A marca é um elemento de fantasia, ou seja, um sinal ... ?· identificar produtos ou serviços provindos…

Download A marca é um elemento de fantasia, ou seja, um sinal ... ?· identificar produtos ou serviços provindos…

Post on 20-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li><p>1</p><p>MARCA</p><p>A marca um elemento de fantasia, ou seja, um sinal distintivo que possa ser percebido visualmente, figura, nome ou a combinao dos dois, que tem como finalidade identificar produtos ou servios, distinguindo-os dos demais existentes no mercado.</p></li><li><p>2</p><p>TIPOS DE MARCAS</p><p>Nominativa - quando constituda apenas de palavras, letras ou algarismos, desde que estes elementos no se apresentem sob forma fantasiosa ou figurativa.</p><p>Ex.: CARIOCA CRIONA</p></li><li><p>3</p><p>TIPOS DE MARCAS</p><p>Figurativa - apresentada sob a forma de desenho, imagem, figura ou qualquer outra forma fantasiosa de letra e nmero, isoladamente.</p><p>Ex.:</p></li><li><p>4</p><p>TIPOS DE MARCAS</p><p>Mista - formada pela combinao de elementos nominativo e figurativo ou de elementos nominativos, cuja grafia se apresente de forma estilizada.</p><p>Ex.:</p></li><li><p>5</p><p>TIPOS DE MARCAS</p><p>Tridimensional -constituda pelo formato do produto ou da embalagem, cujo modelo tenha capacidade distintiva em si mesmo e esteja dissociado de efeito tcnico.</p><p>Ex.:</p></li><li><p>6</p><p>QUANTO AO USO</p><p>As marcas, quanto sua utilizao, podem ser de produtos, de servios, coletivas ou de certificao.</p><p>Marcas de Produtos ou de Servios -aquelas usadas para distingui-los de outros idnticos, semelhantes ou afins, de origem diversa.</p></li><li><p>7</p><p>QUANTO AO USO</p><p>Marcas Coletivas - aquelas usadas para identificar produtos ou servios provindos de membros de uma determinada entidade.</p><p>OBS: Requerido por pessoajurdica representativa decoletividade.</p></li><li><p>8</p><p>QUANTO AO USO</p><p>Marcas de Certificao - aquelas que destinam-se a atestar a conformidade de um produto ou servio com determinadas normas ou especificaes tcnicas, notadamente quanto qualidade, natureza, material utilizado e metodologia empregada.OBS: Requerido por pessoasem interesse comercial ou industrial direto no produtoou servio atestado</p></li><li><p>9</p><p>QUEM PODE REGISTRAR A MARCA</p><p>As pessoas fsicas ou jurdicas de direito pblico ou privado.</p><p>As pessoas de direito privado s podem requerer registro de marca relativa atividade que exeram efetiva e licitamente </p></li><li><p>10</p><p>Pessoas fsicas - autnomo, arteso, agropecuarista, etc.</p><p> Advogado - Pessoa Fsica - OAB</p><p> Msico - Pessoa Fsica - Ordem dos Msicos</p><p> Arteso - identificao do rgo competente</p><p>QUEM PODE REGISTRAR A QUEM PODE REGISTRAR A MARCAMARCA</p></li><li><p>11</p><p>Pessoa Jurdica - Empresa Comercial, Industrial, Prestadora de Servios, </p><p>Cooperativas, etc.</p><p>Os produtos ou servios declarados devem ser compatveis com o objeto assinalado no </p><p>contrato social.</p><p>QUEM PODE REGISTRAR A MARCA</p></li><li><p>12</p><p>Sonoro, Gustativo e Olfativo;Comum ou Vulgar;Algarismo, Letra e Data, isolados; Braso, Armas, Medalha, Bandeira, </p><p>Emblema ou Distintivo, Monumento;O que for contrrio moral e aos bons </p><p>costumes </p><p>SINAIS NO REGISTRVEIS</p></li><li><p>13</p><p>PRAZO DE VALIDADE</p><p>O prazo de validade do registro de marca </p><p> de dez anos, contados a partir da data </p><p>da concesso. </p><p>Esse prazo prorrogvel, a pedido do </p><p>titular por perodos iguais e sucessivos. </p><p>Em caso contrrio, ser extinto o registro </p><p>e a marca estar, em princpio, disponvel.