Adm.Fin. e Oramentria II 1 ORAMENTO EMPRESARIAL Prof. Leopoldino Vieira Neto http://www.leovine.com.br.

Download Adm.Fin. e Oramentria II 1 ORAMENTO EMPRESARIAL Prof. Leopoldino Vieira Neto http://www.leovine.com.br.

Post on 17-Apr-2015

104 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Adm.Fin. e Oramentria II 1 ORAMENTO EMPRESARIAL Prof. Leopoldino Vieira Neto http://www.leovine.com.br
  • Slide 2
  • Adm.Fin. e Oramentria II 2 FUNO ADMINISTRATIVA DA EMPRESA GESTO EMPRESARIAL PLANEJAMENTO COMANDO ORGANIZAO CONTROLE COORDENAO
  • Slide 3
  • Adm.Fin. e Oramentria II 3 A FUNO PLANEJAMENTO O planejamento consiste em estabelecer com antecedncia as aes a serem executadas dentro de cenrios e condies preestabelecidos, estimando os recursos a serem utilizados e atribuindo as responsabilidades, para atingir os objetivos fixados (HOJI, 2000, p. 359)
  • Slide 4
  • Adm.Fin. e Oramentria II 4 PLANEJAMENTO FINANCEIRO o processo de estimar a quantia necessria de financiamento para continuar as operaes de uma companhia e de decidir quando e como a necessidade de fundos seria financiada. (Groppelli & Nikbakht)
  • Slide 5
  • Adm.Fin. e Oramentria II 5 Finalidade do Planejamento Financeiro: Desenvolver processos, mecanismos e atitudes que tornem possvel: Avaliar as implicaes futuras de decises presentes, em funo dos objetivos da organizao; A tomada de decises no futuro, de modo mais rpido e eficiente.
  • Slide 6
  • Adm.Fin. e Oramentria II 6 Premissas para o Planejamento Financeiro Fixao de objetivos gerais da empresa (estratgicos). Determinao dos objetivos de cada setor da empresa, em funo dos objetivos gerais (ou estratgicos). Estabelecimento de um sistema de informaes, que permita avaliar a execuo dos planos em confronto com as previses.
  • Slide 7
  • Adm.Fin. e Oramentria II 7 NVEIS DE DECISO E TIPOS DE PLANEJAMENTO ESTRATGICO TTICO OPERACIONAL Decises Estratgicas Planejamento Estratgico Decises Tticas Planejamento Ttico Decises Operacionais Planejamento Operacional
  • Slide 8
  • Adm.Fin. e Oramentria II 8 EXEMPLOS DOS TIPOS DE PLANEJAMENTO NVELT I P O EstratgicoPLANEJAMENTO ESTRATGICO Ttico Planejamento De Mercado Planejamento Financeiro Planejamento De Produo Planejamento RH. Planejamento Organizac. Operacional Plano de lanamento de novos produtos Plano de promoo Plano de vendas Plano de Pesquisas de Mercado Plano de investimento em AP Plano de Fluxo de Caixa Demonstraes Contbeis Projetadas Plano de capacidade de produo Plano de controle da qualidade Plano de estoques Plano de utilizao da MOB. Plano de recrutamento e seleo Plano de treinamento Plano de cargos e sal. Plano de sucesses Plano de diretor de sistemas Plano de estrutura organizacional Plano de rotinas adm. Plano de informaes gerenciais
  • Slide 9
  • Adm.Fin. e Oramentria II 9 Planejamento Financeiro de Longo Prazo (Estratgico): Em geral, cobrem um perodo de 2 a 10 anos. Normalmente no so explcitos em nmeros. Planos financeiros integrados ao processo de produo e marketing para orientar a empresa a alcanar seus objetivos estratgicos. Empresas que esto sujeitas a elevados graus de incerteza operacional adotam horizontes mais curtos (risco operacional).
  • Slide 10
  • Adm.Fin. e Oramentria II 10 Planejamento Financeiro de Curto Prazo: Representa a expresso formal, em termos quantitativos, das metas empresariais para um perodo especfico (normalmente 1 ano). Na prtica o Oramento Empresarial, composto por: Oramento de Vendas Oramento de produo Oramento dos custos de produo Oramento das despesas operacionais Oramento de investimentos Oramento de caixa
  • Slide 11
  • Adm.Fin. e Oramentria II 11 Sistema Oramentrio (fonte: Sobanski, 1994, p.19)
  • Slide 12
  • Adm.Fin. e Oramentria II 12 SISTEMA ORAMENTRIO Definio de Moreira: conjunto de planos e polticas que, formalmente estabelecidos em valores financeiros, permite administrao conhecer os resultados operacionais da empresa e executar os acompanhamentos para que esses resultados sejam alcanados e os possveis desvios analisados, avaliados e corrigidos.
