anais - ftp. ?· atendimento publicitário desirée suzuki guilherme lacerda projeto gráfico e...

Download Anais - ftp. ?· Atendimento Publicitário Desirée Suzuki Guilherme Lacerda Projeto Gráfico e Diagramação…

Post on 02-Dec-2018

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 19 a 21 de maio de 2016 Belo Horizonte/MG

    Anais

    Fonoaudiologia2 Congresso de

    C I N C I A E T E C N O L O G I A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O P R O F I S S I O N A L

  • Atendimento Publicitrio

    Desire Suzuki

    Guilherme Lacerda

    Projeto Grfico e Diagramao

    Las Petrina

    Comisso organizadora

    Profa. Ana Cristina Crtes Gama

    Profa. Erica de Arajo Brando Couto

    Profa. Izabel Cristina Campolina Miranda

    Profa. Luciana Macedo de Resende

    Profa. Patricia Cotta Mancini

    Profa. Sirley Alves da Silva Carvalho

    Coordenao

    Gilberto Boaventura

    Assessoria de Comunicao Social

  • APRESENTAO

    O 2 Congresso de Fonoaudiologia da Faculdade de Medicina da UFMG apresenta a temtica de Cincia e Tecnologia para o desenvolvimento profissional, dentro da perspectiva do desenvolvimento tecnolgico para a avaliao e terapia fonoaudiolgica, alm de propiciar, para estudantes e pesquisadores, o intercmbio de trabalhos cientficos realizados sob as premissas da inovao. Objetiva apresentar um diferencial de formao e evoluo do campo fonoaudiolgico, fundamental para as questes de qualidade de vida e ateno global sade e educao em todos os ciclos de vida.

    Foi includa na programao do evento a realizao de oficinas de todas as reas da fonoaudiologia, visando novas formas de transmisso e troca de conhecimentos dos tpicos relacionados tecnologia e cincia.

    O Curso de Fonoaudiologia da UFMG, que em 2016 completa 17 anos, destaca-se no cenrio nacional pela qualidade dos profissionais aqui formados, alcanando as maiores mdias nos exames do MEC e maiores ndices de aprovao nos concursos da rea em Minas Gerais. Seu bero, a Faculdade de Medicina da UFMG, uma instituio centenria que j formou em toda a sua histria mais de 17.0000 mdicos e 450 fonoaudilogos. Oferece trs cursos de graduao: Medicina, Fonoaudiologia e Tecnologia em Radiologia, com dez Programas de ps-graduao stricto sensu e sete cursos de especializao, dentre eles o Curso de Especializao em Fonoaudiologia e o Mestrado em Cincias Fonoaudiolgicas, ambos do Departamento de Fonoaudiologia. Os docentes do Departamento de Fonoaudiologia realizam pesquisas nas reas de tecnologia e inovao em parceria com as reas de Engenharia eltrica e biomecnica, Neurocincias, Letras e Medicina. As pesquisas e trabalhos interdisciplinares e de desenvolvimento tecnolgico que sero apresentadas durante o evento so inovadoras e tero tambm a funo de ampliar os horizontes profissionais dos participantes no evento.

  • 4

    REA TEMTICAAUDIO E EQUILBRIO

  • 5

    PAE001 - Influncia da fora de percusso dos instrumentos da bandinha para avaliao do comportamento auditivo infantil.

    Brbara Oliveira Souza, Thamara Suzi Santos, Jeferson Jhone da Silva, Luciana Macedo de Resende e Sirley Alves da Silva Carvalho

    OBJETIVO: Verificar a influncia da fora de percusso em relao intensidade sonora e o espectro frequencial produzido pelos instrumentos da bandinha. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo observacional transversal aprovado pelo Comit de tica e Pesquisa da instituio de ensino sob o nmero 400.507. O material utilizado na pesquisa foi os instrumentos da bandinha audiolgica, como o black-black, agog (cnula maior e menor), coco, ganz, guizo, prato, reco-reco, xique-xique, sino e tambor. Para analisar a influncia da fora da percusso, trs avaliadores tocaram cada instrumento da bandinha com trs diferentes intensidades de percusso - fraca, mdia e forte - em uma cabina acstica. Para registrar e analisar as respostas de cada instrumento foi utilizado os programas FFT Analysis Software BZ-7230 e Tone Assessment Option BZ-7231. Para apresentao dos resultados foi realizada uma anlise descritiva dos dados e a mdia aritmtica das intensidades em funo da fora de percusso para as frequncias presentes no espectro de cada instrumento. RESULTADO: Observou-se grande variao da frequncia e da intensidade em funo da fora de percusso para todos os instrumentos da bandinha utilizados no estudo. No que se refere frequncia, 4 kHz foi a faixa frequencial em que a maioria dos instrumentos, como o black-black, xique-xique, guizo, coco, ganz e prato, apresentou maior amplitude nos espectros. Contudo, nota-se variao da frequncia de maior amplitude em relao ao instrumento utilizado, sendo o tambor (250 Hz) o instrumento de menor variao de frequncia e o reco-reco (2 kHz) o instrumento de maior variao frequencial. Em relao intensidade, observa-se grande variao da amplitude em funo da fora de percusso aplicada pelos trs avaliadores ao tocar quase todos os instrumentos. O instrumento que sofreu menor variao na amplitude foi o black-black, na qual a mdia da intensidade fraca foi de 80,8 dB e a forte de 86,66 dB, e o instrumento que sofreu maior variao, atingindo uma diferena de 20,16 dB, foi o prato, em que a intensidade fraca foi de 79,84 dB e a forte de 100 dB. CONCLUSO: Os resultados do presente estudo destacam a importncia e a necessidade de o profissional fonoaudilogo controlar sua prpria fora de percusso no momento da avaliao de observao do comportamento auditivo, j que as variaes de intensidades podem influenciar o espectro frequencial resultante bem como o desencadeamento das respostas comportamentais da criana.

