24 Edio Conexo Notcias

Download 24 Edio Conexo Notcias

Post on 07-Mar-2016

216 views

Category:

Documents

1 download

DESCRIPTION

Jornal regional mineiro que circula nos bairros Ouro Preto, Castelo e Pampulha.

TRANSCRIPT

  • novembro/dezembro - 2012 - Belo Horizonte/MG - 24a edio - Ano IV - Distribuio Gratuita - www.conexaonoticias.com.br

    Talvez, a maturidade tenha nosdado a coragem de sermos mais doque eramos e de ousar a cada dia.

    Gui Cattoni (vocalista)

    Confira entrevista com aBanda Chaparrall na pgina 3

    Receitasde pratosnatalinos

    PGINA 12

    Dicas de Seguranapara as compras

    de Natal

    PGINA 6

    Sacolas retornveisagora a soluo nahora das compras

    PGINA 9

  • Para se submeter a cirurgia baritrica alguns critrios so re-gulamentados pelo Conselho Federal de Medicina. Desde odia 15 de outubro jovens a partir de 16 anos podero reali-zar a cirurgia de reduo de estmago pelo SUS. Alexandre Pa-dilha, ministro da sade, disse que o objetivo ampliar o acessoe melhorar a qualidade da cirurgia baritrica no Brasil. Segundoo ministro, dados apontam uma crescente obesidade entre jovense adolescentes, por isso a opo de ampliar o pblico .

    O doutor Tlio Assis, mdico e membro titular do ColgioBrasileiro de Cirurgia Digestiva conversou com o jornal ConexoNotcias e explicou algumas dvidas mais recorrentes sobre a reduo de estmago. Segundo a literaturamundial, existe um risco de morte durante o procedimento (0,5%). Tlio Assis explicou que o risco paraquem obeso 20 vezes maior, j que 64 doenas so associadas a obesidade.

    Tambm conhecida comoreduo de estmago, a cirurgia

    pode ser a salvao paramuitos obesos mrbidos do Brasil

    Dia de reunio em equipepara fechamento da l-tima edio do ConexoNotcias do ano de 2012. Tudoestava seguindo a rotina, quandoalgum perguntou como iramos

    abordar o Natal este ano. S neste momento me dei contaque mais um ano se passou.

    Parece que foi ontem que renovamos nossas ener-gias para comear mais um ano, colocamos metas, desa-fios e objetivos a serem cumpridos.

    O ano passou to rpido! Um navio naufragou nacosta da Itlia, Whitney Houston faleceu, comeou e ter-minou as Olimpadas de Londres, a sonda Curiosity che-gou a Marte e mais uma infinidade de coisas acontecerame estamos de novo aproximando do fim do ano.

    As vitrines logo tomaro as cores do Natal e horade retomarmos aquelas anotaes do incio do ano e vero quanto conseguimos cumprir do que prometemos.

    Parar de fumar, conseguir uma promoo no traba-lho, dar mais ateno aos filhos, curtir dias de descansocom o companheiro (a). Ser mesmo que conseguimosatingir nossos objetivos?

    Posso dizer que muita coisa ficou para trs. A des-culpa de sempre? Falta de tempo! Estamos sempre cor-rendo, com compromissos pendentes e tarefas a concluir.Pouco reservamos tempo para ir alm do que fazemostodos os dias.

    Escutamos a toda hora: - Os dias esto passando maisrpido! Mas ser mesmo? A verdade que nos ocupamostanto com nossas tarefas e com a tecnologia que nos cercaque nunca reservamos tempo para aproveitar o dia.

    Precisamos mesmo fazer tudo o que fazemos? Pre-cisamos mesmo ficar conectado na internet tanto tempo? necessrio usar tanto o celular?

    O que mudou no foi durao do dia e sim o que fa-zemos como ele. Se repensarmos nossas prioridadesquem sabe ainda no sobre mais tempo para tirarmos dopapel as promessas de ano novo?

    Vale a pena tentar!

    www.conexaonoticias.com.br nnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122

    www.conexaonoticias.com.br

    Cida Gregori - RG 1512 MGEditora Responsvel / Jornalista / Relaes Pblicas - RG 1512 MGFotografia: Cida GregoriColaborao especial: Igor Rocha

    O Jornal Conexo Notcias produzido pela Stillus Comunicao Razo social: Gregori & Gregori Comunicao

    Grfica: Sempre Editora LTDATiragem: 15000 exemplares

    Redao / Comercial:Telefone: (31) 4103-6178 / 3357-5067 Celular: (31) 8484-3930

    contato@conexaonoticias.com.br

    www.conexaonoticias.com.br

    @conexaonoticias

    Jornal Conexo Notcias

    DISTRIBUIO GRATUITAOs artigos assinados so de responsabilidade de seus autores eno refletem, necessariamente, a opinio do jornal.

    2

    Conexo Notcias: Alm do IMC (ndice deMassa Corporal) acima de 40 exitem outroscritrios para um paciente fazer a cirurgia ba-ritrica?Doutor Tlio: Sim, a resoluo do Conselho Fede-ral de Medicina autoriza a realizao da cirurgia empessoas com IMC acima de 35, associados a co-morbidades como diabetes, hipertenso, colesterolalto e problemas ortopdicos relacionados com oexcesso de peso.Conexo Notcias:Como identificado que onico recurso a operao?Doutor Tlio: A cirurgia uma opo teraputicaeficaz e deve ser identificado a falha do tratamentoclnico, aps dois anos de tentativas, com mdicosespecialistas (endocrinologista).Conexo Notcias: verdade que todos os pa-cientes, que precisam de operar, so acompanha-dos por um psiclogo antes e depois da cirurgia?Doutor Tlio: exigido uma avaliao psicolgicacom laudo. aconselhado o acompanhamento psi-colgico ps- operatrio conforme a demanda indi-vidual! O paciente passa por vrios profissionais:cirurgio, anestesista, nutricionista, cardiologista,pneumologista e endocrinologista. O paciente s vaipara a mesa depois de liberado por todos eles.Conexo Notcias: Como o ps- operatrio?

    Doutor Tlio: Cuidados: repouso, curativos, con-sultas de acompanhamento. Dieta: lquida por 15dias, pastosa de 15 a 30 e normal com restriesaps os 30 dias. Exerccios: aps 30 dias volta gra-dativa as atividades fsicas. O hbito de vida sau-dvel sempre encorajado!Conexo Notcias: Tem como saber, antes da ci-rurgia, quantos quilos o paciente vai perder?Doutor Tlio: No se pode prever com preciso. Amdia estatstica de 70 por cento do excesso depeso. Cinco quilos na primeira semana, 12 no pri-meiro ms e 40 quilos no primeiro ano. Cerca decinco a 10% volta a engordar, por maus comporta-mentos no ps operatrio.Conexo Notcias: J houve casos em que teve dereverter o processo? Tem como fazer isso?Doutor Tlio: Nenhum sos meus pacientes, se-quer, cogitou a possibilidade de reverter a tcnicautilizada. Existe sim a possibilidade.Conexo Notcias: A mudana radical, voctem algum conselho para quem tem vontade defazer a reduo de estomago?Doutor Tlio: Conselho: reflita bem , busque oapoio familiar, procure um profissional e equipescapacitados e, claro, siga rigorosamente as orienta-es. Fazendo isso, as chances de sucesso so bas-tante interessantes!

