aGuas pluviais memorial

Download aGuas pluviais   memorial

Post on 17-Feb-2017

224 views

Category:

Engineering

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Ministrio da EducaoFundo Nacional de Desenvolvimento da

    EducaoCoordenao Geral de Infra-Estrutura - CGEST

    MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAES

    SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE GUAS PLUVIAIS

    OBRA:ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE

    PROJETO PADRO

    PROPRIETRIO:MINISTRIO DA EDUCAO - MEC

    FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAO - FNDE

    DATA: FEVEREIRO/2011

    FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAO FNDE

    SBS Q.2 Bloco F Edifcio urea 70.070-929 Braslia, DF

    Telefone: (61) 3966-4030 Site: www.fnde.gov.br

  • Ministrio da EducaoFundo Nacional de Desenvolvimento da

    EducaoCoordenao Geral de Infra-Estrutura - CGEST

    1. INTRODUOEste memorial visa apresentar os critrios adotados para os

    dimensionamentos das instalaes, coleta e disposio de guas pluviais, bemcomo as normas que nortearam o desenvolvimento destes projetos e suasespecificaes.

    2. NORMAS E ESPECIFICAESPara o desenvolvimento das solues apresentadas foram observados

    as normas, cdigos e recomendaes das entidades a seguir relacionadas: 2.1 ABNT Associao Brasileira de Normas Tcnicas

    NBR 10844 - 1989 - Instalaes Prediais de guasPluviais.

    3. SISTEMA DE CAPTAO DE GUAS PLUVIAIS

    3.1 DESCRIO DO SISTEMA

    O Sistema de captao de guas pluviais destina-se exclusivamente aoseu recolhimento e conduo, no se admitindo quaisquer interligaes comoutras instalaes prediais.

    A coleta ser atravs de calhas localizadas nas extremidades dascobertas e a conduo ser atravs de tubulaes de PVC ou FerroGalvanizado, interligadas a caixas de areia distribudas estrategicamente peloterreno, sendo direcionadas a uma cisterna de recolhimento para posteriorutilizao no sistema de irrigao e o excedente ser conduzido at os limitesexternos da edificao, conforme indicao no projeto.

    3.2 DESCRIO DOS SERVIOS E ESPECIFICAES DOS MATERIAISComo j descrito anteriormente, o esgotamento das guas ser feito

    atravs de calhas conforme apresentado no projeto e direcionadas a caixas deareia atravs de tubos condutores verticais em PVC rgido. Os coletores

    FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAO FNDE

    SBS Q.2 Bloco F Edifcio urea 70.070-929 Braslia, DF

    Telefone: (61) 3966-4030 Site: www.fnde.gov.br

  • Ministrio da EducaoFundo Nacional de Desenvolvimento da

    EducaoCoordenao Geral de Infra-Estrutura - CGEST

    verticais quando expostos a choques mecnicos devero ter sua devidaproteo ou serem de ferro galvanizado devidamente identificado e suamontagem deve ser feita com todos os cuidados para que se possa garantir aausncia de vazamentos nas juntas.

    Toda tubulao destinada ao esgotamento de guas pluviais ser emPVC rgido srie reforada, cuja resistncia a esforos mecnicos e atemperatura so superiores a da linha esgotos de srie normal.

    3.2.1 - COBERTURAS E CALHAS

    As coberturas devem ser desenhadas de modo a evitar a ocorrncia delocais onde a gua da chuva possa empoar, podendo vir a provocarproblemas de segurana do ponto de vista estrutural. As superfcies das lajesimpermeabilizadas devem possuir 1,5% de declividade mnima, de forma agarantir o escoamento at os pontos de drenagem, que devem ser mais de um,para que seja dificultada a hiptese de obstruo completa. recomendvelque as coberturas sejam divididas em superfcies menores, de modo que seevitem grandes percursos de gua e cada uma destas superfcies deve possuirorientao de caimento diferentes.

    Nas edificaes trreas, a colocao de calha nos telhados dispensvel, dependendo das condies dos locais de queda de gua.Entretanto, obrigatria a colocao de calha em edificaes de mais de umpavimento, cuja altura de queda da gua possa contribuir para o desgaste oudeteriorao dos elementos construtivos dispostos logo abaixo, ou para aeroso do terreno;

    As calhas obedecero rigorosamente aos perfis indicados no projetoarquitetnico e devero apresentar declividade uniforme, orientada para ostubos de queda, no valor mnimo de 0,5%. As calhas de concreto serocuidadosamente impermeabilizadas, atendendo ao prescrito no captuloImpermeabilizaes do caderno de especificaes da obra.

    O caimento das calhas deve ser de, no mnimo, 0,5%, na direo esentido de dois pontos de drenagem, e caso hajam problemas decorrentes dedesnveis existentes, estes devem ser considerados. Tendo em vista as

    FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAO FNDE

    SBS Q.2 Bloco F Edifcio urea 70.070-929 Braslia, DF

    Telefone: (61) 3966-4030 Site: www.fnde.gov.br

  • Ministrio da EducaoFundo Nacional de Desenvolvimento da

    EducaoCoordenao Geral de Infra-Estrutura - CGEST

    condies desejveis de manuteno, as calhas devem ser acessveis semque para isto sejam necessrios dispositivos especiais para inspeo elimpeza. As calhas podem ser executadas em concreto armado, alvenaria,chapa de ao galvanizado, chapa de cobre, chapa de alumnio, ao inoxidvel,fibra de vidro, fibrocimento ou PVC rgido.

