anais sic ufop

Download Anais Sic Ufop

Post on 19-Jul-2015

763 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

XVIII Seminrio de Iniciao Cientfica da UFOP

PENSANDO EM EDUCAO, ARTE, CULTURA E EXTENSO Abner neemias da Cruz (A), Caio Tassus Silva Monti (CA), Camila Ribeiro Tom (CA), Marcia Pereira da Silva (O), Marina Maria Pontin (CA), Rosa Aparecida do Couto Silva (CA), Thiago Panini Primolan (CA) A brutalizao, racionalizao e mecanicizao da sociedade so traos derivados da modernidade, da valorizao da cincia e da tecnica. A arte, compreendida como instrumento de reflexo do humano, apontada por alguns autores como capaz de despertar sensibilidades, se vivenciada no sentido da prtica da liberdade. Por meio da arte podemos expressar conscincia e compreenso da condio humana, exercitando interaes de culturas, respeito diversidade e a politizao conscinte do cotidiano. Acreditando nos benefcios do equacionamento entre educao, cultura e arte o CPC - Centro Permanente de Cultura, grupo de extenso da UNESP - Campus de Franca realiza desde 1997 atividades junto comunidade francana. O grupo realiza oficinas educacionais (Teatro, pintura, ingls, espanhol, circo) pautadas no dilogo e na troca de conhecimentos. Os participantes destas desenvolvem a criticidade, "aprendendo a aprender" e conhecendo outras realidades. Com o mesmo intuito das oficinas o CPC organiza tambm a semana cultural, evento aberto ao pblico em geral, preconizando a valorizao da experincias dos vrios membros da comunidade que dela participa. Dessa maneira,nos ultimos treze anos o grupo tem atuado na cidade de Franca, propiciando atividades conjuntas entre acadmicos e a comunidade em geral. Instituio de Ensino: UNESP - Universidade Estadual Paulista Agncia(s) de Fomento:

ISSN 2176-3410

XVIII Seminrio de Iniciao Cientfica da UFOP

A REPRODUO DA FORA DE TRABALHO NO COMRCIO DO CENTRO DE MARIANA Adelaine de Lourdes Silva (A), Prof. Edneia Alves de Oliveira (O) O projeto a seguir, trata-se de uma investigao sobre a explorao da fora de trabalho dos trabalhadores do comrcio no centro de Mariana, os impactos e expectativas na reproduo da vida social de cada trabalhador na cidade de Mariana MG. Pretende - se aqui, atravs de pesquisas bibliogrficas e entrevistas, analisar a viso, e a expectativa dos trabalhadores diante de tal situao; como conseqncia de uma sociedade capitalista. Procura-se atravs do levantamento bibliogrfico apresentar e questionar a invisibilidade do trabalho na constituio do ser social e a banalizao do humano devido s suas objetivaes. Demonstrar a contradio entre explorao e reproduo da fora de trabalho e os impactos na vida do ser social. Procura-se tambm demonstrar o real interesse do patro pelo funcionrio inserido na sociedade capitalista contempornea e a importncia do trabalho na vida do individuo social. O mtodo de anlise da realidade utilizado ser com base nas teorias Marxistas, partindo da relao sujeito (realidade) objeto, mostrando a relao entre o Capitalista (patro) e o Trabalhador (funcionrio do comrcio) mais especificadamente, entre explorador e explorado. At o momento pode-se concluir uma insatisfao do trabalhador mediante a situao de compra e venda da fora de trabalho e que esta reproduz a separao entre fora e as condies de trabalho. Percebe-se claramente a luta diria pela vida, o reconhecimento por parte dos trabalhadores da explorao e a indagao contra ela; onde o trabalhador se v de mos e ps atados diante de tal situao; colocando em evidncia a perda de controle dos trabalhadores sobre suas prprias vidas, o que gera mudanas em sua sociabilidade e subjetividade. A pesquisa encontra-se em desenvolvimento, sendo finalizada em outubro e podendo sofrer assim, mudanas em sua concluso. Instituio de Ensino: UFOP - Universidade Federal de Ouro Preto Agncia(s) de Fomento: UFOP

