amendoim - pragas e doenas

Post on 07-Jul-2015

1.005 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

...AMENDOIM - Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle...

1/10

AMENDOIMPrincipais doenas, manejo integrado e recomendaes de controlepor Srgio Almeida de Moraes INTRODUO O amendoim (Arachis hypogaea L.), leguminosa originria da Amrica do Sul, cultivado nas mais variadas regies tropicais do mundo, pela sua ampla adaptabilidade a uma grande diversidade de ambientes. No Brasil, So Paulo o principal produtor, contribuindo com cerca de 70 a 80 % da produo nacional estimada em 120-150 mil toneladas anuais. As principais doenas que ocorrem na cultura podem causar a reduo de 10% a mais de 50% na produo de vagens, quando medidas de controle no so utilizadas. Os principais problemas podem ocorrer tanto na fase de plantio, com as doenas de sementes e plntulas, como durante o desenvolvimento da cultura, com as doenas causadas por fungo do solo ou da parte area, e aps a colheita, com fungos produtores de aflatoxina ou de gros armazenados. Entre as vrias doenas descritas nas diferentes regies do mundo onde se cultiva o amendoim (cerca de 32 so causadas por fungos, 14 por vrus, uma por bactria, alm de 8 nematides parasitas), algumas so de ocorrncia espordica ou podem aparecer sem contudo causar danos significativos, em nossas condies. Outras, como o caso das doenas de sementes e plntulas, das cercosporioses, da verrugose e atualmente da ferrugem, exigem o uso medidas de controle para que o amendoim possa ser produzido comercialmente. DOENAS CAUSADAS POR FUNGOS DO SOLO Doenas de sementes e plntulas. A germinao das sementes e as fases de pr-emergncia, ps-emergncia esto sujeitas ao de vrios fungos patognicos levados pelas sementes (espcies de Aspergillus, Rhizopus e Penicillium) e fungos do solo (Rhizoctonia solani, espcies de Pythium e Fusarium). Na fase de pr-emergncia, esses acarretam falhas na germinao por destruio de sementes e embries em desenvolvimento, resultando em baixo "stand" inicial. Na ps-emergncia so comuns os sintomas, conhecidos por "tombamento" ou "damping-off", Aspergillus flavus A. flavus e A. niger caracterizados por leses escuras e deprimidas que causam estrangulamento prximo ao colo, tombamento e morte da plntula. Sob condies de elevada umidade, a regio do colo pode ser recoberta por um crescimento miceliano do fungo, de cor pardo-amarelado (Rhizoctonia solani) ou negro (Aspergillus niger). A Rhizoctoniose, causada por Rhizoctonia solani Kuhn, destaca-se como um dos mais importantes agentes causadores de doenas de ps-emergncia este fungo de solo, embora este tipo de doena em amendoim tambm possa ser atribudo a outros patgenos como A. niger, Fusarium spp., Rhizopus spp. e Pythium spp. R. solani um fungo polfago, apresentando um grande nmero de hospedeiros, entre os quais vrias plantas cultivadas, como alface, algodo, batata, caf, cebola, feijo, repolho, soja, tomate, entre outras. O fungo pode invadir e destruir as sementes, que morrem antes da germinao, ou infectar plntulas causando o tombamento de pr ou ps-emergncia, resultando em baixo estande inicial da

Penicillium sp.

Rhizopus sp.

