‘ao serviço dos cidadãos’

Download ‘ao Serviço Dos Cidadãos’

Post on 18-Jun-2015

2.256 views

Category:

Documents

13 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

aO sERvIO DOs CIDaDOsEDIFCIO ORIGEM EntRaDa FROntal FRONT OFFICES - Atendimento Geral - Cemitrio - guas do Porto, EM - CTT - Segurana Social As novas instalaes da - OBSRAM (Observatrio Ramalde) Junta de Freguesia de NETSPACE (Espao Internet) Ramalde esto dotadas GIP (Gabinete de Insero Profissional) de ptimas condies GCI (Gabinete de Comunicao e Imagem) para os seus utentese funcionrios, num ambiente funcional e confortvel.

EDIFCIO nOvO Rs-ChO Salo Nobre Gabinete Assembleia Freguesia Centro de Recursos e Formao Arquivos HistricosTem uma ligao area, com elevador, entre os dois edifcios, que permite o acesso a cidados com mobilidade reduzida.

1. PIsO Presidente e Vogais Biblioteca-Museu Agostinho da Silva Secretariado Sala Reunies Gab. Jurdico, Econmico e Auditoria Interna Contes (Contabilidade / Tesouraria)

1. PIsO BACK OFFICES - SADM (Servios Administrativos) - CEM (Cemitrio) - SSP (Servio Social e Psicologia) - DEJ (Desporto, Educao e Juventude) - RH (Recursos Humanos) - ASC (Animao Sociocultural)

Instituto Superior da Maia

Faculdade de Cincias do Desporto e Educao Fsica

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Portucalense

Universidade de Aveiro

RaMalDE, uMa FREGuEsIa COM FutuRO!

Ramalde est entre as quinze freguesias do Concelho do Porto, cuja integrao se deu em 1895, em conjunto com as freguesias de Aldoar e Nevogilde. De raiz eminentemente rural, sentiu a evoluo prpria do crescimento de uma Cidade capital duma grande metrpole e regio como a Cidade do Porto. Tal crescimento, nem sempre devidamente acompanhado dos equilbrios sociais, urbansticos e ambientais, caracterizase em parte pelo conceito de modernidade qualitativa do edificado, dos arruamentos, da mobilidade, dos equipamentos desportivos e sociais, sendo de realar as potencialidades do tecido econmico, o que torna o seu espao numa ncora importante para o prprio desenvolvimento da Cidade do Porto, em todas as suas vertentes. Esta nova centralidade urbana remete-nos para uma reflexo atenta e acutilante sobre os desgnios e desafios que se colocam em termos de futuro. Por um lado, temos as graves assimetrias sociais e habitacionais, que exigem dos decisores polticos uma ateno especial sobre o seu (re)enquadramento estrutural ordenado, fazendo aumentar a qualidade de vida dos cidados, articulada por polticas de incluso social.

Por outro lado, temos a exigncia que se coloca freguesia no que se refere aos investimentos pblicos, afecto melhoria das acessibilidades, na construo de novos equipamentos desportivos, de sade e sociais e no reordenamento e recuperao dos espaos ldicos e verdes. Enquanto autarquia, limitada nas suas competncias e financiamento, sentimos todas estas necessidades e propugnamos junto de outras instncias do poder (central e local) pela concretizao dos legtimos anseios e expectativas da populao. Dedicamos a nossa aco autrquica mais direccionada para as reas da educao, da juventude, do desporto e da terceira idade, contributos essenciais para a garantia do futuro a para a dignificao da qualidade de vida. Ramalde uma freguesia aprazvel e acolhedora. Viver em Ramalde um ganho de oportunidade acrescida face ao desenvolvimento mais sustentado e racional que auguramos.

Manuel Maio Presidente da Junta de Freguesia

Viaduto das Andresas (Sobre a VCI)

Rotunda e Viaduto de Francos

2

hIstRIa Da FREGuEsIa DE RaMalDEPOPulaO 52 000 REa GEOGRFICa 580 hectares lIMItEs Localizada na parte ocidental da cidade, esta freguesia delimitada a Norte pelo concelho de Matosinhos, a Sul pela freguesia de Lordelo do Ouro, a Este pelas freguesias de Paranhos e Cedofeita e a Oeste pela de Aldoar.

Quinta da Prelada

hIstRIa Vs dizeis que viva Ramalde,/no sei que graa lhe achais:/Terra de milho mido,/Alimento de pardais! Claramente freguesia de fundo rural, a origem e crecimento do povoado Rranhaldy perde-se no tempo, mesmo antes da fundao da monarquia portuguesa, entre os anos de 920 e 944, altura em que os monges de S. Bento chegaram ao territrio. A histria comearia exactamente pelo julgado de Bouas e do seu antiqussimo mosteiro beneditino. Territrio este que pertenceu ao Padroado Real de D. Sancho I, doado em 1196, sua filha D. Mafalda. Ramunhaldi, assim se denominava o territrio na poca de D. Sancho II, constituido pelos lugares de Francos, Requezendi, Ramuhaldi Juso e Ramuhaldi Suso (actualmente Ramalde do Meio). At 1896, S. Salvador de Ramalde pertenceu ao concelho de Bouas, o qual

