6ª edição novembro

Download 6ª edição novembro

Post on 09-Jul-2015

195 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Ano I - n 6 Novembro de 2011

    Como foste fiel na administrao de to pouco, vem participar de minha alegria Mateus 25,21.

    Jornal do Grupo de Jovens Atitude Jovem da Comunidade So Tiago-Parquia Santa Maria Goretti - Cariacica-ES

    FORMAO

    No dia 20 de novembro comemora-se o Dia Na-cional da Conscincia Negra, em homenagem

    morte de Zumbi, lder do Quilombo dos Palma-res. O quilombo era uma localidade situada na Serra da Barriga, onde escravos se refugiavam. Com o passar dos anos, chegou a atingir uma populao de vinte mil habitantes, em razo do aumento das fugas dos escravos. Os escravos serviam para fazer os trabalhos pesa-dos que o homem branco no realizava, eles no tinham condies dignas de vida, eram maltrata-dos, apanhavam, ficavam amarrados dia e noite em troncos, eram castigados, ficavam sem gua e sem comida, suas casas eram as senzalas, onde dormiam no cho de terra batida. Muitas pessoas eram contra essa forma de tratar os negros e vrias tentativas aconteceram ao longo da histria para defender seus direitos. Em 1871 a Lei do Ventre Livre libertou os filhos de escravos que ainda iriam nascer; em 1885 a Lei dos Sexagen-rios deu direito liberdade aos escravos com mais de sessenta anos. Mas Princesa Isabel foi a responsvel pela liberta-o dos escravos, quando assinou a Lei urea, em 13 de maio de 1888, dando-os direito de ir embora das fazendas em que trabalhavam ou de continuar morando com seus patres, como empregados e no mais como escravos. O dia da conscincia negra uma forma de lem-brar o sofrimento dos negros ao longo da histria, desde a poca da colonizao do Brasil, tentando garantir seus direitos sociais. Hoje temos vrias leis que defendem esses direi-tos, como a de cotas nas universidades, pois acre-dita-se que, em razo dos negros terem sido mar-ginalizados aps o perodo de escravido, no conseguiram conquistar os mesmos espaos de trabalho que o homem branco. Na poca da escravido os negros no tinham di-reito ao estudo ou a aprender outros tipos de traba

    lho que no fossem os braais, ficando presos a esse tipo de tarefa. Muitos deles, estando libertos, continuaram na mesma vida por no terem condies de se susten-tar. O dia da conscincia negra marcado pela luta contra o preconceito racial, contra a inferioridade da classe perante a sociedade. Alm desses assun-tos, enfatizam sobre o respeito enquanto pessoas humanas, alm de discutir e trabalhar para consci-entizar as pessoas da importncia da raa negra e de sua cultura na formao do povo brasileiro e da cultura do nosso pas.

    Jussara de Barros - Graduada em Pedagogia

    MENSAGENS

    Voc uma fonte

    Experimente voc mesmo da gua que jorras... gua doce? gua bebvel? gua sacivel?

    Suportarias beber de uma gua como essa, da fon-te que s tu? Se provares da gua que jorras, sabers quem s tu... Tens bondade? Ou maldades? Se voc ainda no percebeu que s uma fonte... porque s bebeu da fonte alheia. Se tens bebido da fonte alheia e sente que s gua doce ao seu paladar, pense se algum bebes da sua fonte... Ser que da sua fonte s gua doce? ... Ou amar-ga? No sabes? Ento retires somente uma gota e toque na sua lngua e sabers qual gua ests servindo a al-gum... Reflita quem s tu...

  • VOC SABIA?

    Novembro - ms nacional de ao de graas!

    No ano de 1909, Joaquim Na-buco, embaixador do Brasil

    nos EUA assistiu ao dia de ao de graas e, im-pressionado, declarou: "quisera que toda a huma-nidade se unisse neste mesmo dia, para um Uni-versal agradecimento a Deus". Mas foi o presiden-te Eurico Gaspar Dutra que instituiu o Dia Nacio-nal de Ao de Graas, em 17/08/49. O presidente Castelo Branco regulamenta no ano de 1965, quando se oficializa a quarta quinta-feira do ms de novembro para a comemorao em todo territ-rio Nacional.

    SANTO DO MS

    Santa Catarina de Alexan-dria

    25 de Novembro

    Neste dia lembramos a vida desta santa que inspiradora e protetora de um Estado brasileiro: Santa Catarina. Nascida em Alexandria, recebeu uma tima formao crist. uma das mais clebres mrtires dos primeiros s-culos, um dos Santos Auxiliadores. O pai, diz a lenda, era Costes, rei de Alexandria. Ela prpria era, aos 17 anos, a mais bonita e a mais sbia das jovens de todo o imprio; esta sabedoria levou-a a ser muitas vezes invocada pelos estudantes. Anun-ciou que desejava casar-se, contanto que fosse com um prncipe to belo e to sbio como ela. Esta segunda condio embargou que se apresen-tasse qualquer pretendente. Ser a Virgem Maria que te procurar o noivo sonhado", disse-lhe o ermito Ananias, que tinha revelaes. Maria aparece, de fato, a Catarina na noite seguinte, trazendo o Menino Jesus pela mo. "Gostas tu d'Ele?", perguntou Maria. -"Oh, sim". -"E tu, Jesus, gostas dela?" -"No gosto, muito feia". Catarina foi logo ter com Ananias: "Ele acha que sou feia", disse chorando. -"No o teu corpo, a tua alma orgulhosa que Lhe desagrada", res-pondeu o eremita. Este instruiu-a sobre as verda-des da f, batizou-a e tornou-a humilde; depois disto, tendo-a Jesus encontrado bela, a Virgem Santssima meteu aos dois o anel no dedo; foi isto