http://www.infobibos.com/Artigos/2006_2/Amendoim/index.htm

11/7/2006

...AMENDOIM - Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle...cultura. No hipoctilo das plntulas, regio mais comumente atacada, ocorre o desenvolvimento do miclio do fungo e a penetrao em seus tecidos. Na emergncia das plntulas infectadas o hipoctilo apresenta leses alongadas marrom-escuro e deprimidas, que aumentando coalescem, causando a morte das mesmas. O fungo pode infectar, tambm, folhas, hastes e ginforos, junto ao nvel do solo, e vagens, que ficam enegrecidas, com sementes enrugadas e de colorao mais clara que o normal, ficando menos resistentes ao armazenamento. Pelo fato de ocorrer simultaneamente com outras doenas de solo e da parte area, torna-se difcil avaliar sua importncia econmica, embora os danos mais evidentes estejam relacionados diminuio do estande de plantio. De um modo geral, um total de 15% de perdas atribudo a estes fungos, como conseqncia de reduo do estande de germinao, podrido de vagens e morte de plantas. A Podrido do colo, causada por Aspergillus niger Van Tiegh, tambm conhecida como "crown rot", "collar rot" ou "Aspergillus blight". Sua importncia econmica est relacionada com a diminuio na germinao, na densidade de plantas no campo e na produo da cultura. O fungo A. niger tpico do solo, vivendo normalmente como saprfita, podendo causar doenas como a podrido do colo do amendoim, principalmente em solos com baixa matria orgnica. A podrido do colo pode afetar desde o estgio de plntulas at plantas de amendoim em qualquer estgio de desenvolvimento, mas mais comum nas primeiras. Logo aps o plantio, o fungo pode infectar as sementes, que apodrecem rapidamente, tornando-se moles e cobertas por uma densa massa escura, constituda pelos conidiforos e condios do fungo. As plntulas infectadas apresentam leses na regio do hipoctilo, ao nvel do solo. A podrido no hipoctilo caracterizada por uma leso amarelo-escura, que se estende para o interior dos tecidos. Na superfcie de reas afetadas, usualmente podem ser vistas massas pretas de conidiforos e condios do fungo. Podrido do colo de A. niger Os danos causados por esses fungos so favorecidos por vrios fatores, como: utilizao de sementes de m qualidade e infectadas com fungos; utilizao de sementes com baixo poder germinativo (abaixo de 80%), baixo vigor, sem certificao e pureza varietal; utilizao de sementes no tratadas com fungicidas; plantios profundos (acima de 15 cm), retardando a emergncia das plntulas e expondo-as a um maior perodo aos fungos de solo; ausncia de rotao de culturas, especialmente em reas com antecedentes de problemas de "stand", causada por fungos do solo, como Rhizoctonia, Pythium e Fusarium. Os fungos de solo, R. solani e espcies de Fusarium, em condies favorveis, podem tambm causar danos em plantas adultas com vagens j formadas. Ao final do ciclo, esses fungos podem ocorrer sobre as vagens, que ficam com a casca enegrecida, com sementes pequenas, enrugadas e de colorao mais clara que o normal. Essas vagens destacam-se com facilidade da planta e resistem muito pouco ao armazenamento. Murcha de Sclerotium A murcha de Sclerotium (Sclerotium rolfsii Sacc.), conhecida no exterior por "southern blight", "southern stem blight" e "white mold", pode ser considerada como a mais importante doena de solo nas nossas condies. Normalmente as perdas no ultrapassam 25%, mas podem ser superiores a 80%, em condies de monocultivo. S. rolfsii um patgeno polfago, apresentando uma extensa gama de hospedeiros em mais de 200 espcies de plantas, sendo mais freqentes as espcies pertencentes s famlias das Leguminosas e Compostas. Este fato dificulta a rotao de culturas e exige cuidadoso controle de ervas daninhas que se apresentam como hospedeiras deste fungo de solo. Na planta infectada pelo fungo observada uma podrido escura desde a regio do colo at as razes, que pode se propagar para os ginforos e vagens. Como resultado dessas leses, toda a parte area murcha, ocorrendo, por fim, a morte da planta. S. rolfsii produz grandes quantidades de cido oxlico, uma fitotoxina capaz de causar a morte das clulas da superfcie da planta, antes da