    Obesos tem uma oposegura para a perda de peso:Cirurgia baritrica

    AVISOO Jornal Conexo Notcias no autoriza ninguma pedir credenciais para eventos ou qualquer outrobenefcio em nome do Jornal. As solicitaespara tal so feitas sempre pelo e-mail do veculo:conexao@conexaonoticias.com.br e seguiro deassinaturas da editora chefe.

    Cida GregoriEditora Chefe

  • 3www.conexaonoticias.com.br

    www.conexaonoticias.com.br

    nnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122

    Sertanejo, country e atitude nos palcos

    de Belo Horizonte e cantasucessos em todo o Brasil

    Chaparrall

    CURIOSIDADES Saiba o bairro em que cada integrante da banda nasceu: GUI - Anchieta / Nolli -Serra / Marquito - Dom Cabral / Somente Didi nasceu na cidade de Caratinga, masmora em BH

    Os mineiros, de Belo Horizonte, elegeram o Cafezin e o po de queijo como sendoa cara de Minas

    O CD e DVD foi gravado em Nashville nos EUA Marquito supersticioso e no quis contar seus sonhos mais ntimos- O ser hu-mano se nutre de sonhos, os meus, em sua maioria, so parecidos com os de todomundo. A minoria, os mais especiais, eu guardo comigo porque dizem que se voccontar pra algum, ele no se realiza

    Uma banda de vanguarda, a Cha-parrall foi formada em 1997 porcausa de um sonho comum: Viverde msica. Muitos jovens brasileiros, sededicam, estudam, desenvolvem talentos,em busca de uma alegria de viver. Graasa identidade particular os jovens do Cha-parrall se diferenciaram dos outros e co-mearam a trilhar o caminho do sucesso.

    A banda composta por Nolli e GuiCattoni (vocalistas), Marquito (violo,bandolin, banjo, dobro e vocais) e Didi(guitarra e violo). Todos nasceram e cres-ceram em Belo Horizonte. Iniciaram a car-reira tocando em uma casa de show(bastante conhecida na poca) e a partir danasceu a ideia de tocar msicas popularesem ritmo country e sertanejo. Eu, Gui eMarquito tnhamos uma outra banda, oumelhor, um trio acstico! Era uma delcia,tocvamos pop, rock, clssicos! Quando oDidi nos convidou para fazer parte doChaparrall ficamos superfelizes, porqueseria um desafio muito diferente e inova-dor! Aceitamos e estamos fazendo hist-ria at hoje!, explica Nolli.

    Para Gui Cattoni a mistura de refe-rncias e influncias musicais, alm da ca-pacidade de se trabalhar de forma a somaras diferenas o que diferencia o som nasapresentaes da banda. Nolli acrescentouainda, que a maneira singular da bandapara as regravaes, a mudana dos arran-jos, a personalidade do Chaparrall emtodos os seus trabalhos, mostra um certorespeito com fs e ouvintes. Uma banda como um dupla, mas com mais compo-nentes. No nosso caso, a gente produz asnossas msicas, no somente com asvozes, mas com instrumentos tambm.Assim, quando compomos ou arranjamos,temos a oportunidade de criar infinitaspossibilidades sonoras, diz Cattoni.

    Antes mesmo do boom do sertanejouniversitrio, a Chaparrall j fazia a mis-tura de estilos com o sertanejo. Gui aindabrinca que quando iniciaram as apresenta-es em shows e boates, eles estavam nafaculdade e talvez seja por este motivo quej faziam o sertanejo universitrio desde adcada de 90. Somos hoje o resultado detodos esses anos de experincia. O mer-cado mudou e ns tambm. Hoje podemosser mais verdadeiros ainda no som que fa-zemos. Talvez, a maturidade tenha nosdado a coragem de sermos mais do queeramos e de ousar a cada dia. Para Mar-quito, msico da banda, as composies

    so uma forma de extravasar sentimentose ideias. A inspirao vem de qualquercoisa. Muitas vezes vem primeiro a melo-dia, por outras o ritmo, em outras a letra. Oque acho bom que no h regras na horade criar, esclarece.

    A banda saiu do mercado musical poralguns anos e retornou com o CD Gran-des Sucessos da Msica Sertaneja. Umareleitura da msica Caso Marcado mar-cou o retorno aos palcos de Minas.

    A banda Chaparrall tem composiesprprias e vai lanar at o final de 2012 oCD e DVD Tanto Tempo. Em funodo lanamento que iremos fazer poderiadestacar, como momento especial, a viagemque fizemos aos Estados Unidos para asgravaes deste trabalho. Foi muito bacana.A gente teve a oportunidade de conhecer lu-gares diferentes. Como gostamos de inovare criar, no que diz respeito a compor e ar-ranjar, assim como cantar e tocar, escolhe-mos os lugares mais bacanas para trabalhare montamos o nosso escritrio cada dia emuma nova cidade, finaliza Cattoni.

    A GATA E SEUS GATOSDona de uma voz aveludada e uma

    presena de palco que hipnotiza o pblicoNolli caminha por uma estrada de sucesso.Solteira e caseira a loira revelou que adorareceber pessoas em sua casa.

    A vocalista contou ainda que atual-mente no est a procura de um amor.O motivo simples: dedicao total ao tra-balho. Estou em um momento muito de-licado da minha carreira e no querodividir isso com ningum. Acredito que otempo somos ns que fazemos, mas noquero assumir nenhum compromissoagora. Tenho vrios projetos e eles de-mandam muita energia. No gostaria denamorar algum a quem no pudesse darateno, carinho e cuidado, diz.

    Nas folgas o cinema, a boa msica eos encontros de famlia so as distraespreferidas. Os animais de estimao so osgatos (vrios) e a personalidade, fora dospalcos, tipica de uma mineira: descon-fiada e as vezes at brava. No palco como se eu estivesse no lugar mais gos-toso e aconchegante do mundo! incr-vel... uma injeo de adrenalina deliciosa!Me tira qualquer estresse, dor, mal humor,etc! um santo remdio!Fora do palco eusou mais quieta! Mais ou menos como umtatu-bola misturado com ourio! (risos),conclu.

    GUI CATTONI Deus: Est dentro de ns Emoo: Ver o pblico cantando a nossa msicaAlegria: Poder acordar e fazer o que gosto e acreditoMsica preferida: Bridge over troubled waters (Paul Simon) Chaparrall:Minha banda preferida, depois dos Beatles...

    MARQUITO Emoo: Ver o pblico cantando uma msica minhaAlegria: O lanamento de um novo trabalho

    DIDI Deus: Acredito Emoo: Nascimento da minha filhaAlegria: Minha famlia Prato preferido: Churrasco Chaparrall: Poder trabalhar com o que gosto

    NOLLI Deus: Meu alicerce Emoo: Viver de msica, gravar em Nashville, lanar o Cd no Itunes...so tantas emoes!!!

    Alegria:Minha famlia, adoro aquelas reunies de famlia onde voc en-contra todo mundo e passa o dia curtindo o pessoal

    Prato preferido: Almoo de domingo na casa da v! Adoro Perfume: Uso dois, um para o dia a dia que o Flewrs de Cerisier(Cherry Blossom ) da Loccitane, ele leve, delicado e muito discreto. Anoite eu uso o Jadore da Dior ou o Amarige de Givenchy

    Chaparrall:Minha vida!!!

