Anlise Dos Efeitos Do Laser de Baixa Potncia (Asga)

Download Anlise Dos Efeitos Do Laser de Baixa Potncia (Asga)

Post on 11-Jan-2016

8 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • ANLISE DOS EFEITOS DO LASER DE BAIXA POTNCIA (AsGa) EM

    DIFERENTES COMPRIMENTOS DE ONDA RELACIONADOS A

    CICATRIZAO DE TECIDOS

    Adrielle Memria Da Silva*

    Rafael Leite Dantas*

    Reijane Oliveira Lima*

    Uiara Beatriz Gomes de Oliveira*

    Kelsyanne de Castro Carvalho**

    * Alunos do 9 perodo do curso de Fisioterapia da Universidade Estadual do Piau;

    ** Professora da disciplina de Fisioterapia Dermato-Funcional da Universidade Estadual

    do Piau e orientadora da pesquisa.

    RESUMO:

    O laser de baixa potncia (AsGa) pode interagir com os tecidos possibilitando

    vrios efeitos benficos , dentre eles a cicatrizao de tecidos que atualmente tem uso

    clnico comprovado por muito estudos. Diversas situaes patolgicas se usa o laser como:

    lceras de decbito, feridas ocasionadas por Herpes, cicatrizao tendes ou deiscncias

    ps-cirurgica. A cicatrizao rpida dessas condies patolgicas permite que a fisioterapia

    atue precocemente possibilitando que esses pacientes reabilitem-se sem dor e mais

    funcional. O objetivo dessa pesquisa analisar os efeitos do laser de baixa potncia (Asga)

    em diferentes comprimentos de onda relacionados cicatrizao de tecidos. Trata-se de

    uma reviso sistemtica na literatura em livros, artigos relacionados ao tema do intervalo

    de 2006-2009. Os resultados encontrados nos artigos foram positivos para cicatrizao

    tecidual utilizando o laser de AsGa, em uma mdia de comprimento de onda entre 640

    904 nm e a dose entre 3-4 J/cm. Conclui-se que o uso do laser da baixa potncia (AsGa)

    na cicatrizao de tecido atua de maneira eficaz, geralmente no entanto preciso saber que

    existem fatores intrnsecos relacionados ao paciente que aceleram ou retardam a resposta

    do tecido ao laser como:nutrio tecidual, sistmica, idade, sexo. Alm do mais, necessita-

    se de mais trabalhos nessa rea para que haja uma padronizao dos parmetros do Lazer

    utilizado na cicatrizao de tecidos.

    PALAVRAS CHAVES: Laser de Baixa Intensidade, Cicatrizao, Tecidos.

  • 2

    ABSTRACT:

    The low level laser (GaAs) can interact with the tissues allowing several beneficial

    effects, among them the healing of tissues that currently has clinical use proven by many

    studies. Several pathological conditions the laser is used as bedsores, injuries caused by

    Herpes, tendon healing or dehiscence post-surgical. The rapid healing of these pathological

    conditions allows early physiotherapy act allowing rehabilitate these patients are pain free

    and more functional. The objective of this research is to analyze the effects of low level

    laser (GaAs) at different wavelengths related to tissue healing. This is a systematic review

    of the literature in books, articles related to the interval 2006-2009. The results in the

    articles were positive for tissue healing using the GaAs laser, at an average wavelength

    between 640-904 nm and the dose of 3-4 J / cm . It is concluded that the use of low power

    laser (GaAs) on the healing tissue acts effectively, however generally you need to know

    that there are intrinsic factors related to the patient that accelerate or retard the response of

    tissue to laser as tissue nutrition systemic, age, sex.