ISSN 2176-3410

XVIII Seminrio de Iniciao Cientfica da UFOP

FESTAS DO ROSRIO NA ZONA DA MATA MINEIRA: AFRODESCENDNCIA ESBOANDO UMA REGIO CULTURAL Aderemi Matheus Jacob Freitas Caetano (A), Milton Ramon Pires de Oliveira (O), Bruno Geraldo Alves (C), Angela Maria Garcia (CO) Em outubro na Zona da Mata Mineira, microrregies de Viosa e Ub, poca das Festas de N. S. do Rosrio. Cidades e distritos so enfeitados com cores e sons, atraindo pessoas movidas pela f. Atividades acontecem em diferentes lugares, estabelecendo prticas de troca de visitas entre os grupos de congo. A pesquisa tem como problema a possibilidade de delineamento de uma regio cultural com base nas prticas do congado. Analisa os elementos que suportam as identidades dos grupos e a convivncia desses nas situaes ritualizadas. Utilizo uma construo metodolgica que compreende: levantamento bibliogrfico; observao participante dos ensaios e apresentaes dos congos; entrevistas (histria oral) com velhos congos. Tal construo viabilizada pelas contribuies da Antropologia e da Histria, possibilitando o dilogo para alm dos campos disciplinares, conforme demandado pela construo do objeto da pesquisa. As festividades so conduzidas por Grupos de Congos, os quais apresentam similitudes entre si, as quais propiciam o estabelecimento de prticas de entreajudas, como a preocupao com as datas das festas, viabilizando a troca de visitas durante os festejos. Tal prtica possibilita o delineamento do Ciclo do Rosrio que esboa a formao de uma regio cultural com caractersticas centradas nos cdigos culturais. Entendendo as festas como momentos quando os homens demonstram aquilo que os tocam profundamente (Turner, 1974), posso apreend-las como situaes de aprendizagem das regras de sociabilidade. Alm disso, entre os grupos de congos, essas prticas permitem a organizao do espao pelo vis cultural, visualizando uma gama de aspectos materiais e imateriais que perpassam o tempo e nele se materializam como um legado cultural. Por fim, destaco que um dos pilares de sustentao do delineamento de uma regio cultural a atualizao de relaes intergrupais, as quais contribuem para a reproduo social dos grupos de congos, possibilitando sua renovao. Instituio de Ensino: UFV - Universidade Federal de Viosa Agncia(s) de Fomento: UFV

ISSN 2176-3410

XVIII Seminrio de Iniciao Cientfica da UFOP

A INSTITUIO DA SOCIEDADE EM CASTORIADIS Adriana Cristina Ado (A), Ricardo Monteagudo (O) Nos limites desta pesquisa, pretendemos analisar o imaginrio radical em Cornelius Castoriadis e sua relevncia diante da instituio e criao do social-histrico. Castoriadis fala em uma sociedade democrtica, que ele define como uma sociedade livre, igualitria e autnoma. Nosso objetivo analisar em que solo se sustenta essa idia de autonomia, no s para o indivduo, mas para a sociedade, associada questo ontolgica essencial que trata da indeterminao ou determinao do ser e da histria. Para Castoriadis A histria essencialmente poisis, palavra grega que significa criao, ao, fabricao, confeco. Para o autor a histria do ser humano se faz atravs de uma rede complexa de relaes sociais, polticas, econmicas e culturais, o que permite traar certa linearidade e causalidade nos acontecimentos histricos, mas no somente; ao lado desta rede intrincada de relaes, est algo do qual no possvel estabelecer uma causalidade ou previsibilidade, o que ele chamar de imaginrio radical, este que, se efetua atravs do representar/dizer (o logos) e do fazer (tekn) humano, isto no lhe confere um carter secundrio ou abstrato, pelo contrrio, est diretamente ligado ao que o ser humano pensa/faz, sendo o imaginrio um elemento fundante na instituio da sociedade, como criao de significaes e valores. Todas estas questes supracitadas fazem com que repensemos a dimenso poltica da sociedade, assim como a construo do indivduo e da sociedade.Pretendemos elucidar o modo como Castoriadis estabeleceu tais relaes, articulando-as e explicitando-as em algumas de suas obras. Adotaremos como mtodo a leitura, interpretao e correlacionamento dos textos.Pretendemos, ao final da pesquisa, redigir um ensaio que contemple os objetivos supracitados. Instituio de Ensino: UNESP - Universidade Estadual Paulista Agncia(s) de Fomento: UNESP

ISSN 2176-3410

XVIII Seminrio de Iniciao Cientfica da UFOP

MUDANAS NA FAMLIA, PERSPECTIVAS E TENDNCIAS NO SCULO XXI Adriana Pereira Souza (A), Prof. Dr. Pe. Mrio Jos Filho (O) A pesquisa tem a proposio de investigar quais as mudanas econmicas, polticas e culturais ocorridas na famlia dentro de sua diversidade de configuraes, a partir da classificao que traz o IBGE. Nosso objetivo analisar as perspectivas e tendncias contidas em cada uma dessas realidades, traar as mudanas ocorridas at os dias atuais e fazer uma anlise da influncia da Declarao Universal dos Direitos Humanos dentro destas mudanas visto sua importncia no contexto econmico e poltico de nossa sociedade, sendo tais mudanas fundamentais para traar e articular aes no campo profissional de diversas reas principalmente a do Servio Social. Esta pesquisa ser do tipo qualitativa ter como campo de Pesquisa a cidade de Franca/SP, que cresceu e desenvolveu-se muito rapidamente acompanhando as mudanas familiares, se caracterizando como cenrio ideal para a pesquisa. O levantamento bibliogrfico est pautado nos seguintes autores: Engels, Collange, Carvalho, Kalousti