Ajustamento e Produtividade

Download Ajustamento e Produtividade

Post on 13-Feb-2015

391 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA CURSO DE GRADUAO TECNOLGICA EM ESTTICA E COSMTICA</p> <p>AJUSTAMENTO E PRODUTIVIDADE</p> <p>Acadmico (a): Alessandra Welter Dalvana Schmidt Jessica Linhares</p> <p>A psicologia a cincia que estuda o comportamento humano e os processos mentais com o objetivo de entender por que as pessoas pensam, sentem e agem da maneira que o fazem. A Psicologia concentra-se nos fenmenos relacionados com o funcionamento de indivduos e grupos. Na organizao, a ao da Psicologia estende-se a vrias reas, atuando com indivduos e/ou grupos, com vrios objetivos. Emprega extensamente a metodologia cientfica, partindo da observao em profundidade dos fenmenos e valendo-se de uma srie de instrumentos e tcnicas.</p> <p>AJUSTAMENTO</p> <p>O comportamento de um indivduo implica um dispndio de energia que lhe vem do organismo. Esta energia o que impulsiona o indivduo a agir de determinada maneira, a exibir determinado comportamento. Ela pode originarse de necessidades sentidas no organismo.</p> <p>COMPORTAMENTO PESSOAL</p> <p>O comportamento humano apresenta um dinamismo muito grande, o que justifica a quantidade de teorias que o tentam explicar. O homem vive num continuo infinito de "desajustamento - ajustamento" desde a hora em que nasce; e esse continuo que o impulsiona para a vida. Alguns tericos preferem colocar a necessidade como sendo um motivo que impulsiona o indivduo ao.</p> <p>PROCESSO DE AJUSTAMENTO E BARREIRAS:O processo de ajustamento ocorre quando o indivduo tenta satisfazer suas necessidades, restaurando seu equilbrio interno. No havendo dificuldades ou barreiras, o processo de ajustamento completa-se por sua via normal</p> <p>ESQUEMA DO PROJETO DE AJUSTAMENTO:</p> <p>Quando o indivduo atinge o alvo, satisfazendo suas necessidades, ocorre imediatamente um alvio de tenso, com concomitante diminuio ou cessao das atividades que so dirigidas realizao do objetivo final. No entanto, nem sempre o ajustamento ocorre da forma e/ou no tempo convenientes. Se o indivduo consegue contornar a barreira de modo apropriado, ele esta tendo um bom ajustamento.</p> <p>A barreira que pode aparecer: um antagonismo entre os motivos que pressionam o indivduo (por ex., a meta atingir segurana econmica e manter o prestgio intelectual, objetivo no realizvel por determinado indivduo em determinada situao; deficincias fsicas, sociais, intelectuais, econmicas; competio, obstculos sociais, etc.</p> <p>No trabalho, a necessidade de segurana satisfeita com empregos estveis, seguros de vida, aposentadoria, etc; a necessidade de auto-estima satisfeita atravs da avaliao do trabalho pelos outros. E assim por diante.O Instituto Lavistock de Relaes Humanas, de Londres, desenvolveu estudos no sentido de levar em conta, no planejamento do trabalho, as necessidades psicossociais das pessoas que trabalham. Suas orientaes gerais a respeito do contedo de uma atividade vem de encontro as "necessidades" apontadas por Maslow.</p> <p>PRODUTIVIDADE</p> <p>CONCEITO:O conceito de produtividade se relaciona capacidade da empresa gerar produto no seu processo produtivo. A eficincia desse processo no se restringe apenas ao mundoda produo.</p> <p>Ajustamento e Produtividade:Reusch coloca que: "A morte, a incapacidade e a angstia continuam sendo as maiores preocupaes do homem. (... ) Mas, at o presente, nenhuma das mquinas construdas, nenhum dos produtos qumicos obtidos por sntese e nenhuma das teorias sociais formuladas alteraram fundamentalmente a natureza humana. A reao de alarme que permite ao homem vencer os perigos da vida no pode ser substituda pela razo e nem pela tecnologia. O homem continua sendo um animal carnvoro e, quando se tenta impedir suas tendncias agressivas, reage com clera, temor e ansiedade. Tanto no passado como agora, a agresso e a angstia tm sido o primeiro motor da conduta e talvez da maldio da humanidade." Essa colocao mostra a veemncia do apelo do homem em busca do seu prprio ajustamento e evidencia muito mais ainda; isto , que, impedido de busc-lo ou atingi-lo, ele reagir com violncia e seu comportamento poder mostrar-se desastroso no meio em que est. As preocupaes, as ansiedades e as angstias no podero por muito inquietar aquele que busca o seu ajustamento, ele lutar renhidamente para livrar-se delas.