    KEYWORDS: Low Level Laser, Wound healing, Tissue

    INTRODUO:

    Segundo RODRIGUES (2006), a palavra laser um acrmio com origem na lngua

    inglesa: Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation (Amplificao da Luz

    por Emisso Estimulada de radiao). uma radiao eletromagntica no ionizante,

    sendo um tipo de fonte luminosa com caractersticas bastante distintas daquelas de uma luz

    fluorescente ou de uma lmpada comum. Os Lasers tm como propriedades a

    monocromaticidade, a coerncia e a colimao.

    A diferena entre os vrios tipos de lasers dada pelo comprimento de onda.

    Quanto menor o comprimento da onda, maior sua ao e poder de penetrao. Os lasers

    podem ser contnuos ou pulsteis. Sua potncia expressa em watts(W), variando de

    dewatts e megawatts e a energia medida em joules por centmetro quadrado(J/cm), sendo

    igual potncia multiplicado pelo tempo de aplicao.(ROCHA,2004)

    A laserterapia de baixa intensidade (LBP) um termo genrico que define a

    aplicao teraputica de lasers e diodos superluminosos monocromticos com potncia

    relativamente baixa (< 500 mW) para o tratamento de doenas e leses utilizando dosagens

    (< 35 J/cm2) consideradas baixas demais para efetuar qualquer aquecimento detectvel nos

    tecidos irradiados. (STEFANELLO e HAMERSKI, 2006).

  • 3

    A utilizao do laser operando em baixa potncia estudada desde os anos sessenta

    e vrios trabalhos atualmente vem sendo realizados para se verificar e elucidar os efeitos

    dessa radiao sobre os tecidos. A radiao laser apresenta efeitos primrios (bioqumico,

    bioeltrico e bioenergtico), que atuam a nvel celular promovendo aumento do

    metabolismo, podendo aumentar a proliferao, maturao e locomoo de fibroblastos e

    linfcitos, intensificar a reabsoro de fibrina, aumentar a quantidade de tecido de

    granulao e diminuir a liberao de mediadores inflamatrios, acelerando assim o

    processo de cicatrizao. (RODRIGUES, 2006; FELICE, PINHEIRO E MENCHIK,

    2009).

    No processo de cicatrizao tecidual, as falhas de reparao mais importantes so

    as que ocorrem nos estgios iniciais, levando a acentuao de edema, reduzida proliferao

    vascular e diminuio dos elementos celulares, tais como: leuccitos, macrfagos e

    fibroblastos. Conseqentemente, ocorrendo baixa sntese de colgeno e aumento do risco

    de infeco. Tendo em vista estes agravamentos, estudos norteiam-se na busca de novos

    mtodos teraputicos que possam solucionar, ou ainda, minimizar, as falhas no processo de

    reparao tecidual. Entre tais mtodos a terapia com Laser de Baixa Potncia (LBP) tem

    ocupado lugar de destaque. Seu xito deve-se as particularidades de respostas que induz

    nos tecidos, como reduo de edema, diminuio do processo inflamatrio, aumento da

    fagocitose, aumento da sntese de colgeno e epitelizao. (CARVALHO et al., 2003)

    O tratamento ideal de uma ferida cutnea a instituio de medidas profilticas,

    porm uma vez instalada, deve-se intervir precocemente, objetivando evitar ou minimizar

    os riscos recorrentes, bem como facilitar o processo de cicatrizao. O reparo tecidual

    mediado pelo LBP tem sido bastante estudado, porm com resultados controversos e pouco

    reprodutveis, devido falta de detalhes sobre os parmetros fsicos nos experimentos.

    Muitos autores concordam que h necessidade de protocolos padronizados e melhor

    investigao controlada de alteraes nos nveis celulares. (BORTOT, 2005)

    Diante dos fatos apontados, e da dificuldade da definio de parmetros fsicos do

    LBP na prtica clnica, justifica-se a necessidade de pesquisas controladas que

    fundamentem seus efeitos histolgicos e biomecnicos no processo de cicatrizao de

    feridas, alm de analisar a relao dose-efeito nos tecidos. O objetivo dessa pesquisa

    analisar os efeitos do laser de baixa potncia (Asga) em diferentes comprimentos de onda

    relacionados cicatrizao de tecidos citados em artigos cientficos.

