anÁlise morfomÉtrica da sub-bacia do riacho ?· a bacia hidrográfica ou bacia de drenagem de um...

Download ANÁLISE MORFOMÉTRICA DA SUB-BACIA DO RIACHO ?· A bacia hidrográfica ou bacia de drenagem de um curso…

Post on 08-Nov-2018

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Rafael de Oliveira Arajo - Bolsista PIBIC/FAPEMA.

    Graduanda em Geografia, CESI/UEMA.

    e-mail: rafa1593@yahoo.com.br

    Luiz Carlos Araujo dos Santos

    Prof. Dr. Departamento de Histria e Geografia CESI/UEMA

    Luizcarlos.cesiuema@gmail.com

    ANLISE MORFOMTRICA DA SUB-BACIA DO RIACHO BARRA

    GRANDE-MA

    INTRODUO

    A bacia hidrogrfica ou bacia de drenagem de um curso de gua constitui o

    conjunto de terras que fazem a drenagem da gua das precipitaes escoar para esse

    curso de gua. A formao da bacia hidrografica d-se atravs dos desnveis dos

    terrenos que orientam os cursos das guas. Essa rea que drena fluxos lquidos, slidos

    e solveis para uma sada comum atravs do canal ou de uma rede de canais (COELHO

    NETTO, 1994, p.75). Elas constituem uma unidade geomorfolgica fundamental, que

    opera como um sistema aberto, quando os impulsos das chuvas acionam os processos

    hidrolgicos e erosivos que regulam as transformaes morfolgicas e a evoluo

    interna da bacia (CHORLEY, 1962, p. 126).

    A sub-bacia do riacho Barra Grande, localizada a oeste maranhense e na

    Microrregio de Imperatriz (figura 1), vem sofrendo alteraes ambientais provenientes

    do processo acelerado do crescimento horizontal da cidade de Imperatriz-MA,

    intensificado a partir de 1970 e a ineficiente ao do poder pblico em no fornecer a

    populao residente, programas capazes de dotar a cidade e o municpio com

    infraestrutura bsica, tem provocado crescimento desordenado na cidade, refletindo a

    degradao ambiental principalmente na sub-bacia hidrogrfica em estudo.

    Na anlise de bacias hidrogrficas um dos parmetros que vem ganhando espao

    nas pesquisas da geografia e geomorfologia a avaliao da morfologia de sub-bacia,

    pois seus ndices contribuem diretamente para o planejamento e gesto das mesmas.

    Assim, este trabalho visa contribuir para a regio tocantina e, constituindo como uma

    das primeiras referncias nesta modalidade. O objetivo principal do trabalho foi mapear

    mailto:rafa1593@yahoo.com.brmailto:Luizcarlos.cesiuema@gmail.comhttp://zeerj.bem-vindo.net/portal/?q=glossary/term/424http://zeerj.bem-vindo.net/portal/?q=glossary/term/609http://zeerj.bem-vindo.net/portal/?q=glossary/term/396http://zeerj.bem-vindo.net/portal/?q=glossary/term/425http://zeerj.bem-vindo.net/portal/?q=glossary/term/396http://zeerj.bem-vindo.net/portal/?q=glossary/term/531http://zeerj.bem-vindo.net/portal/?q=glossary/term/600http://zeerj.bem-vindo.net/portal/?q=glossary/term/5
  • e desenvolver a anlise morfolgica, bem como correlacionar o uso da sub-bacia do

    riacho Barra Grande com as caractersticas morfometricos.

    Figura 1 Localizao da sub-bacia do riacho Barra Grande.

    Fonte: UEMA/CESI, 2012.

    OBJETIVOS

    Geral

    Mapear e desenvolver a anlise morfolgica, bem como correlacionar o uso da

    sub-bacia do riacho Barra Grande com as caractersticas morfometricos.

    Especfico

    Mapear a rede de drenagem da sub-bacia do riacho Barra Grande;

    Desenvolver o estudo morfomtrica da sub-bacia do riacho Barra Grande

    analisando os parmetros areal linear e hipsometricos;

    Correlacionar o uso da sub-bacia a caracterizao morfomtrica da rea de

    estudo.

  • PROCEDIMENTO METODOLGICO

    A fundamentao terico-metodolgico para a pesquisa da sub-bacia do racho

    Barra Grande esta consubstanciado principalmente no trabalho de Christofoletti (1980)

    dentre outros.

    Hierarquia fluvial

    O parmetro de hierarquia fluvial visa estabelecer a classificao de

    determinado curso de gua no conjunto total da sub-bacia hidrogrfica em estudo, para

    tanto seguiu-se as orientaes de Horton (1945) on put Christofoletti (1980, p. 106). O

    qual estabelece rios de primeira ordem queles que no possuem tributrios; os canais

    de segunda ordem somente recebem tributrios de primeira ordem. E assim

    sucessivamente.

    Anlise linear da rede hidrogrfica

    Na anlise linear so englobados os ndices e relaes da rede hidrogrfica,

    cujas medies necessrias so efetuadas ao longo das linhas de escoamento. Podemos

    distinguir os seguintes parmetros: Relao de bifurcao, Comprimento do rio principal

    e Extenso do percurso superficial.

    Anlise areal de sub-bacia hidrogrfica

    Na anlise areal da sub-bacia hidrogrfica engloba vrios ndices nos quais

    intervm medies planimtricas, alm de medies lineares. Podemos incluir os

    seguintes ndices: rea da bacia (A), Comprimento da bacia (L), Forma da bacia (Ic),

    Densidade de drenagem (Dd), Densidade hidrogrfica (Dh) e O gradiente do canal

    principal (Gcp) e gradiente total (Gt) dos canais fluviais.

