Análise da produção e exportação de soja na fazenda ...cac-php. ?· produtividade e exportação…

Download Análise da produção e exportação de soja na fazenda ...cac-php. ?· produtividade e exportação…

Post on 10-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • 1

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    Anlise da produo e exportao de soja na fazenda Agrotoro S.A. situada

    no Paraguai.

    Stefani Marchi (UNIVEL) stefani.marchi@hotmail.com

    Lucio Scheuer (UNIVEL) lucio@univel.br

    Nilson dos Santos Dias (UNIVEL) nilson@univel.br

    Resumo

    Por se tratar de um cereal que bate recordes histricos e numricos, a soja instiga muitos pesquisadores no s no meio agrcola, mas tambm no meio cientfico, onde elaboram estudos para analisar o aumento significativo da produo e exportao desse gro a nvel mundial. A nvel local, especificamente na fazenda Agrotoro S.A., situada no Paraguai, um estudo de caso evidenciou quais os principais fatores responsveis pelo aumento da produtividade e exportao de soja, atravs da anlise do impacto de novas tecnologias, como por exemplo a agricultura de preciso, os maiores produtores desta commoditie e os principais compradores. Por meio de uma entrevista com o engenheiro agrnomo da fazenda, foram coletadas as principais informaes necessrias para a concluso deste artigo, como quantidade produzida e exportada e a influncia da agricultura de preciso. Pode-se observar que a interferncia do clima prejudicou a produtividade da safra, mas que analisando as reas com e sem agricultura de preciso, a produtividade maior nas reas com essa tecnologia e que mesmo com o alto valor investido, e por ser ainda a primeira safra que est sendo utilizada, o investimento compensa. Em relao a exportao, observou-se que apesar de o Paraguai no ter sada para o mar, conseguiu se sobressair, com ajuda do projeto do porto uruguaio e pelos rios Paran e Paraguai e atualmente exporta cerca de 95% da sua commoditie pelo modal fluvial. Isso explica o investimento na infraestrutura porturia, que pretende aumentar a sua capacidade de armazenamento. Palavras-chave: Soja. Produo. Produtividade. Agricultura de Preciso. Exportao.

    rea Temtica: reas Afins das Cincias Sociais Aplicadas

    1 Introduo

    A produo e exportao de soja obtiveram um aumento significativo nas ltimas

    safras, onde a soja produzida e exportada em larga escala por seus principais produtores por

    se tratar de uma commoditie utilizada como matria prima para a produo de rao e leo de

    soja para a alimentao mundial. Pode-se dizer que os principais produtores so considerados

    o celeiro do mundo.

    Segundo o USDA (2014), de acordo com dados da safra 2012/13, os Estados Unidos

    o maior produtor e exportador mundial da commoditie, seguido pelo Brasil nos dois quesitos.

  • 2

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    O Paraguai, apesar de possuir uma rea bem menor que os dois primeiros colocados, o

    equivalente a 4,8% do territrio brasileiro, se encontra em sexto lugar no ranking mundial dos

    produtores de soja e o quarto maior exportador do gro.

    Conforme dados do site da CAPECO(2014), em 2012 a exportao da soja paraguaia

    obteve um total de 2.971.039 toneladas, sendo 199.116 mil toneladas pelo modal terrestre e

    2.771.923 pelo modal fluvial. Em 2013 foram exportadas 4.932.448 toneladas do gro, sendo

    278.684 toneladas pelo modal terrestre e 4.653.764 toneladas pelo modal fluvial.

    O motivo da exportao ser maior pelo modal fluvial se deve pelo fato de que tanto o

    rio Paran que faz a divisa do territrio brasileiro e paraguaio quanto o rio Paraguai que corta

    o pas de Norte a Sul possuem um canal que permite que as barcaas transitem facilmente at

    mesmo em perodos de estiagem e desam at a Argentina ou Uruguai para carregarem os

    navios.