  • 6

    PAE002 - Reabilitao Vestibular no caso de tumor Glmus jugulo-timpnico: Relato de caso.

    Marlon Ribeiro, Rosinelle Souza, Najila Burle, Juliana Rocha, Aline Castro, Aline Fontes, Daniele Fernandes e Patrcia Mancini

    M.A.O do sexo feminino, 73 anos, foi diagnosticada com o tumor do tipo glmus jugulo-timpnico direita, com acometimento do VIII par craniano no ano de 2004, os primeiros sintomas apresentados foram zumbido e perda auditiva. O tumor Glmus jugulo-timpnico uma neoplasia que pode ocorrer em vrias partes do corpo, sendo mais comum na orelha mdia e no osso temporal. Pode se instalar no bulbo da veia jugular e dentro do ouvido, com acometimento bilateral em 26% dos casos. So tumores de evoluo lenta, usualmente benignos. Seus principais sintomas iniciais so zumbido que pulstil, perda da audio e tontura. A paciente recebeu indicao cirrgica, mas devido aos riscos da cirurgia recusou-se a faz-la e recebeu tratamento paliativo com quimioterapia. Foi encaminhada para o Ambulatrio de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Minas Gerais no ano de 2012 pelo otorrinolaringologista com a queixa: sinto que estou caindo, tenho viso turva e zumbido constante na orelha direita. M.A.O fez teste para avaliao do incmodo do zumbido e tontura por meio de escala visual analgica, sendo constatado maior impacto referente intensidade da tontura e no realizou acufenometria. Apresentou perda auditiva mista severa direita e perda neurossensorial moderada esquerda com curva audiomtrica de configurao plana bilateralmente, timpanometria do tipo C direita e A esquerda com reflexos estapedianos contralaterais ausentes. O teste vestibular no pode ser realizado devido ao tumor. Em abril de 2013 de acordo com o laudo do ORL a paciente possui paralisia nos nervos VII e X. OBJETIVO: Avaliar a efetividade da reabilitao vestibular em uma paciente portadora do tumor Glmos jugulo-timpnico durantes os anos de 2012 at o primeiro semestre de 2015, atravs da aplicao do questionrio Dizziness Handicap Questionnaire (QHT) e da Berg Balance Scale. A reabilitao vestibular visa estimular as vias sensoriais da propriocepo e visual para compensar a alterao do labirinto. Trazendo habituao dos movimentos diminuindo a manifestao de tontura e melhorando assim a qualidade de vida do paciente. METODOLOGIA: A paciente iniciou a terapia no segundo semestre do ano de 2012, foram trabalhados na terapia exerccios de equilbrio esttico, dinmico, coordenao do equilbrio e exerccios oculomotor. Possui dificuldade de se lembrar dos exerccios propostos em terapia, assim para a forma correta de realizar os exerccios em casa, eles foram desenhados, gravados em um CD e tambm foram tiradas fotografias da paciente realizando os exerccios em terapia. Foram aplicados os questionrios QHT e Berg Balance Scale no incio da terapia e no segundo semestre do ano de 2015 para comparao dos valores. RESULTADO: Quando comparados os dados do ano de 2012 e 2015, a paciente mostrou uma melhora nas categorias: fsica 4%, funcional 4%, emocional 10%, totalizando 18% de melhora no questionrio QHT. Na escala de Berg a paciente tambm apresentou melhora de 16% nas provas. CONCLUSO: A reabilitao vestibular mostrou-se eficaz na compensao e habituao da tontura s atividades de vida diria da paciente, trazendo a ela uma melhor qualidade de vida.

  • 7

    PAE003 - Triagem otoneurolgica em operrios da construo civil que executam trabalho em altura.

    Marlon Ribeiro, Rosinelle Souza, Najila Burle, Juliana Rocha, Aline Castro, Aline Fontes e Daniele Fernandes, Patrcia Mancini

    O equilbrio corporal fundamental para a adoo de reaes posturais que permitam a realizao de movimentos harmoniosos, conforto fsico e mental, mantendo a postura ereta e evitando quedas. Para que ele seja mantido, faz-se necessria uma interao entre os sistemas vestibular, visual e proprioceptivo. Qualquer alterao na interao destes trs sistemas pode ser manifestada por meio da tontura. A tontura a sensao de perturbao do equilbrio corporal e pode ser definida como uma percepo errnea, iluso ou alucinao do movimento, sensao de desorientao espacial do tipo rotatrio (vertigem) ou no-rotatrio (instabilidade, flutuao, oscilaes). Desequilbrios constantes, leves ou intensos, podem levar o indivduo a uma incapacitao em vrios mbitos da vida, dentre eles o trabalho, podendo expor o trabalhador ao risco de queda. Operrios da construo civil que realizam trabalho em alturas, necessitam da integridade do sistema vestibular para no estarem expostos a quedas e acidentes graves. OBJETIVO: Avaliar a frequncia de sinais e sintomas otoneurolgico