a uniƒo europeia ocidental e a presidf-ncia .nove pa­ses membros de pleno direito -...

Download A UNIƒO EUROPEIA OCIDENTAL E A PRESIDf-NCIA .nove Pa­ses Membros de pleno direito - B©lgica, Fran§a,

Post on 07-Feb-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

A UNIO EUROPEIA OCIDENTAL E A PRESIDf-NCIA PORTUGUESA

Brando Ferreira

A UNIO EUROPEIA OCIDENTAL

E A PRESIDE:NCIA PORTUGUESA

Na defesa da cidade a vontade do povo superior espessura da muralha.

Tucdedes - 300 a. C.

INTRODUO

o desenvolvimento recente e algo acelerado da Unio Europeia Ociden-tal (UEO) tem origem nas mudanas de ordem poltica e estratgicas ocor-ridas a partir de 1989, e ainda na declarao de Maastricht de Dezembro de 1991 c na Declarao de Petersberg de Junho de 1992.

Como resultado, a sede da organizao foi transferida de Londres para Bruxelas, em Janeiro de 1993, de modo a estar mais perto dos centros de deciso relativos segurana na Europa. A aproximao e a cooperao com a NATO a consequncia lgica deste passo e est a ser feita na base da transparncia e complementaridade, de modo a serem atingidos, da melhor forma. dois objectivos fundamentais traados para a UEO: seI' o pilar da segurana da Europa e pr de p uma estrutura operacional para a sua defesa.

Para se compreender melhor onde se situa a UEO, no contexto das organizaes de segurana em que a Europa est envolvida, convir observar o esquema apresentado no Anexo A do qual podemos inferir trs nveis de instituies:

- um Nvel Europeu, baseado na UEO e na Comunidade Europeia (CE); - um Nvel ElI/'o-Atlntico, centrado na Aliana Atlntica e no Con-

selho para a Cooperao do Atlntico Norte (NACC);

79

NAAO E DEFESA

- um Nvel Pau-Europeu, baseado na Conferncia para a Segurana e Cooperao na Europa (CSCE), juntando no mesmo frum a Amrica do Norte, a Europa e a Comunidade dos Estados Independentes (CIS)_

De salientar que a CSCE, ao contrrio das suas congneres, no oferece garantias de defesa colectiva_ Com vista a um melhor entendimento sobre a histria da Unio, seus objectivos e sua estrutura, optmos por formular e dar uma resposta s seguintes quatro principais questes:

-o que a UEO? - Para que serve a UEO? - Como funciona a UEO? - Qual o futuro da UEO?

o QUE A UEO?

A UEO uma organizao internacional actualmente composta por nove Pases Membros de pleno direito - Blgica, Frana, Alemanha, Itlia, Luxemburgo, Holanda, Portugal, Espanha e Inglaterra_

Em 20 de Novembro de 1992 a Grcia passou a pertencer tambm ao Clube (embora falte a ratificao), tendo a Dinamarca e a Irlanda sido aceites como observadores, e a Islndia, Noruega e Turquia toraram-se Membros Associados_

O objectivo da organizao a promoo da cooperao intergoverna-mental europeia no campo da segurana. Recordemos, ento, os principais passos desde a sua fundao at aos nossos dias.

a. A base para a fundao da UEO encontra-se no texto do Tratado de Bruxelas, de 1948, assinado pela Blgica, Frana, Luxemburgo, Holanda e Inglaterra. Este Tratado fazia uma extenso do Pacto de Defesa criado pelo Tratado de Dunquerque, em 4 de Maro de 1947, assinado pela Frana e a Gr-Bretanha.

b. A UEO criada, como tal, atravs de uma modificao do Tratado de Bruxelas, obtida pelos Acordos de Paris, de 23 de Outubro de 1954, o que permitiu a adeso da Alemanha e da Itlia. Este acordo foi consequncia

80

A UNIO EUROPEIA OCIDENTAL E A PRESIDflNCIA PORTUGUESA

do insucesso da Comunidade Europeia de Defesa (ECO). A questo nuclear em jogo continuava a ser o rearmamento alemo. Vale a pena relembrar os objectivos estabelecidos em 1954:

- criar na Europa Ocidental uma base firme para a recuperao econ6-mica;

- oferecer uma assistncia comum com o fim de resistir a uma poltica de agresso;

- promover a unidade e encorajar a porgressiva inteno da Europa.

As principais diferenas em relao ao primeiro Tratado de Bruxelas eram:

- a eliminao dos referenciais anti-alemes; - a criao da UEO como organizao capaz de tornar efectivo o Tra-

tado modificado; - a criao da Agncia de Armamentos para controlar o rearmamento

alemo; - A Repblica Federal da Alemanha (RFA) ficar obrigada a no fabri-

car armamento nuclear e qumico e a submeter~se superviso da citada Agncia;

- a RFA renunciar reunificao alem por meios que no fossem pacficos.

c. A actuao da UEO foi caracterizada por um

NAO E DEFESA

d. Entre 1973 e 1984

As actividades da UEO neste perodo diminuram, principalmente porque:

- o papel de ligao entre a CEE e a Inglaterra terminou, no momento em que a Gr-Bretanha se junto Comunidade Econmica Europcia;

- a NATO tomou conta de todas as responsabilidades militares; - as actividades polticas do Conselho perderam a sua substimcia

com o desenvolvimento da Cooperao Europein.

