ao ritmo de caxias

Download Ao Ritmo de Caxias

Post on 11-Mar-2016

218 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Trata-se da terceira edição, de um total de dez a publicar pelo Município, sob o tema das freguesias do Concelho de Oeiras. Recorde-se que os primeiros livros a serem lançados, em Outubro passado, foram os referentes às freguesias de Paço de Arcos e de Oeiras, sob os títulos “Ao Ritmo de Paço de Arcos” e “Ao Ritmo de Oeiras e São Julião da Barra”. Mais do que uma viagem no tempo, ao público são apresentadas, sobre cada uma das freguesias, todas as vertentes, singularidades, valências, instituições, espaços verdes e lazer, entre outras, de que o seu território é constituído. Se por um lado a autarquia pretende mostrar a quem não conhece estas freguesias, por outro visa também relembrar a quem conhece os cantos e recantos que muitas vezes passam despercebidos. Eis um convite em forma de livro, um convite a que se visite Caxias, uma terra carismática que promete não deixar ninguém indiferente.

TRANSCRIPT

  • ao ritmo de

    Caxias

    ao r

    itm

    o de

    Caxi

    as

  • ao ritmo de

    Caxias

    Municpio de Oeiras

  • 2_3

    axias, pouco mais de trs quilmetros quadrados, do bero em Laveiras, jovem Freguesia definida entre o vale da ribeira de Barcarena e rio

    Tejo; Caxias, do Tejo ao Brasil e da aos confins do ndico, para conviver, em Timor, com aqueles que hoje acarinha em Laveiras.

    A origem do toponmico Caxias, do latim Quassina, encontra-se associada expresso rochedo, quebra-mar, que nos recorda o Farol da Gibalta, sentinela atenta para quem demanda a barra do Tejo.

    Caxias, com a impressionante riqueza do seu patrimnio, destacando-se o Forte So Bruno, o convento da Cartuxa e a Quinta e o Pao Real, onde os seus exuberantes jardins com esculturas de Machado de Castro, bem como a fabulosa cascata real e os seus lagos espelhados, nos transportam aos tempos em que os reis e os prncipes aqui acorriam, com toda a sua corte.

    De lugar de veraneio elegido pelas cortes e pela aristocracia de Lisboa, Caxias tem vindo a desenvolver-se como Vila e a transformar-se num espao essencialmente residencial, sem nunca descurar os espaos verdes que abrilhantam a encosta debruada sobre as suas praias e o rio Tejo.

    Caxias est indissociavelmente ligada sua Pedreira Italiana, de onde se extraiu pedra utilizada na construo de monumentos como o Mosteiro dos Jernimos, o Terreiro do Pao e centenas de quilmetros da tradicional calada portuguesa, e em cuja proximidade se situa agora a modelar Escola bsica de S. Bruno / Caxias.

    Caxias, uma porta de entrada para o futuro, terra de acolhimento espao de recatez e urbanidade s portas da capital resguarda ainda o bucolismo de outrora. Tal como, ainda hoje, na modernidade preserva o sentido do equilbrio para aqueles que nela encontram o sossego, a segurana e a paz interior.

    ndice

    Ficha tcnicaTtuloAo Ritmo de CaxiasEdio Municpio de Oeiras/Julho 2013Autoria e textosPaula Neto DesignCosta ValenaFotografiasGabinete de Comunicao CMOImpressoJorge FernandesTiragem500 exemplaresISBN

    Depsito Legal

    O Presidente da Junta de Freguesia

    Lus Filipe Vieira Viana

    Herldica Caracterizao Scio-culturalAmbienteJardins e Espaos VerdesPraiasCulturaEstaturiaCentros Histricos e outros monumentosDesportoEducaoSadeSolidadriedade SocialServiosProteco Civil e SeguranaViver ao Ritmo de Caxias

    45_9

    10_1516_2324_2728_3738_3940_5152_5556_6162_6566_7374_7778_8182_87

    Caxias, a grandeza histrica de um humilde palmo de terra

    C

  • om apenas trs metros quadrados, esta ainda recente freguesia, possui caractersticas que a tornam nica e irrepetvel. J na primeira metade do seculo XX, no livro Memrias da Linha de Cascais, as autoras Branca

    de Gonta Colao e Maria Archer, escreveram Caxias tem o seu caracter, a sua personalidade tpica. Lembra uma beldade tmida, silenciosa, recatada, que no procura atrair atenes nem olhares. Mas para quem a conhece, para quem se sente seduzido por ela, que paixo!. Este pequeno pargrafo define, na perfeio, a aquilo que foi e aquilo que ainda hoje Caxias.

