22794

20
Com certeza, trata-se de uma medida impor- tante, que contribuirá para a maior transparência do processo eleitoral. Mas é preciso fazer mais. É preciso aprovar com urgência a proibição de doa- ção de empresas a partidos políticos e campanhas eleitorais, como proposto recentemente pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). “Transpa- rência no processo eleitoral”, pág. 2 O varejo brasileiro, que cresceu apenas 3,7% em 2014, o pior desempenho nos últimos 11 anos, não deve esperar neste ano resultados muito positi- vos. E em Minas espera- se que 2015 seja ainda pior do que o ano pas- sado, embora muitos acreditem que as primei- ras mudanças anuncia- das pelo governo possam trazer algum alívio para a economia. Porém, enquanto nada se con- firma, a palavra de ordem é cautela. “Como o cenário internacional não está propício, preci- samos cada vez mais ter o foco no mercado interno, que também não é dos melhores. Será um perí- odo difícil, de ajustes. Mas é preciso que eles sejam feitos com cau- tela”, diz o economista da Fecomércio-MG, Caio Gonçalves. Pág. 3 O Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) se antecipou à aprovação do novo marco regulatório do setor e publicou, no fim de 2014, portaria com uma série de alterações nas regras que regem a atividade no Brasil. As mudanças envolvem o requerimento de lavra, a prorro- gação de autorização de pesquisa e a anuência prévia, entre outros pontos. A medida entra em vigor em fevereiro e, segundo o órgão, visa desburocratizar os procedi- mentos regulatórios. Pág. 5 A Clamper Indústria e Comércio (foto) , fabricante de produtos e componentes eletroe- letrônicos, sediada em Lagoa Santa, quer apro- veitar a alta do dólar e ampliar as exportações. A meta é que o mercado externo, que hoje res- ponde por menos de 12% da receita, repre- sente algo entre 20% e 30% ainda neste ano. Para isso, a empresa está fechando parcerias na China. Pág. 7 diariodocomercio.com.br Pág. 4 JOSÉ COSTA FUNDADOR Palavra de ordem é a cautela Relatório da GO Associados aponta para ajustes Segundo o documento, governo parece ter acordado para o fato de que o atual modelo de crescimento está esgotado No ano passado, o varejo do país cresceu apenas 3,7%, o pior desempenho do setor nos últimos 11 anos Portaria do DNPM muda regras na mineração As mudanças envolvem, entre outros pontos, o requerimento de lavra e prorrogação de autorização de pesquisa BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 9 DE JANEIRO DE 2015 DESDE 1932 - EDIÇÃO 22.794 - R$ 2,00 EDITORIAL A produção indus- trial recuou 0,7% em novembro ante outu- bro, segundo o IBGE. Já frente ao mesmo mês de 2013 a queda foi bem mais intensa, de 5,8%. No ano, o indica- dor acumula retração de 3,2%, mesmo per- centual registrado nos 12 meses. Com este resultado, o setor já está operando 6,8% abaixo do patamar recorde, alcançado em junho de 2013. Pág. 6 Produção da indústria tem queda de 0,7% em novembro Diante da queda nas exportações para seus tradicionais parceiros comerciais, empresá- rios mineiros têm bus- cado novos mercados para seus produtos. E, aos poucos, a estraté- gia parece estar dando certo. Somente no ano passado, 16 países, de diferentes regiões do mundo, passaram a importar de Minas, movimentando aproxi- madamente US$ 9,4 milhões. Pág. 8 Empresários de MG abrem novos mercados para seus produtos Clamper quer aproveitar dólar caro para exportar Comércio de Minas prevê que 2015 será ainda pior ALISSON J. SILVA Pág. 15 Pág. 10 IGP-DI desacelera em dezembro e fecha 2014 com alta de 3,78% União corta em R$ 1,9 bilhão por mês os gastos com custeio CARLA ORNELAS/DIVULGAÇÃO ALISSON J. SILVA

Upload: diario-do-comercio-belo-horizonte

Post on 07-Apr-2016

391 views

Category:

Documents


36 download

DESCRIPTION

Edição do dia 09 de janeiro de 2014

TRANSCRIPT

Com certeza, trata-se de uma medida impor-tante, que contribuirá para a maior transparênciado processo eleitoral. Mas é preciso fazer mais. Épreciso aprovar com urgência a proibição de doa-ção de empresas a partidos políticos e campanhaseleitorais, como proposto recentemente pelaOrdem dos Advogados do Brasil (OAB). “Transpa-rência no processo eleitoral”, pág. 2

O varejo brasileiro, quecresceu apenas 3,7% em2014, o pior desempenhonos últimos 11 anos, nãodeve esperar neste anoresultados muito positi-vos. E em Minas espera-se que 2015 seja aindapior do que o ano pas-sado, embora muitosacreditem que as primei-ras mudanças anuncia-das pelo governo possamtrazer algum alívio para ae c o n o m i a . P o r é m ,

enquanto nada se con-f i r m a , a p a l a v r a d eordem é cautela. “Comoo cenário internacionalnão está propício, preci-samos cada vez mais ter ofoco no mercado interno,que também não é dosmelhores. Será um perí-odo difícil, de ajustes.Mas é preciso que elessejam feitos com cau-tela”, diz o economista daFecomércio-MG, CaioGonçalves. Pág. 3

O Departamento Nacional deProdução Mineral (DNPM) seantecipou à aprovação do novomarco regulatório do setor epublicou, no fim de 2014, portaria

com uma série de alterações nasregras que regem a atividade noBrasil. As mudanças envolvem orequerimento de lavra, a prorro-gação de autorização de pesquisa

e a anuência prévia, entre outrospontos. A medida entra em vigorem fevereiro e, segundo o órgão,visa desburocratizar os procedi-mentos regulatórios. Pág. 5

A Clamper Indústriae C o m é rc i o ( f o t o ) ,fabricante de produtose componentes eletroe-letrônicos, sediada emLagoa Santa, quer apro-veitar a alta do dólar eampliar as exportações.A meta é que o mercadoexterno, que hoje res-ponde por menos de12% da receita, repre-sente algo entre 20% e30% ainda neste ano.Para isso, a empresaestá fechando parceriasna China. Pág. 7

diariodocomercio.com.br

Pág. 4

JOSÉ COSTAFUNDADOR

Palavra de ordem é a cautela

Relatório da GO Associados aponta para ajustesSegundo o documento, governo parece ter acordado para o fato de que o atual modelo de crescimento está esgotado

No ano passado, o varejo do país cresceu apenas 3,7%, o pior desempenho do setor nos últimos 11 anos

Portaria do DNPM muda regras na mineração

As mudanças envolvem, entre outros pontos, o requerimento de lavra e prorrogação de autorização de pesquisa

BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 9 DE JANEIRO DE 2015

DESDE 1932 - EDIÇÃO 22.794 - R$ 2,00

EDITORIAL

A produção indus-trial recuou 0,7% emnovembro ante outu-bro, segundo o IBGE. Jáfrente ao mesmo mêsde 2013 a queda foibem mais intensa, de5,8%. No ano, o indica-dor acumula retraçãode 3,2%, mesmo per-centual registrado nos12 meses . Com esteresultado, o setor já estáoperando 6,8% abaixodo patamar recorde,alcançado em junho de2013. Pág. 6

Produção daindústria temqueda de 0,7%em novembro

Diante da queda nasexportações para seustradicionais parceiroscomerciais, empresá-rios mineiros têm bus-cado novos mercadospara seus produtos. E,aos poucos, a estraté-gia parece estar dandocerto. Somente no anopassado, 16 países, dediferentes regiões domundo, passaram aimportar de Minas,movimentando aproxi-madamente US$ 9,4milhões. Pág. 8

Empresários deMG abrem novosmercados paraseus produtos

Clamper quer aproveitardólar caro para exportar

Comércio deMinas prevê

que 2015 seráainda pior

ALISSON J. SILVA

Pág. 15

Pág. 10

IGP-DI desacelera em dezembroe fecha 2014 com alta de 3,78%

União corta em R$ 1,9 bilhãopor mês os gastos com custeio

CARLA ORNELAS/DIVULGAÇÃO

ALISSON J. SILVA

Após fechar as brechas que permitiam a ocorrênciade doações ocultas de recursos de campanha, semidentificação dos financiadores, o Tribunal SuperiorEleitoral (TSE), no apagar das luzes de 2014, deu maisum importante passo com o objetivo de acabar com averdadeira farra financeira praticada por praticamentetodas as legendas do país, principalmente as de maiorporte.

Em 30 de dezembro do ano passado, publicouresolução acabando com o inexplicável sigilo bancáriodas movimentações dos partidos a fim de ampliar afiscalização sobre os recursos recebidos também emperíodos não eleitorais.

De acordo com o texto, os partidos serão obrigadosa ter três contas bancárias distintas: uma paramovimentações do Fundo Partidário, outra paraabrigar doações de campanha e a terceira para recursos

diversos, comoreceitasprovenientes dealuguéis deimóveis, porexmplo. E aprimeiraconcentrará todosos recursos usadosem eleições,mesmo osrecebidos em anosnão eleitorais.

Além disso, osbancos serãoobrigados amandar a cada 30dias extratos

dessas contas à Justiça Eleitoral, com a identificação detodos os autores de depósitos. Pelas normas vigentesaté o fim de 2014, os partidos somente apresentavam àJustiça um demonstrativo contábil em suas prestaçõesanuais de contas. Portanto, não havia como saber se osdados de fato correspondiam à movimentação, a nãoser com a abertura de raras auditorias especiais,motivadas por indícios de irregularidades oudenúncias, que demoram anos para serem concluídas.

Coincidência ou não, a decisão — digna de elogios— acontece justamente no momento em que o Brasilacompanha estarrecido uma enxurrada de denúnciasenvolvendo o desvio de centenas e mais centenas demilhões de reais da Petrobras. E fica sabendo que queboa parte destes recursos teria passado pelos cofres degrandes partidos políticos, numa típica operação delavagem de dinheiro, segundo depoimento de algunsdos principais investigados pela operação Lava Jato, daPolícia Federal.

Com certeza, trata-se de uma medida importante,que contribuirá para a maior transparência do processoeleitoral. Mas é preciso fazer mais. É preciso aprovarcom urgência a proibição de doação de empresas apartidos políticos e campanhas eleitorais, comoproposto recentemente pela Ordem dos Advogados doBrasil (OAB). Dos 11 ministros que integram o STF, seisjá se manifestaram pela derrubada da permissão paraque empresas financiem campanhas, mas a decisãofinal foi adiada, uma vez que o ministro GilmarMendes pediu mais tempo para analisar o recurso.

O que se espera é que o Supremo, que devolveuparte da dignidade ao Brasil durante o históricojulgamento do mensalão, retome com urgência o temae aprove a proibição, ajudando mais uma vez amoralizar o processo eleitoralnopaís, transformado nasúltimas décadas em um imenso balcão de negócios, poronde circulam clandestinamente bilhões de reais todosos anos, destinados a financiar os mais espúriosinteresses.

2

OPINIÃO

ARISTOTELES ATHENIENSE *

MARCO GUIMARÃES *

BENJAMIN SALLES DUARTE *

A malsinada regulação da mídia

De acordo com o texto,os partidos serãoobrigados a ter trêscontas bancáriasdistintas: uma paramovimentações doFundo Partidário,outra para abrigardoações de campanhae a terceira pararecursos diversos

Santas Casas de Misericórdia. Santas?

Conservação do solo e das águas

Transparência noprocesso eleitoral

O prenúncio do novo ministro dasComunicações, Ricardo Berzoini, no seudiscurso de posse, de que a regulação damídia importará num avanço, deve serrecebido com reservas.

Nem mesmo o fato dessa iniciativaconstituir prerrogativa do Congressoinfunde a certeza de que não haverá con-trole da imprensa e cerceamento à liber-dade de expressão. Basta atentar para opoderio da base aliada e a pressão que estasofre do Planalto, para se concluir que oLegislativo não terá autonomia suficienteque lhe permita rejeitar a proposta ori-unda do Executivo.

Em se tratando de tema há muito discu-tido nas hostes petistas, que ganhou maiorrelevância após o escândalo da Petrobras,a indicação de Berzoini não foi obra doacaso.

Não se pode desprezar a sua vincula-

ção ideológica a Lula e à presidente ree-leita. A transferência do Ministério dasRelações Institucionais para o de Comuni-cações foi uma estratégia adotada paraque fosse convertida em realidade a dissi-mulada “regulação econômica da mídia”.

Embora Dilma Rousseff houvesse evi-tado questionar este tema em sua primeirainvestidura, temendo enfrentar o mesmoinsucesso experimentado pelo seu ante-cessor, vale considerar o recado do minis-tro Paulo Bernardo quando da transmis-sã o do ca rg o a Be rz o in i . N a q u e l epronunciamento, sugeriu que a “situaçãoregulatória” da mídia brasileira voltasse aser apreciada.

O compromisso externado por Berzoiniem colher sugestões de empresas, sindica-tos e organizações sociais, visando confe-rir maior autenticidade à proposta, nãopassa de uma forma contemporizadora

para amenizar o seu caráter autoritário.O fato de rádio e televisão dependerem

de “concessão ou permissão” (art. 21, XIIda CF), não se presta a legitimar as medi-das agora cogitadas. Convém assinalarque essa limitação está em vigor desde1988, há 25 anos, sem que os governossubsequentes à edição da Carta Magnahajam se empenhado em instituir amedida restritiva.

Não há como transigir com essa regula-ção, sejam quais forem os artifícios impos-tos pelo PT, via Congresso Nacional, quevenham a tornar oportuna e razoável aproposta que atenderá aos interesses dapresidente e dos partidos que lhe dão sus-tentação.

* Advogado e Presidente da AcademiaMineira de Letras Jurídicas — www.face-book.com/aristoteles.atheniense

Dependendo da rocha matriz que lhedá origem, além de outras condicionan-tes que devem ser consideradas, a for-mação do solo agrícola, numa de suasvertentes, pode levar no mínimo umséculo para formar um centímetro deprofundidade e sua exaustão pode che-gar muito rapidamente se não houver aadoção de práticas ambientais corretas.Ele é a base física da produção agrossil-vipastoril e sendo também um sistemavivo, dinâmico e onde circula os agro-químicos, as sementes e mudas que, soborientação técnica e numa perspectivade mercado, resultam em grãos, cereais,oleaginosas, pastagens, agroenergia eprodutos de base florestal. Somente isso,embora essencial? Evidentemente não,pois são as grandes áreas coletoras daschuvas, escassas ou abundantes, paisa-gens das nascentes, território primeirodos córregos, riachos e rios e berço natu-ral da fauna e da flora, bem como dasreservas aquíferas subterrâneas. Osfenômenos edafoclimáticos são recor-rentes.

Portanto, o solo agrícola, num contextomais amplo de sustentabilidade econô-mica, social e ambiental, prima por suamultifuncionalidade e precisa ser olhado,protegido, recuperado e conservado como

um patrimônio estratégico, não apenaspara os empreendedores rurais, bemcomo para o país que depende dele paraabastecer e exportar. O Brasil cultiva maisde 50 milhões de hectares anualmenteindispensáveis às safras agrícolas ao quese acrescenta a horticultura que, em MinasGerais, ocupa aproximadamente 115 milhectares e gera mais de 350 mil empregosdiretos no campo,

Quando se trabalha na conservação dosolo e da água, num cenário de baciahidrográfica e na convergência do poderpúblico, produtores, comunidades, tecno-logias e agentes de mudanças, fortalecidapor recursos financeiros suficientes eoportunos, os resultados são considerá-veis, entre eles maior oferta de água paramúltiplos usos no campo e nas cidades,proteção de nascentes, controle da erosãolaminar e profunda, menor perda denutrientes minerais e matéria orgânica. Emais, o manejo correto do solo contribuipara minimizar os efeitos das estiagensmais prolongadas e controlar melhor osníveis dos reservatórios para abasteci-mento humano e geração de energia.Outros benefícios são evidentes, mas oespaço jornalístico é curto e precioso.

Ora, o Brasil, nessa presumível marchabatida em direção ao futuro e por suas

potencialidades agropecuárias e florestais,requer avançar ousadamente no Pro-grama Nacional de Conservação do Solo eda Água, no foco da sustentabilidade dosecossistemas. Mesmo considerando-se assingularidades regionais, pois o cenáriobrasileiro é desigual nos seus 8,5 milhõesde km2, somente no campo existem 5,2milhões de estabelecimentos rurais. EmMinas, somam 551.617 e ocupam umaárea bruta de 32,6 milhões hectares (IBGE-2006). Além disso, os ganhos conservacio-nistas são visíveis, mas ainda insuficien-tes. Havendo estímulos, o empreendedorrural pode ser também um produtor deágua. Pode-se produzir e preservar osrecursos naturais numa perspectiva detempo. O desafio é pactuar metas e obterbons resultado.

Entretanto, se o campo também podeproduzir água é indispensável que os con-sumidores urbanos se conscientizem queesse líquido precioso tem valor econô-mico, deve ser usado com responsabili-dade social e reduzir os desperdícios.Estima-se que até 40% da água tratada seperdem nos caminhos do abastecimento eo reuso desse elemento natural é uma boaprática.

* Engenheiro agrônomo

Zé da Pipa já havia assumido o seu posto quando cheguei aobar do Joaquim, nosso ponto de encontro dominical. Eram 10da manhã; ambos estávamos fora dos nossos habituais horá-rios. Eu, muito atrasado, e o Zé, excessivamente adiantado.Depois fiquei sabendo que viera direto da noite; aportara porlá às 5 da manhã e dormira até às 8. A julgar pelo número decartelas espalhadas sobre a mesa, ele já havia entornado cincochopes e, se o conhecia bem, deveria estar em estado etílico pré-beligerante, pronto a desafiar o primeiro que ousasse discordarde suas opiniões.

Você já viu isso? perguntou-me ele, brandindo no ar a pri-meira página de um velho jornal. Com receio de que ele inici-asse ali um longo discurso, o qual acabaria com palavrório egestos inapropriados para o horário, assumi a palavra e lhedisse: tal e qual você, também estou indignado. Um absurdo,Zé da Pipa, um verdadeiro absurdo. Funcionou. A faísca quealimentaria o seu verborrágico espírito incendiário se apagou;dele ouvi apenas: pois é, um absurdo.

Mas por que diabos Zé da Pipa, você me mostra um jornaldo ano retrasado? Ih, peguei em algum lugar por engano. Porcoincidência, essa antiga reportagem que você me mostra acabade se atualizar. À época, ainda não havia se noticiado o regimepré-falimentar das outras Santas Casas de Misericórdia. O pro-blema, então, era só com o Rio de Janeiro, e o artista em questãoera o provedor da época, Dahas Zarur, esse aí que aparece nessejornal que você tem em mãos. A figura começou a matutar assacanagens que aprontaria lá em 1953. Pelas informações quetive pelos jornais, parece que esse Zarur também andou,quando ainda vivo, fazendo uma caridade, a de distribuir gra-tuitamente aos parentes (porque ele não é bobo, nem nada, de

colocar algo em seu nome) vários imóveis que pertenciam àSanta Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. Olhe de novo afoto dele. É, repare se não é cara do Mr. Magoo, aquele velhinhodo desenho animado criado em 1949. Um pouco mais alto emais magro, mas se parece com ele, se parece, sim senhor. Eacho até que ele tem, como o velhinho do desenho, uma baitadeficiência visual. Talvez seja por isso que não enxergou o queestava escrito nos papéis que assinou e que transferia para ospobres parentes as dezenas de imóveis, todos situados noLeblon, com um dos metros quadrados mais caros do mundo.E o pior, sabe o que é o pior, Zé da Pipa, estou aqui a imaginaro que o cara disse lá em cima quando teve que prestar contasdisso tudo. Ele deve ter feito uma maquiagem do mal quecometeu, um tipo de terapia estética das suas tramoias. Issomesmo; ele metamorfoseou as suas sacanagens e criou uma jus-tificativa descafeinada para as mesmas, digamos assim; maispermissiva com as doações que fez e que até agora ainda sãoproibidas aqui na terra.

Por enquanto, dizem que a situação das Santas Casas deMisericórdia deve-se à má gestão, má gestão essa que gerou umdívida de 5,1 bilhões. Cá entre nós, Zé, vá ser mau gestor assimna pqp. Esperemos que, nesse caso, seja só isso, porque o quetemos visto nestes últimos anos é a má gestão andando de mãosjuntas com a corrupção.

E você o que acha disso tudo? Zé da Pipa, Zé da Pipa, vocêtá dormindo? Acorda, seu fdp, acorda Zé da Pipa. E pensar quegastei todo esse meu latim à toa.

* Escritor — www.marcoguimaraes.com - [email protected]

MARA BIANCHETTI

Se 2014 já foi um anodifícil para a economiabrasileira e representoubaixo crescimento para ovarejo nacional, de ape-nas 3,7%, o pior desempe-nho do setor nos últimos11 anos, 2015 promete serainda pior. Representan-t e s d e e n t i d a d e s d oc o m é r c i o e m M i n a sGerais não estão nada oti-m i s t a s com o ano quevem pela frente, emboraacreditem que as primei-ras mudanças anuncia-das pelo governo federalp o s s a m t r a z e r a l g u mfôlego para a economia.Enquanto nada se con-firma, a palavra de ordemé cautela.

De acordo com o econo-mista da Federação doComércio do Estado deMinas Gerais (Fecomércio-MG), Caio Gonçalves, acombinação de fatores eco-nômicos nacionais e inter-nacionais deverá inibirainda mais o desempenhodos setores brasileiros,sejam eles da indústria, docomércio ou de serviços.Entre as questões externas,o economista cita a políticamonetária dos EstadosUnidos, a queda do preçodo petróleo e a crise naRússia.

“Como o cenário inter-nacional não está propício,precisamos cada vez maiste r o foco no mercadointerno, que também não édos melhores. Será umperíodo difícil, de ajustes.Mas é preciso que os ajus-tes sejam feitos com cau-tela”, pondera.

Ele cita as medidas quejá vêm sendo adotadaspela pres idente Di lmaRousseff em seu segundomandato, principalmenteas que dizem respeito aocampo econômico. “Hái n d í c i o s d e q u e , p e l omenos, as coisas no campopolítico podem melhorar.Mas, ainda assim, teremosa continuidade da pressão

na inflação e o consequenteaumento da taxa de juros,que acaba inibindo o con-sumo, ‘salvação’ da econo-mia nacional nos últimosanos”, justifica.

Por isso, a expectativade Gonçalves é que o pri-meiro mês deste exercícioou até mesmo o primeirotrimestre dite os rumos doque será 2015. No entanto,segundo o economista, aoque tudo indica, o princi-pal desafio para o varejoe s p e c i f i c a m e n t e s e r á“sobreviver ao conturbadocenário”. “Diante destasmudanças inicialmentepropostas, teremos umcenário mais transparentepara os comerciantes. Pormais que haja elevação dosjuros e limitação do créditoe redução do consumo dasf a m í l i a s , h a v e r á u m amelhoria no cenário paratomada de decisões. Oambiente se tornará maisseguro”, avalia.

Cautela — O vice-presi-dente da Câmara de Diri-gentes Lojistas de BeloHor i zon te (CDL-BH) ,Marco Antônio Gaspar,acredita que este será umano de crescimento menorpara o setor, mas aindaassim, positivo. Isso por-que, conforme ele, será um

exercício de mudanças ecautela. A aposta se devesobre tudo às taxas dedesemprego ainda baixas,o que em sua opinião ,poderá manter o nível doconsumo.

“Desde o ano passadoque o comércio vem assu-mindo as perdas da indús-tria e segurando o desem-penho econômico do país.Daqui para frente já nãosabemos se isso será possí-vel. Por isso, a recomenda-ção é de cautela. Os empre-s á r i o s p re c i s a m e s t a ratentos ao cenário e deixarinvestimentos e contrata-ções para outro momento”,afirma.

Desta maneira, o vice-presidente da entidadeacredita que o principaldesafio para 2015 será ocrescimento dos negó-cios, já que as adversida-d e s s u r g i r a m m e s m oantes do ano iniciar. “Se ose tor reg i s t rar c resc i -mento ao fim deste exer-c í c i o , j á t e r á v a l i d o apena. Empate já estarámuito bom, mas o desafioserá crescer”, sugere.

Desaceleração — O pre-s i d e n t e d o C o n s e l h oEmpresarial de Economiada Associação Comercial eEmpresar ia l de Minas

(ACMinas), Manuel Rai-mundo de Matos, é maispessimista. Para ele, o Bra-sil não deverá apresentarcrescimento econômiconeste exercício e o setordeve rá acompanhar oritmo com desaceleração.

“ A t é e n t ã o o B r a s i lsomente adotou modelosequivocados de ampliaçãodo consumo das famílias.Sem reformas, de maneiraartificial, perdendo credi-b i l i d a d e n o m e r c a d oexterno, com a indústriaem franca decadência esem sustentação do varejo.Agora, momento em queas circunstâncias são ruins,fica complicado manterresultados crescentes”,avalia.

A redução da oferta decrédito, em decorrênciado aumento das taxas dejuros, deverá afetar tam-bém o consumo. “Vai serum ano de aperto de cin-tos e de crescimento baixopara o setor. A classe C,inclusive, vai reclamarbastante, já que vai perdermuitos privilégios que atéentão tinha conquistado.Pode ser que 2016 seja umpouco melhor. Vai depen-der da continuidade dapolítica de ajustes quedizem estar sendo ado-tada”, ressalta.

3

São Paulo — As consul-tas para vendas a prazo,que apontam o ritmo deatividade no comércio, caí-ram 0,3% em 2014 na com-pa ração com 201 3 , deacordo com o indicadorcalculado pelo Serviço deProteção ao Crédito (SPCBrasil).

A economista-chefe doS P C B r a s i l , M a r c e l aKawauti, explica que amenor expansão da rendareal do brasileiro e a baixageração de novos postos detrabalho ref let i ram nodesempenho do varejo noano passado. “Os consumi-dores têm se deparado comíndices de inflação muitopróximos do teto da metaao longo dos últimos cincoanos, o que gera recorren-tes e elevadas perdas parao seu poder de compra.Além disso, com os jurosem patamares elevados ecom a retomada do seuciclo de alta em novembro,aumentou o custo do par-celamento para o consumi-dor”, afirmou a econo-mista, em nota.

Além de uma piora naconjuntura macroeconô-mica, a realização da Copado Mundo no Brasil, commenos dias úteis, e parali-sação de alguns segmentosem dias de jogos também

contribuíram para o desa-quecimento das vendas.“Parcela considerável detrabalhadores foi dispen-sada pelas empresas nomeio da tarde e algumaspartidas foram realizadasno sábado, que é conside-rado um dos dias que maismovimentam o varejo”,afirmou o presidente doSPC Brasil, Roque Pelliz-zaro Junior.

A expectativa dos eco-nomistas do SPC Brasil éque o ano comece com aatividade do comérciomais lenta, mas que hajauma recuperação nas ven-das no segundo semestre.A entidade estima que osetor feche 2015 com umaalta em torno de 0,5%.

Mesmo sendo um mêstradicionalmente melhorpara o comércio, por contado Natal, em dezembro onúmero de consultas aobanco de dados do SPCpara vendas a prazo teveuma leve alta de 0,25% como mesmo mês de 2013.“Para recuperar as vendasperdidas, muitos lojistas jáapostam nas promoçõesneste mês de janeiro”, dizPellizzaro Junior. Na com-paração com novembro,sem ajuste sazonal, as ven-das no último mês de 2014subiram 24,17%. (AE)

Brasília — O presidenteda Tramontina, Clóvis Tra-montina, avaliou ontemque não há mais espaçopara aumento de impostospara a indústria no Brasil.O empresário propõe umasimplificação com menosburocracia na cobrança detributos.

