anuário simag_2010

Download Anuário Simag_2010

Post on 23-Mar-2016

226 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Rochas são destaque na Casa Cor 2010. A pedra, natural ou industrializada, teve destaque nobre na Casa Cor RS 2010. Mármore, granito, Silestone e demais opções estiveram presentes em mais de 20 ambientes, mostrando que, além de durabilidade e bom gosto, as rochas são um diferencial de qualidade e refinamento de grande versatilidade. O Anuário Simag 2010 conversou com os arquitetos de alguns desses ambientes.

TRANSCRIPT

  • VALOR AGREGADOSILESTONE ORIGINAL GARANTIA DEQUALIDADE

    SEGURANACUIDADOS PARA TRANSPORTE E ARMAZENAGEM ESPAO DA PEDRAESPAO DA PEDRA

    da corda corcasacasa

    Sind

    icat

    o da

    s In

    dst

    rias

    de

    Mr

    mor

    es,

    Gra

    nito

    s e

    Roch

    as O

    rnam

    enta

    is d

    o RS

  • N D I C E

    0 4 | A N U R I O S I M A G

    10H I S T R I C OARTE NO PALCOE NAS PEDRAS

    14E S P E C I A LCASA DA COR,ESPAO DA PEDRA

    22MEIO AMBIENTEAGLOSTONE: BELEZA, TECNOLOGIA E NATUREZA

    33SIMAGAES DOSINDICATO

    28C O N S T R U O C I V I LA IMPORTNCIA DE ESCOLHER BEM O REJUNTE

    24VA L O R A G R E G A D OSILESTONE GARANTIA DE QUALIDADE

    30S E G U R A N ATRANSPORTE E ARMAZENAGEM DE ROCHAS

    32TECNOLOGIANOTA FISCAL ELETRNICA

    35A S S O C I A D O SEMPRESAS QUE INVESTEM NO SETOR

  • E D I T O R I A L

    AES PARA MELHORAR O SETOR

    Se fizermos uma comparao entre a vida do sculo 21 e a do sculo passado, vamos claramente perceber que as diferenas so enormes. Algumas so f-ceis de ver, a tecnologia, por exemplo. Novos equipamentos e computadores quando bem utilizados podem tornar o trabalho de qualquer empresa mais eficiente e mais rentvel, promovendo tambm melhorias para seus profissio-nais. Mas existem outras diferenas, como a preocupao ambiental.

    Somente no final do sculo 20 a humanidade reparou que estava prejudi-cando a natureza gravemente e que era preciso ter aes rpidas e corajo-sas para evitar uma catstrofe. E, ento, foi em busca dessas solues e as encontrou. Mesmo para as marmorarias, que constituem uma das indstrias menos poluentes, existem opes de fazer melhor.

    Uma terceira diferena est nas novas formas de abrir e administrar empre-sas. Se antigamente o objetivo principal de qualquer empresa era fabricar um produto til e ter lucro, hoje, alm disso, uma empresa tem que saber que ela importante na sociedade e que tem muito para contribuir, e apren-der, com os consumidores e clientes.

    Poderamos listar mais diferenas, mas essas trs servem para mostrar como as coisas mudaram e como o setor de marmorarias precisa estar integrado a elas. E tambm as autoridades esto atentas a esses assuntos. Tanto que os governos tm tomado boas iniciativas nessas reas: a Nota Fiscal eletrnica, que diminui custos de administrao e combate a informalidade; a fiscali-zao do Ministrio do Trabalho e a legislao de transporte de rochas nas rodovias e dentro das marmorarias, que ajuda a formalizar o setor.

    Alm disso, o Simag tem iniciativas com os mesmos objetivos. Por isso, assi-nou convnio com o escritrio Segurana do Trabalho e vai procurar o Code-ma (Conselho de Desenvolvimento do Meio Ambiente) e a Fepam (Fundao Estadual de Proteo Ambiental) para criar uma legislao especfica para o nosso setor.

    Agindo assim, certamente, estaremos fazendo empresas mais rentveis, efi-cientes e contribuindo para termos um bom futuro.

    Boa leitura a todos!