    RAPIDINHAS

  • O que voc vai ser quando cres-cer? Durante nossa infncia ouvimosvrias vezes essa pergunta e, muitasvezes, respondemos sem pestanejar aprofisso que nos chamava a ateno, oofcio dos nossos pais ou mesmo nossasiluses de criana. Quando crescemos,a resposta meio inocente que demosantes vira coisa sria na hora do vesti-bular. Ento, qual profisso escolher?

    Entre o A da Administrao e o Zda Zootecnia, existem atualmente quase300 cursos de nvel superior dispon-veis nas universidades brasileiras.Diante de tantas possibilidades natu-ral a insegurana. A presso dos pais eo medo de decepcionar as pessoas que-ridas podem intensificar ainda maisessa angstia.

    Para a psicloga Jlia RamalhoPinto, Mestre em Administrao deEmpresas e coach, a escolha de umaprofisso o primeiro grande desafiode um jovem. No incio da fase adultaa pessoa deve ter em mente que essa es-colha no necessariamente definitiva.Mesmo assim, requer responsabilidadee um conhecimento mais profundo doque se deseja e do mercado, afirma acoach.

    Segundo a psicloga, ao escolher aprofisso, o individuo deve ter emmente um projeto de vida a um longoprazo, avaliar a qualidade de vida quedeseja ter e questionar valores, gostos,desejos.

    Devemos fazer aquilo que gosta-mos e no qual acreditamos. O sucessonuma profisso depende 30% de co-nhecimento e 70% de atitude. Por isso,no adianta escolher um profisso bemremunerada se voc no tem prazer emfazer aquele ofcio. Esse o caminhomais rpido para o abandono de umacarreira ou garantia de sofrimento cons-tante. Devemos nos lembrar de quepassamos grande parte do nosso dia notrabalho, alerta Jlia.

    4 www.conexaonoticias.com.br nnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122

    www.conexaonoticias.com.br

    E agora, qual profisso seguir?REDEFININDOA CARREIRAO coaching de carreira no usado

    apenas para jovens que esto esco-lhendo sua primeira profisso. As pes-soas esto buscando viver uma vida demaiores realizaes. muito comumaos 30 ou 40 anos as pessoas buscaremum novo norte para sua vida profissio-nal. Antes a relao do homem com otrabalho era mais estvel. As pessoasprocuravam uma profisso para vidatoda. Agora, diante das constantes mu-danas, os indivduos se sentem moti-vados a buscarem trabalhos que osrealizem.diz Jlia.

    A fonoaudiloga Carolina Couti-nho Tavares, de 29 anos, passou poreste processo. Ela conta que escolheua profisso por acompanhar as sessesde fonoaudiologia e a reabilitao dopai aps sofrer um AVC (AcidenteVascular Cerebral). Ela j estava emsua segunda ps-graduao,especiali-

    zando-se na rea efrustrada com a esco-lha, foi quando resol-veu procurar acoaching de carreira.

    O processo me

    ajudou a ter viso de futuro, metas e ob-jetivos com prazos determinados. Almdisso, me conheci melhor e descobri osmeus pontos fortes e fracos. Busqueiuma forma de conseguir me realizarcom minha profisso. Hoje continuosendo fonoaudiloga e, tambm, em-presria com amor e sucesso, contaCarolina.

    Ela relata que resolveu abrir umacasa de repouso aps o processo decoaching. Carolina descobriu que tinhao potencial para gesto, se especializoue montou um negcio na rea da sade.Conseguiu inventar uma forma paraexercer uma profisso de difcil reali-zao financeira, identificar as necessi-dades do mercado e criar um novonegcio na rea.

    A partir da consegui enxergar asoportunidades de crescimento profis-sional na rea da sade, uma vez quesempre trabalhei com idosos. Em so-ciedade com uma amiga enfermeira,aps muitas pesquisas de mercado,abrimos a casa de repouso Viver BemSade, Interao e Bem Estar para Ido-sos, que oferece servios diferencia-dos, relata orgulhosa.

    Por uma BH melhor* Srgio Fernando Pinho Tavares

    * Advogado www.sergiofernando.com

    Nessas eleies, Belo Horizonte teve 1286 candidatos a vereadores e oito prefeitura que, durante trs meses, fizeram visitas, entrega de santinhos,bandeiradas e caminhadas. Candidatos de todos os estilos e partidos estive-ram nas ruas com suas equipes apresentando propostas, princpios e aesrealizadas. E no dia 7 de outubro foram eleitos 41 vereadores, sendo 54%deles novos na Cmara Municipal, e um prefeito reeleito no primeiro turno.Com isso, pudemos perceber que os belorizontinos esto mais engajados eparticipativos com a poltica, o que contribui ativamente para a construo dademocracia.

    O resultado nas urnas apresentou muitas mudanas na Cmara e uma fer-ramenta fundamental no rumo dos votos foram as redes sociais. Mais do que

    uma forma de divulgao do trabalho e tambm das campanhas eleitorais, ainternet se tornou um canal direto entre o povo e seus representantes. Foraesta que pretende no se restringir apenas ao perodo eleitoral, mas duranteos prximos quatro anos de mandato dos eleitos.

    Acredito em mandatos participativos e transparentes, pois essa a melhorforma de se fazer a construo poltica de uma cidade. Por isso, a CmaraMunicipal precisa de mais pessoas que acompanhem as votaes e debatesem plenrias, que agendem visitas aos gabinetes, e que proponham projetose discusses para audincias pblicas. O convite para todos vocs, eleito-res, que se envolvam mais com a poltica no apenas durante esses meses decampanha, mas que acompanhem e cobrem durante os anos de mandato.

    Mestre em Administrao de Empresas (UFMG), psic-loga e coach (Membra do ICF- International Coach Federa-tion). Atua como psicloga clnica (com foco empsicanlise) e organizacional (com foco em desenvolvi-mento de lderes e equipes). Coordena e ministra cursos, pa-lestras e conferncias de liderana, de desenvolvimento depessoas, de tica e responsabilidade social. Como scio-di-retora da Estao do Saber Projetos Culturais atua como cu-radora e coordenadora de projetos educacionais e culturais;assina a curadoria e coordenao do Encontro de Twitteirosde Culturais de Belo Horizonte (ETC-BH) e do Projeto Es-tao Ptio Savassi.

    Sobre Jlia Ramalho Pinto

    SABENDO O QUE SE DESEJAPARA PLANEJAR O FUTURONeste caminho de conhecimento

    para a escolha da profisso o coachingde carreira pode contribuir muito paraos jovens. Em Belo Horizonte (MG), aEstao do Saber Consultoria e Coa-ching vem aconselhando vrias pessoasna hora de decidir qual profisso seguire, at mesmo, a definir estratgias parao sucesso profissional.

    De acordo com Jlia RamalhoPinto, psicanalista e coach, a partir dareflexo e reconhecimento das caracte-rsticas e potencialidades, o coachingestimula o individuo a encontrar a res-posta que precisa. A deciso de qualprofisso seguir cabe a cada um. Atra-vs de diversas tcnicas e questiona-mentos o coaching faz a pessoa buscaras respostas dentro de si e amplia suaviso do que o mercado de trabalho.,explica a psicloga.

