Agregados Para Concreto

Download Agregados Para Concreto

Post on 02-Jul-2015

1.085 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>AGREGADOS PARA CONCRETO</p> <p>DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUO PROF : VALRIA COSTA DE OLIVEIRA</p> <p>Condies Gerais Os</p> <p>agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto estrutural sem aditivos, de fck da ordem de 15 Mpa; No devem reagir perante o cimento e ser estveis perante os agentes que iro entrar em contato com o concreto;</p> <p>y Devem ser excludos os agregados</p> <p>provenientes de rochas macias, friveis ou de baixa resistncia a compresso, ou que contenham pirita, gesso e componentes ferrosos; devem ser isentos de argila e matria orgnica, ou de materiais que prejudiquem sua aderncia argamassa ou interfiram na pega e no endurecimento.</p> <p>DE MODO GERAL:y O calcrio e o arenito podem ser usados</p> <p>se suas resistncias compresso forem compatveis com a resistncia desejada para o concreto e se este no for submetido a ambientes cidos; y A areia de cava contm argila, que recobre os gros e reduz a aderncia; por isso deve-se limitar o teor de argila a 3%</p> <p>y No devem existir impurezas orgnicas,</p> <p>porque prejudicam o endurecimento; y No devem conter argila, hmus, turfa, carvo, compostos de enxofre e de ferro, linhitos, gesso, anidrita e impurezas salinas; y Areia de praia, s teor de de Cloreto de sdio for inferior a 0,08%.</p> <p>CORRELAO COM AS PROPRIEDADES DO CONCRETOy RESISTNCIAS MECNICAS:</p> <p>y COMPRESSO -</p> <p>Os agregados naturais e os produzidos de rochas so, como granito, gnaisse, basalto, hematita, barita, assim como os de escria de altoforno, tem resistncia compresso muito superior da argamassa de concretos de composio usual.</p> <p>y Nos concretos de muito alta resistncia,</p> <p>como os que se obtm com cimentos de alta resistncia e adio de microslica (fck da ordem de 50-70 Mpa), a resistncia dos gros do agregado pode ser insuficiente, rompendo-se o concreto por fratura dos gros, mesmo com agregado grado provindo de granito;</p> <p>ySe o agregado provm de algumas</p> <p>rochas sedimentares, como o arenito, precisar ter resistncia previamente verificada, mesmo que se trate de concreto comum.</p> <p>TRAO E CHOQUEy Durante a betonagem, alguns dos maiores</p> <p>gros do agregado grado podem receber choques, mas os esforos geram tenses muito abaixo das taxas de ruptura dos agregados. Na confeco do concreto, estas caractersticas dos agregados no necessitam ser levadas em considerao.</p> <p>ABRASOy Em algumas aplicaes do concreto a</p> <p>resistncia abraso caracterstica a levar em conta. Em pistas de aeroportos principalmente, em vertedouros de barragens e em pistas rodovirias, o concreto sofre atrio.Sendo necessrio o emprego de agregado de alta resistncia abraso.</p> <p>y Esmagamento; y Mesmo</p> <p>FRAGILIDADE</p> <p>as rochas mais frgeis tm propriedade muito alm das mnimas necessrias para que os gros no se alterem durante o preparo e posterior lanamento do concreto.</p> <p>FORMA DOS GROSy A forma dos gros do agregado grado</p> <p>influi na qualidade do concreto, ao lhe alterar a trabalhabilidade; afetando, em consequncia, as condicionantes de bombeamento, lanamento e adensamento; y Os gros podem classificados, segundo a forma: cubides, alongados e lamelares</p> <p>y Cubides o cascalho apresenta grande</p> <p>porcentagem de gros cubides, de forma arredondada, e superfcies lisas; y Os agregados industrializados tem forma de gros que dependem da natureza da rocha, do tipo de britador;</p> <p>y As</p> <p>britas provenientes de basalto e produzidas em britadores de mandbulas possuem grande porcentagem de gros irregulares, alongados e lamelares. As provenientes de calcrio tem menor porcentagem. As britas de basalto, para se apresentarem com porcentagem de gros disformes da mesma ordem de grandeza das de granito, necessitam ser processadas em rebritadores de cone especiais ou rebritadores de martelo.</p> <p>y Os</p> <p>gros irregulares tem maior superfcie especfica que os cubides e tm, ainda o inconveniente de poderem ficar presos entre as barras da armao do concreto armado, o que pode resultar os ninhos de ratos, fenmeno altamente nocivo ao desempenho de peas estruturais.</p> <p>yA</p> <p>alta trabalhabilidade possvel com concretos preparados com pedregulho devese no s s formas arrendondadas dos gros, mas tambm lisura das suas superfcies; y Quando aumenta a porcentagem de alongados e lamelares, o concreto perde a trabalhabilidade.</p> <p>y Mantido</p> <p>invarivel o trao, concretos preparados com cascalho, brita de granito, brita de basalto tem trabalhabilidade decrescente. y A obteno, nas pedreiras, de brita sem excesso de gros irregulares torna-se de alta prioridade (particulamente nas graduaes mais finas como pedra 1), sobretudo se se leva em conta que o principal mercado de brita o de agregado para concreto.</p> <p>y Por outro lado, os gros irregulares, devido a</p> <p>forma e textura superficial, apresentam maior aderncia da argamassa, resultando e concretos de maior resistncia mantidas inalteradas as demais condies do trao</p> <p>IMPUREZASy quando ocorre nos agregados midos a</p> <p>presena de impurezas tem maior efeito no concreto. Nos agregados grados, as impurezas so de natureza pulverulenta; yFragmentos macios e friveis presentes no agregado so altamente perniciosos: alterm a distribuio granulomtrica e introduzem material de alta absoro de gua, o que altera a trabalhabilidade e a resistncia do concreto.