8ª Edição Jornal Fiodeback

Download 8ª Edição Jornal Fiodeback

Post on 19-Mar-2016

225 views

Category:

Documents

5 download

DESCRIPTION

Especial II Aniversrio

TRANSCRIPT

  • quarta-feira, 18 de dezembro de 2013, No8

    pg. 6-7

    Editorial | Bruno Cruz, Coordenador do NEEET-AAUAv | pg. 2-3Notcias | pg. 3-5PREPARA(R) O MELHOR FUTURO = PARTICIPA(R) NO PRESENTE | Mestre Alexandre Cruz, Provedor do Estudante da UA | pg. 8-9Breve histria do NEEET-AAUAv | pg. 10-11Mensagem do Presidente | Tiago Almeida, Presidente da Direo da AAUAv | pg. 12

    II aniversrioespecial

  • Pgina 02 // Jornal Fiodeback // 18-12-2013

    EDITORIAL

    Ficha Tcnica:Jornal Oficial do Ncleo de Estudantes de Engen-haria Eletrnica e Telecomunicaes de Associao Acadmica da Universidade de Aveiro

    Propriedade:Ncleo de Estudantes de Engenharia Eletrnica e Telecomunicaes da Associao Acadmica da Uni-versidade de Aveiro (NEEET-AAUAv)

    Morada:Universidade de Aveiro - DETISala 120, Campus Universitrio de Santiago 3810-193, Aveiro

    E-mail: neeet@aauav.ptSite: neeetaauav.com

    Equipa Editorial:Bruno CruzTiago Vieira

    Colaborao:Mestre Alexandre CruzTiago AlmeidaCoordenao do NEEET-AAUAv

    Design e Paginao:Paula Mnica

    Reviso:Bruno Cruz

    Tiragem:300 exemplares

    1. O NEEET-AAUAv no responsvel pelas ideias expressas em artigos assinados, sendo que os que no se encontram assinados so da autoria da equipa editorial.

    2. A colaborao do Jornal Fiodeback est aberta a toda a Comunidade Acadmica.

    Distribuio gratuita!

    Bruno CruzCoordenador

    NEEET-AAUAV

    Caro colega,

    Chega a hora de celebrar mais um an-iversrio do NEEET-AAUAv, que pode nem parecer, mas apenas o segundo da sua curta histria.Curta, mas no sem muito que contar, conforme poders ver nas pginas 10 e 11.

    Chega tambm a altura de fazer um balano deste segundo mandato, um mandato de confirmao e de con-tinuidade do excelente trabalho de-senvolvido pela equipa antecessora.Destaco naturalmente o crescimento na qualidade e profissionalismo de toda a ao do ncleo, sobretudo nas reas de interveno poltica, onde conseguimos importantes avanos no relacionamento com a direo do departamento (ainda muito aqum do desejado, e do verificado noutros departamentos de engenharia desta Universidade), e na relao com o mundo empresarial, sobretudo no que toca recolha de apoios e realizao de parcerias.

    O nosso departamento no tem, infe-lizmente, uma histria recente, muito marcada pelo dilogo e participao dos seus alunos. Acredito que o tra-balho realizado pelo NEEET-AAUAv ao longo deste ano contribuiu para melhorar essa situao, mas claro, muito h para ser feito nos anos vin-douros

    No plano das relaes empresariais h que destacar a excelente rece-tividade que o KIT Eletrnica NEEET-AAUAv obteve junto das empresas contactadas. Muitas foram as que se escudaram na situao atual do pas para recusarem o apoio necessrio a

    esta atividade, no entanto a perse-verana com que sempre pautmos este mandato, levou a que fosse pos-svel encontrar os to necessrios apoios, que vem de instituies cujas reputaes so o principal garante da qualidade e pertinncia desta atividade. Assim, aqui fica um grande agradecimento PT-Inovao, Mi-crosoft, e ao Instituto de Telecomu-nicaes pelo apoio disponibilizado.

    Mas o ncleo vai muito mais alm do Kit, como tal lanamos um ambicioso programa de Sponsoring da atividade regular do NEEET-AAUAv, e foi com enorme satisfao que encontrmos na Inovaria um parceiro que com-preendendo a importncia da prox-imidade das empresas que representa com o meio acadmico, estabeleceu um acordo de parceria do qual nos orgulhamos muito, sobretudo, por mais uma vez ser uma instituio cuja qualidade e relevncia amplamente reconhecida.

    O desporto foi para ns uma rea de primordial ateno, garantindo uma participao gratuita de todos os alunos de MIEET na Taa UA, evento maior do desporto na nossa academia, o que levou a um grande crescimento no nmero de modalidades com par-ticipantes de MIEET, tendncia que tem todas as condies para se man-ter nos prximos anos.

