344083_A Ditadura Militar (1964-1985)

Download 344083_A Ditadura Militar (1964-1985)

Post on 12-Nov-2015

213 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

A ditadura militar de 64 a 85

TRANSCRIPT

Tempo da Ditadura Militar no Brasil

Tempo da Ditadura Militar no Brasil.

Militares perseguem estudante.

Observe a imagem acima e reflita sobre a Ditadura Militar implantada no Brasil a partir dos Anos 60.

Como a populao brasileira conviveu com a Ditadura Militar?

O que significou o Autoritarismo da ditadura para o futuro do pas?

De que maneira se deu o fim da Ditadura Militar no Brasil?

Presidentes na Ditadura Militar BrasileiraPerodo de Governo

Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco1964-1967

General Arthur da Costa e Silva1967-1969

General Emlio Garrastazu Mdici1969-1974

General Ernesto Geisel1974-1979

General Joo Baptista de Oliveira Figueiredo1979-1985

O perodo da Ditadura Militar no Brasil (1964-1985) consistiu num contexto histrico que foi marcado pela ausncia de democracia; suspenso dos direitos constitucionais; censura da imprensa; perseguio, priso, tortura, execuo e exlio dos indivduos considerados subversivos ao regime.

Desde 1961, com a renncia do presidente Jnio Quadros, havia se instaurado no Brasil uma crise poltica que mais tarde iria redundar no golpe militar de 1964.

O seu sucessor, Joo Goulart (1961-1964) assumiu o governo em um clima de insatisfao generalizada. Na tentativa de acalmar os nimos, Goulart promoveu uma maior participao dos setores organizados da sociedade brasileira, como os estudante, trabalhadores do campo e da cidade. Essa medida desagradou a ala conservadora do pas, como os empresrios, banqueiros, Foras Armadas e a classe-mdia.

Na verdade, havia uma preocupao de que o presidente fizesse a opo pelo Comunismo, diante do contexto histrico da Guerra Fria. Vale ressaltar que nosso principal parceiro econmico eram os Estados Unidos, que se aproveitava de qualquer oportunidade para intervir nos assuntos internos do pas.

Alm disso, a oposio partidria brasileira, representada pela UDN e PSD, passou a insuflar a opinio pblica nacional contra o presidente, acusando-o da crise econmica pela qual passa o pas.

Na tentativa de recuperar a legitimidade de seu governo, em 13 de maro de 1964, Goulart realizou um enorme comcio no Rio de Janeiro, na Central do Brasil, onde propunha as Reformas de Base, onde apontava a necessidade de reformas estruturais na agricultura, na economia e na educao brasileira.

Em 19 de maro de 1964, milhares de pessoas da cidade de So Paulo, lideradas pelos conservadores, realizaram a Marcha da Famlia com Deus pela Liberdade, manifestando sua insatisfao com as reformas propostas pelo presidente. Em um clima de crescente de tenso social, finalmente, no dia 31 de maro de 1964, apoiados pelos estados de Minas Gerais e So Paulo, os militares promoveram um golpe de Estado e tomaram o poder. Sob a justificativa de tentar evitar qualquer derramamento de sangue brasileiro, o presidente se afastou do poder, exilando-se no Uruguai.

Os militares assumiram o poder no Brasil com a alegao de que estavam realizando a Revoluo de 1964, evitando o avano do Comunismo sobre o pas. Alm disso, afirmavam que assim que o pas retornasse ao Estado de direito, estabilidade poltica e econmica, o poder seria novamente entregue aos civis.

Uma caracterstica marcante no perodo da Ditadura Militar foi a estratgia adotada pelos militares de governar apoiados nos Atos Instituicionais, j que a Constituio havia sido suspensa.

Desse modo, no dia 9 de abril, os militares decretaram o primeiro Ato Institucional (AI-1), que autorizava a suspenso da imunidade parlamentar, autorizava a cassao dos mandatos polticos dissidentes e decretar Estado de stio, quando necessrio.

