aerodinÂmica parapente / asa delta. objectivos rever matéria inerente à qualificação de piloto...

Download AERODINÂMICA Parapente / Asa Delta. OBJECTIVOS Rever matéria inerente à qualificação de piloto estagiário Rever matéria inerente à qualificação de piloto

Post on 22-Apr-2015

105 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • AERODINMICA Parapente / Asa Delta
  • Slide 2
  • OBJECTIVOS Rever matria inerente qualificao de piloto estagirio Rever matria inerente qualificao de piloto estagirio Discutir e clarificar dvidas relativas matria Discutir e clarificar dvidas relativas matria Sempre que possvel, aplicar a matria adquirida em casos prticos de instruo. Sempre que possvel, aplicar a matria adquirida em casos prticos de instruo.
  • Slide 3
  • SUMRIO Nomenclatura do perfil Nomenclatura do perfil Sustentao Sustentao Nomenclatura e estrutura da asa Nomenclatura e estrutura da asa Foras que actuam na asa Foras que actuam na asa Controlo da asa Controlo da asa Performance Performance Envelope de Voo Envelope de Voo
  • Slide 4
  • O PERFIL e a ASA
  • Slide 5
  • GEOMETRIA DO PERFIL Extradorso Intradorso Espessura mxima Linha mdia de curvatura Bordo de fuga Bordo de ataque Localizao da mxima espessura Corda
  • Slide 6
  • TIPOS DE PERFIS Biconvexos simtricos Biconvexos simtricos Biconvexos assimtricos Biconvexos assimtricos Plano convexos Plano convexos Cncavo convexos Cncavo convexos
  • Slide 7
  • GEOMETRIA DA ASA Alongamento / Aspect Ratio (AR) Alongamento / Aspect Ratio (AR) AR = b 2 / S rea (S) Envergadura (b)
  • Slide 8
  • GEOMETRIA DA ASA Enflechamento Enflechamento ngulo formado entre o bordo de ataque da asa e a direco perpendicular ao plano de simetria da aeronave. Enflechamento
  • Slide 9
  • ESTRUTURA DA ASA
  • Slide 10
  • Slide 11
  • Nervuras Nervuras Tm a forma do perfil da asa e tm por finalidade: Conferir forma asa Conferir forma asa Ligar o intradorso ao extradorso Ligar o intradorso ao extradorso Suportar os esforos a que a asa est sujeita em voo Suportar os esforos a que a asa est sujeita em voo Longarinas Longarinas Somente presentes na asa delta, tm por funo suportar todos as flexes positivas e negativas a que a asa est sujeita.
  • Slide 12
  • ESTRUTURA DA ASA Entradas de ar Entradas de ar Somente presentes no parapente, tm por funo admitir a entrada de ar sob presso de forma a conferir e manter a forma da asa. Somente presentes no parapente, tm por funo admitir a entrada de ar sob presso de forma a conferir e manter a forma da asa. A distribuio de presso ao longo da asa garantida atravs de orifcios nas nervuras. A distribuio de presso ao longo da asa garantida atravs de orifcios nas nervuras. A localizao das entradas de ar de extrema importncia e normalmente so colocadas na zona do bordo de ataque onde a presso maior ( ponto de estagnao). A localizao das entradas de ar de extrema importncia e normalmente so colocadas na zona do bordo de ataque onde a presso maior ( ponto de estagnao).
  • Slide 13
  • PONTO DE ESTAGNAO Ponto do perfil onde a presso maior ou ponto de impacto do ar no perfil Ponto do perfil onde a presso maior ou ponto de impacto do ar no perfil
  • Slide 14
  • ESTRUTURA DA ASA
  • Slide 15
  • EIXOS
  • Slide 16
  • EIXOS Tudo o que voa move-se num espao tridimensional, logo natural que os seus movimentos se faam em torno de 3 eixos: Tudo o que voa move-se num espao tridimensional, logo natural que os seus movimentos se faam em torno de 3 eixos: Eixo vertical Eixo vertical Em torno do qual so efectuados os movimentos de guinada. Parapente Atravs de actuao assimtrica dos comandos Parapente Atravs de actuao assimtrica dos comandos Asa Delta Atravs da deslocao do Centro de Gravidade (CG) Asa Delta Atravs da deslocao do Centro de Gravidade (CG)
  • Slide 17
  • EIXOS Eixo transversal Eixo transversal Em torno do qual so efectuados os movimentos de cabeceio (cabrar, picar). Em torno do qual so efectuados os movimentos de cabeceio (cabrar, picar). Asa Delta Atravs da deslocao do CG Asa Delta Atravs da deslocao do CG Parapente Os comandos no permitem actuar directamente sobre o eixo transversal. No entanto podem induzir rotaes em torno deste eixo. Parapente Os comandos no permitem actuar directamente sobre o eixo transversal. No entanto podem induzir rotaes em torno deste eixo.
  • Slide 18
  • EIXOS Eixo longitudinal Eixo longitudinal Em torno do qual so efectuados os movimentos de pranchamento. Asa Delta Atravs da deslocao do CG Asa Delta Atravs da deslocao do CG Parapente Atravs da actuao assimtrica dos comandos Parapente Atravs da actuao assimtrica dos comandos
  • Slide 19
  • EIXOS
