU COMPRAR UMA NOVA, EM UMA LINGUAGEM TANTO PARA TCNICOS COMO INICIANTES BONS ESTUDOS.

INDICE ANALITICO CARACTERISTICAS E TIPOS DE IMPRESSORA AS PRINCIPAIS TCNICAS DE IMPRESSO IMPRESSORAS DE IMPACTO IMPRESSORAS TRMICAS IMPRESSORAS JATO DE TINTA IMPRESSO ELETROFOTOGRAFICA (EP) PROCEDIMENTOS GERAIS DE MANUTENO DEFEITOS MECNICOS NAS IMPRE. CONVENCIONAIS PROBLEMAS MECNICOS NAS IMPRESSORAS DEFEITOS ELETRONICOS NAS IMPRESSORAS 02 03 04 05 05 06 08 09 13 15

2

As impressoras a cada dia esto mais baratas e descartveis. Os fabricantes esto muito mais interessados em vender as tintas de impresso, pois o lucro muito maior. Por isso as vezes mais barato jogar uma impressora fora do que conserta-la devido ao alto preo das peas de reposio. Porm e outros casos interessante consert-la. Quando vantajoso consertar uma impressora ou qualquer outro equipamento eltrico? Geralmente quando o preo das peas e mo de obra na ultrapassar de 30% a 50% do valor de um equipamento novo. - Caractersticas e tipos de impressora. A impressora um perifrico como o monitor o mouse e tem a funo de transferir a sada de um computador para um substrato pode ser: (papel, metal ou plstico). Essa transferncia bem complexa e necessita de uma interao de mecanismos eletrnicos e qumicos. Basicamente existem dois tipos de impressoras as de linha e as de pgina. As impressoras de linha foram as primeiras a aparecer como a matricial, de impacto, uma evoluo da mquina de escrever, onde um cabeote de impresso pressiona suas agulhas sobe uma fita (igual a da mquina de escrever) e transfere a informao para o papel. Uma diferena entre as impressoras matriciais e as de pagina. que a primeira vai imprimindo a medida que recebe as informaes. Enquanto as de pagina, recebe toda a informao para depois imprimir. - Analisando a impressora. Antes de iniciar um reparo, certifique-se de que sabe operara-la. Para isso utilize os manuais das mesmas, caso no possua os sites dos fabricante pode trazer informaes necessrias. De maneira genrica uma impressora contm os seguintes dados. Energia de alimentao: necessita para o funcionamento da impressora, no manual encontra-se a tenso (voltagem) a freqncia da rede e o consumo de energia. Devido a variao de alimentao no mundo. Por exemplo, no mercado americano a tenso varia de 105 V a 130V numa freqncia de 60HZ. Na Europa esta variao de 210V a 240V a 50HZ. P isso as impressoras so projetadas para acomodar estas variaes. interessante que antes de qualquer procedimento de manuteno, verifique se a impressora esta sendo alimentada corretamente. Interface e compatibilidade: interface por onde a impressora recebe as informaes para impresso os tipos mais comuns so: serial ou RS 232, Centronics ou Paralelo, USB(universal serial bus). E outros poucos utilizados, infravermelho, Bluetooth, Rede Apple Talk ou Ethernet e IEEE-488 ou GPIB. Caractersticas operacionais: trata-se da resoluo que medida em DPI pontos por polegada, velocidade que medida em pginas por minuto e tipo de alimentao do papel pode ser formulrio continuo, folhas soltas ou rolos. 3

O temo CPL caracteres por linha, refere-se a impressora de impacto (matricial) onde representa o nmero de letras que podem ser colocados em um nica linha horizontal. O termo CPS caracteres por segundo tambm refere-se as impressoras matriciais, informa quantos caracteres completos (letras) a impressora consegue imprimir em cada segundo. Dot Pitch informa a quantidade e preciso com que os pontos so colocados, tanto na direo vertical quando horizontal. O tempo de transmisso a velocidade com que transmitida uma pgina do computador para a impresso. O tempo de processamento encontra-se nas impressoras de pgina, quando recebe a pgina para impresso ela tem que ser rasterizada , ou seja, verifica-se em que pontos da pgina deve ser depositado tinta para obter o texto ou imagem. O tempo de impresso o tempo que impressora gasta para produzir fisicamente a pgina. Algumas impressoras processam a prpria imagem (rasterizam), como as impressoras jato de tinta mais avanadas e laser. Porm as impressoras matriciais e as de jato de tinta mais baratas necessitam que o computador faa a rasterizao e transmita somente as informaes necessrias, essas impressoras que no possuem processador para rasterizar so chamada de WINPRINTERS pois utilizam o sistema de impresso do windows para montar a imagem. As impressora geralmente trabalham com trs tipos de fontes: residentes, adicionveis via cartuchos ou expanses e as carregveis via software. As residentes j vem gravadas no EPROMS pelo fabricante da impressora. As adicionveis so as que somam as fontes residentes geralmente na forma de chips ou de cartuchos que se encaixam em locais para eles. Fontes via software o computador seleciona a fonte que se deseja imprimir e envia para a impressora na hora de imprimir. A desvantagem que esse processo encha a memria da impressora. Para se comunicar com o computador utilizamos a linguagens de comunicao onde se destacam: ESC-P2 desenvolvido pela Epson para suas impressoras matriciais e jato de tintas; PCL criado pela HP para impressoras a jato e laser; POSTSCRIPT a mais revolucionria de todas criativa e profissional criada pela Adobe esta linguagem domina o mercado devido a sua alta resoluo e sofisticado recurso grfico principalmente na separao de cores para a industria grfica. AS PRINCIPAIS TCNICAS DE IMPRESSO Chamadas de convencionais as tcnicas so: impacto, trmica e jato de tinta. Impressoras de Impacto: considerada a mais antiga e simples forma de impresso, as imagens so marteladas contra o papel. Veja a figura abaixo como uma letra impressa em uma mquina de escrever e em uma impressora matricial. Os pontos so formados por uma fina agulha acionada por um mbolo montado dentro de uma bobina, este conjunto conhecido como solenide. Quando recebe energia eltrica cria um campo magntico que impulsiona o mbolo interno a agulha bate na fita com tinta e forma um ponto no papel. Para que o cabeote funcione ele recebe uma grande quantidade de energia eltrica requerendo portanto circuitos eletrnico com certa potncia 4

