acidente rodoviÁrio

Download ACIDENTE RODOVIÁRIO

Post on 13-Jan-2016

26 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

ACIDENTE RODOVIÁRIO. Ocorrência fortuita ou não, em decorrência do envolvimento em proporções variáveis do homem, do veículo, e da via e demais elementos circunstanciais, da qual tenha resultado danos humanos, materiais, e ao meio ambiente. - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

  • ACIDENTE RODOVIRIOOcorrncia fortuita ou no, em decorrncia do envolvimento em propores variveis do homem, do veculo, e da via e demais elementos circunstanciais, da qual tenha resultado danos humanos, materiais, e ao meio ambiente.(Anurio Estatstico de Acidentes de Trnsito, DEST/Dr.T DNER)

    *

  • PARTICIPAO NOS ACIDENTES*

    Fator ResponsvelGEIPOTGBUSAScaringellaSo Paulo19812002 Apenas Humano53,60% Humano+Via28,50% Humano+Veculo9,90% Humano+Veculo+Via4,70% Veculo+Via0,70% Veculo2,60%8%12%51% Humano96,70%95%94%100% Via28%34%48%

  • EVOLUO DA FROTA NACIONALANO VECULOS1960 508.6081969 2.227.8261979 9.179.6551989 17.450. 3101998 32. 309.8452005 42.071.961Fonte:DENATRAN*

  • MALHA RODOVIRIAAnos oitenta e noventa, pases em desenvolvimento no foram capazes de ampliar ou sequer de manter suas malhas rodovirias.

    O Banco Mundial estima que uma melhor infra-estrutura significaria uma maior crescimento econmico, ou seja, um aumento de 1,4 a 1,8% na taxa anual do PNB.

    Grandes custos sociais e nveis inaceitveis de servio, refletidos nos custos operacionais dos veculos de carga, na maior durao das viagens,e no comprometimento da SEGURANA VIRIA.*

  • ConseqnciasACIDENTES DE TRNSITOUM MILHO DE MORTOS, 50 MILHES DE FERIDOS, 15 MILHES DE ACIDENTES ANUAIS COM VTIMAS80% DE MORTOS EM REGIES DA FRICA, SIA, AMRICA LATINA, E ORIENTE MDIO, 40% S NA SIA PACFICOTERCEIRA CAUSA DE MORTES PREMATURAS, SEGUNDA CAUSA, EM 2002, DE ANOS PERDIDOS DE VIDA, 10% DO TOTAL DE MORTES DOS PASES DO TERCEIRO MUNDO70 MILHES DE DIRIAS HOSPITALARES AO ANO, 25% DOS LEITOS DISPONVEIS.Fonte: AIPCR/ PIARC/ Associao Mundial de Estradas (2002)*

  • Custos dos Acidentes Nas Rodovias Federais BRASIL- 2004*

    CustoCMCFSVGERAL Por Gravidade (R$/US$)1.606.816.358528.558.0132.883.893.820948.649.283359.611.018118.293.0984.850.321.1961.595.500.393Nmero de Acidentes (estimado)4.28731.76858.11194.166 Por acidente (R$/US$)374.811123.29390.78029.8616.1882.03551.50816.943

  • CUSTO POR CLASSE DE RODOVIA - REGIO SUL - 2004Custos dos Acidentes Nas Rodovias Federais *

  • ACIDENTES DE TRNSITOCUSTO GLOBAL DE US$ 70 BILHES ANUAIS - MAIS DO QUE TODAS AS FONTES BILATERAIS E MULTILATERAIS DE AJUDA PARA REGIES EMERGENTES;

    EQUIVALE A 1% DO PNB PARA PASES DESENVOLVIDOS E 1,5% DO PIB PARA PASES EMERGENTES.Fonte: AIPCR/ PIARC/ Associao Mundial de Estradas (2002)*

  • MORTES DE TRNSITOENTRE 1980 E 1995, O NMERO DE MORTES EM ACIDENTES AUMENTOU EM MDIA:

    70% NA SIA 40% NA AMRICA LATINA / CARIBE 25% NA FRICA SUBSAHARIANA 20% NO ORIENTE MDIO

    ESTE NMERO DIMINUIU DE 20% EM PASES ALTAMENTE MOTORIZADOS NO MESMO PERODO, DEMONSTRANDO A VANTAGEM DE INVESTIMENTOS SUSTENTADOS E COM METAS DEFINIDAS EM PROGRAMAS DE SEGURANA DE TRNSITO.

    Fonte: AIPCR/ PIARC/ Associao Mundial de Estradas (2002)

    *

  • DIAGNSTICO DO BANCO MUNDIALAcidentes de trnsito podem ser evitados com um melhor planejamento e com um projeto da malha rodoviria mais atento segurana. *

  • Salvando VidasOs trs Es da segurana de trnsito:*

    Engenharia

    Educao

    Esforo Legal

  • Engenharia*

    Segmentos Crticos

    Sinalizao

    Sistemas Inteligentes (Arquiteturas)

  • Sala de Aula

    Mdia

    Comandos Educativos

    Educao*

  • DIAGNSTICOO ensino s crianas de prticas de segurana oferece sociedade benefcios vitalcios, mas deve ser encarado como uma estratgia intervencionista de longo prazo.