  • Slide 20
  • CONCEITOS e DEFINIES
  • Slide 21
  • PRESSO Por definio a presso fora por unidade de rea Por definio a presso fora por unidade de rea P = F /A Unidades: bar, N/m 2 ou Pascal (Pa), Unidades: bar, N/m 2 ou Pascal (Pa), 1hPa = 1mb 1hPa = 1mb Actua sempre perpendicularmente superfcie Actua sempre perpendicularmente superfcie Decresce com a altitude Decresce com a altitude
  • Slide 22
  • PRESSO Presso total = Presso esttica + Presso dinmica Presso total = Presso esttica + Presso dinmica Sendo a Presso dinmica dependente da velocidade do ar Sendo a Presso dinmica dependente da velocidade do ar P d = 0,5 x densidade do ar x V 2 P d = 0,5 x densidade do ar x V 2
  • Slide 23
  • DENSIDADE A densidade, , definida como a massa por unidade de volume. A densidade, , definida como a massa por unidade de volume. = m / v A densidade diminui com : A densidade diminui com : Diminuio da presso Diminuio da presso Aumento da temperatura Aumento da temperatura Altitude Altitude
  • Slide 24
  • PRESSO / DENSIDADE / TEMPERATURA PRESSO / DENSIDADE / TEMPERATURA A relao entre a presso, densidade e temperatura dada pela lei dos gases ideias: A relao entre a presso, densidade e temperatura dada pela lei dos gases ideias: P = densidade do ar x Temperatura do ar P = densidade do ar x Temperatura do ar
  • Slide 25
  • PRINCPIO DA CONTINUIDADE Na mecnica de fluidos, o princpio de conservao de massa traduzido pela equao de continuidade, ou seja, conservao de caudal (massa / tempo): Na mecnica de fluidos, o princpio de conservao de massa traduzido pela equao de continuidade, ou seja, conservao de caudal (massa / tempo): O caudal atravs da rea A1 tem de ser igual ao que passa na rea A2 O caudal atravs da rea A1 tem de ser igual ao que passa na rea A2
  • Slide 26
  • TEOREMA DE BERNOULLI Num escoamento incompressvel P total = constante ! Se a Velocidade (V) aumenta, a presso esttica (P e diminui); Se a Velocidade (V) aumenta, a presso esttica (P e diminui); Se a Velocidade diminui (V), a presso esttica (P e aumenta); Se a Velocidade diminui (V), a presso esttica (P e aumenta);
  • Slide 27
  • SUSTENTAO
  • Slide 28
  • SUSTENTAO EXTRADORSO: Maior velocidade. INTRADORSO: Menor velocidade.
  • Slide 29
  • DISTRIBUIO DE PRESSO Extradorso: Menor presso => Fora para cima ! Intradorso: Maior pressoExtradorso: Menor presso => Fora para cima ! Intradorso: Maior presso
  • Slide 30
  • PONTO DE ESTAGNAO Ponto do perfil onde a presso maior ou ponto de impacto do ar no perfil Ponto do perfil onde a presso maior ou ponto de impacto do ar no perfil
  • Slide 31
  • DISTRIBUIO DE PRESSO
  • Slide 32
  • RFA As foras aerodinmicas que actuam ao longo da asa podem ser representadas por uma nica fora Resultante das Foras Aerodinmicas (RFA), aplicada num ponto denominado Centro de Presses (CP). As foras aerodinmicas que actuam ao longo da asa podem ser representadas por uma nica fora Resultante das Foras Aerodinmicas (RFA), aplicada num ponto denominado Centro de Presses (CP).
  • Slide 33
  • SUSTENTAO E RESISTNCIA A RFA pode ser decomposta em duas componentes: A RFA pode ser decomposta em duas componentes: Sustentao Sustentao Componente perpendicular ao vento relativo. Resistncia ou Arrasto Componente paralela ao vento relativo. Resistncia ou Arrasto Componente paralela ao vento relativo.
  • Slide 34
  • SUSTENTAO E RESISTNCIA ngulo de ataque: ngulo formado entre o vento relativo e a linha de corda.ngulo de ataque: ngulo formado entre o vento relativo e a linha de corda. ngulo de incidncia: ngulo formado entre plano horizontal e a linha de corda.ngulo de incidncia: ngulo formado entre plano horizontal e a linha de corda.
  • Slide 35
  • NGULO DE ATAQUE Numa asa delta o piloto pode modificar o ngulo de ataque atravs da barra de controlo: Numa asa delta o piloto pode modificar o ngulo de ataque atravs da barra de controlo: Aumentar (cabrar) Empurra a barra Aumentar (cabrar) Empurra a barra Diminuir (picar) Puxa a barra Diminuir (picar) Puxa a barra No parapente como no temos aco directa sobre os movimentos de cabeceio (pitch), a nica forma que temos para controlar o ngulo de ataque atravs da modificao da curvatura do perfil. No parapente como no temos aco directa sobre os movimentos de cabeceio (pitch), a nica forma que temos para controlar o ngulo de ataque atravs da modificao da curvatura do perfil.
  • Slide 36
  • NGULO DE ATAQUE Logo no parapente variamos o ngulo de ataque atravs da aco simtrica dos comandos. Logo no parapente variamos o ngulo de ataque atravs da aco simtrica dos comandos.
  • Slide 37
  • VARIAO DA SUSTENTAO
  • Slide 38
  • A sustentao para uma