a vez das estruturas divulgação: Águia © imam consultoria ...· em uma avaliação rápida:...

Download A vez das estruturas Divulgação: Águia © IMAM Consultoria ...· em uma avaliação rápida: custo

Post on 23-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 64 julho 2009

    Terra disponvel e barata, mo de obra idem. Esses sempre foram os motivos pelos quais os brasileiros no considera-vam com muita importncia

    a ideia de construir um armazm au-toportante para estocar suas merca-dorias. Mas isso vem mudando. No Brasil ainda pequena a participao dos autoportantes no universo de ar-mazns, mas j percebemos um cresci-mento constante ano a ano, afirma o

    A vez das estruturas autoportantesCresce no Pas interesse por esse recurso de estocagem

    diretor-presidente da guia Sistemas, Rogrio Scheffer.

    De acordo com o executivo da guia, o custo de capital no Brasil muito maior do que no exterior, e esse fator tem impacto em grandes projetos. Soma-se a um fator cultu-ral em que o investidor tem em men-te a possibilidade de direcionar o uso do armazm para outra atividade em caso de alguma mudana significa-tiva em seu negcio, portanto, opta

    por uma soluo mais flexvel, diz Rogrio.

    Qualquer mdia e grande empresa um cliente em potencial para uma es-trutura autoportante, diz o supervisor de vendas da Mecalux, Antonio Fran-cisco Garcia. Atualmente, porm, a representatividade de armazns auto-mticos no Brasil pequena, compara-da com os armazns convencionais. Na Europa esse nmero j bem significa-tivo e cada vez mais torna-se popular entre as empresas, completa.

    Antonio acredita que at pouco tempo no Brasil existiam alguns pa-radigmas em relao aos sistemas au-toportantes que esto sendo vencidos. As empresas tinham receio quanto confiabilidade do sistema. O que po-demos facilmente argumentar que esse tipo de sistema tem uma confiabi-lidade de 98%, ou seja, muito superior a qualquer sistema de estocagem con-vencional. Alm disso, os preos eram muito elevados e hoje, com o maior desenvolvimento da tecnologia, esto bem atrativos, acredita. Os clientes muitas vezes no sabem as vantagens que um sistema autoportante pode trazer sua operao.

    O aspecto cultural tambm citado pelo diretor-geral da SSI-Schaefer, Da-niel Del Campo. Estimamos que, em termos de porcentagem de venda de estruturas de estocagem sobre o total de todos os tipos existentes, os arma-zns autoportantes representem entre 3 e 18% dos novos projetos, dependen-do do pas. O Brasil tem nmeros bem menores que a Europa, explica.

    Para Daniel, custos de mo de obra e preo da terra inferiores aos de ou-tros pases ainda justificam em muitas ocasies partir para armazns conven-cionais. Tambm se trata de um pro-cesso cultural as empresas em alguns pases optarem, mesmo a custos supe-riores ou iguais, para mais tecnologia em virtude de outros tipos de econo-mias e benefcios difceis de quantificar na ponta do lpis. Porm ainda alguns pases tm normas que dificultam a ex-panso dessa tecnologia.

    O engenheiro civil da Bertolini,

    Armazm autoportante de

    32,6 m de altura na HalexIstar (Goinia, GO)

    Divu

    lga

    o:

    guia

    gfreireTexto digitado IMAM Consultoria - Tel.: (11) 5575-1400 - Revista intraLOGSTICA

  • julho 2009 65

    Allan N. Alexandre, afirma que, alm da questo cultural no Brasil de se construirem pavilhes estruturados em pilares de concreto, existe a ques-to de termos uma vasta rea geogr-fica que torna os terrenos relativa-mente baratos no Pas. Por isso, a ne-cessidade de se construir em grandes alturas torna-se uma segunda opo. Isso j no ocorre na Europa, onde os preos de grandes reas so altos, o que fora as empresas a verticalizar cada vez mais as estruturas de esto-cagem. Como so necessrias grandes sees, caso os pilares sejam de con-creto, a alternativa mais racional para atingir 30 ou at 40 m de altura acaba sendo as prprias colunas da estrutura de estocagem, diz.

    Custo vs. benefcioPara calcular o custo vs. benefcio

    das estruturas autoportantes, deve-se considerar a avaliao entre as diversas solues construtivas, de acordo com

    Allan, da Bertolini. Mas essa avaliao no deve ficar apenas no campo de cus-tos. importante avaliar o tempo de execuo de cada soluo, explica. Al-gumas vezes, a estrutura autoportante pode ser mais cara se comparada com outra soluo, mas se for mais rpida a sua execuo, pode compensar essa diferena, uma vez que quanto mais rpido o cliente toma posse de seu em-

    preendimento, mais rpido comea a obter o seu retorno. Vale destacar que, na opo autoportante, menos empre-sas esto envolvidas nas interfaces do projeto e, por isso, mais fcil ser seu gerenciamento, completa.