Em 15 de abril, o Marechal Castello Branco (1964-967) foi eleito presidente da Repblica pelo Congresso Nacional. Com um discurso democrtico e uma prtica autoritria, o presidente implantou o AI-2 que suspendeu os partidos polticos e implantou eleies indiretas para presidente, o que vai garantir aos militares a sucesso no poder via indicao. No ano seguinte, foi implantado o AI-3, que estabelecia eleies indiretas para governador.

Os militares cassaram direitos polticos e constitucionais dos cidados brasileiros, mandatos dos parlamentares, bem como realizaram intervenes em vrias entidades de representao dos trabalhadores, como os sindicatos.

Nesse governo foi adotado o bipartidarismo, onde estavam autorizados a funcionar apenas dois partidos. Desse modo, o Brasil contava com um partido submisso aos militares, a Aliana Renovadora Nacional (ARENA), e uma oposio consentida, o Movimento Democrtico Brasileiro (MDB).

Em janeiro de 1967, foi outorgada a Constituio de 1967, que formalizava o estabelecimento do regime militar e seus mecanismos de represso.

Nesse mesmo ano, assume a presidncia o General Costa e Silva (1967-1969), indicado pelo Congresso Nacional. Esse governo conviveu com um crescente volume de manifestaes de insatisfao popular contra os militares.

Em maro de 1968, a Unio Nacional dos Estudantes (UNE) organizou a Passeata dos Cem Mil, no Rio de Janeiro, onde exigiam o retorno da democracia e o fim da censura, alm do fim dos atos de violncia e represso por parte do governo. Por outro lado, os operrios das fbricas se organizaram e fizeram greves, paralisando suas atividades em Osasco (SP) e Contagem (MG) contra o regime ditatorial.

Em dezembro de 1968 o governo decretou o AI-5, o mais duro dos Atos Institucionais. Em seu texto apresentava a cassao de mandatos, a aposentadoria de juizes, o fim do habeas-corpus e autorizava a represso policial e militar contra os opositores ao regime.

Simultaneamente, enquanto o regime endurecia, a oposio comea a se organizar de maneira efetiva no Brasil. Cidados brasileiros, jovens em sua maioria, utilizavam de codinomes e da estratgia da guerrilha urbana como forma de combater os militares. Alguns grupos assaltavam bancos, outros atuavam em seqestros em troca de companheiros desaparecidos, ou de fundos para a luta armada.

Entre agosto e outubro de 1969, o Brasil foi governado por uma Junta Militar, em substituio a Costa e Silva que se afastou do cargo por motivos de sade. Nesse perodo, o governo decretou a Lei de Segurana Nacional que autorizava o recurso do exlio e da pena de morte em casos de tentativa de revoluo ou subverso da ordem.

Em 1969, assume Garrastazu Mdici (1969-1974), considerado o governo mais duro e repressivo do regime militar. Da vem o nome Anos de Chumbo do perodo ditatorial.

Mdici colocou adotou uma efetiva represso luta armada, da censura generalizada a todos os meios de comunicao de massa. Vrios intelectuais foram presos, torturados e exilados do pas, sobretudo atravs do DOI-CODI (Destacamento de Operaes e Informaes - Centro de Operaes de Defesa Interna), rgo responsvel pela investigao e represso do regime (pores da ditadura).

Na tentativa de atenuar a insatisfao da populao brasileira com o regime militar, o governo adotou a estratgia da propaganda poltica com os slogans Brasil: ame-o ou deixe-o e Ningum segura esse pas. A equipe econmica do governo adotou medidas de incremento na economia, dando origem ao Milagre Econmico.

Naquele contexto, houve um grande investimento em obras de infra-estrutura e era visvel o avano econmico. Esses investimentos contriburam na gerao de emprego e renda. Foi a poca da construo das obras faranicas, como a Ponte Rio-Niteri e a Estrada Tranzamaznica. At a conquista do tricampeonato na Copa do Mundo de Futebol, no Mxico, em 1970, fui utilizada como capitalizao de uma imagem positiva do pas junto populao brasileira.

No entanto, o pas assumiu uma dvida externa extremamente elevada, sobretudo atravs de emprstimos contrados junto ao capital estrangeiro, que vem sendo negociada at hoje.