    Investida de fortes caractersticas histricas, soube modernizar-se e proporcionar aos seus fregueses uma inquestionvel qualidade de vida.

    Sendo uma freguesia de ps na gua, possui uma forte ligao com o seu litoral. O rendilhado de passado e presente esto um pouco por todo o lado provocando uma harmonia que lhe confere uma personalidade distinta.

    Do litoral podemos salientar o Farol da Gibalta e o Forte de So Bruno, mostrando um passado que, neste presente funciona como pontos de encontro e de contemplao. A igreja da Cartuxa e de Laveiras, dois exemplos de patrimnio religioso que o tempo no deixou esmorecer, tambm so espaos de visita indispensveis. E mesmo ali ao lado, Caxias tem o seu ex-libris, a Quinta Real de Caxias, que foi o nico pao que a Realeza possuiu junto ao litoral e que se mantm um stio de esplendor e de visita obrigatria, que a autarquia tem preservado ao longo dos anos. E nestes trs quilmetros quadrados, existe uma vila que, diariamente, possui uma dinmica prpria de quem sabe que o tempo um bem precioso.

    Caxias tambm hospitaleira. Exemplo disso est a forte comunidade timorense que escolheu Caxias para viver e que os caxienses souberam receber. Com servios e comrcio porta, esta uma freguesia que consegue oferecer aos seus habitantes as suas necessidades dirias.

    Modernizar respeitando o passado foi sempre o mote do municpio e da freguesia.

    Desde sempre que Caxias possui uma personalidade prpria, que os caxienses gostam de evidenciar e mostrar. E este orgulho em ser-se de Caxias, no vai morrer, hajam as alteraes administrativas que houverem, faam de Caxias o que fizerem. E este um orgulho que se estende, tambm, ao executivo porque prezamos quem tem orgulho no stio onde vive, quem tem orgulho na sua casa, na sua rua, na sua escola, na sua freguesia e no seu concelho, como ns temos nos nossos muncipes.

    Caxias, pequena no tamanho e grande na sua dimenso humana e histrica.

    C

    O Presidente da Cmara

    Paulo Vistas

  • 4_5

    A freguesia de Caxias a mais recente freguesia do concelho de Oeiras. Criada no dia 3 de Julho de 2001, a Freguesia estende-se por uma rea com cerca de 3, 49 Km2, representando cerca de 3, 41% da rea total do Concelho.

    CaxiasAo ritmo de

  • Populao (2011)rea (km): 3,41Populao residente (n), 2011: 9.007Densidade populacional (n/km), 2011: 2.641,3ndice de Dependncia de Jovens (n), 2011: 24ndice de Dependncia de Idosos (n), 2011: 23ndice de Envelhecimento (n), 2011: 97

    Famlias (2011)Famlias Clssicas: 3.373Famlias Clssicas com 1 ou 2 1ndivduos (%): 54Famlias Clssicas com 5 ou mais indivduos (%): 7,6Proporo de Famlias Clssicas unipessoais (%):23,2Proporo de Famlias Clssicas unipessoais de indivduos com 65 ou mais anos de idade (%):9,3Proporo de ncleos familiares de casais com filhos (%):59,4Proporo dos ncleos familiares monoparentais (%):19,4

    Alojamentos (2011)Alojamentos (n): 3.955Alojamentos Familiares (n): 3.948Alojamentos Familiares Clssicos de residncia habitual (%): 84,8Alojamentos de residncia habitual com proprietrio ocupante (%): 69,6