  • 4

    MATERIAIS E MTODOS

    Trata-se de uma reviso sistemtica na literatura em livros, artigos relacionados ao

    tema do intervalo de 2006-2009. Foram utilizados sete artigos como base, porm essa

    pesquisa tambm se baseou em livros, revistas cientficas impressas e virtuais, artigos

    cientficos atualizados, onde nos mesmos eram includas revises de literatura, revises

    sistemticas, estudos experimentais ou observacionais e ainda relatos de casos, disponveis

    em pginas da web relacionadas fisioterapia. Em todos estes bancos de dados foram

    utilizados os descritores e unitermos: Laser de Baixa Intensidade, Cicatrizao, Tecido.

    Tiveram-se como critrios de excluso: outros tipos de laser, uso do laser no

    envelhecimento de pele e outros usos que no fossem cicatrizao e reviso bibliogrfica

    sobre o tema. E critrios de incluso: estudos de caso utilizando o laser de AsGa,efeito

    cicatrizante do laser j citado, laser de baixa potncia (AsGa), comprimento de onda maior

    que 500nm.

    RESULTADOS

    Utilizou-se 7 artigos de revistas especializadas acerca do tema, destes artigos 5

    foram do tipo estudo de caso e 2 foram de estudo experimental com ratos. Na TABELA

    01 os principais resultados e tamanho da amostra da utilizao do Laser de Baixa Potncia

    de AsGa.

    TABELA01: ESTUDOS QUE ANALISARAM OS PRINCIPAIS EFEITOS DO LASER

    DE BAIXA POTNCIA (AsGa) EM DIFERENTES TECIDOS.

    AUTOR ANO TIPO DE

    ESTUDO

    TAMANHO

    DA

    AMOSTRA

    DOSE

    DO

    LASER

    RESULTADOS

    SILVA,GUIMARES

    e ROSA et al 2006

    Estudo de

    caso 1 8J/cm

    Houve a cicatrizao

    total das lceras do

    quarto dedo da mo

    direita, dorso da mo

    direita, cotovelo

    direito e regio tenar

  • 5

    esquerda.

    FELICE,PINHEIRO

    e MENCHIK et al 2009

    Estudo de

    caso 3 4 J/cm

    Das 8 feridas

    apresentada pelos 3

    pacientes apenas uma

    apresentou piora.

    PINTO, PEREIRA

    e STOLF et al 2009

    Estudo de

    caso 1 4,5J/cm

    O laser mostrou-se

    como um tratamento

    no invasivo eficaz

    em deiscncias ps-

    safectomia.

    STEFANELLO

    e HAMERSKI 2006

    Estudo de

    caso 1 6 J/cm

    Efeito positivo no que

    diz respeito

    cicatrizao da lcera

    de presso

    BUSO, VILLAVERDE,

    SALGADO et al 2006

    Estudo

    experimental

    com ratos

    34 4 J/cm

    Diminuio do

    processo inflamatrio,

    tanto em fase inicial

    como em fase tardia,

    aumentando o nmero

    de fibroblastos no

    perodo inicial, com

    diminuio nos

    perodos tardios.

    ARRUDA, RODRIGUES,

    TACIRO e PARIZOTTO 2007

    Estudo

    experimental

    com ratos

    37 3 J/cm

    Promoveu melhor

    grau de organizao

    das fibras colgenas

    ao longo do eixo

    longitudinal,

    sugerindo

    assim melhor reparo

    tendneo, aps

    tenotomia total de

    tendo calcneo

  • 6

    REGGIRI,ALEGRETTI,

    SCABAR et al

    2008 Estudo de

    caso 1 4 J/cm

    Melhor custo-

    benefcio, diminuio

    na algia das leses e

    cicatrizao rpida.