O empresário se reuniuontem com a presidenteDilma Rousseff no Paláciodo Planalto. De acordocom ele, a visita foi apenaspara cumprimentar a pre-sidente e desejar-lhe umbom ano. Tramontina afir-mou que não conversous o b r e a i n t e n ç ã o d ogoverno de promover ajus-tes fiscais e nem mesmosobre o possível aumentode impostos.

Questionado, porém,sobre sua opinião pessoalsobre o tema, Tramontinaavaliou que a indústria nãocomporta novos aumentos.“Acho que não tem maisespaço para isso (aumentode impostos). A carga tri-butária tem que ser feita deuma forma mais simples,descomplicada. Tem muitaburocracia neste aspecto.Se a gente pensar do ladodo empresário, queremosmenos impostos. Se pen-s a r m o s d o l a d o d ogoverno, ele quer maisimpostos. Então, vamospelo menos simplificar aburocracia que será melhorpara todos”, respondeuapós ter sido questionadosobre qual era sua opiniãosobre a questão.

No dia em que assumiuo ministério da Fazenda,na semana passada , oministro Joaquim Levyindicou que os impostosdeverão subir no país masnão detalhou em quaissetores isso deve acontecer.Há especulações de quedevem ser elevadas as con-tribuições incidentes sobrea gasolina e outros com-bustíveis.

Apesar de afirmar quen ã o h á e s p a ç o p a r aaumento de impostos, Tra-

montina disse que nãoreclama da atual carga tri-butária. Questionado se é oúnico empresário do paísque não faz tal reclamação,ele respondeu: “E adi-anta?”.

O empresário defen-deu ainda um aumentode investimento na pro-d u t i v i d a d e d o p a í s edisse que Dilma está pre-ocupada em melhorar ainfraestrutura no Brasil.“Temos que investir maisna produtividade em ter-mos de melhorar os pro-cessos. Acho que esse éum trabalho grande queestamos fazendo. E outracoisa que a presidentees tá preocupada é emmelhorar a infraestruturado país para que as coisaspossam fluir mais facil-mente e com custos maisba ixos . I s so t em mai simportância que o impos-tos”, disse.

Crescimento — Apesardos problemas econômi-cos no país, Tramontinaafirmou que a empresateve um crescimento de13% no Brasil em 2014 e ogrupo empresarial queatua no interior cresceu1 7 % . A p ro j e ç ã o p a r a2 0 1 5 é d e q u e t o d o og r u p o c r e s c e 1 3 % .“Embora o quadro tenhasido difícil, eu entendoque para o nosso tipo deproduto que quase inde-pende de financiamento,difici lmente vai entrarem crise. O único medoque eu tenho é se houverdesemprego”, disse.

Tramont ina reve louque, durante a conversacom Dilma, perguntou aela como é administrarum país como o Brasil. “Ee l a m e d i s s e : C l ó v i s ,re so lve r tudo não dá .Você tem que resolver umproblema por vez. Aí elesviram pequenos proble-mas. Vai ser um ano maisduro, mas ela está maisotimista com o Brasil”,disse. (FP)

Brasília — O medo do desemprego,que crescia desde março de 2013 entre apopulação brasileira, mostrou queda nofim de 2014. O índice do medo dodesemprego, divulgado ontem pelaConfederação Nacional da Indústria(CNI), caiu de 77 pontos em setembropara 75 em dezembro de 2014. A pes-quisa é divulgada a cada três meses.

A queda em relação ao trimestre ime-diatamente anterior, de 2,6%, é a pri-meira verificada depois de seis trimes-t r e s c o n s e c u t i v o s d e a l t a . N acomparação com o mesmo período doano anterior, entretanto, o índice mostrauma alta de 2,7%. Em dezembro de 2013,estava em 73 pontos.

O índice que mede a satisfaçãocom a vida, por outro lado, caiud e p o i s d e d o i s t r i m e s t r e s d eaumento. Em dezembro de 2014, eleficou em 103,2 pontos, uma quedade 0,6% ante os 103,8 pontos regis-trados em setembro. Na comparaçãocom o mesmo período do ano ante-rior, o índice manteve estabilidade:em dezembro de 2013 , tambémestava em 103,2 pontos.

Para elaborar a pesquisa, a CNIcontou com pesquisa de opin iãopública conduzida pelo Ibope Inteli-gência. De 5 a 8 de dezembro de 2014,foram feitas 2002 entrevistas em 142municípios. (AE)

ECONOMIA

Medo do desemprego caiu, aponta a CNI

CENÁRIO

Entidades estão pessimistas diante da combinação de fatores econômicos

Tramontina descartaaumento de impostos

Vendas a prazo recuaram0,3% em 2014, diz SPC

Varejo de Minas espera 2015pior do que o ano passado

O economista Caio Gonçalves, da Fecomércio-MG, alerta para os efeitos da conjuntura internacional no Brasil

ALISSON J. SILVA

LEONARDO FRANCIA

Relatório executivo daGO Associados, empresabrasileira de consultoriaem negócios e serviços,intitulado “O que esperarpara 2015”, mostrou quefinalmente o governo fede-ral parecer ter acordadop a r a o f a t o d e q u e omodelo de crescimentoeconômico baseado funda-mentalmente no consumoestá esgotado. A expecta-tiva para 2015 é de um anode ajustes e de medidas fis-cais e monetárias mais aus-teras.

“De forma geral, pode-mos esperar neste ano umcenár io re la t ivamenteruim, sem melhoras signi-ficativas em relação a 2014.Será um ano de medidasmais austeras para ajustara economia”, resume o eco-nomista da GO AssociadosAlexandre Seijas.

Segundo ele, os primei-ros indicativos mostramque o governo federal per-cebeu que para reequili-brar o crescimento do Pro-duto Interno Bruto (PIB)nacional é preciso destra-var os investimentos, prin-c ipa lmente na área deinfraestrutura, através deconcessões e formação deparcerias público-privadas(PPPs).

Para o economista, ogoverno federal tambémcomeçou a reaproximar apolítica econômica com otripé política fiscal maisaustera, câmbio depreci-ado sem intervenção epolítica monetária ten-

tando trazer a inflação parao c e n t r o d a m e t a . “ Ogoverno entendeu quepara a economia voltar acrescer é necessário a reor-ganização da política eco-nômica e as pr imeirasmedidas adotadas já mos-tram isso”, diz.

IPI— Entre essas medidas,o economista cita a recom-posição das alíquotas doImposto sobre ProdutosIndustr ia l izados ( IPI )sobre bens duráveis, o con-trole mais rígido na conces-são de benefícios sociais,aumento da taxa básica deju ro s e e l im inação derepasses do Tesouro parabancos oficiais. “Além domercado de trabalho maisenfraquecido, o créditomais caro vai atenuar ocrescimento do consumoespecialmente de bensduráveis”, explicou.

Os preços ao consumi-dor, por sua vez, não deve-rão arrefecer tão cedo. Oenfraquecimento do mer-cado de trabalho limitará aevolução dos preços livres.De todo modo, a necessi-d a d e d e c o r r e ç ã o e malguns preços administra-dos pressionará os índicesde inflação ao longo de2015. Podem ocorrer eleva-ções em tarifas públicas deenergia elétrica e trans-porte coletivo, por exem-plo.

Os juros mais elevados ea diminuição de repassesdo Tesouro Nacional parabancos de fomento, como oBanco Nacional de Desen-volvimento Ecônomico e

Social (BNDES), serão limi-tadores para os própriosempréstimos dessas insti-tuições e também para ademanda por bens durá-veis.

Por isso, avalia o econo-mista, a melhor saída paraestimular o crescimentoeconômico e reequilibrar oPIB nacional, ao que tudoi n d i c a , é i n v e s t i r e minfraestrutura através deconcessões e PPPs. “O pro-grama de concessões temsido colocado na ponta doplanejamento e isso reforçao sentimento do governo”.

Logística — Conforme

Seijas, a maior parte des-ses investimentos devec o r r e r p a r a a á r e a d elogística, para melhoriasem rodovias e aeroportose , p r inc ipa lmente , naimplementação de portose ferrovias, que represen-tam um grande gargalopara o escoamento dap r o d u ç ã o n a c i o n a l eencaracem o custo Brasil,prejudicando a competi-t ividade das empresasbrasileiras.

Em relação ao comércioexterior, a expetativa é deque ocorra uma tentativade retomada no foco dasrelações tradicionais do

Brasil. “A retração da eco-nomia chinesa mostra quenossas exportações basea-das em commodities tende anão crescer. Por isso, og o v e r n o d e v e b u s c a rreforço nas relações compaíses mais dinâmicos,como o próprio EstadosUnidos”, destaca.

De acordo com o relató-rio, em 2015 o PIB deverácrescer 0,9%, acima da taxade 0,2% estimada para2014. E, mesmo perdendoforça, o principal fatordinamizador da atividadeeconômica em este anodeverá ser o consumo dasfamílias.

4

São Paulo — O Brasilficou para trás no quesitointegração à economia glo-bal. O país perdeu duasposições no ranking deconectividade elaboradopela empresa de logísticaalemã DHL, caindo para a74ª colocação em 2013,segundo dados divulgadosontem. A lista tem 140membros e mostra o Brasila t r á s d e p a í s e s c o m oRomênia (70º lugar), SriLanka (64º) e Cazaquistão(61º). O estudo traz umaanálise da situação da glo-ba l i zação ao redor domundo e é assinado porPankaj Ghemawat, da Uni-versidade de Nova York, eSteven Altman, da Univer-sidade de Navarra.

A nota do Brasil melho-rou 1 ponto ante o levanta-mento anterior, para 44pontos, de 100 possíveis. Aavaliação é dividida emdois critérios, que valem 50pontos cada: Profundi-dade, que mede os fluxosinternacionais do país emrelação ao tamanho da eco-nomia; e Abrangência, queavalia a relação entre a dis-tribuição dos fluxos de umpaís entre seus parceiroscom a distribuição globaldo mesmo tipo de fluxo, ouseja, envolve a distribuiçãogeográfica. Sobre o prismadesses dois critérios sãoanalisados quatro tipos defluxo: comércio, capital,informação e pessoas.

No aspecto Abrangên-cia, a nota do Brasil semanteve estável, em 37pontos, o que fez o país cairpara a 21ª colocação no ran-king global. Já no aspectoProfundidade houve altade um ponto, para setepontos, o que garantiumelhora para a 130ª posi-ção no ranking, ainda assimbem perto do fim da lista.Entre os quatro tipos defluxos, a única alteração foina nota de informação, quesubiu dois pontos, para 67pontos. Todos os outrosficaram estáveis: comércio(49 pontos), pessoas (40pontos) e capital (38 pon-tos).

Dentro do tópico infor-mação, o item no qual oBrasil é melhor avaliado élargura de banda da inter-net, com 42.946 bits porsegundo por usuário, o quegarantiu a 60ª colocaçãoentre os 140 países analisa-dos. Nesse tópico tambémsão analisados os minutosde ligações telefônicasinternacionais e o comérciode publicações impressas.

Fluxo — Já o tópico pes-s o a s a v a l i a f l u x o s d emigrantes, turistas e estu-dantes internacionais .Em comércio são conside-radas as trocas de bens eprodutos, enquanto capi-tal envolve fluxo e esto-q u e d e i n v e s t i m e n t oestrangeiro direto (IED) einvestimentos de portfó-lio em ações.

O aspecto Profundidadetambém leva em contafatores estruturais, comoPIB per capita (no qual oBrasil figura na 57ª posi-ção), uniformização lin-guística (87ª posição), dis-tância em relação ao restodo mundo (8ª posição),tamanho da população (5ªposição) e saída para o mar(variável binária).

No geral, o ranking mos-tra que a conectividademundia l melhorou , serecuperando de boa partedas perdas com a crisefinanceira global. (AE)

ECONOMIA

Consultoria prevê um ano difícilCONJUNTURA

Para a GO Associados, o que se espera são medidas mais austeras para ajustar a economia

DHL

A saída para estimular o crescimento econômico seria investir em infraestrutura

DANIEL MANSUR/DIVULGAÇÃO

Brasil recuapara a 74ª

posição emem ranking

RAFAEL TOMAZ

No “apagar das luzes”de 2014, o DepartamentoNacional de ProduçãoMineral (DNPM) publicouuma portaria com umasérie de alterações nasregras da atividade mine-rária no Brasil, que começaa vigorar em fevereiro. Asmudanças, na avaliação deespecialistas, retratam oatraso na implantação deum novo marco regulató-rio do setor.

A Portaria nº 541 foipublicada em 19 de dezem-bro no “Diário Oficial daUnião (DOU)”. A medida,de acordo com o DNPM,visa desburocratizar osprocedimentos regulató-rios. Entre os temas quetiveram as normas altera-das, está o requerimento delavra, prorrogação de auto-rização de pesquisa, anu-ênc i a prév ia , a l ém deoutros pontos.

P a r a o s ó c i o d a L LAdvogados, o advogadoBruno Feigelson, uma dasalterações mais importan-tes é referente à Guia deUtilização (GU), que con-

siste em uma autorização,em caráter excepcional,para a extração de mineraisdurante a fase de pesquisaaté a concessão da lavra.“A renovação do docu-mento deixará de ser auto-mática”, informa.

E le exp l i ca que nasregras atuais o mineradorpode entrar com o pedidode renovação da GU em 60dias antes do vencimentoda autorização. Caso oDNPM não se manifesteem dois meses, o docu-mento é renovado auto-maticamente. Porém, apartir de fevereiro, se odepartamento não apre-sentar nenhuma manifes-tação, a guia estará cance-l ada e a empresa nãopoderá mais manter as ati-vidades.

A portaria mudou tam-bém a redação das regrasreferente à GU. De acordocom Feigelson, na normaatual está explícita a utili-zação do documento paraviabilizar a produção comouma forma de testar o mer-cado, além de custear apesquisa. “Isto foi retiradoda nova redação e ficou

obscuro”, afirma.No âmbito do requeri-

mento de lavras, uma dasmudanças está relacionadaàs vistorias. Em algunscasos que o procedimentoera obrigatório, com a novaregra, passará a ser feito acritério do DNPM. Outramudança está ligada àsprocurações concedidaspelas mineradoras. Com asnovas regras, as empresasterão que adaptar estesdocumentos às novas exi-gências.

P a r a F e i g e l s o n , u mponto negativo é o fato deo departamento não terouvido o setor antes deeditar as medidas publica-das no final do ano pas-sado. “Várias agênciasreguladoras chamam osrespectivos setores e abremconsultas públicas”, argu-menta o advogado.

Ele lembra que a medidado DNPM foi adotada emmeio ao atraso na definiçãodo novo código de minera-ção. Para o especialista,ainda não há expectativade implantação do marcono país, desta forma, algu-mas mudanças que podem

ser realizadas através deportarias poderão aindaser efetuadas.

Aumento de custos — Naavaliação da sócia-funda-dora da Ferrara BarbosaAdvogados e Consultores,Marina Ferrara, no geral, aportaria foi negativa para osetor. Isto se dá uma vezq u e g r a n d e p a r t e d a sregras veio para restringird i r e i t o s , b e m c o m o ,aumentar custos das mine-radoras.

Para ela, a medida foia n u n c i a d a c o m o u m aforma de preparação parao novo código. “A portariajá traz no seu bojo algumascaracterísticas do novomarco, como aumento decusto e limitações”, des-taca.

Uma das mudanças quep o d e m p re j u d i c a r o smineradores é a exigênciada inexistência de débitosde Compensação Finan-ceira pela Exploração deRecursos Minerais (Cfem)nos pedidos de anuênciaprévia e averbação detransferências de direitosminerários.

5

São Paulo — A AgênciaNacional de Energia Elé-trica (Aneel) autorizou oi n í c i o d a s o p e r a ç õ e scomerciais da unidadegeradora (UG) de númeronove da usina hidrelétricade Jirau, localizada emPorto Velho (RO). A deci-são foi publicada na ediçãode ontem do Diário Oficialda União (DOU). Esta é a22ª turbina em operação nolocal, o que eleva a capaci-dade instalada do empre-endimento para 1.650 MW.

De acordo com a EnergiaSustentável do Brasil S.A.(ESBR), empresa responsá-vel pelo projeto, os testesestáticos na UG 09 haviamsido iniciados no dia 2 dedezembro. “Atualmente,outras quatro máquinasestão em fase de teste edeverão começar a operarnos próximos dias”, infor-mou em nota o diretor deOperação da ESBR Isac Tei-xeira.

Em janeiro de 2014, umano atrás, portanto, apenas

uma turbina estava em ati-vidade comercial. Em 12meses foram ligadas 21turbinas, conforme espe-rado pelo consórcio res-ponsável pelo projeto.Representantes do grupoindicavam, em meados de2014, que a meta era termi-nar o ano com 20 a 24 tur-binas em fase de operaçãocomercial.

O projeto de Jirau terácapacidade instalada totalde 3.750 MW, volume sufi-ciente para abastecer maisde 10 milhões de residên-cias. Serão 50 turbinas com75 MW de capac idadecada. A energia asseguradado complexo é de 2.185MW médios.

A Energia Sustentável doBrasil é uma sociedade depropósito específico (SPE)com capital social integral-mente detido pela ESBR Par-ticipações. Os sócios dessacompanhia são a GDF Suez,com 40%, além de Chesf,Eletrosul e Mitsui com 20%cada. (AE)

Brasília — Após reuniãocom presidente Dilma Rous-seff, o ministro de Minas eEnergia, Eduardo Braga,afirmou que o setor elétricoprecisa de uma “soluçãoestruturante” para 2015 ed i s se que um rea jus teextraordinário nas contas deluz não está descartado pelogoverno. “É uma alterna-tiva”, admitiu.

Ainda sem confirmar otamanho do novo emprés-timo para cobrir o rombo dasdistribuidoras de eletrici-dade de novembro e dezem-bro de 2014 — estimado emR$ 2,5 bilhões —, Braga afir-mou que a solução buscadapelo governo terá que ser“híbrida”. “Parte da despesadeve ser coberta por umemprést imo e parte deoutras fontes”, disse. “É pre-ciso uma solução estrutu-rante”, ressaltou.

Sobre essa “solução estru-turante”, o ministro disseque essa sequênc ia deempréstimos para o setor —q u e s o m a r a m R $ 1 7 , 8bilhões em 2014 e podemchegar a R$ 20,3 bilhões,agora — não voltará a serepetir em 2015. Braga disseainda que o Ministério daFazenda não é contra oempréstimo, mas sim contranovos aportes do TesouroNacional para o setor elé-trico.

“ E s t e s e r á o ú l t i m oempréstimo e será feito pelomercado com taxas de mer-cado. Não vamos estender aconta ACR (que recebe osrecursos dos empréstimos)para 2015. Teremos umasolução estruturante paraeste ano”, enfatizou.

Braga confirmou que aAgência Nacional de Ener-gia Elétrica (Aneel) irá adiarpara o dia 30 de janeiro aliquidação dos pagamentosdo setor referentes a novem-bro, que estava marcadapara o dia 13 deste mês.Somente essa despesa cus-tará R$ 1,6 bilhão.

O ministro disse que apresidente deu sinal verdepara a negociação de umempréstimo com bancospúblicos para solucionaruma dívida de R$ 2,5 bilhõesdas distribuidoras de ener-gia. Braga disse que umnovo encontro com Dilmaserá marcada na próximasegunda-feira para discutir o

assunto.“A presidente Dilma deu

sinal verde para que possa-mos avançar nos estudos”,afirmou. Até lá, os bancospúblicos, como Banco Nacio-nal de DesenvolvimentoE c o n ô m i c o e S o c i a l(BNDES), a Caixa Econô-mica Federal e Banco do Bra-sil serão consultados sobre apossibilidade do emprés-timo, disse o ministro.

Transmissão — Seguindosua nova política operacio-nal, mais restritiva parareduzir a necessidade defunding com taxas de jurossubsidiadas, o BNDES finan-ciará só 50% dos investimen-tos dos projetos do leilão detransmissão de energia, mar-cado para hoje. Pelas regrasanteriores, o limite máximode financiamento nessescasos era de 70%.

As condições de créditoespecíficas para o leilão,divulgadas ontem, dão“continuidade à política definanciamento à infraestru-tura em conjunto com aemissão das debêntures”.

O mecanismo de incen-tivo às emissões de debêntu-res de infraestrutura, títulosde dívida isentos de impos-tos para o investidor, foiintroduzido no início do anopassado. Por ele, o cliente doBNDES que aceitar emitir ospapéis poderá trocar o sis-tema de amortização dadívida com o banco defomento de SAC para atabela Price.

O segundo sistema é maisvantajoso para o empreen-dedor porque exige menospagamentos da dívida noinício do prazo de amortiza-ção. Como os projetos deinfraestrutura exigem inves-timentos pesados no início edemoram a gerar receitas, hávantagem financeira empagar mais pelo serviço dadívida quando o empreendi-mento estiver gerando fluxode caixa.

O custo financeiro doempréstimo para os projetosde transmissão vencedoresdo próximo leilão será a Taxade Juros de Longo Prazo(TJLP), hoje em 5,5% ao ano,mais 1,2% de remuneraçãobásica do BNDES e até 2,87%de remuneração de risco,conforme o perfil de créditode cada cliente. (AE)

A canadense Jaguar Mining, comoperações em Minas Gerais, anun-ciou ontem queda de 3,7% na pro-dução de ouro em 2014 na compa-ração com o ano anterior. Foramextraídas 92,057 mil onças, ante95,595 mil onças em 2013.

No ano passado, as vendas damineradora atingiram 92,264 milonças de ouro. O volume repre-senta recuo de 2,7% em relação aoano anterior, quando somou 94,854mil onças.

Conforme o relatório, em 2014foram processados 1,038 milhão detoneladas de minerais, com 3,03gramas de ouro por tonelada. Noano passado, foram beneficiadas1,092 milhão de toneladas, alcan-çando o índice de 3,07 gramas portoneladas.

Somente no quarto trimestre, aprodução da companhia somou22,456 mil onças. O resultado repre-senta incremento e 2,2% em relaçãoao mesmo intervalo do ano ante-rior, quando alcançou 21,956 milonças. Por outro lado, as vendas

caíram 8,9% na mesma base decomparação, passando de 23,503mil onças para 21,4 mil onças.

Em nota, o Chief Executive Offi-cer (CEO) da Jaguar, George Bee,lembra que 2014 foi um ano demudanças significativas para aempresa, que passou por uma rees-truturação e recapitalização, tro-coua equipe administrativa e defi-n i u u m p l a n o p l u r i a n u a l d enegócios. Segundo ele, 2015 serámais um ano de transição à medidaque novas metodologias operacio-nais serão implementadas. Entre osprojetos da empresa está o deaumento da produção da Mina Tur-malina, em Conceição do Pará(Centro-Oeste), em 50% nos próxi-mos dois anos.

Conforme o documento, as pro-jeções da Jaguar para 2015 são deuma produção entre 92 mil onças e102 mil onças. Somente o complexoTurmalina deverá produzir entre56 mil onças e 62 mil onças.

Conforme o último balançofinanceiro da companhia, a Jaguar

Mining reduziu seu pre ju ízolíquido no terceiro trimestre de2014, atingindo US$ 9,491 milhões.No mesmo intervalo de 2013, oresultado foi negativo em US$13,192 milhões.

Por outro lado, o Ebitda — lucroantes dos juros, impostos, depreci-ação e amortização — caiu 58,7%no terceiro trimestre, ante igualperíodo do ano anterior. O resul-tado atingiu US$ 2,154 milhões,contra US$ 5 ,220 mi lhões nomesmo intervalo de 2013. A receitada companhia recuou 9,5% namesma base de comparação, pas-sando de US$ 32,082 milhões paraUS$ 29,015 milhões.

Além de Turmalina, a Jaguarmantém o complexo Caeté, naRegião Metropolitana de BeloHorizonte (RMBH), além de Paci-ência, em Itabirito (região Central).As operações na jazida estão para-lisadas desde maio de 2012. Na oca-sião, a companhia anunciou umareestruturação de suas unidadesem Minas Gerais. (RT)

ECONOMIA

DNPM antecipa regras donovo marco regulatório

Produção de ouro da Jaguar caiu 3,7% em 2014

MINERAÇÃO

Portaria entra em vigor em fevereiro para desburocratizar procedimentos

Aneel autoriza operaçãoda 22ª turbina de Jirau

ENERGIA

Ministro não descartareajuste extraordinário

nas contas de luz

Especialistas reclamam que o DNPM alterou procedimentos da atividade minerária sem consultar o setor

ORTENG/DIVULGAÇÃO

R i o — A p r o d u ç ã oindustrial caiu 0,7% emnovembro ante outubro, nasérie com ajuste sazonal,informou ontem o InstitutoBrasileiro de Geografia eEstatística (IBGE) na Pes-quisa Industrial Mensal —Produção Física (PIM-PF).O queda veio maior do queo piso do intervalo deexpectativas dos analistasouvidos pelo AE Projeções,que iam de queda de 0,60%a crescimento de 1,10%,com mediana positiva de0,50%.

Em relação a novembrode 2013, a produção caiu5,8%. Nesta comparação,as estimativas variavam deretração de 2,80% a 6,00 %,com mediana negativa de4,00%. No ano, a produçãoda indús t r i a acumulaqueda de 3 ,2%. Em 12meses, a produção tambémcaiu 3,2%. O índice deMédia Móvel Trimestral daindústria ficou em -0,3%em novembro. Em outu-bro, a média móvel tinhasido de 0,1%.

O IBGE revisou o dadoda produção industrial dom ê s d e o u t u b r o a n t esetembro, que passou deestabilidade (0,0%) paraalta de 0,1%. A taxa desetembro ante agosto tam-

bém foi revista, de -0,2%para -0,3%; a de julho antejunho passou de 0,6% para1,0%; e a de junho antemaio saiu de -1,4% para -1,7%.

Já a produção de bens decapital sofreu revisão nat a x a d e o u t u b ro a n t esetembro de 0,0% para0,1%; o resultado de setem-bro ante agosto passou de0,8% para 0,9%; o de agostoante julho saiu de -0,1%para -0,3%; o de julho antejunho passou de 14,3%para 14,7%; e o de junhoante maio saiu de 12,6%para 12,8%.

A fabricação de bens deconsumo duráveis tambémfoi revista, saindo de -0,8%para -1,5% em outubroante setembro. A taxa desetembro ante agosto saiude 7,6% para 8,5%; a deagosto ante julho passoude -3,7% para -2,5%; e a dejulho ante junho saiu de25,9% para 26,9%.

Patamar — A produçãoindustrial brasileira já estáoperando 6,8% abaixo dos e u p a t a m a r re c o rd e ,alcançado em junho de2013. Os estoques elevadosestão entre as explicaçõespara o resultado. “É umcomponente que perma-

nece em todo o ano de2014, especialmente parasetores ligados a bens decapital e bens de consumoduráveis , que não poracaso são categorias queregistram as maiores per-das . São grupamentosonde a variável estoques éi m p o r t a n t e p a r a e s s emenor ritmo de produ-ç ã o ” , ex p l i c o u A n d r éMacedo, gerente da Coor-denação de Indústria doIBGE.

O resultado piorou asexpectativas para a ativi-dade econômica no fecha-mento de 2014. “É muitoprovável que tenhamosum PIB (Produto InternoBruto) no final do ano emqueda entre -0,5% e -0,7%(no quarto trimestre). Issofará que o PIB de 2014feche em 0% ou mesmolevemente negativo”, aler-tou André Perfeito, econo-mista-chefe da corretoraGradual Investimentos,levando em conta umaestabilidade na indústriaem dezembro somada aoresultado comercial nega-tivo de US$ 3 bilhões noquarto trimestre de 2014.

No ano, a retração naindústria nacional já é de3,2%. O setor de veículosacumula uma queda de17,3% no período, emboratenha mostrado resultadosme lhores nos ú l t imosmeses. "O saldo dos últi-mos cinco meses para veí-culos automotores é deuma alta de 24,3% na pro-dução. Essa informaçãopor si só poderia sinalizarque o setor está se recupe-rando. Mas, de março ajunho, o recuo foi de 28%. Éalta sobre um patamar bas-tante reduzido”, disseMacedo.