absorvendo apenas de 1 a 2% de energia o resto dissipado em forma de calor o que tende a esquentar o cabeote, por isso utilizam dissipadores de calor. O cabeote de impresso formado por um conjunto de solenides com suas agulhas num total de 9 ou 24 agulhas, quanto mais agulhas melhor a imagem. Quais as vantagens e desvantagens de possuir uma impressora matricial? Vantagens: flexveis e baratas, boas para etiquetas, rtulos e documentos fiscais que necessitam de cpias, confiveis e durveis e quase no necessitam de manuteno. Desvantagens: barulhentas, baixa resoluo grfica, com o aquecimento da cabea de impresso limita-se a performance, difcil encontrar fitas de impresso e dificuldade de encontrar peas de reposio para modelos mais antigos.

Impresso trmica: As impressoras deste tipo so chamadas de TDM (matriz de pontos trmicos). Este tipo de impresso substitui o impacto pelo calor na impresso, ao inves de agulhas existe pequenas resistncias eltricas chamadas de dot heaters (aquecedores de ponto). Estas resistncias tambm formam uma matriz de pontos que, quando acionadas eletricamente, esquentam uma fita entintada chamada de ribbon (fita) ou sensibilizam um papel especial. Vantagens e desvantagens de possuir uma impressora trmica: vantagens; silenciosa, baixo consumo de energia, cabeotes simples e confiveis, fcil manuteno, parte eletrnica da impressora bem simples e impresso limpa e clara. Desvantagens; impresso lenta, cabeotes drua menos que os de outras, cabeotes no podem ser recauchutados so caros e cabeotes danificados precisam ser substitudos, a um custo igual ao da aquisio de uma impressora. Impresso jato de tinta: neste tipo de impresso no necessita de contato entre a cabea de impresso e o papel, pois a tinta borrifada sobre o papel como um spray de desodorante. Essas impressoras utilizam dois mtodos para criar o jato de tinta: o drop-on-demand e jato intermitente. A primeira tcnica requer um comando individual para cada ponto, onde injetado a tinta a partir da cabea de impresso, uma maneira similar a impressora matricial. Os jatos intermitentes joga um fluxo de tinta (ao contrario de pulsos). Os cabeotes de impresso dos jatos de tinta so os mais simples e bvios. A tinta depositado em um reservatrio descartvel que pode ou no estar integrado ao cabeote de impresso. As impressoras HP usam os cabeotes acoplados aos cartuchos de impresso 5

enquanto a Epson utiliza blocos separados um para o reservatrio e outro para os cabeotes de impresso. Os cartuchos instalados na impressora a gravidade e a capilaridade fazem com que a tinta chegue a cada furinho do cabeote de impresso, percorrendo os finos canais interiores. Estes cabeotes podem ter de 12 a 60 ou mais canis de sada. Mas o que faz com que a tinta no fique vazando continuamente pelos furos? Sua viscosidade e a tenso superficial caractersticas dos lquidos. Os microscanais possuem uma microbomba quase microscpica elemento chave numa cabea de impresso de jato de tinta. Pois cada microbomba necessita de um pulso eltrico para funcionar, com isso existe uma srie de contatos no cabeote de impresso fazendo a ligao entre as microbombas e os circuitos eletrnicos. Cada microbomba pode sr acionada independente para formar as imagens. Existe dois tipos de microbombas: as piezoeltricas e de bolhas. Piezoeltricas: esse materiais piezoeltricos alteram seu tamanho quando recebem uma carga eltrica. Para montar as bombas piezoeltricas um anel de material cermico piezoeltrico montado ao redor do canal por onde a tinta deve ser ejetada. Quando um pulso eltrico atinge a cermica seu material aperte o canal, causando um rpido deslocamento de pequeno volume de tin