4a cnpm texto base versao integral

Download 4a Cnpm Texto Base Versao Integral

Post on 30-Jan-2016

218 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Texto base da conferencia de mulheres 2016

TRANSCRIPT

  • 1

    4 CONFERNCIA NACIONAL DE POLTICAS

    PARA AS MULHERES

    TEXTO BASE

    Secretaria de Polticas para as Mulheres

    Presidncia da Repblica

    Conselho Nacional dos Direitos da Mulher

    Junho de 2015

  • 2

    SUMRIO

    Apresentao 03

    Eixos Centrais

    I. Contribuio dos Conselhos de Direitos da Mulher e dos Movimentos Feministas e de Mulheres para a efetivao da

    Igualdade de Direitos e Oportunidades.

    05

    II. Estruturas Institucionais e Polticas Pblicas Desenvolvidas para Mulheres no mbito Municipal, Estadual e Federal: Avanos e

    Desafios.

    08

    III. Sistema Poltico com Participao das Mulheres e Igualdade. 18

    IV. Sistema Nacional de Polticas para as Mulheres. 26

    Desafios Gerais. 29

    Bibliografia de Referncia. 31

  • 3

    Secretaria de Polticas para as Mulheres

    Presidncia da Repblica

    Conselho Nacional dos Direitos da Mulher

    4 CONFERNCIA NACIONAL DE POLTICAS PARA AS MULHERES

    Texto Base1

    APRESENTAO

    A 4 Conferncia Nacional de Poltica para as Mulheres Mais direitos, participao e poder para as Mulheres tem como objetivo o fortalecimento da Poltica Nacional para as Mulheres. O desafio principal dessa Conferncia traar estratgias para que as polticas

    pblicas de igualdade para as mulheres sejam efetivas nas 27 Unidades da Federao e nos

    5.570 municpios do Pas.

    Para isso, estamos convidando os municpios brasileiros e todas as Unidades da Federao a

    convocarem suas conferncias de polticas para as mulheres para avaliar o que j est em

    desenvolvimento e definirem estratgias para avanar, apontando os caminhos e os

    mecanismos que contribuam para o fortalecimento das polticas pblicas para as mulheres.

    Nossa proposta que as mulheres participantes da 4 Conferncia Nacional definam as

    estratgias para recobrir o Brasil de Norte ao Sul com a ampliao e o aprofundamento de

    polticas para as mulheres e o pleno funcionamento de organismos governamentais de

    polticas para as mulheres (OPM) e de conselhos dos direitos da mulher. Estas aes so

    fundamentais para impulsionar de forma definitiva, a construo de um Brasil de igualdade

    entre mulheres e homens.

    Um pouco da histria

    A prtica de realizao de conferncias nacionais foi instituda como estratgia poltica a

    partir de 1988, com a Carta Constitucional. O governo do presidente Lus Incio Lula da

    Silva, a partir de 2003, legitimou a realizao de conferncias tornando-as amplas,

    abrangentes e inclusivas, como parte do exerccio poltico da democracia participativa. Estas

    passaram a contemplar diversos segmentos sociais e temas, reas e questes postas por

    diferentes demandas da populao.

    Portanto, apesar de no serem prticas novas, as conferncias nacionais so certamente

    inovadoras, no sentido de possibilitarem a participao da populao em escala nacional, onde

    elencam reivindicaes e propem estratgias de ao para a elaborao de polticas pblicas

    junto aos governos2.

    1 A produo desse texto foi apoiada pelo Projeto 001/2014 Fortalecimento das Polticas Pblicas para as

    Mulheres, no mbito do Acordo de Cooperao da Secretaria de Polticas para as Mulheres com a Entidade das Naes Unidas para a Igualdade de Gnero e o Empoderamento das Mulheres - ONU Mulheres.

    2 Pogrebinschi, 2012.

  • 4

    Nesse novo contexto do Estado Democrtico Brasileiro foi que se iniciou o processo de

    conferncias nacionais de polticas para as mulheres. Em 2002, organizaes do movimento

    feminista brasileiro realizaram a sua Conferncia Nacional de Mulheres Brasileiras. Em 2004

    a Presidncia da Repblica e a Secretaria de Polticas para as Mulheres ( poca Secretaria

    Especial de Polticas para as Mulheres) convocam a 1 Conferncia Nacional de Polticas para

    as Mulheres. Desta forma, o fortalecimento de polticas voltadas s mulheres vem ocorrendo

    concomitantemente com o que foi preceituado pela Constituio de 1988, que gerou a

    descentralizao poltico-administrativa das polticas pblicas para as esferas estaduais e

    municipais.