Além dos estoques ele-vados, outras causas queexpl icam as perdas nosetor automotivo são od e s a q u e c i m e n t o d ademanda doméstica , aqueda nas importaçõesp a r a a A r g e n t i n a , oimpacto da redução dosinves t imentos sobre afabricação de caminhões, eo reflexo disso tudo nosetor de autopeças. “Aindah á u m i mp a c t o m u i t ogrande a ser recuperadonessa atividade”, avaliouMacedo. (AE)

6

São Paulo — A indústriade implementos rodoviáriosapresentou queda de 10,22%em 2014 na comparação com2013. No ano passado, osetor comercializou 159.618unidades, ante 177.795 em2013, segundo informaçõesda Associação Nacional dosFabricantes de ImplementosRodoviários (Anfir), divul-gadas ontem.

O segmento pesado (rebo-ques e semirreboques) apre-sentou a maior queda doano, entregando 56.529 uni-dades, o que representa umrecuo de 19,37% em relação a2013. Já no segmento Leve(carroceria sobre chassis) aqueda foi de 4,27%, comentrega de 103.089 produtos.

A definição das condi-ç õ e s p a r a 2 0 1 5 d oPS I/F iname , l inha definanciamento de investi-mentos do Banco Nacionalde Desenvolvimento Eco-nômico e Social (BNDES)responsável por financiar amaior parte dos implemen-tos rodoviários da linhap e s a d a , d e v e t r a z e rimpacto negativo nas ven-das do setor no primeiro

trimestre do ano, segundoa Anfir.

A taxa anual de juros nosfinanciamentos no âmbitodo programa passou para10% para as grandes empre-sas, 9,5% para as pequenas emédias empresas e 9% namodalidade Pró-Caminho-neiro, destinada a autôno-mos. O anúncio oficial dasmedidas, feito pelo Ministé-rio da Fazenda no dia 19 dedezembro, não trouxe qual-quer referência sobre a partef i n a n c i á v e l p e l oPSI/Finame, que hoje é de100% do valor do bem.

No entanto, a indústria eseus clientes têm como pers-pectiva a redução desse seg-mento pelo BNDES. “Se issoacontecer, a indústria esperaque os bancos comerciais

entrem firmes no comple-mento do valor dos bens,com taxas competitivas”, dizAlcides Braga, presidente daAnfir. “Isso é importantepara atrair clientes a fazeraquisições sem desembolsode capital de giro”, com-pleta.

A avaliação da associaçãoé de que, como 2014 não foium ano bom para a maioriados negócios, esse desempe-nho influenciará o compor-tamento dos empresáriosem 2015. “Os planos deaquisições e renovaçõesserão revistos e é naturalque haja um comporta-mento mais conservadorpara a compra de imple-mentos rodoviários”, avaliaMario Rinaldi, diretor exe-cutivo da Anfir. (AE)

São Paulo — As vendas de automóveis, comer-ciais leves, caminhões e ônibus caíram 7,1% em2014 ante 2013, ao somarem 3.498.012 unidades,de acordo com balanço divulgado ontem pelaAssociação Nacional dos Fabricantes de VeículosAutomotores (Anfavea).

Após subir 9,9% em 2013 ante 2012, a produção deautomóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus nomercado brasileiro caiu 15,3% em 2014 em relação a2013. No ano passado, foram produzidas 3.146.118milhões unidades, ante 3.712.380 milhões em 2013.Só em dezembro, foram fabricados 203.760 mil veícu-los, quedas de 23,1% ante novembro e de 11,8% emcomparação com o mesmo mês de 2013.

Considerando apenas automóveis e comerciaisleves, a produção em 2014 chegou a 2.973.215 unida-des, 14,7% a menos do que em 2013. Em todo o anopassado, foram produzidos 2.314.789 automóveis e658.426 comerciais leves. Só em dezembro, foramfabricados 199 452 mil automóveis e comerciais leves,baixas de 20,6% ante novembro e de 10,1% em rela-ção ao mesmo mês do ano anterior.

A produção de caminhões, por sua vez, recuou25,2% em 2014 na comparação com 2013, ao atin-gir 139.965 unidades. Desse total, 3.704 foramfabricados em dezembro, o que significa baixas de68,6% ante novembro e de 49,6% ante dezembrodo ano anterior.

No caso dos ônibus, foram produzidas 32.938 milunidades em 2014, queda de 17,9% na comparaçãocom 2013. Apenas em dezembro, foram fabricados604 ônibus, 67,2% a menos do que em novembro e63,3% a menos ante dezembro de 2013.

As vendas de automóveis, comerciais leves,caminhões e ônibus caíram 7,1% em 2014 ante2013, ao somarem 3.498.012 unidades. Apenas emdezembro do ano passado, os licenciamentos atin-giram 370.028 unidades, altas de 25,6% em relaçãoa novembro e de 4,6% na comparação com omesmo mês de 2013. Em porcentual, foi a maiorqueda anual registrada pela indústria automobi-lística em 12 anos.

Emplacamentos— Também foi o segundo ano con-secutivo de recuo das vendas. Em 2013, os emplaca-mentos de veículos já haviam caído 0,9% em relaçãoao ano anterior, após consecutivas altas desde 2004.O resultado das vendas já tinha sido divulgado naterça-feira passada pela Federação Nacional da Dis-tribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), combase no número de veículos emplacados.

Levando em conta apenas automóveis e comerci-ais leves, as vendas caíram 6,9% em 2014 ante 2013,ao somar 3.333.397 unidades, de acordo com a Anfa-vea. Em todo o ano passado, foram licenciados 2504.161 milhões de automóveis e 829.236 mil comer-ciais leves no país. Apenas em dezembro, foramcomercializados 353.999 veículos automóveis ecomerciais leves, o que representa avanços de 26,4%ante novembro e de 5,3% em relação a dezembro de2013. (AE)

ECONOMIA

Vendas de veículos caem7,1% em 2014 ante 2013

INDÚSTRIA

Bens de consumo duráveis em baixa

Fabricação de implementos rodoviários recua

IBGE detectaretração daproduçãobrasileira

A produção industrial do país está operando 6,8% abaixo do seu patamar recorde, alcançado em junho de 2013

ALISSON J. SILVA

LEONARDO FRANCIA

A Clamper Indústria eComércio Ltda, fabricantede produtos e componen-tes eletroeletrônicos, coms e d e e m L a g o a S a n t a(RMBH), quer aproveitar avalorização do dólar eampliar as exportações. Ameta é que as vendas exter-nas, que hoje representammenos de 12% da receita daempresa, alcancem partici-pação entre 20% e 30% dofaturamento ainda nesteano.

“Com o dólar valori-zado ficamos bastantecompetitivos no mercadoexterno”, diz o presidenteda Clamper, Ailton Rical-doni Lobo . Segundo oempresário, a empresa estáfechando parcer ias naChina e já negocia comempresas dos Estados Uni-dos, além de também estarfo cada em ampl i a r o snegócios com países daAmérica do Sul e da Amé-rica Central.

C o m o é o c a s o d oMéxico. Ainda no ano pas-sado, a Clamper fechouparceria com uma empresamexicana do segmentopara iniciar a venda deequipamentos fabricadosna planta mineira no paíslatino e no mercado consu-midor do parceiro, quetambém abrange os Esta-dos Unidos, a Europa e aÁsia.

No entanto, conformeexplicou o empresário, osnegócios perderam ritmoem função das festas definal de ano. “Nos próxi-mos dias farei uma viagemao México para tentar ace-lerar novamente os negó-cios”, revela.

A p a r c e r i a c o m aempresa mexicana é ape-nas o primeiro passo deum plano mais ousado,que prevê, em um segundomomento, a fabricação departes ou equipamentoscompletos utilizando aestrutura da plataformaindustrial do parceiro ouaté mesmo montar umaplanta naquele país.

Estratégia — Para fechara parceria, a Clamper iden-tificou produtos com acei-tação no mercado mexi-cano e treinou pessoal. Aempresa manda seus pro-dutos para o escritóriocomercial próprio que temna Cidade do México e, apartir daí, eles são distribu-ídos pela parceira mexi-cana. O objetivo do acordoé expandir o mercado,a l cançando a zona doNafta (Tratado Norte -A m e r i c a n o d e L i v r eComércio ou North Ameri-can Free Trade Agreement,em inglês) e da Aliança doPacífico, além da Europa.

A l é m d o M é x i c o , oNafta é um bloco econô-mico formado por EstadosUnidos e Canadá. A Ali-ança do Pac í f i co é umbloco comercial latino-americano, que agrupaChile, Colômbia, Peru e opróprio México.

Além de expandir asexportações, a Clampertambém está apostandoem novos produtos. Aempresa construiu, insta-lou e testou um protótipode gerador impulsionadopor energia eólica no localonde fica sua unidadei n d u s t r i a l e m L a g o aSanta. O equipamento,desenvolvido pela própriaempresa, é de pequenoporte (10 quilowatts) e écapaz de operar com ven-

tos de menor intensidade.A comerc ia l ização donovo gerador, conformeRicaldoni Lobo, começaainda neste ano.

Desempenho — Sobre odesempenho dos negóciosda Clamper no ano pas-sado , o pres iden te dae m p re s a re v e l a q u e a

empresa fechou o exercícioc o m l i g e i r a q u e d a d ereceita de 3% em relação a2013, o que para ele foiuma vitória em função doano conturbado para a eco-nomia nacional, com Copado Mundo, eleições presi-denciais, engavetamentode investimentos e crise naPetrobras. “Em 2015 apos-

tamos em crescimento”,ressalta.

A indústria elétrica eeletrônica é composta poráreas como geração, trans-missão e distribuição deenergia, telecomunicações,automação industrial, eeletroeletrônicos. Nas con-tas da Associação Brasi-leira da Indústria Elétrica e

Eletrônica (Abinee), todosos segmentos que com-p õ e m o s e g m e n t o n oEstado geram entre 12 mila 15 mil postos de trabalhodiretos. Ao todo, calcula-seque são aproximadamente200 empresas do setor.Minas representa entre 7%e 8% do todo o parquenacional.

7

São Paulo — As empre-sas de papel e celulose vãofocar na redução de seuendividamento em 2015,reduzindo investimentosem expansão. A Klabincancelou qualquer novogrande investimento até ac o n c l u s ã o d o p ro j e t oPuma, que consumirá R$3,4 bilhões do total de R$4,08 bilhões que a empresapretende investir nesteano.

Já a Suzano destinará70% de seu investimento,de R$ 1,5 bilhão, à manu-tenção. Apesar de investirR$ 1,69 bilhão, alta de 5%sobre 2014, a Fibria adiou adecisão sobre sua novafábrica em Três Lagoas(MS).

Para o analista do setorde papel e celulose do BBInves t imentos , Vic torPenn a , o c en á r i o e s t ámais desafiador, já que osgrandes projetos entrarãono curto prazo. “Não háporque partir para novosi n v e s t i m e n t o s , a l é mdaqueles já aprovados,porque a pressão de cus-tos está maior”. SegundoP e n n a , e x i s t e a i n d a ainflação sobre matéria-prima e equipamentos, eo c â m b i o v o l á t i l , q u edesafia a definição de umorçamento para novosprojetos.

Reduzir a exposição aocâmbio e a alavancagem(dív ida em re lação aoEbitda — lucro antes dejuros, tributos, deprecia-ções e amortizações) é op r i n c i p a l o b j e t i v o d aSuzano. “O foco é a desala-vancagem e não terá proje-tos orgânicos enquanto (oíndice de alavancagem)não cair para 2,5 vezes”,d i s s e o p re s i d e n t e d aempresa, Walter Schalka,em reunião com analistas einvestidores, em novem-bro.

Hoje, a alavancagem daSuzano está em 4,5 vezes.No fim do terceiro trimes-tre, a dívida líquida atingiuR$ 9,777 bilhões, pressio-nada pela alta de 11% dodólar no período.

Ao chegar à Suzano, em2013, Schalka canceloutodos os novos investimen-tos — orientação que deves e r m a n t i d a a g o r a . Oúltimo grande aporte daempresa em expansão foi aunidade de Imperatriz, noMaranhão, inaugurada em30 de dezembro de 2013,fruto de inversões de US$2,4 bilhões.

Puma — A Klabin tam-bém interromperá inves-timentos nos próximosanos diante do endivida-mento. A dívida líquidatotal subiu 12% em 2014,para R$ 4,028 bilhões, e aalavancagem era de 2,4vezes no terceiro trimes-t re , c o n t r a 1 , 7 v e z n os e g u n d o t r i m e s t r e .Segundo o diretor-geralFábio Schvartsman, pro-j e tos serão re tomadosapenas após a conclusãodo Pro je to Puma, pre-visto para março de 2016.

Para Carlos Farinha eSilva, vice-presidente dac o n s u l t o r i a P o y r y, a sempresas precisam recupe-rar a saúde f inance iradepois de terem realizadograndes projetos. A meta émanter o acesso ao crédito.Farinha menciona que aFibria, por exemplo, traba-lha para manter o grau deinvestimento e, assim, con-tinuar a captar no mercadointernacional. (AE)

TATIANA LAGÔA

Enquanto vários setores sofre-ram a inf luência negat iva dobaixo crescimento brasileiro, as153 indústrias do Vale da Eletrô-nica, em Santa Rita do Sapucaí(Sul de Minas), fecharam 2014com alta de dois dígitos no fatu-ramento . Ao todo , fo ram R$1,9125 bilhão, resultado 12,5%superior aos R$ 1,7 bilhão de2013. Aporte em inovação e buscapor maior entrada no mercadoexterno fazem parte da estratégiabem-sucedida adotada.

S e g u n d o opresidente doS indica to dasIndús t r i a s deAparelhos Elé-tricos, Eletrôni-cos e Similaresdo Vale da Ele-trônica (Sind-v e l ) , R o b e r t oPinto , mesmoal to , o cresc i -m e n t o é omenor dos últi-m o s 2 0 a n o s .C o m o g e r a l -mente o fatura-mento aumentae m 1 2 m e s e salgo em tornode 30%, espe-r a v a - s e p a r a2 0 1 4 , a l t a d e28%.

“ T o d o s o sinvestimentos et r a b a l h o sseguiram nor-malmente , noa gu a rd o d e u m c re s c i me n t omaior. Mas o resul tado f icouaquém do esperado porque omercado retraiu e como conse-quência fizemos menos negó-cios”, afirma.

Como resultado, em vez dedemissões e férias coletivas, quemarcaram o ano do setor indus-trial em 2014, o polo contratoumais trabalhadores. Agora, 14m i l f u n c i o n á r i o s a t u a m n a sindústrias local.

Um dos trabalhos realizadospelas empresas do polo é o de for-

necer equipamentos e serviçospara soluções e adequações deprocessos produtivos em empre-sas de diversos ramos. Com osresultados mais baixos, as empre-sas investiram menos em inova-ção no país, o que levou a umademanda mais baixa do que oprojetado.

Investimenetos — Mas, mesmodiante de um cenário adverso, asempresas do Vale da Eletrônicamantiveram os investimentosprojetados. Foram aportados emtodo 2014, R$ 140 milhões. Em

2013, havia sido R$ 95 milhões.Os recursos foram uti l izadospara construção de novos gal-pões, ampliações de fábricas, oti-mização do processo produtivo,capacitação e treinamento damão de obra, melhoria em designde produtos e mudanças na ges-tão das empresas.

O maior investimento foi feitona criação de novos produtos.Estima-se que foram concebidascerca de 45 inovações tecnológi-cas a cada 30 dias. Mais do queum preciosismo, o aporte é visto

como uma estratégia de sobrevi-vência. “Quanto mais de base tec-nológica é um produto, menor asua vida útil no mercado. Entãopara manter as vendas é precisoinvestir no lançamento de itensavançados para não ir à falência”,afirma.

Além dos investimentos paramelhoria dos processos internos,os empresários do Vale do Sapu-caí têm intensificado a atuação nomercado internacional. Por meiodo Projeto Sensorial, cerca de 54empresas se aproximam de mer-cados como África do Sul, Cinga-

pura, EmiradosÁrabes , Peru ,E q u a d o r ,C o l ô m b i a eMéxico. São fei-tas rodadas denegócios, expo-sições e visitast é c n i c a s p a r ae s t r e i t a r o slaços comerci-ais entre eles.

Além disso,são mantidas asv e n d a s p a r aoutros destinost r a d i c i o n a i scomo China eEuropa. Comor e s u l t a d o ,houve a l ta de2 2 , 7 % n a sexportações deSan ta R i t a doS a p u c a í n ac o m p a r a ç ã ocom 2013.

P a r a e s t eano , as pro je -

ções ainda são incertas. “Traba-lho com duas versões. Uma oti-mista e uma pessimista. Tudo vaidepender das ações do governo”,afirma. O lado positivo leva emconta a possibilidade de o mer-cado reagir posi t ivamente àsmedidas propostas pelo governo,c o m a u m e n t o d a d e m a n d ainterna e alta do faturamento dosetor. Porém, a visão negativa é ade permanência do quadro de2 0 1 4 , q u e p o d e r i a l e v a r a t émesmo a uma queda no fatura-mento do polo.

ECONOMIA

Clamper prospecta mercado externo

Indústrias do Vale da Eletrônica faturam com inovação

ELETROELETRÔNICOS

Empresa mineira quer aproveitar a valorização do dólar para ampliar as suas exportações

Meta da Clamper é que as vendas externas alcancem até 30% do faturamento da empresa ainda neste ano

DIVULGAÇÃO

Roberto Pinto: mesmo alto, o crescimento é o menor dos últimos 20 anos

MASAIUQUE KIOKI/DIVULGAÇÃO

MERCADO

Setor de celulose“segura” novosprojetos para

priorizar finanças

TATIANA LAGÔA

Diante do cenário deretração nas transaçõescomerciais junto aos tradi-cionais mercados compra-dores de produtos minei-ros, os empresários doEstado têm buscado novasfrentes de negócios. Noano passado, 16 destinosen t ra ram na pau ta deexpor tações de MinasGerais. Mesmo que comuma participação relativa-mente pequena, a inserçãode outros países revelamovimento no sentido dediversificação de produtose público-alvo.

Segundo dados divul-gados pela Secretaria deEstado de Desenvolvi-mento Econômico (Sede),por meio da Exportami-nas, em parceria com aFundação João Pinheiro( F J P ) , a s t r a n s a ç õ e scomerciais entre MinasGerais e os 16 novos des-tinos movimentaram US$9 , 37 mi lhões . O va lo rrepresenta um montantede 0 ,03% sobre o tota l

e x p o r t a d o e m 2 0 1 4 ,fechado em US$ 29 ,32bilhões.

“A representatividadeainda é muito pequena napauta total mas é positivoconseguirmos fechar negó-cios com países diferen-tes”, afirma a coordena-dora da Exportaminas,F e r n a n d a C i n i n i . E l aexplica que a entrada emnovos destinos não é umtrabalho tão simples, umavez que existem barreirascomo as culturais.

É preciso um longo tra-balho de conhecimento dopaís para posterior aproxi-mação. Parte desse traba-lho é facilitada com as mis-s õ e s e m p r e s a r i a i spromovidas pelo própriogoverno do Estado, quebusca promover o contatoen t re os empresá r io s .“Temos todo um trabalhode inteligência que buscadar um norte ao empresari-ado, mostrando onde valea pena investir. Não pro-movemos missões em paí-ses mais exóticos, porém,recebemos embaixadores e

mostramos nossa pautaexportadora, nosso poten-cial. É um trabalho inicialmesmo”, afirma.

Passaram a integrar ap a u t a d e ex p o r t a ç õ e smineiras países como Bós-nia-Herzegovina, Botsu-ana, Ilhas do Canal, IlhasCayman, Chade, Fiji, Laos,I lha da Madeira, Mali ,Ilhas Marshall, Mianmar,Mongólia, Níger, SantaHelena, Sudão do Sul eTimor Leste.

Os produtos vendidospara esses destinos sãobastante diversificados.Inclui desde aqueles quetradicionalmente ocupamp a p e l d e d e s t a q u e na

balança, até os que inte-gram a chamada NovaEconomia, por serem tec-nologicamente sofisticadose que apresentam umamenor participação nasexportações.

Carnes— As carnes foramos produtos com maiorentrada nos novos merca-dos. Passaram a comprar acarne mineira a Bósnia-Herzegovina, as Ilhas Cay-man, Chade, Níger, Suãodo Sul e Timor Leste. Fer-nanda explica que a altanas vendas de protéinasanimal por Minas Gerais éum movimento percebidoao longo dos últimos anos;

desde 2005 houve alta de200%. Para ela, a explica-ç ã o é o a u m e n t o n onúmero de frigoríficos comcertificação no Estado, oque permite a comerciali-zação no mercado externo.

A Bósnia passou a com-prar também instrumen-tos e aparelhos de ótica deprecisão, produto queintegra a Nova Economia.Desembarcaram em Mian-mar produtos químicosque também são vistoscomo tecnologicamentesofisticados. Essas transa-ções colaboram com aestratégia do governo dediversificar a pauta pormeio da tecnologia.

Entraram na lista tam-bém produtos como osmetalúrgicos, materiaiselétricos e eletrônicos,armas, munições, artigosfeitos pela indústria grá-fica, calçados, além demáquinas, aparelhos e ins-trumentos mecânicos.

As transações são estra-tégicas em um momentode crise em alguns destinostradicionais dos produtosbrasileiros. “A tendência écada vez mais o mercadode nicho ganhar espaço.Ou seja, o desafio é buscaro produto certo para o paíscerto. Isso tudo, claro, semdescuidar dos destinos tra-dicionais”, afirma.

8

LUCIANE LISBOA

O prazo para as empre-sas manifestarem interesseem participar da parceriapúblico-privada (PPP)para a implantação de umaeroporto internacional decargas em Uberaba, no Tri-ângulo Mineiro, terminouo n t e m . A p e n a s d u a sempresas se apresentaram,o que deve levar a prefei-tura a ampliar o prazo.

Segundo o secretário deProjetos e Parcerias Inter-setoriais, Glauber Faque-line, a prorrogação é justifi-c a d a e m r a z ã o d e u mnúmero maior de interes-sados terem feito contato

com a secretaria nos últi-mos d ias em busca deinformações sobre o pro-jeto. Porém, a decisão finalsobre o postergamento doprazo depende de aprova-ção do Conselho Gestor dePPP do município, quedeve se reunir nos próxi-mos dias.

As duas empresas queoficializaram interesseforam a Socicam Admi-n i s t r a ç ã o , P r o j e t o s eRepresentação Ltda, comsede em Campinas (SP), ea BSquare do Brasil, umadas principais empresasdo segmento de sistemaaeroportuário do país. ABsquare , inc lus ive , j á

havia solicitado a realiza-ção de um estudo de via-bilidade do terminal. Oprazo para que ambasentreguem os trabalhos éde três meses.

“As empresa s fa rãoestudos sobre as atividadesde carga aérea no entornode Uberaba, Uberlândia eregião, demandas e análi-ses econômicas. Ou seja,todos os dados para viabi-lizar um terminal aeropor-tuário”, explica o secretárioFaquinele.

Quando concluídos, osestudos serão encaminha-dos aos órgãos federaiscomo a Empresa Brasileirade Infraestrutura Aeropor-tuária (Infraero), Secretariade Aviação Civil e AgênciaNacional de Aviação Civil(Anac).

No entanto, vale lem-

brar que a implantaçãode um aeroporto interna-cional não é de competên-cia do município. Dessaforma, após a conclusãodos estudos, a adminis-tração municipal deverál e v a r o p r o j e t o a ogoverno federal. Entre osfatores que devem viabi-lizar um terminal de car-gas no Triângulo Mineiro,está o perfil da economiada região. “Uberaba temse potencial izado comum polo logístico muitoimportante”, diz.

Um dos principais atra-tivos para o aeroporto, deacordo com o secretário, é ainstalação da Zona de Pro-cessamento de Exporta-ções (ZPE) em Uberaba. Oempreendimento se ráimplantado em um terrenode 268,05 hectares (cerca de

2 milhões de metros qua-drados), às margens da BR-050, que liga a cidade aUberlândia, e ao lado deum distrito industrial ,levando em consideração oprojeto inicial.

De acordo com Faqui-nele, o projeto, que passoupor reformulação, aguardaa aprovação do ConselhoNacional de ZPE, vincu-lado ao Min i s t é r io doDesenvolvimento, Indús-tria e Comércio Exterior(Mdic). Além disso, elelembra que a cidade rece-berá aportes de grandesempresas, como a plantade amônia da Petrobras e aVLI.

Centro Administrativo —Outro projeto que seráconstruído por meio dePPP é o Centro Adminis-

trativo de Uberaba. Napróxima reunião do conse-lho , se rá apresen tadolevantamento sobre oseixos de desenvolvimentod a c i d a d e f e i t o p e l ae m p r e s a I d o m . A l é mdisso, uma equipe internada prefeitura está fazendoavaliações para uma deci-são superior.

Já sobre a PPP da Edu-cação, também previstapara sair neste ano, a pre-feitura está avaliando oescopo apresentado para,em tempo hábil, devolvero docmento à empresa,visando à confecção finalda modelagem. A PPP daEducação foi apresentadano f ina l de 2014 pelaCompanhia Paulista deDesenvolvimento (CPD)e abrange 76 unidadesescolares.

ECONOMIA

DIVERSIFICAÇÃO

Estado avalia novas frentes de negócios

Uberaba deve ampliar prazo para licitar aeroportoCARGAS

Minas buscanovos mercadospara expandiras exportações

As carnes oriundas dos frigoríficos mineiros foram os produtos com maior entrada nos novos mercados

DIVULGAÇÃO/SEAPA

Nova York — O presi-dente da filial de Chicagodo Federal Reserve (Fed,banco central dos EstadosUnidos), Charles Evans,afirmou ontem que, prova-velmente, a inflação aoconsumidor dos EstadosUnidos não vai atingir ameta da autoridade mone-tária do país, de 2% ao ano,antes de 2018.

Em discurso na Univer-sidade de Chicago, Evans,que votará no comitê depolítica monetária do Fedneste ano, afirmou que ainstituição financeira devetomar as medidas adequa-das de “acomodação” parafazer a inflação atingir ameta. Em novembro, oíndice de preços ao consu-midor do país avançouapenas 1,3% ante novem-bro de 2013. Em relação aoutubro, houve queda de0,3%.

Embora reconheça que aeconomia norte-americanatem apresentado sinaiscada vez mais fortes derecuperação, o economistadefende cautela na condu-ção da política monetária.“Não devemos ter pressaem elevar novamente astaxas de juros”, disse o pre-sidente do Fed de Chicago,famoso por defender umapolítica monetária maisacomodatícia. Eles acreditaque os juros não devemvoltar a subir antes de2016.

Evans declarou tambémque, mesmo que a ativi-

dade econômica dos EUAconsolide sua recuperaçãoem 2015, ele irá defenderum ajuste gradual nastaxas de juros, para quenão haja riscos de que umaelevação mais brusca gerepressões deflacionáriassobre uma economia que jáestá tendo dificuldades deatingir uma inflação de 2%ao ano.

Por últ imo, o econo-mista afirmou que o mer-cado imobiliário dos EUAnão tem mostrado sinaisrobustos de crescimento,da forma como ele gostariade ver, mas uma série de

outros indicadores econô-micos lhe fazem acreditarque a economia norte-ame-ricana tem passado por um“bom momento”, depoisdo fraco desempenho nosúltimos anos.

Juros — Segundo a ata daúltima reunião do comitêde política monetária doFed, divulgada na quarta-feira, a taxa de juros da eco-nomia norte-americananão deve subir até abril.Após o encontro, em 16 e17 de dezembro, o BC afir-mou em comunicado queseria “paciente” para ele-

var os juros, que operamperto de zero desde o fimde 2008.