2/10

http://www.infobibos.com/Artigos/2006_2/Amendoim/index.htm

11/7/2006

...AMENDOIM - Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle...colonizao propriamente pelo fungo, que por isso se apresenta como um parasita necrotrfico. Em pocas midas, verificam-se nas partes atacadas, abundante desenvolvimento de miclio de cor branca e aspecto cotonoso, onde so produzidos os esclerdios, pequenas formaes arredondadas de 1 a 2 mm de dimetro. Os esclerdios, inicialmente brancos e posteriormente escuros, so rgos de resistncia do fungo, que podem permanecer viveis no solo por longo perodo de tempo e espera de condies favorveis para a germinao. A ocorrncia da murcha de Sclerotium favorecida pelo acmulo de matria orgnica resultante da desfolha natural ou causada por doenas foliares durante o ciclo, por plantas com a Murcha de Sclerotium parte area bem desenvolvida, criando um microclima favorvel ao desenvolvimento do patgeno junto base das plantas, pela ampla gama de hospedeiros do S. rolfsii e sobrevivncia dos esclerdios no solo por 3-4 anos. As condies climticas quentes (20-30 oC) e midas favorecem a severidade da doena nas plantas. Em perodos secos os danos so maiores em "pegs" e vagens. O fungo tem uma alta demanda de oxignio, assim em solos pesados este fator limita a germinao dos esclerdios, ficando a doena restrita superfcie do solo. Em solos leves, o fungo pode agir mais profundamente, causando severa podrido de vagens. Outro fator importante o baixo nvel de tolerncia murcha do Sclerotium entre os cultivares. Normalmente, os cultivares de porte ereto apresentam menos doena que os rasteiros, cujas hastes tm maior contato com o solo. DOENAS DA PARTE AREA As doenas da parte area, pela sua localizao ou pela eficincia dos produtos qumicos, tm seu controle facilitado quando comparadas com as doenas causadas por fungos de solo. Entretanto, a importncia dessas doenas no deve ser subestimada, pois, quando a incidncia se d no incio da cultura e no so tomadas medidas de controle, causam desfolha e seca prematura das plantas, afetando sensivelmente a produo. As doenas mais comumente encontradas so: mancha preta, mancha castanha, verrugose, ferrugem e mancha barrenta. Manchas preta e castanha (cercosporioses) Entre as vrias doenas da cultura do amendoim, as manchas foliares conhecidas pelos nomes vulgares de cercosporioses do amendoim, manchas preta e castanha, "viruela del mani", "early and late leafspot" so consideradas as mais importantes em todas as regies produtoras. Embora as duas manchas estejam comumente presentes em quase todos os campos de cultivo, a intensidade de cada doena varia com a localidade e as pocas de plantio. No Estado de So Paulo, maior produtor nacional, a mancha preta tem se mostrado predominante e a mais severa entre as doenas foliares do amendoim. Os fungos causadores das duas manchas so particularmente patognicos ao gnero Arachis, ocorrendo tanto no amendoim cultivado (A. hypogaea), como em espcies selvagens. Os fatores que favorecem o desenvolvimento das manchas castanha e preta so: alta umidade relativa do ar (acima de 90-95%), temperaturas iguais ou superiores a 19oC, chuvas peridicas (maiores que 2,5 mm) durante o ciclo da cultura e o molhamento das folhas devido alta umidade (proporcionado pelo orvalho ou pelas chuvas peridicas). A produo local de esporos a principal fonte inicial de inculo, visto que a disseminao ocorre s a pequenas distncias, por isso, os plantios sucessivos de amendoim na mesma rea (falta de rotao de culturas), a no eliminao de restos culturais ou de plantas voluntrias de amendoim e o plantio de cultivares suscetveis so fatores favorveis para estas doenas. O agente causal da mancha preta, pinta preta ou "late leafspot" [Cercosporidium personatum (Berk.& Curt.) Deighton] ocorre comumente nas leses no seu estgio imperfeito, sendo o estgio ascgeno descrito como Mycosphaerella berkeleyii Jenkins, raramente encontrados e no tendo sido

