adaptações curriculares para pedagogos adaptações ... ?· língua portuguesa e de matemática....

Download Adaptações Curriculares para Pedagogos Adaptações ... ?· Língua Portuguesa e de Matemática. No…

Post on 10-Feb-2019

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

MATERIAL DIDTICO

CADERNO TEMTICO

PRTICAS PEDAGGICAS NA ESCOLA INCLUSIVA

Unidade 1 Adaptaes Curriculares para Pedagogos

Unidade 2 Adaptaes Curriculares para Professores de Lngua

Portuguesa

Unidade 3 Adaptaes Curriculares para Professores de

Matemtica

AUTORAS:

MARINES DALBOSCO

SUZANA APARECIDA PEREIRA

IZAURA MARIA CEOLATO

ORIENTADORA: PROF DR MARGARETTE MATESCO ROCHA

IES: UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARAN - UNIOESTE

TURMA PDE 2016

REA: EDUCAO ESPECIAL

ORGANIZAO DO CADERNO TEMTICO

Apresentao

Fundamentao terica

UNIDADE 1 Adaptaes Curriculares para Pedagogos

Ficha para Identificao

Apresentao da Unidade

Proposta

Interveno: descrio dos encontros

Referncias

Anexo I - Questionrio

Anexo II Questionrio

UNIDADE 2 - Adaptaes Curriculares para Professores de

Portugus

Ficha para Identificao

Apresentao da Unidade

Proposta

Interveno: descrio dos encontros

Referncias

Anexo I - Questionrio

Anexo II Questionrio

UNIDADE 3 Adaptaes Curriculares para Professores de

Matemtica

Ficha para Identificao

Apresentao da Unidade

Proposta

Interveno: descrio dos encontros

Referncias

Anexo I Questionrio

Anexo II Questionrio

Referncias bibliogrficas gerais

APRESENTAO

A Educao Inclusiva significou uma mudana profunda para crianas

pblico-alvo da Educao Especial que passaram a ter o direito reconhecido e

a oportunidade de frequentar as escolas comuns. Essa nova perspectiva

tambm imps s escolas uma nova realidade, com desafios para todos os

envolvidos no processo educacional.

A superao desses desafios demanda novos e inmeros investimentos

em muitos aspectos, dentre eles a formao dos professores e a busca de

alternativas para viabilizar o processo de incluso. Uma possibilidade a

formao de professores, com fundamentao terica e prtica, para a

realizao de adaptao curricular destinadas aos alunos pblico-alvo da

Educao Especial inclusos na escola comum.

O material apresentado contm diretrizes para a conduo de

programas de formao sobre adaptao curricular, com o objetivo primordial

de oferecer formao sobre essa temtica para Pedagogos, professores de

Lngua Portuguesa e de Matemtica. No caso da formao dos pedagogos, a

proposta apresenta orientaes bsicas para adaptaes curriculares, a serem

realizadas para alunos com Deficincia Intelectual, Dislexia, Transtorno do

Dficit de Ateno e Hiperatividade (TDAH) e Transtorno do Espectro Autista

(TEA). As propostas para a formao de professores, que discute e exemplifica

as adaptaes curriculares para as referidas disciplinas, foram direcionadas

para alunos com deficincia intelectual.

A expectativa promover uma formao que possibilite aos professores

e pedagogos a reflexo e a busca de alternativas referentes s adaptaes

curriculares, diminuindo as inseguranas dos mesmos para trabalharem de

forma inclusiva com os alunos que apresentam algum tipo de deficincia,

transtorno ou dificuldade de aprendizagem.

O professor do atendimento educacional especializado (AEE) e o

professor da sala comum ou o pedagogo devem ser parceiros no processo de

incluso, utilizando seus conhecimentos para enriquecer os ambientes de

aprendizagem e auxiliar o aluno no processo de construo do seu

conhecimento. Isso confere importncia proposta aqui apresentada pelas

professoras PDE que atuam no AEE.

A primeira parte desse material composta pela fundamentao terica,

preparada em conjunto pelas trs professoras do PDE. A partir da cada

professora ficou responsvel pela elaborao de uma unidade e o conjunto de

atividades que compe cada unidade. Ao todo, o Caderno Temtico apresenta

trs unidades, a saber: 1) Adaptaes Curriculares para Pedagogos, escrito

pela professora Marines Dalbosco; 2) Adaptaes Curriculares para

professores de Lngua Portuguesa, escrito pela professora Suzana Aparecida

Pereira e 3) Adaptaes Curriculares para professores de Matemtica, escrito

pela professora Izaura Maria Ceolato.