    No campo pedaggico foram tambm diversas as nossas atividades, desde conversas informais com ex-alunos, palestras, sesses de apoio ao es-tudo, e workshops, de onde gostaria de destacar dois em particular: O workshop de bases de dados, re-alizado com a gentil colaborao da

    PT-Inovao, que surge a pedido dos prprios alunos (esta de resto uma falha do nosso plano curricular que nos apontada por quase todos os empregadores com que contactmos durante este ano), e o workshop de PLCs, realizado pelo Eng. Jorge An-dril da Bresimar, que despertou a at-eno dos nossos alunos para a rea da automao.

    Como estudante que estudante ne-cessita dos seus momentos de relax-amento, tambm a componente mais acadmica no ficou esquecida du-rante este mandato, em que o NEEET-AAUAv organizou mais uma festa de arromba no Bar do Estudante, e marcou presena nas semanas aca-dmicas da AAUAv. Tambm aqui a qualidade e rigor foi a nossa imagem, tendo conseguido com estas ativi-dades obter uma importante fatia das nossas receitas anuais.

    Foi um mandato difcil e exigente, com algumas limitaes de recursos humanos que levaram a uma parte fi-nal do mandato com um pouco menos de atividade do que aquela que gos-taramos de ter apresentado. Alguns projetos ficaram na gaveta, mas es-tamos j a trabalhar no sentido de os mesmos serem transmitidos aos nos-sos sucessores.

    Por nossos sucessores refiro-me naturalmente Coordenao elei-ta nas eleies do ms passado, de quem espero que sejam capazes de fazer ainda mais e melhor pelo NEEET-AAUAv e pelos alunos que representam. Acredito que o faro, pois trazem a energia de uma equipa jovem e possuem todas as condies para efetuar um excelente mandato.

    especial II aniversrio

  • Pgina 03 // Jornal Fiodeback // 18-12-2013

    Decorreram no passado dia 26 de novembro as eleies para os rgos sociais dos ncleos de curso, associa-tivos, e setoriais da Asso-ciao Acadmica da Uni-versidade de Aveiro (AAUAv).

    No respeitante ao NEEET-AAUAv, foi eleita a lista A para a Mesa da RGM e para a Coordenao do Ncleo. Nestas eleies foram elei-tos os rgos sociais de 39 ncleos da AAUAv.

    Eleies para os rgos sociais do NEEET-AAUAv do a vitria Lista A, nica lista candidata

    Alguns dos desafios fundamentais da prxima Coordenao passaro por des-pertar uma maior participao dos alunos (sobre este tema, to atual e importante, o senhor provedor do estudante da UA, Mestre Alexandre Cruz, acedeu simpat-icamente a escrever um artigo sobre o assunto, que poders ler nas pginas 8 e 9), por estabelecer uma renovada ligao com a comisso de curso, e por fazer mais em prol do Projeto Associativo.

    Muitas vezes somos incompreendidos nesta luta pelo Projeto Associativo, mas acredito que este tem que ser o caminho, para toda a UA, pois enquanto a repre-sentatividade nica no se tornar uma realidade, os estudantes continuaro di-vididos, e estando divididos, muito mais difcil lutar pelos nosso diretos. No nosso caso em particular, este aspeto funda-mental quando falamos da relao com a direo do nosso departamento, e a ao poltica junto da mesma.

    Mas esta uma tarefa que no pode ficar apenas responsabilidade dos ncleos de curso do DETI, e do NEEET-AAUAv em particular, e por isso no posso deixar de transmitir prxima direo da Asso-ciao Acadmica de Aveiro (desconheo na data em que escrevo quem foram os vencedores das eleies do dia de ontem) a importncia de continuar este caminho, de ouvir os ncleos, de os ter como pedra

    fundamental da estrutura, e de continuar a lutar pelo Projeto Associativo, e por outras questes que sendo difceis, no nos devem fazer desistir. Exemplo disso a questo da integrao das comisses de curso nos ncleos de curso (o que no significa necessari-amente uma extino destas comisses), proposta que (ainda) no recebeu o apoio do Conselho Pedaggico, mas que deve continuar a ser uma bandeira da nossa As-sociao.

    Apesar de haver sempre muito para fazer, e muito para melhorar, acredito sem som-bra de dvida que vivemos hoje num curso e num departamento melhor do que aquele que se verificava h dois anos atrs, e penso que por isso, todos ns, alunos, di-rigentes, professores e funcionrios, de-vemos estar de parabns pelo trabalho alcanado, mas com a certeza de que o desafio maior estar sempre por vir.

    Chega assim ao fim a minha passagem pelo NEEET-AAUAv, e por esta Universidade, foi para mim uma enorme honra ter desem-penhado as funes de Responsvel Finan-ceiro e de Coordenador desta casa, onde apesar de um percurso ainda assim curto, muito aprendi, deixando muitos amigos, que espero, continuem a fazer da AAUAv, em particular dos seus ncleos, uma insti-tuio de excelncia, de competncia, de transparncia, e de rigor.