</p> <p>FRUSTRAO</p> <p>E IMPRODUTIVIDADE</p> <p>Os vrios tipos de exigncias oriundas das necessidades individuais constituem poderosas foras ativadoras e diretoras do comportamento. O indivduo procura sempre, de uma forma ou de outra, fugir s conseqncias malficas da frustrao, para no cair no desajustamento. O fato de no se poder atingir um objetivo inicialmente pretendido coloca o indivduo diante da perspectiva de perseguir um outro objetivo diferente do inicial e, ento, torna-se necessrio optar entre ficar insistindo no objetivo inicialmente fixado ou aceder a um outro mais vivel. nesse 'contexto que se coloca uma situao de conflito.</p> <p>LAZARUS DESCREVE MUITO BEM O DESCONFORTOPESSOAL E A IMPRODUTIVIDADE SITUAES DE CONTNUO CONFLITO: QUE ADVM DE</p> <p>"Uma das principais razes por que as pessoas recorrem a solues inadequadas de conflitos que os estados de tenso acompanham, geralmente, os conflitos violentos e a distoro de poderosos motivos. A tenso complica de muitas maneiras a soluo de conflitos. Em primeiro lugar, h provas de que os aspectos afetivos da tenso (por exemplo, a angstia e a depresso) interferem no pensamento e na capacidade de resoluo de problemas, podendo assim reduzir o grau de eficcia de uma pessoa para dominar a situao. A angstia, por exemplo, est demonstrado que interfere, sob determinadas condies, no mbito de ateno e na aprendizagem de matrias complexas. Tambm se sabe que a exposio de pessoas a situaes tensas diminui o seu campo perceptual, tornando-a menos cnscia das caractersticas do meio ambiente e menos apta a utilizar informaes relevantes para a soluo de seus problemas."</p> <p>A BUSCA PELO AJUSTAMENTO:Harry Levinson d um interessante roteiro de atitudes que ajudam na busca pelo ajustamento em situao de conflito: 1- No ignore um conflito por consider-lo simples conflito de personalidades. 2- No espere que um problema se resolva sozinho. 3- Pergunte a si mesmo quem est sendo ameaado e por que. 4- Examine uma situao modificada, para ver se ela no priva a pessoa de satisfaes que desfrutava na situao anterior. 5- Avalie a tenso do conflito. 6- Se voc uma das partes do conflito, procure uma terceira pessoa. 7- Finalmente, reconhea que nem todos os problemas tm soluo. s vezes, a nica soluo aceitar o fato e conviver com ele.</p> <p>O VERDADEIRO E O FALSO AJUSTAMENTOMuitos dirigentes, profissionais e outros empregados possuem personalidades fortes e podem suportar altos nveis de presso e tenso. Todavia, os psiquiatras calculam que mais de um tero das pessoas que ocupam cargos de gerncia ou direo, e pelo menos um profissional em quatro, num ou noutro perodo de suas vidas, sofrem de tenses que lhes prejudicam a eficincia a tal ponto que j no conseguem trabalhar direito.</p> <p>Com base em pesquisas da Fundao Menninger existe cinco traos que caracterizam aqueles que so capazes de viver-bem com suas tenses, so eles: 1. Manter-se flexveis quando sob presso. 2. Tratar os outros como seres independentes. 3. Encontrar satisfao numa variedade de fontes, como pessoas,idias, tarefas e interesses externos. 4. Aceitar as prprias capacidades e limitaes, e ter uma imagem realista de si mesmos. 5. Manter-se ativos e produtivos no interesse da realizao prpria e a servio dos outros.</p> <p>Segundo Hepner as atitudes que caracterizam um verdadeiro ajustamento so: 1- O Ataque Direto: quando surge a frustrao, o indivduo consegue, de forma racional e objetiva, diagnosticar que a deficincia de seu ajustamento reside na sua falta de recursos pessoais. Ento ele se reorganiza interiormente, para fazer frente barreira. Ex.: preparar-se, atravs de cursos, quando v ameaada a possibilidade de mudar de funo. 2- Atitudes Substitutivas de Valor Positivo: quando o indivduo se conscientiza de que a causa de seu fracasso no reside propriamente em suas deficincias pessoais, mas no tipo de objetivo que se colocou, que por si mesmo muito difcil de atingir. Ex.: procurar outro emprego quando no se est satisfeito com o atual.