    Alexandre Bittencourt De CarliPRESIDENTE

    0 6 | A N U R I O S I M A G

    E X P E D I E N T E

    O Anurio SIMAG uma publicao da Interna Projetos Editoriais, sob licena do Sindicato da Indstria de Mrmores, Granitos e Rochas Ornamentais do RS. As opinies, entrevistas, artigos, anncios e colunas assinadas so de inteira responsabilidade dos autores. vedada a reproduo total ou parcial do contedo sem prvia autorizao e sem citao da fonte.

    dIrETorIaAlexandre Bittencourt De CarliCaetano Rosito NetoFbio MllerGabriel GehrkeRogrio Adolfo Riegel

    coNsELHo FIscaLCaetano Rosito NetoRogrio Adolfo Riegel dELEGados JUNTo FIErGsAlexandre Bittencourt De CarliCaetano Rosito Neto

    rEPrEsENTaNTEs PEraNTEa aBIrocHasAlexandre Bittencourt De CarliCaetano Rosito NetoRogrio Adolfo Riegel

    coNTaToFone: (51) 3347.8736Av. Assis Brasil, 8787 - complexo FiergsBairro Sarandi - Porto Alegre - RSCEP 91140-001- simag@fiergs.org.br

    EdIo, ProJETo GrFIco, rEPorTaGEm, rEvIso, comErcIaLIzao E dIaGramao

    (51) 3019-5643www.interna.com.brJornalista responsvel:Marco A. SchusterMTb/RS 4.116

    dIrETorRenato Delfino Rodrigues

    ImPrEssoGrfica Coan2.000 exemplares

    FoTo dE caPaSrgio Vergara

  • H I S T R I C O

    ARTE NO PALCO E NAS PEDRAS

    Amarelo Ornamental(Granito)

    LOCALIZADO NO CORAO DE PORTO ALEGRE, NA MESMA PRAA QUE ABRIGA

    PRDIOS HISTRICOS, COMO A IGREJA MATRIZ E AS SEDES DOS PODERES EXECUTIVO,

    LEGISLATIVO E JUDICIRIO, O ThEATRO SO PEDRO O MAIS ANTIGO DELES.

    GRANDES ARTISTAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS SE APRESENTAM NELE DESDE A

    METADE FINAL DO SCULO 19. PASSOU POR PERODOS DIFCEIS, FICOU 11 ANOS

    FECHADO PARA REFORMAS, MAS, HOJE, NOVAMENTE ORGULHO DOS GACHOS E

    SE PREPARA PARA UM FUTURO AINDA MELhOR COM O PROJETO MULTIPALCO.

    1 0 | A N U R I O S I M A G

    FOTO

    S: IN

    TERN

    A PR

    OJE

    TOS

    EDIT

    ORI

    AIS

  • O THEATRO So Pedro resultado da persistncia. Quem

    chega ali no imagina que ele ficou 11 anos fechado por cau-

    sa da deteriorao e passou por uma reforma de nove anos.

    Esse restauro foi comandado pelo arquiteto Carlos Mancuso

    (falecido em janeiro de 2010) que declarou numa entrevista

    ao Jornal da Universidade em 2009 que praticamente rein-

    ventei o So Pedro.

    Reinventou porque so poucos os registros da planta origi-

    nal, datada de 1833, quando comeou a construo, inter-

    rompida pela Revoluo Farroupilha e concluda e inaugu-

    rada em 27 de junho de 1858. O teatro passou por vrias

    reformas ao longo dos anos mas, nos anos 1970, foi tomado

    pelos cupins. Quando Eva Sopher assumiu a direo, em

    1975, comeou a reforma.

    Mancuso criou os desenhos das pedras portuguesas nas cal-

    adas. Ele tambm escolheu o granito Rosa Guaba dos de-

    graus da entrada e do piso. Supe-se que originalmente o

    assoalho era de madeira, mas a opo pela pedra porque

    ela mais resistente e confere maior beleza e requinte.

    Ainda no trreo (foyer) foram colocados granito Bege Prola

    e rejunte de bronze, uma liberalidade artstica do arqui-

    teto, diz o responsvel pela manuteno, heitor Carlos.