    So muitas as pessoas a quem no posso deixar de enderear um agradecimento especial, em particular a quem nos aju-dou no estabelecimento de parcerias, as-sim, ao Dr. Marcelino Pousa, ao Dr. Jos Fernandes, Dra. Regina Maia Sacchetti, e ao Prof. Dr. Nuno Borges de Carvalho o meu muito obrigado pela preciosa ajuda prestada.

    Igualmente uma palavra de profundo agradecimento pela camaradagem e por tudo o que me ensinaram, ao Fernas, ao Tiago Vieira, ao Antnio Valente, ao Tia-go Almeida, Ana Duarte, ao Andr Reis, ao Nuno Ferreira, ao Lus Lemos, ao Jni Loureno, ao Lus Fernandes, Rita Cor-reira, ao Diogo Lonet, a todos os que emb-ora no mencionados, foram fundamentais nesta caminhada, e claro, Ana Afonso, no tenho dvidas que muito daquilo que o NEEET-AAUAv hoje em dia deve-se a ela e ao seu trabalho.

    Por fim, os meus sinceros votos de felici-dades e de boa sorte ao Felisberto Perei-ra, ao Lus Almeida, e restante equipa.

    equipa que comigo partilhou este man-dato, foi um prazer trabalhar convosco, muito obrigado pela vossa dedicao e empenho!

    Saudaes Acadmicas,Bruno Cruz

    especial II aniversrio

  • Pgina 04 // Jornal Fiodeback // 18-12-2013

    Mais um ms passou e mais jogos das equipas do nosso curso foram re-alizados na TAA-UA. A equipa de Futsal jogou com Engenharia Geolgica (4-2 para a equipa ad-versria), Msica (4-0 a nosso favor), e Economia (derrota nossa por 4-3). Atualmente encontra-se no 6 lugar com 3 pon-

    tos. Quanto ao Andebol, a equipa de MIEET est in-victa at agora, vencendo os 3 jogos j realizados: contra Psicologia (15-5), Engenharia do Ambiente (15-5), e Economia (16-6). Naturalmente, merece sem dvidas o 1 lugar que ocupa no momento. Nas jornadas concentradas de Basquetebol as nos-

    sas equipas conseguiram os seguintes resultados: 32-8 contra Biotecnologia B e 38-28 contra Engenha-ria Qumica A. J no volei-bol, MIEET B ganhou por 2-0 a Engenharia Qumica, o mesmo resultado com que venceu Economia B. Por seu turno, a equipa A venceu NTC por 2-0 e per-deu 2-0 contra Economia

    A. Nesta altura, EET B en-contra-se em 3 lugar com os mesmos pontos dos se-gundos primeiros e MIEET A em 5 lugar. A equipa de Basquetebol ocupa o 3 posto. Nas prximas sema-nas tempo de descanso, uma vez que se inicia a poca de exames, regres-sando a competio no in-cio do prximo semestre.

    MIEET na Taa UA

    No dia 6 de novembro, quar-ta-feira, enfrentaram-se em jogo da 14a jornada da Liga 2 de futebol, o S.C. Beira-Mar e o Acadmico de Viseu F.C., jogo realizado no es-tdio municipal de Aveiro e

    que contou com o apoio dos alunos de MIEET na bancada, que se deslocaram ao est-dio numa iniciativa organi-zada pelo NEEET-AAUAv com o objetivo de fortalecer a ligao dos estudantes deste

    curso com a cidade e suas instituies.

    Quanto ao jogo, teve duas partes muito diferentes, na primeira o domnio foi avas-salador do lado auri-negro, o que se traduziu com al-guma naturalidade no golo inaugural, ao minuto 15, por intermdio de Rafael Batat-inha. Nos minutos seguintes a presso fazia adivinhar novo golo, mas a turma aveirense ficou-se por um golo anula-do e um penlti falhado. Na segunda metade a qualidade de jogo decresceu consid-eravelmente e chegou-se a prever o empate do AC Vi-seu. No entanto, com um fi-nal de jogo a melhor nvel, o Beira-Mar conseguiu segurar

    esta preciosa vantagem e garantir mais trs impor-tantes pontos na luta pela classificao do segundo es-calo mais importante das competies profissionais em Portugal. Com este resul-tado os auri-negros sobem ao 11o lugar da tabela classifi-cativa (18 pontos), enquanto que o AC Viseu se mantm em 21o, com 10 pontos, ap-enas mais 3 que o lanterna vermelha, Trofense.

    Nota ainda para o facto de este jogo ter registado a melhor casa da poca, at agora, no Municipal de Aveiro.

