apostila 1-comissrio-de-vo

Download Apostila 1-comissrio-de-vo

Post on 05-Aug-2015

154 views

Category:

Documents

24 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1. CEAB Centro Educacional da Aviao do BrasilRua Arthur de Azevedo, 132/140 Pinheiros SP - Tel: (11) 3081-4949e-mail: ceab@ceabbrasil.com.br - www.ceabbrasil.com.br1Curso de Comissrio de Voo,partes terica e prticaModalidade EaD 2. CEAB Centro Educacional da Aviao do BrasilRua Arthur de Azevedo, 132/140 Pinheiros SP - Tel: (11) 3081-4949e-mail: ceab@ceabbrasil.com.br - www.ceabbrasil.com.br2Sej@ bem-vindo aoCurso de Comissrio de Voo, partes terica e prtica com muito prazer que recebemos voc aqui no Centro Educacional de Aviao do Brasil CEAB para esse curso, que tem como objetivo lhe proporcionar experincias e informaes indispensveis formao inicial do comissrio de vo.Ao longo desta nossa jornada, voc ter acesso a diversas informaes que daro subsdio sua formao, e conseqentemente, ao seu futuro trabalho Comissrio de Vo.Aqui, neste material didtico, voc encontrar subsdios indispensveis para sua formao, esse material o ajudar a compreender vrios fatores. importante lembr-lo que a sua leitura deve ser articulada ao Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle), juntamente com as orientaes que voc receber ao longo do curso, por meio do seu tutor.Neste material, pretendemos apresentar noes bsicas do trabalho e responsabilidades do Comissrio de Voo, a partir dos seguintes contedos programticos: Comissrio de Vo Sistema de Aviao Civil Regulamentao da Aviao Civil Regulao da Profisso de Aeronauta Segurana de Vo Conhecimentos Bsicos sobre aeronaves Navegao Area Meteorologia Aspectos Fisiolgicos da Atividade de Comissrio de Vo Primeiros Socorros na Aviao Civil Emergncias a Bordo Sobrevivncia Fatores Humanos na Aviao Civil Instruo Prtica 3. CEAB Centro Educacional da Aviao do BrasilRua Arthur de Azevedo, 132/140 Pinheiros SP - Tel: (11) 3081-4949e-mail: ceab@ceabbrasil.com.br - www.ceabbrasil.com.br3Caro aluno,Ao longo deste guia voc encontrar alguns cones que lhe ajudaro a identificaras atividades.Fique atento(a) ao significado de cada um deles, isso facilitar a sua leitura e seusestudos. 4. CEAB Centro Educacional da Aviao do BrasilRua Arthur de Azevedo, 132/140 Pinheiros SP - Tel: (11) 3081-4949e-mail: ceab@ceabbrasil.com.br - www.ceabbrasil.com.br4CURSO DE COMISSRIO DE VOO,PARTES TERICA E PRTICACOMISSRIO DE VOOObjetivosApresentar uma viso geral da funo de Comissrio de Vo e a sua preparao, passando por pontos, como a importncia da funo de comissrio de vo em relao ao atendimento ao passageiro e segurana de vo, e a importncia do preparo constante, dedicao e bom aproveitamento nos treinamentos. 5. CEAB Centro Educacional da Aviao do BrasilRua Arthur de Azevedo, 132/140 Pinheiros SP - Tel: (11) 3081-4949e-mail: ceab@ceabbrasil.com.br - www.ceabbrasil.com.br5COMISSRIO DE VOOVoc sabe qual a origem da atividade de Comissrio de Voo? E, sabe porque o Comissrio de Vo foi por muitos anos chamado de Aeromoa?Anote suas impresses abaixo:HISTRICOA profisso de comissrio de bordo ou aeromoapara mulheres, surgiu em 1930 por reivindicao deuma mulher, Ellen Church (na foto direita).Apaixonada por aviao e por no poder pilotaruma aeronave por ser mulher, a enfermeira sugeriu Boeing Air Transport que colocasse enfermeiras abordo dos avies para cuidar da sade e seguranados passageiros durante o voo.As primeiras moas contratadas deveriam sersolteiras, no terem filhos, obedecer a um padro de peso e altura, porm possuiam salriosmuito baixos. A idia fez muito sucesso, pois as mulheres a bordo passavam segurana aos 6. CEAB Centro Educacional da Aviao do BrasilRua Arthur de Azevedo, 132/140 Pinheiros SP - Tel: (11) 3081-4949e-mail: ceab@ceabbrasil.com.br - www.ceabbrasil.com.br6passageiros, j que a mulher era considerada uma figura de fragilidade, e tendo mulheres trabalhando a bordo passava a idia aos viajantes de que o avio no era to perigoso quanto pensavam. Devido a Segunda Guerra Mundial e com a convocao das enfermeiras para os campos de batalha, as companhias areas ento comearam a colocar mulheres de nvel superior a bordo. Tudo isso sem perder o charme e a elegncia, j que esta profissional representaria a empresa. A profisso se popularizou e perdeu o smbolo sensual que possua. Foi ento que surgiu o comissrio. Hoje uma das profisses que mais cresce no Brasil, devido a ascenso da aviao brasileira e o baixo custo de passagens areas.REGULAMENTAO PROFISSIONALConhecer o histrico de regulamentao da atividade profissional que logo voc atuar muito importante, para mais informaes sobre a Lei N. 7.183: de 05 de Abril de 1984, acesse o link: http://www2.anac.gov.br/biblioteca/leis/lei7183%20.pdfLei N. 7.183, de 05 de abril de 1984Regula o exerccio da profisso de aeronauta e d outras providncias.Veja algumas informaes sobre essa lei que inicialmente regulou a profisso do aeronauta:Art. 6 - So tripulantes:a) - COMANDANTE: piloto responsvel pela operao e segurana da aeronave - exerce a autoridade que a legislao aeronutica lhe atribui; 