</p></li><li><p>14</p><p>VIGNCIA / OBRIGAES</p><p>Vigncia: 10 anos contados da concesso.</p><p>Utilizao: dentro de 5 anos, contados da data da concesso do registro. </p><p>Prorrogao: por perodos igual e sucessivos durante o ltimo ano de vigncia, mais 6 meses (prazo extraordinrio).</p></li><li><p>15</p><p>INDICAO GEOGRAFICA</p><p>CONSTITUIO</p><p>Indicao de procedncia. (Fabricao, centro de extrao, produo)</p><p>Denominao de origem.(Qualidade, fatores naturais e humanos)</p></li><li><p>16</p><p>Indicao de procedncia</p><p>Nome geogrfico de pais, cidade, regio ou localidade que se tenha tornado conhecido como centro de extrao, produo ou fabricao de determinado produto ou de prestao de determinado servio.Exemplo:Franca - Calados / Cachoeiro do Itapemerim - MrmoreVitria - Panela de barro / Frana - Perfume </p></li><li><p>17</p><p>DENOMINAO DE ORIGEM</p><p>Nome geogrfico de pas, cidade, regio ou localidade que designe produto ou servio cujas qualidades ou caractersticas se devam exclusiva ou essencialmente ao meio geogrfico, includos fatores naturais e humanos.</p><p>Exemplo:Bordeaux - Vinho / Roquefort - QueijoBahia/Cuba - Charuto / Cerrado - Caf</p></li><li><p>18</p><p>INDICAO GEOGRFICA USO</p><p>No ser considerado Indicao Geogrfica o nome geogrfico tornado de uso comum.</p><p>Exemplo:Champagne - Vinho / Cognac - Brandy</p><p> Uso da Indicao Geogrfica restrito aos produtores e prestadores de servios estabelecido no local.</p></li><li><p>19</p><p>PATENTE</p><p> Inveno (PI): Tudo aquilo que atende aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicao industrial. </p><p> Modelo de Utilidade (MU): Objeto de uso prtico que apresenta nova forma ou disposio envolvendo ato inventivo que resulte em melhoria funcional.</p></li><li><p>20</p><p>PATENTE</p><p> PI e MU so considerados novos quando no compreendidos no estado da tcnica.</p><p> Estado da Tcnica: tudo aquilo tornado acessvel ao pblico por descrio escrita ou oral, por uso ou qualquer outro meio no Brasil ou no Exterior antes da data do depsito.</p></li><li><p>21</p><p>PATENTE DE INVENO</p><p> dotada de atividade inventiva sempre que, para um tcnico no assunto, no decorra de maneira evidente ou bvia do estado da tcnica.</p></li><li><p>22</p><p>MODELO DE UTILIDADE</p><p> dotada de ato inventivo sempre que, para um tcnico no assunto, no decorra de maneira comum ou vulgar do estado da tcnica.</p></li><li><p>23</p><p>PATENTE</p><p> A Inveno e o Modelo de Utilidade so considerados suscetveis de aplicao industrial quando possam ser utilizados ou produzidos em qualquer tipo de indstria.</p><p> Atender os trs requisitos cumulativamente. - Novidade, Atividade / Ato Inventivo e Aplicao Industrial.</p></li><li><p>24</p><p>Inveno - 20 anos.</p><p>Modelo de Utilidade - 15 anos.</p><p>VIGNCIA DA PATENTEVIGNCIA DA PATENTE</p></li><li><p>25</p><p> Certificado de Adio de Inveno -protege aperfeioamento ou desenvolvimento introduzido no objeto da inveno, mesmo que destitudo de atividade inventiva, desde que a matria se inclua no mesmo conceito inventivo. </p><p> Vigncia idntica a da patente de inveno.</p><p>CERTIFICADO DE ADICERTIFICADO DE ADIOO</p></li><li><p>26</p><p>PI e MU NO PATENTEPI e MU NO PATENTEVEISVEIS</p><p> O que for contrrio moral, bons costumes, segurana, ordem e sade pblicas. Substncia, matria, misturas, produtos e respectivos processos de obteno ou modificao do ncleo atmico. O todo ou parte dos seres vivos exceto os microrganismos transgnicos (interveno humana). </p></li><li><p>27</p><p>PERPERODO DE GRAODO DE GRAAA</p><p>No ser considerado como estado da tcnica a divulgao da PI ou MU, quando ocorrida durante os 12 meses que precederem da data de depsito do pedido, se promovida pelo prprio inventor ou pessoa por ela autorizada, seja em exposies, palestras, publicaes. O INPI poder exigir declarao acompanhada de provas.