    O NEEET-AAUAv foi apoiar o Beira-Mar

  • Pgina 05 // Jornal Fiodeback // 18-12-2013

    Nos dias 13 e 14 de novem-bro decorreu no Centro de Congressos de Lisboa o 23 Congresso das Comuni-caes, organizao anual da Associao Portuguesa para o Desenvolvimento das Comuni-caes. Este evento rene as mais importantes figuras e empresas das reas das tel-ecomunicaes e informtica, e uma importante oportu-

    nidade no s para conviver mais de perto com a realidade empresarial, mas tambm para absorver conhecimento tecnolgico. A APDC disponibilizou entra-das gratuitas para um nmero limitado de alunos do DETI, s que esta informao no foi transmitida aos alunos de MIEET. Segundo o que foi possvel apurar junto da sec-

    retaria do departamento, os diretores de curso decidiram, deliberadamente, informar apenas as comisses de curso sobre esta matria, deixando de fora os alunos e os seus legtimos representantes.Acontece que a Comisso de Curso de MIEET no informou nem os alunos, nem a Coorde-nao do NEEET-AAUAv, que tomou conhecimento desta situao tarde demais, e ape-nas por intermdio dos outros ncleos de curso do depar-tamento, que organizaram as viagens dos alunos dos respe-tivos cursos a este evento. A Coordenao do NEEET-AAUAv lamenta profunda-mente esta situao, em que se viu impedida de promover a participao dos alunos de MIEET nesta importante atividade. Recordamos que o

    NEEET-AAUAv dispe de fun-dos financeiros para apoiar a participao dos seus alunos neste tipo de atividades. Infelizmente este mais um lamentvel episdio, a juntar ao processo eleitoral para as Comisses de Curso, que demonstra claramente a ne-cessidade de haver uma maior ligao e trabalho conjunto entre a direo do curso e o NEEET-AAUAv.Apela-se assim, tanto di-reo do curso, como Co-misso de Curso que, futura-mente, no deixem de lado o NEEET-AAUAv, a bem dos in-teresse dos alunos de MIEET.

    O streaming do congresso encontra-se disponvel em http://tv.apdc.pt/.

    Alunos de MIEET no foram informados que podiam participar gratuitamente no 23 Congresso das Telecomunicaes

    O horrio de funcionamen-to do DETI regressou ao horrio das 9h-23h30, tendo a direo do departamento aprovado novas regras de acesso s salas do mesmo.

    Assim, as salas 1.04, 1.06, 1.19, 1.23, 1.26, 1.28, 1.30, e 2.25 passam a estar abertas em permanncia, desde que no decorram atividades letivas. Tambm os labo-

    ratrios do 2 piso passam a estar abertos entre as 9h e as 13h, e entre as 14h e as 17h30. Fora deste horrio aschaves de acesso a cada um dos laboratrios tm de ser pedidas na portaria/secre-taria do DETI. O acesso eletrnico estar disponvel para os alunos de mestrado, doutoramen-to, ou bolseiros, bastando para tal que o docente responsvel por estes alunos efetue pedido para cesar@ua.pt.Outra novidade a dis-ponibilizao dos coman-dos dos videoprojetores no interior das salas de aula num suporte apropriado, no sendo, por esse motivo,

    necessrio requisit- los na portaria do DETI.Apela-se a todos os alunos, professores, e funcionri-os que cumpram as regras estipuladas, mantendo sempre uma utilizao re-sponsvel dos espaos e dos materiais, dado que s assim ser possvel promov-er alteraes futuras com vista a melhorar a abertura e a facilidade de acesso dos alunos s infraestruturas do DETI.

    Para mais informaes deve ser consultado o email enviado pela direo do departamento, sobre este assunto, no dia 20 de novembro.

    DETI reabre em horrio noturno

  • A Inova-Ria uma Associao de Empresas de-terminante para um ecossistema de inovao nico formado por empresas, instituies de ensino e de I&D na rea das Tecnologias de Informao, Comunicao e Eletrnica. A Inova-Ria rene cerca de 62 empresas associadas que representam um volume de negcios agregado de mais de 200 milhes de euros e empregam mais de 2300 colabora-dores.

    A nossa visoLiderar as reas de conhecimento, estratgi-cas para o desenvolvimento dos Negcios das Empresas Associadas da Inova-Ria.

    Objetivo Captar os melhores e mais promissores Re-cursos Humanos selecionados entre as mel-hores Universidades Portuguesas;

    Queremos identificar e atrair novos quadros de elevado valor para as atividades da ino-vao tecnolgica das empresas com o obje-tivo de Rejuvenescer os ativos das Empresas da Inova-Ria.

    As Bolsas GENIUS tm como objetivo atrair, captar e reter jovens de elevado potencial e com curriculum acadmico relevante para as atividades de I&D e Inovao nas empresas do Cluster Inova-Ria.

    REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAOAprovado pela Fundao para a Cincia e Tec-nologia ao abrigo da Lei n 40/2004, de 18 de Agosto.Aplica-se s bolsas atribudas pela Inova-Ria para prossecuo pelo bolseiro de ativi-dades de investigao cientfica, desenvolvi-mento tecnolgico ou formao conexa com as seguintes reas.

    reas de Conhecimento de Referncia:- Informtica- Telecomunicaes- Eletrnica/ Eletrotecnia/ Eletrotcnica- Gesto- Sistemas de Informao- Matemtica Aplicada- Tecnologias (Informao/ Comunicao)

    Tipologia de Bolsas Genius: a) Bolsas de Ps-Doutoramento (BPD);

    b) Bolsas de Doutoramento (BD);

    c) Bolsas de Doutoramento em Empresas (BDE);d) Bolsas de Mestrado (BM);destinam-se a licenciados que pretendam ob-ter o grau de mestre por universidades por-tuguesas para a frequncia da parte docente do mestrado e/ou apenas para o perodo de dissertao do mestrado, atravs da reali-zao de trabalhos de mestrado em ambiente empresarial e visando temas de relevncia para a Inova-Ria, desde que aceites pela uni-versidade que confere o correspondente grau de mestre.

    e) Bolsas de Investigao (BI);

    f) Bolsa de Iniciao Cientfica (BIC);

    g) Bolsas de Mobilidade entre Instituies de I&D e Empresas ou outras Entidades (BMOB);destinam-se a licenciados, mestres ou doutores e tm por objeto estimular as atividades de investigao cientfica e de-senvolvimento tecnolgico bem com as ativi-dades de formao avanada em Empresas do cluster da Inova-Ria.

    h) Bolsas de Gesto de Cincia e Tecnologia (BGCT);

    i) Bolsas para tcnicos de Investigao (BTI).

    As Candidaturas:

    Se te consideras um jovem de elevado poten-cial e pretendes aprender e abraar desafios, candidata-te ao Programa GENIUS!So os jovens ambiciosos, proativos, dinmi-cos, com capacidade de fazer acontecer e paixo pela tecnologia, como tu, que preten-demos. A abertura de concursos para atribuio de bolsas publicitada atravs de anncio na pgina web da Inova-Ria e sempre que necessrio coordenada com a Instituio de ensino ou divulgada atravs de outros meios de comunicao considerados adequados.

    REQUISITOS

    Realizao da BOLSA: BIC BM e ou BMOB Ter uma mdia final de curso igual ou supe-rior a 14 valores (na Licenciatura pr-Bolon-ha ou na mdia aritmtica, falta de outra ponderao, do 1 e 2 ciclos de estudos de Bolonha);

    No acto de candidatura dever ser entregue o Curriculum Vitae, onde constem expressa-mente as disciplinas realizadas, a mdia es-perada e a indicao das principais reas de interesse.

    Condies para concesso das bolsas: A concesso da bolsa est sujeita verifi-cao das seguintes condies:

    Antes da concluso do curso (1 ou 2 Ciclo de Bolonha) > Possibilidade de: BIC ou BM- Realizar um trabalho de investigao com enquadramento nas reas de investigao numa das Empresas da INOVA-RIA.

    Aps a concluso do curso (2 Ciclo de Bolon-ha) > Obrigatoriedade de: BMOB- Realizar um Bolsa de 12 meses nas insta-laes e nas reas de investigao das Em-presas da INOVA-RIA .

    Pgina 06 // Jornal Fiodeback // 18-12-2013

    25 vagas estimadas para 2014.

    So os jovens ambiciosos, proac-tivos, dinmicos, com capacidade de fazer acontecer e paixo pela tec-nologia, como tu, que pretendemos.Consulta o Regulamento deste pro-grama em: http://www.bolsasge-nius.pt/estudantes/regulamento/ A candidatura dever ser realizada atravs da inscrio em:http://www.bolsasgenius.pt/index.php?cID=233 at dia 28 de Fever-eiro de 2013.Em caso de dvidas contactar: genius@inova-ria.pt

    sponsored

  • Pgina 07 // Jornal Fiodeback // 18-12-2013

    PROGRAMA RIA 3ISNo passado dia 14 de junho de 2013, o Governo portugus aprovou o programa Impulso Jovem que prev um conjunto de propostas de apoio empregabili-dade jovem e s PME, procurando deste modo fazer face ao agravamento do desemprego nas classes mais jovens do nosso pas.Atravs deste programa foram desen-volvidas vrias medidas de estgios, entre os quais, o Passaporte de Em-prego Industrializao, o Passaporte de Emprego Internacionalizao e o Passaporte de Emprego Inovao (3i) que consistem no desenvolvimento de projetos integrados constitudos por um estgio profissional, acompanhado de formao, e seguido pelo apoio contratao sem termo por conta de outrem que tem como objetivo o incen-

    tivo empregabilidade dos jovens e o desenvolvimento de novos conhecimen-tos e competncias junto das PME. Neste mbito, com vista a apoiar as empresas e os jovens, a Inova-Ria lan-ou o Programa de Estgios RIA3IS, cofinanciado pelo COMPETE/QREN/UE, que apoia a realizao de 22 estgios qualificados em contexto empresarial, permitindo s PME a capitalizao dos seus projetos nas vertentes Industri-alizao, Inovao e Internacionali-zao, e aos jovens o impulso inicial na sua carreira profissional. Os estgios tm durao de 12 meses e sero fi-nanciados a 100%, sendo que os valores das bolsas variam consoante o nvel de qualificao dos estagirios. As em-presas que optarem pela contratao destes recursos humanos recebero