    Edifcios (2011)Edifcios (n): 1780Edifcios com 1 ou 2 pisos (%): 46,9Edifcios com 1 Alojamento (%):73,3Proporo de edifcios construdos nos ltimos 10 anos (%):14,3Idade mdia dos edifcios (ano): 32,7

    Dados Temticos

    Grau de Ensino da Populao Residente (2011)Taxa de analfabetismo (%):2,9Proporo da populao residente com pelo menos o 3 ciclo do ensino bsico completo (%):68,3Proporo da populao residente com pelo menos o ensino secundrio completo (%):51,6Proporo da populao residente com ensino superior completo (%):30,8

    Mobilidade (2011)Durao mdia dos movimentos pendulares (min) da populao residente empregada ou estudante: 22,5Proporo de utilizao do automvel nas deslocaes (%):63,6

    Economia (2011)Proporo de As 10.000 Principais Empresas de Portugal sedeadas em Oeiras (%), 2009: 0,7%Populao Empregada por Sector de Atividade Econmica (%)Sector Secundrio: 13,1Sector Tercirio Social: 35,7Sector Tercirio Econmico: 50,9Populao empregada por conta de outrem (%):80,1

    Equipamentos

    Sade (2009)Unidades de Sade Privadas: 3Farmcias: 2

    Social (2009)(Rede Solidria e Lucrativa)Infncia/Juventude: 8Idosos: 5

    Especficos ARIA Associao de Reabilitao e Integrao Ajuda e OeirasApartamento Teraputico de Reinsero da associao Ares do PinhalAssociao Arisco: Instituio para a Promoo Social e de Sade

    Desporto (2005)rea de Desporto (m): 4.661,2rea de desporto por habitante (m): 0,6

    Cultura (2012)Galerias/Espaos Expositivos (no municipais): Messe dos Oficiais de Caxias

    Entidades Pblicas e Privadas (2012)Junta de Freguesia de CaxiasPolcia de Segurana Pblica: 84 EsquadraInstituto de Insero Social Padre Antnio OliveiraPriso de CaxiasHospital Priso de CaxiasInstituto de Socorros a Nufragos

  • 6_7

  • Caxias distingue-se pela heterogeneidade social, econmica e cultural, mas tambm pela agradabilidade do patrimnio natural que a freguesia pro-porciona.Esta freguesia, anteriormente integrada na freguesia de Pao de Arcos, teve, com a implantao dos caminhos-de-ferro e da Estrada Marginal o seu prin-cipal foco de desenvolvimento.De caractersticas marcadamente rurais, a freguesia tem vindo a crescer e a desenvolver-se nas ltimas dcadas, aumentando a oferta cultural e social disponvel quer a residentes, quer a visitantes.A relao de proximidade com a barra do Tejo historicamente uma das referncias da freguesia, sendo a praia de Caxias procurada durante o vero por um grande nmero de banhistas.

  • 8_9

  • 10_11

  • AmbienteCitao: Eu no tenho filosofia: tenho sentidosSe falo na natureza no porque saiba o que ela .Mas porque a amo Alberto Caeiro

  • 12_13

  • O ambiente presentemente uma preocupao escala global. A poluio, o crescimento desordenado das cidades, o aumento da produo de resduos urbanos e industriais e a diminuio da quantidade de gua potvel disponvel, so algumas das preocupaes das sociedades atuais. Torna-se, por isso, necessrio fo-mentar a conscincia cvica das po-pulaes em articulao com me-didas concretas, como a criao de espaos verdes, recolha, seleo e reciclagem dos resduos.

    O Concelho de Oeiras assu-miu-se como pioneiro no desenvol-vimento de projetos de proteo e valorizao do ambiente, lanando em 1983 o primeiro sistema de reco-lha seletiva de vidro de embalagem, assim como da implementao, em 1994, da primeira Estao de Tria-gem do Pas.

  • 14_15

    A criao do Departamento de Ambiente e Equipamen-to (DAE), veio dotar o municpio de um servio pblico que garante o desenvolvimento de diversos proje-tos integrados, que visam a (re)qua-lificao ambiental, tendo em conta o Plano Estratgico p