26 abril 2011

Download 26 Abril 2011

Post on 11-Mar-2016

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Clipping Digital

TRANSCRIPT

  • 26/04/201172XIX

  • O TEMPO - P. 4 - 26.04.2011

    Verbas j foi suspensa no Par e h outra Adin em Gois

    No incio do ms, o plenrio do Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu, por unani-midade, a eficcia de um projeto de emenda aprovado pela Assembleia Legislativa do Par que previa o pagamento de parcela indenizatria aos deputados estaduais por participao em sesses extraordinrias.

    Na ocasio, a ao foi ajuizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Bra-sil (OAB) por meio de uma Ao Direta de Inconstitucionalidade (Adin).

    J no ltimo dia 19, a OAB entrou com outra ao no STF pedindo o fim do pagamento na Assembleia Legislativa de Gois. O relator do processo o ministro Ricardo Lewandowski, que ainda no deu seu parecer sobre o caso. Alm de Minas e Gois, os deputados do Acre, Paraba e Pernambuco tambm recebem para comparecerem em reunies extraordinrias. (MJN)

  • Argumento

    Deputados estaduais alegam que remunerao

    extra legal Quem a favor do pagamen-

    to dos deputados estaduais por comparecimento nas sesses ex-traordinrias utiliza a lei como o principal argumento. Por duas vezes o Tribunal de Justia em Minas j se pronunciou a respeito disso, afirmando que essa uma questo legal. Se tiver necessidade de acabar com a remunerao das extraordinrias, serei o primeiro a apresentar o projeto, afirma o se-gundo secretrio da Mesa Diretora da Assembleia, deputado Alencar da Silveira Jnior (PDT). Segun-do ele, no entanto, preciso que os projetos sejam apreciados nas extraordinrias.

    Ele culpa a oposio pelas poucas propostas aprovados este ano. A oposio est parando a Casa. Isso ns estamos cobrando, tem que ter um aproveitamento maior das extraordinrias, tem que votar, diz.

    O deputado Svio Souza Cruz (PMDB) acredita que, se acontece a reunio extraordinria, os parla-mentares precisam receber. Se ti-ver a reunio, eu sou a favor de re-ceber. Ou tem e paga ou no tem e no paga. como uma hora extra. Voc trabalharia se no recebesse pela hora extra?, questiona.

    Para o deputado Duarte Be-chir (PMN), a extraordinria necessria. O recebimento nas extraordinrias uma deciso que precede a minha entrada na Casa. Foi um ajustamento de conduta feito com o Ministrio Pblico. Se houver uma deciso superior con-trria, vamos precisar cumprir. (MJN)

    cOnT... O TEMPO - P. 4 - 26.04.2011

    contrrios

    Ningum quer propor mudanas

    Alguns deputados da Assembleia Legisla-tiva de Minas se posicionam contrrios ao pa-gamento por participao em sesses extraor-dinrias da Casa. Mesmo com o apoio legal, eu sou contra e acho que por qualquer ao que for julgada pelo Supremo, essa deciso cairia, afirma o deputado Durval ngelo (PT).

    Os parlamentares contrrios ao recebi-mento, no entanto, afirmam que no pretendem entrar com qualquer projeto de lei ou requeri-mento pedindo a extino do pagamento. J falei sobre esse assunto na reunio de lderes. Quando estava na Cmara, propus terminar com o benefcio. Aqui no vou fazer isso para no causar mau-estar entre os colegas, diz o lder da oposio, deputado Rogrio Correia (PT).

    Alguns deputados preferem no se ma-nifestar sobre o assunto. No fica bem para mim como ex-presidente da Casa. Na minha poca, havia o pagamento, mas hoje os tempos so outros, afirma o deputado Mauri Torres (PSDB). (MJN)

  • ESTADO DE MInAS - P. 3 - 26.04.2011

  • ESTADO DE MInAS - 1 P. E 3 - 20.04.2011

    LEGISLATIVODeputados estaduais ganham R$ 1 mil por sesso marcada pela manh ou noite. Em menos

    de um ms Assembleia Legislativa desembolsou mais de R$ 600 mil por nove convocaes

    Dinheiro extra para pouco trabalho

  • cOnT... ESTADO DE MInAS - 1 P. E 3 - 20.04.2011

  • Homenagem reconhe-cimento pela eleio do ex-procurador-geral ao Conselho Nacional do Ministrio Pbli-co

    O deputado Dlio Ma-lheiros (PV) protocolou hoje (25/abr) um pedido de voto de congratulaes ao ex-procu-rador-geral de Justia Jarbas Soares Jnior.

    A homenagem foi pro-posta por Malheiros em re-conhecimento pela eleio de Soares Jnior ao Conselho Nacional do Ministrio Pbli-co (CNMP), no ltimo dia 18, durante o Conselho Nacional de Procuradores-Gerais.

    Para assumir o cargo de conselheiro, Jarbas Soares Jnior ter seu nome encami-nhado, juntamente com os de outros dois eleitos, ao Procu-rador-Geral da Repblica, Ro-berto Gurgel. Depois, os indi-cados devero ser sabatinados pela Comisso de Constitui-o e Justia (CCJ) do Senado Federal, cujos pareceres de-vem ser votados pelo plenrio. Sendo aprovados, os nomes passam ainda pela sano da presidente da Repblica, Dil-ma Rousseff.Jarbas Soares Jnior

    Nascido em Montes Cla-ros, Jarbas Soares Jnior ba-charelou-se em Direito pela Faculdade Mineira de Direi-to da Pontifcia Universida-de Catlica de Minas Gerais, em julho de 1989. Ingressou no Ministrio Pblico de Mi-nas Gerais em 20 de maio de 1990, tendo exercido as ati-vidades de promotor de Justi-a nas comarcas de Januria, Manga, Ouro Preto, Mariana e