    J Rogrio, da guia, destaca que necessrio observar os fatores geogrfi-cos, ou seja, a importncia da edificao naquele local em virtude de todas as de-

    Divu

    lga

    o: M

    ecal

    ux

    Preo do terreno pode viabilizar estruturas autoportantes

    IMAM Consultoria - Tel.: (11) 5575-1400 - Revista intraLOGSTICA

  • 66 julho 2009

    mais instalaes j existentes, alm de considerar fatores prticos como altu-ra. A partir de 15 metros de p direito o sistema ideal para projetos de ar-mazenagem, em que as caractersticas estruturais do ao so mais adequadas do que alvenaria em concreto e poss-vel otimizar tambm custos de funda-o e piso, tendo em vista a excelente distribuio de cargas no piso, expli-ca o diretor. Outro fator importante a previsibilidade desse tipo de obra pelo alto grau de pr-industrializao, reduzindo dependncias de fatores cli-mticos na etapa da montagem.

    Daniel, da SSI-Schaefer, apresenta os fatores que devem ser considerados em uma avaliao rpida: custo do ter-reno + custo da obra civil + custo do armazm, versus economia em mo de obra, empilhadeiras, racks + diminui-o no nmero de acidentes, roubos + aumento de produtividade e outros intangveis.

    RestriesPorm em relao s restries,

    elas so poucas, segundo os fabrican-tes. No h restries crticas. Arma-zns de baixa altura normalmente no se justificam. Proximidade a aeropor-tos, reas com solo instvel devem ser

    levados em conta, diz Daniel, da SSI-Schaefer.

    No vejo nenhum fator que possa excluir a alternativa de um autopor-tante em caso de projetos de armaze-nagem, diz Rogrio, da guia.

    O nico fator que impede ou no justifica uma instalao desse porte, o custo-benefcio. Imaginemos uma operao com estocagem de aproxi-madamente 5.000 posies/palete, e movimentao de 100 palete/dia, com certeza esse projeto no justifica inves-timento, afirma Antonio, da Mecalux.

    Existem diversos fatores que no justificam a instalao de uma estrutura autoportante, mas um que acho extremamente relevante ser usado para estruturas com altu-ras abaixo de 10 metros, concorda Allan, da Bertolini.

    SucessoPara o engenheiro da Bertolini, o

    sucesso de todo empreendimento est relacionado diretamente ao bom pla-nejamento e gerenciamento da obra. O cliente deve ter profissionais bem qualificados e com uma viso sist-mica e ampla do projeto. Deve ser capaz de prever as diversas variveis e as diferentes interfaces do projeto,

    A capacidade de estocagem em uma mesma rea pode ser quadruplicada

    Divu

    lga

    o: M

    ecal

    ux

    66 julho 2009 IMAM Consultoria - Tel.: (11) 5575-1400 - Revista intraLOGSTICA

  • julho 2009 67

    ou seja, controlar e gerenciar todas as empresas envolvidas no processo de forma a garantir a realizao das atividades e cumprimento de suas responsabilidades, sempre dentro do prazo preestabelecido, explica. Allan acredita que, para garantir a mxi-ma eficincia das diversas empresas e profissionais envolvidos no proje-to, o cliente deve estar amparado em um bom gestor de contrato, no qual estaro especificados todo o escopo do fornecedor, valor acordados e penali-dades em caso de no cumprimento do estabelecido.

    Antonio, da Mecalux, tambm acre-dita que, para o sucesso de uma imple-mentao desse tipo, o cliente precisa de estudo prvio, bem como de empre-sas que o auxiliem no desenvolvimen-to dos projetos. Devem ser empresas com vasta experincia em projetos dessa magnitude. Precisamos tomar cuidado com as empresas aventureiras, ou seja, sem experincia no segmento.

    A etapa de projeto fundamen-tal, segundo Rogrio, da guia. Por exemplo, dimensionamento e integra-o de fluxos de materiais. Tambm a integrao com o sistema de mo-vimentao essencial para o xito desse tipo de projeto, pois existe uma cumplicidade muito grande entre os sistemas para que tudo funcione den-tro das expectativas, diz.

    Para se ter sucesso, o melhor contratar fornecedores de primeira linha, experimentados e de qualida-

    de comprovada. O ideal recorrer a empresas que faam a maior parte do fornecimento, como mquinas, estan-tes, softwares de um mesmo fornece-dor, explica Daniel, da SSI-Schaefer. A maioria dos problemas surge nas interfaces entre empresas diferentes. pouco inteligente comprar um au-toportante em pedaos de diferentes fornecedores em razo de pequenas encomendas. No final, quem paga a conta da falta de coordenao o cliente, finaliza.

    Investimento s se viabiliza economicamente em alturas superiores 10 m

    Divu

    lga

    o:

    guia

    IMAM Consultoria - Tel.: (11) 5575-1400 - Revista intraLOGSTICA