    Em 2007, houve novo restauro, coordenado pela Acunha

    Sol Engenharia, com execuo da Iguau Mrmore e Gra-

    nito, e a construo de novos espaos, como um caf no

    andar superior. Os degraus da escada de acesso ao caf so

    de granito Rosa Guaba e o arenito das escadarias laterais

    foi substitudo por granito igual a esse, impermeabilizado.

    A N U R I O S I M A G | 1 1

    Restauro colocou granito rosanos degraus

    Granito Bege Prola no trreo e nos banheiros

    Calamento com pedras portuguesas

  • 1 2 | A N U R I O S I M A G

    Um ano depois da reinaugurao de 1984, um grupo de pessoas

    liderado por Eva Sopher criou a Associao dos Amigos do Theatro

    So Pedro com o objetivo de preservar esse prdio histrico. E em

    1998 foi lanado o Projeto Multipalco, uma rea nova, ao lado.

    Novamente as rochas ornamentais esto presentes e destacam

    o projeto dos arquitetos Marco Peres, Dalton Bernardes e Jlio

    Ramos Collares, vencedor da licitao do novo espao, que tem

    concha acstica, camarins, bar e abriga toda a administrao, o

    que liberou reas do prdio do Theatro para melhor circulao do

    pblico.

    Granito Rosa Guaba na fachada e escadarias e rampa do Multipalco

    Qualidade em tudo que faz.Ser reconhecida pelos clientes como uma empresa modelo no segmento de rochas ornamentais o objetivo da Alto Liberdade. Para isso investe constantemente na preservao ambiental, evoluo dos equipamentos, treinamento e segurana dos funcionrios. O moderno parque industrial com serraria e beneficiamento garante o fornecimento de produtos e servios de alto padro a todo o territrio nacional. Se voc procura qualidade em todos processos de trabalho a Alto Liberdade a soluo.

    Rodovia Saturno x Gironda, s/nLoc. Alto Liberdade - Dist. de Gironda - Cachoeiro de

    Itapemirim-ES - TEL: +55 (28) 2102-1102www.altoliberdade.com.br

  • Para Fbio Mller, da Iguau, uma deciso elogivel dos projetistas

    a manuteno de pedras gachas no Multipalco, pois elas so

    trs vezes mais duras e resistentes que as do resto do pas. A fa-

    chada, em frente Praa Matriz, em granito Rosa Guaba polido,

    que tambm est na fachada da Rua Riachuelo. O mesmo granito

    com acabamento flameado,obtido atravs de fogo e jato de gua,

    alm de embelezar escadarias e pisos, mais seguro aos frequen-

    tadores, por ter sua superfcie antiderrapante.

    Na concha acstica, os arquitetos optaram pelo uso do granito Pre-

    to So Gabriel polido, resultando num deslumbrante efeito de im-

    ponncia e requinte. Nos lavabos, a escolha recaiu sobre o granito

    Cinza Canguu, conferindo discrio e facilidade de manuteno.

    Granito Preto So Gabriel nas laterais da concha acstica e Rosa Guaba no ambiente interno

    A N U R I O S I M A G | 1 3

  • E S P E C I A LBege Ipanema(Granito)

    ROCHAS SO DESTAQUE NA CASA COR 2010

    A PEDRA, NATURAL OU INDUSTRIALIZADA, TEVE DESTAQUE NOBRE NA CASA

    COR RS 2010. MRMORE, GRANITO, SILESTONE E DEMAIS OPES ESTIVERAM

    PRESENTES EM MAIS DE 20 AMBIENTES, MOSTRANDO QUE, ALM DE DURABILI-

    DADE E BOM GOSTO, AS ROCHAS SO UM DIFERENCIAL DE QUALIDADE E REFI-

    NAMENTO DE GRANDE VERSATILIDADE. O ANURIO SIMAG 2010 CONVERSOU

    COM OS ARQUITETOS DE ALGUNS DESSES AMBIENTES.

    1 4 | A N U R I O S I M A G

    FOTO

    S: D

    IVU

    LGA

    O

  • A N U R I O S I M A G | 1 3

    FOTO

    : AN

    DR

    BAS

    TIAN

  • 1 6 | A N U R I O