  • 5www.conexaonoticias.com.br

    www.conexaonoticias.com.br

    nnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122

    O Consumo responsvele o lixo eletrnico

    * Gabriella de Castro Vieira

    *Advogada do MDC/MG(Movimento das Donas de Casa e Consumidores de Minas Gerais)

    Durante a Rio +20 foi aberta a oportunidade para a discusso de umtema extremamente relevante para a humanidade: o aumento exorbi-tante da produo de lixo eletrnico e o seu impacto para o meio am-biente.

    Todavia, o tema fora apenas citado, pois nada de concreto foi defi-nido.

    Ocorre que as pessoas precisam se mobilizar no sentido de exigirdos fabricantes, e do Governo, um local adequado para o descarte dolixo eletrnico. Alm disso, deve haver uma sria reflexo sobre o con-sumismo desnecessrio, devendo o mesmo ser revisto. O meio am-biente precisa da adoo de prticas de consumo consciente.Vale ressaltar que no se trata apenas de um amontoado deprodutos inteis, mas sim de lixo nocivo sade de toda apopulao.

    Os lixos mais perigosos so computadores, monitores,pilhas, baterias e celulares, pois eles contm componentestxicos como berlio, mercrio, chumbo, cdmio e ars-nico que, em contato com a terra ou com a gua dos rios,podem causar cncer no pulmo, danos cerebrais, entre ou-tros.

    Atualmente, algumas Empresas esto colaborando com o recolhi-mento deste lixo, disponibilizando caixas de coletas de pilhas, bateriase celulares. Os celulares e baterias podem ainda ser descartados nas as-sistncias tcnicas dos fabricantes e em lojas prprias. No caso dos ele-

    trodomsticos, o descarte bemmais complexo, pois no existelocal apropriado para que o consu-midor se desfaa do produto.

    Mais uma vez o consumidor quem faz a diferena. Somos nsque podemos dar a prefernciapara as empresas que demonstrammaior preocupao com os impac-tos da fabricao e do descarte deseus produtos no meio ambiente,valorizando, portanto, o nossopoder de compra.

    Atualmente tem se discutido a respeito das irregularidades em contratosde financiamento de veculos, ante a cobrana de juros exorbitantes e/ou va-lores indevidos.

    O que mais tem chamando a ateno dos advogados especializados acobrana de taxas ilegais, contrariando o que dispe o Cdigo de Defesa doConsumidor (CDC), que no obstante tem sido alvo de inmeras decisesjudiciais determinando a devoluo ao consumidor.

    As referidas taxas a que nos referimos comumente recebem as denomi-naes de Taxa de Abertura de Crdito TAC ou Tarifa de Ca-dastro - TC, Taxa de retorno TR, Taxa de emisso de carnou boleto TEC, Servio de Terceiros, Incluso de GravameEletrnico, Tarifa de Avaliao de Bens, Custo de Registroe etc.Na totalidade dos contratos, as taxas ilegais esto inseri-

    das, tratando-se de uma prtica muito comum das instituiesfinanceiras que persistem na cobrana abusiva, indevida e ilegal.

    Urge salientar que a cobrana de tarifas devem estar asso-ciadas prestao de um servio, no caso do crdito para aquisi-o de veculos, no h outro servio que no seja ofinanciamento do veculo, sendo certo de que os custos admi-

    nistrativos esto inseridos nos juros remuneratrios, no podendocriar taxas para onerar ainda mais o consumidor.

    Comumente as instituies alegam que o consumidor anuiu com a co-brana dos servios, ocorre que o cdigo de defesa do consumidor, normade ordem pblica, probe a cobrana das referidas taxas. Por sua vez, o C-digo Civil prev que nenhuma conveno prevalecer se contrariar precei-tos de ordem pblica, sendo as clusulas do contrato que estipulam estascobranas, nulas.

    Para aquele que acham que os valores cobrados pelas taxas so nfimos,se enganam, de acordo com os contratos de financiamento, as taxas podemvariar de R$1000,00 at R$ 5.000,00.

    De acordo com o Cdigo de Defesa do Consumidor, O consumidor co-brado em quantia indevida tem direito repetio do indbito, por valorigual ao dobro do que pagou em excesso, acrescidos de juros e correo mo-netria.... Ou seja, o consumidor que pagou as citadas cobranas, ter di-reito a receber em dobro o valor que pagou.

    Cobranas indevidas nosfinanciamentos de veculos

    * LBC&T Advogados Associados.Tel:(31) 3024-2699 - thiagocavaca@hotmail.com

    * Thiago Cavaca Moura

    CONTINUIDADE DO ARTIGONO PORTAL CONEXO NOTCIAWWW.CONEXAONOTICIAS.COM.BR

    Decifrando os alimentos para ces e gatosPor definio oficial, os alimen-

    tos para ces e gatos podem ser sub-divididos levando-se emconsiderao a funo e/ou tipo:

    Alimento completo e balan-ceado: produto que supre todas asnecessidades nutricionais em umnico alimento, sem excessos ou de-ficincias.

    Alimento especfico: produtocom finalidade de agrado, prmioou recompensa.

    Coadjuvante: produto destinadoa animais com distrbios fisiolgi-cos ou metablicos, cuja formulao

    incondicionalmente privada de qual-quer agente farmacolgico ativo.

    Os alimentos completos podemser subdivididos ainda de acordo como teor de umidade presente:

    Alimento seco: teor de umidadede at 12 %, representados pela maiorfatia de mercado.

    Alimento semi-mido: teor deumidade de at 19%, representados

    pelos alimentos macios.Alimento mido: teor de umidade

    em torno de 80%, representados pelosenlatados.

    Existe ainda uma definio mer-cadolgica onde os alimentos so di-ferenciados de acordo com seus nveisnutricionais, ingredientes utilizados eenergia metabolizvel. Sendo assimdivididos por qualidade crescente em

    termos de qualidade nutricional:Econmico, intermedirio, Pre-

    mium e super Premium.Existem hoje no mercado mais

    de 600 marcas de 150 fabricantes.Para uma escolha acertada devemossempre levar em considerao a ido-neidade, a pesquisa e capacitao dofabricante, alm da considerao doMdico Veterinrio de confianauma vez que a nutrio tem grandeinfluncia na sade e qualidade devida de ces e gatos.

    *Ronaldo Moreira Vieira

    *Mdico VeterinrioCRMV-MG.5411

    O meio ambiente precisada adoo de prticas deconsumo consciente.Vale ressaltar que nose trata apenas de umamontoado de produtosinteis, mas sim de lixonocivo sade detoda a populao.

  • www.conexaonoticias.com.br nnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122

    www.conexaonoticias.com.br

    6

    Chegando o Natal e com ele sem-pre vem esperana, positividade, acrena de um novo ano melhor, dcimoterceiro salrio, compras de fim de anoe... Oportunistas. Todo cuidado poucona hora de efetuar as compras de fim deano com segurana. Durante este pe-rodo, em que h um aquecimento naeconomia, devido o pagamento do d-cimo terceiro salrio, os oportunistasaparecem de todos os lados.

