a histria e evoluo - curiosidades do sax

Download A Histria e Evoluo - Curiosidades Do Sax

Post on 15-Sep-2015

16 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Método Música Saxofone

TRANSCRIPT

  • NDICE:

    Pgina:

    ? 1- Introduo 2

    ? 2- Contextualizao 3

    2.1- Contextualizao histrica 3

    2.2- Contextualizao cultural 6

    ? 3- Adolphe Sax 9

    ? 4- O saxofone (percurso/evoluo) 12

    ? 5- Saxofonistas clebres 17

    ? 6- Tcnica e funcionamento. 21

    6.1- Boquilha 21

    6.2- Palheta 22

    6.3- Surgimento do som 22

    6.4- Tessitura 23

    ? 7- Repertrio 24

    7.1- Repertrio sinfnico 24

    7.2- Repertrio concertante 26

    7.3- Msica de cmara 27

    ? Anexos 30

    ? Bibliografia

  • ...O saxofone...Histria e evoluo

    Contributos para uma nova sonoridade na Msica Erudita

    Prova de Aptido Profissional - III CICsar Edgar Ribeiro Lima - 2004

    2

    1- Introduo:

    Escolhi este tema, em primeiro lugar, porque estudo saxofone e em segundo, por no

    ter conhecimento de nenhum outro documento do gnero escrito em portugus.

    A finalidade deste trabalho realizar uma recolha de dados sobre a histria e evoluo

    deste belo instrumento, apesar de no ser nada fcil, dada a carncia de dados bibliogrficos

    acerca deste tema e a falta de tempo para o realizar.

    Procurarei dar resposta a algumas questes minhas e tambm dar a conhecer o

    saxofone.

    Inclinar-me-ei totalmente para a vertente da Msica Erudita, visto que nesta rea que

    me encontro a estudar.

    Com este trabalho, espero no s realizar os meus objectivos e esclarecer todas as

    minhas dvidas, mas tambm usufruir dos conhecimentos adquiridos durante o curso de

    instrumento, e aplica-los da melhor maneira possvel neste trabalho.

  • ...O saxofone...Histria e evoluo

    Contributos para uma nova sonoridade na Msica Erudita

    Prova de Aptido Profissional - III CICsar Edgar Ribeiro Lima - 2004

    3

    2.1- Contextualizao histrica:

    O sculo XIX ficou conhecido como o sculo das revolues. Nesta poca assistiu-se ao

    desenvolvimento da sociedade burguesa, ao crescimento do capitalismo industrial e expanso

    imperialista. A Revoluo Industrial, iniciada na Inglaterra, foi tambm um dos aspectos mais

    relevantes deste sculo, apesar de ter surgido no sculo XVIII. Com a Revoluo Industrial, o

    capitalismo passa a desenvolver-se a partir do sistema fabril. As conquistas cientficas e

    tecnolgicas melhoraram sensivelmente as condies de vida das populaes, determinando um

    decrscimo da mortalidade infantil e o crescimento demogrfico. O desenvolvimento de novas

    tecnologias permitiu a difuso das fbricas e das indstrias, modificando a estrutura econmica

    das naes e favorecendo a concentrao da populao nas cidades.

    Neste perodo assistiu-se ao desaparecimento de imprios com vrios sculos de

    existncia, como o turco, mas assistiu-se tambm ascenso de novas potncias. O incio do

    sculo foi marcado pela afirmao de

    Napoleo Bonaparte, general do exrcito

    republicano francs, que em 1804, assumiu o

    ttulo de Napoleo I Imperador de Frana. A

    aco de Napoleo alterou o equilbrio

    poltico e a estrutura territorial europeia,

    desafiando todas as potncias e, criando um

    imprio que se estendia da Espanha at

    Polnia incluindo, tambm, bastantes

    colnias.

    Com a queda de Napoleo em 1814 e o fim da guerra acordado no Tratado de Paris1

    em 30 de Maio de 1814, os grandes vencedores europeus, ustria, Inglaterra, Prssia e Rssia

    (bem como a Sucia, Espanha e Portugal) decidiram reunir-se em Viena entre Setembro de 1814

    e Junho de 1815, naquele que ficou conhecido como Congresso de Viena, e que visava repor o

    equilbrio geopoltico do continente e distribuir as regies devolvidas pelos franceses. Os

    princpios fundamentais que animaram este congresso foram a restaurao da situao poltica

    anterior a 1792, a legitimizao das monarquias europeias e a solidariedade entre as naes para

    o estabelecimento e manuteno de uma defesa comum dos interesses dinsticos, de forma a

    neutralizar qualquer ideia ou movimento liberal e revolucionrio. Para garantir a continuao

    destes princpios, as monarquias absolutas da ustria, Prssia e Rssia formaram entre si a

    Santa Aliana, com o objectivo de criar governos de natureza crist, patriarcal e conservadora,

    1 Tratado que confirmou a runa do imprio colonial francs.

    Fig. 1 Napoleo Bonaparte

  • ...O saxofone...Histria e evoluo

    Contributos para uma nova sonoridade na Msica Erudita

    Prova de Aptido Profissional - III CICsar Edgar Ribeiro Lima - 2004

    4

    de defesa mtua e solidariedade entre as naes, reivindicando igualmente o direito de

    interveno contra os nacionalismos e liberalismos

    O perodo que se estende de 1815 at s revolues de 1848 na Europa (a Primavera

    dos povos) de transio. Nesta fase altera-se a geografia poltica (nasce a Blgica em 1830 e

    ocorrem as independncias das colnias ibricas por volta de 1810-1820) ; corrompe-se o

    Imprio napolenico; a burguesia combate decididamente a aristocracia; e as crises agrcolas

    cedem passo s crises industriais; a Inglaterra torna-se potncia hegemnica, dominando o

    comrcio mundial.