Segundo o documento, amaioria dos integrantes docomitê concordou que areferência indicava que “oinício do processo de nor-mal ização (da pol í t icamonetária) seria imprová-vel por pelo menos as duaspróximas reuniões”.

Os primeiros encontrosde 2015 estão marcadosp a r a j a n e i ro e m ar ç o .Alguns dos participantesdo comitê, no entanto,mostraram preocupaçãocom possível concentraçãode expectativas do mer-cado sobre a alta em dataspróximas à metade do ano.Para eles, a linguagemusada pode prejudicar apossibilidade de anteciparou atrasar a elevação dojuro de acordo com a evo-lução da economia.

De forma geral, a expec-tativa do Fed para o cresci-mento dos EUA é boa.“Citando confiança dosempresários e dos consu-midores e ganhos no mer-cado de trabalho, muitosparticipantes sugeriramque a economia pode mos-trar mais força do que oprevisto”, diz a ata. (FP)

9

A multinacionalCoca-Cola Co.anunciou ontem quevai cortar entre 1,6 mile 1,8 mil postos detrabalho em suasoperações em todo omundo, como parte deum plano de reduçãode custos de US$ 3bilhões. A empresainformou que iriacomeçar a notificarontem mesmo algunsdos funcionáriosafetados e que oscortes serão realizadosnos próximos meses.

Bruxelas — O BancoCentral Europeu (BCE)informou ontem que oacesso dos bancos gregos afinanciamento dependeráde uma revisão do seupacote de resgate econô-mico. Para continuar rece-bendo a assistência finan-ceira, que recebe desde2010, o país deverá fecharum acordo com seus credo-res da União Europeia (UE)e do Fundo MonetárioIn t e rnac iona l (FMI ) egarantir o pagamento dadívida de 240 bilhões deeuros, informou o BCE.

A ordem vem em meio aespeculações em torno daseleições parlamentares naGrécia, convocadas anteci-padamente para 25 dejaneiro , pe lo pr imeiroministro Antonis Samaras.Os europeus temem que aGrécia saia da zona doeuro, como quase aconte-ceu em 2012, o que poderiat r a z e r c o n s e q u ê n c i a s

desastrosas para o país epara a moeda, segundoeconomistas.

O jornal alemão “DieZeit” disse nesta semanaque a Alemanha defende apermanência da Grécia nobloco econômico e que estádisposta a negociar com ocandidato favorito nas pes-quisas Alexys Tsipras.

Líder da oposição e dop a r t i d o d e e s q u e r d a

A situação delicada dospaíses europeus é reflexoda crise internacional de2008. O continente aindanão conseguiu se recuperartotalmente das perdas e

Syriza, ele recentementeabrandou o discurso radi-cal — no qual exigia o per-dão da dívida grega — esinalizou que está aberto anegociações com a UniãoEuropeia.

registrou em dezembro asegunda deflação desde2009. Os preços caíram0,2% em relação a dezem-bro de 2013, puxados pelaqueda dos preços de ener-gia, que despencaram 6,3%na mesma base de compa-ração.

A ciranda deflacionáriapreocupa os europeus.Com o aumento da ofertade produtos, diminui a dis-p o s i ç ã o p a r a g a s t a rdinheiro, pois os consumi-dores acreditam que ospreços podem cair aindamais.

P a r a e s t i m u l a r ademanda, o BCE deverácomprar títulos governa-mentais injetando maisrecursos no sistema finan-ceiro, o que, porém, enfra-quece a moeda. Na quarta-feira, o euro foi negociadonas bolsas americanas porU$ 1,18. É o menor valorregistrado desde janeiro de2006. (FP)

Pequim — O p r e s i -dente chinês, Xi Jinping,saudou ontem os crescen-tes vínculos com a Amé-rica Latina, comprome-tendo-se a usar a forçaeconômica de seu paísp a r a a p o i a r p r o j e t o sregionais e o comércio.

Xi se reuniu com auto-ridades de nações cominclinação esquerdista noHemisfér io Ocidental ,um dia após uma reuniãocom o presidente venezu-elano, Nicolas Maduro.Segundo o dirigente deCaracas, foi dada a pro-messa de que a Chinainvestirá US$ 20 bilhõesna economia de seu paísnos próximos anos.

Xi enfatizou o poten-c i a l d e c r e s c i m e n t ofuturo nas relações entrea China e o grupo de maisde 30 nações conhecidocomo a Comunidade deEstados Latino-america-nos e Caribenhos (Celac),cuja economia respondepor um oitavo da econo-mia global.

“Estou certo de que estareunião produzirá resulta-dos ricos, enviando aomundo uma forte mensa-gem de nosso compro-misso de aprofundar a coo-p e r a ç ã o p a r a od e s e n v o l v i m e n t ocomum”, disse o presi-dente chinês. Ele enfatizouo compromisso da Chinapara uma política externaindependente e para amanutenção de uma parce-ria igualitária com os paí-ses da América Latina e doCaribe.

Expansão — O comércioentre a China e a regiãocresceu de US$ 10 bilhõesem 2000 para US$ 257bilhões em 2013, impulsio-nado em grande parte pelademanda do gigante asiá-tico por commodities, comopetróleo e soja.

Ainda que a desacele-ração do crescimento naChina deva abrandar ademanda por tais produ-tos , pres idente chinêsd i s s e q u e a A m é r i c aLatina e o Caribe se bene-f ic iarão fortemente deprevisões de que a Chinaimportará US$ 10 trilhõesa partir de várias regiõesd e t o d o o m u n d o a olongo dos próximos cincoanos.

Junto com o pretendidoaumento no comércio bila-teral, Xi disse que queraumentar o investimentodireto na região para US$250 bilhões nos próximoscinco anos.

Empréstimo — Em julhopassado, a China concedeuum empréstimo de US$ 20bilhões para o desenvolvi-m e n t o d e p ro j e t o s d einfraestrutura na região,além de US$ 10 bilhões emempréstimos preferenciais.Um fundo de US$ 5 bilhõespara a cooperação entreambos os lados e US$ 50milhões para desenvolvi-mento agrícola tambémforam prometidos.

O pres idente chinêsdisse ainda que a reuniãolevará a produção de trêsdocumentos, incluindo umque detalha os objetivos decooperação com a AméricaLatina e o Caribe até 2019nas áreas de diplomacia,comércio, finanças e gera-ç ã o d e e n e rg i a , e n t r eoutras. (AE)

A ComissãoEuropeia propôsontem ajuda extra novalor de 1,8 bilhão deeuros à Ucrânia, paísque enfrenta umasevera crise econômicaem consequência doconflito com a Rússia.Os fundos seriamdestinados à reformada economia, assimcomo a manutençãodo pagamento dasdívidas do governo.Eles ainda precisamser aprovados peloParlamento Europeu.

O índice de preçosao consumidor (CPI,na sigla em inglês) doChile caiu 0,4% emdezembro, levando aoacumulado do ano auma expansão de4,6%, acima da metado Banco Central dopaís, que é de 3% aoano. O setor detransporte liderou aqueda dos preços emdezembro, comretração de 1,6%devido à recentedesvalorização dopetróleo.

O Banco Santanderirá emitir 1,26 bilhãode ações na operaçãode aumento de capitalque visa captar 7,5bilhões de euros. Aemissão serádirecionada somente ainvestidoresinstitucionais. O bancoafirma que o reforçode caixa permitirá aobanco espanholacompanhar ocrescimento daseconomias onde estápresente, entre elas oBrasil.

As encomendas àindústria daAlemanha recuaram2,4% em novembroante outubro. Ospedidos no mercadointerno caíram 4,7%em novembro anteoutubro, enquanto ospedidos para omercado externorecuaram 0,7% namesma comparação.Na comparação comnovembro do anopassado, asencomendas àindústria caíram 0,4%.

INTERNACIONALESTADOS UNIDOS

Em novembro de 2014 índice subiu apenas 1,3% ante igual mês de 2013

Pedidos naAlemanha

Ajuda extraà Ucrânia

Chile: CPIsurpreende

Santander vaiemitir ações

Cortes naCoca-Cola

COMÉRCIO

Presidente daChina destaca

integração comAmérica Latina

Inflação não vai atingir metade 2% ao ano antes de 2018

Washington — O número de traba-lhadores norte-americanos que entra-ram pela primeira vez com pedido deauxílio-desemprego diminuiu 4 mil nasemana encerrada em 03 de janeiro, para294 mil. O resultado veio acima da pre-visão dos analistas consultados pelo“The Wall Street Journal”, que espera-vam um total de 290 mil solicitações.

O número de pedidos na semanaaté 27 de dezembro foi mantido em298 mil. A média móvel de pedidosfeitos em quatro semanas — calculada

para suavizar a volatilidade do dado— recuou 250 na semana passada,para 290.500.

Já o número total de norte-america-nos que recebiam auxílio-desempregona semana encerrada em 27 de dezem-bro subiu 101 mil, para 2,5 milhões. Estedado específico é divulgado com umasemana de atraso. Nos EUA, as regraspara distribuição do auxílio-desem-prego variam de Estado para Estado enem todos os desempregados têmdireito ao benefício. (AE)

Pedidos de auxílio-desemprego caem

Charles Evans: “Não devemos ter pressa em elevar novamente as taxas de juros”

DIVULGAÇÃO

CRISE DA DÍVIDA

BCE volta a pressionar governo grego

Alexys Tsipras é o candidato favorito nas pesquisas

DIVULGAÇÃO

Brasília — O governop u b l i c o u o n t e m n o“Diário Oficial da União(DOU)” o Decreto 8.389,que contingencia gastosde custeio antes mesmoda aprovação do Orça-mento de 2015 pelo Con-gresso Nacional . Deacordo com o Ministériod o P l a n e j a m e n t o , olimite significa um blo-queio mensal de R$ 1,9bilhão nas despesas cor-rentes, o que corres-ponde a R$ 22,8 bilhõesno ano, em mais umsinal de que pretendetornar a política fiscalmais rígida para resga-tar a confiança dos agen-tes econômicos.

Em nota, a pasta disseque “a medida se faznecessár ia f ren te àsincertezas sobre a evolu-ção da economia, o cená-rio fiscal e o calendáriodo Poder Legislativo, que sóretomará suas atividades a partirde fevereiro”.

Pelo texto, enquanto não hou-ver a publicação da Lei Orça-mentária de 2015 (LOA 2015), aexecução das despesas não obri-gatórias, como gastos com via-gens e diárias de hotéis, ficarál imitada a um dezoito avos(1/18) por mês da dotação pre-vista no projeto de Lei Orçamen-tária deste ano (PLOA).

Aperto adicional — O limiterepresenta um aperto adicionalnas contas públicas. Isso porquea Lei de Diretrizes Orçamentá-rias (LDO) prevê que, quando

ainda não há aprovação do Orça-mento, o governo possa gastarmensalmente 1/12 da dotaçãoprevista para o ano. Esse meca-nismo é conhecido como duodé-cimo. O novo decreto, portanto,faz uma limitação adicional de33% em relação ao valor permi-tido por lei.

Pelo decreto, os ministériospoderão gastar por mês um totalde R$ 3,775 bilhões com as des-pesas que foram contingencia-das. O Ministério da Educaçãoteve autorização para gastar R$1,173 bilhão. A Defesa, R$ 312,9milhões , Cidades , R$ 288,8milhões, e DesenvolvimentoSocial, R$ 279,7 milhões.

A nova equipe econômica —sob a batuta dos ministros Joa-quim Levy (Fazenda) e NelsonBarbosa (Planejamento) e do pre-sidente do Banco Central, Ale-xandre Tombini — quer entregarum superávit primário equiva-lente a 1,2% do Produto InternoBruto (PIB) neste ano e, nos doisseguintes, de 2%.

Para tanto, já havia anunciadooutras medidas para tentar redu-zir as despesas. Entre elas, umpacote de mudanças nas regraspara acesso a benefícios traba-lhistas e previdenciários paratentar economizar aproximada-mente R$ 18 bilhões por ano, apartir de 2015.

As contas públicasvêm se deteriorando nosú l t imos anos e 2014corre o risco de ter regis-trado o primeiro resul-tado primário negativoda série histórica inici-a d a e m 2 0 0 2 . A t én o v e m b r o , o s e t o rpúblico consolidadomostrava déficit primá-rio acumulado equiva-lente a 0,18% do PIB.

Votação — A presi -dente Dilma Rousseff e oministro do Planeja-mento, Nelson Barbosa,limitaram o valor men-sal das “despesas cor-rentes de caráter inadiá-vel” que poderão serfeitas pelos órgãos doPoder Executivo até queocorra a publicação daLei Orçamentária desteano. A expectativa é deque o projeto do Orça-

mento de 2015 seja votado eaprovado pelo Congresso no fimde fevereiro ou março.

O texto ainda destaca que, naexecução das despesas correntesinadiáveis, “deverá ser dada pre-cedência ao empenho, a cadamês, de até 1/12 (um doze avos)do valor anual previsto nos con-tratos de operação e funciona-mento dos órgãos, tais comolocação, serviços e manutenção”.

Segundo o decreto, o ministrodo Planejamento, por ato próprioou mediante delegação, poderáampliar ou remanejar os valoresautorizados, desde que devida-mente justificados pelos órgãos.(AG/AE)

10

Brasília — Com a edição dodecreto pela presidente DilmaRousseff e pelo ministro do Pla-nejamento, Nelson Barbosa, asdespesas discricionárias dogoverno terão uma queda men-sal de R$ 5,6 bilhões para R$ 3,7bilhões. Esse corte representauma economia por mês de R$ 1,9bilhão, ou 33% dessa rubrica, eterá vigência até o CongressoNacional aprovar o projeto deLei do Orçamento de 2015, quesó falta ir à votação pelo plenáriodo Poder Legislativo.

A economia potencial apenascom o decreto poderia chegar aR$ 22,7 bilhões ao ano, na hipó-tese remotíssima de que o Orça-mento não seja aprovado atédezembro deste ano. Desde 2003,a aprovação do orçamento maistardia ocorreu em 2006. Na oca-sião, o então presidente Luiz Iná-cio Lula da Silva sancionou apeça orçamentária no dia 17 demaio daquele ano.

Fontes da área econômica dogoverno informaram que ai m p o r t â n c i a d a e d i ç ã o d odecreto é a sinalização forte parao mercado financeiro de que oajuste fiscal já começou. A estra-tégia foi definida porque o Con-gresso ainda não voltou dorecesso e não havia tempo paraespera r. “O va lo r do cor t eimporta menos do que a sinaliza-ção”, afirmou uma fonte.

A expectativa é de uma boanegociação com o Congressopara a aprovação o mais rápidopossível do Orçamento de 2015.A expectativa do relator-geral doprojeto, senador Romero Jucá(PMDB-RR), é que a peça orça-mentária seja aprovada no pró-ximo mês. A avaliação reservadade deputados e senadores é que amatéria vá à votação em plenáriona semana seguinte ao Carnaval,a partir do dia 23 de fevereiro.

Reservadamente, a equipeeconômica não está preocupadacom uma eventual demora doCongresso em aprovar o Orça-mento. Eles avaliam que o ambi-ente de necessidade do ajuste vaise impor naturalmente.

Sem barganha — No Con-gresso , par lamentares nãodevem usar a votação do Orça-m e n t o d e 2 0 1 5 c o m o u m a“moeda de troca” para barga-nhar cargos ou indicações nosegundo escalão do governo. Oscongressistas dizem que, com aedição de duas medidas provisó-rias pelo Executivo (as MPs 666 e667) na virada do ano, o governocriou duas alternativas para rea-lizar seus principais gastos.

A não-aprovação do Orça-mento engessa os demais gastos,entre eles os previstos pelosnovos ministros indicados pelospartidos e a liberação das emen-das parlamentares.

Após a aprovação do Orça-mento, o governo terá de divul-gar o primeiro decreto de pro-gramação orçamentária, quevirá com o corte definitivo dasdespesas necessário para o cum-primento da meta fiscal desteano. Ela foi fixada em R$ 66,3bilhões. (AE)

São Paulo — O decreto limi-tando os gastos públicos, publi-cado ontem pelo governo, foiuma forma de responder à“forte demanda do mercado,mais do que da sociedade”sobre o real compromisso dogoverno federal com o ajustefiscal. A avaliação é do consul-tor em contas públicas Raul Vel-loso. “O governo precisava darum sinal sobre o ajuste. Se nãopublicasse nada, o governo fica-ria num vazio até a aprovaçãodo Orçamento”, afirmou Vel-loso.

O especialista afirma que,num primeiro momento, é difí-cil afirmar a real efetividade dasmedidas. Velloso afirma queseria necessário analisar contapor conta. O decreto traz embu-tido, entretanto, a disposição dogoverno em coibir qualquernovo desembolso. “Quandovierem as pressões (por novosd e s e m b o l s o s ) , o g o v e r n opoderá mostrar o decreto assi-nado pela presidente (DilmaRousseff). Sem um limite, ficamais difícil argumentar contra

as pressões”, afirma.Ou seja, o documento seria

uma forma de evitar que novoscompromissos sejam assumi-dos agora para serem pagosdepois. “Não creio que vai apa-recer esses gastos porque soariaincoerente”, diz.

Velloso lembra ainda que,costumeiramente, há uma redu-ção de gastos no primeirosemestre. Os maiores desem-bolsos e investimentos são fei-tos, via de regra, somente nosegundo semestre, segundo oespecialista. “Todo início de anojá é rotina. (E redução nos gas-tos) é ainda mais comum no pri-meiro ano de um novo man-dato”, lembra.

Prática comum — O decretodo governo federal que limitaos gastos mensais não traznenhuma medida fiscal efetiva,avalia o especialista em contaspúblicas Mansueto Almeida.Ele argumenta que o limite esta-belecido em 1/18 do projeto doOrçamento de 2015 não impedeque os agentes públicos assu-

mam compromissos e gastos eatrasem o pagamento. O especi-alista afirma que é comum ver osetor público postergar desem-bolsos. Lembra que, no ano pas-sado, o pagamento de precató-r i o s d e v i d o s no p r i m e i ros e m e s t r e f o i c o n s u m a d osomente em novembro.

Além de não trazer nenhumamedida efetiva de controle degastos, o decreto publicado hojeno Diário Oficial da União(DOU) também não sinaliza ocompromisso do governo deDilma Rousseff com o ajuste fis-cal. Aparentemente, o decretocongela investimentos até a LeiOrçamentária Anual (LOA) seraprovada no Congresso Nacio-nal, o que deve ocorrer entre ofim de fevereiro e o início dem a r ç o . M a s , n a p r á t i c a ,segundo Almeida, não é bemassim.

“Nos primeiros três meses doano, o financiamento dos inves-timentos é feito com restos apagar de outros anos e orça-mentos já aprovados”, diz oeconomista. No primeiro tri-

mestre do ano passado, 94%dos R$ 20,44 bilhões investidoseram recursos já empenhados.Almeida afirma que somenteinvestimentos que ainda nãoforam aprovados pelo Con-gresso ficam congelados e espe-rando a aprovação da LOA.

O especialista em contas públi-cas afirma também que somenteum próximo decreto ou decisãodo governo federal poderia sina-lizar o tamanho do comprometi-mento com o ajuste fiscal. “Infe-lizmente, a única despesa que ogoverno tem controle absoluto éinvestimento. Somente um novodecreto sobre esse assunto é queindicaria se o governo está com-prometido mesmo ou não com oajuste”, diz.

Ele pondera que, apesar detrazer uma contribuição muitopequena sobre o corte de gas-tos, uma eventual redução deministérios traria um sinal ine-quívoco sobre o compromissoda equipe econômica com ameta de reduzir a relação entredívida bruta e Produto InternoBruto (PIB). (AE)

POLÍ[email protected]

Governo corta gastos de custeioRECURSOS

Decreto estabelece bloqueio mensal de R$ 1,9 bilhão nas despesas dos ministérios

Sinalização de compromisso com ajuste fiscal

O ministro Nelson Barbosa poderá ampliar ou remanejar os valores autorizados

Medida vai vigoraraté a aprovaçãodo Orçamento

WILSON DIAS / AGÊNCIA BRASIL

THAÍNE BELISSA

De papelão a lixo hospi-talar: com apenas algunscliques qualquer empresapode encontrar o destinocerto para seus resíduos. Apromessa é da s t a r tupmineira Descarte Legal,que há três meses lançouu m a p l a t a f o r m a q u econecta organizações quedesejam descartar lixo àsque coletam e dão a ele odestino correto. Mesmocom pouco tempo de cria-ção a empresa já atende 28empresas na Região Metro-politana de Belo Horizonte(RMBH) e pretende chegara 300 em todo o Estado atéo fim deste ano.

O negócio surgiu com aideia de um dos fundado-res, João Pedro Silva Pro-cópio, durante o períodoem que ele trabalhou naSecretaria de Meio Ambi-ente de Contagem. Eleafirma que o órgão rece-bia muitos pedidos deindicação de empresasque fazem descarte dere s í d u o s . M a i s t a rd e ,quando ele passou a tra-balhar na mesma área anível estadual, percebeua mesma di f i cu ldade .“Como órgão público nãopodíamos fazer indica-ções, então as empresastinham que recorrer aoGoogle , que não f i l t ratanto as informações de

acordo com necessidadesespecíficas”, afirma.

O fundador relata quechegou a conhecer umaempresa em Bet im, naRMBH, que fazia descartede resíduo no Sul de MinasGerais, pois não conheciaoutra organização maispróxima que realizasse os e r v i ç o . E n t r e t a n t o ,segundo ele, havia umae m p re s a q u e a t e n d i aaquele tipo de descarte emSarzedo, na região Central,que é muito mais próxima.

Com base nessa experi-ência, o empreendedor seuniu a mais um sócio e ini-ciou o desenvolvimento daDescarte Legal, em abril doano passado. Eles investi-ram cerca de R$ 10 mil noprojeto e lançaram a plata-forma em outubro de 2014.A startup também foi sele-cionada no programa dogoverno federal Start-UPBrasil, que oferece R$ 200mil em bolsas e aceleração.

Segundo Procópio, aplataforma funciona apar t i r de um catá logocom empresas fornecedo-ras e receptoras de resí-duos sólidos. O gestorque tem interesse descar-t a r r e s í d u o s d e v e s ecadastrar no site e iniciarbusca por empresas querealizam esse serviço. Eledeve in fo rmar a lgunsdetalhes como estado etipo de resíduo. A partir

desses f i l t ros a p la ta -forma indicará empresasque são habilitadas paraesse determinado des-ca r te . O fundador fazquestão de ressaltar quetodas as organizaçõescadastradas no site sãocontroladas e têm licençaambiental para atuar.

De acordo com Procópio,a plataforma tem 15 gruposdiferentes de resíduos emais de 90 tipos específicos,que se distinguem pelasituação do material. “Há ogrupo de madeira , porexemplo. Mas dentro deleexistem os tipos, como ser-ragem, serragem contami-nada com óleo ou pó demadeira”, exemplifica. Ofundador afirma que háempresas preparadas parao descarte de diferentesmateriais, desde os maissimples como papelão elixo orgânico até os maiscomplexos como bateria,eletroeletrônicos e lixo hos-pitalar. Para utilizar a plata-forma as empresas pagamuma mensalidade que, em2014, teve valor fixado emR$ 150.

Segundo o empreende-dor, a startup vai se concen-trar na RMBH no primeiromomento. Atualmente as28 empresas cadastradasna plataforma são dessaárea. Mas ele afirma que ameta é expandir de formagradativa primeiro para a

Zona da Mata e Centro-Oeste, e depois para o Tri-ângulo Mineiro e o Nortede Minas. A expectativa

dos sócios é chegar a 300empresas cadastradas até ofim deste ano. Para fideli-zar as empresas geradoras

de resíduos, a startup tam-bém planeja desenvolverum software que vai ajudá-las na gestão de seu lixo.

11

DA REDAÇÃO

A Beenoculus Tecnologia,startup 100% brasileira vol-tada para desenvolvimentode soluções de entreteni-mento, acaba de lançar umóculos de realidade virtual.Batizado com o mesmonome da empresa, o Beeno-culus foi apresentado aomercado, em primeira mão,durante o Internacional CES,principal evento global detecnologia e entretenimento,que está acontecendo nestasemana, em Las Vegas, nosEstados Unidos.

Com um valor de R$ 99para os consumidores finais,o produto chega ao mercadocom a missão de democrati-zar o acesso das pessoas àrealidade virtual e competircom os principais players dosetor. “Temos um potencialgigantesco para explorar nopaís. Se levarmos em consi-deração que em 2014 foramcomercializados no Brasil 47milhões de smartphones ,algo em torno de cem apare-lhos por minuto, podemosafirmar que há um mar deoportunidades pela frente. O

acesso à realidade virtual nopaís é algo ainda muitoembrionárioõ, detalhaRawlinson Peter Terrabuio,diretor de Marketing da Bee-noculus Tecnologia.

Para utilizar os óculos, oconsumidor precisa apenasencaixar seu smartphonedentro do aparelho, aprovei-tando a tela e o hardware docelular. As duas lentes dosóculos dão a sensação deimersão no cenário reprodu-zido. Para olhar para o ladoou para cima, basta mover acabeça e a tela acompanha omovimento automatica-mente. É importante lembrarque o smartphone do usuárioprecisa ter sensor de giroscó-pio para funcionar com asaplicações do Beenoculus.

De acordo com o execu-tivo, esse projeto é resultadode um ano de pesquisas rea-lizadas por dez profissionais.Para viabilizar seu desenvol-vimento, a Beenoculus apor-tou R$ 2,5 milhões de recur-sos de seus sócios e contoucom o apoio da Intec —Incubadora Tecnológica doInstituto Paranaense de Tec-nologia (Tecpar). “Estamos

produzindo 60 mil unidadespor mês em Barueri e comer-cializaremos o equipamento,via internet, para todo o Bra-sil. Nossa meta é vender 1milhão de Beenoculus noBrasil em dois anos e faturarcerca de R$ 200 milhõessomando os games e aplicati-vos”, comenta Rawlinson.

Nesse primeiro momento,a solução terá como focoprincipal atender aos merca-dos de games , entreteni-mento, desenvolvedores eeducação. No âmbito educa-cional a companhia acaboude fechar uma parceria como Departamento de Teleme-dicina da Faculdade deMedicina da Universidadede São Paulo (USP), paradesenvolver experiênciasimersivas com o conteúdodo Projeto Homem Virtual,possibilitando o aprendi-zado em primeira pessoa.

Para os desenvolvedores,especificamente, a empresatambém disponibilizará kitsespeciais pelo valor de R$500. “O objetivo é que elesdesenvolvam novos aplicati-vos e jogos para o Beenocu-lus”, finaliza o executivo.

NEGÓ[email protected]

LIXO

Empresa conecta organizações que precisam dar fim a materiais às que coletam e enviam aos locais corretos

Startup ajuda a dar a destinação correta

DA REDAÇÃO

A startup criadora doez.mall, Five and a Half, e aSmartP, consultoria especi-alizada em “smartificar”negócios e acelerar resulta-dos, acabam de fechar par-ceria para lançar o aplica-tivo multifuncional inéditono mercado mineiro. Dessaforma, os varejistas terão àdisposição uma tecnologiarevolucionária para alcan-çar seus clientes. O obje-tivo final é atraí-los devolta para as lojas físicas eace l e ra r suas vendas ,aumentando as chances deobter um tíquete médiomaior.

O aplicativo conta comrecursos inteligentes e prá-ticos que possibilitam oplanejamento de açõesestratégicas, além de forta-lecer o relacionamentoentre as marcas e seus cli-entes e auxiliar os lojistas ase comunicar de formadireta e personalizada comcada consumidor por meiode mídias exclusivas.

