AES Eletropaulo e AES Sul AP042 - aneel.gov.br para envio de contribuies referente audincia pblica n 042 /2011 nome da instituio: aes eletropaulo e aes sul texto/aneel texto/instituio ...

Download AES Eletropaulo e AES Sul AP042 - aneel.gov.br  para envio de contribuies referente  audincia pblica n 042 /2011 nome da instituio: aes eletropaulo e aes sul texto/aneel texto/instituio ...

Post on 12-Mar-2018

218 views

Category:

Documents

5 download

TRANSCRIPT

  • MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIES REFERENTE AUDINCIA PBLICA N 042 /2011

    NOME DA INSTITUIO: AES ELETROPAULO E AES SUL

    TEXTO/ANEEL TEXTO/INSTITUIO JUSTIFICATIVA/INSTITUIO

  • 2

    Minuta de Resoluo

    Art. 4

    Faturamento de unidade consumidora do Grupo

    A

    Art. 5

    Faturamento de unidade consumidora do Grupo

    B

    1. Faturamento do grupo A: entendemos que o consumidor do

    grupo A dever contratar junto distribuidora o maior valor de

    demanda entre consumo e gerao, de forma a remunerar os

    custos pelo uso do sistema de distribuio.

    2. Faturamento do grupo B: como no existe o conceito de

    demanda contratada para o grupo B, a distribuidora dever ser

    remunerada pelo uso do sistema de distribuio,

    especificamente pelos seus custos operacionais. Desta forma,

    sugerimos a cobrana da componente TUSD Fio B sobre a

    energia injetada na rede alm do custo da disponibilidade.

    3. Deve ser prevista cobrana por ultrapassagem de potncia

    injetada no sistema superior a 100 kW, para microgerao e

    1.000 kW para minigerao.

    4. Considerando a aplicao do conceito de autoproduo para

    unidades consumidoras com gerao prpria de at 1 MW e

    carga em pontos distintos, notamos ausncia de

    regulamentao sobre os encargos setoriais incidentes sobre a

    parcela de gerao prpria (ESS, CCC, CDE, PROINFA,

    EER).

    5. Incidncia de ICMS: apesar da Nota Tcnica n 0025/2011-

    SRD-SRC-SRG-SCG-SEM-SRE-SPE/ANEEL ressaltar que o

    sistema de compensao de energia no envolve circulao

    de dinheiro, apenas promove a troca de energia entre

    consumidor com gerao distribuda e a distribuidora, devendo

    eventuais saldos positivos serem utilizados para abatimento de

    faturamentos futuros, h que se considerar a incidncia de

  • 3

    ICMS sobre esta operao para a qual dever haver

    regulamentao especfica perante o CONFAZ, de forma a no

    prejudicar a distribuidora.

    6. A compensao entre a energia consumida e gerada por

    instalaes do grupo A deve ser feita por posto horrio assim

    como o crdito gerado.

    7. Com relao utilizao dos crditos em unidades

    consumidoras localizadas em diferentes pontos da rea de

    concesso, que tenham o mesmo titular, solicitamos

    esclarecimento a respeito da distribuio entre as unidades,

    inclusive sobre o responsvel pela informao distribuidora

    bem como o critrio para faturamento das unidades.

    Art. 8

    Art. 3-A Para a fonte solar, fica estipulado o

    desconto de 80% (oitenta por cento), aplicvel

    nos 10 (dez) primeiros anos de operao da

    usina, nas tarifas de uso dos sistemas eltricos

    de transmisso e de distribuio, incidindo na

    produo e no consumo da energia

    comercializada.

    Pargrafo nico.

    O desconto de que trata o caput, ser reduzido

    para 50% (cinqenta por cento) aps o referido

    prazo.

    O Artigo 8 da minuta da resoluo amplia a incidncia do

    desconto na TUSD estipulado pela REN 77/2004 para a

    energia eltrica gerada de fonte solar.

    Sob este aspecto sugere-se que seja previsto mecanismo de

    compensao do referido desconto para a distribuidora, cuja

    forma mais adequada seria a de um componente financeiro a

    ser considerado nos processos de reajuste e revises

    tarifrias.

  • 4

    Art. 12

    As distribuidoras devero elaborar ou revisar

    normas tcnicas para tratar do acesso de

    minigerao e microgerao distribuda

    incentivada, utilizando como referncia o

    PRODIST, as normas tcnicas brasileiras e, de

    forma complementar, as normas internacionais.

    Pargrafo nico.