    A temtica deste artigo se d em torno de um estudo de caso, de como e por que a

    produo e exportao da soja vm aumentando nos ltimos anos, partindo do ponto que,

    conforme o Union State Department of Agriculture (USDA), na safra 2012/13 a produo

    mundial de soja foi de 267,9 milhes de toneladas e uma rea plantada de 108 milhes de

    hectares.Para uma melhor compreenso da commoditie soja, foi elaborado um estudo de caso

    da produo e exportao da soja, na fazenda Agrotoro S.A., situada no Paraguai a partir da

    comparao de dados da safra 2012/13 com a 2013/14.

    Por se tratar de um cereal que bate recordes histricos e numricos, a soja instiga

    muitos pesquisadores no s no meio agrcola, mas tambm no meio cientfico, onde

    elaboram estudos para analisar o aumento significativo da produo e exportao desse gro a

    nvel mundial. Com isso, surge o seguinte questionamento: Quais os principais fatores

    responsveis pelo aumento da produtividade e exportao da soja na fazenda Agrotoro S.A.

    na safra 2013/14?

    Para encontrar a resposta deste questionamento, foram elaborados alguns objetivos,

    sendo o principal a anlise da produtividade e exportao da soja na fazenda Agrotoro S.A. na

    safra 2013/14, baseada na safra 2012/13. E os especficos que foram a verificao do aumento

    na exportao desse cereal e quais os principais compradores da safra 2013/14; e anlise do

    impacto das novas tecnologias a partir da implantao da agricultura de preciso para o

    aumento da produtividade na fazenda Agrotoro S.A.

  • 3

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    Para a empresa, no caso a Fazenda Agrotoro S.A., o estudo se mostra importante pelo

    fato de mostrar no papel as melhorias que esto acontecendo no dia a dia da produo e

    exportao da soja, devido principalmente, a implantao da agricultura de preciso.

    2 Referencial Terico

    Este referencial abordar os principais assuntos referentes ao tema deste artigo, como

    a origem da soja, mercado da commoditie no Paraguai, PIB, exportao, logstica e

    infraestrutura do Paraguai e a agricultura de preciso.

    2.1 Soja: sua origem e caractersticas

    A soja cultivada hoje em dia muito distinta dos seus ancestrais, pois conforme o site

    da EMBRAPA (2014) eram plantas rasteiras que se expandiam na costa leste da sia, em

    especial ao longo do rio Yangtz, na China. Sua transformao iniciou com o surgimento de

    plantas originrias de cruzamentos naturais entre duas variedades de soja selvagem que foram

    estudadas e melhoradas pelos cientistas da antiga China.

    As primeiras experincias de produo de soja na Europa foram frustradas, o que de

    acordo com o site da EMBRAPA (2014), aconteceu naturalmente devido a fatores climticos

    e a falta de conhecimento sobre a cultura e suas especificidades. A expanso do seu cultivo

    ocorreu atravs dos norte-americanos que, entre o fim do sculo XIX e incio do sculo XX

    lograram xito ao desenvolver o cultivo comercial da soja, elaborando novas variedades com

    um teor de leo mais elevado.

    Segundo o site da EMBRAPA (2014), hoje em dia h vrios tipos de soja transgnica

    sendo desenvolvidas. A mais popular e mais plantada comercialmente a soja Roundup

    Ready, que foi desenvolvida pela Monsanto na dcada de 80 e que obteve aps vrios estudos

    e tcnicas da biotecnologia um gene de outro organismo, deixando-a mais tolerante e mais

    resistente aplicao de um herbicida, o glifosato.

    2.2 Mercado de futuros

    Para conceito de mercados, aborda-se sua forma ampla: "toda a instituio social na

    qual bens e servios, assim como os fatores produtivos, so trocados livremente" (ARAJO,

    2013, p.133, apud TROSTER e MOCHN, 1994). Conforme Arajo (2013) mercado no se

    refere somente a um espao fsico, mas onde compradores e vendedores de um bem ou

    servio entram em comunicao para comercializ-los.

  • 4

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    Conforme Batalha (2008), em contratos que descrevem alguns termos para concluso

    futura, existe um de notvel importncia para a comercializao de mercadorias

    agroindustriais: o mercado de futuros, onde somente commodities so objeto de contratos de

    futuros, sendo a quantidade comercializada necessariamente um mltiplo inteiro de um lote-

    padro. (BATALHA, 2008, p.73).

