ano 21 outubro 2015 - ipea.gov.br .e ao dieese por cederem os dados necessários à elaboração

Download ANO 21 OUTUBRO 2015 - ipea.gov.br .e ao Dieese por cederem os dados necessários à elaboração

Post on 10-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 59

    ANO 21 OUTUBRO 2015

  • outubro 2015

  • Governo Federal

    Ministrio do Planejamento, Oramento e Gesto

    Ministro Nelson Barbosa

    Fundao pblica vinculada ao Ministrio do Planejamento, Oramento e Gesto, o Ipea fornece suporte tcnico e institucional s aes governamentais possibilitando a formulao de inmeras polticas pblicas e programas de desenvolvimento brasileiro e disponibiliza, para a sociedade, pesquisas e estudos realizados por seus tcnicos.

    PresidenteJess Jos Freire de Souza

    Diretor de Desenvolvimento InstitucionalAlexandre dos Santos Cunha

    Diretor de Estudos e Polticas do Estado, das Instituies e da DemocraciaRoberto Dutra Torres Junior

    Diretor de Estudos e Polticas MacroeconmicasCludio Hamilton Matos dos Santos

    Diretor de Estudos e Polticas Regionais, Urbanas e AmbientaisMarco Aurlio Costa

    Diretora de Estudos e Polticas Setoriais de Inovao, Regulao e InfraestruturaFernanda De Negri

    Diretor de Estudos e Polticas SociaisAndr Bojikian Calixtre

    Diretor de Estudos e Relaes Econmicas e Polticas InternacionaisBrand Arenari

    Chefe de GabineteJos Eduardo Elias Romo

    Assessor-chefe de Imprensa e ComunicaoJoo Cludio Garcia Rodrigues Lima

    Ouvidoria: http://www.ipea.gov.br/ouvidoriaURL: http://www.ipea.gov.br

    mercado de trabalho conjuntura e anliseCORPO EDITORIAL

    Editor Responsvel

    Carlos Henrique Leite Corseuil

    Membros

    Katcha Poloponsky

    Andr Gambier Campos

    Lauro Ramos

    Sandro Pereira Silva

    Equipe de Apoio

    Luciana Moura Martins Costa

    Nadine Melloni Neumann

    Bernardo Ostrovski

    AGRADECIMENTOSAo Ministrio do Trabalho e Previdncia Social, ao IBGE, Fundao Seade e ao Dieese por cederem os dados necessrios elaborao desta edio.

    Instituto de Pesquisa Econmica Aplicada ipea 2015

    Mercado de trabalho: conjuntura e anlise / Instituto de Pesquisa Econmica Aplicada; Ministrio do Trabalho e Emprego v.1, n.0, (mar.1996) Braslia: Ipea: MTE, 1996

    Periodicidade Irregular (de 1996-2008); Trimestral (de 2009-2012); Semestral (a partir de 2013).Ttulo da capa: Boletim Mercado de Trabalho (BMT)

    ISSN 1676-0883

    1. Mercado de Trabalho. 2. Estatsticas do Trabalho. 3. Brasil. 4. Peridicos. I. Instituto de Pesquisa Econmica Aplicada. II. Brasil. Ministrio do Trabalho e Emprego. III. Ttulo: Boletim Mercado de Trabalho (BMT).

    CDD 331.1205

    Para consulta a todas as edies de Mercado de Trabalho: conjuntura

    e anlise, bem como aos respectivos anexos estatsticos, acesse,

    no site do Ipea, o link

    ou siga o caminho de navegao Incio > Publicaes > Boletim de

    Mercado de Trabalho.

    As opinies emitidas nesta publicao so de exclusiva e inteira

    responsabilidade dos autores, no exprimindo, necessariamente, o

    ponto de vista do Instituto de Pesquisa Econmica Aplicada ou do

    Ministrio do Planejamento, Oramento e Gesto.

    permitida a reproduo deste texto e dos dados nele contidos, desde

    que citada a fonte. Reprodues para fins comerciais so proibidas.