    Darei agora maior importncia histria da Blgica, pois foi o pas onde o saxofone

    surgiu.

    Em 1830 nasce a Blgica. Desde o perodo feudal que a histria da Blgica se confunde

    com a dos Pases Baixos. Em 1477, o

    casamento de Maria de Borgonha

    com o arquiduque Maximiliano faz

    com que estes territrios, at a

    pertena dos duques da Borgonha,

    sejam integrados nos domnios

    Habsburgos. As vicissitudes polticas

    do reinado de Filipe II levaram

    revolta e posterior independncia das

    sete provncias do Norte, designadas,

    a partir de ento, pelo nome de Provncias Unidas (1579), futura Holanda. As provncias do Sul

    continuaram sob domnio espanhol.

    Teatro de numerosas guerras no tempo de Lus XIV, a Blgica ser cedida ustria

    pelo Congresso de Rastatt de 1714, confirmado em Aachen (1748). Em 1789, Jos II,

    imperador da ustria, proclama um novo estatuto para a Blgica pois, no fundo, tinha em vista a

    germanizao do pas. A reaco no se fez esperar: os belgas revoltaram-se e proclamaram os

    Estados Belgas Unidos (1790). A partir de ento, os Austracos vem o territrio ser disputado

    pela Frana, que anexa o pas em 1795, tornando-o um departamento francs (designado como

    reino de Batvia).

    Na sequncia das guerras napolenicas, os vencedores no aceitaram que a Blgica

    continuasse na posse da Frana; no tratado de Viena (1815), as potncias interessadas em

    diminuir o poderio francs criam o reino dos Pases Baixos, anexando a Blgica Holanda. Esta

    unio, artificial, no foi bem aceite por uma nao que se assumia cada vez mais como

    Fig. 2 Mapa da localizao da Blgica

  • ...O saxofone...Histria e evoluo

    Contributos para uma nova sonoridade na Msica Erudita

    Prova de Aptido Profissional - III CICsar Edgar Ribeiro Lima - 2004

    5

    detentora de uma vida nacional prpria e que apresentava ntidas diferenas culturais, religiosas

    e lingusticas.

    Aproveitando o perodo da Revoluo Francesa, que assinalou a transio da

    restaurao para a monarquia e contou com um grande envolvimento popular, os belgas

    separam-se da Holanda e proclamam a sua independncia, constituindo-se como uma

    monarquia constitucional. Leopoldo I de Saxnia-Coburgo ser o seu primeiro monarca, que

    solicitou a interveno militar da Frana para libertar a Blgica do domnio holands.

    Leopoldo I jurou a Constituio em 21 de Julho de 1831 e no encontrou grandes

    obstculos sua pretenso por parte das potncias europeias, que viam com bons olhos o

    aparecimento deste novo Estado. Apenas a Holanda discordou; o novo reino teve de suportar os

    ataques dos vizinhos holandeses at 1839, altura em que o rei Guilherme da Holanda acabou por

    o reconhecer a sua independncia. A nvel interno, os primeiros tempos foram de alguma

    instabilidade devido s disputas entre catlicos e liberais anti-clericais.

    Fig. 3 Imagem da proclamao da independncia da Blgica

  • ...O saxofone...Histria e evoluo

    Contributos para uma nova sonoridade na Msica Erudita

    Prova de Aptido Profissional - III CICsar Edgar Ribeiro Lima - 2004

    6

    2.2- Contextualizao cultural do Romntismo:

    O Romantismo trata-se de uma corrente esttica que se manifesta nas artes e na

    literatura do final do sculo XVIII at o fim do sculo XIX. Nasce na Alemanha, na Inglaterra e

    na Itlia, mas em Frana que ganha fora e se espalha pela Europa e Amricas. Ope-se ao

    racionalismo e ao rigor do neoclassicismo. Caracteriza-se por defender a liberdade de criao e

    privilegiar a emoo. As obras valorizam o individualismo do autor, o sofrimento amoroso, a

    religiosidade crist, a natureza, os temas nacionais e o passado, tal como na Idade Mdia.

    No se pode esquecer que o Romantismo revalorizou os conceitos de ptria e repblica.

    Por outro lado, papel especial desempenharam a morte herica na guerra e o suicdio por amor.

    A pintura foi a disciplina mais

    representativa do Romantismo. As cores

    utilizadas libertaram-se e fortaleceram-se,

    dando, por vezes, a impresso de serem

    mais importantes que o prprio contedo da

    obra. A paisagem passou a desempenhar o

    papel principal. o que acontece com as

    tempestades de Turner (imagem), cuja

    fora expressiva permitiu ao pintor

    prescindir, intencionalmente, de toda presena humana; ou das montanhas nebulosas de

    Friedrich, solitrias e msticas. Outros nomes sonantes desta arte so Rosseau, oriundo de

    Frana, e Constable ,da Inglaterra.

    A escultura romntica no brilhou exactamente pela sua originalidade, nem to pouco

    p