</p></li><li><p>28</p><p>OBRIGAOBRIGAES DO TITULARES DO TITULAR</p><p> ANUIDADE - Incio do 3 ano do depsito. Dentro dos primeiros 3 meses de cada perodo anual ou dentro dos 6 mesessubsequentes.No comprovando - arquivamento (RPI). Restaurao - dentro de 3 meses da notificao, comprovando o pagamento da anuidade e da restaurao. </p></li><li><p>29</p><p>OBRIGAOBRIGAES DO TITULARES DO TITULAR</p><p>PEDIDO DE EXAME - Dentro de 36 meses a contar do depsito (comprovar pagamento). Caso contrrio, arquivamento (RPI). 60 dias recurso, sob pena de arquivamento definitivo.</p><p>EXPLORAO - 3 anos aps concesso.</p><p>CARTA PATENTE - Deferimento (RPI): 60 dias. Mais 30 dias/extraordinrio.Pagar e comprovar sob pena de arquivamento definitivo. </p></li><li><p>30</p><p>Forma plstica ornamental de um objeto ou conjunto ornamental de linhas e cores que possa ser aplicado a um produto, proporcionando resultado visual novo e original na sua configurao externa e que possa servir de tipo de fabricao visual. </p><p>DESENHO INDUSTRIALDESENHO INDUSTRIAL</p></li><li><p>31</p><p>REGISTRABILIDADE DO D.I.REGISTRABILIDADE DO D.I.</p><p> O Desenho Industrial considerado novo quando no compreendido no estado da tcnica.</p><p> Estado da Tcnica: tudo aquilo tornado acessvel ao pblico por descrio escrita ou oral, por uso ou qualquer outro meio no Brasil ou no Exterior antes da data do depsito.</p></li><li><p>32</p><p> considerado original quando dele resulte uma configurao visual distintiva em relao a outros objetos anteriores. O resultado visual original poder ser decorrente da combinao de elementos conhecidos </p><p>REGISTRABILIDADE DO DIREGISTRABILIDADE DO DI</p></li><li><p>33</p><p>DI NO REGISTRDI NO REGISTRVEISVEIS</p><p> O que for contrrio a moral, bons costumes, ofenda a honra ou imagem de pessoas, atente contra liberdade de conscincia, crena, culto religioso ou idia e sentimentos dignos de respeito e venerao. A forma necessria, comum ou vulgar do objeto ou aquela determinada essencialmente por consideraes tcnicas ou funcionais;</p><p> Obra de carter puramente artstico</p></li><li><p>34</p><p>25 anos(10 anos do depsito mais 3 X 5anos)</p><p>10 (Dez) anos a partir do depsito.Prorrogveis por 3 (trs) perodos sucessivos </p><p>de 5 (cinco) anos cada. </p><p>VIGNCIA DO DIVIGNCIA DO DI</p></li><li><p>35</p><p>OBRIGAES DO TITULAR - DI</p><p>Retribuio qinqenal - A partir do 2quinqunio do depsito durante o 5 ano de vigncia do Registro.</p><p>Pagamento do 2 quinqunio </p><p>Ex.: 01/01/00 ---&gt; 01/01/10 vigncia. 02/01/04 ---&gt;01/01/05 (5 ano da vig.- 2 Q.)01/01/05 ---&gt; 30/06/05 (retrib. Adic. - 180 dias) </p></li><li><p>36</p><p>OBRIGAES DO TITULAR - DI</p><p>Prorrogao e demais quinqunios, juntos.02/01/09 ---&gt; 01/01/10 (Prorrog.+ 3 Q.)01/01/10 ---&gt; 30/06/10 (Retrib. Adic. 180 d.)02/01/14 ---&gt; 01/01/15 (Prorrog.+ 4 Q.)01/01/15 ---&gt; 30/06/15 (Retrib. Adic. 180 d.)02/01/19 ---&gt; 01/01/20 (Prorrog.+ 5 Q.)01/01/20 --&gt; 30/06/20 (Retrib. Adic. 180 d.)</p></li><li><p>37</p><p>CEDIN</p><p>Patentes como Fonte de Informao Tecnolgica</p></li><li><p>38</p><p>INFORMAES EXTRADAS DE PATENTES</p><p> Levantamento de capacitao tecnolgica com identificao de tcnicas especficas;</p><p> Levantamento das tecnologias em nvel mundial por empresa, inventor, assunto;</p><p> Mapeamento de citaes em patentes, o que permite o rastreamento de tecnologias;</p><p> Anlise de famlias de patentes: Verifica os pases onde se busca proteo para uma mesma inveno</p></li><li><p>39</p><p>INFORMAO: ASPECTO TCNICO-ECONMICO</p><p> Identificao de tecnologias alternativas: Viso do mercado internacional de tecnologia.