apostila curso de veleiro e arrais amador

Download Apostila curso de veleiro e arrais amador

Post on 02-Apr-2016

242 views

Category:

Documents

19 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Esta apostilha foi elaborada para aprimorar os conhecimentos teóricos dos pilotos de lanchas do CBMERJ pelo 1° Tenente BM QOA/81 - Ivan Braz Pereira (Mestre de Cabotagem - Setembro/2008.

TRANSCRIPT

  • [

    Bibliografia: Curso Preliminar de Aquavirios Diretoria de Portos e Costas Ministrio da Marinha Navegar Fcil Geraldo Luiz Miranda de Barros Aprenda a Navegar Joo G. Schmidt Arte Naval Maurlio M. Fonseca Vol. I e II

  • P g i n a | 2

    NOTA: Esta apostilha foi elaborada para aprimorar os conhecimentos tericos dos pilotos de lanchas do CBMERJ pelo 1 Tenente BM QOA/81 - Ivan Braz Pereira (Mestre de Cabotagem - Setembro/2008.

  • P g i n a | 3

    CONHECIMENTOS ELEMENTARES: EMBARCAO, DIREES RELATIVAS, DIMENSES LINEARES, DADOS NO LINEARES

    EMBARCAO - toda construo, feita de madeira, ferro, ao, fibra de vidro, ou da combinao desses e outros materiais, que flutua, sendo especificamente destinada a transportar, pela gua, pessoas ou coisas.

    DIREES RELATIVAS

    PROA - extremidade anterior do navio no sentido de sua marcha normal. A proa a origem de contagem das marcaes relativas. Corresponde aos 000 relativos.

    POPA - Extremidade posterior do navio. corresponde a 180 relativos. Para efeitos de marcaes relativas corresponde a 180 relativos

    BORDOS - so as duas partes simtricas em que o casco (corpo principal da embarcao) dividido por um plano vertical que contm a linha proa-popa. Denominamos de BORESTE (BE) a parte direita de quem olha para a proa e de BOMBORDO (BB) a parte esquerda.

    BOCHECHAS -partes curvas do costado de um e de outro bordo junto proa. Para efeitos de marcaes relativas a bochecha de BE est aos 045 da proa e a de BB aos 315 dela.

    TRAVS - no uma parte da embarcao e sim uma posio em relao a ela. Tal posio a perpendicular a linha proa-popa, aproximadamente, a meio navio. Para efeito de marcaes relativas o travs de BE est aos 090 graus da proa e o de BB aos 270 dela.

    ALHETAS - parte do costado de um e de outro bordo entre o travs e a popa. Para efeitos de marcaes relativas a alheta de BE est aos 135 da proa e a de BB aos 225 graus dela.

  • P g i n a | 4

    DIREES RELATIVAS

    TRAVES DE BB 270.

    PROA

    000

    045 BOCHECHA DE BE BOCHECHA DE BB

    Quando um objeto entre a proa e uma das bochecha, diz-se estar ele por ANTE-A- V ANTE da bochecha (BE) ou de BB conforme esteja o objeto direita ou esquerda da proa. Semelhantemente, quando o objeto est entre uma das bochehas e o travs respectivo diz-se que o objeto est por ANTE-A-R da bochecha respectiva (BE ou BB).

    Quando temos um objeto entre o travs de um dos bordos e a alheta respectiva diz-se que o objeto est por ANTE-A-VENTE da alheta (BE ou BB). Quando entre a alheta e a popa o objeto estar por ANTE-A-R da alheta (BB ou BE).

    COMPRIMENTO -existem vrias maneiras de se medir o comprimento de uma embarcao, cada uma delas destinada normalmente a um fim especfico. entendido que, quando nada mais seja especificado, o comprimento se refere ao comprimento total, distncia horizontal medida entre as perpendiculares a um plano horizontal que contm a linha proa-popa da embarcao, e que passam pelos pontos extremos da embarcao na parte de vante e na parte de r. O comprimento total tambm, comumente, denominado de COMPRIMENTO RODA A RODA.

    DIMENSES LINEARES -as principais dimenses lineares de uma embarcao so: comprimento, boca, contorno, pontal e calados (mximo e mnimo).

    ALHETA DE BB 225

    315

    090 TRAVES DE BE

    135 ALHETA DE BE

    180 POPA

    POPA

    ,... CONPRINENTO TOTAL

  • P g i n a | 5

    COMPRIMENTO DE ARQUEAO -, para fins amadores, o comprimento entre a face interna da proa no encontro com o convs principal (ou seu prolongamento) e a face interna da popa no encontro com o convs principal (ou seu prolongamento).

    BOCA - a maior largura de uma embarcao.

    PONTAL - a distncia vertical medida do convs at um plano horizontal que passa pela quilha da embarcao.

    CAlADO - a distncia vertical entre a superfcie da gua (linha de gua) e a parte mais baixa da embarcao no ponto considerado. Toda embarcao tem sempre dois calados: um, O calado mximo, ou seja, a plena carga; o outro, o calado mnimo, ou seja, o calado leve ou com a embarcao descarregada inteiramente. importante que se conhea sempre os calados da embarcao.

    BORDA UVRE - a distncia vertical medida entre o plano do convs e a superfcie das guas, normalmente, na parte de maior largura da embarcao. Com o deslocamento mximo a borda livre atinge seu limite mnimo.

    CONTORNO - a medida tomada, normalmente na parte mais larga da embarcao, de borda a borda, passando pela quilha. Quando houver bolina fixa devemos tomar essa medida, como se no houvesse tal dispositivo.