</p> <p>E as atitudes que caracterizam o falso ajustamento so: 1- Sensibilidade a crticas: a pessoa que se sente socialmente inferiorizada reage pobremente s crticas ou ao ridculo, sofrendo com ele. 2- Tendncia a inferiorizar os outros: ela desdenha as outras pessoas, porque apontando suas falhas minimiza as prprias. 3- Reaes pobres s crticas: a pessoa que tem fortes sentimentos de inferioridade no quer que o seu oponente possa ser igual ou mais forte do que ela em habilidades. No quer competir com ningum que possa suplant-Ia. 4- Est sempre preocupada: prende-se a pequenas tarefas, detalhes ou pessoas para quem desvia toda sua ateno; assim, no participa dos problemas das demais reas. 5- Racionaliza suas deficincias: levada, por pronunciados sentimentos de inferioridade, habitualmente cria um ambiente de aceitao social. encontrando razes para suas deficincias, mesmo que nada tenham que ver com os seus fracassos. 6- Grande sensibilidade a elogios: ela est to faminta de auto-estima que aceita os elogios como completas gratificaes. No raro elogia demasiadamente os outros, ganhando assim grande popularidade. 7- Solido: no desenvolve contatos sociais normais porque tem medo da desaprovao. Freqentemente racionaliza que no h um grupo para ela.</p> <p>Numa viso empresarial se os empregados esto utilizando suas energias ou drives pessoais em comportamentos inaceitveis, empresa dever rever os pressupostos de sua poltica de pessoal, e fatalmente chegar concluso de que no est favorecendo a expresso adequada dessas energias. A falta de reconhecimento do valor de cada um e a possibilidade de antever uma carreira ascensional podem representar frustraes que desviam a energia dos empregados, trazendo, por conseguinte, conseqncias altamente negativas, uma vez que esses homens no deixaro de utilizar suas foras. Mas, como no lhes foi dada a direo onde utiliz-las, empregam-nas motivados pela agressividade e estados altamente emocionalizados, onde provavelmente venham a exibir um comportamento de ajustamento tipo atitudes substitutivas de valor negativo, prejudiciais aos mesmos e empresa.</p> <p>No h dvida de que o verdadeiro ajustamento leva, conseqentemente,a pessoa a uma conduta de eficincia em qualquer que seja a situao que enfrente e, inversamente, a ausncia ou a dificuldade de produzir podem ser tomadas como sintomas de dificuldades de ajustamentos ou ainda ajustamentos inadequados e precrios.</p> <p>"A cada passagem de um estgio do crescimento humano para outro, tambm temos de mudar uma estrutura de proteo. Ficamos expostos e vulnerveis, mas tambm efervescentes e ernbrinicos novamente, capazes de nos estendermos de modo antes ignorado. Essas mudanas de pele podem durar vrios anos, Entretanto ao sairmos de cada uma dessas passagens entramos num perodo mais prolongado e mais estvel, no qual podemos esperar relativa tranqilidade e uma sensao de reconquista de equilbrio. Tudo quanto nos acontece - formaturas, casamento, filhos, divrcio, um emprego conseguido ou perdido - nos afeta. Esses 'acontecimentos balizadores' so os fatos concretos de nossas vidas. Um estgio de desenvolvimento, entretanto, no definido em termos de 'acontecimentos balizadores', o que define so as mudanas que comeam interiormente. 'Haver sempre o impulso fundamental para mudana', no importando que se manifeste ou no num acontecimento balizador ou seja por ele acentuado." (Shechy)</p> <p>REFERNCIAS:BERGAMINI, Ceclia Whitaker. Psicologia aplicada administrao de empresas: psicologia do comportamento organizacional. 3 ed. So Paulo: Atlas, 1996 http://www.eumed.net/libros/2008a/372/PRODUT IVIDADE%20DO%20TRABALHO.htm Acesso em 25 de Outubro de 2011. http://www.rep.org.br/pdf/61-2.pdf Acesso em 25 de Outubro de 2011. http://www.reocities.com/Athens/Troy/8084/Psic_ aju.htm Acesso em 25 de Outubro de 2011.</p>