3/10

http://www.infobibos.com/Artigos/2006_2/Amendoim/index.htm

11/7/2006

...AMENDOIM - Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle...ainda relatado no Brasil. Os sintomas da mancha preta, na superfcie das folhas, caracterizam-se por leses de colorao castanho-escura na face superior, arredondadas, de dimetros variveis, s vezes circundadas por um pequeno halo amarelado. As frutificaes do fungo se concentram na pgina inferior das folhas, como pequenos pontos escuros distribudos circularmente nos centros das leses, que apresentam colorao escura a preta, caracterstica que a diferencia da mancha castanha em cultivares suscetveis. Nas hastes, as manchas tomam forma mais alongada. Mancha preta Embora a mancha preta aparea mais tarde que a mancha castanha, sua curva de aumento de intensidade mais rpida e severa, causando a desfolha mais rpida das plantas. O agente causal da mancha castanha ou "early leafspot" (Cercospora arachidicola Hori) presente nas leses tambm ocorre no estgio imperfeito e tem seu estgio sexual descrito como Mycosphaerella arachidis Deighton, no relatado no Brasil. A mancha castanha se caracteriza por manchas necrticas circulares a irregulares, tendo, entretanto, colorao mais clara, halo amarelado mais ntido e dimetro maior, que a mancha preta. As frutificaes do fungo se concentram na superfcie superior das folhas. A incidncia dessa doena geralmente observada mais cedo que a da mancha preta. Por essa razo, os nomes comuns de mancha "inicial" e "tardia" tm sido aplicados para as duas doenas, respectivamente. Mancha castanha Verrugose A verrugose do amendoim (Sphaceloma arachidis Bit. & Jenk.) foi constatada em material coletado no Estado de So Paulo em 1940 (em seu estgio conidial, no sendo conhecida ou relatada sua forma sexual). Como caracterstica do gnero, tem sua patogenicidade restrita ao gnero Arachis, especialmente ao amendoim cultivado (A. hypogaea). As plantas com verrugose apresentam por toda parte area, grande nmero de pequenas manchas de cor pardo-clara, arredondadas ou irregulares, com centro deprimido e bordos salientes, que so visveis nas duas faces da folha. Essas manchas localizam-se geralmente em cima ou ao lado das nervuras das folhas, as quais apresentam deformaes e distores tpicas. As hastes e pecolos severamente afetados apresentam-se com aspecto sinuoso e retorcido, devido paralisao no crescimento do tecido infectado, prejudicando o crescimento das plantas. Nos estgios finais do desenvolvimento da doena, as leses adquirem o aspecto de cortia, cobrindo a superfcie desses rgos. Os restos de cultura que sobrevivem de uma estao de cultivo para outra so a principal fonte de inculo inicial. A doena pode ocorrer sob condies midas ou secas, porm para a esporulao do fungo, condies de alta umidade so Verrugose requeridas. Condies especficas para esta doena ainda no foram bem determinadas, entretanto sabe-se que os respingos da chuva so importantes para a disseminao do fungo. A maioria dos cultivares disponvel (especialmente os de porte ereto, dos grupos Valncia e Spanish) suscetvel. Ferrugem O fungo causador da ferrugem, Puccinia arachidis Speg., um parasita obrigatrio de ciclo incompleto, pois o estgio uredial, que constitui a repetio das ferrugens, o predominante e responsvel pela disseminao do fungo, embora em poucas ocasies possa ser observada a ocorrncia de telisporos. O patgeno ocorre especialmente no amendoim cultivado e em espcies

