A CORRELAÇÃO DOS ASPECTOS MORFOESTRUTURAIS E ... ?· compartimentação do relevo da bacia hidrográfica…

Download A CORRELAÇÃO DOS ASPECTOS MORFOESTRUTURAIS E ... ?· compartimentação do relevo da bacia hidrográfica…

Post on 10-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • 9 SINAGEO - Simpsio Nacional de Geomorfologia21 24 de Outubro de 2012 RIO DE JANEIRO / RJ

    A CORRELAO DOS ASPECTOS MORFOESTRUTURAIS EMORFOESCULTURAIS NA BACIA DO RIBEIRO IPER, SP.

    Moraes, F. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SAO CARLOS) ; Arruda, E. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SAOCARLOS)

    RESUMOO trabalho apresenta uma anlise sobre a interao de aspectos endgenos e exgenos nacompartimentao do relevo da bacia hidrogrfica do Ribeiro Iper, regio de Sorocaba, So Paulo,com o auxlio do software ArcGIS, observaes de campo e anlise de cartas topogrficas, a fim dese gerar uma interpretao das feies encontradas e o papel da drenagem no dissecao dasmesmas. Espera-se que o trabalho contribua para o entendimento da gnese do relevo regional.

    PALAVRAS CHAVESBacia Hidrigrfica; Interpretao das Feies; Gnese do Relevo

    ABSTRACTThe work presents an analysis of the interaction of endogenous and exogenous processes instructuring the relief of the Ribeirao Iper watershed, in Sorocaba, State of So Paulo, with thesupport of ArcGIS software, field observations and analysis of topographic maps in order to generatean interpretation of the features found and the role of drainage in dissecting the watershed. It isexpected that this work will contribute to understanding the genesis of regional relief.

    KEYWORDSWatershed; Interpretation of Feature; Genesis of Relief

    INTRODUOEste trabalho est sendo realizado em conjunto com o grupo de estudos do Quaternrio daUniversidade Federal de So Carlos no Campus de Sorocaba, Estado de So Paulo e tem como foco oestudo de bacias hidrogrficas, a identificao dos depsitos sedimentares e sua utilizao nainterpretao paleoambiental. A Geomorfologia contm subsdios necessrios para se estudar deforma completa a morfodinmica do relevo e tem nas bacias hidrogrficas uma escala de anliseque possibilita o entendimento de um carter sistmico dos elementos que esto presentes napaisagem. Acredita-se assim que essa cincia oferea suporte terico e metodolgico para acompreenso do relevo como resultado de processos atuais e subatuais. Por situar-se em uma reade interface de relevo da Depresso Perifrica Paulista e do Planalto Atlntico, alm da presena doMacio Alcalino de Ipanema (Serra de Araoiaba) pontuando na regio, a bacia estudada se torna umimportante objeto para propor a sequncia cronolgica dos aspectos tectnicos e erosivos que seprocessaram ao longo do Quaternrio. O setor de cabeceiras da bacia do Ribeiro Iper se encontrano municpio de Capela do Alto, enquanto a rea de sua foz est inserida em Araoiaba da Serra,municpios localizados na regio Sudeste do Estado de So Paulo. O trabalho vem analisando de quemodo os aspectos morfoestruturais e morfoesculturais esto integrados na gnese edesenvolvimento do relevo da bacia hidrogrfica do Ribeiro Iper. Para nortear a pesquisa foramelaborados diversos mapas temticos que correlacionados a trabalhos de campo permitemcompreender a dinmica geomorfolgica da rea de estudos. Os resultados atuais serocorrelacionados ao mapeamento geomorfolgico regional para a identificao de reas para coletade sedimentos no mbito do projeto maior.

    MATERIAL E MTODOSA pesquisa contou com o auxlio do software ArcGIS para a elaborao de mapas temticos, a fim dese obter uma observao mais completa dos elementos da paisagem da bacia, alm das visitas decampo, interpretao das folhas topogrficas da rea e o prprio referencial terico sobre o tema.

    pgina 1 / 3

  • 9 SINAGEO - Simpsio Nacional de Geomorfologia21 24 de Outubro de 2012 RIO DE JANEIRO / RJ

    Os mapas foram produzidos a partir da imagem SRTM (Shuttle Radar Topography Mission)srtm_27_17 que abrange parte do setor Sudeste do Brasil, esta que foi recortada ao ponto deabranger toda a rea da bacia estudada. Os mapas elaborados foram: > Mapa Geolgico: Com orecorte da rea de estudos e a obteno do layer com a geologia do Estado de So Paulo, obtido nowebsite da CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Naturais), foi possvel a realizao do mapaque contm os tipos de litologia encontrados na regio. > Mapa de Declividade: Utiliza-se aferramenta Slope em 3D Analyst Tools, e nas propriedades do layer criado foram alteradas as coresdos ndices de declividade, dividindo-os em 6 classes. > Mapa de Relevo Sombreado: Com aferramenta hillshade foi criado este mapa, que facilita na identificao dos lineamentos. > BaseTopogrfica: A partir da ferramenta 3D Analyst Tools foram gerados as curvas de nvel, comequidistncia das isopsas de 10 metros. > Mapa Hipsomtrico: Este foi elaborado a partir da basetopogrfica, criando-se uma imagem tin em 3D Analyst Tools. Alm da produo dos mapas, foramefetuadas observaes minuciosas das folhas topogrficas de Boituva (SF-23-Y-C-I-4) e Salto dePirapora (SF-23-Y-C-IV-2), publicadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica),ambas na escala de 1:50.000. Com relao ao mtodo, optou-se pela abordagem sistmica.