  • Slide 13
  • Adm.Fin. e Oramentria II 13 Vantagens do Sistema Oramentrio Introduz o hbito do exame prvio e minucioso de informaes antes da TD. Contribui para TD mais rpidas e acertadas (eficincia e efetividade). Estimula a participao de todos os membros da administrao na fixao dos objetivos. Exige quantificao das previses. Facilita a delegao de poderes. Exige informaes contbeis confiveis. Permite identificar reas eficientes e deficientes. Permite a utilizao eficaz dos recursos disponveis.
  • Slide 14
  • Adm.Fin. e Oramentria II 14 Limitaes do Sistema Oramentrio Baseia-se em estimativas. Deve ser continuamente monitorado e adaptado s circunstncias. Nem todas as empresas possuem recursos para implementar um sistema adequado. Atrasos na emisso dos dados comprometem as aes corretivas. As dificuldades de ajustes geram desconfianas em relao ao resultado projetado. apenas uma ferramenta de apoio a deciso, no podendo tomar o lugar da administrao.
  • Slide 15
  • Adm.Fin. e Oramentria II 15 FUNO CONTROLE Compreende a aferio do desempenho (em relao a um padro) e a correo dos desvios que assegure a consecuo de objetivos, de acordo com o plano da empresa.
  • Slide 16
  • Adm.Fin. e Oramentria II 16 ATIVIDADES DA FUNO CONTROLE Medir o realizado Comparar o realizado com o planejado Analisar os desvios significativos Adotar medidas corretivas Avaliar a efetividade das providncias tomadas Registrar essas informaes, para aperfeioar o processo de planejamento.
  • Slide 17
  • Adm.Fin. e Oramentria II 17 SISTEMA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE PLANO ESTRATGICO PLANO OPERACIONAL ORAMENTO EXECUO RESULTADOS OBTIDOS ANLISE DOS DESVIOS MEDIDAS CORRETIVAS Componentes Fsicos Componentes Financeiros PLANEJAMENTO CONTROLE
  • Slide 18
  • Adm.Fin. e Oramentria II 18 Princpios Fundamentais do Planejamento e Controle Oramentrio Envolvimento administrativo. Adaptao organizacional. Orientao para objetivos. Comunicao integral. Expectativas realistas. Contabilidade por reas de responsabilidade. Oportunidade. Aplicao flexvel. Reconhecimento do esforo individual e do grupo. Acompanhamento. Oramento
  • Slide 19
  • Adm.Fin. e Oramentria II 19 Para Prever necessrio dados... Dados externos: referem-se economia Crescimento da populao Comportamento do PIB (crescimento ou retrao), Polticas econmicas Comrcio com exterior Mercado concorrente (produtos substitutos) Mercado consumidor Dados internos: referem-se empresa Informaes contbeis Estatsticas internas Capacidade produtiva e produtividade Polticas de preos Perspectivas de investimentos internos
  • Slide 20
  • Adm.Fin. e Oramentria II 20 Os dados internos e externos... Inseridos em modelos e tcnicas de previso proporcionam a possibilidade de previso das vendas, da receita e da produo. A partir do nvel de produo, estima-se os recursos necessrios (gastos despesas, custos, investimentos, desembolsos). Ento pode-se projetar a variao do patrimnio da empresa.
  • Slide 21
  • Adm.Fin. e Oramentria II 21 GASTOS ENVOLVIDOS (recursos) Esquema DADOS EXTERNOS DADOS INTERNOS NVEL DE PRODUO PREVISO DE VENDAS MUTAO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO PATRIM. LQUIDO TCNICAS DE PREVISO Quantitativas Qualitativas
  • Slide 22
  • Adm.Fin. e Oramentria II 22 ALGUMAS TCNICAS DE PREVISO ORAMENTRIA Quantitativas Mdia simples Mdia mvel (com ajuste de TxCxS) Regresso linear Qualitativas Pesquisa de Mercado Projeo de cenrios Painel de consenso Brainstorming Analogia Teoria da catstrofe * Leia o Texto sobre Tcnicas de Previso Apndice C Autor: Sobanski, 1994.