4/10

http://www.infobibos.com/Artigos/2006_2/Amendoim/index.htm

11/7/2006

...AMENDOIM - Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle...selvagens de Arachis spp. A ferrugem aparece inicialmente como pequenos pontos amarelados visveis na superfcie dos fololos, que caracterizam o incio da formao de pstulas (uredossoros). Posteriormente, com a ruptura da cutcula e exposio das massas de esporos (uredosporos) na face inferior dos fololos, as pstulas passam a apresentar a colorao caracterstica marrom-avermelhada, com 0,3 a 1 mm de dimetro, que d o aspecto pulverulento e ferruginoso s folhas severamente infectadas. Com o desenvolvimento, os esporos podem ser observados na Ferrugem do amendoim face superior dos fololos, na posio oposta s existentes na face inferior, especialmente nos gentipos mais suscetveis. As pstulas em raras ocasies podem ser observadas em outras partes areas das plantas, exceto em flores e ginforos. De forma diferente das manchas preta e castanha, no ocorre desfolha nas severas infeces pela ferrugem, as folhas permanecem atadas s plantas e os fololos secam ficando presos aos pecolos e com aspecto de queimados. O ciclo da ferrugem (perodo entre a infeco e a formao de novos esporos) bem mais rpido (5-7 dias temperatura de 25 oC) que o das manchas preta e castanha (10-12 dias), por isso, o aumento da severidade, sob condies favorveis, ocorre Resistncia e suscetibilidade rapidamente, exigindo maior ateno no controle e a diminuio ferrugem dos intervalos de aplicao de fungicidas. A temperatura na faixa de 20-25 oC, alta umidade relativa do ar e gua livre na superfcie da folha favorecem a germinao dos uredosporos e a penetrao via estmatos, com os primeiros sintomas aparecendo em 8-10 dias. A luz inibe a germinao dos esporos, indicando que as infeces no campo ocorrem com maior sucesso no perodo noturno. A ferrugem no sobrevive de um a ciclo para outro, pois os uredosporos perdem a sua viabilidade em restos de cultura em torno de 4 semanas. Sendo um fungo parasita obrigatrio o cultivo contnuo ou a existncia de plantas voluntrias de amendoim durante o ano um importante fator de perpetuao do patgeno no campo. Os esporos so transportados com facilidade pelo ar, assim o vento tem papel importante na disseminao a mdias e longas distncias, A maior disseminao dos esporos pelo ar ocorre durante o perodo diurno (10 s 14 horas) e est relacionada s condies de umidade relativa do ar (entre 75 e 85%) e temperatura (29-31 oC). A disseminao cai a temperaturas abaixo de 26 oC e acima de 32 o C. Nos ltimos anos a ferrugem vem se manifestando de forma severa em algumas regies, especialmente em cultivares suscetveis do tipo "runner", podendo tornar-se mais problemtica que as demais doenas foliares. Mancha barrenta Esta doena causada por Phoma arachidicola Marasas, Pauer & Boerema, sendo o amendoim considerado como o nico hospedeiro deste patgeno, embora 6 gneros de plantas tenham sido infectados atravs de inoculaes artificiais. A forma sexual de P. arachidicola no apresenta sua posio taxonmica claramente definida, sendo comumente descrita como Dydimella arachidicola (Conch) Comb. Nov. Aps a germinao a penetrao na folha direta com o crescimento sub-cuticular, antes da penetrao da epiderme foliar e desenvolvimento intercelular. A superfcie superior da folha mais suscetvel penetrao, com os primeiros sintomas sendo observados 4 dias aps a infeco. Na fase inicial da doena, so freqentemente observadas manchas escuras semelhantes a uma "teia", de formas e tamanhos pouco definidos, visveis somente na

5/10

http://www.infobibos.com/Artigos/2006_2/Amendoim/index.htm

11/7/2006

...AMENDOIM - Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle...pgina superior das folhas. Com a evoluo da doena, essas leses crescem e coalescem, abrangendo grande rea dos fololos, sendo ento visveis tambm na superfcie inferior das folhas, com os tecidos necrosados no se mostrando totalmente coincidentes com a face superior; na fase mais avanada da doena as folhas parecem ter sido salpicadas de barro. A mancha barrenta ocorre geralmente do meio para Sintomas da mancha barrenta o final do ciclo das plantas, sendo responsvel pela diminuio da rea fotossinttica das folhas infectadas, embora com menor intensidade que as manchas castanha e preta, pois os fololos no caem at que sejam completamente cobertos pelas manchas. A mancha barrenta mais severa sob temperaturas mais amenas (15-21 0C) e sob perodos prolongados de molhamento das folhas, sendo mais comum em culturas irrigadas, que sob chuva normal, embora perodos chuvosos bem distribudos com menor evaporao favoream a doena. A produo de condios do fungo maior a 20 oC e de pseudotcios entre 15 e 20 oC (no ocorrendo acima de 25 oC). citado que a mancha castanha aparecendo mais cedo pode proporcionar algum controle da mancha barrenta (em funo da produo de fitoalexinas nas folhas). Os cultivares de porte ereto, dos grupos Valncia e Spanish, so mais suscetveis que os do tipo Virginia. OUTRAS DOENAS Alm das doenas relatadas anteriormente outros patgenos do amendoim podem ocorrer esporadicamente, como: A queima das folhas de Leptosphaerulina crassiasca (mais comum em cultivares rasteiros do grupo Virgnia, em ocorrncias sazonais durante os meses quentes e chuvosos de vero); o mofo cinzento ou queima de Botrytis cinerea (mais comum com temperaturas mais baixas, de 15-20 C, e umidade relativa superior a 80%); as podrides de vagens e razes de Fusarium spp.(fungos comuns nos solos, cuja importncia est mais correlacionada com a ao conjunta com outros patgenos de solo, que individualmente); a mancha anular ("Tomato spotted wilt virus - TSWV" vrus tambm conhecido por do vira-cabea do tomateiro, causando o subdesenvolvimento das plantas, a formao de rosetas na extremidade das hastes, a necrose do parte apical e folhas com reas clorticas irregulares ou em forma de anel, cujo principal vetor o tripes).

