albuquerque, clara fernandes . a formação do cravista no brasil.pdf

Download ALBUQUERQUE, Clara Fernandes . A formação do cravista no Brasil.pdf

Post on 27-Dec-2015

102 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

    ESCOLA DE MSICA

    CLARA FERNANDES ALBUQUERQUE

    A FORMAO DO CRAVISTA NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE HISTRIA, TCNICAS E

    HABILIDADES

    RIO DE JANEIRO

    2008

  • CLARA FERNANDES ALBUQUERQUE

    A FORMAO DO CRAVISTA NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE HISTRIA, TCNICAS E HABILIDADES

    Dissertao apresentada ao Programa de Ps-Graduao em Msica da Escola de Msica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial obteno do grau de Mestre em Msica.

    rea de Concentrao: Musicologia: Histria e Documentao da Msica Brasileira e Hispano-Americana.

    Orientador: Prof. Doutor Marcelo Fagerlande

    Rio de Janeiro

    2008

  • iii

    287 Albuquerque, Clara Fernandes. A formao do cravista no Brasil: um estudo sobre histria, tcnicas e habilidades / Clara Fernandes Albuquerque. Rio de Janeiro -- 2008. xii, 231p. Orientador: Professor Doutor Marcelo Fagerlande. Dissertao (Mestrado em Msica) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Letras e Artes, Escola de Msica. Mestrado em Msica Bibliografia: p.232 246 Anexos: p.247 300 1. Cravo. 2. Histria. 3. Formao. 4. Habilidades. 5. Tcnica. 6. Conhecimento. 7. Brasil. I. Fagerlande, Marcelo (Orient.) II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Ps- Graduao em Msica. III. A formao do cravista no Brasil: um estudo sobre histria, tcnicas e habilidades.

    Autorizo a cpia da minha dissertao "A formao do cravista no Brasil: um estudo sobre histria, tcnicas e habilidades", para fins didticos.

  • v

    Para Rodrigo, meu amor, alegria e sentido.

  • vi

    Agradecimentos

    A Deus, por todos os meus dias, por tantas vitrias. Por guiar o meu caminho, e me dar coragem,

    nimo e fora para seguir adiante.

    Ao meu orientador, Marcelo Fagerlande, pelas orientaes, inspiraes, e por todo o auxlio,

    colaborao, seriedade, pacincia, estmulo, cuidado e amizade. Obrigada por acreditar em mim,

    no apenas neste trabalho, mas desde o primeiro dia em que nos conhecemos.

    Aos msicos lvaro Cabrera Barriola, Ailen Crisstomo, Alessandro Santoro, Ana Ceclia

    Tavares, Antonio Carlos de Magalhes, Cludio Ribeiro, Daniel Ivo, Edin Pinheiro Strehler,

    Edmundo Hora, Eduardo Antonello, Elisa Freixo, Estela Caldi, Guilherme de Morais,

    Guilhermina de Carvalho, Helder Parente Pessoa, Helena Jank, Ingrid Seraphim, Jos Alberto

    Salgado e Silva, Josinia Godinho, Lucia Carpena, Luciana Cmara, Marcos Holler, Maria Ada

    Barroso, Maria da Conceio Perrone, Maria Eugnia Sacco, Maria Jos Carrasqueira, Maria de

    Lourdes Cutolo, Marina Stevaux, Mayra Pereira, Michele Lopes, Mnica Duarte, Paulo

    Herculano, Patricia Gatti, Paulo Bottas, Pedro Persone, Regina Schlochauer, Ricardo Barros,

    Roberto Rossbach, Rosana Lanzelotte, Rose Ana Carvalho, Samuel Kerr, Stella Almeida,

    Terezinha Saghaard, Tiche Puntoni pela essencial colaborao, pelas valiosas informaes e

    documentos, pela gentileza, prontido e vontade de acrescentar. Sem eles no s este estudo, mas

    o cravo no Brasil no seria possvel.

  • vii

    A Roberto de Regina, grande mestre, pelo exemplo de vida, amor e envolvimento com a msica e

    toda a sua expresso. Por tudo o que representa para a histria do cravo, no Brasil e em nossas

    vidas.

    Ao grande amigo Alexandre, e a minha tia Lucilena e prima Alessandra, por todo carinho e ajuda

    na traduo e transcrio de documentos essenciais minha pesquisa.

    Aos colegas do Colgio Pedro II, Unidade Humait I, pela compreenso e auxlio, em especial a

    Anglica Cardoso, Geraldo Leo e Maria Beatriz. Aos meus alunos, pela pacincia e

    encorajamento.

    A Camila, Joo, Larissa, Lgia, Maria Cludia e Neiva, amigos especiais que me fazem sentir

    muito querida.

    A meu pai Ricardo, av Anlia, e irms Juliana e Ceclia, pelo amor, cuidado, e torcida, sempre.

    A Beth, Vanilton e Deorides, pela abenoada e calorosa convivncia de cada dia, por serem

    minha segunda famlia.