Com a implantação dosistema, explica MarckKrauze, um dos criadoresdo app, as marcas conse-guem alavancar em até25% o faturamento. “Omobile commerce trará umanova perspectiva para osvarejos mineiro e capixaba,que passam a contar comuma ferramenta inédita noBrasil e no mundo paraincrementar suas vendas ese diferenciar no mer-cado”, diz.

Outra grande vanta-gem para o varejista é ofato de o ez.mall permitirque as marcas que ainda

não ingressaram no e-com-merce util izem seu appcomo mobile commerce, faci-litando a implementaçãodo processo e reduzindocustos. “A marca poderáutilizar a própria loja físicapara operar, tanto o mobilequanto o e-commerce, o queaumenta a visibilidadejunto aos consumidores e,consequentemente, o fatu-ramento”, explica Krauze.

Usuários — Ao baixar oapp na AppStore, o usuá-rio pode escolher seus pro-dutos, marcas e lojas prefe-r i d o s , e s e u s a m i g o svisualizarem seus favori-tos imediatamente nasredes sociais, facilitando avida na hora de comprarpresentes. O ez.mall tam-bém permite visualizá-loscom incrível qualidade deimagem, pesquisar preços,fazer compras e efetuar opagamento digital pelocelular, de forma prática,rápida e absolutamentesegura.

C o m a f u n ç ã o M eLeva, o usuário escolhe aloja ou restaurante quedeseja ir. Caso a distân-cia seja pequena, comodentro de um shopping, acâmera do aparelho seráacionada e uma seta iráindicar, em tempo real, ocaminho a seguir. Agora,se o usuário estiver dis-tante do destino, o GPSdo smartphone será acio-nado automaticamente,sem que ele precise sairdo aplicativo.

Uma das funcionalida-des do ez.mall é a gourmet,que permite ao usuárioescolher o restaurante pre-

ferido, efetuar reservas ouentrar remotamente na filade espera e verif icar otempo previsto para cha-mada da sua mesa nos diasmais movimentados.

Inicialmente disponívelpara iPhone, o ez.mall temfoco nas classes mais exi-gentes e seletivas. Com eleo usuário ainda pode pes-quisar e comprar pacotesespeciais de turismo, assis-tir a trailers de filmes emcartaz nos cinemas pormeio de um sistema iné-dito de reconhecimento deimagem.

Vantagens — De acordocom Marck Krauze, umdos idealizadores do pro-je to , “o app foi cr iadopara trazer uma série defunções facilitadoras nodia a dia das pessoas enão apenas relacionadasa compras e pagamentovia celular. Ele traz van-tagens e benefícios reais,além de ajudar o usuárioa otimizar tarefas e assimcurtir melhor o seu tempolivre”.

O projeto teve investi-mento, até o momento, deR$ 1,3 milhão para o desen-volvimento do negócio,b u s c a n d o a t e n d e r ademanda crescente pelomobile commerce em duasfrentes: lojistas e consumi-dores.

A expectativa é faturarR$ 7 milhões até 2015 eatingir os principais seg-mentos do varejo, comomoda, calçados, artigosesportivos, joias, artigos dedesign e decoração, pre-sentes finos, agências deturismo entre outros.

CLIENTES

NACIONAL

SmartP faz parceria com ez.mall e lançaaplicativo inédito em Minas Gerais

Empresa brasileira lança óculos derealidade virtual que custa R$ 99

Óculos foi lançado em feira internacional de tecnologia que acontece em Las Vegas

João Pedro Silva Procópio e o sócio Pedro pretendem expandir muito a startup em 2015

DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO / BEENOCULUS

NÁDIA DE ASSIS

Janeiro é sinônimo def é r i a s e s c o l a r e s , m a salguns pais já se preparampara o volta às aulas. Issoporque muitos já começa-ram a recorrer às livrarias ep a p e l a r i a s d a c a p i t a lmine i ra em busca dosmateriais que serão utiliza-dos no novo ano letivo.Segundo pesquisa divul-gada ontem pela Câmarade Dirigentes Lojistas deBelo Horizonte (CDL-BH),as vendas devem registrarem 2015 incremento de 5%na comparação com 2014.

Conforme o coordena-dor da Câmara Setorial deLivrarias e Papelarias daCDL-BH, Adriano Bos-catte, o aumento está rela-cionado ao incremento dopreço médio dos produtos.Para tentar e levar umpouco mais a estimativa,ele aconselha os estabeleci-mentos a intensificar asações de marketing e divul-g a ç ã o . O u t r a s o p ç õ e sseriam ampliar o númerode convênios com escolas eoferecer desconto para opagamento à vista. “Umaredução de 10% é conside-rada ideal, pois satisfaz ocliente e não comprometetanto a rentabilidade doempresário”, observa.

A Dumec, com duas uni-dades na região de VendaNova, aposta em estabili-dade frente ao exercícioanterior. O primeiro bimes-tre é considerado a melhorépoca do ano, pois nele égerado 60% do fatura-

mento total anual. Paraisso, a empresa contratoudez funcionários temporá-rios — cinco para cada loja— q u e t r a b a l h a m a t émarço. “O consumidormantém o hábito de adiartudo para a última hora, oque exige uma quantidademaior de colaboradores,que precisam estar muitobem treinados”, observa osócio-proprietário, Aurelí-deo Farias de Oliveira.

Um desafio apontadopor ele é a indisposiçãopara gastar, o que faz comque os itens mais básicos ebaratos de papelaria e osl ivros usados sejam osmais procurados. Para ten-tar reverter o comporta-mento, Oliveira flexibili-z o u a s c o n d i ç õ e s d ep a g a m e n t o . “ A s s i m ,espero que os pais consi-gam atender aos desejosdos filhos, pois investi emum mix muito atual deprodutos licenciados”,revela.

A João Paulo II, com trêsunidades na região Centro-Sul, é mais otimista e prevêque a variação positivasobre 2014 alcance até 20%.A fim de driblar a concor-rência, a empresa oferecedesconto no pagamento àvista, a opção de dividir acompra em uma maiorquantidade de parcelas eainda admitiu 20 novosatendentes em cada loja afim de facilitar e agilizar avisita do cliente.

A organização tambémcolocou os livros usados àdisposição do comprador.

De acordo com o proprietá-r io , Ricardo AlexandreAzevedo, a procura poreles torna-se cada vez maiscomum entre todas as clas-ses sociais. “As despesas noinício do ano são sempremuito altas, então é tam-bém necessário ofereceralternativas ao consumidorpara manter os negóciosaquecidos”, pondera.

Pessimismo — A LivrariaOuvidor, localizada naregião central, enxerga umcenário menos positivo. Ogerente, Raphael Santa-relli, afirma que as vendasestão em retração desde oinício do segundo semestred e 2 0 1 4 . A p e n a s e md e z e m b r o , m ê s m a i saguardado pelo comérciovarejista, a queda foi de30% frente a idêntico perí-o d o d e 2 0 1 3 . D e s s amaneira, o estabelecimentoreduziu os pedidos aos for-necedores e novas enco-mendas serão feitas apenasquando o movimento real-mente se intensificar.

Para Santarelli, a desace-leração está diretamenterelacionada ao avanço daconcorrência. “Hoje nãoconcorremos apenas comoutras livrarias e papela-rias, mas também com ainternet, editoras e até coma s p r ó p r i a s e s c o l a s ” ,lamenta. Os meses queantecedem o volta às aulassão responsáveis por geraraproximadamente 70% dareceita anual da loja.

A S t a r L i v r a r i a , n ob a i r r o M a n g a b e i r a s

(região Centro-Sul), tam-bém reclama da competi-ção acirrada. Na visão daproprietária, Suzana Krae-mer, a melhor estratégianeste momento é melho-

rar o atendimento e estrei-tar as relações com os cli-entes. “Não consigo redu-z i r p r e ç o s , p o i s a smargens, principalmentedo livro didático novo, já

são muito apertadas”,avalia. O fluxo de clientesentre dezembro e janeirocresce cerca de 150% nac o m p a r a ç ã o c o m o sdemais meses do ano.

12

Las Vegas, EUA — A Samsunganunciou novos produtos e experi-ências que inspiram, educam e dãoaos consumidores as ferramentasnecessárias para dar um upgrade emsua maneira de cozinhar. Inovaçõesna cozinha somam-se a novas for-mas de aproximar o consumidor dealguns dos chefs mais célebres domundo, transformando o preparode uma refeição em uma verda-deira experiência culinária.

A linha de produtos da Samsung— que inclui uma nova versão comduas portas de um de seus fornosmais populares, um fogão quefinalmente faz do aquecimento porindução um recurso prático emqualquer cozinha e um refrigeradorembutido que traz desempenho eum design revolucionário de formaacessível — está em exibição naInternational CES 2015, feira inter-nacional de eletrônicos que acon-tece de 6 a 9 de janeiro de 2015, emLas Vegas.

“ O s c o n s u m i d o r e s n u n c aforam tão envolvidos com suascasas. Isso é particularmente ver-dade na cozinha, onde os eletro-

domésticos não são apenas ferra-mentas para preparar uma refei-ção, mas veículos para explorarsua criatividade culinária e afir-mar um estilo”, disse John Her-rington, vice-presidente sênior ediretor da divisão de eletrodo-mésticos da Samsung ElectronicsAmérica. “As pessoas que cozi-nham estão sempre ansiosas pornovas ideias e inspiração e, nesteano, estamos não apenas tra-zendo inovações de produtosincríveis, mas criando formas derelacioná-las a conteúdos criadospor chefs profissionais para tornaro ato de cozinhar mais agradávele significativo.”

Relacionamento — Em 2013, aSamsung lançou o Club dos Chefs,uma iniciativa culinária global iné-dita que convidou vários chefs reno-mados para colaborar com a Sam-sung no desenvolvimento de novasgerações de produtos. O resultadofoi a Samsung Chef Collection,uma coleção de eletrodomésticoscom design atraente e recursos àaltura de chefs profissionais que

redefiniu os conceitos de desempe-nho e design na cozinha.

A conexão entre as ideias doschefs, produtos e consumidoresmostrou-se tão forte que a Sam-sung está abordando o processo decozinhar de forma holística, intro-duzindo novos conteúdos e servi-ços para transformar o Club desChefs e a Samsung Chef Collectionem experiências culinárias domés-ticas verdadeiramente imersivas. Oaplicativo on-line Chef Collection,para tablets, inclui conteúdos origi-nais de cozinha caseira do Sam-sung MSCA (Media Solutions Cen-ter America), receitas de parceiroscomo BigOven, Bon Appétit, ChefsFeed, Saveur e Culinary Institute ofAmerica (Instituto Culinário daAmérica) e dicas dos próprios chefs.

Atualizado quinzenalmente, oaplicativo oferece ainda tutoriaisem vídeo mostrando os eletrodo-mésticos da Chef Collection parainspirar o consumidor a explorarseus recursos diferenciados.

Ainda não há a data oficial delançamento dos produtos no mer-cado brasileiro.

NEGÓCIOS

Papelarias preveem 5% de aumento nas vendasVOLTA ÀS AULAS

Para CDL-BH, crescimento está mais relacionado ao incremento do preço médio dos produtos do que à procura

Samsung mostra inovação na cozinha

Las Vegas, EUA — BrianKrzanich, presidente daIntel, anunciou que pre-tende expandir a diversi-dade na força de trabalhoda companhia, aumen-tando em todos os seusníveis de cargos a presençade mulheres e minorias.

Entre as medidas está oinvestimento de US$ 300milhões em programasque ajudem a aumentaras contratações e as reten-ções de mulheres e repre-s e n t a n t e s d e g r u p o sminoritários.

A Intel condicionarápagamentos a executivosem posições de liderançaao progresso do objetivo. Aempresa também pretendereportar regularmente osavanços feitos.

Com is so , Krzan i chespera que até 2020 a com-panhia atinja “total repre-sentação” em sua força detrabalho — embora nãotenha especificado o queisso significa. O anúncio foifeito nos minutos finais dapalestra reservada a Intelna CES, uma das maioresfeiras de eletrônicos domundo.

“Não é suficiente dizerque valorizamos diversi-dade”, afirmou ele.

O anúncio foi feito emum momento em que o asempresas de tecnologiavem sendo criticadas prin-cipalmente nos EstadosUnidos pela predominân-cia de homens em sua forçade trabalho.

No último mês de outu-bro, Satya Nadella, execu-tivo-chefe da Microsoft,declarou que mulheres quenão pedem aumento têm“superpoderes” e que issoera um “bom carma”. Foi

obrigado a se desculpar.Além disso, jogadoras e

programadoras vem rela-tando e se levantando con-tra o preconceito sofridopor gamers do sexo mascu-lino.

Chips — A Intel revelou an o v a g e r a ç ã o d e s e u schips voltados a classe decomputadores vestíveis,que inclui relógios, ócu-los, pulseiras inteligentese outros.

Batizado de Curie, omódulo é tão pequeno quefoi apresentado dentro deum botão por Brian Krza-nich, presidente da compa-nhia, durante sua palestrana CES.

Apesar do tamanho, eleconta com Bluetooth debaixo consumo, acelerôme-tro e giroscópio, o quetorna, em tese, qualquerpeça de vestuário ou aces-sório em um computadorvestível. Ele funciona combateria recarregável oudescartável.

O chip estará disponívelno segundo semestre. Oobjetivo é que outros fabri-cantes adotem a tecnologiana criação de novos produ-tos, o que aumentaria apresença da Intel no seg-mento.

E m 2 0 1 4 , a I n t e ldemonstrou bastante inte-resse em vestíveis, anunci-ando parcer ias e com-prando startups do setor.

Na apresentação, a Inteltambém anunciou parceriacom a fabricante de óculosOakley para a criação devestíveis. Detalhes sobre oque pode ser lançado nãoforam revelados.

Drones — A Intel passou a

maior parte do tempo des u a p a l e s t r a n a C E Sfalando sobre a RealSense,uma câmera 3D e plata-forma capaz de detectarprofundidade.

O ponto alto da apresen-tação ocorreu quandoBrian Krzanich mostrou oque essa tecnologia é capazde fazer quando aplicadaem drones, veículos nãotripulados. Os pequenoshelicópteros eram capazesde voar e evitar obstáculos

e c o l i s õ e s s e m a j u d ahumana.

O executivo jogou umaespécie de “ping-pong dedrones” com outros desen-volvedores. Ele tentava seaproximar do drone, que semovia para manter a dis-tância. Então era a vez doprogramador se aproximardo aparelho, que tambémd e t e c t a v a a p re s e n ç ahumana e se movimentavanovamente. Com isso, ficamais perto a ideia de ter

drones fazendo entregas,como planeja a Amazon,por exemplo.

A RealSense também foidemonstrada em outrassituações, como detecçãode gestos e reconheci -mento facial.

Em uma outra aplica-ção,um homem com ape-nas 20% de visão usavauma jaqueta equipada comsensores e a tecnologiaRealSense, que detectava aproximação de pessoas. Se

a lguém chegasse pe ladireita, um sensor no ladodireito da jaqueta vibravapara indicar o homem deonde vinha o obstáculo.

A RealSense já estásendo embutida em pro-dutos à venda, como otablet Venue 8 7000, da Dell.A Intel indicou que outrasfabricantes, como Acer,A s u s , F u j i t s u , H P eLenovo, devem adotar atecnologia em seus dispo-sitivos.

FEIRA DE TECNOLOGIA

Intel: US$ 300 mi para diversificar sua força de trabalho

Raphael Santarelli diz que as vendas estão em retração desde o meio de 2014

ALISSON J. SILVA

MICHELLE VALVERDE

A produção de boi gordo emMinas Gerais terá como grandedesafio, em 2015, a aquisição deanimais de reposição, cuja ofertaestá cada vez menor e os preçossupervalorizados. O aumento doabate das matrizes provocadopelos preços baixos pagos pelobezerro e do boi magro, ao longodos últimos anos, aliada à poucavalorização dos produtores deanimais de cria, o que desestimu-lou a atividade, são fatores quecontribuíram para a redução daoferta de animais de reposição. Oencarecimento do bezerro e doboi magro pesa nos custos deprodução do boi gordo que,devido ao atual cenário econô-mico, enfrenta a concorrênciacom as demais carnes e nãoencontra espaços para altas.

De acordo com o engenheiroagrônomo e coordenador técnicode bovinos da Empresa de Assis-tência Técnica e Extensão Ruraldo Estado de Minas Gerais (Ema-ter-MG), José Alberto de ÁvilaPires, em 2014 a valorizaçãoobservada nos preços do bezerrofoi superior à registrada nosvalores pagos pela arroba do boigordo.

“O setor de cria precisa servalorizado. O aumento dos pre-ços dos animais de reposição sedevem aos preços baixos pratica-dos nos anos anteriores, o queincentivou os pecuaristas destesegmento a abaterem as matri-zes. Dessa forma, a tendência éde menor oferta de bezerros e boimagro, o que pode comprometero avanço da pecuária de corte. Acadeia está desequilibrada. Nosúltimos anos, o tempo de termi-nação do boi gordo foi reduzidode quatro anos para dois anos, o

que aumenta a demanda pelosbovinos de reposição, procuraq u e s e m a n t ê m s u p e r i o r àoferta”, explicou.

Ainda segundo o represen-tante da Emater-MG, em 2014,a arroba do boi gordo valori-z o u 30 , 1 % , co m o v o l u m esaindo de R$ 106, em janeiro,para R$ 138, em dezembro. Nomesmo período, a alta nos pre-ç o s d o b e z e r r o c h e g o u a4 1 , 1 % , c o m o a n i m a l d e 8meses e pesando 6 arrobassendo negociado a R$ 1,2 milem dezembro, frente ao valord e R $ 8 5 0 p r a t i c a d o e mjaneiro.

“Na produção de carne bovinao insumo que tem maior pesonos gastos finais do boi gordo é oanimal (bezerro ou boi magro)que respondem por cerca de 80%dos custos totais. Se analisarmosa situação de 2014, vamos obser-var que a arroba do bezerro (R$200) ficou mais valorizada que ado boi gordo (R$ 138), o que com-promete a margem de lucro dospecuaristas de engorda”.

Enquanto os preços dos bovi-nos de reposição mantêm a ten-dência de valorização, no mer-cado mineiro, a arroba do boigordo é negociada entre R$ 138e R$ 140, valores que mantêm aestabilidade desde meados dedezembro. Porém, no mercadofuturo do boi gordo a expecta-tiva é de retração nos preços.Além do período de safra, fato-res como o aumento da inflaçãoe os preços altos da carne bovinano mercado final tem estimu-lado o consumo de carnes maisacessíveis como a de suíno e,principalmente, a carne defrango.

“Percebemos poucas mudan-ças no mercado do boi gordo

neste início de 2015. Apesar dospreços estáveis, existe muitaespeculação e pressão de baixaespecialmente nas regiões do Tri-ângulo Mineiro e Alto Paranaíba.Diante da possibilidade de ajus-tes da economia no Brasil, égrande a expectativa sobre aatual safra do boi gordo, queocorre no período de janeiro ajunho de 2015, época de maioroferta, especialmente do cha-mado boi de pasto, o que normal-

mente impacta negativamentenos preços”.

Mercado futuro — A tendênciade baixa já é observada no mer-cado futuro do boi gordo, quetem como base o estado de SãoPaulo. De acordo com os dadosda Esalq/BM&FBovespa, o mer-cado futuro de boi gordo fechouas operações com cotações embaixa na última quarta-feira. Ocontrato janeiro 2015 encerrou

com a arroba cotada a R$ 142,01;fevereiro a R$ 141,70, março a R$141,03 e maio a R$ 138,94.

“Um possível recuo das cotaçõesda arroba do boi gordo é esperadopara o período de safra do boi gordode pasto, que vai de janeiro a maio,e está dentro do previsto, tendo emvista um aumento de oferta normalpara esta época do ano e que ante-cede a entrada da seca, quando ospecuaristas começam o confina-mento”, acrescentou Ávila Pires.

13

DA REDAÇÃO

Com 145 projetos de assenta-mentos criados ao longo do ano,distribuídos em 415.436 hectares, ogoverno federal incorporou àreforma agrária área de aproxima-damente 2,9 milhões de hectares noperíodo 2011-2014. Ao longo desseperíodo foram criados 493 projetosde assentamento em benefício de107,4 mil famílias.

De acordo com balanço divul-gado ontem pelo Instituto Nacio-nal de Colonização e ReformaAgrária (Incra), em 2014, foramassentadas 32.019 famílias ante auma meta de assentamento de 30mil famílias. Considerando amédia de 2,8 ocupações por lote,projeta-se que 89,6 mil pessoasviverão e trabalharão nos novosprojetos de assentamentos.

Do total de famílias assentadasem 2014, 7.399 foram em assenta-mentos novos e outras 24.620 emassentamentos já existentes quecontavam com lotes disponíveispara receber famílias aptas a parti-cipar do Programa Nacional deReforma Agrária.

Além dos assentamentos cria-dos, em 2014 foram decretadaspela Presidência da República 30imóveis para a reforma agrária,com área de 66,3 mil hectares ecapacidade para receber 1.789famílias. O próximo passo dassuperintendências regionais doIncra é ajuizar os pedidos de possedesses imóveis. A imissão na posse

dada pela Justiçaautoriza o Incra acriar o assentamento.Os recursos para opagamento das inde-nizações dessas áreasconsta do orçamentode 2015 do instituto.

Investimentos —Ao longo de 2014 oIncra investiu R$ 1bilhão 395 milhõesnas ações finalísticas.Para a desapropria-ção e a aquisição dei m ó v e i s , f o r a mempenhados R$ 527.904,274, o quepermitiu ao Incra obter 104.081,68hectares de terra para a reformaagrária em todo o país, com desta-que para a região Nordeste.

Outra atividade com quase100% do recurso empenhado foi aassistência técnica e extensão rural(Ater), que teve assegurados R$341.605.829. Em 2014 a ampliação

desta rede de apoiotécnico chegou a78,7% das famíliasassentadas no Semiá-rido (91.590 famí-lias); atingiu a uni-versalização desseserviço nos estadosd e P e r n a m b u c o(20.059 famílias) e noCeará (15.289 famí-lias), além do iníciod a a t i v i d a d e d eapoio às famíliasassentadas em reser-vas extrativistas.

J á n a á r e a d einfraestrutura — abertura de estra-das, construção de pontes, bueiros—, o empenho correspondeu a99,99%, isto é, R$ 224.581,570. Oresultado foi a conclusão da aber-

tura e a recuperação de 1.290 quilô-metros de estradas vicinais emtodo o país.

Integração — Além do orça-mento próprio do Incra, em 2014, aintegração de políticas públicas dogoverno federal possibilitou a exe-cução de outros serviços e apoioaos assentados de todo o Brasil,totalizando investimentos daordem R$ 1,7 bilhão em 19 ações,como: Bolsa Verde; Fomento (PlanoBrasil Sem Miséria); ProgramaMinha casa, minha vida — assina-dos com a Caixa Econômica Fede-ral e com o Banco do Brasil; pro-grama Água para Todos; BolsaFamília; Programa de Aquisição deAlimentos (PAA); PAA Leite; Pro-grama Terra Forte, dentre outros.As informações são do Incra.

DA REDAÇÃO

Garantido o acesso à terra, ogoverno federal fará ainda uminvestimento médio de R$ 61,8 milpor família para viabilizar assistên-cia técnica, crédito instalação einfraestrutura — estrada, água,energia elétrica e moradia, somandocerca de R$ 1,9 bilhão ao longo dostrês anos de implantação dos 145assentamentos criados em 2014.

De acordo com os dados divulga-

dos ontem pelo Instituto Nacional deColonização e Reforma Agrária(Incra), a porta de entrada das famí-lias na reforma agrária é sua inscriçãono Cadastro Único para ProgramasSociais, que lhe dá acesso às princi-pais políticas públicas do governofederal. Elas terão ainda assegurada aregularização ambiental por meio doCadastro Ambiental Rural (CAR).

Na fase de instalação do assenta-mento, a família terá acesso aos pri-meiros créditos da reforma agrária. As

operações são feitas pelo sistema ban-cário, mediante o cartão do assentado.

Logo que entrar no assenta-mento, a família ingressa no Ciclo I,que está assim definido: apoio ini-cial I, R$ 2,4 mil; apoio inicial 2, R$2,8 mil; duas operações de fomentono valor de R$ 3,2 mil, cada, eFomento Mulher, em operaçãoúnica no valor de R$ 3 mil.

No Ciclo II, o da Inclusão Produ-tiva, o assentamento poderá aces-sar o microcrédito orientado no

valor de R$ 4 mil por ano, em atétrês operações por família, numvalor total de R$ 12 mil.

No Ciclo III, o da EstruturaçãoProdutiva, a família poderá acessarrecursos de Programa Nacional deFortalecimento da AgriculturaFamiliar (Pronaf), por meio da linhade crédito Mais Alimentos para aReforma Agrária no valor de R$ 25mil para financiar atividades pro-dutivas de custeio e investimento.As informações são do Incra.

DA REDAÇÃO

Cento e setenta e cinco bovi-nos da raça guzerá, incluindobezerros, todos oriundos do RioGrande do Norte, foram embar-cados na última segunda-feira,no Aeroporto InternacionalGovernador Aluizio Alves, emSão Gonçalo do Amarante (RN)com destino ao continente afri-cano. Esses são os primeirosanimais vivos a serem exporta-dos para o Senegal, após oEstado brasileiro receber, em2013, o status de Área Livre daFebre Aftosa com Vacinação e oreconhecimento internacional,fato pioneiro na pecuária daregião Nordeste. As informa-ções foram divulgadas ontempelo Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastec imento(Mapa).

O voo especial ocorreu emum Airbus 747-400, que deco-lou às 23h de segunda-feira echegou aproximadamente qua-tro horas depois ao seu destino,na capital Dakar. A Unidade deVigilância Agropecuária Inter-nacional da SuperintendênciaFederal de Agricultura no RioGrande do Norte (Uvagro-Aeroporto/SFA-RN) acompa-nhou o embarque durante todoo dia.

Foram necessários seis cami-nhões para o transporte dosanimais da fazenda, localizadano município de Monte Alegre,o n d e s e e n c o n t r a v a m e mregime de quarentena, até oaeroporto. Nas semanas anteri-ores, os animais foram acompa-nhados de perto pelos fiscaisfederais do Serviço de Saúde,Inspeção e Fiscalização Animal

(SIFISA) e por técnicos do Insti-tuto de Defesa e Inspeção Agro-pecuária do RN (Idiarn), órgãoestadual de defesa agropecuá-ria, garantindo o cumprimentodas normas zoosani tár iaslegais.

P a r a o s re p re s e n t a n t e ssenegalenses, a escolha daraça levou em consideração ofato de o gado guzerá ter seadaptado muito bem ao climado semiár ido nordes t ino ,semelhante às condições queencontrarão em terras africa-n a s . N e s s a s c o n d i ç õ e s , ogoverno do Senegal apostouno pro je to cu jo ob je t ivo éampliar a produtividade e aprodução de bovinos, e temperspectivas de expandir aexperiência para outros paí-ses da região, segundo o dire-tor Omar Thiam.

AGRONEGÓCIO

Brasil exporta 175 bovinos vivos para o Senegal

PECUÁRIA

Oferta e demanda estão desequilibradas

Aquisição degado de reposição

será o maiordesafio em 2015

Valorização dos preços do bezerro é superior à registrada nos valores pagos pela arroba do boi gordo

DIVULGAÇÃO

REFORMA AGRÁRIA

Governo criou 145 assentamentos rurais em 2014

Meta é investir R$ 61,8 mil por família

Assentados terão incentivos para a agricultura familiar

EMATER/DIVULGAÇÃO

JOSÉ OSWALDO COSTA*

A Fiat Strada é a líderincontestável do segmentode picapes compactas hámais de 13 anos. De acordocom os números da Fede-ração Nacional da Distri-buição de Veículos Auto-motores (Fenabrave), até odia 17 de dezembro suadiferença em vendas para asegunda colocada era dequase o dobro: 147.016 uni-dades emplacadas contra78.764 da Saveiro. Mas aVolkswagen está procu-rando diminuir esta dife-rença e tomou duas acerta-das medidas neste sentido.Lançou a opção da cabinedupla e passou a equipar av e r s ã o t o p o d e l i n h a ,Cross, com motor 1.6 16V.