    Segundo a assessoria de imprensado Comando de Policiamento da Cap-ital, neste perodo, no h um aumentosubstancial nas ocorrncias, devido estratgia adotada pelos policiais parainibir a ao destes criminosos. Acorporao suspende os cursos inter-nos e emprega militares da adminis-trao nas atividades operacionais.Desta forma, tentamos coibir ao mx-imo as atividades destes grupos, in-formou tenente Debora da PMMG.Ainda de acordo com a oficial, o am-biente tambm um fator que con-tribui para a ao dos criminosos. Oaumento significativo de pessoas nosespaos dificulta a vigilncia mais efe-tiva da PM. O ideal planejar as com-pras com antecedncia para os dias ehorrios com menor movimento e evi-tar, ao mximo, andar com quantias el-evadas em espcie, para no chamar aateno, completou.

    Quem j foi roubado durante ascompras de final de ano fica com umsentimento de impotncia, como relatao gerente de tecnologia, EwertonGonalves, de 30 anos. Fui abordadopor dois homens nas imediaes da

    Rodoviria, (regio Centro-Sul da ca-pital). A princpio eu vi s o que estavaarmado com a faca, mas logo depois ooutro chegou e eu no tive o quefazer, disse o gerente que informoutambm utilizar uma ttica de noandar com todos os pertences em ummesmo lugar. Procuro sempre car-regar documentos e cartes em lu-gares separados: cartes em umlugar de fcil acesso e documentode identidade separado, comple-tou. Ewerton contou ainda que noregistrou o boletim de ocorrnciapor que levaram a carteira ondecoloco apenas meus cartes,como levaram apenas os cartescancelei-os junto s empresasfornecedoras e optei por noregistrar a ocorrncia, finali-zou.

    Cartilha de Dicas de Segurana est disponvel no site do Jornal:

    www.conexaonoticias.com.br

    Compras de natal em segurana

    No dia 25 de dezembro de 2009 Fabiano Presote e a esposaDrielly tiveram a iniciativa de fazer uma distribuio de livrose brinquedos novos e usados para algumas crianas carentes.De l para c amigos, parentes e voluntrios foram entrando na Cam-panha e, hoje eles somam mais de trinta pessoas envolvidas na arreca-dao e distribuio dos donativos.

    O grupo se veste de Papai Noel e visitam vrios domiclios no Diade Natal levando alegria e esperana a centenas de crianas. Este n-mero pode ser muito maior com a adeso das pessoas junto a iniciativa.

    As pessoas que desejarem se engajar na Campanha pode entrar emcontato com o casal.

    Fabiano: 31 3485-6573/8883-8953Drielley: 31 9538-8953/9393-6420

    Campanha Natal

    As dicas para no correr riscos durantea escolha dos presentes de final de ano

  • fundador/presidente daComunidade EvanglicaNova Vida, Camila notem vergonha de expres-sar o amor que sente pelopai e fala um pouco sobrea importncia que a fam-lia tem em sua vida. Meupai me influncia em tudoo que fao. Este ohomem que mais admiroe amo nesta vida. Tudo oque fao, procuro sua opi-nio, seu conselho, sua sa-bedoria de pai e homemde Deus. Ele com certeza

    me influenciou no meu modo de vida,nas minhas escolhas e ver a formacom que ele tambm foi chamadopara uma misso me direcionou naescolha pela musica gospel.

    Oconcurso Mulhe-res que brilhamdo programa RaulGil, no SBT, apresentoupara o Brasil cantoras detodos os Estados brasilei-ros. Talento, perseverana,dedicao e alegria deviver foram algumas dasqualidades apresentadapor Camila Campos. A mi-neira de apenas 23 anos sedestacou e ficou entre asmelhores do concurso.Ficar entre as dez paramim foi algo incrvel esurpreendente. No esperava, at por-que, era a nica cantora gospel. Me sur-preendi e fiquei satisfeita com oresultado, resume Camila para o jor-nal Conexo Notcias.

    No penso nisso. Talento era o queno faltava naquele palco. Eu acho,sinceramente, que Deus tem algo es-pecfico para cada um de ns, diz.

    Filha do pastor Divino Pereira, o

    7www.conexaoconticias.com.br

    www.conexaoconticias.com.br

    nnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122

    Segundo a cantora, a participaotrouxe muitos benefcios. Quandoquestionada sobre o primeiro lugar aresposta foi curta: Eu no sei se can-tar outros estilos me faria campe.

    Uma das estrelas do programaRaul Gil de Belo Horizonte

    Conhea mais sobre a vida de Camila Campos querepresentou muito bem o gospel e Minas Gerais

    Nascimento: 15/01/1989Amor: Meu paiDeus: Minha vidaLivro: A arte de ser leve (Leila ferreira)Lazer: AmigosTenho vontade de: Gravar um CD e DVD ao vivoEu quero: Ser uma pessoa cada vez melhor e parecida com Cristo!

    RAPIDINHAS

    Conhea agora um pouco maissobre a vida de Camila Campos

    Conexo Notcias: Porque voc canta somente a msica gospel?Camila: Escolhi a msica gospel porque DEUS me escolheu primeiro. Me sintocom uma misso, a misso de revelar a palavra de Deus, as mensagens bblicas paratodos aqueles que puderem ouvir.Conexo Notcias:Alm do rock, quais as outras influncias nas suas msicas?Camila: Alm do rock, tenho influencias, pop, black, soul, fusion...ouo de tudo eaprecio todo tipo de musica, absorvo muita coisa e tento fazer o meu som, com aminha cara, com a minha emoo e identidade.Conexo Notcias:De onde vem a inspirao para as composies?Camila:A inspirao para as composies vem da juno das experiencias do co-tidiano juntamente com o contedo bblico. Vem das minhas experiencias comDeus, com a espiritualidade e com os ideais em que acredito.

    CURIOSIDADESO irmo mais velho foi o incentivador para a gravao do novo CD Profetiza

    com composies de Camila e de amigos. Foi minha primeira experiencia comgravao de um trabalho meu, ate ento s havia gravado back vocal para outros tra-

    balhos. Tem sido beno por ondevou...foi um trabalho que revelouquem eu sou, o que gosto de cantar, oque pretendo gravar no meu trabalhooficial.

    Camila tem vontade de dividir opalco com Pregador Lu, Oficina G3 eAna paula valado (apesar de no can-tarmos no mesmo estilo, ela me ins-pira muito sobre VIDA COM DEUSe suas cances sempre me aproximamdo PAI.)

  • www.conexaonoticias.com.br

    8 www.conexaonoticias.com.br nnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122

    Experimente maisaventuras a dois

    Ser atencioso com a pessoa amada ter etiqueta

    Para manter a chama acessa e ter um relacionamento feliz preciso mais do que casa, comida e roupa lavada. Que tal es-timularem juntos os cinco sentidos (olfato, viso, paladar, au-dio e tato)?

    CHEIROS DIFERENTESDe flor, terra, comida, entre outros. D um perfume novo ao par-

    ceiro, sugira uma viagem para um lugar diferente, caminhe com ele napraia sentindo o cheiro da brisa, usem cremes recm-lanados comaromas exticos. O que vale investir no olfato.