    Os funis devem ser aplicados s sadas das calhas em geral, parapermitir o escoamento para os condutores verticais, deve-se evitar o fenmenode turbilhonamento na entrada do funil, pois somado isso ao arraste de arsofrido, a vazo na seo do conduto ir diminuir, fazendo com que orendimento da instalao seja reduzido. Como regra, pode-se estabelecer quea rea da abertura superior seja duas vezes a da abertura inferior, sendo suaaltura igual ao dimetro da abertura superior.

    Os funis devem, preferencialmente, ser executados em chapa aogalvanizado, ou de cobre, podendo ser tambm, em concreto armado. Podemser em forma de tronco de cone ou tronco de pirmide, dependendo dascondies de conexo da calha com o condutor vertical.

    Os condutores sero localizados conforme projeto, devendo serobservada declividade mnima de 0,5% em trechos no verticais. Todos oscondutores sero executados em tubos de PVC rgido, do tipo ponta e bolsa, ano ser quando especificado ao contrrio no projeto. Os condutores tero, emsua extremidade inferior, curva para despejo livre das guas pluviais ou paraligao do condutor rede coletora subterrnea.

    3.2.2 - BUZINOTES

    Para o esgotamento de pequenas reas de contribuio das coberturas(inferiores a 20m2), podem ser empregados buzinotes; os quais, no entanto,somente devem ser construdos em edificaes de um pavimento. Osbuzinotes devem estar sobre locais protegidos da eroso, de forma, tambm, ano produzir respingos na direo de paredes de fachada ou pisos depassagem, sejam internos ou externos.

    Os buzinotes podem ser executados em concreto armado, ferro fundidoou de ao galvanizado. As conexes destes tubos, com as vigas de platibanda

    FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAO FNDE

    SBS Q.2 Bloco F Edifcio urea 70.070-929 Braslia, DF

    Telefone: (61) 3966-4030 Site: www.fnde.gov.br

  • Ministrio da EducaoFundo Nacional de Desenvolvimento da

    EducaoCoordenao Geral de Infra-Estrutura - CGEST

    ou outras partes de alvenaria, devem ser protegidas por sistema deimpermeabilizao, de forma a evitar a infiltrao lateral.

    3.2.3 - GRELHAS

    So destinadas proteo contra entupimento dos condutores, devendoser dispostas no local de conexo dos mesmos, com as calhas ou com as lajesimpermeabilizadas; devem ser utilizadas sempre que a cobertura estejaprxima de local com rvores.

    O emprego de grelhas hemisfricas em ferro fundido evita infiltraeslaterais ao condutor vertical.

    3.2.4 - CONDUTORES VERTICAIS E HORIZONTAIS

    Os condutores verticais so dutos destinados a escoar as guas dascoberturas planas horizontais e das calhas dos telhados para o nvel dasuperfcie do terreno ou ligando-se aos condutores horizontais, canaletas oucaixas de areia. Devero ser instalados embutidos na alvenaria. O material utilizado preferencialmente o PVC.

    Os condutores verticais devem ser dispostos em uma s prumada,evitando-se os desvios. Estes, quando absolutamente necessrios, devem serfeitos apenas mediante curvas de 45, complementadas por aberturas etampes de inspeo.

    Os condutores horizontais podem ser os canais, canaletas ou tubulaeshorizontais destinadas a conduzir as guas drenadas at os locais delanamento final, sejam sarjetas ou corpos receptores de superfcie (rios,canais, lagos, entre outros). Em todos os casos, estes condutos devemfuncionar em regime de escoamento livre, com a lmina de altura igual a, nomximo, 2/3 do dimetro interno do tubo ou da altura da seo do canal oucanaleta. A declividade dos condutos deve ser uniforme de, no mnimo, 0,5%.

    Nas tubulaes enterradas, devem ser previstas caixas de areia, sempreque houver:

    conexo de outra tubulao;FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAO FNDE

    SBS Q.2 Bloco F Edifcio urea 70.070-929 Braslia, DF

    Telefone: (61) 3966-4030 Site: www.fnde.gov.br

  • Ministrio da EducaoFundo Nacional de Desenvolvimento da

    EducaoCoordenao Geral de Infra-Estrutura - CGEST

    mudana de declividade;

    mudana de direo; e,

    ligao de condutores verticais.

    As tubulaes enterradas devem ser localizadas onde no seja previstaa passagem de cargas mveis, devendo o fundo das valas ser constitudo deterreno de boa capacidade de suporte, ou receber lastro de concreto ou depedra britada; os canos devem ser recobertos com, no mnimo, 30cm de terraisenta de materiais que possam danificar a tubulao, a compactao deve serfeita em camadas de 20cm.

    3.2.5 - CAIXAS DE AREIA A POOS DE VISITA

    As caixas de areia devem ser construdas em alvenaria de tijolos ou deblocos ou, ainda, em concreto armado. O rev