6/10

Queima de Leptosphaerulina Podrido de Fusarium na raiz e vagens De um modo geral, no existem medidas especficas de controle para esses problemas, sendo o manejo recomendado para as doenas da parte area, mais prevalentes, suficiente para minimizar os danos causados pelas mesmas. MANEJO INTEGRADO DAS DOENAS DO AMENDOIM As medidas de manejo integrado das doenas do amendoim devem ser formuladas para cada rea e condio de cultivo, devendo ser suficientemente flexveis, para levar em considerao as variaes na severidade e prevalncia das doenas, as condies econmicas e capacidade de pratic-

http://www.infobibos.com/Artigos/2006_2/Amendoim/index.htm

11/7/2006

...AMENDOIM - Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle...las em cada propriedade. No manejo das doenas, sempre que possvel, devem ser utilizadas todas as medidas de controle das doenas disponveis (como ilustrado no esquema de manejo integrado, a seguir), devendo-se considerar a possibilidade de combinar o uso de cultivares com resistncia parcial e aplicaes de fungicidas. As caractersticas de resistncia parcial e produtividade do IAC - Caiap permitem indic-lo, principalmente para regies onde as condies climticas so favorveis maior severidade da mancha preta e outras doenas foliares.

7/10

RECOMENDAES PARA O CONTROLE DAS DOENAS DO AMENDOIM Controle de doenas de pr e ps-emergncia (tombamento) As medidas de controle recomendadas so o uso de sementes sadias e de boa qualidade (certificadas, com germinao e vigor altos), plantio em profundidades adequadas e rotao de culturas. Para as doenas causadas por Rhizoctonia deve-se promover a rotao de culturas com cereais, como milho, sorgo ou gramneas forrageiras, visando reduzir a populao do patgeno e os nveis crticos da doena so necessrios 3 a 5 anos de rotao. Recomenda-se, tambm, a modificao de prticas culturais, como fazer arao profunda (para incorporao dos restos de cultura ou sua eliminao), evitar ou minimizar danos na vegetao (nas operaes com mquinas), manter nveis adequados de clcio, na regio de formao dos "pegs" (a aplicao de gesso pode reduzir as podrides de "pegs" e vagens). O tratamento qumico das sementes com fungicidas uma prtica obrigatria para o amendoim, especialmente para o controle das doenas de pr e ps-emergncia (tombamento das plntulas), visando manter um "stand" ideal de plantas na cultura.