    Os mercados de futuros e opes de gros e sementes oleaginosas do Chicago

    Mercantile Exchange (CMO Group) so teis aos produtores de commodities, usurios finais

    e operadores intermedirios que buscam gerenciamento de risco em termos de oscilao de

    preo e ferramentas de precificao. O mercado de futuro e de opes de gros e sementes

    oleaginosas do CME Group consiste de contratos com entrega fsica. (CME Group, 2009).

    Para a Bolsa de Mercadorias e Futuro (BM&F) (2014), a base de raciocnio de todas as

    transaes de compra e venda de contratos futuros de Soja saber qual o preo de mercado da

    saca de soja em uma determinada data futura. Os Contratos de Soja Futuro so compromissos

    de compra e venda de sacas de soja em uma data futura e a um preo consolidado entre as

    partes no ato da negociao.

    2.2.1 Mercado da soja no Paraguai

    Segundo dados do site da CAPECO (2014), o Paraguai o terceiro maior produtor de

    soja da Amrica do Sul, atrs apenas do Brasil e Argentina. Seus principais mercados da soja

    nacional, em gros, so a Europa, responsvel por 39%, Rssia com 17% e Mxico com 10%.

    Turquia, Brasil, Israel, Porto Rico, Costa Rica, Emirados rabes, Bangladesh e Coria do Sul

    correspondem a 29%. Os 5% restantes esto entre Malsia, Japo, Arbia Saudita, Colmbia,

    Peru, Indonsia, Panam, Vietn, Taiwan, Egito, Guatemala, Tailndia, Filipinas e Uruguai.

    Na safra 2012/13, o Paraguai foi o sexto maior produtor mundial de soja, com uma

    produo de aproximadamente oito milhes de toneladas (CAPECO, 2014). Em relao

    exportao, o pas guarani ficou em quarto lugar no ranking mundial na safra 2012/13,

    exportando quase cinco milhes de toneladas.

    2.3 Produto Interno Bruto do Paraguai e o agronegcio

    "O Produto Interno Bruto, PIB, o valor monetrio de todos os bens e servios finais

    produzidos em um pas, em dado perodo de tempo." (KENNEDY, 2004, p. 12). De acordo

    com Kennedy (2004), o PIB mede tanto a produo dos habitantes do pas como a produo

  • 5

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    dos estrangeiros, que realizada dentro do espao geogrfico desse pas e, por isso, demonstra

    claramente a atividade econmica interna dele. (KENNEDY, 2004).

    Conforme publicao do Centro Empresarial Brasil-Paraguay (BRASPAR, 2014), a

    partir de dados provisrios do Banco Central do Paraguai, o Produto Interno Bruto (PIB)

    guarani, puxado pelo agronegcio, liderou o crescimento econmico do continente americano,

    sendo um dos maiores do mundo em 2013. Segundo o Ministerio de Agricultura y Ganadera

    (MAG, 2011), a partir de dados do Banco Central do Paraguai, em 2010, a agricultura era

    responsvel por 18% do PIB paraguaio.

    Em 2013, segundo Bosco (2014) de 20% a 30% do PIB paraguaio era advindo da

    agricultura. Para 2014, o BRASPAR (2014) estima um aumento do PIB de 5,5% a 7,0%,

    motivado pela expanso do crdito, da construo e do aperfeioamento dos investimentos em

    novas fbricas, principalmente silos.

    2.4 Exportaes: sua importncia na balana comercial

    Em relao importncia da exportao para a economia de uma pas, Keedi (2002,

    p.19) diz que "est na diversificao de mercados, deixando de atuar apenas no mercado

    interno, aumentando o seu leque de compradores e, em consequncia, reduzindo seus riscos

    de crise de mercado [...]."

    As exportaes influenciam na balana comercial, o que segundo Costa (2014) de

    maneira bem resumida o levantamento de todos os bens e servios negociados com outros

    pases. Conforme Costa (2014), se a exportao de um pas for maior que a importao, gera-

    se o supervit, indicando um crescimento da produo e influenciado por uma melhor poltica

    comercial. Caso contrrio, ou seja, se a importao for maior que a exportao do pas,

    segundo Costa (2014) gera-se o dficit comercial, que provoca uma srie de consequncias,

    como por exemplo, um recuo da produo do pas e um aumento dos estoques que acabam

    sendo comercializados no mercado interno.