  • Slide 23
  • Adm.Fin. e Oramentria II 23 Exemplo da Tcnica de Regresso Linear TAREFA: a partir de uma srie temporal aleatria, de no mnimo 10 dados, desenhe a linha de tendncia e a frmula da reta de tendncia. Utilize uma planilha eletrnica.
  • Slide 24
  • Adm.Fin. e Oramentria II 24 ORAMENTO DE VENDAS normalmente pelo oramento de vendas que se inicia a elaborao do Oramento.
  • Slide 25
  • Adm.Fin. e Oramentria II 25 Condicionantes Bsicos do Oramento de Vendas Variveis do mercado consumidor Variveis de produo Variveis de mercado fornecedor Variveis de trabalho Variveis de recursos financeiro RESTRIES INTERNAS E EXTERNAS. OBJETIVOS DE MKT CONVERGEM AOS OBJ. GERAIS DA EMPRESA POLTICAS DE MKT Preo Produto Promoo Pontos de Distribuio
  • Slide 26
  • Adm.Fin. e Oramentria II 26 Restries no Oramento de Vendas Restries Internas Capacidade produtiva insuficiente Estrutura adm.inadequada Pessoal interno inabilitado Insuficincia de capital de giro Restries Externas Poltica de comrcio exterior desfavorvel Poltica monetria (crdito e taxa de juros) desfavorvel Mercado fornecedor precrio Restrio de mo-de- obra externa
  • Slide 27
  • Adm.Fin. e Oramentria II 27 Pesquisa com 389 empresas revela os mtodos e tcnicas de Previso de Vendas mais utilizados na prtica (Fonte: Welsch, 1996, p. 112-113)
  • Slide 28
  • Adm.Fin. e Oramentria II 28 Tcnicas de Previso de Vendas utilizados
  • Slide 29
  • Adm.Fin. e Oramentria II 29 Mtodos e Tcnicas de Previso de Vendas mais utilizados
  • Slide 30
  • Adm.Fin. e Oramentria II 30 Oramento de Produo Depois que sabemos quanto nossa estimativa de venda, poderemos calcular quanto deveremos produzir.
  • Slide 31
  • Adm.Fin. e Oramentria II 31 Fluxo de Vendas, Produo e Estoque (fonte: Sobanski, 1994, p. 30) SENTIDO DOS INSUMOS SUB-SISTEMA
  • Slide 32
  • Adm.Fin. e Oramentria II 32 Tipos de Processos Produtitivos: Produo constante: - Maior custo de estocagem; - Pouca flexibilidade em vendas; - Otimizao dos ativos fixos; - Minimizao do o regime extraordinrio de trabalho; - Gesto facilitada do fluxo de materiais. Produo varivel: - Maior custo de manuteno dos equipamentos; - Maior custo da mo-de-obra; - Adm. de materiais complexa; - Nveis de estoque menores. Baixo custo - de estocagem. - Flexibilidade de vendas.
  • Slide 33
  • Adm.Fin. e Oramentria II 33 O Plano de Produo requer o conhecimento: Do Plano de Vendas Das caractersticas de armazenamento dos materiais Da Economia de escala do processo Da capacidade tima e mxima de produo Da durao e etapas do processo produtivo Dos Lotes econmicos de produo Da utilizao da MOB direta
  • Slide 34
  • Adm.Fin. e Oramentria II 34 ORAMENTO DOS CUSTOS DE PRODUO
  • Slide 35
  • Adm.Fin. e Oramentria II 35 Oramento de Matrias-Primas e Compras MP so bens adquiridos que, no processo industrial, por transformao ou por montagem, integram-se nos produtos acabados. Custos relacionados MP: Custo do Material adquirido Despesas relativas ao processo de compra Despesas relativas manuteno dos estoques Despesas decorrentes da falta de estoques
  • Slide 36
  • Adm.Fin. e Oramentria II 36 Etapas para o Clculo do Custo das MP Obter a quantidade de produtos a fabricar no perodo a orar; Multiplic-la pela quantidade padro de consumo de MP por unidade de produto, obtendo a quantidade total de MP a consumir; Multiblicar o resultado pelo custo mdio unitrio previsto para o perodo, obtendo o custo total da MP consumida.