http://www.infobibos.com/Artigos/2006_2/Amendoim/index.htm

11/7/2006

...AMENDOIM - Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle...Devido ao complexo de agentes patognicos, apenas os fungicidas de espectro mais amplo ou combinaes de fungicidas podem proporcionar uma proteo adequada. Entre os fungicidas testados em sementes de amendoim, os produtos a base de thiram, captan, carboxin, difenoconazole e combinao carboxin + thiram, protegem as sementes e plntulas contra fungos do solo, no afetam a germinao e no causam sintomas de fitotoxicidade. Deve-se salientar que o melhor tratamento no melhora a qualidade de uma semente ruim, somente a proteger do ataque dos agentes patognicos, e que, mesmo utilizando sementes de alta qualidade, se elas no forem tratadas com fungicidas, o stand de plantas pode ser reduzido em 50%. Controle da murcha de Sclerotium As prticas recomendadas so medidas preventivas, como: rotao de cultura; tratamento contra doenas da parte area, evitando assim a queda de folhas e o acmulo de matria orgnica no solo; arao profunda, visando ao enterrio dos restos da cultura anterior; e calagem. O controle qumico atravs do tratamento do solo com fungicidas no economicamente recomendado. Controle das doenas da parte area O amendoim cultivado em reas do estado e do pas sob condies agrcolas variveis. A ocorrncia e o nvel de severidade das doenas na cultura so extremamente influenciados pelas condies climticas da regio. Deste modo, o nvel de severidade das doenas foliares pode variar de regio para regio. No Estado de So Paulo, alm do tratamento das sementes com fungicidas, o controle qumico dirigido para as principais doenas da parte area, como as manchas preta e castanha, a verrugose e nos ltimos anos a ferrugem. Como o uso de fungicidas necessrio, a escolha do produto a ser utilizado deve levar em considerao a sua capacidade de controlar o maior nmero de doenas prevalentes na cultura, alm de sua compatibilidade com os inseticidas que controlam as pragas mais prejudiciais. Quatro fatores so importantssimos para o manejo das doenas com fungicidas: Escolha do fungicida: utilizar fungicidas mais eficientes, protetores, como o clorotalonil ou sistmicos (triazis e a base de Pyraclostrobin). recomendvel a alternncia de fungicidas protetores e sistmicos, visando ampliar o espectro de controle das doenas e evitar o aparecimento de tolerncia aos fungicidas entre os fungos patognicos cultura. O efeito da aplicao do inseticida thiamethoxam para controle do tripes (uma das mais importantes pregas da cultura) contribuindo com a reduo da severidade da verrugose do amendoim uma das medidas a ser explorada no manejo integrado de doenas e pragas. Pulverize na dosagem correta: no se aconselha aplicar dosagens diferentes que as recomendadas, em nenhum momento do ciclo. Com dosagens menores a pulverizao desperdiada, pois no controlam as doenas; dosagens maiores, alm de aumentar o custo da pulverizao, podem causar fitotoxidez nas plantas. Procure dar boa cobertura das folhas com o fungicida: em qualquer circunstncia a qualidade da aplicao dos principais aspectos para se obter um bom controle das doenas foliares. fundamental se obter uma cobertura completa da rea foliar, usando preferencialmente bicos de cone vazio. Com presso adequada e quantidade de gua suficiente obtm-se bons resultados, principalmente quando se trabalha com fungicidas sistmicos. Aplique o fungicida na poca certa: os fungicidas no erradicam a doena j instalada, mas protegem os tecidos no infectados da planta, portanto as aplicaes devem comear quando se observam os primeiros sintomas da doena (normalmente entre 40 e 50 dias do plantio). O intervalo entre as aplicaes, dependendo das condies climticas e do fungicida usado, pode variar entre 10 a 14, ou mais, sendo menor quando se utilizam fungicidas protetores ou em condies de alta umidade e temperaturas favorveis ocorrncia das doenas. Alm disso, alguns pontos do controle das doenas foliares devem ser observados: Em condies climticas adversas para as manchas castanha e preta (baixa umidade do ar,