</p> <p>LIMITES DE ACEITAO-NBR 7211 y Torres de argila 1,5 % y Materiais carbonosos concretos aparentes -0,5%, demais concretos 1,0% y Materiais pulverulentos concretos submetidos a desgaste superficial 3,0%, demais concretos 5,0%</p> <p>NBR 7220 y Impurezas orgnicas a soluo, em contato com a amostra, deve apresentar colorao mais clara que a soluo padro; se apresentar colorao mais escura, a areia dever ser submetida aos ensaios de qualidade, conforme NBR 7221.</p> <p>RESISTNCIA AOS SULFATOSy No ocorrem no Brasil as condies</p> <p>climticas que, eventualmente, poderiam levar a estudar o agregado sob o ponto de vista dos danos que causariam o gelo e o degelo.</p> <p>REATIVIDADE POTENCIALy O agregado no deve apresentar condies</p> <p>de uma possvel reao com os lcalis do cimento. Estes, reagindo em presena de alguns agregados, produzem aumento de volume, que leva a deteriorao das estruturas. Os agregados naturais contm slica hidratada; certas rochas carbonosas reagem intensamente, especialmente calcrios dolomticos argilosos.</p> <p>MASSA ESPECFICA ABSOLUTAy A massa especfica absoluta de agregado tem</p> <p>reflexo direto na massa especfica do concreto, j que ele contribui com cerca de 80% da massa do concreto, e dos trs componentes principais, o nico que tem densidades variveis. y O concreto comum, executado com granito britado, tem massa espcfica da ordem de 2400 Kg/m, valor que pode chegar a menos de 1000 quando se usam agregados leves e a cerca de 4500, quando se usam agregados pesados.</p> <p>yOs concretos leves so usados como</p> <p>material isolante e em peas no estruturais; yUsam-se os concretos pesados em blindagens biolgicas (proteo contra radiaes radiativas)</p> <p>MASSA ESPECIFICA APARENTE y O que se procura obter um concreto com agregado de distribuio granulomtrica que apresente o menor ndice de vazios, ou de mxima massa especfica aparente. y Tende-se portanto, a usar o agregado de maior dimetro compatvel com a pea a concretar.</p> <p>yUma maneira de se obter um</p> <p>agregado de mxima densidade e mximo dimetro misturar dois agregados grados, assim ser de maior compacidade, ou de mnimos vazios (rochas de mesma origem)</p> <p>COMPACIDADE, POROSIDADE, NDICES DE VAZIOSy Para</p> <p>um mesmo agregado, estas caractersticas esto interligadas. Exprimem relaes entre volume do agregado, volume total dos gros e o volume de vazios. y A compacidade, relao entre o volume total dos gros e o volume do agregado (ou relao entre as densidades aparentes e absoluta), vem a ser caracterstica importante no preparo do concreto.</p> <p>A resistncia compresso e a durabilidade do concreto aumentam quando aumenta a compacidade do agregado. Com isto, diminui o ndice de vazios e, portanto, a quantidade de argamassa a empregar.</p> <p>DISTRIBUIO GRANULOMTRICA y Tem influncia na trabalhabilidade do concreto fresco: alta porcentagem de material fino exige aumento de gua de emassamento e, consequentemente, de cimento-para o mesmo fator gua/cimento; y O dimetro mximo do agregado dever ser inferior ao espaamento entre as barras e distncia delas parede da forma.</p> <p>y Denomina-se granulometria tima a que,</p> <p>para uma mesma trabalhabilidade e o mesmo fator gua/cimento, corresponde a um mnimo consumo cimento. Verifica-se que a granulometria tima varia com a proporo cimento/agregado, devendo-se procurar empregar a menor porcentagem de finos economicamente vivel, para conduzir a menores quantidades de gua.</p> <p>MDULO DE FINURA</p> <p>yInflui</p> <p>na definio da quantidade de gua e, portanto, na quantidade de cimento.</p> <p>TEOR DE UMIDADE y Na dosagem do concreto necessrio considerar o teor de umidade do agregado mido que, de modo geral, leva consigo por volta 15% do total da gua de emassamento. O teor de umidade do agregado grado, exceto se encharcado por gua de chuva praticamente nulo em condies normais.</p> <p>ABSORO DE GUA y A gua absorvida pelos gros do agregado funo da maior ou menor porosidade do material desses gros. Depois de misturado o concreto, esta gua se incorpora de emassamento, alterando o fator gua/cimento, se no tiver sido considerado na dosagem. Trata-se, aqui, da porosidade do material de que constitudo o gro do agregado e no do agregado</p> <p>INCHAMENTOyO inchamento do agregado mido s</p> <p>ter de ser levado em conta por ocasio da dosagem do concreto se esta no for feita por volume dos agregados. Este modo de dosagem tem pouca preciso e s aceitvel em obras de pequena responsabilidade.</p> <p>ADERNCIA y Os gros de agregado de superfcie altamente rugosa apresentam maior resistncia ao descolamento da argamassa do que os gros de superfcie.</p> <p>TEOR DE CLORETOS y Os cloretos tem efeito deletrio em concretos destinados a estruturas armadas (ocorrem nas areias de dunas e de praias), mas podem ser adicionado como acelerador de pega. O cloreto ataca o ao das armaes de modo que a seo reta de uma barra pode crescer at 16 vezes o tamanho original, lascando o concreto e expondo a armadura.</p>