    ainda, no final, um prmio de inte-grao para a criao de emprego. Dado a especializao da Inova-Ria, ao longo de vrios anos, na captao de recursos humanos de elevado potencial, as em-presas podero beneficiar ainda de um recrutamento personalizado e ajusta-do s suas necessidades e aos projetos que tm a decorrer. Temos neste momento, j algumas em-presas a beneficiar das vantagens de programa de estgios com jovens re-cm-formados a iniciar o seu percurso profissional num contexto empresarial assistidos por profissionais altamente qualificados que iro preparar e acom-panhar as suas funes durante o prx-imo ano.

    sponsored

    CANDIDATURAS ABERTAS

    Os estgios tero a durao de 12 meses e sero desenvolvidos em em-presas do cluster TICE em Aveiro.

    Os valores das bolsas dos estgios correspondem aos aplicados no Programa Impulso Jovem (www.impulsojovemportugal.pt).

    So elegveis Licenciados, Mestres e Doutores das seguintes reas:

    Informtica; Telecomunicaes; Eletrnica / Eletrotecnia / Eletro-tcnica;

    Sistemas de Informao;

    Matemtica Aplicada; Tecnologias (Informao/Comunicao); Cin-cias da Computao.

    Mecnica, Gesto de empresas, Economia, Marketing e RelaesInternacionais.

    Para a medida Passaporte Emprego Inovao so destinatrios candi-datos entre os 23 e os 34 anos, com mestrado ou doutoramento.

    Para as medidas Passaporte Emprego Industrializao e Passa-porte Emprego Internacionalizao so destinatrios candidatos entre os 18 ou 30 anos, com licenciatura ou mestrado.

    Em qualquer dos casos obrigatrio que o candidato esteja inscrito numcentro de emprego .

    O Processo de recrutamento est a decorrer na Inova-Ria at 31 de dezembro.

    Se queres agarrar esta oportuni-dade candidata-te: Inova-ria@inova-ria.pt

  • Pgina 08 // Jornal Fiodeback // 18-12-2013

    PREPARA(R) O MELHOR FUTURO = PARTICIPA(R) NO PRESENTE

    No se pode esconder que uma das maiores dificul-dades atuais nos con-textos socioeducativos, da sociedade em geral e tambm no mundo do as-sociativismo estudantil, o fenmeno da no par-ticipao, da indiferena, da absteno ausente, a que podemos juntar todos os conceitos equivalentes e que refletem o incom-pleto nestes domnios to relevantes para a mundo presente e futuro.

    Tambm nesta linha de reflexo, sobre as questes da participao teremos que tornar ex-plcito que existem hoje

    novos contextos, que foi grandemente aberta a di-versidade de iniciativas pertinentes ou que exis-tem naturalmente novos formatos de participao, onde atravs das redes sociais uma imensido de vivncias, convivncias e opinies vai mostrando um mundo novo.

    Ainda se poder destacar que se tem conhecimento do enorme esforo que as organizaes, entidades, instituies, associaes e seus ncleos fazem em ordem a motivar, mobi-lizar, promover, dinamizar tempos e espaos de ini-ciativa e encontro que, do

    social ao cultural, possam captar presenas estimu-lantes que faam sentir a fora da inteligncia co-letiva e participante da comunidade.

    Mas, pergunte-se: par-ticipar em qu? Para qu? Em iniciativas de quem? Que benefcios da partici-pao? Que critrios de seleo ter no discerni-mento participante? Que prs-e-contras em par-ticipar ou no participar? Podero ser, assim, in-meras as questes que o estudante comum poder lanar, elas prprias (as questes) refletindo a perspetiva de abertura ou

    fechamento.

    No oferece dvidas que o estudante comum admira, a ttulo de exemplo, a vida cvica de Nelson Mandela (1918-2013) na frica do Sul ou a Campanha do Banco Alimentar em Por-tugal, vivncias e dinmi-cas distintas exemplares, em que cada uma a seu modo e no seu prprio con-texto, representam a for-a da participao como ideia e ao transforma-doras para o bem comum.

    O que falta, ento, para uma participao gen-eralizada mais cvica e proativa, que ultrapasse as fronteiras das presen-as habituais dos que j esto motivados? Sendo a questo da participao versus indiferena cada vez mais objeto de estudo sobre os porqus?, en-tre muitas outras compo-nentes falta claramente que a questo do para qu? seja repensada e re-colocada.

    Perguntar sobre que benefcio tenho se par-ticipo? ter de merecer uma resposta que alerte, 1., para no ver em tudo na vida componentes lu-crativas mas de aprendi-zagem de experincia, 2.,

    especial II aniversrio

  • Pgina 09 // Jornal Fiodeback // 18-12-2013concluir que efetivamente pela abertura de hori-zontes, viso de conjunto e aprendizagem na e para a polivalncia, valer mesmo a pena participar dando vida para alm do curso.