    O prazo para a publicao das normas de que

    trata o caput em sua pgina na rede mundial de

    computadores de 180 (cento e oitenta) dias,

    contados a partir da publicao desta

    Resoluo.

    Pargrafo nico.

    O prazo para a publicao das normas de que trata

    o caput em sua pgina na rede mundial de

    computadores de 180 (cento e oitenta) 360 (trezentos e sessenta) dias, contados a partir da publicao desta Resoluo.

    Informamos que est sendo criado um grupo de trabalho na

    ABNT Associao Brasileira de Normas Tcnicas, formado

    pelas distribuidoras e agentes de outros setores interessados

    para consolidao de norma tcnica brasileira que trate dos

    requisitos mnimos para conexo de mini e micro-gerao

    distribuda. Desta forma, sugerimos que para qualquer

    definio sobre o tema sejam observadas estas normas.

    Adicionalmente, sugerimos a dilao do prazo para publicao

    das normas e conseqentemente para implantao das

    mesmas. Entendemos necessria definio de prazo

    adequado para implementao de (1) melhorias no sistema de

    faturamento tendo em vista a necessidade de um novo servio

    de medio que requer equipamentos capazes de efetuar

    leituras e registros de fluxos de compra e venda de energia; (2)

    novas regras de faturamento com a devida aplicao na forma

    de apresentao das faturas e (3) capacitao de equipes de

    atendimento principalmente call Center, pois essa nova

    regulamentao altera significativamente a forma de utilizao

    de energia pelo consumidor.

    Ademais, prevalecendo a proposta apresentada, dever haver

    um aumento de conexes de mini e micro gerao rede de

    distribuio, elevando significativamente os custos da

    distribuidora para implantao, operao e manuteno do

    novo sistema. Desta forma, sugerimos a avaliao da

    cobrana de encargo de conexo uma vez que a instalao de

    sistemas de gerao opo do consumidor ou

    reconhecimento pelo regulados, dos custos adicionais

    comprovadamente arcados pela distribuidora.

  • 5

    Minuta da PRODIST

    6.1 A solicitao de acesso o requerimento

    formulado pelo acessante que, uma vez

    entregue acessada, implica a prioridade de

    atendimento, de acordo com a ordem

    cronolgica de protocolo.

    Isto implica em privilgio no atendimento. A conexo de mini e

    micro-geraes devem ser consideradas como atendimento

    normal, sendo os prazos de atendimento estabelecidos

    conforme a regra atual.

    7.2 Compete distribuidora a realizao de

    todos os estudos para a integrao de micro e

    minigerao distribuda, devendo informar

    central geradora a relao de dados

    necessrios elaborao dos referidos estudos

    que devem ser apresentados quando da

    solicitao de acesso, realizados sem nus ao

    acessante.

    8.2.2 As centrais geradoras classificadas como

    micro ou minigerao distribuda incentivada

    esto dispensadas de realizar os estudos

    descritos no item 5 da seo 3.2 os quais, caso

    sejam necessrios, devero ser realizados pela

    distribuidora, sem nus para o acessante.

    A responsabilidade tcnica e financeira pela realizao dos

    estudos para integrao de micro e minigerao distribuda,

    pela proposta, so atribudas distribuidora. No entanto, no

    h previso de reconhecimento na tarifa destes custos que

    devero se elevar significativamente

  • 6

    7.3 Para central geradora classificada como

    microgerao distribuda incentivada, o parecer

    de acesso deve ser encaminhado em at 15

    (quinze) dias aps o recebimento da solicitao

    de acesso.

    7.4 Para central geradora classificada como

    minigerao distribuda incentivada, o parecer

    de acesso deve ser encaminhado em at 30

    (trinta) dias aps o recebimento da solicitao

    de acesso.

    7.3 Para central geradora classificada como

    microgerao distribuda incentivada, o parecer de

    acesso deve ser encaminhado em at 15 30 (quinze trinta) dias aps o recebimento da solicitao de acesso.

    Compatibilizar ao texto da REN 414/2010 e do PRODIST

    mdulo 3 seo 3.1 sub item 2.3.2.2 e item 5.4.

    Em funo da quantidade de acessos poder haver

    necessidade de reviso deste prazo, dado o aumento de

    atribuies para a distribuidora referentes conexo desta

    gerao distribuda.

  • 7

    9.3 Os valores de referncia a serem adotados

    para os indicadores: tenso em regime

    permanente, fator de potncia, distoro

    harmnica, desequilbrio de tenso, flutuao de

    tenso e variao de freqncia so os

    estabelecidos na Seo 8.1 do Mdulo 8

    Qualidade da Energia.