integrava tambm S. Mamede de Infesta, Matosinhos, Foz do Douro e um conjunto de vinte povoaes. Rranhaldy aparece citado, pela primeira vez, nas inquiries de D. Afonso III, de 1258. No entanto, j no ano de 1222, aparece citada num documento como lugar, em que a rainha D. Mafalda faz uma doao ao Mosteiro de Arouca. Situada nos limites do Porto, aps a sua anexao, os lugares de Ramalde de Baixo e Ramalde do Meio eram considerados subrbios da cidade e pouco identificados com esta. Nesta altura, a populao dependia dos campos de sua grande extenso e dos seus trabalhos e hbitos agrcolas. Terra frtil para o cultivo de cereais como, milho, trigo, centeio e cevada. Terra de milho mido, tantas vezes assim apelidada. Tinha o seu ex-libris nas mulheres de Ramalde, chamadas de Ramaldeiras. Na altura, eram caracterizadas como muito bonitas e que

se vestiam com muita elegncia. A dana da freguesia folclore, costume, tradio, cultura, histria e sobretudo, singularidade! Deu-lhe Csar das Neves e o nome de Ramaldeira ou Chula de Ramalde. Dana esta com caractersticas prprias das country dances, de origem inglesa. Uma influncia, dos finais do sc. XVIII e incios do sc. XIX, originria da feitoria inglesa e respectivos magnates e, das tropas de Beresford. A chula de Ramalde, um acontecimento especial no quadro do folclore portuense, tudo pelo seu carcter campons que a geografia e os hbitos da freguesia lhe impuseram. Formas de vida passadas que so trazidas memria de hoje. Tradies personalizadas nas romarias que atravessaram dcadas. As principais romarias desta terra eram duas, uma que se realizava na aldeia de Requesende, a 15 de Agosto, na Igreja da Nossa Senhora3

hIstRIa Da FREGuEsIa DE RaMalDEdo Porto e a outra, considerada a maior romaria camponesa com impacto no Porto, a to conhecida festa da Senhora da Hora. sua capela e popular Fonte das Sete Bicas acorriam milhares de pessoas na Quinta-Feira da Ascenso. Ramaldenses que se deslocavam a p, aos de fora o caminho de ferro da Pvoa assegurava a chegada dos romeiros. Mas de Ramalde camponesa maiata pouca resta. A urbanizao alterou-a completamente. Comearam a nascer o cimento e o alcatro, tendo o desenvolvimento urbanstico e rodovirio tomado conta da freguesia, a par da construo de zonas residenciais, industriais e claro, do incremento do comrcio. A presso demogrfica e urbanstica tem sido muita, mas Ramalde vai procurando manter as reas verdes. Foi a partir de 1880 que Ramalde se tornou palco das maiores alteraes. Passou de um ruralidade milenar para se entregar s vidas mundanas, com a implantao das indstrias, principal responsvel pela mudana de organizao das terras e das suas gentes e pela irreversvel alterao da paisagem. No ano de 1881, surgiu o primeiro centro txtil do ento concelho Bouas, que viria a ser a freguesia de Ramalde. Existiam a laborar nesta indstria trs centenas de operrios e cerca de 200 teares. Vestgios desta poca no faltam, principalmente no que respeita aos bairros operrios de ento, as chamadas ilhas. Tratava-se de um alojamento muito precrio mas que permitia a fixao dos operrios a baixo custo e que surgiu precisamente, da frequente migrao de mo-de-obra que se fixavam em Ramalde procura de trabalho. Pessoas que se passaram a dedicar indstria e consequentemente, a abandonar os trabalhos agrcolas. Contrariamente, a classe mais alta do4

Castelo da Prelada

patronato passou a ser associada ao desenvolvimento de uma burguesia portuense industrial. A indstria txtil predominou em Ramalde at 1960 e em parceria existia tambm a indstria metalrgica. Por esta altura, ao centro da cidade do Porto foi entregue uma crescente tercializao, enquanto zonas perifricas como ramalde, se tornaram espaos residenciais e onde se deu sobretudo, o crescimento do sector secundrio. Neste sentido e devido ao aumento populacional, surgiram as actuais habitaes sociais para substituir as tais ilhas. Em 1985, Ramalde foi integrado no concelho do Porto, j como freguesia. Como limites tinha a Norte o concelho de Matosinhos (Bouas), a Sul Lordelo do Ouro, a Este Paranhos e Cedofeita e a Poente Aldoar. Na freguesia de Ramalde regista-se a presena e construo

hIstRIa Da FREGuEsIa DE RaMalDE

Casa de Ramalde

de novas vias que vo gradualmente, descaracterizando a terra. Dos grandes eixos rodovirios que atravessam e permitem ligaes mais rpidas dentro da cidade e entre esta e o Grande Porto, surge-nos a Estrada da Circunvalao, Avenida da Boavista, Via Marechal Carmona (via rpida) e Via de Cintura Interna. Paisagens que se foram transformando ao longo dos anos, passando de geraes em geraesa transformao visual e a alterao do ordenamento do territrio. Prova de tempos idos assim o conjunto de monumentos dos quais a freguesia se envaidece e orgulha. Monumentos esses inicialmente separados por extensas reas de cultivo e que actualmente, se vem de vistas para as to modernas construes em altura. Mas Ramalde uma caixinha de surpresas terra cinema-togrfica, foi cenrio da primeira empresa produtora

de cinema portugus, Invicta Film, Lda. Com as suas instalaes na Prelada, ocupava uma rea de 50 mil metros quadrados. Dos seus estdios saram produes cinematogrficas como o Frei Bonifcio (1918); Rosa do Adro (1919); Os Fidalgos da Casa Mourisca (1920), entre outros. At 1924 foram produzidas importantes obras, quando em 1931 cessou portas por graves dificuldades financeiras. Dur

Recommended

View more >