acidente de buncefield

Download Acidente de Buncefield

Post on 24-Jul-2015

70 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Seminrio de Atualizao em Segurana QumicaO acidente de Buncefield Csar A. Leal, PhD Porto Alegre, 18/8/2010

DNV - DET NORSKE VERITASFundao independente estabelecida em 1864 com sede em Oslo, Noruega.

Empresa lder internacional nos Servios de Gerenciamento de Riscos

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 2

DNV - DET NORSKE VERITAS

OBJETIVOSalvaguardar a vida, a propriedade e o meio ambiente.

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 3

DNV no Mundo

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 4

Quatro reas de NegciosEmpresa lder em Classificao de Navios Liderana internacional nas reas de Certificao, Verificao e Sistemas de Gesto

DNV MaritimeOperao com segurana e confiabilidade para a indstria de leo, gs e processo atravs de tecnologias de ponta

DNV IndustryICT

Gerenciando riscos relacionados Tecnologia da Informao

DNV Energy

DNV IT Risk Management

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 5

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 6

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 7

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 8

Objetivos da palestra

Apresentar informaes sobre o acidente de Buncefield Descrever os fatos relevantes Rever algumas tcnicas (modelos) de Anlise de Riscos Apresentar algumas recomendaes do Comit de Investigao Lies aprendidas com o acidente de Buncefiereld

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 9

Localizao de Buncefield

Depsito intermedirio de Buncefield

Tank Farm 5 maior da Gr-Bretanha, principal fornecedor de combustvel para Londres (Heathrow) e sul da Inglaterra

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 10

Sequncia dos fatos

1) 10/12/2005, sbado, tanque 912 iniciou a receber gasolina. 2) s 5h30min do dia 11, domingo, devido falha do sistema de proteo comeo o transbordamento do tanque e formao de poa no dique A de conteno. 3) Uma nuvem de vapor se formou e se espalhou carregada pelo vento. 4) O vazamento foi de 300 ton e cerca se 10% evaporou formando uma nuvem. 5) s 6h01min houve uma srie de exploses. 6) Um grande incndio se alastrou envolvendo 20 tanques de armazenagem.

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 11

Prejuzos

Mesmo sem ter havido vtimas fatais: 1) Aes judiciais = 625 milhes de libras esterlinas 2) Aviao = 245 milhes de libras esterlinas 3) Refazer Buncefield = 107 milhes de libras esterlinas 4) Aes de emergncia = 7,5 milhes de libras esterlinas

Estima-se

que os prejuzos devem ultrapassar um bilho de libras esterlinas!20 August 2010 Slide 12

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

Exploso inesperada

Queima em mistura gs/ar s ocorre se a concentrao estiver entre os limites de inflamabilidade A velocidade de queima pode ser1) Laminar (lenta ~ entre 6 cm/s e 300 cm /s, ou seja, subsnica) 2) Turbulenta (pode ser supersnica)

Confinamento da nuvem ou presena de obstculos podem tornar a queima turbulenta

Para haver exploso (formao de onda de choque) a queima tem que se tornar supersnicaNuvens em ambiente aberto e sem obstculos no deveriam explodir No caso de Buncefield, uma exploso to violenta no era esperada

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 13

A velocidade de queima e a exploso

A velocidade de queima faz toda a diferena A queima em baixa velocidade1) No gera onda de choque 2) Os efeitos ficam restritos zona onde ocorre a combusto

Se a queima muito rpida (liberao de uma grande quantidade de energia num curto espao de tempo) = exploso- 1) Ocorre gerao de onde choque - 2) Efeitos podem estender-se por distncias grandes (quilmetros)

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 14

Detalhes do combate ao fogo

A escala do incndio foi enorme 1) No pico do incndio (meio-dia de segunda-feira, havia 180 bombeiros e 20 caminhes combatendo o fogo, houve envolvimento de 1000 bombeiros e levou 32 h para debelar o fogo 2) 750.000 l de LGE foram consumidos e 55E+06 l de gua foram usados 2000 pessoas foram evacuadas de seus lares No houve fatalidades, somente 43 feridos leves Vrias casa danificadas com necessidade de reparos, danos (quebra de vidros) at a distncia de 8 km do local

O aeroporto de Heathrow foi afetado pelo corte de suprimento de combustvel

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 15

Violncia da exploso

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 16

Violncia da exploso

O nveis de sobrepresso na onda de choque foram muito superiores ao que seria esperado para um caso como este Vrios especialistas convidados para estudar o fenmeno P (PSI) 1 2 3 5 10 P (mbar) 69 138 207 345 690 Quebra de vidros Danos moderados em casas Colapso de casas Colapso da maior parte dos prdios Mesmo prdios de concreto so seriamente danificados ou colapsam Efeito

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 17

Exemplo de recomendao

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 18

Recomendaes

Foram feitas dezenas de recomendaes para: A) As empresas deste tipo de instalao, B) As autoridades que regulam as atividades, C) O planejamento de emergncias, D) O uso do solo em reas com grandes inventrios de produtos perigosos,

E) O aprofundamento das causas de uma exploso to poderosa como foi a observada.

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 19

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 20

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 21

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 22

Sobrepreso > 1000 mbar

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 23

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 24

Exploso

Razes para exploso de mistura de vapor inflamvel-ar 1) Confinamento (tal como num prdio)- a queima produz gases aquecidos, o confinamento impede a expanso, ocorre um aumento da presso at o colapso do prdio. No foi o caso de Buncefield. 2) Em zonas sem confinamento, sabe-se que a queima em zonas congestionadas pela presena de obstculos pode levar a um processo explosivo pela gerao de turbulncia. Talvez a presena de rvores em ambos os lados da Buncefield Lane possa ter sido o elemento que propiciou a acelerao das chamas. 3) Outro mecanismo seria por detonao. Uma exploso inicial intensa pode gerar uma onda de choque que ao passar numa zona de mistura inflamvel provoca a queima. Nestes casos sobrepresses superiores a 10 bar so esperadas. No h evidncias disso em Buncefield.

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 25

Exploso

Possvel explicao para os nveis to altos de sobrepresso- Presena de fileiras de rvores - Quando a chama propaga-se na zona com obstculos (rvores) pode-se ter uma acelerao da velocidade de queima - Aumento da velocidade de queima e presena de obstculos leva a aumento de turbulncia que aumenta a velocidade de queima - O processo torna-se auto-estimulado levando a velocidades de queima superiores a 340 m/s, ou seja, supersnicas e gerando onda de choque

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 26

Lies

A identificao apropriada dos riscos das instalaes fundamental para o adequado processo de gerenciamento de riscos Grandes inventrios de produtos perigosos devem estar longe da populao (uso do solo) SIS (Safety Instrumented Systems) com os nveis compatveis de segurana (SIL- Safety Integrity Level, IEC 61508) para os riscos a serem reduzidos. O tanque que transbordou no estava adequadamente protegido contra transbordamento. As operaes de transferncia devem ser adequadamente acompanhadas e controladas pela instalao recebendo o produto perigoso.

At este acidente, o pior cenrio imaginado em terminais era incndio em nuvem (sem exploso) seguido de incndio em poa.

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 27

Fonte de informao

http://www.buncefieldinvestigation.gov.uk/index.htm

Det Norske Veritas AS. All rights reserved

20 August 2010

Slide 28