  • SUMRIO

    APRESENTAO 5

    ANLISE DO MERCADO DE TRABALHO 7

    NOTAS TCNICAS 25

    TERCEIRIZAO E SALRIOS 27

    Guilherme SteinEduardo ZylberstajnHlio Zylberstajn

    DESONERAO DA FOLHA DE PAGAMENTOS: EFEITOS NO EMPREGO E NOS SALRIOS 35

    Clvis Scherer

    POLTICA EM FOCO 45

    PROGRAMA DE PROTEO AO EMPREGO 47

    Viviani R. AnzeVinicius Gomes LoboPatrcia F. AnjosManoel Eugnio Guimares de Oliveira

    UMA ANLISE DO PROGRAMA DE PROTEO AO EMPREGO (PPE) LUZ DA EXPERINCIA INTERNACIONAL 53

    Manoel PiresArnaldo Lima

    O PROGRAMA DE PROTEO AO EMPREGO 65

    Clemente Ganz LcioClvis Scherer

    O PROJETO DE LEI NO 4.330/2004 E A TERCEIRIZAO NO BRASIL 75

    Andr Gambier Campos

    ECONOMIA SOLIDRIA E POLTICAS PBLICAS 85

    INTRODUO 87

    A COLETA SELETIVA E AS CONTRADIES PARA A INCLUSO DE CATADORAS E CATADORES DE MATERIAIS RECICLVEIS: CONSTRUO DE INDICADORES SOCIAIS 89

    Carolina Orquiza Cherfem

    EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDRIA NA CADEIA PRODUTIVA DA RECICLAGEM: UM OLHAR INICIAL SOBRE OS DADOS DO SISTEMA DE INFORMAES DA ECONOMIA SOLIDRIA 99

    Sandro Pereira SilvaLeandro Marcondes Carneiro

    A INTERSETORIALIDADE COMO ESTRATGIA DE FORTALECIMENTO DA EDUCAO AMBIENTAL NO CONTEXTO DO PROGRAMA DE GESTO SOCIAL DE RESDUOS SLIDOS DE NOVO HAMBURGO 107

    Rbia Geane GoetzRegina Roese de Souza

  • APRESENTAO

    Esta edio do boletim Mercado de trabalho: conjuntura e anlise, que contempla o primeiro semestre de 2015, marca o incio do uso da Pesquisa Nacional por Amostra de Domiclios Contnua do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (Pnad Contnua/IBGE) como principal fonte de informao para a avaliao do funcionamento do mercado de trabalho, por meio da anlise da evoluo de seus principais indicadores. Por consequncia, a abrangncia desta anlise passa a ser de toda extenso do territrio nacional.

    Em termos agregados, os principais indicadores do mercado de trabalho brasileiro apontam um quadro preocupante. Tanto a taxa de desemprego quanto a taxa de informalidade registram crescimentos expressivos no primeiro semestre de 2015. Em particular a taxa de desemprego foi pressionada no s por um aumento na participao como tambm por uma queda no nvel de ocupao. Ou seja, do ponto de vista quantitativo, a gerao de postos de trabalho diminuiu em meio a um ingresso mais intenso de trabalhadores no mercado. Alm disso, pode-se dizer que a qualidade dos postos tem piorado nos ltimos meses, ao menos nas dimenses captadas pela informalidade e pelo rendimento do trabalho.