  • Slide 37
  • Adm.Fin. e Oramentria II 37 Oramento de Compra da MP A compra da MP depende da quantidade de Estoque Inicial que se tem no perodo a orar e a quantidade de Estoque Final que se pretende deixar ao final do perodo a orar. Obedece a frmula bsica do Estoque: EF = EI + Entradas Sadas Compras = EF EI + Sadas p/ Produo
  • Slide 38
  • Adm.Fin. e Oramentria II 38 Oramento de Mo-de-Obra Direta (MOD) Compem MOD todos os trabalhadores relacionados na atividade fim da empresa. Numa indstria, inclui os supervisores dos operrios, o pessoal do almoxarifado, da manuteno, e do planejamento e controle da produo. Normalmente considerado um custo varivel, dada a alta correlao entre o tempo de MOD e o volume de produo.
  • Slide 39
  • Adm.Fin. e Oramentria II 39 Clculo do Custo da MOD Remunerao Lquida da MOD: Horas de MOD X Salrio/Hora Custo Total da MOD: Remunerao Lquida + Encargos + DSR Encargos: INSS, FGTS, 1/3 Frias, 13 Sal., seguros, planos de sade, subsdios de refeio etc. DSR = Descanso Semanal Remunerado
  • Slide 40
  • Adm.Fin. e Oramentria II 40 Oramentos das Despesas do Edifcil Despesas do Edifcio so normalmente consideradas como Custos Indiretos de Fabricao (CIF) e/ou despesas administrativas. So normalmente FIXOS. Exemplos: Salrios e encargos das chefias Depreciaes Ar condicionado, gua e esgoto Despesas de conservao predial (zeladoria)
  • Slide 41
  • Adm.Fin. e Oramentria II 41 Oramento dos CIF Custos indiretos so aqueles que no podem ser classificados como mo-de-obra direta ou matria prima (ou seja, no tm relao direta com o nvel de produo). Podem ser FIXOS, VARIVEIS OU SEMIVARIVEIS. Exemplos: Mo-de-obra indiretanormalmente FIXO Materiais indiretosnormalmente VARIVEL Manutenonormalmente SEMIVARIVEL Energia eltricanormalmente SEMIVARIVEL Depreciaonormalmente FIXO Segurosnormalmente FIXO
  • Slide 42
  • Adm.Fin. e Oramentria II 42 Oramento das Despesas Administrativas e Comerciais Despesas so sacrifcios financeiros (das reas administrativa e comercial) para obteno de receita. Tambm podem ser FIXAS, VARIVEIS OU SEMIVARIVEIS. Exemplos: Despesas de Marketingnormalmente FIXO Salrios/encargos Adm. e de vendasFIXO e SEMIVARIVEL Telefone e comunicaonormalmente FIXO Depreciaonormalmente FIXO Material de expedienteSEMIVARIVEL TransporteSEMIVARIVEL
  • Slide 43
  • Adm.Fin. e Oramentria II 43 Oramento de Caixa e Disponibilidades A projeo do Fluxo de Caixa uma atividade indispensvel para a grande maioria das instituies. A projeo do Fluxo de Caixa permite: Visualizar a provvel posio financeira da empresa e as possveis insuficincias ou excessos de caixa. Avaliar com antecedncia alternativas de soluo para insuficincias de caixa Identificar a melhor opo de aplicao de recursos excedentes. Embasar a poltica de pagamentos e recebimentos da empresa.
  • Slide 44
  • Adm.Fin. e Oramentria II 44 Mtodos para o Oramento do Fluxo de Caixa Mtodo dos recebimentos e pagamentos. o mtodo mais detalhado, recomendado para projees de curto prazo. Baseia-se nos oramentos parciais, ajustado s datas em que as transaes se convertero em dinheiro (caixa). Mtodo do resultado ajustado Recomendado para projees superiores a um ano. Parte-se do resultado lquido projetado (lucro lquido) ajustando- o por despesas e custos que no representam desembolso (depreciao) e por desembolsos ou ingressos que no so registrados no resultado econmico (DRE).