    Anlise hipsomtrica

  • Para anlise hipsomtrica so: Amplitude altimtrica mxima da sub-bacia

    (Hm), Relao de relevo (Rr) e ndice de rugosidade (Ir), cujo este parmetro foi

    determinado seguindo os procedimentos de Christofoletti (1980, p. 121).

    Trabalho de Laboratrio

    Esta etapa foi dividida em duas partes. A primeira refere-se ao trabalho de

    editorao dos mapas produzido, aplicando o sistema de informao geogrfica: na

    oportunidade, foi utilizado o espao fsico do Laboratrio de Cartografia e Ensino

    (LabCartE), do Centro de Estudos Superiores de Imperatriz - CESI.

    Na segunda parte, foi realizada a anlise de todas as informaes adquiridas ao

    longo da pesquisa, desde as referncias bibliogrficas, o mapa produzido. Essa anlise

    permitiu a consolidao dos objetivos proposto no trabalho.

    RESULTADOS E DISCUSSES

    Caracterizao fsica

    O conhecimento das caractersticas fluviais importante no somente no que

    concerne aos recursos hdricos, tanto do ponto de vista da hidrulica e do controle da

    eroso, como tambm do ponto de vista sedimentolgico, geomorfolgico e do

    planejamento regional. Desta forma a geometria de um sistema fluvial reflete um

    estado de quase equilbrio entre vrios fatores interrelacionados. Os rios podem assumir

    vrias formas, como resultado do ajustamento do canal seo transversal, sendo

    aparentemente controladas pela carga sedimentar transportada e pelas suas

    caractersticas.

    Considerando a classificao climtica constituda por Koppn a rea apresenta

    ocorrncia de clima predominantemente tipo Aw chuvas de vero e secas de inverno.

    As temperaturas mdias anuais oscilam entre 39 C a 21 C. Se tratando das

    precipitaes anuais, estas giram em torno de 1.533,3 mm/a.

    Esta regio expe uma parcela do territrio da Amaznia Legal tem seu

    percurso na rea implantada na bacia sedimentar do Tocantins, sendo suas integraes

  • litoestratigrficas aflorastes derivadas de rochas sedimentares e gneas. O espao

    caracterizado neste ambiente de predominante da regio nordeste onde o solo bem

    seco e argiloso, alm disto, a destacar o manuseio natural da formao deste ambiente.

    Na rea objeto de estudo verificaram-se quatro formaes geolgicas, sendo

    duas da Era Mesozica do perodo Cretceo inferior e superior. So elas,

    respectivamente, as Formaes Itapecuru (265,1 Km), Formao Cod (118,4 Km).

    As outras duas so formado pela Cobertura Tercio-Quaternrio (67,8 Km) e pela

    Formao Superficial Aluvio (1,7 Km), da Era Cenozica, constitudas na transio

    dos perodos Tercirios e Quaternrios.

    Uso e cobertura da terra

    Segundo Pinhati (1998), as formas atuais de uso e cobertura da terra interferem,

    diretamente, tanto no aspecto quantitativo como qualitativo das guas, superficiais e

    subterrneas. Tucci et al (2001) reforam essa preocupao quando expem que uma

    das maiores preocupaes em nvel mundial a deteriorao do solo rural, devido ao

    uso intensivo e prticas agrcolas que tendem a favorecer a perda da camada frtil do

    solo, com o consequente assoreamento de rios e lagos.

    A caracterizao do uso e cobertura atual da terra se deu a partir da

    produo do mapa (1) da sub-bacia do riacho Barra Grande, que foi relacionado com as

    informaes morfomtricas. Verificou-se, que o uso prevalecente so (tabela 1):

    pastagem (166,27 Km2) e Pastagem /Babau (105,44 Km2), a cobertura vegetal foi

    encontrado a presena de Cerrado (181,29 Km2).

    A pastagem na sub-bacia do riacho Barra Grande constituda por dois

    grupos: o mosaico pastagem com babau e mosaico de pastagem. Eles constituem a

    base para o desenvolvimento da pecuria na rea estudada.

  • Figura 2 Mapa 1: Uso e Ocupao da sub-bacia do Riacho Barra Grande

    Nas reas de mosaico de pastagem com babau as condies do solo so mais

    preservadas. Nos trabalhos de campo no foram identificadas reas expressivas com

    degradao. Outro aspecto importante a permanncia da cobertura do solo pelas

    palmacas de babau, contribuindo para a recarga dos aquferos na sub-bacia.

    Tabela 1 Uso/Cobertura da Terra na sub-bacia do riacho Barra Grande.

    Uso/Cobertura rea (Km2) %

    Cerrado 181,29 40,02

    Pastagem 166,27 36,71

    Pastagem/Babau 105,44 23,27

    Total 453,00 100

    Organizado por ARAUJO, 2015.

    Analise Linear

    A sub-bacia hidrogrfica do riacho Barra Grande possui uma rea de 453 Km2,

    com extenso do rio principal de 53,97 km e permetro de 122 km, recebendo

    contribuies de vrios crregos, principalmente do riacho Murajuba que se forma a

  • partir da juno do crrego Brejinho com o crrego Murajuba, recebendo ainda

    contribuies do crrego Olho Dgua Azul antes de desembocar no riacho Barra

    Grande, a micro bacia do Murajuba possui uma rea de 20.041,40 h (RIMA

    FERROVIA SUZANO, 2010).

    A sub-bacia apres

Recommended

View more >