    NOVIDADES NO CARDPIOSabores deliciosos e novos so importantes. Afinal, quem conse-

    gue comer todo dia a mesma coisa? Provem uma culinria extica,convide-o para ir a um restaurante recm-aberto, faam um curso dedegustao de vinhos e cervejas. Quando forem ao supermercado,comprem frutas diferentes das de sempre.

    CORES E FORMAS VARIADASSugira pedalarem no parque, visitarem uma exposio, admirarem

    uma bela construo, passearem num orquidrio... Paisagens encanta-doras, flores e formas variadas certamente vo alegrar a rotina dosdois.

    SONS ESTIMULANTESFaam uma seleo de msicas para ouvirem juntos, v com ele

    quele show de rock. Relembrem msicas do incio da relao. Abrama janela do carro ou do quarto para curtirem o som do vento, dos ps-saros, da chuva.

    TOQUES PRAZEROSOSVale a pena investir no toque dos tecidos. Sabe aquele cobertor

    macio que convida a dividir o sof por baixo dele? Outra ideia usarum vestido de seda quando sair com ele. Proponha um dia de spa comdireito a massagem um no outro e banho a dois relaxante.

    Fonte: Amar Pode Dar Certo(Roberto Shinyashiki e Eliana Bittencourt Dumt)

    Para quem procura paz e sossegoo municpio de Entre Rios deMinas uma boa opo paraquem quer renovar as energias. Asguas geladas das cachoeiras e a culi-nrias se destaca na opinio de turistasque j visitaram a cidade.

    Localizada a 110 km de Belo Ho-rizonte, a cidadezinha possui belezasnaturais que chamam a ateno, atmmesmo, dos moradores acostumadosa se deparar diariamente com o verdee o cheiro de terra molhada. A atmos-fera de aconchego proporcionadapela calmaria das ruas e os casaresatraem olhares para quem gosta defazer uma caminhada.

    Pedro Domingues foi o respons-vel pela descoberta do povoado. Acasa do ento fundador da cidade,existiu at 1915. Com origem no s-culo XVIII o nome do municpio de-vido a localizao geogrfica do lugar:entre os rios Brumado e Camapu,ambos nascem em Lagoa Dourada, naserra dos Vertentes, e seguem ba-nhando a cidade.

    Atualmente so dois os distritosque compe Entre Rios: o da Sede e aSerra do Camapu. Bem prxima deCongonhas (58km) Entre Rios deMinas est localizada na microrregiode Conselheiro Lafaiete e possui umarea de 470Km.

    Bero da raa de cavalos Campo-lina, a economia do municpio estcentrada nas atividades agropastoris,sendo grande produtora de leite emilho. As cachaas fabricadas artesa-nalmente, os licores e doces caseiros,feitos de frutos da terra, so um atra-tivo a mais na Feira Municipal reali-zada todos os sbados.

    Patrimnio histrico-cultural doEstado, entre as 32 parquias impor-tantes e diferenciadas de Minas Geraisest a de Brumado do Suau. O po-voamento de Brumado do Suau doincio da colonizao no Campo dasVertentes. O arraial que comeou coma atividade mineradora,logo depois se associou agricultura de subsis-tncia.

    Hoje o municpiopreserva algumas fazen-das coloniais; as runasde uma antiga Casa dePedra e potenciais stiosarqueolgicos.

    No vero as vriascachoeiras, so uma boa

    pedida para quem gosta de interagircom a natureza. As que mais se desta-cam so a dos cachoeira do Coqueiros(12 km do centro) a do Gordo (18 km)e a cachoeira dos Faleiros (13 km).

    CURIOSIDADESVinte era o nmero de casas na

    sede do Brumado, hoje Entre Rios deMinas. Em 1800 as famlias visitavamas casas de passeio aos domingos,dias santos ou em algum festejo. Porisso, as janelas s se abriam nestesdias comemorativos.

    Nossa Senhora do Bromando, ca-pela filial da Matriz de Congonhas,teve o primeiro batismo em 18 de fe-vereiro de 1739.

    SMBOLOSEntre Rios de Minas tem como

    smbolos a Bandeira, O Hino e o Bra-so, criados por Dom Oscar de Oliveira.A Bandeira (11/05/1972) foi elevadaa smbolo pela promulgao da LeiOrgnica do municpio em 1990.

    O Hino de Entre Rios de Minas foimusicado por Dom Jos Belvino doNascimento. A letra foi compostaem 1963, na comemorao dos 250anos de fundao da cidade.

    O Braso foi criado por volta de 1964.

    CIDADES LIMTROFESLagoa Dourada, Resende Costa,

    Desterro de Entre Rios, Jeceaba, SoBrs do Suau e Casa Grande.

    DISTNCIA EM KMBarbacena 120 km, Carmpolis

    de Minas 80 km, Conselheiro Lafaiete55 Km, So Joo del Rey 64 km, La-vras 170 km, Rio de Janeiro 375 km,So Paulo 535 km e BH 130 km.

    Descanso e naturezaEntre Rios de

    Minas uma boaopo para

    distrair e sair doestresse da capital

  • www.conexaonoticias.com.br

    9www.conexaonoticias.com.brnnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122

    Polmica das sacolinhas mais umavez deixa consumidor em dvida

    Visita ao Cemitrio

    Agora nem sacolas descartveis nem sacolas biodegradveis.Quem for as compras no pode esquecer a sacola retornvel!

    Fazer compras na maioria dossupermercados de Belo Horizonteficou no mnimo mais confuso.Desde 01 de agosto de 2012 o pro-motor de Justia Amauri Artimos daMatta proibiu o sistema de cobranadireta das sacolinhas (que o consu-midor para no caixa pelas sacolas).Segundo ele, os consumidores eramvtimas de propaganda enganosa, jque alguns estabelecimentos ven-diam sacolas fora do padro. Em en-trevista ao jornal Estado de Minas,Amauri Matta disse que a distribui-o de sacolas falsificadas no co-mrcio prejudica o consumidor.

    Giovanni Peres, gerente de Co-municao da Associao Mineirade Supermercados (Amis), informouque durante os 15 meses que o sis-tema de cobrana direta funcionouem BH, 97% do consumo de sacolascaiu, ou seja, o consumidor adotou ouso das sacolas retornveis. Ele (oconsumidor) no foi obrigado a usaras retornveis, mas elas passaram aser a melhor opo para ele e para omeio ambiente, afirma Giovanni.

    A indstria do plstico descart-vel considerou um pesadelo a mu-dana de hbito em BH. Obelo-horizontino abandonou a cul-

    cumpriram a norma a risca, diz. Eladisse que no sa de casa sem as sa-colas retornveis. Eu no pagavaR$0,20 de jeito nenhum e no fuipega de surpresa com a nova deci-so, diz Joana.

    Juliana Souza, proprietria daempresa Lju Sacolas Retornveis,contou que as sacolas custam emmdia R$1,30 a R$2,80 e com aproibio aumentou, e muito, as en-comendas. Para ela, a diminuiodas sacolas de plstico nas ruas importante para as pessoas e o meioambiente agradece. Juliana decidiuabrir a empresa e viu na proibiouma oportunidade. Com a deciso dopromotor Amauri Matta, 90% dossupermercados retiraram em defini-tivo as sacolinhas de suas lojas.