    O texto de anlise do mercado de trabalho traz um apndice com comparaes da evoluo dos principais indicadores do mercado de trabalho quando mensurados pela Pnad Contnua e pela Pesquisa Mensal de Emprego (PME/IBGE), a principal fonte de informao nas edies anteriores do boletim. Pode-se dizer que o cenrio mostrado pela PME ainda mais preocupante do que aquele ilustrado pela Pnad Contnua, mesmo tentando harmonizar a cobertura regional das duas pesquisas.1

    Atento a esse quadro o governo vem buscando formas de revert-lo. Exemplo disso a instaurao de um frum tripartite para discusses de propostas nas reas de emprego; trabalho e renda; e previdncia. Outra ao com o mesmo propsito o Plano de Proteo ao Emprego (PPE). Esse plano ser aqui analisado em trs artigos na nossa seo de poltica em foco, trazendo as consideraes de instituies-chave na concepo e implementao do programa, respectivamente Ministrio do Trabalho e Emprego (MTE); Ministrio do Planejamento, Oramento e Gesto (MPOG); e Departamento Intersindical de Estatstica e Estudos Socioeconmicos (Dieese). A seo de polticas em foco traz ainda um quarto texto, de autoria de Andr Campos, do Ipea, que versa sobre terceirizao, trazendo consideraes a respeito do Projeto de Lei no 4.330.

    A seo de notas tcnicas composta por dois textos. O primeiro texto, autorado por Guilherme Stein, Eduardo Zylberstajn e Hlio Zylberstajn, relativiza a associao que se faz entre empregos terceirizados e precarizao do trabalho. Os autores mostram que o emprego de mtodos adequados para estimar o diferencial

    1. Disponibilizamos em excel um anexo estatstico com os indicadores comentados no texto de anlise do mercado de trabalho, desagregados por caractersticas dos trabalhadores e/ou do posto de trabalho.

  • de salrios entre trabalhadores terceirizados e no terceirizados reduz em at oito vezes a magnitude dessa estimativa, que continua sendo desfavorvel para o terceirizado. O segundo texto, autorado por Clvis Scherer, estima o impacto da desonerao na folha de pagamentos sobre o emprego e os salrios. O autor usa uma amostra com base nos setores que se beneficiaram dessa medida ainda em 2012. Seus resultados apontam impactos positivos tanto para emprego (formal) quanto para salrios.

    A seo Economia solidria e polticas pblicas contm trs textos que abordam um tema que vem ganhando bastante relevncia nos anos recentes em termos de polticas pblicas urbanas e ambientais: a participao de catadoras e catadores de material reciclvel em organizaes coletivas de trabalho. O primeiro deles, A coleta seletiva e as contradies para a incluso de catadoras e catadores de materiais reciclveis: construo de indicadores sociais, de Carolina Orquiza Cherfem, faz um interessante debate sobre a problemtica da gesto de resduos slidos no Brasil, sobretudo nas grandes cidades, e confronta com a importncia do trabalho de homens e mulheres nas diferentes atividades que envolvem a cadeia da reciclagem.

    O segundo texto, de Sandro Pereira Silva e Leandro Marcondes Carneiro, Empreendimentos de economia solidria na cadeia produtiva da reciclagem: um olhar inicial sobre os dados do sistema de informaes da economia solidria apresenta alguns resultados gerais do mapeamento realizado pela Secretaria Nacional de Economia Solidria (Senaes) exclusivamente para empreendimentos de economia solidria no campo da reciclagem em todo o Brasil. O banco de dados analisado traz informaes de 591 empreendimentos, em todas as regies brasileiras.

    Por fim, o terceiro texto tem como ttulo A intersetorialidade como estratgia de fortalecimento da educao ambiental no contexto do programa de gesto social de resduos slidos de Novo Hamburgo e de autoria de Rbia Geane Goetz e Regina Roese de Souza. Nele as autoras apresentam um relato de experincia dos processos constitutivos e alguns resultados de um programa desenvolvido pela prefeitura municipal de Novo Hamburgo/RS voltado capacitao e incluso social dos trabalhadores da reciclagem envolvidos na estratgia de gesto de resduos slidos do municpio, aliado tambm educao ambiental.

  • ANLISE DO MERCADO DE TRABALHO

  • ANLISE DO MERCADO DE TRABALHO