A Saveiro cabine duplaf o i l a n ç ad a no f i m d eagosto, mas somente che-gou às concessionárias damarca na segunda quin-zena de setembro. Por-tanto, para a comparaçãoque fa remos a segu i r,en tendemos que ser iam e l h o r, e m a i s j u s t o ,excluir o mês de setembro.Assim sendo, de janeiro aagosto de 2014, a picape daVW obteve uma médiamensal de vendas de cercade 6.090 unidades. Já emo u t u b ro , n o v e m b ro edezembro, contando com anova opção de carroceriano seu portfólio, a médiapassou para mais de 8 milunidades/mês.

Um belo salto. Porém,ainda bastante aquém dasprevisões da montadoradurante a apresentação domodelo à imprensa especi-alizada. Isto porque a VWesperava alcançar, em2014, a meta de 110 mil uni-dades da Saveiro emplaca-das no nosso mercado. Mas

este número não chegou a100 mil.

Recebemos a SaveiroCross cabine dupla paraavaliações. De cara, umaobservação pert inentetanto a ela quanto à FiatStrada com esse tipo decarroceria: colocar doisadultos no banco traseiro(a VW chega a falar emtrês!) é algo que somentedeve ser feito em trechosu r b a n o s e e m c a s o d emuita necessidade. Ou emrodoviários (bem) curtos.Viagens longas, nem pen-sar.

Não adianta , não hácomo fazer mágica ema l g u m a s s i t u a ç õ e s , oespaço para as pernas émínimo e incômodo. Osdois modelos são muitobem-vindos, por exemplo,para casais novos, com umestilo mais aventureiro,que acabam de ter o pri-meiro filho. Ele viajará con-fortavelmente na cadeiri-nha instalada no bancotraseiro. Mas, quando essacriança crescer, “espichar”as pernas, será o momentode trocar de carro. Os joe-lhos ficam bastante pressi-onados no banco da frente,o que va i se tornandomui to descon fo r t áve lquanto mais tempo vocêpassa ali.

Solução — Uma solução,alguns poderiam dizer, éarredar o banco do passa-geiro o máximo possívelpara frente. Mas neste caso,tanto ele quanto o de trásficarão mal acomodados. Oprimeiro, pela grande pro-ximidade com o painel, oque, aliás, depõe contratodas as normas básicas desegurança. O segundo por-que, por mais que se afasteo banco dianteiro, o espaço

atrás continua limitado.O banco traseiro conta

com encostos de cabeçapara os três ocupantes, maso cinto de segurança cen-tral é somente abdominal.As janelas são basculantese a s e x t r e m i d a d e s d obanco contam com porta-copos e, do lado direito,tomada de 12V. Embaixodele, no centro, pequenaportinhola que escondechave de roda, macaco etriângulo de forma organi-zada e de fácil acesso. Ovidro traseiro possui osempre útil desembaçador.Na frente, absolutamentenenhuma alteração emrelação à Saveiro Crosscabine estendida. Acaba-mento, materiais, desenhodo painel e quadro de ins-trumentos são idênticos.

* Colaborador

14

A melhor novidade daSaveiro Cross cabine duplafoi a adoção do eficientemotor 1.6 16V (110 cv/120cv). O anterior, de oito vál-vulas e ainda utilizado namaioria dos modelos dalinha VW, é econômico etem bom torque em baixa,o que auxilia no “anda epara” do congestionadotrânsito das cidades, poisdiminui a necessidade detrocas constantes de mar-chas. Mas deixa a desejarno quesito agilidade, poisas marchas são muito lon-gas, o que acaba prejudi-cando o desempenho, fatoainda mais perceptível emrodovias.

Problema resolvido! As16 válvulas trazem o “tem-pero” que faltava para acondução da picapinha,t o n a n d o - a b e m m a i sesperta, tanto no trânsitourbano quanto, principal-mente, em estradas. Comonada é perfeito, para des-frutar melhor dessa agili-dade, as trocas de marchaspassam a ser mais constan-tes, já que as 16 válvulasexigem rotações mais altaspara desempenharem bemo seu papel.

A Saveiro Cross cabinedupla conta, entre outros,com freios com ABS e EBD,

airbag duplo, controle ele-trônico de estabilidade(ESC), assistente de parti-das em rampas, ar-condici-onado, coluna de direçãocom ajustes de altura e pro-fundidade (a Fiat Stradaconta somente com o dealtura), volante multifunci-onal, sensor de estaciona-mento traseiro, rodas emliga leve de 15 polegadas,trio elétrico (vidros, travase retrovisores), faróis deneblina, desembaçador dovidro traseiro e capotamarítima.

Como opcionais, bancosrevestidos com o chamado“couro sintético”, espelhoretrovisor interno eletro-crômico, sensores de chuvae crepuscular e piloto auto-mático. Na tabela da Fun-dação Instituto de Pesqui-sas Econômicas (Fipe), opreço da Saveiro Cross 1.616V cabine dupla é R$5 9 , 3 2 m i l . N a m e s m atabela , o preço da FiatStrada Adventure Locker1.8 16V cabine dupla é R$60,18 mil. Se for equipadacom o câmbio automati-zado Dualogic, o preçopassa para R$ 63,48 mil. Jáa Saveiro Cross com cabineestendida tem o preço deR$ 52,80 mil. Ou seja, adiferença de preço entre as

duas carrocerias é de cercade R$ 6,5 mil.

Escolha — E esta dife-rença deve ser bem pesadana hora da escolha. Istoporque, se você não temqualquer necessidade delevar passageiros, a cabinedupla não faz sentido. Atéporque, quem procura essetipo de veículo, por ummotivo ou outro está que-rendo (ou precisando) deuma caçamba razoávelpara levar, por exemplo,aquela moto de trilha ou

uma moutainbike.Neste caso, veja que a

diferença entre a capaci-dade de carga entre uma eoutra é bem razoáve l :cabine estendida — 734litros; cabine dupla — 580litros. Perde-se em volumena caçamba e não se ganhaum espaço interior tãogrande assim. Algo a sercolocado na balança, comcerteza.

Por fim, um dado inte-ressante que, apesar dedizer respeito especifica-mente à concorrente, cabe

para a picape da VW jáque, provavelmente, foium dos fatores para suacriação. Segundo diretoresda Fiat Automóveis, nocatálogo da Strada a quemais vende, que possuimaior procura, são as ver-sões com cabine dupla.Essa carroceria é responsá-vel por cerca de 50% dasvendas da picape com-pacta.

Com todos os poréns deespaço que apontamos,p a re c e a l g o q u e n e m“Freud conseguiria expli-

car”. Particularidades dom e r c a d o b r a s i l e i r o .Levando-se esta informa-ção em conta, é possívelimaginar que a VW alcan-çará sua meta de vendaspara a Saveiro neste ano.Bons atributos ela tem. Eos defei tos , por ass imdizer, são compartilhadoscom sua maior concor-rente, que leva grandevantagem no fato de ofere-cer três portas, o que faci-l i t a , s o b re m a n e i r a , oacesso ao diminuto espaçodo banco traseiro. (JOC)

DC [email protected]

Saveiro Cross cabine dupla: agora, sim!

IMPRESSÕES AO DIRIGIR

Para encarar a líder de vendas, picape compacta da VW recebe nova opção de carroceria e motor 1.6 16V

Adoção do eficiente motor 1.6 16V é a melhor novidade

FOTOS: JOSÉ OSWALDO COSTA

R i o d e J a n e i r o — OÍndice Geral de Preços - Dis-ponibilidade Interna (IGP-DI) desacelerou de alta de1,14% em novembro parae l evação de 0 ,38% emdezembro, informou ontema Fundação Getulio Vargas(FGV). Com o resultado, oIGP-DI acumulou uma altade 3,78% em 2014, resultadodentro do intervalo das pro-jeções do mercado finan-ceiro, que estimavam avançode 3,72% a 4,00%, com medi-ana de 3,88%.

Entre os indicadores quecompõem o IGP-DI, desta-que para o avanço do Índicede Preços ao Consumidor— Disponibilidade Interna(IPC-DI), com peso de 30%no IGP-DI e mensura ainflação no varejo. A alta doIPC-DI passou de 0,65% emnovembro para 0,75% emdezembro. A maior contri-buição partiu do grupo ali-mentação (de 0,65% emnovembro para 1,06% emdezembro), com destaquepara o comportamento doitem alimentos prontos con-gelados, que passou de -0,55% para alta de 2,69%.

Também apresentaramaceleração os grupos trans-portes (de 0,62% para 0,66%),saúde e cuidados pessoais (de0,42% para 0,52%), vestuário(de 0,46% para 0,72%) ecomunicação (de 0,31% para0,49%). Nessas classes de des-pesa, sobressaíram-se as tarifade táxi (de 0,00% para 8,67%),artigos de higiene e cuidadopessoal (de -0,16% para0,24%), roupas (de 0,38% para0,94%) e tarifa de telefonemóvel (de 0,57% para 1,00%).

Os três grupos que dimi-nuíram o ritmo de alta emdezembro no âmbito doIPC-DI foram habitação (de0,83% para 0,70%); educa-ção, leitura e recreação (de1,02% para 0,89%) e despe-sas diversas (de 0,25% para0,20%), em que destacaram-se a tarifa de eletricidaderesidencial (de 3,73% para2,65%), passagem aérea (de23,41% para 14,70%) e ser-viço religioso e funerário(de 0,49% para 0,05%).

Atacado — Já o Índice dePreços ao Produtor Amplo(IPA-DI), que representa oatacado e tem peso de 60%

na composição do IGP-DIsubiu 0,30% no mês pas-sado, após avançar 1,44%em novembro. Os preçosdos produtos agropecuá-rios subiram 0,72% no mêspassado , após a l t a de2,93% em novembro. Já osprodutos industriais noatacado registraram alta de0,13%, após avanço de0,89% na mesma base decomparação.

Dentro do Índice de Pre-ços por Atacado segundoEstágios de Processamento(IPA-EP), que permite visua-lizar a transmissão de preçosao longo da cadeia produ-tiva, os preços dos bensfinais subiram 1,24% emdezembro, após aumento de1,13% no mês anterior.

Por sua vez, os preçosdos bens intermediáriossubiram 0,32% no mês pas-sado, em comparação aoa v a n ç o d e 1 , 4 2 % e mnovembro. Já os preços dasmatérias-primas brutasregistraram redução de0,87%, ante elevação de1,86% na mesma base decomparação.

Construção — Por fim,com peso de 10% na com-p o s i ç ã o d o I G P - D I , oÍndice Nacional de Custoda Construção (INCC)registrou, em dezembro,variação de 0,08%, abaixodo resultado do mês ante-rior, de 0,44%. O índicerelativo a materiais, equi-pamentos e serviços regis-trou variação de 0,18%. Nomês anterior, a taxa haviasido 0,42%. O índice querepresenta o custo da mãode obra variou em dezem-bro. No mês anterior, oíndice ficou em 0,46%.

O núcleo do IPC-DI dedezembro subiu 0,50%,taxa levemente maior doq u e a r e g i s t r a d a n onúcleo anterior, de 0,48%,referente a novembro. Onúcleo do IPC-DI é usadopara mensurar tendên-cias e calculado a partirda exclusão das princi-pais quedas e das maisexpressivas altas de preçon o v a r e j o . A i n d a d eacordo com a FGV, onúcleo acumulou umaa l ta de 6 ,17% no anopassado. (AE e ABr)

15

Brasília - O Banco Cen-tral divulgou no final datarde desta quinta-feira,8, acircular 3.743, que regula-menta as atividades dedepósito centralizado e deregistro de ativos financei-ros.

Estes temas são parte dalei 12.810, de maio de 2013,que determina que BC eComissão de Valores Mobi-liários (CVM) devem auto-rizar, supervisionar e esta-belecer condições para essaatividade. Ao BC compe-tem os ativos financeiros eà CVM, valores mobiliá-rios.

Os ativos que estão sob aguarda de bancos, os cus-todiantes, devem ser trans-feridos para uma centraldepositária, assim como jáocorria com o mercado deações. Agora, a medidapassa a valer também, por

exemplo, para debêntures,papéis de renda fixa.

Essa central depositáriaé responsável pela guardae liquidação dos ativos sema transferência de seusvalores para o patrimônio.Até porque, de acordo coma lei, o valor dos ativosdeve permanecer nas con-tas de depósito centrali-zado em nome do verda-deiro titular.

Na prática, essa presta-ção de serviços tem comoobjetivo assegurar que umdeterminado ativo estáimobilizado e realmentepertence a determinadoinvestidor.

O depósito centralizadoe o registro são vistos comoferramentas essenciaispara a negociação de umativo em mercado e para omonitoramento da estabili-dade do Sistema Finan-

ceiro Nacional.O principal objetivo da

norma, de acordo com oBC, é assegurar condiçõespara o desenvolvimentoseguro do mercado brasi-leiro, em linha com os prin-cípios e padrões mundial-mente estabelecidos comoos mais indicados para pre-venir crises financeiras.

Entenda — O depósitocentralizado é o registroescritural que garante aexistência dos ativos finan-ceiros, sua propriedade esua disponibilidade para anegociação. É o que ocorre,por exemplo, com os títu-los públicos federais —que são realizados pormeio do Sistema Especialde Liquidação e Custódia(Selic) do próprio BancoCentral. Para a instituição,o depósito centralizado

confere maior segurança eeficiência às operaçõesenvolvendo ativos finan-ceiros.

A circular do BC sobre otema ent rou em vigorontem, data da sua publi-cação, mas as entidadesque exercem as atividadesde registro e de depósitocentral izado de at ivosfinanceiros deverão sub-meter seu regulamento aoDepartamento de Opera-ções Bancárias e de Sistemade Pagamentos (Deban)em até 90 dias, contados apartir de ontem.

Há pouco mais de umano, em 20 de dezembro de2013, a Comissão de Valo-res Mobiliários (CVM) edi-tou a instrução 541, disci-plinando esse serviço, quecomeçou a valer em 1 dejulho do ano passado. Elecompreende as seguintes

atividades: guarda dosvalores mobiliários pelodepositário, controle detitularidade dos valoresmobiliários em estruturade contas de depósito man-tidas em nome dos investi-dores, imposição de restri-ções à prática de atos dedisposição dos valoresmobiliários fora do ambi-ente do depositário e o tra-tamento das instruções demovimentação e dos even-tos incidentes sobre osvalores mobiliários deposi-tados, com os registros nascontas de depósito

Com isso, a nova regrada CVM passou a assegu-rar aos investidor a integri-dade dos valores mobiliá-rios de mercados abertosou fechados - mercados debolsa e balcão organizado.Essa central ização dosregistros permite identifi-

car os agentes e as origensdos negócios com maisp r e c i s ã o . A o m e s m otempo, a CVM atualizou asregras que existiam dadécada de 80 . Sem umdepósito centralizado, nãoé possível, por exemplo,distribuir valores mobiliá-rios.

A instrução previu tam-bém a criação de cargos dediretores estatutários paraconferir o cumprimentodas normas e os procedi-mentos de fiscalizaçãointerna. Na época, a CVMesclareceu que o depósitodo ativo era diferente doregistro das operações rea-lizadas com ele — estamedida foi criada para queo controle de sua titulari-dade seja mantido sem anecessidade de analisarcada uma de suas negocia-ções. (AE)

Rio de Janeiro — A Fun-d a ç ã o G e tú l io Va rga s(FGV) também divulgouontem o Índice de Preçosao Consumidor Semanal(IPC-S), que teve alta de0,96%, na primeira apura-ção de 2015, o que repre-senta um acréscimo de 0,21ponto percentual sobre oresultado de dezembro(0,75%).

O levantamento feitonas principais capitais dopaís, pelo Instituto Brasi-leiro de Economia da FGV(Ibre/FGV), indica eleva-ções nos preços em quatrodos oito itens pesquisados,com destaque para a habi-tação (de 0,7% para 1,21%).Essa alta foi puxada, prin-cipalmente, pela tarifa deeletricidade residencial (de2,65% para 5,85%).

F o r a m c o n s t a t a d o savanços com taxas superi-ores aos da última apura-ção nos seguintes grupos:al imentação (de 1,06%para 1,41%), sob o impactodas hortaliças e legumes(de 4,46% para 7,91%);transportes (de 0,66% para0,8%), influenciado pelatarifa de ônibus urbano (de0,43% para 1,71%), e des-pesas diversas (de 0,2%para 0,51%), que reflete oaumento de preços doscigarros (de -0,07% para0,54%).

Nos quatro grupos restan-tes, os reajustes nos preçosforam menores aos ocorri-dos em dezembro. O itemque apresentou a maior taxafoi educação, leitura e recre-ação (de 0,89% para 0,79%).Já vestuário liderou a quedano ritmo de correções aosubir 0,38% ante 0,72%. Emsaúde e cuidados pessoais, ataxa passou de 0,52% para0,46%. Em comunicação aalta na primeira apuração doano foi 0,49% ante 0,41%,registrado em dezembro.

Os itens que mais pressi-onaram a inflação no perí-odo foram batata-inglesa(30,5%), tarifa de ônibusurbano (1,71%), condomí-nio residencial (1,63%) ea l u g u e l r e s i d e n c i a l(0,87%). Outros apresenta-ram queda nos preçoscomo o leite tipo longavida (-3,49%), tomate (-7,02%), a gasolina (-0,45%),banana-nanica (-6,99%) eg e l a d e i r a e f re e z e r ( -1,29%). (ABr)

São Paulo — O significativo arrefeci-mento do Índice Geral de Preços — Dis-ponibilidade Interna (IGP-DI) entrenovembro (1,14%) e dezembro (0,38%)foi puxado especialmente pelo alívio dainflação agropecuária, avaliou o econo-mista Bernard Gonin, da Bozano Inves-timentos. “Já tinha mostrado desacele-ração, mas veio ainda mais forte. Daívem quase toda a surpresa”, disse.

Dentre as principais quedas, o econo-mista citou o recuo maior que o esperadodas aves, de 3,82% ante baixa de 1,54% emnovembro. A estimativa da Bozano eradeflação de 1,7%. Além disso, mencionouo declínio de 5,82% do minério de ferro,após retração de 5,02%, ante expectativanegativa de 3,2%. “Mas devem devolver,principalmente a parte agrícola, que já

subiu forte nos primeiros dias de janeiro”,avaliou.

A despeito da desaceleração do IGP-DI em dezembro, Gonin acredita queem janeiro o indicador poderá voltarpara a marca de 1,00%, devendo atingircerca de 1,30%. As pressões, disse,devem advir dos alimentos de ciclocurto, como sazonalmente acontece, dosegmento de pecuária, aves, além dospreços administrados, como os de ele-tricidade e transportes urbanos.

“A tendência é de aceleração dosagropecuários, mas a inflação no varejodeve puxar mais. Tem energia elétrica,alimentos e tarifas de ônibus. A alta doIPC (Índice de Preços ao Consumidor)vai ser uma bomba em janeiro, perto de1,00%”, estimou. (AE)

FINANÇ[email protected]

IGP-DI desacelera em dezembro

Preços agropecuários deram alívio

INFLAÇÃO

Alta passou de 1,14% em novembro para 0,38%; em 2014, elevação acumulada foi de 3,72%

Banco Central regulamenta depósito centralizadoNOVAS REGRAS

IPC-S avança0,96% na 1ª

semana de 2015

Os alimentos congelados passaram de -0,55% em novembro para alta de 2,69%

ALISSON J. SILVA

São Paulo — O Brasil nãoacompanhou o ritmo global deaberturas de capital de empresas efechou 2014 com apenas umaoferta inicial pública de ações (IPO,na sigla em inglês), enquanto omundo registrou um aumento de35% no volume de companhiasque entraram no mercado acioná-rio. Segundo relatório da consulto-ria Ernst & Young (EY), no ano pas-sado foram realizados 1.206 IPOsglobais, que captaram US$ 256,6bilhões. No Brasil, o único negóciofinalizado arrecadou R$ 348,7milhões.

Para Maria Pinelli, vice-presi-

dente global de Mercados Estra-tégicos da EY, 2014 foi bom paraos IPOs globais, mas passoulonge de ser um ano com quebrade recordes. De acordo com ela,foi o melhor ano em número deempresas entrando no mercadodesde a crise financeira de 2007,mas o último trimestre maisfraco que o esperado prejudicouo resultado final e a atividadenão conseguiu chegar aos pata-mares pré-crise.

O mercado brasileiro de ações,por sua vez, foi impactado pelocenário econômico doméstico e acorrida eleitoral, segundo o ana-

lista Luciano Cunha, sócio deCapital Markets da EY. Já 2015começa com quatro ofertas deações em análise pela Comissãode Valores Mobiliários (CVM):T4U Brasil, Ouro Verde, JBSFoods e Azul.

Neste ano, a EY prevê umambiente mais desafiador paraos IPOs, com o FMI diminuindosuas estimativas de crescimentopara a economia global e a voltada volatilidade do mercado. Jáno Brasil, a expectativa é que amudança da equipe econômica,as novas regras emitidas pelaCVM e a in tens i f i cação do

Bovespa Mais possam resultarem um aumento no volume deofertas para 2015, prevê Cunha.

Private equity — Os fundos deprivate equity corresponderampor quase metade do valor totalgerado pelos IPOs globais em2014, melhor desempenho alcan-çado desde 2001. As 328 ofertasque tiveram apoio financeirochegaram à marca dos US$ 124,4bilhões, um aumento de 86% emrelação a 2013.

Dos 129 IPOs em que houveabertura de capital em bolsas depaíses diferentes da sede da

empresa, 52% foram realizadosnos Estados Unidos. Londrescorrespondeu por 22% dos negó-cios, Austrália representou 9% eCingapura recebeu 4% dos cha-mados crossboarder deals.

Os três setores da indústriaque mais t iveram empresasabrindo capital foram saúde,com 193 IPOs, seguido por tecno-logia, com 167, e indústria, com142. Em termos de capital levan-tado, o setor de tecnologia foi olíder em 2014, impulsionado pelaoferta do Grupo Alibaba. O seg-mento levantou US$ 50,2 bilhõesno ano passado. (AE)

16

São Paulo — O dólar fechouem queda ontem, no mercado àvista, influenciado principal-mente pela notícia do contingen-ciamento fiscal. No termino dasessão, o dólar à vista caiu 1,44%,a R$ 2,6680. O volume de negó-cios totalizava US$ 1,261 bilhão,por volta das 16h30. No mercadofuturo, o dólar para fevereirorecuava 0,59%, a R$ 2,6855.

Antes da abertura dos negó-cios, decreto publicado no “Diá-rio Oficial da União” mostrouque o governo federal reduziu a1/18 (um dezoito avos), de 1/12(um doze avos), o montante degastos que estão autorizados, porlei, a ministérios e secretariasantes da aprovação do Orça-mento de 2015 pelo CongressoNacional.

A intenção é reforçar o esforçopara o cumprimento da meta fis-cal de R$ 66,3 bilhões deste ano,ou de 1,2% do Produto InternoBruto (PIB). O valor correspondea um total de R$ 3,775 bilhões,representando um bloqueiomensal de R$ 1,9 bilhão.

Ajudou também a ata do dareunião de política monetária doFederal Reserve (Fed), divulgadaapós o fechamento dos negócios

no balcão, anteontem.

Juros — O anúncio do corte degastos pelo governo e dados daatividade industrial mais fracosque o esperado — a atividadecaiu 0,7% em novembro anteoutubro, segundo o IBGE, piorque o piso das estimativas, de -0,60% — pressionaram as taxasde juros para baixo, principal-mente as de prazo curto e inter-mediário. No vértice mais longoda curva, as taxas terminaram asessão estáveis, passado o efeitodo leilão do Tesouro, que maiscedo, junto com o avanço dosTreasuries, tinha impulsionadoesses contratos para cima.

No fim do pregão regular naB&MF Bovespa, o contrato deDepósito Interfinanceiro (DI) comvencimento em abril de 2015(156.070 contratos) fechou comtaxa de 12,190%, de 12,215% noajuste de anteontem. O DI parajaneiro de 2016 (97.150 contratos)projetava 12,72%, ante 12,74% noajuste anterior. O DI para janeiro de2017 (201.310 contratos) tinha taxade 12,59%, ante 12,61%. No trechomais longo, o DI para janeiro de2021 (135.690 contratos) indicava12,21%, de 12,18%. (AE)

São Paulo — O risco decarteiras de crédito de mui-tos bancos brasileiros queincluem os setores de cons-trução e petróleo cresceucom os escândalos de cor-rupção da Petrobras. A aná-lise é da agência Fitch, quedivulgou ontem uma notasobre o assunto.

De acordo com a agência,as investigações da Opera-ção Lava Jato, que envolvemas maiores construtoras dopaís, aumentaram os desa-fios para o setor bancáriobrasileiro. Isso porque podeh a v e r d i f i c u l d a d e s c o mempréstimos já feitos, comonecessidade de provisõespara perdas e/ou reestrutu-rações de empréstimos em2015, especialmente paragrandes bancos públicos.

O último episódio de clas-sificação de risco da agêncial igado ao escândalo foi orebaixamento da construtoraOAS ontem, que havia feitoum corte na nota no dia 2 dejane i ro . Em novembro , aagência colocou todas asconstrutoras brasileiras ava-liadas em perspectiva nega-tiva devido a preocupaçõessobre os impactos financei-ros das investigações.

Públicos — O país sofre como pequeno crescimento doPIB em 2014 (a expectativada Fitch é de expansão de0,3%), taxas de inflação ele-vadas e desvalorização doreal. Para a agência, essascondições econômicas fracaspara as empresas do paísdevem continuar em 2015 eressalta que quase 35% dosempréstimos de bancos bra-sileiros são para o setor cor-porativo nacional.

A Fitch diz que os casos decorrupção podem reduzir oapetite do mercado interna-cional de capitais pelo riscobrasileiro, além de diminuira disponibilidade local decrédito, afetando a liquidezdas companhias.

Os mais afetados pela dete-rioração de ativos ligados aope t ró l eo e à cons t rução ,segundo a nota, são os bancospúblicos. Isso pelo cresci-mento agressivo dos emprésti-mos feitos a esses setores nosúltimos quatro anos.

Essas instituições tambémseriam as mais suscetíveis ainterferências políticas, quepodem fazê- las e levar osempréstimos a setores estru-turais, que têm sito gargalospara o crescimento do país.

A s e m p r e s a s d e g á s epetróleo, além das indústriasde construção civil, se encai-xam nesse perfil, o que faz osbancos públ i cos es taremmais expostos a esses seg-mentos.

Etano l — Em outra notadivulgada ontem, a Fitch disseque a queda nos preços dopetróleo aumentou o risco daindústria brasileira de etanol eaçúcar. Segundo a agência, osvalores mais baixos aliviarama pressão sobre a Petrobraspara elevar os preços domésti-cos da gasolina, o que dimi-nuiu a demanda por combus-tíveis alternativos.

Os produtores brasileirosprecisariam de uma alta nospreços do etanol para compen-sar a queda do açúcar no mer-cado internacional, mas osaumentos do biocombustívelsó são possíveis se foremacompanhadas pela alta dospreços na bomba. (FP)

São Paulo — O otimismo emrelação à política monetária nosEUA e a expectativa de adoçãode estímulos na Europa impulsi-onaram as bolsas do mundointeiro ontem. No Brasil, o anún-cio do corte de gastos por partedo governo ampliou o bomhumor na BM&FBovespa, quefechou no azul pelo terceiro dia.O Ibovespa, principal índice dabolsa brasileira, fechou em altade 0,97%, para 49.943 pontos. Ovolume financeiro foi de R$ 6,059bilhões. Mas no ano, o Ibovespaainda acumula baixa de 0,13%.