    A realidade que o tem-po presente e futuro no ter compaixo de quem s souber da sua rea de estudos, observando-se factualmente o crescer da avaliao CV em com-petncias na resposta questo sobre o que fez para alm do curso?, nat-uralmente sem despres-tigiar este mas lendo a vida em dinmica de con-junto, por mais especiali-zada que seja a formao acadmica.

    Quem no quer o melhor futuro para si prprio e para a sociedade/mundo? evidncia de resposta terica de que se quer o melhor ter de corre-sponder a motivao e eficcia prtica em dizer presente a tudo aquilo que poder enriquecer a experincia pessoal, aca-

    dmica, cultural, cvica, num fazer crescer conhec-imentos com competn-cias de abertura ao mundo global.

    Querer, naturalmente, o melhor para o seu e nosso futuro e no presente no dar margem de espao nem tempo para a participao na vida comunitria ser das falcias demonstrati-vas da necessidade de um choque pedaggico para to simplesmente se com-preender como no mun-do biolgico que no se pode ter a expetativa de colher aquilo que no se semeou cuidadosamente.

    Quer diretamente por autntica convico so-cioeducativa, quer indire-tamente num quadro de polivalncia futura, par-ticipar compensa, inter-essa, abre a mente, torna-nos estudantes cidados mais plenos, importando assim, compatibilizar trabalhos e responsa-bilidades acadmicas e entretenimentos com uma participao que nos torne membros ativos da

    construo comum.

    Estando em causa a prpria realizao plena da universalidade dos saberes em interao prtica e, no fundo do sistema de valores da prpria universidade, a participao promove um mais pleno desenvolvi-mento pessoal e social de cada estudante, pre-parando-o melhor para o futuro e contribuindo para a sua abertura de-cisiva cidadania ativa e transformadora na base do conhecimento.

    Verificando-se a motivada dinmica de organizaes que vo conseguindo mini-mizar a ausncia cultural

    da multido, no se po-dendo, assim, generalizar nestes domnios, a ver-dade que a pergunta so-bre onde est a partici-pao estudantil? por convico continuada de causas e no apenas por reao, certamente que far nos prximos anos escrever muitas pginas sociolgicas.

    na preocupao de re-flexo transversal em vista de cidadania futur-ista que estas linhas so registadas, como adeso ao convite do NEEET na tentativa de resposta pertinente questo colo-cada sobre a importncia da participao estudan-til. Felicitando o Ncleo pelo esprito de iniciativa, que os estudantes benefi-ciem sempre mais da sua dinmica em tempos onde o bom FUTURO que se de-seja escreve-se agora no PRESENTE, em cada dia motivado e participante!

    Alexandre Cruz, Provedor do Estudante da

    Universidade de Aveiro

    especial II aniversrio

    participar compensa, interessa, abre a mente, torna-nos estudantes cidados mais plenos

  • Pgina 10 // Jornal Fiodeback // 18-12-2013

    Breve Histria do Ncleo de Estudantes de Engenharia Eletrnica e

    Telecomunicaes da AAUAv

    especial II aniversrio

    15 dezembro 2011

    D-se a fundao do Pr NEEET-AAUAv, cuja comisso instalado-ra liderada por Andr Reis, que se torna assim no 1 Coordena-dor do ncleo.

    14 fevereiro 2012

    Rita Moniz, aluna de Design vence o concurso para a definio do primeiro logtipo do NEEET-AAUAv.

    5 maro 2012

    Distribuda a 1edio do jornalFiodeback.Na capa, entre-vista ao Prof. Dr. Arnaldo Martins, diretor do DETI. 29 maio

    2012

    Miguel Nbrega, Responsvel Financeiro do NEEET-AAUAv eleito presidente do Conselho de Ncleos.

    figurasAndr ReisFundador do NEEET-AAUAv, viria a abandonar funes como Coordenador do NEEET-AAUAv devido a mudana de curso. Figura sempre presente na atividade de representao estudantil, em 2012 toma posse como Presidente do Conselho Fiscal e de Jurisdio da Associao Acadmica da Universidade de Aveiro.

    Miguel NbregaMembro fundador do NEEET-AAUAv, desempenha as funes de Responsvel Financeiro do NEEET-AAUAv durante o mandato de 2012, em que eleito presidente do Conselho de Ncleos e recebe o galardo de Dirigente Revelao 2012.

    Ana AfonsoAssume a liderana do NEEET-AAUAv aps a sada de Andr Reis. Durante o seu tempo como Coordenadora, eleva o NEEET-AAUAv ao mais alto patamar de participao e relevncia na academia Aveirense. No fim do ano letivo 2012/13 abandona funes para participar num programa de mobilidade internacional.