    2.4.1 A exportao da soja no Paraguai

    Para Keedi (2002) a presena de terras disponveis para a agricultura em um pas um

    grande fator para a realidade das transaes internacionais. O pas que a tiver em demasia e

    tiver as condies de aproveit-la, conseguir ter saldo para exportaes que sejam de

    interesse dos importadores.

  • 6

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    Em 2013, segundo dados do site da CAPECO (2014), o Paraguai plantou soja em uma

    rea de 3.157.600 hectares, produzindo nela 8.202.190 toneladas, tendo uma produtividade de

    2.598 quilos por hectare. Neste mesmo ano, o pas guarani exportou 278.684 toneladas pelo

    modal terrestre e 4.653.764 toneladas pelo modal fluvial, ou seja, um total de 4.932.448

    toneladas exportadas, o que representa aproximadamente 60,14% do que foi produzido

    naquele ano.

    "A participao cada vez maior de um pas no comrcio mundial, significa um

    aumento nas oportunidades de desenvolvimento e crescimento da sua economia." (KEEDI,

    2002, p.23).

    2.5 Logstica de transportes e a Infraestrutura do Paraguai

    De acordo com Ludovico (2010), para que haja o transporte de mercadorias pelos

    modais, necessrio uma infraestrutura para seu desenvolvimento, pelo fato de que a logstica

    como tal provoca mudanas de qualidade em toda a extenso de um pas.

    Segundo entrevista do ministro de Obras Pblicas do Paraguai, Ramn Jimenez ao site

    Terra (2014), em 2014 o pas ir investir 500 milhes de dlares na infraestrutura de rodovias

    e pontes. Esse investimento acontecer, pois o atraso da infraestrutura paraguaia to grande

    que coloca o pas entre os 10 pases mais atrasados no mundo.

    2.5.1 Os modais utilizados pelo Paraguai para a exportao da soja

    Conforme Keedi (2002), o transporte aquavirio o mais importante, principalmente

    para o comrcio internacional, onde lder absoluto. O modal terrestre-rodovirio tem mais

    importncia quando se trata de deslocamentos internos de um pas.

    Para Ludovico (2010), o transporte martimo o mais utilizado no comrcio exterior,

    pois um dos benefcios que se tem o de poder embarcar um grande volume de mercadorias,

    principalmente granis slidos ou lquidos e em economia de escala.

    De acordo com Keedi (2002), o transporte terrestre-rodovirio pode ser realizado de

    forma nacional ou internacional, este com modais de pouca relevncia, pois este transporte

    mais utilizado para fornecer as mercadorias no mercado interno. Uma vantagem nica, que o

    diferencia de todos os outros modais, sua possibilidade de trafegar em qualquer via, ou seja,

    no se atm a um trajeto fixo, podendo se locomover por qualquer lugar, sendo bastante

    flexvel. Uma desvantagem apresentar um frete muito elevado em relao a certas

    mercadorias, sobretudo as de baixo valor agregado, como por exemplo agrcolas e

  • 7

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    fertilizantes e tambm perde oportunidades pelo fato de transportar pouca carga (KEEDI,

    2002).

    De acordo com publicao de Tortato (2004) sabe-se que o ento governador do

    Paran em 2004, Roberto Requio impediu o embarque de soja transgnica pelo porto de

    Paranagu, o que fez com que o escoamento da safra paraguaia por terra chegasse a quase

    zero, resgatando assim a estrutura da hidrovia Paran-Paraguai, que de acordo com a

    CAPECO (2014) atualmente o principal modo de escoamento das safras.

    O Paraguai, no ano de 2013, segundo a CAPECO (2014) exportou 94,35% da sua soja

    pelo modal fluvial e o restante, 5,65% pelo modal terrestre. Como se v na Figura 1, pelos

    rios Paraguai e Paran, as barcaas, que carregam uma carga equivalente a 50 caminhes,

    descem at portos da Argentina ou Uruguai para ento carregar os navios e seguir para o

    destino final, e, por rodovias, cortam o Paran at chegar ao porto de Paranagu (CAPECO,

    2014).

