Acesse a prova

Download Acesse a prova

Post on 08-Jan-2017

213 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 41

  • 2

  • 3

    QUESTO 02 (ENEM 2011)

    IMODESTO As colunas do Alvorada podiam ser mais fceis de construir, sem aquelas curvas. Mas foram elas que o mundo inteiro copiou.

    Braslia 50 Anos. Veja. N 2.138, nov. 2009.

    Utilizadas desde a Antiguidade, as colunas, elementos verticais de sustentao, foram sofrendo modificaes e incorporando novos materiais com ampliao de possibilidades. Ainda que as clssicas colunas gregas sejam retomadas, notveis inovaes so percebidas, por exemplo, nas obras de Oscar Niemeyer, arquiteto brasileiro nascido no Rio de Janeiro em 1907. No desenho de Niemeyer, das colunas do Palcio da Alvorada, observa-se

    a) a presena de um capitel muito simples, reforando a sustentao. b) o traado simples de amplas linhas curvas opostas, resultando em formas marcantes. c) a disposio simtrica das curvas, conferindo salincia e distoro base.

    d) a oposio de curvas em concreto, configurando certo peso e rebuscamento. e) o excesso de linhas curvas, levando a um exagero na ornamentao.

    ARTE (5 QUESTES)

    QUESTO 01 (ENEM 2010)

    O folclore o retrato da cultura de um povo. A dana popular e folclrica uma forma de representar a cultura regional, pois retrata seus valores, crenas, trabalho e significados. Danar a cultura de outras regies conhec-la, de alguma forma se apropriar dela, enriquecer a prpria cultura.

    BREGOLATO, R. A. Cultura Corporal da Dana. So Paulo: cone, 2007.

    As manifestaes folclricas perpetuam uma tradio cultural, obra de um povo que a cria, recria e a perpetua. Sob essa abordagem deixa-se de identificar como dana folclrica brasileira

    a) o Bumba-meu-boi, que uma dana teatral onde personagens contam uma histria envolvendo crtica social, morte e ressurreio.

    b) a Quadrilha das festas juninas, que associam festejos religiosos a celebraes de origens pags envolvendo as colheitas e a fogueira.

    c) o Congado, que uma representao de um reinado africano onde se homenageia santos atravs de msica, cantos e dana.

    d) o Bal, em que se utilizam msicos, bailarinos e vrios outros profissionais para contar uma histria em forma de espetculo.

    e) o Carnaval, em que o samba derivado do batuque africano utilizado com o objetivo de contar ou recriar uma histria nos desfiles.

    GOVERNO DO PARANSECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAODEPARTAMENTO DE EDUCAO BSICA

    Simulado preparatrio para o ENEM - 2014Colgio:_______________________________________________________________

    Aluno:_________________________________________________________________

  • 4

    A pintura e o poema, embora sendo produtos de duas linguagens artsticas diferentes, participaram do mesmo contexto social e cultural de produo pelo fato de ambos

    a) apresentarem um retrato realista, evidenciado pelo unicrnio presente na pintura e pelos adjetivos usados no poema.

    b) valorizarem o excesso de enfeites na apresentao pessoal e na variao de atitudes da mulher, evidenciadas pelos adjetivos do poema.

    c) apresentarem um retrato ideal de mulher marcado pela sobriedade e o equilbrio, evidenciados pela postura, expresso e vestimenta da moa e os adjetivos usados no poema.

    d) desprezarem o conceito medieval da idealizao da mulher como base da produo artstica, evidenciado pelos adjetivos usados no poema.

    e) apresentarem um retrato ideal de mulher marcado pela emotividade e o conflito interior, evidenciados pela expresso da moa e pelos adjetivos do poema.

    QUESTO 04 (ENEM 2013)

    Prpria dos festejos juninos, a quadrilha nasceu como dana aristocrtica, oriunda dos sales franceses, depois difundida por toda a Europa. No Brasil, foi introduzida como dana de salo e, por sua vez, apropriada e adaptada pelo gosto popular. Para sua ocorrncia, importante a presena de um mestre

    marcante ou marcador, pois quem determina as figuraes diversas que os danadores desenvolvem. Observa-se a constncia das seguintes marcaes: Tour, En avant, Chez des dames, Chez des cheveli, Cestinha de flor, Balanc, Caminho da roa, Olha a chuva, Garranch, Passeio, Coroa de flores, Coroa de espinhos etc.

    No Rio de Janeiro, em contexto urbano, apresenta transformaes: surgem novas figuraes, o francs aportuguesado inexiste, o uso de gravaes substitui a msica ao vivo,

    QUESTO 03 (ENEM 2012)LXXVIII (Cames, 1525-1580)

    Leda serenidade deleitosa,

    Que representa em terra um paraso;

    Entre rubis e perlas doce riso

    Debaixo de ouro e neve cor-de-rosa;

    Presena moderada e graciosa,

    Onde ensinando esto despejo e siso

    Que se pode por arte e por aviso,

    Como por natureza, ser fermosa;

    Fala de quem a morte e a vida pende,

    Rara, suave; enfim, Senhora, vossa;

    Repouso nela alegre e comedido:

    Estas as armas so com que me rende

    E me cativa Amor; mas no que possa

    Despojar-me da glria de rendido.