8/10

http://www.infobibos.com/Artigos/2006_2/Amendoim/index.htm

11/7/2006

...AMENDOIM - Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle...temperaturas mnimas abaixo de 19 oC), a primeira pulverizao com fungicida pode ser feita mais tarde, principalmente se o nvel da doena estiver baixo, ou seja, com menos de 5% dos fololos infectados. Aplique os fungicidas recomendados no sistema de calendrio (pulverizaes programadas) ou de acordo com um sistema de aviso (com os quais possvel reduzir 1 a 3 pulverizaes durante o ciclo), com a assistncia de pesquisadores ou extensionistas da regio. Considerar que, sistemas de aviso para as manchas castanha e preta podem no proporcionar o controle adequado outras doenas, como a ferrugem, e vice-versa. Se um sistema de aviso for usado, aplique o fungicida recomendado dentro de 24 a 48 horas do aviso, mas nunca antes de 10 dias da ltima aplicao de fungicida. Os dados climticos, usados para informar a necessidade de pulverizaes com fungicidas, devem ser obtidos de estaes meteorolgicas localizadas o mais prximo possvel do campo a ser pulverizado. Monitore com amostragens os campos regularmente para as doenas foliares e reverta ao sistema de calendrio se qualquer rea do campo mostrar nveis de incidncia acima de 5 a 15 % ou se a verrugose ou a mancha barrenta se tornarem predominantes. Em regies produtoras sujeitas ocorrncia da ferrugem, maiores cuidados devero ser tomados em reas onde o amendoim foi plantado tardiamente, pois os plantios feitos mais cedo serviro de focos de disseminao do patgeno. Convm monitorar o aparecimento da ferrugem e, caso algum foco seja notado, deve-se iniciar imediatamente o controle qumico com fungicidas e repetir a intervalos de 7-10 (com fungicidas protetores) a, no mximo 14 dias (com fungicidas sistmicos). REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS BARRETO, M.. Doenas do amendoim (Arachis hypogaea L.). In: Kimati, H.; Amorim, L.; Rezende, J.A.M.; Camargo, L.E.A, Eds. Manual de FitopatologiaDoenas das Plantas Cultivadas. 4a. ed., S.Paulo: Ed. Agronmica Ceres Ltda., 2005, v.2, cap.10, p. 65-72. MELOUK, H. A. & SHOKES, F.M. Peanut - Health management. . St. Paul The American Phytopathological Society, 1995. 117p. MORAES, S.A. Monitoramento das doenas foliares do amendoim e avisos climticos para indicar as pulverizaes com fungicidas. O Agronmico, Campinas, v.51, n.2-3, p.86-89, 1999. MORAES, S.A. & GODOY, I.J. Amendoim Controle de doenas. In: Zambolim, L. & Vale, F.X.R. Eds. "Controle de Doenas de Plantas: Grandes Culturas", Viosa, UFV, MG. Vol. 1, cap. 1, p. 1-49, 1997. MORAES, A.R.A., MORAES, S.A., LOURENO, A.L., GODOY, I.J. & MARTINS, A.L.M. Efeito da aplicao de thiamethoxam para controle do tripes na reduo da severidade da verrugose do amendoim. Fitopatologia Brasileira, v.31, n.2, p.164-170, 2006. MORAES, S.A., GODOY, I.J., PEREIRA, J.C.V.N.A. & MARTINS. A.L.M. Sistema de aviso para o controle da mancha preta do amendoim baseado na precipitao pluvial no cultivar IAC - Caiap. Summa Phytopathologica, v.25, n.3, p.229-235, 2002. KOKALIS-BURELLE, N; PORTER, D.M.; RODRIGUES-KBANA, R.; SMITH, D.H. & SUBRAHMANYAM, P. Eds. Compendium of peanut diseases. 2nd ed. St. Paul. The American Phytopathological Society, 1997. 94 p. PIO-RIBEIRO, G.; ANDRADE, G.P. & MORAES, S.A. Principais doenas do amendoim e seu controle. In: Santos, R.C. ed. O agronegcio do amendoim no Brasil. Embrapa Algodo, Campina Grande, PB. 2005. Cap. VII. p. 263-337.

9/10

http://www.infobibos.com/Artigos/2006_2/Amendoim/index.htm

11/7/2006

...AMENDOIM - Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle...Srgio Almeida de Moraes - Pesquisador Cientfico (PqC-VI, desde 1991) do Centro P.D. de Fitossanidade do Instituto Agronmico IAC, desde 1972 Diplomou-se em Engenharia Agronmica (1972), Mestre em Fitopatologia (1977) e Doutor em Agronomia-rea de concentrao: Fitopatologia (1981), pela ESALQ-USP; Bolsista do CNPq desde 1976; trabalha com pesquisa de doenas da cultura do amendoim desde 1976, tendo vrios artigos cientficos, captulos de livros e boletins na especialidade. Contato: sergioam@iac.sp.gov.br

10/10

Reproduo autorizada desde que citado o autor e a fonte Dados para citao bibliogrfica(ABNT): Moraes de, S. A.. Amendoim: Principais doenas, manejo integrado e recomendaes de controle. 2006. Artigo em Hypertexto. Disponvel em: . Acesso em: 11/7/2006

Publicado no InfoBibos em 11/07/2006imprimir Arquivo em PDF Envie para um amigo

Veja Tambm...

http://www.infobibos.com/Artigos/2006_2/Amendoim/index.htm

11/7/2006