administrador - ufsm

Download administrador - UFSM

Post on 07-Jan-2017

217 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • PRRHPr-Reitoria de Recursos Humanos

    ADMINISTRADOR

    NOME:

    N INSC.:

  • ADMINISTRADOR

    C

    D

    E

    A

    B

    deve haver pessoalidade na distribuio dos cargos, ou seja, a pessoa que ocupa o cargo fundamental para oseu sucesso.

    E

    deve haver um rgido controle de meios, ou seja, os meios so mais importantes que os fins.

    deve haver uma reformulao dos cargos administrativos com o objetivo de reduzir o nmero de nveishierrquicos ( ).downsizingdeve haver incentivo financeiro aos servidores que apresentarem os melhores resultados.

    deve haver um sistema claro de hierarquizao, ou seja, a burocracia deve conter uma cadeia de comando longae clara, em que as decises obedecem a uma lgica de hierarquia administrativa.

    01

    Segundo a Histria da Administrao Pblica Brasileira, h trs formas de se administrar o Estado: a administraopblica patrimonialista, a administrao pblica burocrtica e a administrao pblica gerencial ou ps-burocrtica.Sobre os princpios bsicos daAdministrao Pblica Burocrtica correto afirmar que

    CONHECIMENTOS ESPECFICOS

    C

    D

    E

    A

    B

    Os sistemas de gesto e controle so centrados nas normas e regulamentos.

    E

    A autonomia gerencial do administrador pblico mais restrita em comparao com a Administrao PblicaBurocrtica.

    As estruturas de poder so mais centralizadas e hierrquicas, permitindo maior rapidez e economia na prestaode servios e na participao dos usurios.

    Busca-se a criao de novas figuras institucionais para a realizao de servios que no configuram atividadesexclusivas de Estado.

    Tem como base o aumento do nmero de servidores para a melhoria das atividades administrativas.

    02

    Com relao Administrao Pblica Gerencial, assinale a alternativa que apresenta a caracterstica mais relevante.

    03

    A Administrao Pblica pode ser entendida como a atividade concreta e imediata que o Estado desenvolve paraassegurar interesses coletivos. O Estado possui basicamente trs funes econmicas. Considerando essasfunes, numere a 2 coluna de acordo com a 1.

    Asequncia correta

    1. Funo Alocativa

    2. Funo Distributiva

    3. Funo Estabilizadora

    Campanhas de vacinao das crianas.

    Melhorias das rodovias.

    Programa Bolsa Famlia.

    Taxa de cmbio utuante.

    Supervit das contas pblicas.

    Taxao progressiva do Imposto deRenda da Pessoa Fsica.

    ( )

    ( )

    ( )

    ( )

    ( )

    ( )

    C

    D

    E

    A

    B

    1 - 1 - 2 - 3 - 3 - 2.

    E

    2 - 2 - 1 - 2 - 3 - 1.

    1 - 2 - 1 - 3 - 2 - 2.

    1 - 2 - 3 - 2 - 3 - 1.

    1 - 1 - 2 - 2 - 2 - 2.

    01

  • C

    D

    E

    A

    B

    estudar e propor sistemas de classificao de cargos e remuneraes para o servio civil, administrando suaaplicao.

    E

    elaborar os projetos de regulamentos necessrios execuo das leis que dispem sobre a funo pblica eprivada.promover medidas que visem ao bem-estar social dos servidores da Unio, Estados e Municpios.

    recrutar e selecionar candidatos para os rgos da administrao pblica direta, secretarias das Cmarasdos Deputados e do Congresso Nacional e para a Magistratura.cuidar dos assuntos referentes aos servidores militares, adotando medidas visando ao seu aprimoramento emaior eficincia.

    04

    O Departamento Administrativo do Servio Pblico (DASP), criado em 1938, era o rgo central do sistema depessoal, responsvel pelo estudo, formulao de diretrizes, orientao, coordenao, superviso e controle dosassuntos concernentes administrao do pessoal.Ao DASP cabia diretamente

    C

    D

    A

    B

    o racionalismo e o consenso.

    a participao e a justia.

    a dominao e o controle.

    a tecnocincia e o poder.

    EE o gnero e o subdesenvolvimento.

    05

    As razes histricas dos estudos organizacionais esto profundamente inseridas em um conjunto de trabalhos queganhou expresso a partir da segunda metade do sculo XIX, e que antecipava, de forma confiante, o triunfo da cinciasobre a poltica, bem como a vitria da ordem e do progresso coletivos concebidos racionalmente acima darecalcitrncia e irracionalidades humanas. Todavia, fundamentar os pressupostos de que qualidades racionais e ticasso inerentes organizao moderna algo cada vez mais contestado por vozes que criticam radicalmente aobjetividade e bondade natural das organizaes.Ahistria do pensamento administrativo claramente excludente detemas centrais que obscurecem o avano mais concreto da Cincia da Administrao. Entre os temas marginalizados,podem-se citar

    C

    D

    E

    A

    B

    Apoia-se na flexibilidade dos processos de trabalho de acordo com o sistema fordista.

    E

    Busca centrar-se em novos mercados de trabalho, novos produtos e novos padres de consumo.

    Caracteriza-se pelo surgimento de novas potncias econmicas chamadas de BRICs.