    FONTE: Artigos Cientficos.

    TABELA 02: CARACTERSTICAS DA APLICAO DO LASER DE AsGa

    CONFORME O ACOMETIMENTO

    AUTOR ACOMETIMENT

    O

    N DE

    SESSE

    S

    COMP

    . DE

    ONDA

    MODO DE

    APLICA

    O

    SILVA,GUIMARES

    e ROSA et al

    lceras de decbito

    em paciente

    diabtico

    5 904 nm Pontual

    FELICE,PINHEIRO

    e MENCHIK et al

    lceras de decbitos

    de dois pacientes

    com TRM e um

    paciente com AVC.

    10 658 nm Pontual

    PINTO, PEREIRA

    e STOLF et al

    Cicatrizao de

    deiscncia ps

    cirurgia de safena.

    10 685 nm Pontual

    STEFANELLO

    e HAMERSKI

    lcera de decbito

    no calcneo em

    paciente paraplgico

    14 904nm Pontual e

    varredura

    BUSO, VILLAVERDE,

    SALGADO et al

    Cicatrizao de

    tendo de Aquiles

    em ratos

    5-10 904 nm -

    ARRUDA, RODRIGUES,

    TACIRO e PARIZOTTO

    Cicatrizao de

    tendo de Aquiles

    em ratos

    12 940 nm -

    REGGIRI,ALEGRETTI

    ,

    Cicatrizao de

    feridas na pele - 790 nm Pontual

  • 7

    SCABAR et al causadas pela Herpes

    FONTE: Artigos Cientficos;

    LEGENDA: N=nmero, COMP=comprimento, (-) =no houve referncia, TRM=Trauma

    raquimedular, AVC= Acidente vascular cerebral.

    DISCUSSO

    Segundo AGNES (2005) a interao do LASER com os tecidos se realiza nas

    interfases, mediante os fenmenos de reflexo e refrao e, no interior do meio, onde tem

    lugar a transmisso, fato que depende principalmente dos fenmenos de absoro e

    disperso. Estes dois ltimos fatores dependem do comprimento da onda e da natureza

    absorvente.

    A cicatrizao o principal efeito da interao tecido- laser possibilitando

    incremento produo de ATP, o que proporciona um aumento da velocidade mittica das

    clulas, estimulando a microcirculao que aumenta o aporte de elementos nutricionais

    associado ao aumento da velocidade mittica, facilitando a multiplicidade das clulas,

    assim, ocorre o efeito de neovascularizao a partir dos vasos j existentes gerando

    melhores condies para a cicatrizao rpida. (STEFANELLO; HAMERSKIA, 2006)

    Dentre algumas opes teraputicas encontra-se a utilizao do LPB no tratamento

    do herpes labial. Este representa uma das viroses mais freqentes acometendo a cavidade

    bucal, tambm diagnosticada em pacientes imunocomprometidos tais como os portadores

    da imunodeficincia humana, transplantados e aqueles submetidos a tratamento

    quimioterpico. As leses geralmente so vesiculares e estas coalescem e ulceram sobre

    uma base eritematosa formando uma crosta serosa e cicatrizam nas semanas seguintes.

    (TRINDADE, 2007)

    O tratamento geralmente feito com laser diodo de arseneto de glio-alumnio

    (GaAlAs) a 670 nm, 30 mW, por 40 segundos no estgio prodrmico e no estgio de

    vesculas, ou 670 nm, 20 mW por 2 minutos na rea no estgio de crosta e em infeces

    secundrias. Ainda, preconiza-se a radiao entre as vrtebras C2-C3, onde est localizado

    o gnglio residente do vrus durante os perodos de latncia a 670 nm, 30 mW por 30

    segundos. Esse tratamento atua como antiinflamatrio e analgsico, que somados ao seu

    poder bioestimulante diminuem o desconforto logo aps a primeira aplicao e aceleram a

    reparao, alm de proporcionar estmulo ao nvel de fibroblastos, com formao de fibras