    ~

    DADOS NAO LINEARES -Alm dos dados lineares da embarcao deve-se conhecer:

    DESLOCAMENTO -ou seja, o que ela desloca em peso de gua quando flutuando em guas tranqilas. Toda embarcao tem um deslocamento mximo quando com leo, gua, tripulantes, etc. a bordo; e um deslocamento mnimo, quando inteiramente descarregada. O deslocamento expresso normalmente em toneladas de 1000Kgs.

    TONELAGEM DE PORTE BRUTO -nada mais que, a diferena entre o deslocamento mximo e o deslocamento mnimo. A tpb tambm conhecida por tonelagem deadweight (tdw).

    PESO MAXIMO DE CARGA. a tonelagem de porte-bruto, (tpb), diminuda do peso do combustvel, da gua, generos, etc., nos dar o PMC da embarcao (em funo do qual calculada a lotao mxima).

  • P g i n a | 6

    NCORAALMIRANTADO

    NCORAS. TIPOS DE NCORAS. PESO DAS NCORAS. AMARRAS. FUNDEAR E SUSPENDER. FUNDEADOURO. ATRACAR E DESATRACAR. ESPIAS E SEU USO. LEME E SEUS EFEITOS. SITUAES DE MANOBRA DE EMBARCAES.

    NCORAS -A ncora. denominada comumente de "ferro". uma pea de ao de forma especial e peso proporcional ao deslocamento da embarcao. que tem por finalidade mant-la em um fundeadouro. As principais partes de uma ANCORA so: a haste, os braos, as patas, a cruz, o cepo (quando existente) e o anete.

    TIPO "COGUMELO'

    TIPOS DE NCORAS -A ncora tradicional a do tipo Almirantado sendo tambm a mais segura uma vez que possui cepo, e este facilita o "unhar" da NCORA no fundo. Entretanto, este tipo que tambm tem a maior desvantagem, pois facilmente a amarra se enrosca no cepo ou no brao que fica para cima por ocasio de rabear da embarcao em tmo do "ferro" por efeito do vento ou da mar.

    Atualmente usam-se "ferros" de vrios tipos, tais como o Hall, o arado, o cogumelo, o Danforth, etc. O tipo mais encontrado, hoje em dia, em embarcaes de recreio o "ferro" tipo Danforth que possui como vantagens: facilidade e rapidez em "unhar" e no possui cepo.

    ANETE

    CEPO HASTE

    PATA

    BRAO

    CRUZ

  • P g i n a | 7

    DESLOCAMENTO MXIMO

    FERRO KGS

    3

    15 5 25 10 45 20 55 30 65 40 75 50 90

    AMARRAS -A ligao da ncora com a embarcao se faz pela AMARRA. Esta pode ser uma corrente de elos de ao, ou um cabo de ao, fibra, nyIon, etc., o que e mais comum em embarcaes pequenas de recreio ou pesca. A AMARRA constituda de quartis, sendo um quartel o comprimento de cerca de 25 metros de amarra. Uma AMARRA possui geralmente oito quartis, ou seja, 200 metros. A cada 25 metros devemos marcar a amarra com frisos de tinta branca,de maneira a facilitar o conhecimento da quantidade de amarra que est fora da embarcao.

    FUNDEAR E SUSPENDER Por ocasio de fundear devemos tomar certos cuitados:

    - aproximarmo-nos do local de fundeio em marcha reduzida e aproados ao vento, ou corrente se esta for mais forte.

    - chegarmos ao local de fundeio com as "mquinas paradas" ou os "panos abafados"e a embarcao com pouco seguimento ou quase parada.

    - largar o ferro deixando-se correr uma quantidade de amarra de no mnimo, trs vezes a profundidade do local, ao mesmo tempo em que damos "mquinas atrs devagar" o necessrio para ajudarmos o ferro a unhar. No devemos deixar a amarra correr livre com a embarcao parada, para evitar que ela embole sobre o ferro, perdendo assim o seu efeito. As embarcaes exclusivamente a vela, devem largar o ferro quando ainda com seguimento avante, para o mesmo fim.

    - para evitarnos perder o ferro devemos nos habituar a fixar a ele um cabo fino chama- do arinque que aguentado na superficie por um objeto flutuante denominado bia de arinque.

    - logo que a embarcao se estabilizar no fundeadouro, fazer marcaes de pontos de terra para determinarmos na carta, nossa posio. Escolher tanto quanto possvel pontos que possam ser vistos tanto de dia quanto de noite, possibilitando assim que a qualquer hora, possamos verificar se a embarcao est "garrando" no fundeadouro ou no.

    PESO DAS NCORAS -Os "ferros" devem ter um peso proporcional ao deslocamento mximo da embarcao. Como regra geral, para navioS de grande porte, para cada tonelada de deslocamento deve-se ter um quilo de peso para a ANCORA. Assim, um navio de 2.000 toneladas dever ter um ferro de 2.000 quilos. Porm, para as embarcaes pequenas de recreio ou pesca podemos adotar a seguinte tabela:

  • P g i n a | 8

    FUNDEADOURA Ao escolhermo um local de fundeio, deveremos ter em mente que um bom fundeadouro deve:

    - ser abrigado de ventos, correntes e ondas.

    - ter uma profundidade adequada a nossa embarcao.

    - ter um fundo sem grande declividade, pois em caso contrrio, facilmente a embarcao "garrar".

    - ter um fundo de boa "tena "(poder de prender o ferro). Os melhores fundos so os de areia, lama, cascalho ou. uma combinao deles.

    - ter espao suficiente que permita a nossa embarcao girar sem perigo, em um raio que ser funo da quantidade de amarra largada e do comprimento da embarcao.

    Quando vamos SUSPENDER, normalmente a embarcao estar sempre aproada direo

Recommended

View more >