S a Agncia para o Controlo de Armamentos continuou a sua actividade. Foi mantido, ainda, o dilogo entre o Conselho e a Assembleia.

e. A reactivao da UfO (/9R4-89!

No princpio dos anos 80, dois faetares reavivaram o debate $obre a segurana europeia:

- a impossibilidade uc chegur fi um consenso SObl\~ uma poltica de segurana C01l1U1l1, para alm dos objectivos c.:-onmicos, por oposio da Dinamarca, Grcia e Irlanda. Esta oposio fez falhar a iniciativa GenscherjColmnbo, em No-vembro de 1981, que pretendia alargar competncias na esfera da defesa e segurana;

- o lanamento da Iniciativa de Defesa Estratgica (SOl), do Pre-sidente Reagan, em 1983, sem o conhecimento dos europeus, dcs-poletou a questo da necessidade de um pilar europeu de defesa. Ligada a este facto surgiu ainda a questo dos curomsseis, a qual levantou suspeitas de que o Lao Transatlntico estaria a diminuir.

Deste modo. por iniciativa da Blgica e da Frana, retInira1l1~se em Roma em 26 e 27 de Outubro de 1984 os Ministros da Defesa dos Esta-dos Membros. donde saiu a Declarao de Roma, onde se l'elanava a UEO com dois objectivos:

- a definio de uma identidade de segurana etll"opeia, e - a gradual hal11l0nizao da poltica de clefesa dos Estados Membros.

82

A UNIO WIWPEIA OCIDeNTAL E .4 PI

NAO E DEFESA

Comunidade Europeia. Esta ideia colheu o suporte de J acques Delors, Manfred Worner e Wmem Van Eekelen, respectivamente Presidente da Comunidade Econ6mica Europeia, Secretrio-Geral da NATO e Secretrio--Geral da UEO, e culminou no Tratado de Maastricht.

A UEO transf01100u-se num f6rum importante para o debate e consulta dos assuntos relacionados com a Poltica de Segurana Europeia.

Assim, dos objectivos traados de vir a ser o Pilar Europeu de Defesa e de ajudar integrao europeia, e da forma como est organizada a UEO, retira as seguintes vantagens:

1. os textos fundamentais da UEO representam um comprometimento dos Estados Membros em relao ao ideal Europeu e ainda um firme suporte para com a Aliana Atlntica.

2. no caso de uma agresso contra um dos Estados Membros, o artigo V do tratado garante que os restantes estados iro em defesa daquele, com todos os seus meios.

3. as ameaas aos interesses europeus no esto limitadas por nenhum espao geogrfico como acontece com a NATO. O artigo VIII bem explcito:

(,At the request of any of the high contracting parties, the Counci! shall be immediateJy convened in order to permit them to eonsult with regard to any situation wich may constitute a tbreat to peace, in IVhatever area this threat should arise. or a dalJger to economic stability.

4. a Assembleia Parlamentar da UEO a nica assembleia europeia que est autorizada, pelo Tratado, a discutir temas de defesa com completa independncia, o que representa um importante papel na difuso dos problemas de segurana europeus para os Parlamentos Nacionais e a opinio pblica.

O encontro de Chefes de Governo da Aliana Atlntica em 7 e 8 de Novembro de 1991 reconheceu a Identidade de Segurana Europeia. Dos pargrafos 6 a 8 da declarao final, pode sintetizar-se que:

- o exerccio de maiores responsabilidades por parte dos Membros Europeus um factor essencial para a renovao da Aliana;

A UNIAO EUROPEIA OCIDENTAL E A PRESIDENCIA PORTUGUESA

- os arranjos especficos para a Defesa da Europa ajudaro a reforar a segurana colectiva de todos os Aliados;

- o funcionamento da UEO e da NA TO exige uma absoluta comple-mentaridade entre ambas.

Por sua vez, no encontro da Comunidade Europeia em Maastricht, em Dezembro de 1991, referindo-se UEO na sua declarao final. os Chefes de Governo afirmaram:

- que a UEO seria desenvolvida como a componente de defesa da Unio Europeia e como Pilar Europeu da Aliana Atlntica;

- que formularia a poltica de Defesa Europeia e prosseguiria na sua implementao atravs do desenvolvimento do seu papel operacional;

- que promoveria a criao de posies conjuntas dos seus Membros, junto dos mecanismos de consulta da Aliana.

E, deste modo, a sede da UEO foi transferida de Londres para Bruxelas. Nesta reunio os Membros da UEO convidaram os restantes pases

da CE para se juntarem Organizao ou serem Observadores. Os restan-tes Membros da NATO foram convidados a serem Membros Associados, de modo a poderem pmiicipar nas actividades da Organizao.

O Tratado de Maastricht veio a ser assinado em 1 de Novembro de 1993.

Em 19 de Junho de 1992, os Ministros da Defesa e dos Negcios Estran-geiros da UEO reuniram-se em Bana e emitiram a Declarao de Peters-berg com o intuito de reafirmar a sua determinao em fortalecer o papel da Organizao.

Desta Declarao destaca-se:

- o suporte na preveno de conflitos e nos esforos da manuteno da paz, em cooperao com a CSCE e ONU;

- o suporte para a manuteno do Elo Transatlntico; - a importncia dada implementao da Declarao de Maastricht,

quanto promoo daUEO como componente da defesa da Unio Europeia;

NAAO L DEFESA

- a implementao da Clula de Planeamento da UEO; - o pe