  • 8

    colgenas mais ordenadas, verificando-se clinicamente acelerao na cicatrizao e logo

    aps a primeira aplicao o paciente j relata alvio da dor. (REGGIORI, 2008)

    O tecido tendneo um tipo de tecido conjuntivo denso e tem como funo

    transmitir a fora produzida pelo msculo para o osso, tornando possvel o movimento

    articular. O processo de cicatrizao das leses tendneas pode levar semanas ou at meses

    para se completar. Durante esse perodo, geralmente o paciente imobilizado para evitar

    rupturas, o que causa inmeras complicaes funcionais retardando o processo de

    reabilitao. A fase inicial do processo de reparo leva de 7 a 10 dias para consolidao,

    porm a reabilitao completa pode exigir semanas ou meses. (VIDAL, 2003)

    Nas ltimas dcadas, observou-se um aumento no interesse clnico por evidncias

    biolgicas da otimizao do processo de reparo tendneo, o que tem influenciado

    estratgias adotadas no tratamento das leses tendneas. Dessa forma, diversos

    pesquisadores tm estudado vrias modalidades teraputicas com o objetivo de acelerar o

    processo regenerativo e assim demonstraram que a fotobiomodulao, atravs da radiao

    laser de baixa intensidade com os diferentes comprimentos de onda, interage de diferentes

    formas no reparo tendneo. (ARRUDA, 2007).

    Os efeitos positivos do laser justificam a utilizao deste na cicatrizao precoce de

    lceras de decbito em pacientes que esto sujeitos a complicaes como pacientes

    diabticos e paraplgicos, o primeiro pelo fato da prpria patologia lentificar o processo de

    cicatrizao por causa do problema hormonal e o segundo est relacionado ao imobilismo,

    nutrio e atrofia muscular.

    ROCHA (2005) define lceras de decbito como reas localizadas de isquemia e

    necrose tecidular, que se desenvolvem pela compresso prolongada dos tecidos moles entre

    proeminncias sseas e a superfcie externa, e estas desenvolvem-se mais em

    proeminncias sseas. Nos trs estudos de caso no uso do laser de AsGa nas lceras

    de decbito conforme a tabela 01 os objetivos da cicatrizao do laser (AsGa) foram

    atingidos efetivamente somente um paciente citado por FELICE et al(2009) que

    apresentou piora. As dosagens utilizadas nestes pacientes foram de 4-8 J/cm que conforme

    AGNES(2005) possibilita efeitos analgsico, cicatrizante atingindo assim as metas

    teraputicas ao fim das sesses.

    A forma de aplicao do laser de AsGa segundo AGNES(2005) deve ser sempre

    pontual j que trata-se de uma luz no visvel e somente STEFANELLO E

  • 9

    HAMERSKIN(2006) utilizaram alm da forma pontual a forma de varredura diferente dos

    outros autores que utilizaram a forma pontual de aplicao.

    PINTO, PEREIRA e STOLF (2009) aplicaram o laser em deiscncias de

    safenectomia e com apenas uma aplicao de laser a diminuio da escala analgica da dor

    de 5 para 2 comprovando o efeito antiinflamatrio do laser assim como a diminuio do

    edema e eritema, estudos como estes contribuem para a acelerao precoce da reabilitao

    de pacientes em diversas situaes de feridas ps cirrgicas facilitando a implementao

    da fisioterapia precoce e fazendo com que esses pacientes retornem mais cedo possvel s

    suas atividades habituais.

    ROCHA (2004) porm cita que o uso do laser de AsGa em suturas cirrgicas em

    ces diminuiu a resposta inflamatria mas, em contrapartida estimulou a formao de

    neuromas. Este mesmo autor cita que em feridas cirrgicas o laser de AsGa mostrou-se um

    bom adjuvante cicatricial em doses baixas de 2 J/cm mostrando-se mais vantajosas que

    doses de 4J/cm no caso do artigo de deiscncias de safenectomia a dose utilizada foi de

    4,5J/cm estando esta dosagem perto do que a literatura cita.