7. CEAB Centro Educacional da Aviao do BrasilRua Arthur de Azevedo, 132/140 Pinheiros SP - Tel: (11) 3081-4949e-mail: ceab@ceabbrasil.com.br - www.ceabbrasil.com.br7b) - CO-PILOTO: piloto que auxilia o comandante na operao da aeronave;c) - MECNICO DE VOO: auxiliar do comandante, encarregado da operao e controle de sistemas diversos conforme especificao dos manuais tcnicos da aeronave;d) - NAVEGADOR: auxiliar do comandante, encarregado da navegao da aeronave quando a rota e o equipamento o exigirem, a critrio do rgo competente do Ministrio da Aeronutica (Defesa);e) - RADIOPERADOR DE VOO: auxiliar do comandante, encarregado do servio de radiocomunicaes nos casos previstos pelo rgo competente do Ministrio da Aeronutica (Defesa);f) - COMISSRIO: o auxiliar do comandante, encarregado do cumprimento das normas relativas segurana e atendimento dos passageiros a bordo e da guarda de bagagens, documentos, valores e malas postais que lhe tenham sido confiados pelo comandante. 1 - A guarda dos valores fica condicionada existncia de local apropriado e seguro na aeronave, sendo responsabilidade do empregador atestar a segurana do local. 2 - A guarda de cargas e malas postais em terra somente ser confiada ao comissrio quando no local inexistir servio prprio para essa finalidade.Art. 7 - Consideram-se tambm tripulantes, para os efeitos desta Lei, os operadores de equipamentos especiais instalados em aeronaves homologadas para servios areos especializados, devidamente autorizados pelo Ministrio da Aeronutica (Defesa). 8. CEAB Centro Educacional da Aviao do BrasilRua Arthur de Azevedo, 132/140 Pinheiros SP - Tel: (11) 3081-4949e-mail: ceab@ceabbrasil.com.br - www.ceabbrasil.com.br8Lei 7.565 de 19/12/1986O atual CDIGO BRASILEIRO DE AERONUTICA (CBA) foi aprovado e sancionado pela Lei n 7.565 de 19 de dezembro de 1986, lei que contm os princpios fundamentais para a regulamentao da aviao civil brasileira, onde esto contidas matrias relativas navegao area, trfego areo, infra - estrutura aeronutica, tripulao, aeronave, servios areos, contratos de transporte areo, responsabilidade civil de transportadores areos, infraes e providncias administrativas, prazos extintos, etc...Acesse a Lei N. 7.565: de 19 de Dezembro de 1986, acesse o link: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7565.htmO CBA apresentado em 11 Ttulos, divididos em captulos e sees, somando um total de 324 artigos.CAPTULO III Do Comandante de AeronaveArt. 165. Toda aeronave ter a bordo um Comandante, membro da tripulao, designado pelo proprietrio ou explorador e que ser seu preposto durante a viagem.Pargrafo nico. O nome do Comandante e dos demais tripulantes constaro do Dirio de Bordo.Art. 166. O Comandante responsvel pela operao e segurana da aeronave. 1 O Comandante ser tambm responsvel pela guarda de valores, mercadorias, bagagens despachadas e mala postal, desde que lhe sejam asseguradas pelo proprietrio ou explorador condies de verificar a quantidade e estado das mesmas. 2 Os demais membros da tripulao ficam subordinados, tcnica e disciplinarmente, ao Comandante da aeronave. 9. CEAB Centro Educacional da Aviao do BrasilRua Arthur de Azevedo, 132/140 Pinheiros SP - Tel: (11) 3081-4949e-mail: ceab@ceabbrasil.com.br - www.ceabbrasil.com.br9 3 Durante a viagem, o Comandante o responsvel, no que se refere tripulao, pelo cumprimento da regulamentao profissional no tocante a:I - limite da jornada de trabalho;II - limites de vo;III - intervalos de repouso;IV - fornecimento de alimentos.Art. 167. O Comandante exerce autoridade inerente funo desde o momento em que se apresenta para o vo at o momento em que entrega a aeronave, concluda a viagem.Pargrafo nico. No caso de pouso forado, a autoridade do Comandante persiste at que as autoridades competentes assumam a responsabilidade pela aeronave, pessoas e coisas transportadas.Art. 168 Durante o perodo de tempo previsto no artigo 167, o Comandante exerce autoridade sobre as pessoas e coisas que se encontrem a bordo da aeronave e poder:I - desembarcar qualquer delas, desde que comprometa a boa ordem, a disciplina, ponha em risco a segurana da aeronave ou das pessoas e bens a bordo;II - tomar as medidas necessrias proteo da aeronave e das pessoas ou bens transportados;III - alijar a carga ou parte dela, quando indispensvel segurana de vo (artigo 16, 3).Pargrafo nico. O Comandante e o explorador da aeronave no sero responsveis por prejuzos ou conseqncias decorrentes de adoo das medidas disciplinares previstas neste artigo, sem excesso de poder.Art. 169. Poder o Comandante, sob sua responsabilidade, adiar ou suspender a partida da aeronave, quando julgar indispensvel segurana do vo.Art. 170. O Comandante poder delegar a outro membro da tripulao as atribuies que lhe competem, menos as que se relacionem com a segurana do vo. 10. CEAB Centro Educacional da Aviao do BrasilRua Arthur de Azevedo, 132/140 Pinheiros SP - Tel: (11) 3081-4949e-mail: ceab@ceabbrasil.com.br - www.ceabbrasil.com.br10REGULAMENTO BRASILEIRO DE HOMOLOGAO AERONUTICAO Regulamento Brasileiro de Homologao Ae