  • Pgina 11 // Jornal Fiodeback // 18-12-2013especial II aniversrio

    atividades emblemticas

    29 junho2012

    Na gala de 34 aniversrio da AAUAv, o NEEET-AAUAv eleito Ncleo Revelao,

    ao mesmo tempo que Miguel Nbrega eleito Dirigente Revelao. 16 nov.

    2012

    O pr NEEET-AAUAv aprova-do pela direo da AAUAv, tornando-se Ncleo efetivo da AAUAv.

    31 jan.2013

    Tomam posse os rgos Sociais eleitos para o 2 mandato da histria do NEEET-AAUAv, cuja Coordenadora Ana Afonso. Simultaneamente apresentada a nova imagem da estrutura AAUAv, e novo logtipo do NEEET-AAUAv.

    Aps reorganizao interna, Bruno Cruz apresentado em Reunio Geral de Membros como novo Coordenador do NEEET-AAUAv.

    24 setembro2013

    KIT Eletrnica NEEET-AAUAvO KIT Eletrnica NEEET-AAUAv talvez a maior atividade do ncleo, garantindo o acesso dos novos alunos de MIEET a um conjunto de ferramenta e informao til, a um preo muito reduzido face ao valor de mercado do material for-necido. A edio 2013 (na foto) contou com o apoio da PT-Inovao, Microsoft, e Instituto de Telecomunicaes, tendo sido reconhecida como uma atividade de grande valor e qualidade pela comunidade acadmica e pelas em-presas parceiras.

    Jornal FiodebackDesde cedo o NEEET-AAUAv teve como poltica estar bem presente na vida dos alunos que representa, defendendo os seus interesses e promovendo uma interao constante com os alunos. Nesse sentido surgiu com naturalidade um jornal de acesso gratuito, disponvel tanto em formato digital, como em papel. O Fiodeback tem sido um motor de crescimento do NEEET-AAUAv, sempre presente nestes dois anos.

    2011

    2013

  • com grande satisfao que a di-reco da Associao Acadmica da Universidade de Aveiro (AAUAv) se associa s comemoraes do segundo aniversrio do NEEET. sempre com grande alegria que vemos os ncleos (verdadeiros motores da AAUAv) a cumprirem a sua misso, defenderem e representarem da melhor forma

    os seus estudantes, e com sentido institucional, con-triburem para a melhoria dos seus cursos, neste caso o de Engenharia de Electrnica e Telecomunicaes. Tal tem acontecido no NEEET e os seus dirigentes es-to de parabns. Mesmo em alturas mais conturbadas, os seus dirigentes souberam vestir a camisola, e com determinao, continuar o trabalho a que se tinham proposto. Ser dirigente bastante exigente, mas com exigncia e sentido de responsabilidade que os dirigen-tes do NEEET tm sabido estar altura dos desafios. interessante avaliar o crescimento dos ncleos, bem como da sua proliferao pelo campus da UA. Ainda h pouco tempo se olhava para o NEEET como um recente rebento da AAUAv. No entanto, volvidos apenas dois anos, j praticamente ningum faz esta anlise. O NEEET hoje um dos ncleos mais integrados nas dinmicas da instituio.Alm disso, depois do NEEET j foram aprovados sensiv-elmente uma dezena de ncleos (incluindo pr-ncle-os) o que demonstra bem a importncia que eles tm na estrutura da AAUAv. Demonstra tambm, o sentido de pertena que os estudantes vo tendo com a AAUAv atravs deles. O prprio Departamento de Electrnica, Telecomunicaes e Informtica assistiu a esta cultu-ra de ncleos muito recentemente, sendo que depois do NEEET foi ainda criado o NESI. No h dvida que os ncleos tm uma misso impor-tante. No h dvida que os ncleos so actores impor-tantes no sentido de pertena dos seus estudantes AAUAv e na promoo de uma participao activa dos estudantes, seja em actividades estudantis ou no re-foro de uma cidadania mais participativa. Quero, por isso, felicitar o NEEET pelo seu segundo an-iversrio e pelo trabalho que tem desenvolvido em prol dos interesses da AAUAv, dos estudantes de Engenharia de Electrnica e Telecomunicaes e da UA. Quero por isso, felicitar todos seus fundadores, todos os dirigen-tes que neste curto de espao de tempo fizeram parte do ncleo e que contriburam para a afirmao do NEEET no seio da comunidade acadmica. Por fim, e no menos importante, felicitar todos os estudantes de EET, e tal como se foi criando o lema A AAUAv somos todos ns, tambm que o sentimento seja de que o NEEET so todos vs. Quero terminar, fazendo votos de sucesso para o futuro do NEEET. Que os seus dirigentes sejam um referencial

    e que, dia, aps dia, possam enaltecer o nome do ncleo, do seu curso, dos seus estudantes e da AAUAv, atravs da sua responsabilidade, dedicao, dinamismo, opti-mismo e autenticidade. E o futuro comea em cada um de ns, pois como dizia o poeta Mark Strand O futuro est sempre a comear agora.

    Tiago AlmeidaPresidente da Direco da AAUAv

    2011

    2013