    Itabirito. A partir de julho de 1992, atuou como promotor de Justia da comarca de Belo Horizonte, quando passou a responder pela Promotoria de Justia de Defesa do Meio Ambiente e Patrimnio Cultu-ral da Capital. Foi promovido ao cargo de procurador de Jus-tia em 18 de maio de 2001, e nomeado, em 13 de setembro de 2001, como coordenador do Centro de Apoio Operacio-nal das Promotorias de Justia de Defesa do Meio Ambien-te, do Patrimnio Histrico e Cultural e de Habitao e Ur-banismo (CAO-MA). Ocupou o cargo mximo do Ministrio Pblico de Minas Gerais por dois mandatos, entre os anos de 2005 a 2008.

    Na data de 18 de abril de 2011, foi eleito para compor o Conselho Nacional do Minis-trio Pblico, sendo o primei-ro mineiro a integrar referido rgo.

    (com informaes do Conselho Nacional do Minis-trio Pblico)

    Informaes para a im-prensa

    Ernesto BoaviagemCoordenadorNcleo de Comunicao(31) 2108-5090 / 8881-

    0472

    Deputado estadual Dlio Malheiros PV

    Presidente da Comisso de Defesa do Consumidor e do Contribuinte

    Vice-presidente da Co-misso de Administrao P-blica

    FONTE - ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

    Dlio prope ALMG voto de congratulaes a Jarbas Soares JniorfOnTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA - 25.04.2011

  • O TEMPO - P. 3 - 26.04.2011

  • Ele (Marques) no pode alegar desconhecimento, diz Nepomuceno

    RODRIGO CLEMENTE - 22.7.2008

    Parentes

    Assembleia no fiscaliza contratos

    A assessoria de comunicao da Assembleia Legislativa de Minas in-formou que, quando um deputado en-caminha a documentao para nomear um funcionrio, realizada a anlise sobre possvel parentesco direto do indicado com o deputado, mas no com outro empregado do gabinete, como foi o caso dos ex-assessores do deputado Marques Abreu.

    Para a promotoria de Defesa do Patrimnio Pblico, a ALMG pode-ria criar mecanismos que filtrassem melhor a documentao, segundo o promotor Eduardo Nepomuceno, que afirmou que poder recomendar mu-danas nos procedimentos de contra-tao da Assembleia.

    O presidente da Casa, Dinis Pi-nheiro (PSDB), prometeu enviar um posicionamento oficial do Legislativo sobre o caso, mas, at o fechamento desta edio a nota no havia sido re-metida redao. (DL)

    cOnT.... O TEMPO - P. 3 - 26.04.2011

    Gastos

    Promotoria abre investigao aps reportagem de O TEMPO

    Mesmo tendo exonerado os dois funcionrios, depois da denncia de nepotismo, feita ontem por O TEMPO, praticado em seu gabinete, o de-putado Marques Abreu ser alvo de investigao por parte da Promotoria de Defesa do Patrimnio Pblico, segundo informou o promotor Edu-ardo Nepomuceno. A alegao de que desconhecia as regras das nomea-es no vlida, afirmou Nepomuceno. Vamos apurar da mesma forma, porque ele no poderia alegar desconhecimento da lei, afirmou.

    Nepomuceno disse tambm que comeou ontem a coletar as informa-es a respeito do caso para, entre outras coisas, definir quem ser respon-sabilizado pelos gastos com os salrios dos, agora, ex-assessores de Mar-ques. preciso apontar quem vai responder pelas despesas: o deputado ou os cofres pblicos, afirmou.

    Avaliando a exonerao dos funcionrios como uma medida positiva por parte do parlamentar, o promotor destacou que pretende aprofundar as investigaes. Vamos agora apurar se h outros deputados estaduais cometendo a mesma irregularidade, declarou.

    Segundo Eduardo Nepomuceno, os procedimentos legais podem re-sultar em um inqurito civil, a depender do resultado das apuraes so-bre o caso, que sero feitas com cautela. Ns no queremos que haja injustia contra ningum, destaca o promotor. (Daniel Leite/Especial O TEMPO)

  • O TEMPO - P. 25 - 26.04.2011

  • ESTADO DE MInAS - P. 7 - 26.04.2011

  • Girleno Alencar - Da Sucursal do Norte de Minas -

    MONTES CLAROS - O ve-reador Franklim Wanderley Lima (PMDB) utilizou a verba de gabine-te da Cmara Municipal de Montes Claros para alugar um carro perten-cente a seu irmo Emerson Tardieu de Lima, pagando-lhe R$ 1.500 por ms durante 18 meses. Tambm alugou uma moto do seu assessor parlamentar, pagando R$ 500,00 por ms. O caso foi denunciado ao promotor Felipe Gustavo Gon-alves Cares, da Curadoria do Patrimnio Pblico do Ministrio Pblico, que abriu inqurito.

    o segundo escndalo envol-vendo a aplicao de verba de ga-binete na Cmara Municipal de Montes Claros. Em junho de 2006, a Policia Federal prendeu sete vere-adores da cidade, acusados de terem utilizado recibos falsos dos Cor-reios, para fazer prestao de con-tas. O processo tramita no Frum de Montes Claros.

    O vereador Franklim Wander-ley Lima acusa o seu ex-assessor Rosivaldo Fonseca de ser o respon-svel pelas denncias envolvendo

    o seu nome, em represlia por ter perdido os benefcios. que uma moto de Rosivaldo e que estava em nome da sua me foi alugada pelo vereador. Porm, como recusou co-locar o veculo para fazer trabalho