  • Slide 45
  • Adm.Fin. e Oramentria II 45 Mtodo Recebimentos e Pagamentos DEMONSTRAO DO FLUXO DE CAIXA - CIA. PRESTADORA DE SERVIOS DE LIMPEZA LTDA. CONTASAgostoSetembroOutubroNovembroDezembro Saldo Inicial - 6.250,00 - 4.580,00 10.580,00 Fluxo Operacional 2.200,00 (3.580,00) 4.580,00 6.000,00 3.100,00 Entradas: 4.000,00 3.620,00 13.180,00 14.000,00 13.300,00 Vendas a vista 4.000,00 - 4.800,00 10.000,00 Vendas a prazo - 3.620,00 8.380,00 4.000,00 3.300,00 Sadas: 1.800,00 7.200,00 8.600,00 8.000,00 10.200,00 Salrios operacionais (limpeza) 1.800,00 4.200,00 6.100,00 1.700,00 6.000,00 Salrios Adm. - 1.400,00 2.500,00 2.000,00 Materiais de limpeza - - - 3.000,00 2.000,00 Materiais de expediente - 1.600,00 - 800,00 200,00 Fluxo No operacional 4.050,00 (2.670,00) - - (560,00) (+) Integralizao de Capital 4.500,00 - - - - (-) Compra de mquina limpeza 450,00 50,00 - - - (-) Dividendos - 2.620,00 - - 560,00 Saldo Final de Caixa 6.250,00 - 4.580,00 10.580,00 13.120,00
  • Slide 46
  • Adm.Fin. e Oramentria II 46 Mtodo do Resultado Ajustado 1. Saldo Inicial das Disponibilidades (CX/BCOS) 2. Lucro (Resultado) Lquido Projetado 3. Adies ao Lucro Lquido Depreciao Venda de ativos permanentes Reduo de devedores Reduo de estoques Aumento de credores Aumento de capital Sub-total: 4. Dedues do Lucro Lquido Pagamentos antecipados Compra de ativos permanentes Aumento de devedores Aumento de estoques Reduo de credores Dividendos pagos Sub-total: 5. Saldo Final das Disponibilidades (1+2+3-4)
  • Slide 47
  • Adm.Fin. e Oramentria II 47 ORAMENTO PBLICO
  • Slide 48
  • Adm.Fin. e Oramentria II 48 Setor Privado X Setor Pblico A distino bsica entre o setor privado e o setor pblico que: Na empresa privada, a administrao pode agir como bem entender, desde que no infrinja leis. Na entidade pblica, a administrao somente poder agir mediante lei que autorize a ao.
  • Slide 49
  • Adm.Fin. e Oramentria II 49 O que Oramento Pblico? uma lei que exprime em termos financeiros a alocao dos recursos pblicos. Esta lei autoriza a aplicao do dinheiro pblico. Nesta lei, so estimadas as receitas e fixadas as despesas para o perodo seguinte. um instrumento de planejamento do Estado, que espelha decises polticas e estabelece aes prioritrias, em face a escassez dos recursos pblicos.
  • Slide 50
  • Adm.Fin. e Oramentria II 50 O Oramento Pblico obedece: Constituio Federal de 1988 Captulo II Das Finanas Pblicas Seo II Dos Oramentos Artigos 165, 166, 167, 168 e 169 Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecero: I o plano plurianual II as diretrizes oramentrias III os oramentos anuais Lei 4.320 de 17/03/1964 Art. 1. Esta lei estatui normas gerais de direito financeiro para elaborao e controle dos oramentos e balanos da Unio, dos Estados, dos Municpios e do Distrito Federal, de acordo com o disposto no art. 5, inciso XV, letra b, da Constituio Federal.
  • Slide 51
  • Adm.Fin. e Oramentria II 51 Lei 4.320/64 Ttulo I DA LEI DO ORAMENTO Captulo II Disposies Gerais Art. 2 A Lei de Oramento conter a discriminao da receita e despesa, de forma a evidenciar a poltica econmico-financeira e o programa de trabalho do Governo, obedecidos os princpios de unidade, universalidade e anualidade. 1 Integraro a Lei do Oramento: I sumrio geral da receita por fontes e da despesa por funes do governo; II quadro demonstrativo da receita e despesa segundo as categorias econmicas na forma do Anexo n. 1; III quadro discriminativo da receita por fontes e respectiva legislao; IV quadro das dotaes por rgos do Governo e da administrao. 2 Acompanharo a Lei do Oramento: I quadros demonstrativos da receita e planos de aplicao dos fundos especiais; II quadros demonstrativos da despesa, na forma dos Anexos n. 6 a 9; III quadro demonstrativo do programa anual de trabalho do Governo, em termos de realizao de obras e de prestao de servios.
  • Slide 52
  • Adm.Fin. e Oramentria II 52 Princpios do Oramento Pblico Princpio da Unidade Cada entidade de direito pblico deve possuir apenas um oramento. Princpio da Universalidade Deve incorporar TODAS as receitas e despesas. Princpio da Anualidade (ou Periodicidade) Estabelece um perodo limitado para as estimativas de receitas e fixao de despesas.