A principal influência positivaontem foi o avanço de 5,88% dasações preferenciais da Petrobras,sem direito a voto. Na véspera, aestatal informou que concluiu comsucesso negociação com credoresque demandavam demonstraçãocontábil do terceiro trimestre de2014 revisada por auditor externoaté fim deste mês.

Em nota, a equipe de análiseda Concórdia Corretora avalioua flexibilização dos credores daPetrobras “como um alento paraa companhia, apesar de repre-sentar apenas um ganho defôlego, e não a solução de seusproblemas”.

“A bolsa brasileira tem umpeso relevante de estrangeiros,que aproveitaram o clima demenor aversão ao risco no exte-rior para buscar ‘oportunidades’na Bovespa. O mercado de açõesdo Brasil está muito barato emdólar, quase que de uma formaincomparável a outros períodos,por isso o fluxo de estrangeirosdeve ser ainda maior em 2015”,diz James Gulbrandsen, sócio dagestora NCH Capital no Brasil.

O analista da Guide Investi-mentos Fabio Galdino diz que obaixo preço da bolsa brasileiraem dólar pode estimular entra-das de curto prazo, mas que oIbovespa “ainda tem mais paracair” nos próximos meses.

O ganho do setor bancário,segmento com maior peso dentrodo Ibovespa, também ajudou oíndice a subir no dia. Banco doBrasil ON, +0,34%, Bradesco PN,+0,52%, e Itaú Unibanco, +1,56%.As units do Santander contraria-ram a tendência e recuaram1,57%. Os papéis fora afetadospela notícia envolvendo a matrizdo banco espanhol, que teve asnegociações suspensas na Espa-nha devido a uma reunião do

conselho. O encontro votaria umaumento de capital de até 7,5bilhões de euros.

Em sentido oposto, as siderúr-gicas caíram fortemente, apósterem registrado ganhos expres-sivos no último pregão. A Usimi-nas encabeçou a lista, com a suaação preferencial registrandobaixa de 5%, para R$ 4,75. A CSNcedeu 2 ,44%, para R$ 5 ,60 ,enquanto a Gerdau perdeu1,92%, para R$ 10,22. (FP e AE)

São Paulo — A construtoraOAS, investigada na operaçãoLava Jato da Polícia Federal,teve ontem suas notas rebaixa-das novamente pela agênciainternacional de classificaçãode risco S&P — que já tinhafeito um corte na segunda-feira. Anteontem, outra agên-cia, a Fitch, já havia tomado amesma medida (novo rebaixa-mento, após um primeiro,ocorrido no dia 2).

Nos dois casos — de S&P eFitch —, as avaliações passa-ram para nível “D”, ainda piordo que o “C”, em que elas see n c o n t r a v am . A m b o s o sníveis, porém, já refletem altaprobab i l idade de de f au l t(calote).

De acordo com a S&P, ocorte de ontem reflete o nãopagamento de juros e princi-pal por parte da OAS relati-v o s à s u a 9 ª e m i s s ã o d e

d e b ê n t u r e s ( t í t u l o s d edívida), de R$ 103 milhões —mesma just i f icat iva dadapela Fitch na quarta-feirapara o rebaixamento.

A S&P destaca ainda queacredita que é “altamente pro-vável que a empresa enfrenteum default generalizado. Por-tanto, toda a dívida em circu-lação poderia estar sujeita aoatual processo de reestrutura-ção.

As notas rebaixadas ontemforam: a atribuída à OAS, deCC para D na escala global ede brCC/brC para D/D naescala nacional Brasil, a dasnotas (títulos) que vencem em2021 da OAS (emitidas por seuv e í c u l o f i n a n c e i ro O A SFinance Ltd.), de CC para D naescala global, e a de sua 9ªemissão de debêntures (títulosde dívida), de brCC para D naescala nacional Brasil. (FP)

FINANÇAS

Brasil não acompanha ritmo global de IPOs

S&P anuncia novo rebaixamentode notas da construtora OAS

MERCADO

Aberturas de capital cresceram 35% no mundo e decepcionaram no país, que registrou só 1 operação em 2014

Escândalos elevam risco decarteira de crédito de bancos

Contingenciamento fiscal faz dólarà vista cair 1,44%, a R$ 2,668

Bolsa tem 3ª alta seguida com exterior e PetrobrasAs units do Santander contrariaram a tendência do setor financeiro na bolsa e recuaram 1,57%

ALISSON J. SILVA

RESUMO NO DIA Discriminação Negócios Títulos/mil Part.(%) Valor em R$(mil) Part.(%)Lote Padrão 749.673 543.042 53,4 5.600.592,77 92,96Fracionário 11.638 191 0,01 3.745,78 0,06Demais Ativos 14.001 93.700 9,21 127.040,02 2,1Total a Vista 775.312 636.934 62,64 5.731.378,58 95,13Termo 330 3.652 0,35 17.923,39 0,29Opções Compra 61.577 297.784 29,28 128.878,08 2,13Opções Venda 11.445 78.351 7,7 108.226,84 1,79Opções Compra Índice 41 18 0 8.776,46 0,14Opções Venda Índice 78 26 0 28.547,73 0,47Total de Opções 73.141 376.180 36,99 274.429,11 4,55BOVESPA Fix 9 (*) 0 609,53 0,01Total Geral 848.792 1.016.768 100 6.024.340,63 100Partic. Novo Mercado 355.292 211.640 20,81 2.535.333,93 42,08Partic. Nível 1 213.001 197.596 19,43 1.689.087,28 28,03Partic. Nível 2 29.993 14.110 1,38 139.620,01 2,31Partic. Balcão Org. Tradicional 268 25 0 2.643,24 0,04Partic. Mais 50 34 0 123,33 0Partic. Ibovespa 637.163 362.186 35,62 5.008.797,17 83,14PARTIC. IBrX 50 573.347 337.596 33,2 4.765.977,57 79,11PARTIC. IBrX 100 704.544 382.084 37,57 5.334.663,99 88,55Partic. IBrA 735.445 396.360 38,98 5.507.832,50 91,42Partic. MLCX 592.161 335.060 32,95 4.917.297,29 81,62Partic. SMLL 143.959 61.574 6,05 593.685,66 9,85Partic. ISE 262.836 107.353 10,55 2.228.823,49 36,99Partic. ICO2 261.721 120.390 11,84 2.375.972,65 39,43Partic. IEE 48.560 14.269 1,4 247.153,91 4,1Partic. INDX 182.727 93.985 9,24 1.025.245,34 17,01Partic. ICON 185.111 84.634 8,32 1.445.000,29 23,98Partic. IMOB 41.990 22.797 2,24 142.316,17 2,36Partic. IFNC 118.022 58.641 5,76 1.394.178,46 23,14Partic. IMAT 96.963 54.413 5,35 684.777,68 11,36Partic. UTIL 57.724 17.017 1,67 281.120,01 4,66PARTIC. IVBX 2 280.709 124.705 12,26 1.549.614,81 25,72Partic. IGC 558.608 260.262 25,59 4.193.040,60 69,6Partic. IGCT 551.038 255.196 25,09 4.150.193,12 68,89Partic. IGNM 344.018 148.859 14,64 2.433.956,28 40,4Partic. ITAG 480.706 211.133 20,76 3.571.038,38 59,27Partic. IDIV 120.236 61.638 6,06 797.816,60 13,24Partic. IFIX 1.811 143 0,01 12.292,49 0,2Partic. BDRX 89 42 0 4.863,84 0,08(*) 601 BOVESPAFIX

MERCADO À VISTA Cotação unitária - Lote Padrão Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.MMMC34 3M DRN 108,99 108,99 110,4 110,4 2,24%ABCB4 ABC BRASIL PN EJS N2 11,98 11,78 12,11 11,92 0,08%ABRE3 ABRIL EDUCA ON NM 10,49 10,2 10,72 10,3 0,19%EALT4 ACO ALTONA PN 18,47 18,47 18,47 18,47 -2,32%GETI3 AES TIETE ON 15,26 14,69 15,3 14,69 -3,98%GETI4 AES TIETE PN 18,7 18,03 18,72 18,05 -3,42%ALSC3 ALIANSCE ON NM 16,18 15,53 16,3 15,95 1,14%ALLL3 # ALL AMER LAT ON NM 4,52 4,39 4,65 4,57 1,55%AORE3 ALL ORE ON 0,2 0,19 0,22 0,21 5,00%ALPA4 ALPARGATAS PN N1 6,67 6,65 6,8 6,75 1,50%ALUP11 ALUPAR UNT N2 17,68 17,31 18,04 17,94 1,58%AMZO34 AMAZON DRN 405,39 403,57 408,65 403,57 -0,02%BAZA3 AMAZONIA ON 0,26 0,25 0,26 0,25 0,00%ABEV3 # AMBEV S/A ON EJ 16,43 16,26 16,68 16,48 0,36%AXPB34 AMERICAN EXP DRN ED 243,15 243,15 246,58 246,58 1,41%AMGN34 AMGEN DRN 422,88 422,88 422,88 422,88 -0,25%ANIM3 ANIMA ON NM 25,71 24,52 26,6 25,51 -0,77%AAPL34 APPLE DRN 29,68 29,68 29,94 29,94 2,01%ARZZ3 AREZZO CO ON NM 24,64 24,5 24,77 24,68 -0,48%ARTR3 ARTERIS ON NM 11,62 11,5 11,89 11,86 2,68%ATTB34 ATT INC DRN ED 90,24 90,24 90,24 90,24 0,00%BTOW3 B2W DIGITAL ON NM 21 20 21 20,36 -3,36%BPAN4 BANCO PAN PN N1 2,17 2,15 2,2 2,2 2,80%BGIP3 BANESE ON 21 21 21,5 21,5 -11,88%BEES3 BANESTES ON EJ 0,39 0,39 0,39 0,39 -2,50%BEES4 BANESTES PN EJ 0,4 0,38 0,42 0,42 0,00%BOAC34 BANK AMERICA DRN 41 41 41 41 -11,44%BRSR6 BANRISUL PNB N1 13,63 13,14 13,8 13,33 -2,34%BSAN33 BANSANTANDER DR3 22,1 22,1 22,1 22,1 -3,91%BBSD11 BB ETF SP DV CI 37,15 37,15 37,6 37,26 0,16%BBSE3 # BBSEGURIDADE ON NM 30,59 29,55 30,59 30,16 -0,46%BEMA3 BEMATECH ON NM 9,2 9,2 9,47 9,29 0,97%BERK34 BERKSHIRE DRN 401,9 401,9 404,71 402,62 0,90%BHGR3 BHG ON NM 17,49 17,16 17,49 17,3 -0,57%BICB4 BICBANCO PN N1 5,66 5,53 5,78 5,59 0,17%BIOM3 BIOMM ON MA 7,5 7,03 7,9 7,9 -3,06%BSEV3 BIOSEV ON ES NM 7 7 7 7 -1,96%BVMF3 # BMFBOVESPA ON NM 9,89 9,57 9,9 9,61 -1,02%BOEI34 BOEING DRN 350,84 350,84 350,84 350,84 1,42%BOBR4 BOMBRIL PN 2,5 2,5 2,7 2,7 8,00%BBRK3 BR BROKERS ON NM 2,44 2,41 2,49 2,45 0,40%BRIN3 BR INSURANCE ON NM 2,9 2,7 2,98 2,73 -5,20%BRML3 # BR MALLS PAR ON NM 16,32 15,76 16,34 16,12 0,49%BPHA3 BR PHARMA ON NM 2,16 1,92 2,16 1,92 -10,69%BRPR3 # BR PROPERT ON NM 10,32 10,13 10,54 10,39 1,76%BBDC3 # BRADESCO ON EJ N1 36,01 35,5 36,69 36,26 0,22%BBDC4 # BRADESCO PN EJ N1 37 36,3 37,41 37,08 0,51%BRAP3 BRADESPAR ON N1 11,82 11,82 12,34 12,33 1,31%BRAP4 # BRADESPAR PN N1 14,67 14,16 14,67 14,5 0,06%BBAS3 # BRASIL ON NM 23,77 23,22 23,98 23,56 0,34%AGRO3 BRASILAGRO ON NM 8,8 8,7 8,8 8,7 -1,58%BRKM3 BRASKEM ON N1 10,7 10,7 10,79 10,79 -1,19%BRKM5 # BRASKEM PNA N1 16,1 15,64 16,26 16,04 0,25%BMTO4 BRASMOTOR PN 0,79 0,77 0,79 0,79 -1,25%BRFS3 # BRF SA ON EDJ NM 64,6 62,85 64,8 63,15 -1,78%BBTG11 BTG PACTUAL UNT EJ 27,79 27,47 27,85 27,75 0,18%XBOV11 CAIXAETFXBOV CI 49,14 49,14 50,01 49,81 0,44%CAMB4 CAMBUCI PN 1,4 1,4 1,43 1,43 0,00%CATP34 CATERPILLAR DRN 237,5 237,5 237,5 237,5 -3,35%CCRO3 # CCR SA ON NM 15,6 15,51 16 15,78 1,15%CCXC3 CCX CARVAO ON NM 0,19 0,18 0,19 0,18 -5,26%CEDO4 CEDRO PN N1 9,29 9,29 9,75 9,75 -0,51%CLSC4 CELESC PN N2 13,84 13,6 13,84 13,6 -1,73%CEPE5 CELPE PNA EJ 13 13 13 13 0,00%CMIG3 CEMIG ON EJ N1 13,49 13,14 13,72 13,14 -1,57%CMIG4 # CEMIG PN EJ N1 12,55 12,26 12,77 12,26 -1,52%CESP5 CESP PNA N1 25,3 25,3 25,3 25,3 1,15%CESP6 # CESP PNB N1 26,68 26,3 27,21 26,7 0,41%CTIP3 # CETIP ON EJ NM 32,52 32,52 33,41 33,25 1,52%HGTX3 # CIA HERING ON NM 19,2 19,2 19,63 19,48 1,45%CIEL3 # CIELO ON NM 38,24 37,9 39,25 39 2,76%CSCO34 CISCO DRN ED 74,85 74,85 74,85 74,85 1,89%CBMA4 COBRASMA PN 0,03 0,03 0,03 0,03 0,00%COCA34 COCA COLA DRN 116,13 116,13 117,35 117,35 -5,59%COCE5 COELCE PNA 37,91 36,91 38,12 38 2,15%COLG34 COLGATE DRN 186,9 186,9 186,9 186,9 -0,84%CMCS34 COMCAST DRN ED 151,5 151,5 152,35 152,35 1,86%CGAS3 COMGAS ON 44 44 45,5 44,5 -3,26%CGAS5 COMGAS PNA 46,22 44,6 46,22 45,05 -2,06%CTAX4 CONTAX PN N2 1,92 1,9 1,96 1,9 0,00%CTAX11 CONTAX UNT N2 10,86 10,78 11,47 11,16 3,33%CSMG3 COPASA ON NM 26,95 26,32 27,08 26,6 -1,22%CPLE3 COPEL ON N1 24,22 23,59 24,22 23,79 -0,04%CPLE6 # COPEL PNB N1 34,83 34,21 35,27 34,47 -0,72%CSAN3 # COSAN ON NM 25,99 25,01 26,18 25,8 1,21%RLOG3 COSAN LOG ON NM 2,64 2,57 2,67 2,65 0,00%CZLT33 COSAN LTD DR3 18,48 18,3 19,38 19,15 2,40%CTNM4 COTEMINAS PN 0,79 0,75 0,82 0,75 -5,06%CPFE3 # CPFL ENERGIA ON NM 18,56 18,2 19,04 19 2,81%CPRE3 CPFL RENOVAV ON NM 11,64 11,32 11,64 11,5 -1,20%CARD3 CSU CARDSYST ON NM 2,83 2,71 2,96 2,96 4,59%CVCB3 CVC BRASIL ON NM 14,76 14,15 14,8 14,15 -3,54%CCPR3 CYRE COM-CCP ON NM 12,14 12,14 12,14 12,14 -2,01%CYRE3 # CYRELA REALT ON NM 11,45 11,25 11,49 11,4 0,79%DASA3 DASA ON NM 11,14 10,91 11,2 11,14 0,08%DAYC4 DAYCOVAL PN EJ N2 8,5 8,38 8,66 8,41 -0,94%DIRR3 DIRECIONAL ON NM 7,8 7,6 7,82 7,76 0,77%DOHL4 DOHLER PN 4,2 4,2 4,2 4,2 0,00%DTCY3 DTCOM-DIRECT ON 0,4 0,35 0,4 0,4 0,00%DAGB33 DUFRY AG DR3 390 383,28 392,95 385,5 -0,12%DTEX3 # DURATEX ON NM 8,03 7,81 8,03 7,95 0,88%EBAY34 EBAY DRN 75,15 75,15 75,2 75,2 1,26%ECOR3 # ECORODOVIAS ON NM 10,7 10,5 10,89 10,52 -0,28%EKTR4 ELEKTRO PN 14,6 14,6 14,6 14,6 0,00%ELET3 # ELETROBRAS ON N1 5,82 5,55 5,91 5,69 -1,89%ELET6 # ELETROBRAS PNB N1 8,51 8,06 8,65 8,19 -2,50%ELPL4 ELETROPAULO PN N2 9,19 9 9,43 9,09 -0,54%EMBR3 # EMBRAER ON NM 24 22,85 24 23 -2,87%ENBR3 # ENERGIAS BR ON EJ NM 8,85 8,75 9,18 9,1 2,82%ENGI4 ENERGISA PN 2,7 2,7 2,7 2,7 0,37%EQTL3 EQUATORIAL ON NM 27,96 26,89 28 27,5 -0,72%ESTC3 # ESTACIO PART ON NM 19,06 19 19,93 19,55 3,16%ESTR4 ESTRELA PN 0,3 0,3 0,32 0,31 -6,06%ETER3 ETERNIT ON EJ NM 3,19 3,05 3,25 3,11 -1,89%EUCA4 EUCATEX PN N1 3,39 3,39 3,4 3,4 0,89%EVEN3 # EVEN ON NM 5,3 5,23 5,37 5,31 -0,18%PTPA4 EVORA PN EJ 45,01 44,01 45,01 44,01 -2,20%EXXO34 EXXON MOBIL DRN 61,1 61,1 61,55 61,55 0,90%EZTC3 EZTEC ON NM 21,51 21,31 21,96 21,39 -0,41%FDXB34 FEDEX CORP DRN 466,31 466,31 468,47 468,47 1,35%FHER3 FER HERINGER ON NM 5,01 4,82 5,08 5,01 1,00%FESA4 FERBASA PN EJ N1 8 7,75 8,1 7,99 0,25%FIBR3 # FIBRIA ON NM 32,7 31,44 32,82 32,2 -1,91%FLRY3 FLEURY ON NM 15,02 14,67 15,04 14,8 -1,33%FJTA3 FORJA TAURUS ON N2 0,64 0,6 0,64 0,6 0,00%FJTA4 FORJA TAURUS PN N2 0,38 0,37 0,4 0,38 2,70%FRAS3 FRAS-LE ON N1 3,75 3,75 3,8 3,8 0,00%GFSA3 # GAFISA ON NM 2,14 2,07 2,18 2,16 1,40%GSHP3 GENERALSHOPP ON NM 7,15 6,95 7,15 6,95 -2,79%GGBR3 GERDAU ON N1 8,6 8,26 8,69 8,26 -3,16%GGBR4 # GERDAU PN N1 10,54 10,01 10,66 10,22 -1,91%GOAU3 GERDAU MET ON N1 9,01 8,8 9,02 8,8 -2,65%GOAU4 # GERDAU MET PN N1 12,21 11,61 12,38 11,91 -1,57%GOLL4 # GOL PN N2 14,41 14,2 14,65 14,27 -1,92%GSGI34 GOLDMANSACHS DRN 51,02 50,8 51,02 50,8 0,31%GOOG34 GOOGLE DRN 54,4 54,2 54,4 54,2 -1,25%GPIV33 GP INVEST DR3 5,81 5,68 5,92 5,76 0,87%CGRA3 GRAZZIOTIN ON 16,65 16,6 16,65 16,6 0,30%CGRA4 GRAZZIOTIN PN 16,5 16,26 16,5 16,26 -1,45%GRND3 GRENDENE ON NM 15,45 15,17 15,63 15,4 -0,32%GUAR3 GUARARAPES ON 80,27 79,26 80,76 79,26 -1,46%GUAR4 GUARARAPES PN 71 69,98 71 69,98 0,00%HBTS5 HABITASUL PNA 11 11 11 11 -4,34%HAGA4 HAGA S/A PN 1,16 1,12 1,17 1,16 0,86%HBOR3 HELBOR ON NM 4,65 4,59 4,81 4,7 -1,67%HOME34 HOME DEPOT DRN 144 142,3 144 142,42 1,98%HOOT4 HOTEIS OTHON PN 0,41 0,41 0,44 0,44 -4,34%HRTP3 HRT PETROLEO ON NM 3,83 3,65 3,83 3,78 3,27%HYPE3 # HYPERMARCAS ON NM 16,75 16,53 16,94 16,77 0,11%IBMB34 IBM DRN 423,26 423,26 423,26 423,26 1,25%IDNT3 IDEIASNET ON NM 1,75 1,64 1,75 1,65 0,60%IGBR3 IGB S/A ON 2,39 2,38 2,75 2,72 10,56%IGTA3 IGUATEMI ON NM 24,4 23,9 24,96 24,89 1,59%IMCH3 IMC HOLDINGS ON NM 11,06 10,54 11,48 10,64 -3,27%ROMI3 INDS ROMI ON NM 2,62 2,33 2,62 2,33 -9,68%IDVL4 INDUSVAL PN N2 2,4 2,38 2,45 2,38 -4,03%ITLC34 INTEL DRN 98,96 98,6 98,96 98,6 0,96%MYPK3 IOCHP-MAXION ON NM 11,64 11,62 12,06 12,06 3,96%IVVB11 ISHARE SP500 CI 56,1 55,74 56,11 55,8 1,14%