Em 1974, o General Ernesto Geisel (1974-1979), da linha mais moderada do Exrcito, assumiu o governo com a responsabilidade de promover o processo de abertura poltica no pas, ainda que de maneira lenta, gradual e segura em direo democracia.

Desde o incio de seu mandato, Geisel conviveu com o esgotamento do Milagre Econmico, em funo da primeira grande crise internacional do petrleo (1973) promovida pela OPEP (Organizao dos Pases Exportadores de Petrleo). O reflexo dessa crise chegou ao Brasil atravs do aumento das taxas de juros, da diminuio das exportaes, num contexto internacional de conteno dos emprstimos por parte dos pases ricos.

Essa situao agravou a reprovao da sociedade brasileira em relao ao regime militar, o que de certo modo favorece a oposio que comea a reconquistar seu espao poltico. O MDB tem aumentada sua influncia no Congresso Nacional e, em 1974, consegue eleger os prefeitos da maioria das cidades brasileiras.

Entre os militares, a linha dura comea a pressionar o governo e a promover atentados contra membros da oposio. Em 1975, por exemplo, houve o assassinato do jornalista Vladimir Herzog no prdio do DOI-CODI, em So Paulo.

Em 1977, Geisel aprovou o Pacote de Abril, um retrocesso no processo de abertura, que consistia em um conjunto de medidas para garantir favorecimento para os militares nas prximas eleies. Assim, ficava definido que um tero dos senadores seria indicado pelo governo; os governadores continuariam sendo indicados; na propaganda eleitoral no poderia haver debates e seriam apresentados poucos dados sobre os candidatos; o mandato do presidente passava de cinco para seis anos.

Em 1978, o presidente extinguiu o AI-5, restabeleceu o habeas-corpus, e encaminhou a abertura poltica no Brasil. Nas eleies de 1978, o MDB conquista uma vitria arrasadora contra a oposio. O presidente investiu bastante em infra-estrutura, como na construo de usinas hidreltricas (Itaipu PR), Tucurui (PA) e Sobradinho (BA).

O governo do General Figueiredo (1979-1985) assumiu com o compromisso de dar continuidade ao processo de abertura poltica. Aprovou a Lei da Anistia, garantindo o direito dos exilados de retornarem ao pas. No seu governo, a linha dura do Exrcito mantm os atentados atravs das cartas-bomba. Em abril de 1981, explodiu uma bomba no colo de um militar em frente a um show no Centro de Convenes do Rio Centro. O provvel atentado no deu certo, mas nada foi provado contra os militares.

A partir de 1979, o presidente aprova a lei que restaura o pluripartidarismo, com o retorno da legitimidade dos partidos. A ARENA se transforma em PDS (Partido Democrtico Social) e o MDB em PMDB (Partido do Movimento Democrtico Brasileiro). Foram criados outros partidos como o PT (Partido dos Trabalhadores) e o PDT (Partido Democrtico Trabalhista).

O final do regime militar no Brasil foi marcado por uma crise na economia, o que gerou altas taxas de inflao e fortes medidas recessivas. Nesse nterim, a oposio conquista mais espao, surgem novos partidos e os sindicatos se fortalecem (ABCD paulista Lula). O MDB vence as eleies para governador no Rio de Janeiro, So Paulo e Minas Gerais.

Em 1984, com o apoio de artistas, intelectuais, celebridades, jogadores de futebol e milhes de cidados brasileiros, encaminhada, pela oposio, a Emenda Dante de Oliveira Constituio que propunha eleies diretas para presidente, ainda naquele ano. Esse foi o movimento conhecido como Diretas J. Contudo, para a frustrao da populao brasileira, a Emenda no foi aprovada na Cmara dos Deputados.

Em janeiro de 1985, o Colgio Eleitoral indicou o Deputado Tancredo Neves, concorrente de Paulo Maluf para a presidncia da Repblica. Chegava ao fim o regime militar. Entretanto, Tancredo adoeceu e faleceu antes de assumir o governo. Seu vice-presidente, Jos Sarney assume o poder. Em 1988, foi aprovada a Constituio de 1988 que buscou restabelecer os princpios democrticos no Brasil.

Recommended

View more >