    CONCLUSO

    Diferentes reaes teciduais podem ser obtidas na teraputica do laser de AsGa,

    nessa reviso de literatura em todos os artigos os resultados foram positivos quanto ao uso

    do laser na cicatrizao de tecido porm, preciso saber que existem fatores intrnsecos

    relacionados ao paciente que aceleram ou retardam a resposta do tecido ao laser como:

    nutrio tecidual, sistmica, idade, sexo. Alm do mais, necessita-se de mais trabalhos

    nessa rea para que haja uma padronizao dos parmetros do Lazer utilizado na

    cicatrizao de tecidos.

  • 10

    REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

    AGNES,J.E.Eletroterapia:teoria e prtica.Santa Maria.Editora Orium,2005

    ARRUDA, E. R. B.; RODRIGUES, N. C. ; TACIRO, C.; PARIZOTTO, N. A.

    ;Influncia de diferentes comprimentos de onda da Laserterapia de baixa intensidade

    na regenerao tendnea do rato aps tenotomia; Rev. bras. fisioter., So Carlos, v. 11,

    n. 4, p. 283-288, jul./ago. 2007;

    BORTOT, Bianca Almeida; Anlise do Laser AlGalnp no processo de reparao

    tecidula de leses cutneas; Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP; 2005.

    CARVALHO, P.T. C. et al.; Anlise de Fibras Colgenas Atravs da Morfometria

    Computadorizada de Feridas Cutneas de Ratos submetidos a irradiao do Laser

    Hen; Fisioterapia Brasil;v.4,p. 253-258, 2003;

    FELICE,T.D. et al. Utilizao do laser de baixa potencia na cicatrizao de feridas.

    Interbio v.3 n.2 2009 - ISSN 1981-3775

    PINTO,N.C.;PEREIRA,M.H.C.;STOLF,N.A.G. ET AL. Laser de baixa intensidade em

    deiscncia aguda de safenectomia: proposta teraputica. Rev Bras Cir Cardiovasc

    2009; 24(1): 88-91

    REGGIORI, MAURCIO GAMARRA et al., Terapia a laser no tratamento de herpes

    simples em pacientes HIV: relato de caso; Rev Inst Cinc Sade 2008;26(3):357-6;

    ROCHA,J.C.T.Terapia laser,cicatrizao tecidual e angiognese.Revista Brasileira em

    Promoo da Sade, Universidade de Fortaleza Brasil. ano/vol.17, nmero 001.2004.pp

    45-48

    ROCHA J. A.; MIRANDA, M. J. ;ANDRADE M. J. Abordagem teraputica das lceras

    de presso - Intervenes baseadas na evidncia. Acta Med Port 2006; 19: 29-38

  • 11

    STEFANELLO,T.D.; HAMERSKI, C. R. Tratamento de lcera de presso atravs do

    laser asga de 904 nm - um relato de caso. Arq. Cinc. Sade Unipar, Umuarama, v.10,

    n.2, mai./ago., 2006

    SILVA,J.H.G.;GUIMARES,L.J.M.;ROSA,C.M. et al. Uso de laserterapia de baixa

    potncia de arsenieto de glio (asga) na cicatrizao de lceras em paciente portador

    de

    diabetes mellitus - estudo de caso.novafapi,2006

    TRINDADE AKF, QUEIROGA ASD, CAMPOS S, LUCENA L, SOUSA E. Herpes

    simples labial um desafio teraputico. Comun Cinc Sade. 2007; 18(4):307-14

    VIDAL BC. Image analysis of tendon helical superstructure using interference and

    polarized light microscopy. Micron. 2003; 34:423-32.