    Figura 1: Portos de Embarque e Logstica

    Fonte:CAPECO 2014

    Segundo Rodrigues (2013), o presidente do Uruguai, Jos Mujica, pretende ajudar o

    Paraguai e Bolvia a terem a to sonhada sada para o mar, para que assim, tenham a

    possibilidade de melhorar o escoamento dos seus produtos. Para Jos Mujica, "integrar

    significa construir infraestrutura e oferecer com generosidade um porto que possa ser

    propriedade comum dos governos regionais." A ideia do mandatrio uruguaio vai alm: ele

    quer tornar o projeto do porto de guas profundas, no Estado de Rocha, um espao para todos

    os pases do Mercosul, como forma de integrao regional. RODRIGUES (2013).

  • 8

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    2.6 Agricultura de preciso

    Segundo o Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento (MAPA, 2013), h

    relatos de que a agricultura de preciso j utilizada desde o incio do sculo XX, mas o

    motivo para a sua implementao foi com o surgimento do GPS (Sistema de Posicionamento

    Global por satlites) por volta de 1990.

    A agricultura de preciso, conforme a EMBRAPA (2014) " um sistema de manejo

    integrado de informaes e tecnologias fundamentados nos conceitos de variabilidades

    espacial e temporal de fatores que influenciam os rendimentos dos cultivos e a

    sustentabilidade de produo.

    A aplicao desses conceitos permite identificar as causas das variabilidades, de forma

    natural ou induzidas pelo homem, analisando seus efeitos na produtividade. Permite tambm a

    aplicao dos insumos em locais exatos, em quantidades variveis e em tempos especficos. A

    agricultura de preciso ajuda tambm a controlar para que os nveis de produtividade

    especificados sejam obtidos (EMBRAPA, 2014).

    Figura 2 - Aplicao da Agricultura de Preciso em uma safra.

    Fonte: Google Imagens

  • 9

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    3 PROCEDIMENTOS METODOLGICOS

    Este trabalho se caracterizou como um estudo de caso, que conforme Gil (2010, p.37)

    "consiste no estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos, de maneira que permita

    seu amplo e detalhado conhecimento, tarefa praticamente impossvel mediante outros

    delineamentos j considerados."

    Na pesquisa de campo, de acordo com Severino (2007,p.123) "o objeto/fonte

    abordado em seu meio ambiente prprio. A coleta de dados feita nas condies naturais em

    que os fenmenos ocorrem, sendo assim diretamente observados, sem interveno e manuseio

    por parte do pesquisador. "O presente trabalho coletou dados numricos, como quantidade

    produzida e exportada de soja, dados estes, informados pelos dirigentes da Fazenda Agrotoro

    S.A. e aplicados diretamente no trabalho, sem nenhuma alterao.

    Os dados foram coletados a partir de uma entrevista que foi realizada na Fazenda

    Agrotoro S.A., na segunda metade do ms de agosto,com o engenheiro agrnomo Nils Kaiser.

    Para Richardson (2007,p.207) "A entrevista uma tcnica importante que permite o

    desenvolvimento de uma estreita relao entre as pessoas. um modo de comunicao no

    qual determinada informao transmitida de uma pessoa A a uma pessoa B."

    A entrevista que foi realizada denominada despadronizada ou no estruturada, onde,

    segundo Lakatos e Marconi (2010) o entrevistador pode desenvolver a entrevista livremente,

    direcionando cada situao para o que for mais adequado, podendo explorar melhor cada

    questo. "Em geral, as perguntas so abertas e podem ser respondidas dentro de uma

    conversao informal." (LAKATOS e MARCONI, 2010, p.180).

    Aps a coleta dos dados, foi feita uma anlise e interpretao dos dados atravs de

    grficos e tabelas. Para Lakatos e Marconi (2010,p.153) " um mtodo estatstico sistemtico,

    de apresentar os dados em colunas verticais ou fileiras horizontais, que obedece

    classificao dos objetos ou materiais da pesquisa."