    Caracteriza-se pelo surgimento de setores relativamente novos e com introduo de novas tcnicas tayloristasde produo.

    Concentra-se nas micro e pequenas empresas como fora econmica e social das naes.

    06

    A profunda recesso de 1973, exarcebada pelo choque do petrleo, evidentemente levou o mundo capitalista aosufocante torpor da estagflao (estagnao da produo de bens e servios e a alta inflao dos preos). Emconsequncia, as dcadas de 70 e 80 foram um conturbado perodo de reestruturao econmica e de reajustamentosocial e poltico. Esse perodo somente foi modificado com a introduo de um regime de acumulao inteiramentenovo, chamado de acumulao flexvel. Dentre as caractersticas da acumulao flexvel, pode-se dizer:

    Com relao s premissas da Escola do Planejamento, assinale verdadeira (V) ou falsa (F) em cada uma dasafirmativas a seguir.

    07

    As estratgias devem resultar de um processo controlado e consciente de planejamento formal, decomposto emetapas distintas, cada uma delineada por e apoiada por tcnicas.cheklist

    A formao de estratgia moldada por poder e poltica, seja como um processo dentro da organizao, sejacomo o comportamento da prpria organizao em seu ambiente externo.

    Estratgias so posies genricas, especialmente comuns e identificveis no mercado.

    A responsabilidade por todo o processo est, em princpio, com o executivo principal; na prtica, aresponsabilidade pela execuo est com os planejadores.

    As estratgias emergem como perspectivas na forma de conceitos, mapas e molduras que do forma maneira pela qual as pessoas lidam com informaes vindas do ambiente.

    ( )

    ( )

    ( )

    ( )

    ( )

    02

  • C

    D

    EA

    B

    V - V - F - F - V. E

    F - V - V - F - V.

    V - F - F - V - V.

    F - V - V - V - F.

    V - F - F - V - F.

    Asequncia correta

    C

    D

    E

    A

    B

    orientao para o econmico-social e, em especial, ao quantificvel, em oposio ao poltico.

    E

    inclinao desta escola no sentido das condies internas, em especial da cultura e do poder, em detrimento dascapacidades externas.capacidade de aprender. Amensagem da escola do posicionamento ir l fora para aprender e no conhecer oque se tem internamente nas organizaes.sua viso. Ela vista como uma escola estratgica de perspectiva nica.

    dificuldade de inovao radical. Os executivos so tentados a se tornar codificadores do passado, em vez deinventores do futuro.

    08

    No incio dos anos 80, a Escola Estratgica do Posicionamento soprou a rea de administrao estratgica, varrendogrande parte da tradicional literatura prescritiva. Todavia, passados trinta anos de sua origem, diversos so os pontos depreocupao cientfica e emprica quanto a sua aplicabilidade. Essas preocupaes dizem respeito

    Leia o texto a seguir para responder s questes 09 e 10.

    TEXTO

    Fim de tarde num conhecido hospital de Santa Maria, o diretor de marketing de uma multinacionalchinesa convalesce de uma forte indigesto. Um colega de empresa entra no quarto para uma visita rpida.

    - Puxa! Voc nos pregou um susto.

    - Pois , eu mesmo achei que no ia sair dessa.

    - Mas os mdicos j descobriram o que foi? Talvez um Gary Hamel estragado...

    - No, no. Eu achei que tinha sido um Stephen Covey a la mode que eu comi na segunda-feira. Tava com umgosto esquisito. Mas o patologista me disse que pode ter sido o Porter do ms passado. assim mesmo. Noprincpio, voc acha que ganhou viso estratgica. Comea a tomar decises importantes e fazer mudanas noportiflio de negcios. Um ms depois, comeam as alucionaes: cadeia de valores, matrizes decompetitividade e anlise SWOT. Ento, cada vez que voc tem que tomar decises prticas, vm as nuseas edores de cabea. Mas o mdico disse que eu vou superar. Ele receitou um Gilberto Freyre a cada quinze dias ech de Fernando Pessoa todo m de tarde, para acalmar o estmago.

    - Bah, a coisa t feia, heim! Ontem ouvi falar de um sujeito internado por causa de um Iaccoca mal passado.Comeou a ter delrios de grandeza. Um amigo mdico disse que esto pensando em abrir uma clnica s paravtimas de bloombergs, Gates e Iaccocas. Parece que ainda no conseguiram achar um tratamento ecaz.Atacadiretamente o crebro. O sujeito perde o senso de ridculo. O pior que vicia e o cara no consegue mais viversem a coisa. pior que droga.

    - mesmo? No meu caso parece que os efeitos so temporrios. Perdi a viso estratgica, mas com terapiaposso recuperar at 50%.

    - Tenho certeza que voc vai superar. Parece que Porter no fatal. Se tivesse sido Senge ou Deming poderiaser pior. Voc lembra do diretor da lial do Rio de Janeiro? Comeu um Senge h um ms e comeou a delirar. Sfala em pensamento sistmico e aprendizado organizacional. Corre o boato que vai ser aposentado porinvalidez.

    Fonte: Texto Adaptado do captulo: Antropofagia Organizacional e a difcil digesto de tecnologia gerencial importada. Toma