  • Slide 53
  • Adm.Fin. e Oramentria II 53 Planejamento Pblico Lei do Plano Plurianual (PPA) No PPA so estabelecidos os grandes objetivos e metas do governo, especialmente no que tange as despesas de capital e outras delas decorrentes para programas de durao continuada. Vigncia: 4 anos. Lei de Diretrizes Oramentrias (LDO) Esta lei prioriza as metas definidas no PPA e orienta a Lei do Oramento. Vigncia: 1 ano. Lei Oramentria Anual (LOA) A LOA a lei que autoriza a aplicao dos recursos pblicos nos itens de despesas previamente orados. Ela definida com base na LDO, que por sua vez decorre do PPA. Vigncia: 1 ano.
  • Slide 54
  • Adm.Fin. e Oramentria II 54 CICLO ORAMENTRIO Incio de MANDATO 1 ano Fim de MANDATO 2 ano3 ano PPA (gesto passada) PPA (gesto atual): Grandes obejetivos e metas do governo. LDO: Prioriza as aes do executivo. Indica as despesas de capital e orienta a LOA. LOA: Esta a lei do Oramento propriamente. A LOA autoriza a execuo das despesas.
  • Slide 55
  • Adm.Fin. e Oramentria II 55 Classificaes Oramentrias As classificaes oramentrias so necessrias e importantes para: padronizar informaes facilitar formulao de programas de governo determinar responsabilidades pela gesto do dinheiro pblico possibilitar anlise de efeitos econmicos nas atividades governamentais Classificaes mais importantes: Classificao por Categoria Econmica Classificao Funcional Programtica
  • Slide 56
  • Adm.Fin. e Oramentria II 56 Classificao por Categoria Econmica RECEITAS CORRENTESDESPESAS CORRENTES Receita Tributria Impostos Taxas Contribuies de Melhoria Receita de Contribuies Receita Agropecuria Receita Industrial Receita de Servios Transferncias Correntes Outras Receitas Correntes Pessoal e Encargos Vencimentos / Vantagens / Dirias Inativos / Pensionistas / S.Famlia Outros Benefcios Assistenciais Juros e Encargos da Dvida Juros sobre a Dvida Outros Encargos Financeiros Outras Despesas Correntes Material de Consumo Servios de Consultoria Outros Servios de Terceiros RECEITAS DE CAPITALDESPESAS DE CAPITAL Operaes de Crditos Alienao de Bens Amortizao de Emprstimos Transferncias de Capitais Outras Receitas de Capital Investimentos Obras / Material Permanente Inverses Financeiras Aquisio de Imveis Amortizao da Dvida Pagamento de Dvidas
  • Slide 57
  • Adm.Fin. e Oramentria II 57 Classificao Funcional Programtica Esta classificao permite a vinculao das dotaes oramentrias aos objetivos de governo. As funes de governo so desdobradas em programas, organicamente articulados com outras funes de governo, que, atravs de projetos e/ou atividades, visam alcanar os grandes objetivos do governo. Em resumo: Funes: so as reas de atuao do Governo. Programas e Subprogramas: so meios e instrumentos de aes para o cumprimento das funes de governo. Projetos e Atividades: so as aes que viabilizam os objetivos Projetos operaes limitadas no tempo (ex. construo de ponte) Atividades operaes contnuas e permanentes (ex. pessoal)
  • Slide 58
  • Adm.Fin. e Oramentria II 58 Funes de Governo 01 Legislativa 02 Judiciria 03 Essencial Justia 04 Administrao 05 Defesa Nacional 06 Segurana Pblica 07 Relaes Exteriores 08 Assistncia Social 09 Previdncia Social 10 Sade 11 Trabalho 12 Educao 13 Cultura 14 Direitos da Cidadania 15 Urbanismo 16 Habitao 17 Saneamento 18 Gesto Ambiental 19 Cincia e Tecnologia 20 Agricultura 21 Organizao Agrria 22 Indstria 23 Comrcio e Servios 24 Comunicaes 25 Energia 26 Transporte 27 Desporto e Lazer 28 Encargos Especiais
  • Slide 59
  • Adm.Fin. e Oramentria II 59 Exemplo da Classificao Funcional Programtica FUNOPROGRAMASSUBPROGRAMASPROJETO ATIVIDADE SANEAMENTO Saneamento Bsico Rural Saneamento Bsico Urbano Abastecimento de gua Sistema de Esgoto Saneamento Geral Projeto: Construo da estao de tratamento de esgoto em Fpolis Atividade: Pessoal da CASAN envolvido na obra

Recommended

View more >