</p><p> Identificao de tecnologias emergentes: Tendncias de mercado, previso de novos produtos.</p><p> Fundamento para investimento: Melhores condies de compra de tecnologia.</p><p> Anlise de Validade: Verifica se a tecnologia est disponvel no Brasil, evitando litgios.</p></li><li><p>40</p><p>VANTAGENS DE UTILIZAO DO SISTEMA DE PATENTES</p><p>Crescimento anual aproximado de 500 mil documentos de patentes no mundo;</p><p>71% da tecnologia tem divulgao exclusiva por patentes; o restante tem publicao em outros meios, como peridicos e seminrios;</p><p>Abrange todos os campos tecnolgicos com estrutura uniforme;</p><p>Contm a informao mais recente em relao ao estado da tcnica.</p></li><li><p>41</p><p>VANTAGENS PARA AS EMPRESAS</p><p> Soluo de problemas tcnicos; Utilizao em P&amp;D, sem duplicao de esforos;</p><p> Direcionamento da pesquisa, identifica novas solues, pessoas e empresas atuantes na rea;</p><p> Avaliao das oportunidades de mercado com mapeamento de tecnologias passveis de aquisio ou licenciamento.</p></li><li><p>42</p><p>TRANSFERNCIA DE TECNOLOGIA </p><p>Negociao Tecnolgica e comercial efetuada entre o detentor da tecnologia e aquele que tem interesse em absorver essa tecnologia.</p><p>Contratos averbados no INPI para:</p><p>Produzir efeitos em relao a terceiros;Permitir a dedutibilidade fiscal; e Legitimar remessas para o exterior .</p></li><li><p>43</p><p>TIPOS DE CONTRATOS - TT</p><p>EXPLORAO DE PATENTES: Objetivam o licenciamento de patente solicitada ou concedida no INPI.</p><p>USO DE MARCAS: Objetivam o licenciamento de uso de marcas solicitada ou registrada no INPI </p><p>FORNECIMENTO DE TECNOLOGIA:Objetivam a aquisio de conhecimentos no patenteado.</p></li><li><p>44</p><p>TIPOS DE CONTRATOS - TT</p><p>ASSISTNCIA TCNICA E CIENTFICA: Estipulam as condies de absoro de tcnicas, mtodos de planejamento e programao, pesquisa, estudos e projetos.</p><p>FRANQUIA: Objetivam prestao de servios, transferncia de tecnologia, transmisso de padres operacionais, design, etc..., e o uso de marcas. </p></li><li><p>45</p><p>PROGRAMA DE COMPUTADOR SOFTWARE</p><p>LEI N 9.609 - 18/ Fevereiro/98REGIME JURDICO - Direito Autoral a forma de proteger os interesses de seus autores.</p><p>REGISTRO - Comprova a autoria e assegura exclusividade na produo, uso e comercializao.</p><p>AUTORIA - Passvel de um maior questionamento em juzo.</p></li><li><p>46</p><p>PROGRAMA DE COMPUTADOR SOFTWARE</p><p>VALIDADE - 50 anos contados do dia 1/Jan do ano subsequente ao da data de criao.</p><p>ABRANGNCIA - Reconhecimento Internacional - Programas estrangeiros no precisam ser registrados no Brasil e vice-versa (desde que registrados no INPI).</p></li><li><p>47</p><p>PROGRAMA DE COMPUTADORSOFTWARE</p><p>REGISTRO NO INPI - Tem importncia fundamental para dirimir futuras questes acerca da Utilizao Indevida (contrafao ou pirataria) - fundamental para a deciso sobre a autoria - de inteira responsabilidade do usurio</p></li><li><p>48</p><p>PROGRAMA DE COMPUTADORSOFTWARE</p><p>NOME COMERCIAL - Ttulo do programa protegido no ato da apresentao do pedido de registro.</p><p>RELACIONADOS A INVENO -Desenvolvido para funcionar embarcados em mquinas ou equipamentos tem proteo via Patente -Durao (20 anos) e Abrangncia (territrio nacional)</p></li><li><p>49</p><p>PROGRAMAS ESPECIAIS</p><p>PROMARCA/PRODESIGN</p><p>PROMOO MARCA E AO DESIGN </p><p>Buscam incentivar a criatividade dos artistas, empreendedores e entidades </p><p>representativas de empresas, bem como alert-los sobre a importncia da proteo </p><p>de suas criaes.