    Cames, L. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008

    SANZIO, R. A mulher e o unicrnio.

    FONTE: http://formacaosolidaria.org.br/wp-content/uploads/2013/05/enem-2012-dia-02-09.jpg

  • 5

    a) resgata conhecidas referncias do modernismo mineiro.

    b) utiliza tcnicas e suportes tradicionais na construo das formas.

    c) articula questes de identidade, territrio e cdigos de linguagens.

    d) imita o papel das celebridades no mundo contemporneo.

    e) camufla o aspecto plstico e a composio visual de sua montagem.

    BIOLOGIA (5 QUESTES)

    QUESTO 06 (ENEM 2010)

    O despejo de dejetos de esgotos domsticos e industriais vem causando srios problemas aos rios brasileiros. Esses poluentes so ricos em substncias que contribuem para a eutrofizao de ecossistemas, que um enriquecimento da gua por nutrientes, o que provoca um grande crescimento bacteriano e, por fim, pode promover escassez de oxignio.

    Uma maneira de evitar a diminuio da concentrao de oxignio no ambiente :

    a) Aquecer as guas dos rios para aumentar a velocidade de decomposio dos dejetos.

    b) Retirar do esgoto os materiais ricos em nutrientes para diminuir a sua concentrao nos rios.

    c) Adicionar bactrias anaerbicas s guas dos rios para que eles sobrevivam mesmo sem o oxignio.

    d) Substituir produtos no degradveis por biodegradveis para que as bactrias possam utilizar os nutrientes.

    e) Aumentar a solubilidade dos dejetos no esgoto para que os nutrientes fiquem mais acessveis s bactrias.

    alm do aspecto de competio, que sustenta os festivais de quadrilha, promovidos por rgos de turismo.

    CASCUDO. L.C. Dicionrio do folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Melhoramentos. 1976.

    As diversas formas de dana so demonstraes da diversidade cultural do nosso pas. Entre elas, a quadrilha considerada uma dana folclrica por

    a) possuir como caracterstica principal os atributos divinos e religiosos e, por isso, identificar uma nao ou regio.

    b) abordar as tradies e costumes de determinados povos ou regies distintas de uma mesma nao.

    c) apresentar cunho artstico e tcnicas apuradas, sendo, tambm, considerada dana-espetculo.

    d) necessitar de vesturio especfico para a sua prtica, o qual define seu pas de origem.

    e) acontecer em sales e festas e ser influenciada por diversos gneros musicais.

    QUESTO 05 (ENEM 2013)

    Traduo da placa: (No me esqueam quando eu for um nome importante.) NAZARETH,

    P. Mercado de Artes / Mercado de Bananas. Miami Art Basel, EUA, 2011. Disponvel em:

    www.40forever.com.br Acesso em: 31 jul. 2012.

    A contemporaneidade identificada na performance/instalao do artista mineiro Paulo Nazareth reside principalmente na forma como ele

  • 6

    Essa teoria comeou a ser refutada pelos cientistas ainda no sculo XVII, a partir dos estudos de Redi e Pasteur, que mostraram experimentalmente que

    a) seres vivos podem ser criados em laboratrio.

    b) vida se originou no planeta a partir de microrganismos.

    c) o ser vivo oriundo da reproduo de outro ser vivo pr-existente.

    d) seres vermiformes e microrganismos soevolutivamente aparentados.

    e) vermes e microrganismos so gerados pela matria existente nos cadveres e nos caldos nutritivos,respectivamente.

    QUESTO 09 (ENEM 2013)

    Para a identificao de um rapaz vtima de acidente, fragmentos de tecidos foram retirados e submetidos extrao de DNA nuclear, para comparao com o DNA disponvel dos possveis familiares (pai, av materno, av materna, filho e filha). Como o teste com o DNA nuclear no foi conclusivo, os peritos optaram por usar tambm DNA mitocondrial, para dirimir dvidas.

    Para identificar o corpo, os peritos devem verificar se h homologia entre o DNA mitocondrial do rapaz e o DNA mitocondrial do(a)

    a) pai.

    b) filho.

    c) filha.

    d) av materna.

    e) av materno.

    QUESTO 10 (ENEM 2013)

    Alguns anfbios e rpteis so adaptados vida subterrnea. Nessa situao, apresentam algumas caractersticas corporais como, por

    QUESTO 07 (ENEM 2011)

    O vrus do papiloma humano (HPV, na sigla em ingls) causa o aparecimento de verrugas e infecopersistente, sendo o principal fator ambiental do cncer de colo de tero nas mulheres. O vrus pode entrar pela pele ou por mucosas do corpo, o qual desenvolve anticorpos contra a ameaa, embora em alguns casos a defesa natural do organismo no seja suficiente. Foi desenvolvida uma vacina contra o HPV, que reduz em at 90% as verrugas e 85,6% dos casos de infeco persistente em comparao com pessoas no vacinadas.

    Disponvel em: http://g1.globo.com. Acesso em: 12 jun. 2011.

    O benefcio da utilizao dessa vacina que pessoas vacinadas, em comparao com as no vacinadas, apresentam diferentes respostas ao vrus HPV emdecorrncia da

    a) alta concentrao de macrfagos.

    b) elevada taxa de anticorpos especficos anti-HPV circulantes.

    c) aumento na produo de hemcias aps a infec