    A pesquisa foi realizada na fazenda Agrotoro S.A., que se encontra situada no distrito

    de acunday, no Departamento de Alto Paran, no Paraguai. Esta empresa atua no ramo de

    produo e comercializao de gros, sementes e insumos agrcolas.

  • 10

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    4 APRESENTAO E ANLISE DOS DADOS

    Aps a entrevista, os dados foram analisados e interpretados, colocados em forma de

    grficos de acordo com os objetivos deste artigo e para melhor compreenso do que se

    pretende concluir.

    Grfico 1 - Produtividade da soja na safra 2013/14

    Fonte: Autora, 2014.

    De acordo com o grfico acima, observa-se que na safra de 2012/13 a produo de

    soja foi de 32.433 toneladas em uma rea de 10.755 hectares, resultando em uma

    produtividade de 3.016kg/ha. J na safra de 2013/14 a produo de soja obteve um total de

    31.252 toneladas na mesma rea, resultando em uma produtividade de 2.906kg/ha.

    Conforme informaes repassadas pelo engenheiro agrnomo da fazenda, Nils Kaiser,

    a diminuio da produtividade ocorreu por conta da estiagem que ocorreu numa poca crtica

    para a cultura.

    32.433

    10.755

    3.016

    31.252

    10.755

    2.906

    0

    5.000

    10.000

    15.000

    20.000

    25.000

    30.000

    35.000

    Toneladas de soja rea (hectares) Produtividade

    2012/13

    2013/14

  • 11

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    Grfico 2 - Exportao de soja e os principais compradores

    Fonte: Autora, 2014.

    A Fazenda Agrotoro S.A exporta 100% de sua produo, com isso temos que na safra

    2012/13 foram produzidas e exportadas 32.433 toneladas e na safra 2013/14 foram produzidas

    e exportadas 31.252 toneladas.

    Conforme o agrnomo Kaiser, os principais compradores do cereal so multinacionais,

    sendo elas: Cargill, ADM e Louis Dreyfus, onde a venda feita "a retirar" no porto da

    fazenda. Estas multinacionais vendem a maioria dessa commoditie principalmente para a

    China.

    Grfico 3 - Resultados obtidos com a implantao da Agricultura de Preciso

    Fonte: Autora, 2014.

    32.433 32.433

    31.252 31.252

    30.600

    30.800

    31.000

    31.200

    31.400

    31.600

    31.800

    32.000

    32.200

    32.400

    32.600

    Soja produzida Soja exportada (toneladas)

    2012/13

    2013/14

    3030

    3409

    2800

    2900

    3000

    3100

    3200

    3300

    3400

    3500

    Produtividade (kg/ha)

    Sem A.P

    Com A.P

  • 12

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    Fazendo uma anlise mais profunda da produtividade parcela por parcela e

    desconsiderando as reas afetadas pela estiagem na safra 2013/14, foi registrada uma

    diferena de produtividade de 11,1% em reas com a aplicao de algum tipo de tecnologia

    versus as reas sem aplicao de tecnologia nenhuma relacionada Agricultura de Preciso,

    com 3.409 kg/ha vs. 3.030 kg/ha.

    Sob esse ponto de vista, o engenheiro Kaiser declara que o investimento nessa nova

    tecnologia compensou, contrariamente quando for analisar a produtividade mdia de uma

    safra versus a outra. De acordo com Kaiser, a agricultura de preciso hoje um dos principais

    projetos da fazenda, conjuntamente com o melhoramento e a modernizao da infraestrutura

    porturia.

    A principal mudana percebida a partir da implantao da agricultura de preciso foi

    um melhoramento substancial da gesto da atividade produtiva da fazenda, que abre o

    caminho para um aumento da produtividade e a uma maior eficincia na utilizao dos

    insumos.

    Grfico 4 - Evoluo dos preos internacionais

    Fonte: Autora, 2014.

    O preo mdio da soja na safra 2012/13 foi de 442 US$/ton., entretanto na safra

    2013/14 foi de 458 US$/ton., ou seja, um aumento de 3,62% Conforme Kaiser, em relao

    safra 2012/13 o custo de produo aumentou na safra 2013/14 em 30%, por um lado por conta

    de uma alta nos preos de vrios insumos e por outro pelo maior investimento nas lavouras e

    do incio de um processo de recuperao de solos.