    que se ficou chamando desde ento o "casamento mstico de Santa Catarina". Ansiosa de ir ter com o seu Esposo celestial, Cata-rina ficou pensando unicamente no martrio. Con-ta-se que ela apresentou-se em nome de Deus, diante do perseguidor, imperador Maxncio, a fim de repreend-lo por perseguir aos cristos e de-monstrar a irracionalidade e inutilidade da religio pag. Santa Catarina, conduzida pelo Esprito San-to e com sabedoria, conseguiu demonstrar a beleza do seguimento de Jesus na sua Igreja. Incapaz de lhe responder, Maxncio reuniu para confundi-la os 50 melhores filsofos da provncia que, alm de se contradizerem, curvaram-se para a Verdade e converteram-se ao Cristianismo, isto tudo para a infelicidade do terrvel imperador. Maxncio mandou os filsofos serem queimados vivos, assim como sua mulher Augusta, ao aju-dante de campo Porfrio e a duzentos oficiais que, depois de ouvirem Catarina, tinham-se proclama-do cristos. Aps a morte destes, Santa Catarina foi provada na dor e aprovada por Deus no mart-rio, tendo sido sacrificada numa mquina com quatro rodas, armadas de pontas e de serras. Isto aconteceu por volta do ano 305. O seu culto pare-ce ter irradiado do Monte Sinai; a festa foi inclu-da no calendrio pelo Papa Joo XXII (1316-1334). Santa Catarina de Alexandria, rogai por ns!

    Fonte: Site Cano Nova

    TESTEMUNHO

    Foi no ano de 2003 em que recebi ao mesmo tem-po uma beno e um presente. Estvamos no ms de Abril e eu estava grvida. Uma semana antes eu havia tido um sangramento que me deixara internada por trs dias. Mesmo depois de receber alta continuava a perder lquido. Na semana seguinte fui novamente internada, lembro como se fosse hoje, era uma tera feira e na quarta pela noite minha bolsa veio a romper, por volta das 20hs. Fui levada para uma sala para tomar soro. Pela manh depois do banho fui encaminhada para a sala de pr-parto onde fiquei por toda manh, pois, j no aguentava forar o nascimento do beb. Por volta das 12hs eu me encontrava em frente a uma imagem de Nossa Senhora das Graas e de imedi-ato comecei a implorar que enviasse um anjo para me ajudar.

  • Comecei a rezar. Primeiro rezei um Pai Nosso depois uma Ave Maria e me deitei. Dr. Maurcio foi o meu anjo. Logo chegou e me examinando pediu para que me preparassem para uma cesaria-na. J no seria parto normal. Fui encaminhada ao centro cirrgico para fazer o parto. Meu filho nas-ceu meio debilitado o que resultou em 11 dias de internao no bero-aquecido. Depois desses dias fomos para casa. Agradeo a Deus por essa beno e esse grande presente porque neste dia eu estava completando 35 anos e a Nossa Senhora por sua providncia. Nossa Senhora das Graas, Rogai por Ns!

    Gessi Ferreira dos Santos Ramos

    PIADINHAS CRISTS Palestra

    Um bbado abordado pela pol-cia s 3 da manh. O policial pergunta: - Aonde vai

    a esta hora? O bbado responde: - Vou a uma palestra sobre o abuso do lcool e seus efeitos letais para o orga-nismo, o mau exemplo, as consequncias nefastas para a famlia, bem como o problema que causa na economia familiar e a irresponsabilidade absoluta. O policial olha sem acreditar e diz: - Srio? E quem vai dar essa palestra a esta hora da ma-drugada? Responde o bbado: - E quem pode ser? A minha mulher, logo que eu chegar em casa.

    DICAS DE SADE

    Infeco urinria (cisti-te) A infeco urinria, tambm chamada de cistite, a infeco da

    bexiga, o reservatrio de urina do corpo humano. A cistite causada por bactrias, vrus, fungos e outros micro-organismos que infectam as paredes da bexiga urinria. Quando no tratada adequada-mente pode causar complicaes, levando a infec-o dos rins e das vias urinrias superiores, pas-sando a ser denominada de pielonefrite. Algumas atitudes, se observadas continuadamente, ajudam na preveno da infeco urinria:

    Beber lquidos em abundncia (acima de 2 litros por dia) Urinar frequentemente de 3/3 horas ( o ideal) Urinar aps relaes sexuais.

    II IGREJA JOVEM

    Neste ms de novem-bro, a Parquia Santa

    Maria Goretti realizar no dia 27 o II IGREJA JOVEM! A gincana dos jovens das comunidades. Para ganhar esta gincana nossa comunidade junto com as comunidades irms So Francisco de Assis e Santa Catarina de Alexandria, que compem a equipe verde, precisa arrecadar alimentos no pe-recveis e produtos de higiene pessoal e limpeza para somar pontos. Por isso contamos com a sua doao. A sua doao pode ser feita na igreja no horrio das celebraes na cesta que estar logo na entra-da. Ajude nossa juventude. Todos os produtos arrecadados sero doados para instituies de caridade. Desde j agradecemos a todos pela colaborao.

    DIVIRTA-SE

    Encontre no diagrama a