    Foi nesse contexto que tambm cresceu a expectativa de que as polticas pblicas no mais

    fossem atreladas a quaisquer prticas clientelistas ou assistencialistas, e sim que caminhassem

    para a implementao de um modelo de modernizao e universalizao de polticas

    propostas por setores progressistas da sociedade democrtica brasileira.

    Mas preciso no esquecer que o sistema poltico nacional, regional e municipal ainda

    fortemente dominado pelo poder masculino, e as mulheres continuam tendo muitas

    dificuldades em participar deste processo, em extenso nacional.

    4 Conferncia Nacional de Polticas para as Mulheres

    A 4 CNPM propem-se a discutir as estratgias de fortalecimento das polticas para as

    mulheres e a democratizao da participao das mulheres nas diversas esferas institucionais

    e federativas. Assim, como nos processos de controle das polticas pblicas e nas suas

    mltiplas formas de organizao e de manifestao.

    Isto implica que todas as mulheres podem exercer o poder de participar ao partilhar

    conhecimentos, competncias e informaes, em relao melhoria das prticas de gesto e

    de representao, com vistas a que os municpios e todas as Unidades da Federao consigam

    cumprir com sua misso constitucional de propiciar condies de autonomia e de qualidade

    de vida as mulheres por meio das polticas pblicas.

    O Decreto Presidencial de 30 de maro de 2015, publicado no Dirio Oficial da Unio de

    31/03/2015, convoca a 4 Conferncia Nacional de Poltica para as Mulheres e estabelece

    quatro eixos centrais de debates, a saber:

    I. Contribuio dos Conselhos dos Direitos da Mulher e dos movimentos feministas e de mulheres para a efetivao da igualdade de direitos e oportunidades para as mulheres em

    sua diversidade e especificidades: avanos e desafios.

    II. Estruturas institucionais e polticas pblicas desenvolvidas para mulheres no mbito municipal, estadual e federal: avanos e desafios.

    III. Sistema poltico com participao das mulheres e igualdade: recomendaes.

    IV. Sistema Nacional de Poltica para as Mulheres: subsdios e recomendaes.

  • 5

    A 4 Conferncia tem uma abrangncia nacional e tem como proposta dialogar com todas as

    mulheres brasileiras, em especial, os segmentos organizados de mulheres e os governos.

    A Conferncia refora as estratgias de dilogo com e entre os Organismos de Polticas para

    as Mulheres, os Conselhos de Direitos da Mulher, assim como com as demais organizaes de

    mulheres e feministas e cria mecanismos de mobilizao e de representao fortes e atuantes,

    em todos os nveis da federao. Estes devem ser articulados aos diversos segmentos do

    movimento de mulheres e dos grupos feministas, enfrentando as complexidades que a

    conjuntura poltica e econmica apresenta nesse momento.

    Assim, a 4 Conferncia foi convocada para reforar a efetividade do debate sobre o

    enfrentamento das desigualdades entre mulheres e homens visando o fortalecimento de sua

    capacidade interinstitucional com as instncias governamentais estaduais e municipais, e de

    intersetorializao das polticas pblicas para mulheres.

    A intersetorialidade uma qualidade necessria ao processo de interao das polticas

    pblicas, por meio de programas, projetos e equipes tcnicas, que so desafiadas ao dilogo,

    ao trabalho conjunto com a perspectiva de incluso social e se constitui em um processo de

    articulao de saberes e de experincias com vistas a planejar e efetivar aes, assim como a

    realizao de avaliao das polticas pblicas3.

    O processo de conferncia consolida as aes governamentais como democrticas e

    participativas. Estas devem enfatizar as mulheres que, no interior e fora

    do Estado, so capazes de impulsionar as polticas de igualdade para as mulheres,

    influenciando e contribuindo com as agendas das polticas nacionais. Este processo envolve,

    necessariamente, todos os organismos de mulheres, em todos os entes federados.

    I. CONTRIBUIO DOS CONSELHOS DOS DIREITOS DA MULHER E DOS

    MOVIMENTOS FEMINISTAS E DE MULHERES PARA A EFETIVAO DA

    IGUALDADE DE DIREITOS E OPORTUNIDADES

    Conselhos dos direitos da mulher, movimentos de mulheres e feministas

    As articulaes dos movimentos feministas com os movimentos de mulheres para a

    construo de espaos institucionais empenhados em garantir os direitos das mulheres

    brasileiras, durante o perodo de 1985 a 2014, prope um projeto de socied