    RESULTADOS E DISCUSSOPor ter sua rea inserida na Depresso Perifrica Paulista, a bacia do Ribeiro Iper apresentaaltitudes mdias a da provncia geomorfolgica citada, entre 500 e 650 metros, porm com aobservao dos mapas temticos elaborados e das cartas topogrficas possvel encontrar pontoscotados com mais de 700 metros de altitude no setor de cabeceiras, prximos a rodovia RaposoTavares (SP-270) e pontos com mais de 800 metros no setor do Macio de Ipanema. A correlaoque pode ser feita entre altitudes e as litologias encontradas na regio da bacia o fato de que aformao rochosa predominante na rea pertence ao Subgrupo Itarar, composto por depsitossedimentares formados em perodos glaciais e que ocorrem em boa parte da Bacia Sedimentar doParan. No caso das reas com mais de 800 metros de altitude, a presena da intruso mesozicado Macio Alcalino foi responsvel por um arqueamento do relevo regional, tornando assim vales desetores prximos mais encaixados e interflvios mais dissecados. Consequentemente, as vertentescom declividades mais acentuadas ocorrem ao longo da margem direita da bacia, devido a presenadeste alto estrutural e topogrfico, que define a assimetria da bacia, sendo a margem esquerdamuito mais rebaixada em relao direita. Portanto visvel o controle estrutural da bacia devido oseu trabalho de dissecao de uma regio cristalina em sua margem direita enquanto sua margemoposta retrabalha sedimentos oriundos das rochas sedimentares do Subgrupo Itarar. O SubgrupoItarar faz parte do Grupo Tubaro, este que encontrado em um grande setor da regio Sudeste doBrasil, sendo marcado pelas deposies lacustres relacionadas aos perodos glaciais neste setor daGondwana. Os diferentes perodos climticos que formaram esta rea ocasionaram dois diferentestipos de deposio, que posteriormente foram responsveis pelos tipos de rocha que compem oItarar. H um tipo mais grosseiro, formado por deposio de fragmentos sedimentares maiores eque permite que gua das drenagens dissequem com maior intensidade e outro tipo de rochaformado por deposio fina, que permitiu que a rocha sedimentar fosse mais coesa e com issoapresentado maior resistncia aos processos erosivos. Tais aspectos podem explicar diferentespatamares no relevo, sendo que no setor Sul da bacia hidrogrfica estudada possvel de severificar feies que podem representar momentos de deposio mais fina nos perodos glaciais eapresentarem maior resistncia ao erosiva dos cursos fluviais. Prximo jusante da baciaestudada, as plancies fluviais so mais extensas, permitindo assim que o curso fluvial principal sedesenvolvesse de forma mendrica, sem fortes controles estruturais, nessa rea tambm que sepreservam em maior quantidade suas matas galerias. A rede de drenagem apresenta aspectodendrtico e assimtrico em relao ao curso principal, sendo que a margem esquerda por ser maisrebaixada possui uma densidade de drenagem menor que a margem oposta devido a diferena dedeclividade. Em relao a possveis movimentos tectnicos na bacia hidrogrfica estudada, seutributrio, o Ribeiro Iper-Mirim demonstra uma forte inflexo, mudando seu curso do sentidoNordeste para Noroeste e antes de desaguar no curso principal retoma seu sentido principal,expressando uma perturbao crustal pretrita.

    pgina 2 / 3

  • 9 SINAGEO - Simpsio Nacional de Geomorfologia21 24 de Outubro de 2012 RIO DE JANEIRO / RJ

    CONSIDERAES FINAISEm relao ao relevo da bacia do Ribeiro Iper, evidente a combinao entre os condicionantesclimticos pretritos e atuais com as caractersticas litoestruturais na rea de estudos. A maiorinfluncia local com relao aos aspectos estruturais est relacionada ao macio alcalino, quesegundo Rugenski (2006), teria acontecido a 123 milhes de anos, atuando como responsvel pelocontrole estrutural exercido no relevo regional com declividades acentuadas e vales encaixados,enquanto que se distanciando para o setor de nascentes ou em direo poro da margemesquerda visvel como os interflvios so mais alongados e vertentes mais aplainadas. Constata-seassim, que o relevo da rea influenciado pelo Macio de Ipanema e as caractersticas da litologiado Subgrupo Itarar, que integrado s condies climticas do ambiente tropical propicia odesenvolvimento da rede de drenagem notadamente direcionada, com casos de inflexes como a doRibeiro Iper-Mirim, a articulao dos canais no sentido NW e capturas fluviais relacionadas aoCrrego Araatuba e o Ribeiro Capanema.

    REFERNCIAS BIBLIOGRFICACHRISTOFOLETTI, A. - Geomorfologia. Editora Edgard Blucher Ltda e EDUSP, So Paulo, 1974, 2.ed.150 p.MOURA, J. R. S. & MEIS, M. R. M. Contribuio estratigrafia do Quaternrio Superior no mdio valedo rio Paraba do sul, Bananal (SP). Anais da Academia Brasileira de Cincias, Rio de Janeiro, v. 58, p.89 102. 1986.NEVES, M. A. ; MORALES, N. ; SAAD, A. R. . Coberturas sedimentares cenozicas da bacia do rioJundia (SP). Geocincias (So Paulo), v. 24, p. 289-304, 2005.ROSS, J.L.S; MOROZ, I.C. Mapa Geomorfolgico do Estado de So Paulo, escala 1:500.000, SoPaulo: FFLCH-USP/IPT/FAPESP. 2V. 1997.RUGENSKI, A.; MANTOVANI, M.S.M. & SHUKOWSKY, W. Investigao Gravimtrica do complexoalcalino de Ipanema, So Paulo, Brasil. Geologia USP, Srie Cientfica, 6(1):13-27. 2006.

    Powered by TCPDF (www.tcpdf.org)

    pgina 3 / 3

    http://www.tcpdf.org

Recommended

View more >