O objetivo do trabalho apresentado pela professora PDE Marines

Dalbosco, ser desenvolver um estudo para capacitar Pedagogos a orientarem

os professores, que atendem alunos com necessidades educacionais

especiais, com relao flexibilizao e adaptao curricular. A professora

apresenta nesse material a descrio dos encontros que permitir aos

pedagogos a compreenso e a reflexo do seu papel enquanto rede de apoio

para o processo de incluso.

A unidade da professora PDE Suzana Aparecida Pereira compreende

uma breve considerao sobre a Lngua Portuguesa e a sua importncia como

aporte inicial de todo o processo de desenvolvimento do ser humano. O

objetivo capacitar professores de Lngua Portuguesa do ensino comum (6

ano) sobre os conceitos e propostas da adaptao e flexibilizao curricular

para alunos com deficincia intelectual. A professora apresenta orientaes

como realizar as adaptaes curriculares nos objetivos, contedos,

metodologias, avaliao e temporalidade a partir do contedo denominado

gneros textuais.

A professora PDE Izaura Maria Ceolato, responsvel pela unidade

destinada aos professores de Matemtica, apresenta, inicialmente,

consideraes a respeito do ensino de Matemtica. O objetivo do material

didtico-pedaggico analisar os efeitos de um programa para realizao de

adaptaes curriculares a ser ofertado para professores de Matemtica que

tenham alunos com deficincia intelectual. Os encontros foram organizados a

partir de quatro contedos de matemtica Nmerospositivos e Negativos,

adio e subtrao de frao, razo e proporo,com os quais a professora

construir, juntamente com os professores, as adaptaes curriculares nos

objetivos, contedos, metodologias, avaliao e temporalidade para cada

contedo.

O leitor perceber que todas as unidades iniciam com encontros que

retratam a histria da Educao Especial, o conceito de adaptaes

curriculares e a caracterizao da populao-alvo para os quais sero

direcionadas as adaptaes, incluindo algumas atividades semelhantes. Essa

estrutura foi definida por entender que so aspectos fundamentais para a

formao de professores e que constituem os eixos de ligao das unidades

que possibilitaram a proposio do Caderno Temtico.

Esperamos que esse material didtico-pedaggico venha enriquecer e

trazer novos horizontes para professores e pedagogos sobre as adaptaes

curriculares e, com isso, contribuir para o processo de incluso de todas as

crianas que frequentam nossas escolas, sem distino.

Margarette Matesco Rocha

FUNDAMENTAO TERICA

A histria da Educao Especial no Brasil passou por diferentes

perodos, caracterizados por concepes, servios e atendimentos

diferenciados. Aps o perodo de excluso das pessoas com deficincia, um

novo perodo no Brasil, denominado segregao, foi marcado pelo atendimento

clnico especializado e fundao de instituies tradicionais de assistncia s

pessoas com deficincias mental, fsica e sensorial, seguindo exemplo e

pioneirismo do Instituto dos Meninos Cegos, fundado na cidade do Rio de

Janeiro, em 1854. Esse foi um marco para a estruturao da histria da

educao especial no Brasil que se estendeu at a dcada de 50, com

modelos que primavam pelo assistencialismo, segregao e segmentao das

deficincias, com a viso de uma formao escolar e vida social isolada da

sociedade.

Em 1961 foi promulgada a LDB 4.024/61, que garantia o direito da

criana com deficincia Educao, de preferncia no sistema geral de

educao. Considerada o marco inicial das aes oficiais do poder pblico na

rea de educao especial que antes se restringiam a iniciativas regionalizadas

e isoladas no contexto da poltica educacional (MENDES, 2010).

A dcada de 70 foi caracterizada como um perodo que visava a

integrao, com o princpio de normatizao, ou seja, um processo que visava

a integrar o aluno escola, gerando meios para que o aluno com necessidades

especiais se integre graas ao atendimento que lhe oferecido; nesse modelo,

ao invs de a escola ter que se adequar ao aluno, o aluno que deve se

adequar-se escola (BERNARDES, 2010). Em outras palavras, este modelo

visava a preparao dos alunos oriundos das classes e escolas especiais para

serem integrados em salas regulares, recebendo, de acordo com suas

necessidades, atendimento paralelo em salas de recursos ou outras

modalidades especializadas (GLAT; FERNANDES, 2005).

Constituio Federal de 1988, conhecida como a Constituio Cidad,

afirmou o direito de todos escola e orientou o atendimento educacional

especializado como forma de garantir a permanncia na escola. A Constituio

Federal de 1988 traz como um dos seus objetivos fundamentais promover o

bem de todos sem preconceitos de origem, raa, cor, idade e quais