    442

    458

    430

    435

    440

    445

    450

    455

    460

    Preo (US$/Ton.)

    2102/13

    2013/14

  • 13

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    4.1 Dados gerais da Fazenda Agrotoro S.A.

    A Agrotoro S.A. possui um rea total de 25.056 ha, das quais 10.972 ha so reas

    agrcolas mecanizadas e o restante reserva natural (mato). A Agrotoro S.A. uma empresa

    dedicada produo e comercializao de gros, sementes e insumos agrcolas. Com suas

    terras agrcolas mecanizadas, com curva de nvel e tratadas para a conservao do solo, no

    sistema de culturas rotativas. A empresa tm reservas de florestas de proteo e plano de

    manejo florestal sustentvel. nela que se encontra a reserva de acunday, uma das maiores

    do pas.

    5 CONCLUSO

    No decorrer de toda a pesquisa, observou-se que, apesar da estiagem que influenciou

    negativamente na produo, o principal fator responsvel pelo aumento da produtividade na

    fazenda Agrotoro S.A. na safra 2013/14 a agricultura de preciso, atrelada novos

    investimentos, como por exemplo, na infraestrutura porturia.

    Com relao aos objetivos, notou-se que a produtividade diminuiu comparada a safra

    passada, devido principalmente aos prejuzos climticos. Mas, comparando a produtividade

    em reas que j utilizam a agricultura de preciso versus as que no utilizam nenhum tipo de

    tecnologia, notou-se uma diferena de 11,1%, ou seja, 3.409kg/ha versus 3.030kg/ha.

    A agricultura de preciso gerou um alto investimento para a fazenda, o que segundo o

    agrnomo Nils Kaiser, um valor que compensa e seus retornos j so visveis desde a

    primeira utilizao, que foi nesta safra 2013/14. A inteno da fazenda a cada safra abranger

    mais reas com essa tecnologia, chegando a sua totalidade de hectares, elevando

    significativamente a produtividade e os ganhos.

    No que se refere Comrcio Exterior, a fazenda exporta 100% da sua produo,

    portanto, a quantidade exportada uma varivel dependente da quantidade produzida. A

    maioria do escoamento da produo se d pelo modal fluvial, isso explica o motivo dos

    investimentos da fazenda na infraestrutura porturia, que para a prxima safra, 2014/15, j

    ter novos silos para o armazenamento da soja, pois em pocas de estiagem, o trfego das

    barcaas fica mais difcil, ento aumentando a quantidade de silos, aumentam a capacidade de

    armazenamento para este perodo crtico, at as barcaas trafegarem novamente. Em ltimos

    casos, a fazenda opta por escoar sua produo pelo modal terrestre, at o porto de Paranagu.

    De acordo com trecho j citado no referencial terico, "A participao cada vez maior de um

  • 14

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    pas no comrcio mundial, significa um aumento nas oportunidades de desenvolvimento e

    crescimento de sua economia." (KEEDI, 2001, p.23)

    Outro fator relevante o projeto do porto de guas profundas do Uruguai, que ir

    ajudar o Paraguai a escoar mais facilmente sua produo, dando ao pas guarani uma sada

    para o mar, e que conforme o presidente uruguaio, essa integrao beneficiar ambos e

    futuramente o Mercosul.

    Por ser uma das commodities mais negociadas mundialmente, a soja instiga no s

    novos produtores mas tambm novos investidores, na maioria dos casos, o governo. O

    Paraguai necessita de muitos investimentos na sua infraestrutura e tecnologia, e este artigo

    demonstrou a importncia desses futuros investimentos, que contribuiro para a diminuio

    do custo para os produtores e aumento de ndices para o pas, como por exemplo a colocao

    no ranking mundial de produtor e exportador da soja.

    Novos investimentos so importantes no s para o Paraguai, mas tambm para a

    Amrica Latina, como forma de integrar os pases e incentiv-los a se tornarem cada vez mais

    competitivos perante pases de outros continentes.

