Administração colonial

Download Administração colonial

Post on 22-Dec-2014

653 views

Category:

Education

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

<ul><li> 1. Administrao Colonial </li></ul> <p> 2. A chegada dos portugueses ao territrio brasileiro, em 1500, no teve, inicialmente, a inteno de colonizar o territrio. Durante 30 anos, Portugal se limitou a explorar o pau-brasil, madeira com grande valor na Europa Para isso, o portugus utilizava-se do trabalho indgena cedido inicialmente de forma amigvel em troca de uma srie de objetos (escambo), como espelhos e tecidos. 3. Os ndios tinham por funo derrubar as arvores de pau-brasil e encaminha-las at as feitorias que funcionavam como armazns. Ocorre que vrios outros pases, como Inglaterra, Holanda e Frana, mandavam corsrios e expedies para se apropriar da valiosa madeira. Estes pases se sentiam prejudicados com o Tratado de Tordesilhas. 4. Gravura representando a prtica do escambo 5. Estes ataques motivaram o governo portugus a enviar expedies guarda- costas para proteger o litoral. Porm, estas expedies tiveram pouco resultado. Em 1530, o rei de Portugal organizou a primeira misso para colonizar o territrio. Comandada por Martin Afonso de Souza, o objetivo era povoar, expulsar os invasores e iniciar o cultivo de cana-de-acar no Brasil. 6. A partir da, Portugal iniciou a administrao de sua colnia. Esta administrao tomou forma atravs do sistema de Capitanias Hereditrias e Governo Geral. 7. Martim Afonso de Sousa 8. Capitanias Hereditrias 9. As capitanias hereditrias O sistema de capitanias hereditrias foi implantado no Brasil, pelo rei Dom Joo III, a partir de 1534. Consistiu na diviso do territrio em 15 lotes concedidos a 12 donatrios interessados em vir colonizar com os seus prprios recursos. Era organizado atravs de dois documentos: a carta de doao e o foral. O primeiro realizava, oficialmente, a doao do lote. O segundo determinava os direitos e deveres dos donatrios. 10. Dom Joo III 11. Dentre os direitos dos donatrios, estava a fundao de vilas, doao de sesmarias, escravizao de indgenas e livre explorao das minas (A relao do portugus com o ndio se altera aps a colonizao). Apesar das vantagens oferecidas aos donatrios, o sistema encontrou vrias dificuldades, como a falta de recursos, ataques estrangeiros, hostilidade dos indgenas e ausncia de um organismo centralizador. 12. Alm disso, muitos donatrios no vieram tomar posse das terras. Diante destas dificuldades, apenas duas capitanias conseguiram realizar o que a metrpole desejava: Pernambuco e So Vicente. 13. 01. (PUCCamp-SP) A soluo escolhida pelo governo portugus ao decidir-se pela colonizao do Brasil, para garantir tanto a posse das terras brasileiras contra a ameaa estrangeira quanto sua valorizao, foi: a) a proibio de que a criao de gado fosse feita no serto, fora da rea canavieira. b) a doao de sesmarias para a instalao de engenhos de produo aucareira. c) o bandeirismo de apresamento para ataque das misses jesuticas espanholas. d) o estabelecimento de feitorias no litoral e a realizao do escambo de pau-brasil. e) o estmulo emigrao de portugueses para a regio mineradora. 14. Governo Geral Com finalidade de superar as dificuldades das capitanias e centralizar a administrao da colnia, Dom Joo III criou, em 1548, o governo-geral. Esta centralizao foi necessria para impedir o abuso de poder por parte dos donatrios, combater a pirataria, deter a hostilidade dos indgenas e incentivar a economia. 15. O governador-geral administrava a colnia de acordo com um regimento e ordens vindas de Portugal. Os trs primeiros governadores-gerais foram Tom de Souza, Duarte da Costa e Mem de S. Alm do cargo de governador Geral, havia o cargo de provedor-mor, encarregado da administrao e arrecadao; ouvidor- mor, que cuidava das leis; e capito-mor- da-costa, responsvel pela defesa do litoral. 16. Tom de Souza 17. Este sistema durou at a vinda da famlia Real portuguesa, em 1808. Durante um bom tempo, a capital da colnia foi Salvador, na Bahia. Em 1763, a capital foi transferida para o Rio de Janeiro. 18. Salvador atual 19. 01.(UEL-PR) A centralizao poltico- administrativa do Brasil colnia foi concretizada com a a) criao do Estado do Brasil. b) instituio do governo-geral. c) transferncia da capital para o Rio de Janeiro. d) instalao do sistema das capitanias hereditrias. e) poltica de descaso do governo portugus pela atuao predatria dos bandeirantes 20. O papel da igreja na colonizao O catolicismo era a religio oficial do Imprio portugus no perodo da colonizao. Dessa forma, os sditos portugueses ( incluindo o ndio) deveriam ser catlicos ou estariam sujeitos a punies. Assim, a igreja catlica presente no perodo colonial possua dupla funo: 21. Auxiliar na expanso da f catlica abalada na Europa pelo protestantismo. Introduzir o indgena na f catlica auxiliando-o em sua adaptao ao trabalho escravo na colnia (principalmente no cultivo da cana de acar). 22. Alfabetizao 23. Inquisio no Brasil Apesar de oficial, o catolicismo nem sempre era seguido a risca no imprio portugus. Em muitos casos a populao optava por seguir outras religies surgidas do sincretismo do catolicismo com ritos religiosos indgenas e africanos como o candombl, a umbanda e a simpatia. 24. Terreiro de Candombl atual 25. Para combater essas prticas religiosas, os chamados crimes contra a igreja, a coroa portuguesa enviou para o Brasil representantes do Tribunal do Santo Ofcio (Inquisio). Muitos processos foram abertos pela inquisio no Brasil e as acusaes eram as mais variadas: praticar outra religio em segredo, blasfmia, feitiaria e at prticas sexuais indevidas. 26. Roda do despedaamento </p>