    A Rodrigo Affonso, meu parceiro e companheiro, minha luz e alegria. Por todo amor, carinho e

    cumplicidade, em todos os momentos, e em qualquer distncia.

  • viii

    Resumo

    O presente trabalho tem por objetivo categorizar e descrever as tcnicas, ou habilidades e

    conhecimentos envolvidos na formao do cravista brasileiro. Para isso, o contedo de uma

    seleo de tratados europeus do sculo XVI ao XVIII e livros atuais sobre execuo deste

    instrumento foi analisado e comparado com o relato de trinta cravistas brasileiros. Realizamos

    ainda uma contextualizao da presena e ensino do cravo no Brasil a partir do sculo XX. Para o

    tratamento dos dados, adotamos como referencial terico a classificao de habilidades proposta

    por Uszler, Gordon e Mach, e o estudo sobre tcnica de Jos Alberto Salgado e Silva. A Tcnica

    stricto sensu compreende as habilidades motoras, e as Tcnicas lato sensu, as habilidades

    ligadas ao estilo e ao repertrio, funcionais, de leitura e auxiliares. Nosso estudo comprovou que

    h diversas especificidades nas habilidades adquiridas pelos cravistas em sua formao,

    sobretudo em comparao de outros instrumentistas de teclado, como os pianistas. Encontramos

    grande semelhana entre a descrio das habilidades pelos cravistas brasileiros e as obras escritas

    estudadas. Isto mostra que prticas e ensinamentos de pelo menos dois sculos atrs auxiliam este

    msico a tornar-se mais competente e apto sua atuao, frente s exigncias do meio musical e

    do mercado de trabalho na atualidade.

    Palavras-chave: Cravo. Histria. Formao. Habilidades. Tcnica. Conhecimento. Brasil.

  • ix

    Abstract

    The main purpose of this work is to categorize and describe the technique, knowledge and skills

    related to the Brazilian harpsichordist educational process. To achieve this goal, the content of

    several selected treatises from 16th to 18th century and actual books about playing this instrument

    were analyzed and compared with the report of thirty Brazilian harpsichordists. A

    contextualization of the harpsichord presence and teaching in Brazil since 20th century has been

    made. For the data compiling, the theoretic paradigm used was the skill classification proposed

    by Uszler, Gordor and Mach, and the technical study by Jos Alberto Salgado e Silva. Technique,

    stricto sensu speaking, is all about motor skills and lato sensu speaking, all about style and

    repertoire, functional, reading and auxiliary skills. This work has attested that there are many

    specific skills concerned to the harpsichordist educational process, specially compared to other

    keyboard performers, like pianists. There is a great similarity between the skill descriptions

    realized by the harpsichordists and the one found in written sources. This proves that the

    practices and education of at least two centuries ago had helped this musician to be more

    competent and apt for performance, facing the musical working market demands of today.

    Keywords: Harpsichord. History. Education Process. Skills. Technique. Knowledge. Brazil.

  • x

    Lista de Figuras

    Figura 1 Alunos do curso ministrado por Stanislav Heller em 17 de julho de 1961, nos Seminrios de Msica Pro Arte, So Paulo. Pgina 154.

    Figura 2 Alunos do curso ministrado por Stanislav Heller em 17 de julho de 1961, nos Seminrios de Msica Pro Arte, So Paulo. Pgina 155.

    Figura 3 Programa do recital final de cravo no curso ministrado por Stanislav Heller em 17 de julho de 1961, nos Seminrios de Msica Pro Arte, So Paulo. Pgina 155.

    Figura 4 Audio de cravo no Departamento de Msica do Instituto de Artes da Unicamp. Campinas, So Paulo. Janeiro de 1976. Pgina 170.

    Figura 5 Programa do Concerto de Encerramento do Curso-Festival de Interpretao Cravstica, realizado em 24 de novembro de 1975 no MASP, So Paulo. Pgina 172. .

    Figura 6 Concerto para 4 cravos. Sala Ceclia Meireles, Rio de Janeiro, 1987. Pgina 186.

    Figura 7 Masterclass de cravo e baixo contnuo ministrado pelo prof. Marcelo Fagerlande em novembro de 1997, no Instituto de Artes da UFRGS, Rio Grande do Sul. Pgina 191.

    Figura 8 IV Semana do Cravo alunos e professores participantes. Outubro de 2007, Escola de Msica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Pgina 195.

  • xi

    Sumrio

    Introduo ...................................................................................................................

    13

    Parte 1 A formao do cravista: categorizao e descrio das habilidades nos registros escritos ...................................................................................................

    31

    Capitulo 1 A tcnica stricto sensu: habilidades motoras ................................

    41

    1.1 Posio do corpo ...................................................................................... 42

    1.2 Posio da mo e dedos ........................................................................... 45 1.3 Acionamento das teclas pelos dedos ........................................................ 48 1.4 Articulao ............................................................................................... 56 1.5 Acordes: articulao, style bris, e arpejamento ...................................... 65

    Capitulo 2 A tcnica lato sensu: habilidades relacionadas aos estilos e ao repertrio .....................................................................................................................

    70

    2.1 Gneros na msica de cravo .......