    Alguns valores de referncia que so aplicveis gerao

    distribuda atravs de sistemas fotovoltaicos no esto

    presentes na Seo 8.1 do Mdulo 8 Qualidade da

    Energia, como: distoro harmnica de corrente, injeo

    mxima de corrente contnua, tempo mximo de ilhamento, tempo de mnimo de reconexo aps condies anormais da

    rede, tempo mximo de desconexo em casos de sobre/ sub tenso e valores de desconexo em caso de sobre/sub tenso.

    Sugerimos ainda a homologao de equipamentos que sero

    conectados ao sistema por rgo padronizador bem como

    sistemas de proteo que isolem a instalao do sistema

    eltrico da distribuidora no caso de gerao de harmnicos

    acima do permitido.

  • 8

    13.2 Dispensa-se a assinatura dos contratos de

    uso e conexo para a central geradora que

    participe do sistema de compensao de

    energia da distribuidora local, nos termos da

    regulamentao especfica, sendo suficiente a

    celebrao do Acordo Operativo, nos termos do

    Anexo I da Seo 3.5.

    No que se refere possibilidade de dispensa de assinatura de

    tais contratos, verifica-se que h risco jurdico e regulatrio

    para as distribuidoras de energia eltrica uma vez que tanto o

    CUSD e CCD so instrumentos contratuais que regulam as

    condies, direitos, obrigaes e procedimentos tanto do

    usurio (no caso pequenos geradores) como da detentora da

    rede de distribuio.

    Assim, a ausncia de tal instrumento contratual ou at mesmo

    a dispensa de assinatura (condio de validade e eficcia do

    negcio jurdico) poder ocasionar iseno de

    responsabilidades entre as partes, inconsistncias no uso e na

    conexo do sistema de distribuio, desigualdade de

    condies de uso e conexo da rede de distribuio entre os

    consumidores livres/especiais/potencialmente livres e a

    distribuidora.

    Ademais, tal dispensa da assinatura e do instrumento

    contratual enseja contrariedade legislao aplicvel e

    vigente, dentre elas a Resoluo Normativa ANEEL n 281/99

    que estabelece as condies de acesso e uso do sistema de

    distribuio e a Resoluo Normativa n 414/2010, que

    estabelece as condies gerais de fornecimento de energia

    eltrica.

    Portanto, a AES desconsidera a possibilidade de dispensar a

    assinatura de tais contratos em determinados casos pelas

    pelo risco jurdico e tcnico envolvido para sistema de

    distribuio, bem como pela atribuio da distribuio na

    manuteno e operao de sua rede.

  • 9

    Alm disso, entendemos que para os consumidores com

    microgerao/unidades geradoras de pequeno porte deve

    haver uma simplificao dos contratos com a distribuidora,

    bem como adaptao dos contratos de adeso/fornecimento.

    Desta forma, devendo haver, regulamento da ANEEL

    estabelecendo as condies especificas e fundamentais tanto

    do microgeradores consumidores e dos consumidores com

    gerao distribuda com perfil de gerao mais preponderante

    no sistema.

    De acordo, com a categorizao detalhada destes perfis de

    consumo e gerao distribuda por meio do regulamento, a

    distribuidora poder instrumentalizar as regras e

    procedimentos de acordo com a Resoluo Especfica.

  • 10

    Incluso de artigos

    Recomendamos ainda:

    (1) regramento claro para pedidos de aferies, pois estas no

    podem ser solicitadas indiscriminadamente pelo consumidor

    nesses casos, dada a prpria caracterstica desse servio a

    cobrana poder gerar dvidas recorrentes de nossos clientes;

    (2) previso de tratamento para aumento de carga de

    unidades consumidoras do grupo B que sejam atendidas por

    meio de sistemas individuais de gerao de energia eltrica

    com fontes intermitentes ou microssistemas de gerao de

    energia eltrica isolada, onde haja restrio na capacidade de

    gerao.

    (3) Reconhecimento de exposio e sobrecontratao

    involuntria dos montantes de energia referentes micro e

    minigerao distribuda, uma vez que se trata de fontes de

    gerao cujos combustveis no so gerenciveis (solar,

    elico, hidrulica sem reservatrio). Neste caso, deve ser

    assegurada distribuidora a neutralidade no repasse dos

    custos de aquisio de energia eltrica para atendimento

    destes consumidores.