</p></li><li><p>50</p><p>PROGRAMAS ESPECIAIS</p><p>PROCOMTEC </p><p>COMRCIO DE TECNOLOGIA</p><p>Visa ampliar as possibilidades de industrializao de patentes concedidas e a conseqente insero de novidades no mercado interno, priorizando as PME e </p><p>inventores independentes.</p></li><li><p>51</p><p>PROGRAMAS ESPECIAIS</p><p>PROFINT</p><p>FORNECIMENTO AUTOMTICO DE INFORMAO TECNOLGICA</p><p>O INPI remete, regularmente s empresas conveniadas, via internet ou em papel, informaes contidas em patentes de todo o mundo, referentes s suas </p><p>reas de atuao.</p></li><li><p>52</p><p>PROGRAMAS ESPECIAIS</p><p>PROATEC</p><p>ACOMPANHAMENTO DA EVOLUO TCNICA DA INDSTRIA</p><p>Prope subsidiar, atravs de diagnstico, prospeco e anlises tecnolgicas, polticas de governo em setores </p><p>prioritrios.</p></li><li><p>53</p><p>PROGRAMAS ESPECIAIS</p><p>PROMOPAT</p><p>PROMOO AO PATENTEAMENTO</p><p>Objetiva criar cultura especfica em propriedade industrial e o uso efetivo </p><p>das ferramentas de proteo e informao ora disponveis.</p></li><li><p>54</p><p>PROGRAMAS ESPECIAIS</p><p>ALERTEC </p><p>ALERTA TECNOLGICO</p><p>mapea as grandes tendncias mundiais em novas tecnologias e mercados </p><p>emergentes.</p></li><li><p>55</p><p>PROMOPAT - FUNDAMENTOS</p><p>Pouco conhecimento do tema Propriedade Industrial por : empresas, universidades e centros de P&amp;D.</p><p>Falta de proteo tecnologia gerada no pas.</p><p>Remessas desnecessrias de royalties em tecnologias j em domnio pblico.</p></li><li><p>56</p><p>PROMOPAT - OBJETIVOS</p><p>Capacitar as diversas entidades nacionais que lidam com cincia e tecnologia no que concerne ao uso efetivo do sistema patentrio.</p><p>Otimizar o processo de pesquisa e desenvolvimento.</p><p>Assessorar na criao de ncleos de propriedade industrial.</p><p>Conscientizar sobre a importncia da proteo patentria, fomentar o potencial criativo e criar uma cultura especfica sobre P.I. no pas</p></li><li><p>57</p><p>PROMOPATIMPLEMENTAO</p><p>1 FASE : palestra para informar, conscientizar e sensibilizar o 1 escalo das instituies sobre a importncia da patente.</p><p>2 FASE : Assessoramento in loco paraidentificao de criaes privilegiveis, bem como oferecer orientaes quanto correta redao de pedidos de patente.</p></li><li><p>58</p><p>PROMOPATIMPLEMENTAO</p><p> 2 FASE (CONT.)Oferecer subsdios quanto aos aspectos legais do sistema patentrio.Orientar quanto ao uso da informao tecnolgica patenteada para apoio s atividades de P&amp;D. 3 FASE : ncleos de P.I. -implantao nas entidades assistidas.</p></li><li><p>59</p><p>ACORDO DE NICE</p><p>CLASSIFICAO INTERNACIONAL DE PRODUTOS E SERVIOS AN - 150/99</p><p> Produtos - Classes de 1 a 34 Servios - Classes de 35 a 42</p><p> Compe lista alfabtica das 42 classes. Deve assinalar uma nica classe. </p></li><li><p>60</p><p>ACORDO DE VIENA</p><p>CLASSIFICAO INTERNACIONAL DE ELEMENTOS FIGURATIVOS AN - 151/99</p><p> Classificar de maneira coerente e correta os elementos figurativos. Serve para constituir o arquivo para futuras pesquisas. Definir corretamente as sees onde as marcas anteriores devem ser pesquisadas.</p></li><li><p>61</p><p>ACORDO DE VIENA</p><p>CLASSIFICAO DE ELEMENTOS FIGURATIVOS:ndice de categorias (1 a 29) - orientao rpida Lista de categorias e divises (aborda o assunto em relao diviso que parece mais apropriada em certa categoria.</p><p>Lista de categorias, divises e sees (permite finalmente determinar onde est classificado o elemento figurativo em questo</p><p>Ver AN - 151. Pg. 10 - Notas Explicativas -pg. 129</p></li><li><p>62</p><p>INPI / PRDELE</p><p>FIMFIM</p></li></ul>