    Polmicas a parte, a realidadeagora no deixar de sair com saco-las retornveis, por que os supermer-cados no so mais obrigados afornecer sacolas para o consumidor.De acordo com a Associao Mi-neira de Supermercados os super-mercadistas so a favor do sistemade cobrana direta pela sacolinha,pois cobe o uso exagerado e favo-rece a mudana de hbito em prol dasacola retornvel.

    tura do descarte e adotou a cultura doreuso. Foram menos 180 milhes desacolinhas jogadas nas ruas da capitalmineira.Quanto menos uso de sacoli-nha descartvel, menor o faturamentode quem as fabrica, alega o gerente decomunicao da Amis.

    Sacolas plsticas deixaram de serdistribudas gratuitamente na capitaldesde de 18 de abril de 2011, em cum-primento da Lei Municipal n 9.529.Para alguns consumidores a cobranadas sacolinhas era um abuso, j que ovalor era revertido no preos dos ali-

    mentos (cobrana indireta). Essa aopinio de Joana Santos, moradora dobairro Ouro Preto, que acredita no au-mento dos valores dos produtosquando havia somente as sacolas des-cartveis. Eramos feitos de bobos,pois pagavamos por sacolas descrta-veis que agridem o meio ambiente.Foram poucos os estabelecimentos que

    Ir ao cemitrio no exata-mente o programa que as pessoasgostam de fazer, no entanto a pro-fessora e doutora em histria Mar-celina das Graas de Almeida vemmudando essa concepo.

    Em parceria com a Fundao deParques Municipais, Marcelina rea-liza visitas guiadas ao Cemitrio doBonfim com o intuito de relevar acultura e histria guardadas no es-pao. Durante as visitas procura-mos destacar a histria do Cemitriodo Nosso Senhor do Bonfim, buscara relao que h entre a histria dacidade e a histria do cemitrio.Discutimos aspectos relacionados gramtica simblica que se encon-tra registrada nos tmulos e desta-camos os tmulos de relevo, aspersonalidades que ali esto sepul-tados, bem como os artistas e arte-sos que participaram da construoe decorao dos tmulos explica aprofessora.

    Inicialmente voltado para os es-tudantes universitrios visitao,hoje aberta ao pblico, recebe um

    pblico bem diverso, o que os unemso os interesses em comum que sorelativos ao cemitrio, morte, culturae etc.

    A ideia de visitar os cemitrioscom fins educativos surgiu no final dadcada de 90. As visitas eram propor-cionadas aos alunos das escolas pbli-cas municipais, nas quais Marcelinatrabalhava e posteriormente foram es-tendidas ao ensino superior.

    As visitas so importantes porqueproporcionam uma aula ao ar livre,cada vez que visitamos aprendemosuma coisa nova e ao mesmo tempomotivamos e despertamos o interessedo pblico visitante sobre a importn-cia daquele lugar afirma Marcelina.

    As visitas acontecem uma vez porms, sempre aos domingos retornotem sido o melhor possvel, todas asvisitas, ainda que acontecendo aos do-mingos pela manh, tem mantido afrequncia. Os visitantes opinam eapresentam sugestes, interferem epropem aes em relao ao espaoe temos a certeza de que boas ativida-des iro nascer a partir do dilogo pro-

    porcionado atravsdas mesmas.

    Alm de ser umfomento a cultura eturismo, j que oprojeto deve ser ins-crito no roteiro tu-rstico de BeloHorizonte, a preser-vao do Cemitrio item importante aser observado. Ape-sar do trabalho feitopela Fundao deParques precisomais cuidado com os tmulos, melho-rar a segurana e coibir a depredao evandalismo. Marcelina observa aindaque o prdio do necrotrio, emboratombado pelo patrimnio histrico,encontra-se fechado e necessitando derestaurao.

    Apesar das visitas s aconteceremno Cemitrio do Bonfim outros cemi-trios da capital como o Cemitrio daSaudade e o Cemitrio da Paz, quetambm so pblicos, merecem aten-o e, em ambos, h elementos impor-

    tantes culturalmente e historica-mente.

    Pelo Brasil ainda existem o Ce-mitrio da Consolao em SoPaulo, Cemitrio do So Joo Ba-tista no Rio de Janeiro que possuemgrande valor histrico. No exterior,os mais famosos: Pre Lachaise emParis e o Recoleta na Argentina.

    Prximas visitas:Pgina no Facebook:

    Cemitrio do Bonfim-BH

  • www.conexaonoticias.com.br

    10 www.conexaonoticias.com.br nnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122

    Quando voc sorri, seu orga-nismo produz uma poo mgicae emagrecedora chamada seroto-nina, neurotransmissor respons-vel pela sensao de prazer ebem-estar. Menores nveis delaaumentam a ansiedade e a com-pulso alimentar, afirma a nutri-cionista funcional PatrciaDavidson Haiat, do Rio de Ja-neiro. Por isso, quando o nvel dasubstncia est baixo, cresce orisco de ataques geladeira. De-pois de levar um fora ou ser des-prezada numa entrevista deemprego, por exemplo, voc temuma vontade incontrolvel de es-tabelecer um novo recorde olm-pico: devorar uma caixa debombons em milsimos de se-gundo. E detona todo o esforo desemanas de dieta.

    seu estmago buscando con-solo numa bomba calrica para aju-dar seu crebro a produzir o talneurotransmissor. J quando asubstncia est nas alturas, ali-mentao passa a ser usada apenaspela necessidade nutricional, e nopara suprir emoes negativas, diza psiquiatra Helena Masseo de Cas-tro, de So Paulo.

    Sim, se est contente, voc comemenos! o crculo virtuoso da mu-lher magra. Se apostar no mix certode alimentos voc vai estimular aproduo de serotonina e viver comum sorriso no rosto - por estar com oastral l em cima e por exibir curvasde babar. De acordo com a nutricio-nista funcional Andrezza Botelhotambm de So Paulo, a substncia formada por um aminocido cha-mado triptofano, presente em todos

    os tipos de protena, alm de na ba-nana, no cacau e nos cereais.

    Mas no basta encher o prato decarne preciso investir em carboi-drato tambm. Quando voc con-some s protenas, elas acabamsendo usadas como fonte de energia.Se consumir massas junto, os car-

    boidratos fazem esse papel e aprotena fica livre para a produode serotonina, diz o nutricionistaDaniel Percego, de So Paulo.

    Ficar de jejum por muitashoras derruba drasticamente aquantidade dessa turma no orga-nismo, deixando voc para baixo.

    SorriaVoc est magraO riso libera a serotonina,

    responsvel pela sensao deprazer e bem-estar, que pode te

    ajudar a manter o corpinho em dia

    A seguir, as escolhas que vo auxiliar voc a mantero equilbrio emocional e nutricional

    01 - Coma em lugares tranquilos - Escolhalugares calmos para comer sem stress ou in-terferncias. Dessa forma, voc ingere ape-nas aquilo que o seu organismo estpedindo, sente prazer ao se alimentar e pro-duz serotonina.

    02 - Escolha protenas magras - Quando elasvm com muita gordura, o efeito engorda-tivo se torna maior do que a ao do tripto-fano para produzir serotonina, diz PaulaCastilho, nutricionista de So Paulo. Pre-fira frango, peixe, lombo, patinho, coxomole, fil- mignon e ovo.