    O exame de motorista, nas economias em transio, muitas vezes ministrado por pessoas sem treinamento especializado e o exame em si no serve para medir adequadamente a capacidade de dirigir com segurana no trfego de uma via real.*

  • Multas

    Apreenso do Veculo

    Cassao da CarteiraEsforo Legal*

  • DIAGNSTICO Na maioria dos pases em desenvolvimento, a polcia sofre com a falta de recursos e com uma capacitao deficiente para lidar de forma eficaz com as violaes das normas de segurana viria.

    importante educar o motorista em termos de prticas de primeiros socorros e do transporte de vtimas de acidentes de trnsito.

    *

  • Racionalizando as Aes de Segurana*

  • DIAGNSTICOInformao fundamental para toda ao de segurana rodoviria, essencial para o diagnstico do problema de acidentes na rodovia e para a monitorao dos trabalhos em segurana rodoviria.

    Duas fontes promissoras para o financiamento da segurana rodoviria so tributos (taxas) de segurana rodoviria em prmios de seguro, o que amplia o foco da indenizao at a preveno, e fundos rodovirios geralmente baseados em impostos sobre combustvel.*

  • AGENTES PBLICOS E PRIVADOS(PPPs)

    USO PBLICO DE INFORMAES AGENTES PBLICOS

    - Departamentos de Transporte e deTrnsito- Polcias Rodovirias - Autoridades de Educao e Sade- rgos de Meio Ambiente- Defesa Civil - Fornecedores de Servios Pblicos e de Recursos de Emergncia USURIOS INDIVIDUAISCidados Comuns Consultores- Pesquisa Acadmica Meios de Comunicao EMPRESAS- Transportadoras SeguradorasFabricantes de veculos e de componentesFornecedores de Material Virio ASSOCIAES NACIONAIS- Fabricantes de veculos e de CarroceriasTransporte PblicoTransporte de CargaJornais, Emissoras de Rdio e de TelevisoTransportes Rodovirios AutnomosEmpresas de SeguroNormas TcnicasMedicina de Trnsito INSTITUIES FEDERAIS Congresso Nacional Ministrios (Transportes, Justia, Educao, Sade, Previdncia) DNIT DPRF, ANTT, DENATRAN *

  • ESTUDOS E PESQUISAS

    Pesquisa e desenvolvimento so partes importantes do trabalho de segurana e devem ser incorporados aos programas de segurana rodoviria.

    DIAGNSTICO*

  • PESQUISA MDICO-HOSPITALAR*

    Gravidade ConstatadaDiscriminaoIlesosLevesModeradosGravesbitos na RemooTotal34567N de Vtimas14050816912638162017241058%13,2481611,93,61,51,91,62,3100

    Chart1

    13.2481611.93.61.51.91.62.3

    Ilesos

    Leves

    Moderados

    Grave 3

    Grave 4

    Grave 5

    Grave 6

    Grave 7

    bitos na Remoo

  • PESQUISA MDICO-HOSPITALAR*

    Distribuio Percentual das reas do Corpo AfetadasRegio Anatmica%Cabea e Pescoo44Trax8,4Abdmen12Membros Superiores13Membros Inferiores22,6

  • Fonte:Rede Sarah BrasliaPESQUISA MDICO-HOSPITALAR*

    Chart1

    68.519.55.35.61.1

    58.921.84.215.1Leso cerebral

    49.424.55.420.7Leso ortopdica

    34.646.215.43.8Leso neurolgica

    33.48.3Outras Leses58.3Outras Leses

    Automvel / Caminho / nibus

    Motocicleta

    Bicicleta

    A p

    Outros meios / modos

    DISTRIBUIO DOS PACIENTES POR CAUSA DE INTERNAO, SEGUNDO MEIO / MODO DE LOCOMOO NO ACIDENTE

  • PESQUISA MDICO-HOSPITALAR*

    Vitimados Segundo a GravidadeDiscriminaoN Absolutos%Ilesos14013,2Leves50848Moderados16916Graves17616,6Mortos464,4Invlidos191,8

    Chart1

    13.2

    48

    16

    16.6

    4.4

    1.8

    %

  • PESQUISA MDICO-HOSPITALAR*

    Tipo do AcidenteGravidadeTotal%IlesosLevesModeradosGravesMortos1 Ch. OF11399111716,72 Capot.52223-3233 Atrop.22113256676,36 Col.Tra.27853421617316,47 Abal.(ms)11428121747,08 Col. Fr.7551426911110,59 Abal.(so)6227127545,110 Abal. Tr.12572922-12011,311 Tomb.729103352512 S.Pista5113439551229127,513 Outros12451131,2Total140508169195461058100

  • Apropriao Final dos Custos dos AcidentesCUSTO POR TIPO DE ACIDENTE - BRASIL - 2004*

  • PERFIL DOS ACIDENTES NAS RODOVIAS FEDERAIS

  • ConclusesMedidas a serem adotadasPrograma de monitoramento permanente do desempenho virio;Retomada do PNCT;Identificao e Tratamento de Segmentos Crticos;Ficalizao de velocidade, a partir do clculo dos limites de velocidade em locais crticos;Implementao de Arquiteturas ITS, adaptadas s relevncias das rodovias;Melhoria de padro dos Projetos Finais de Engenharia, com geometria e sinalizao/dispositivos de segurana adequados classe de rodovias;Reaparelhamento e treinamento de Agentes de Operao.

    *

    *

    **