    Referncias

    ARAJO, Massilon J. Fundamentos de agronegcios. 4.ed. So Paulo: Atlas ,2013. BATALHA, Mrio Otvio. Gesto Agroindustrial. 3. ed. 2 v. So Paulo: Atlas, 2008. BEUREN, Ilse Maria. Como elaborar trabalhos monogrficos em contabilidade: teoria e prtica. 3. ed. So Paulo: Atlas, 2013. BOLSA DE MERCADOS E FUTUROS. Entendendo a Soja Futuro. Disponvel em: Acesso em: 25 abr. 2014. BOSCO, Joo Henrique. Fora da agricultura coloca o Paraguai entre os lderes no mercado da soja. Disponvel em: . Acesso em: 26 abr. 2014. BRASIL. Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento. Agricultura de Preciso. Braslia: MAPA/ACS, 2013. CAMARA PARAGUAYA DE EXPORTADORES Y COMERCIALIZADORES DE CEREALES

    Y OLEAGINOSAS. Estadsticas. Disponvel em:

  • 15

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    . Acesso em: 07 abr. 2014. CARMO, Marcia. Paraguai descola do Brasil e tem 3 maior crescimento do mundo em 2013. Disponvel em: . Acesso em: 25 abr. 2014. CENTRO EMPRESARIAL BRASIL-PARAGUAY. PIB cresce 14,1% em 2013, de acordo com Banco Central do Paraguai. Disponvel em: . Acesso em: 25 abr. 2014. CHICAGO MERCANTILE EXCHANGE GROUP. Futuros e Opes de Gros e Oleaginosas. Disponvel em: . Acesso em: 15 jul. 2014. COSTA, Marcos Aurlio da. Como a balana comercial interfere em nossas vidas. Disponvel em: . Acesso em: 26 abr. 2014. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISAS AGROPECURIAS. Agricultura de Preciso. Disponvel em: . Acesso em: 28 abr. 2014. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECURIA. Histria da soja. Disponvel em: . Acesso em: 21 abr .2014. GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed. So Paulo: Atlas, 2010. KEEDI, Samir. ABC do comrcio exterior: abrindo as primeiras pginas. So Paulo: Aduaneiras, 2002. KENNEDY, Peter E. Economia em contexto. Traduo de Fernanda Estevan. So Paulo: Saraiva, 2004. LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia cientfica. 7.ed. So Paulo: Atlas, 2010. LUDOVICO, Nelson. Logstica de transportes internacionais. 3.v. So Paulo: Saraiva, 2010. MAZOYER, Marcel; ROUDART Laurence. Histria das agriculturas do mundo: do neoltico crise contempornea. Traduo de Cludia F. Falluh Balduino Ferreira. So Paulo: Editora UNESP, 2010. MINISTERIO DE AGRICULTURA Y GANADERIA .Plan Agrario 2012/2013. Disponvel em:

  • 16

    I CINGEN- Conferncia Internacional em Gesto de Negcios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015 UNIOESTE-Universidade Estadual do Oeste do Paran CCSA-Centro de Cincias Sociais Aplicadas

    2013%20IMPRENTA%2026-07-2012.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2014. MONSANTO. Transgnicos. Para ter opinio preciso informao. Aspectos Gerais. Disponvel em: . Acesso em: 23abr. 2014. RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: mtodos e tcnicas. 3.ed. rev.e amp. So Paulo: Atlas ,2007. ROCHA, Paulo Csar Alves. Logstica e Aduana. So Paulo: Aduaneiras, 2001. RODRIGUES, Tha. Jos Mujica oferece sada para o mar para Bolvia e Paraguai. Disponvel em: . Acesso em: 01 de Out. de 2014. SEVERINO, Antnio Joaquim. Metodologia do trabalho cientfico. 23ed.rev.e atual. So Paulo: Cortez, 2007. TERRA. Paraguay invertir USD 500 millones en carreteras y puentes en 2014. Disponvel em: . Acesso em: 26 abr. 2014. TORTATO, Mari. Requio segue contra transgnico. Folha de So Paulo, So Paulo, 8 out. 2004. Mercado.Disponvel em: . Acesso em: 26 abr. 2014.

Recommended

View more >