    03 - Coma acar, sim - No, voc no leu er-rado. Usar acar em vez de adoante au-menta a sua satisfao ao comer, o queeleva os nveis de serotonina. Mas, lgico,use-o com moderao e prefira o mascavo,que a forma mais natural e saudvel,menos industrializado, diz Paula.

    04 - Evite beber nas refeies - Isso atrapalhao processo de digesto. A ingesto de l-quido dificulta a absoro dos nutrientes,

    diminuindo a produo de serotonina. Pro-cure esperar, pelo menos, 15 minutos paratomar algo aps comer.

    05 - No corte todos os carboidratos - No eli-mine esses itens do cardpio voc s vaificar mal-humorada, pode apostar. Bastasubstituir o arroz, o po e as massas tradi-cionais por integrais. Elas possuem mais fi-bras e minerais, ento trazem maiorsensao de saciedade, alm de ajudarem amanter a sade do intestino. O intestino responsvel por cerca de 70% da produode serotonina. Seu equilbrio fundamental.

    06 - Cuide bem do seu fgado - Ele respon-svel por grande parte das reaes qumi-cas do corpo, diz Percego. Logo, precisaestar em equilbrio para que o corpo pro-duza e utilize a serotonina de forma ade-quada. Fique longe das gorduras e debebidas alcolicas.

    07 - Maneire nos laticnios light - Acredite:iogurtes e queijos integrais so menos pro-cessados e garantem maior sensao de sa-

    ciedade. O leite, sim, pode ser o semides-natado. O mesmo vale para iogurtes.

    08 - Controle a ansiedade - Encontre uma dis-trao ou um hobby que faa com que a suaateno desvie da comida.

    09 - Beba bastante gua - Se monitore parabeber pelo menos dois litros de gua pordia. Faa uma diviso por horrios, vai ficarmais fcil.

    10 - Confie em voc! - Tenha sempre uma ati-tude positiva. Estar determinada e confiante mais do que meio caminho andado paraatingir o seu objetivo.

    BONS SONHOSA serotonina tambm regula o sono. Por isso,

    ela naturalmente liberada em maior quantidadeno fim da tarde. Quem sonha a noite toda ficamais magra. Isso porque, ao dormir, o corpo li-bera maior quantidade de leptina, um inibidor deapetite, e menor quantidade de grelina, conhe-cida como o hormnio da fome.

    Fonte: mdemulher.abril.com.br

  • Todo mundo pode ter umjardim em casa

    Primavera, poca de florescolorindo a cidade, brisa fresca,relva vistosa. At o dia 21 de de-zembro deste ano a estao farparte do cotidiano de todos osbrasileiros. No impresso,quando se tem plantas dentro decasa o clima fica mais agradveltransformando os dias, e at asnoites, em momentos de apro-veitamento.

    Quem nunca pensou em terum canteiro em casa? A ativi-dade exige alguns cuidados paramant-lo sempre belo e tcnicasna escolhas das espcies de plan-tas e flores que vo enfeit-lo.Nem sempre o talento ou ohobby de cuidar de plantas sosuficientes para deixar o canteirobonito.

    Valria Oliveira, paisagista eproprietria da empresa VerdexPaisagismo, explicou que du-

    rante as quatro estaes do anoexistem diferenas no cuidado comas plantas e jardins. No vero, porexemplo, as regas devem ser reali-zadas entre 7h e 9h ou aps as 18h.O solo deve ser mantido mido eas folhas devem ser molhadas pararefrescar e retirar a poeira, ex-plica. Segundo Valria, no outonoo melhor perodo para fazer a lim-peza e a adubao dos jardins. Fo-lhas e galhos secos devem sereliminados com uma poda. Os can-teiros j formados, devem ser afo-fados para oxigenar as razes,explica.

    A especialista ainda disse quequalquer pessoa pode ter um mini-jardim ou uma horta. O espaodeve ser iluminado e de prefern-cia o sol tem que iluminar pelamanh. Alm da dedicao, a cria-tividade conta, e muito, na escolhadas flores e da ornamentao.

    Bules, xcaras, conchas, tudopode virar suporte para uma minihorta. Basta ter criatividade. Paraquem mora em apartamento, verti-calizar o jardim a melhor opo.

    Ocupa menos espao. O quadroverde moderno e chique, tem ir-rigao automtica, no escorregua e no mancha a parede dacasa, finaliza.

    www.conexaonoticias.com.br

    www.conexaonoticias.com.brnnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122 11

  • www.conexaonoticias.com.br

    12 www.conexaonoticias.com.br nnoovveemmbbrroo//ddeezzeemmbbrroo//22001122

    ONatal uma data em quecomemoramos o nasci-mento de Jesus Cristo. Naantiguidade, o Natal era comemo-rado em vrias datas diferentes,pois no se sabia com exatido adata do nascimento de Jesus. Foisomente no sculo no sculo VIque o 25 de dezembro foi estabe-lecido como data oficial de come-morao. Na Roma Antiga, o 25de dezembro era a data em que osromanos comemoravam o inciodo inverno. Portanto, acredita-seque haja uma relao deste fatocom a oficializao da comemora-

    o do Natal. As antigas comemo-raes de Natal costumavam durarat 12 dias, pois este foi o tempoque levou para os trs reis Magoschegarem at a cidade de Belm eentregarem os presentes (ouro,mirra e incenso) ao menino Jesus.Atualmente, as pessoas costumammontar as rvores e outras decora-es natalinas no comeo de de-zembro e desmont-las at 12 diasaps o Natal. Do ponto de vistacronolgico, o Natal uma data degrande importncia para o Oci-dente, pois marca o ano 1 da nossaHistria.

    Origem do significado do Natal

    RECEITAS NATALINAS

    Ingredientes: 2 gemas3 colheres de sopa de acarbranco1 colher de leite1 colher de nataBaunilha em p (opcional)12 fatias de po de vsperaleoAcar em pCanela modaFrutas frescas acar

    Modo de preparar:Coloque as gemas dentro de uma tigela e junte o acar. Bata a gemada atobter um creme macio e espesso. Adicione aos poucos o leite e nata. Bataum pouco mais e aromatize com uma colher de caf de baunilha em p(opcional). Bata novamente. Molhe o po com esta mistura e deixe em-beber durante alguns minutos. Aquea bastante o leo numa frigideira ounum recipiente fundo. Frite as fatias, poucas de cada vez, virando-as atdourarem uniformemente. Retire da fritura com uma escorra o excedenteda gordura sobre folhas de papel absorvente. Polvilhe as rabanadas aindaquentes com acar e canela. Acompanhe com tiras de frutas frescas.

    Ingredientes:2 mas pequenas100 gramas de uva passa1 xcara de ch de leite1 colher de ch de baunilha colher de sobremesa do amido de milho1 gema batida1 colher de sopa de acar

    Modo de preparar:Descasque as mas, tire as sementes e corte-as em rodelas finas. Coloque-as numa panela com a uva passa e da xcara de ch de gua fria. Deixe

    em fogo alto at ferver.Ento, tampe a panela edeixe em fogo baixo poraproximadamente 10minutos, despeje emtaas para esfriar. Faa ocreme mdio para en-grossar, mexendo semparar para que no em-pelote. Despeje sobre ama e sirva.

    RabanadaSobremesa de ma