BOVA11 ISHARES BOVA CI 48,35 47,62 48,89 48,51 0,74%BRAX11 ISHARES BRAX CI 40,15 40,15 40,98 40,65 0,51%CSMO11 ISHARES CSMO CI 50,96 50,38 51,24 50,75 0,45%ECOO11 ISHARES ECOO CI 58,6 57,93 58,6 58 -1,42%MILA11 ISHARES MILA CI 44,79 44,79 45,76 45,36 3,82%MOBI11 ISHARES MOBI CI 10,69 10,69 10,8 10,75 4,06%SMAL11 ISHARES SMAL CI 51,25 50,94 52 52 1,46%UTIP11 ISHARES UTIP CI 22,39 22,39 22,74 22,43 1,44%DIVO11 IT NOW IDIV CI 27,03 27,03 28,15 27,63 0,14%GOVE11 IT NOW IGCT CI 21,03 21,02 21,28 21,28 0,51%ISUS11 IT NOW ISE CI 23,92 23,83 24,09 24,09 0,12%PIBB11 IT NOW PIBB CI 85,76 84,21 86,12 85,66 1,02%ITSA3 ITAUSA ON N1 9,97 9,69 9,99 9,8 0,61%ITSA4 # ITAUSA PN N1 9,7 9,47 9,78 9,72 1,03%ITUB3 ITAUUNIBANCO ON ED N1 31,94 31,43 32,48 32,1 1,42%ITUB4 # ITAUUNIBANCO PN ED N1 36 35,22 36,5 36,36 1,56%JBDU3 J B DUARTE ON 6,89 6,01 6,89 6,29 -8,70%JBDU4 J B DUARTE PN 6,22 6,2 6,22 6,2 2,14%JBSS3 # JBS ON NM 10,79 10,55 10,85 10,7 0,56%JHSF3 JHSF PART ON NM 2,17 2,17 2,38 2,36 9,25%JNJB34 JOHNSON DRN 286 284,25 288,53 286,89 2,09%JOPA3 JOSAPAR ON 11,2 11,2 11,2 11,2 1,81%JPMC34 JPMORGAN DRN ED 81,55 81,55 81,55 81,55 1,36%JSLG3 JSL ON EJ NM 11,53 11,25 11,88 11,54 0,26%CTKA4 KARSTEN PN 0,36 0,36 0,36 0,36 0,00%KEPL3 KEPLER WEBER ON 45,6 44 45,6 44,3 -3,46%KLBN4 KLABIN S/A PN N2 2,82 2,8 2,84 2,81 -1,05%KLBN11 # KLABIN S/A UNT N2 14,5 14,42 14,59 14,54 -0,06%KROT3 # KROTON ON NM 12,75 12,66 13,74 13,56 7,10%LLIS3 LE LIS BLANC ON NM 7,28 7 7,31 7,25 -1,22%LIGT3 # LIGHT S/A ON NM 16,99 16,78 17,4 17,2 1,41%LINX3 LINX ON NM 48,2 47,03 48,89 48 -1,03%LIXC3 LIX DA CUNHA ON 3,55 3,55 3,55 3,55 1,42%LIXC4 LIX DA CUNHA PN 3,48 3,48 3,7 3,7 6,32%RENT3 # LOCALIZA ON EJ NM 35,2 33,73 35,2 34,1 -2,71%LCAM3 LOCAMERICA ON NM 3,89 3,7 3,89 3,77 -0,52%LOGN3 LOG-IN ON NM 3,3 3,21 3,34 3,25 -1,51%LAME3 LOJAS AMERIC ON 12,99 12,54 13 12,9 -0,53%LAME4 # LOJAS AMERIC PN 17,03 16,6 17,08 16,8 -1,75%AMAR3 LOJAS MARISA ON NM 13,8 13,61 13,82 13,61 -1,09%LREN3 # LOJAS RENNER ON NM 75,71 75,11 76,5 76 0,11%LPSB3 LOPES BRASIL ON NM 6,33 6,25 6,42 6,27 -1,25%MDIA3 M.DIASBRANCO ON NM 87,84 87,47 90,66 88,82 1,50%MGLU3 MAGAZ LUIZA ON NM 7,67 7,6 7,75 7,68 -0,90%MAGG3 MAGNESITA SA ON NM 2,1 2,07 2,1 2,09 0,00%POMO3 MARCOPOLO ON N2 3,22 3,2 3,25 3,22 0,62%POMO4 # MARCOPOLO PN N2 3,32 3,24 3,35 3,27 0,92%MRFG3 # MARFRIG ON NM 5,36 5,31 5,6 5,45 2,63%MSCD34 MASTERCARD DRN ED 229,18 228,41 229,18 228,41 0,40%MCDC34 MCDONALDS DRN 63,49 63,49 63,5 63,5 0,92%MEND6 MENDES JR PNB 8,6 8,6 8,6 8,6 -0,11%MRCK34 MERCK DRN 168,5 168,5 168,5 168,5 1,88%MTIG4 METAL IGUACU PN 0,07 0,07 0,08 0,08 0,00%LEVE3 METAL LEVE ON EJ NM 20,73 20,73 21,26 21,09 1,29%FRIO3 METALFRIO ON NM 1,12 1,07 1,12 1,08 -3,57%MTSA4 METISA PN 13,22 13,19 13,22 13,2 -0,07%MSFT34 MICROSOFT DRN 127,21 127,21 127,21 127,21 1,59%MILS3 MILLS ON NM 8,4 8,17 9,15 8,93 6,30%BEEF3 MINERVA ON NM 9,28 9,25 9,49 9,4 -0,52%MNPR3 MINUPAR ON 0,06 0,05 0,06 0,06 0,00%MMXM3 MMX MINER ON NM 0,73 0,69 0,73 0,71 -2,73%MRVE3 # MRV ON NM 7,58 7,48 7,75 7,57 0,53%MULT3 # MULTIPLAN ON N2 47,88 46,97 48,38 47,53 -0,97%MPLU3 MULTIPLUS ON NM 33,76 33,76 34,58 34,2 0,44%MNDL3 MUNDIAL ON 7,29 7,29 7,29 7,29 -0,13%NATU3 # NATURA ON NM 31,15 30,98 31,93 31 -0,73%NIKE34 NIKE DRN 261,43 260,89 261,43 261,4 0,51%NUTR3 NUTRIPLANT ON MA 2,37 2,1 2,37 2,1 -8,69%ODPV3 ODONTOPREV ON NM 9,61 9,61 9,77 9,76 1,13%OIBR3 OI ON N1 7,08 6,92 7,3 7,05 -0,42%OIBR4 # OI PN N1 6,57 6,46 6,75 6,65 1,83%ORCL34 ORACLE DRN ED 118 116,95 118 116,95 -2,84%OFSA3 OUROFINO S/A ON EJ NM 27,02 26,51 27,35 26,6 -3,27%PCAR4 # P.ACUCAR-CBD PN N1 97 94,75 98,15 97,78 0,88%PRBC4 PARANA PN N1 9,56 9,56 9,56 9,56 -3,33%PMAM3 PARANAPANEMA ON NM 2,36 2,34 2,45 2,45 3,81%PDGR3 # PDG REALT ON NM 0,86 0,84 0,89 0,89 3,48%PETR3 # PETROBRAS ON 8,6 8,52 9,26 9,02 6,74%PETR4 # PETROBRAS PN 8,79 8,74 9,39 9,18 5,88%PFIZ34 PFIZER DRN 87,2 87,2 87,2 87,2 2,02%PGCO34 PG DRN 245,35 243,35 245,35 243,35 -0,38%PINE4 PINE PN EJ N2 5,6 5,6 5,87 5,76 3,04%PLAS3 PLASCAR PART ON 0,23 0,23 0,25 0,24 4,34%PSSA3 PORTO SEGURO ON NM 30,6 30,4 30,78 30,4 -0,65%POSI3 POSITIVO INF ON NM 2,1 2,1 2,23 2,17 3,82%PFRM3 PROFARMA ON NM 7,91 7,5 7,91 7,72 -3,74%PRVI3 PROVIDENCIA ON NM 8,51 8,51 8,6 8,6 0,46%PRML3 PRUMO ON NM 0,39 0,38 0,42 0,4 2,56%QGEP3 QGEP PART ON NM 6,38 6,33 6,75 6,5 1,88%QCOM34 QUALCOMM DRN 202,2 202,2 202,2 202,2 0,29%QUAL3 # QUALICORP ON NM 27,3 26,3 27,3 26,63 -1,37%RADL3 RAIADROGASIL ON NM 25,88 25,72 26,14 26 0,77%RAPT3 RANDON PART ON N1 3,9 3,52 3,9 3,84 -1,03%RAPT4 RANDON PART PN N1 4,78 4,71 4,91 4,88 3,82%RCSL4 RECRUSUL PN 0,04 0,03 0,04 0,04 0,00%RNAR3 RENAR ON NM 3,11 3,02 3,19 3,16 1,60%RNEW11 RENOVA UNT N2 35,9 35,9 36 36 0,55%RJCP3 RJCP ON 0,01 0,01 0,01 0,01 0,00%RDNI3 RODOBENSIMOB ON NM 9,11 8,87 9,11 8,98 -2,28%RSID3 ROSSI RESID ON NM 2,81 2,65 2,83 2,72 -2,50%SBSP3 # SABESP ON NM 17,31 16,75 17,45 17,16 0,88%SAPR4 SANEPAR PN EJ 5,59 5,43 5,7 5,7 3,63%SANB3 SANTANDER BR ON EJ 6,67 6,53 6,94 6,88 -1,71%SANB4 SANTANDER BR PN EJ 6,27 6,16 6,43 6,34 -2,46%SANB11 # SANTANDER BR UNT EJ 13,43 12,85 13,46 13,2 -1,56%CTSA4 SANTANENSE PN 3,29 3,1 3,29 3,1 -5,77%STBP11 SANTOS BRP UNT N2 13,98 13,98 14,55 14,3 2,14%SCAR3 SAO CARLOS ON NM 33,11 32,5 33,5 32,5 -1,48%SMTO3 SAO MARTINHO ON NM 33,32 33,07 34,04 33,5 0,90%SLED4 SARAIVA LIVR PN EJ N2 5,6 5,36 5,6 5,37 -2,18%SLBG34 SCHLUMBERGER DRN 225 225 225 225 -0,88%SHUL4 SCHULZ PN 4,71 4,71 4,85 4,78 0,63%SNSL3 SENIOR SOL ON MA 8,7 8,7 8,8 8,8 1,14%SEER3 SER EDUCA ON NM 21,2 20,18 21,88 21,5 0,93%CSNA3 # SID NACIONAL ON ED 5,86 5,45 5,99 5,6 -2,43%SSBR3 SIERRABRASIL ON NM 15,71 15,49 15,77 15,55 0,32%SLCE3 SLC AGRICOLA ON NM 14,36 14,09 14,36 14,24 0,28%SMLE3 SMILES ON NM 47,46 47,29 48,06 47,8 0,82%SFSA4 SOFISA PN N2 2,61 2,61 2,61 2,61 0,00%CRUZ3 # SOUZA CRUZ ON 19,03 19,03 19,84 19,61 2,67%SPRI3 SPRINGER ON 0,26 0,26 0,28 0,28 -6,66%SGPS3 SPRINGS ON NM 0,6 0,59 0,62 0,61 1,66%SBUB34 STARBUCKS DRN 223,2 221,81 224,18 224,18 2,02%SULA11 SUL AMERICA UNT N2 11,72 11,5 11,78 11,5 -0,86%SUZB5 # SUZANO PAPEL PNA N1 11,3 11,07 11,35 11,26 -0,88%TAEE11 TAESA UNT N2 18,94 18,78 19,38 19,02 0,95%TRPN3 TARPON INV ON NM 10,99 10,7 11 10,9 0,09%TECN3 TECHNOS ON EJ NM 7,61 7,41 7,65 7,44 -0,93%TCSA3 TECNISA ON NM 3,6 3,48 3,68 3,66 2,23%TGMA3 TEGMA ON NM 14,23 13,9 14,27 13,98 -1,27%TELB4 TELEBRAS PN 1,15 1,15 1,32 1,17 2,63%VIVT3 TELEF BRASIL ON EJ 37,22 36,88 38,91 38,91 4,06%VIVT4 # TELEF BRASIL PN EJ 46,58 46,15 47,75 47 1,03%TEMP3 TEMPO PART ON NM 3,66 3,43 3,66 3,43 -1,43%TERI3 TEREOS ON NM 1,46 1,35 1,46 1,41 -0,70%TIMP3 # TIM PART S/A ON NM 11,53 11,43 12,2 12 4,07%SHOW3 TIME FOR FUN ON NM 2,55 2,4 2,6 2,5 0,00%TWXB34 TIME WARNER DRN 228,23 228,23 231,24 231,24 2,44%TOTS3 TOTVS ON NM 32,5 32,16 33,49 33,05 2,29%TBLE3 # TRACTEBEL ON NM 34,17 34,03 34,5 34,5 1,02%TRPL4 TRAN PAULIST PN N1 41,57 40,71 42,71 41,95 0,64%TPIS3 TRIUNFO PART ON NM 6,32 5,6 6,51 6 -4,76%TUPY3 TUPY ON NM 16,2 15,65 16,25 16,1 0,12%UGPA3 # ULTRAPAR ON NM 50,78 49,78 51,16 50,24 -0,31%UCAS3 UNICASA ON NM 2,31 2,28 2,36 2,36 4,88%UNIP6 UNIPAR PNB 0,46 0,45 0,46 0,46 0,00%USIM3 USIMINAS ON N1 13,51 13,19 13,82 13,5 0,00%USIM5 # USIMINAS PNA N1 5,1 4,73 5,16 4,75 -5,00%VAGR3 V-AGRO ON NM 1 0,99 1,02 1 1,01%VALE3 # VALE ON N1 22,77 22,11 22,88 22,84 1,06%VALE5 # VALE PNA N1 20,15 19,52 20,27 20,1 0,55%VLID3 VALID ON NM 41,35 40,05 41,49 40,35 -2,41%VERZ34 VERIZON DRN ED 127 127 127 127 0,11%VVAR11 VIAVAREJO UNT N2 19,91 19,26 20 19,95 2,57%VISA34 VISA INC DRN 708,23 708,23 708,23 708,23 1,40%VIVR3 VIVER ON NM 0,1 0,09 0,1 0,1 0,00%VULC3 VULCABRAS ON 0,29 0,29 0,29 0,29 0,00%WALM34 WAL MART DRN 60,6 60,4 60,6 60,4 0,59%DISB34 WALT DISNEY DRN 252,78 251,1 253,78 252 0,91%WEGE3 WEG ON NM 30,49 30,19 30,91 30,75 1,28%WFCO34 WELLS FARGO DRN 143,16 143,16 143,5 143,5 1,40%WHRL3 WHIRLPOOL ON 3,9 3,51 3,9 3,51 -10,00%WHRL4 WHIRLPOOL PN 3,56 3,5 3,66 3,5 -1,40%WSON33 WILSON SONS DR3 28,66 27,5 29 27,6 -0,36% Cotação por lote de mil - Lote Padrão Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.TOYB3 TECTOY ON * 0,01 0,01 0,02 0,01 0,00%TOYB4 TECTOY PN * 0,01 0,01 0,01 0,01 0,00%

MERCADO DE OPÇÕES Cotação unitária - Opções de Compra - Fevereiro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVB57 IBOVE IBO 103 103 103 103 43,05%IBOVB59 IBOVE IBO 40 40 50 50 -50,00%IBOVB96 IBOVE IBO 200 200 200 200 -6,97%IBOVB98 IBOVE IBO 50 50 50 50 177,77%IBOVB48 IBOVE FM IBO 3246 2793 3419 3419 73,02%IBOVB49 IBOVE FM IBO 2571 2571 2571 2571 33,21%IBOVB50 IBOVE FM IBO 1580 1580 2119 1979 4,43%IBOVB53 IBOVE FM IBO 830 830 830 830 17,39%IBOVB54 IBOVE FM IBO 350 350 530 530 12,76%IBOVB55 IBOVE FM IBO 220 220 380 372 48,80% Cotação unitária - Opções de Compra - Junho - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVF59 IBOVE IBO 850 850 850 850 21,42%IBOVF54 IBOVE FM IBO 2427 2427 2427 2427 0,08% Cotação unitária - Opções de Compra - Agosto - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVH14 IBOVE IBO 3160 3160 3165 3165 19,88%IBOVH19 IBOVE IBO 1130 1130 1130 1130 /0,00% Cotação unitária - Opções de Compra - Outubro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVJ69 IBOVE IBO 355 355 355 355 1,42% Cotação unitária - Opções de Compra - Abril - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVD48 IBOVE FM IBO 4563 4563 4721 4721 6,73%IBOVD49 IBOVE FM IBO 4056 4056 4056 4056 -6,34%IBOVD54 IBOVE FM IBO 1295 1295 1295 1295 -10,13%IBOVD99 IBOVE FM IBO 3450 3450 3450 3450 -6,45% Cotação unitária - Opções de Venda - Fevereiro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVN43 IBOVE IBO 126 126 126 126 8,62%IBOVN51 IBOVE IBO 1920 1920 1920 1920 -11,31%IBOVN44 IBOVE FM IBO 255 175 255 175 -31,10%IBOVN46 IBOVE FM IBO 589 448 589 448 -9,49%IBOVN47 IBOVE FM IBO 795 795 805 805 10,42%IBOVN48 IBOVE FM IBO 1125 825 1125 870 -12,56%IBOVN49 IBOVE FM IBO 1342 1168 1342 1168 -8,03%IBOVN50 IBOVE FM IBO 1900 1563 1900 1563 -8,05% Cotação unitária - Opções de Venda - Agosto - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVT2 IBOVE IBO 650 650 650 650 /0,00%IBOVT4 IBOVE IBO 1030 930 1030 930 -19,13%IBOVT8 IBOVE IBO 1900 1900 1900 1900 -12,24% Cotação unitária - Opções de Venda - Outubro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVV42 IBOVE IBO 750 750 769 769 17,94% Cotação unitária - Opções de Venda - Dezembro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVX72 IBOVE IBO 3120 3120 3120 3120 /0,00% Cotação unitária - Opções de Venda - Abril - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVP99 IBOVE FM IBO 2062 2062 2120 2115 7,52% Cotação unitária - Opções de Venda - Junho - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.IBOVR50 IBOVE FM IBO 2530 2320 2530 2320 35,43% Cotação unitária - Opções de Compra - Janeiro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.ABEVA45 ABEV /EJ ON 1,5 1,5 1,5 1,5 4,16%ABEVA56 ABEV FM/EJ ON 0,51 0,39 0,61 0,56 -1,75%ABEVA65 ABEV FM/EJ ON 0,99 0,86 1,1 0,96 4,34%ABEVA77 ABEV FM/EJ ON 0,22 0,18 0,3 0,24 14,28%

ABEVA16 ABEVE /EJ ON 1,34 1,34 1,34 1,34 8,06%ABEVA17 ABEVE /EJ ON 0,13 0,09 0,18 0,11 -15,38%ABEVA46 ABEVE /EJ ON 0,9 0,9 0,9 0,9 83,67%ABEVA7 ABEVE /EJ ON 0,31 0,26 0,31 0,26 -25,71%BBASA24 BBAS ON NM 1,02 0,98 1,21 1,1 10,00%BBASA27 BBAS ON NM 0,05 0,05 0,05 0,05 -37,50%BBASA28 BBAS ON NM 0,04 0,03 0,04 0,04 -20,00%BBASA55 BBAS ON NM 0,24 0,21 0,24 0,21 -25,00%BBASA56 BBAS ON NM 0,1 0,1 0,1 0,1 0BBASA58 BBAS ON NM 0,03 0,03 0,03 0,03 -25,00%BBASA59 BBAS ON NM 0,02 0,02 0,02 0,02 100,00%BBASA62 BBAS ON NM 1,74 1,74 1,97 1,97 4,23%BBASA64 BBAS ON NM 0,67 0,43 0,67 0,45 -26,22%BBASA23 BBAS FM ON NM 1,58 1,21 1,72 1,46 0BBASA25 BBAS FM ON NM 0,44 0,26 0,49 0,35 12,90%BBASA26 BBAS FM ON NM 0,22 0,11 0,22 0,15 -16,66%BBASA52 BBAS FM ON NM 2,49 1,98 2,59 2,31 1,31%BBASA54 BBAS FM ON NM 0,99 0,63 0,99 0,78 -15,21%BBDCA41 BBDC /EJ PN N1 0,06 0,05 0,06 0,05 -37,50%BBDCA42 BBDC /EJ PN N1 0,03 0,03 0,03 0,03 50,00%BBDCA73 BBDC /EJ PN N1 4,85 4,85 4,85 4,85 77,00%BBDCA36 BBDC FM/EJ PN N1 2,26 1,56 2,37 2,05 3,53%BBDCA37 BBDC FM/EJ PN N1 1,48 0,9 1,56 1,25 -1,57%BBDCA38 BBDC FM/EJ PN N1 0,85 0,49 0,91 0,72 -2,70%BBDCA39 BBDC FM/EJ PN N1 0,46 0,21 0,47 0,34 -5,55%BBDCA40 BBDC FM/EJ PN N1 0,18 0,12 0,19 0,13 -31,57%BEEFA90 BEEF ON NM 0,68 0,68 0,68 0,68 -55,26%BEEFA95 BEEFE ON NM 0,33 0,33 0,33 0,33 /0,00%BOVAA47 BOVA FM CI 1,8 1,8 2,09 1,96 26,45%BOVAA48 BOVA FM CI 1,36 1,36 1,36 1,36 78,94%BOVAA49 BOVA FM CI 0,56 0,56 0,56 0,56 30,23%BOVAA50 BOVA FM CI 0,3 0,26 0,45 0,38 2,70%BOVAA51 BOVA FM CI 0,22 0,2 0,23 0,2 300,00%BRFSA62 BRFS /EDJ ON NM 2,6 2,6 2,6 2,6 -21,68%BRFSA63 BRFS FM/EDJ ON NM 2,64 1,54 2,64 1,75 -34,45%BRFSA64 BRFS FM/EDJ ON NM 1,92 1,1 1,92 1,2 -37,50%BRFSA65 BRFS FM/EDJ ON NM 1,31 0,78 1,31 0,81 -19,00%BRFSA67 BRFS FM/EDJ ON NM 0,39 0,25 0,39 0,25 -45,65%BVMFA11 BVMF ON NM 0,03 0,02 0,03 0,02 -33,33%BVMFA41 BVMF ON NM 0,01 0,01 0,01 0,01 0BVMFA85 BVMF ON NM 1,12 1,12 1,12 1,12 -12,50%BVMFA89 BVMF ON NM 0,9 0,9 1,14 1,04 -5,45%BVMFA90 BVMF ON NM 0,84 0,8 0,84 0,8 -6,97%BVMFA94 BVMF ON NM 0,56 0,56 0,7 0,57 -12,30%BVMFA1 BVMF FM ON NM 0,18 0,1 0,19 0,11 -26,66%BVMFA10 BVMF FM ON NM 0,28 0,16 0,29 0,17 -32,00%BVMFA40 BVMF FM ON NM 0,08 0,06 0,09 0,06 -14,28%BVMFA96 BVMF FM ON NM 0,52 0,38 0,55 0,41 -21,15%BVMFA98 BVMF FM ON NM 0,37 0,24 0,37 0,24 -33,33%BVMFA60 BVMFE ON NM 0,04 0,03 0,04 0,03 -25,00%CIELA38 CIEL FM ON NM 1,54 1,54 1,54 1,54 3,35%CIELA39 CIEL FM ON NM 1,55 1,55 1,55 1,55 50,48%CIELA41 CIEL FM ON NM 0,53 0,53 0,53 0,53 60,60%CIELA42 CIEL FM ON NM 0,28 0,28 0,28 0,28 55,55%CIELA10 CIELE ON NM 0,38 0,38 0,38 0,38 -67,24%CIELA92 CIELE ON NM 0,13 0,13 0,13 0,13 -78,33%CSNAA48 CSNA /ED ON 1,3 1,25 1,3 1,25 89,39%CSNAA49 CSNA /ED ON 0,91 0,87 0,91 0,87 -9,37%CSNAA5 CSNA /ED ON 0,81 0,78 0,95 0,88 -2,22%CSNAA50 CSNA /ED ON 0,6 0,6 0,95 0,79 -4,81%CSNAA52 CSNA /ED ON 0,9 0,6 0,9 0,6 -20,00%CSNAA66 CSNA /ED ON 0,06 0,06 0,06 0,06 200,00%CSNAA56 CSNA FM/ED ON 0,32 0,26 0,5 0,32 -20,00%CSNAA58 CSNA FM/ED ON 0,37 0,2 0,37 0,21 -27,58%CSNAA6 CSNA FM/ED ON 0,25 0,1 0,3 0,13 -40,90%CSNAA62 CSNA FM/ED ON 0,19 0,07 0,19 0,16 77,77%CSNAA64 CSNA FM/ED ON 0,04 0,04 0,1 0,05 -37,50%CTIPA83 CTIP /EJ ON NM 0,41 0,4 0,41 0,4 /0,00%CYREA11 CYRE FM ON NM 0,52 0,52 0,52 0,52 18,18%CYREA40 CYRE FM ON NM 1 0,85 1 0,95 13,09%CYREA41 CYRE FM ON NM 0,24 0,24 0,24 0,24 41,17%EMBRA24 EMBR ON NM 0,26 0,26 0,26 0,26 -18,75%EQTLA57 EQTL ON NM 0,7 0,7 0,7 0,7 1,44%EQTLA58 EQTL ON NM 0,26 0,26 0,28 0,28 180,00%GGBRA12 GGBR PN N1 0,01 0,01 0,01 0,01 -50,00%GGBRA9 GGBR PN N1 1,3 1,3 1,3 1,3 -13,33%GGBRA92 GGBR PN N1 1,06 1,03 1,25 1,25 0GGBRA94 GGBR PN N1 0,91 0,8 1,1 0,88 -21,42%GGBRA96 GGBR PN N1 0,75 0,74 0,75 0,74 -20,43%GGBRA98 GGBR PN N1 0,61 0,55 0,76 0,58 -25,64%GGBRA10 GGBR FM PN N1 0,5 0,24 0,5 0,3 -26,82%GGBRA11 GGBR FM PN N1 0,11 0,05 0,11 0,06 -33,33%GGBRA40 GGBR FM PN N1 0,24 0,1 0,24 0,11 -47,61%GGBRA41 GGBR FM PN N1 0,03 0,03 0,03 0,03 50,00%GGBRA60 GGBRE PN N1 0,37 0,37 0,48 0,48 -20,00%ITSAA10 ITSA PN N1 0,02 0,02 0,02 0,02 0ITSAA1 ITSAE PN N1 0,04 0,04 0,04 0,04 -42,85%ITUBA33 ITUB /ED PN N1 2,86 2,28 3 3 12,35%ITUBA41 ITUB /ED PN N1 0,01 0,01 0,01 0,01 -66,66%ITUBA61 ITUB /ED PN N1 3,82 3,82 3,82 3,82 73,63%ITUBA89 ITUB /ED PN N1 0,1 0,1 0,1 0,1 233,33%ITUBA90 ITUB /ED PN N1 0,02 0,02 0,03 0,03 50,00%ITUBA34 ITUB FM/ED PN N1 2 1,37 2,32 2,11 15,93%ITUBA4 ITUB FM/ED PN N1 0,88 0,52 1,13 0,99 13,79%ITUBA5 ITUB FM/ED PN N1 0,47 0,21 0,57 0,41 0ITUBA64 ITUB FM/ED PN N1 1,65 1,04 1,88 1,7 18,88%ITUBA98 ITUB FM/ED PN N1 0,12 0,1 0,2 0,2 -9,09%ITUBA35 ITUBE /ED PN N1 1,85 1,45 1,99 1,85 6,32%ITUBA36 ITUBE /ED PN N1 0,82 0,46 0,96 0,78 20,00%ITUBA38 ITUBE /ED PN N1 0,09 0,07 0,17 0,16 14,28%ITUBA52 ITUBE /ED PN N1 4,32 4,32 4,32 4,32 89,47%ITUBA55 ITUBE /ED PN N1 1 1 1,5 1,5 14,50%ITUBA63 ITUBE /ED PN N1 2,27 1,99 2,79 2,79 5,68%ITUBA65 ITUBE /ED PN N1 1,11 1,11 1,25 1,25 10,61%ITUBA66 ITUBE /ED PN N1 0,57 0,31 0,64 0,58 1,75%ITUBA67 ITUBE /ED PN N1 0,12 0,12 0,28 0,23 -14,81%ITUBA7 ITUBE /ED PN N1 0,35 0,35 0,44 0,41 24,24%ITUBA82 ITUBE /ED PN N1 0,06 0,06 0,12 0,11 0ITUBA87 ITUBE /ED PN N1 2,76 2,76 2,76 2,76 -8,00%OIBRA1 OIBR PN N1 0,02 0,02 0,02 0,02 0OIBRA11 OIBR PN N1 0,01 0,01 0,01 0,01 -50,00%OIBRA12 OIBR PN N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0OIBRA85 OIBR PN N1 0,06 0,06 0,08 0,07 -12,50%OIBRA90 OIBR PN N1 0,04 0,04 0,04 0,04 -20,00%OIBRA95 OIBR PN N1 0,04 0,02 0,04 0,02 -60,00%PDGRA11 PDGR ON NM 0,01 0,01 0,01 0,01 0PDGRA1 PDGR FM ON NM 0,01 0,01 0,01 0,01 0PDGRA80 PDGR FM ON NM 0,1 0,1 0,1 0,1 11,11%PDGRA90 PDGR FM ON NM 0,03 0,03 0,03 0,03 0PETRA11 PETR ON 0,01 0,01 0,01 0,01 -50,00%PETRA1 PETR PN 0,04 0,03 0,09 0,07 75,00%PETRA10 PETR PN 0,57 0,5 0,97 0,82 67,34%PETRA14 PETR PN 0,02 0,01 0,03 0,02 0PETRA23 PETR PN 0,27 0,22 0,55 0,44 91,30%PETRA25 PETR PN 0,16 0,13 0,35 0,26 100,00%PETRA26 PETR PN 0,07 0,06 0,17 0,13 85,71%PETRA27 PETR PN 0,03 0,02 0,05 0,03 0PETRA28 PETR PN 0,67 0,63 1,12 0,95 53,22%PETRA29 PETR PN 0,2 0,18 0,44 0,33 94,11%PETRA3 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA4 PETR PN 0,01 0,01 0,02 0,02 100,00%PETRA45 PETR PN 0,79 0,77 1,28 1,17 56,00%PETRA5 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA51 PETR PN 1,42 1,34 1,81 1,68 33,33%PETRA52 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA53 PETR PN 1,44 1,44 1,96 1,85 30,28%PETRA54 PETR PN 1,67 1,63 2,21 2,08 30,00%PETRA62 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA69 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA79 PETR PN 0,31 0,27 0,61 0,47 74,07%PETRA83 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA84 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA92 PETR PN 0,01 0,01 0,03 0,02 100,00%PETRA12 PETRE PN 0,01 0,01 0,02 0,02 100,00%PETRA13 PETRE PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA15 PETRE PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA16 PETRE PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA18 PETRE PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA2 PETRE PN 3,97 3,97 4,47 4,32 13,68%PETRA24 PETRE PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA39 PETRE PN 1,83 1,81 2,28 2,15 30,30%PETRA46 PETRE PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRA78 PETRE PN 0,03 0,03 0,07 0,06 200,00%PETRA81 PETRE PN 0,91 0,88 1,37 1,16 39,75%PETRA87 PETRE PN 0,06 0,05 0,12 0,1 150,00%PETRA89 PETRE PN 0,1 0,09 0,22 0,17 112,50%PETRA93 PETRE PN 0,01 0,01 0,02 0,01 0USIMA45 USIM PNA N1 0,43 0,37 0,43 0,37 -40,32%USIMA46 USIM PNA N1 0,38 0,32 0,38 0,32 -34,69%USIMA6 USIM PNA N1 0,02 0,02 0,02 0,02 0USIMA48 USIM FM PNA N1 0,17 0,17 0,18 0,17 -51,42%USIMA5 USIM FM PNA N1 0,19 0,09 0,22 0,09 -55,00%USIMA52 USIM FM PNA N1 0,08 0,06 0,08 0,06 -50,00%USIMA54 USIM FM PNA N1 0,04 0,03 0,04 0,03 -50,00%VALEA13 VALE PNA N1 6,5 6,45 6,5 6,45 -3,44%VALEA15 VALE PNA N1 3,98 3,98 4,26 4,21 0,23%VALEA17 VALE PNA N1 3,44 2,98 3,44 3,27 0,30%VALEA18 VALE PNA N1 2,37 1,86 2,48 2,35 2,17%VALEA20 VALE PNA N1 0,75 0,39 0,8 0,62 -7,46%VALEA43 VALE PNA N1 6 6 6,1 6,1 -0,97%VALEA44 VALE PNA N1 5 5 5,1 5,1 -1,73%VALEA45 VALE PNA N1 5,51 5,47 5,74 5,72 1,06%VALEA46 VALE PNA N1 4,83 4,31 4,83 4,74 1,93%VALEA47 VALE PNA N1 3,95 3,31 3,95 3,72 -1,32%VALEA48 VALE PNA N1 2,88 2,3 2,99 2,8 1,81%VALEA49 VALE PNA N1 2,01 1,38 2,01 1,86 -0,53%VALEA50 VALE PNA N1 1,15 0,66 1,16 0,94 -6,93%VALEA51 VALE PNA N1 0,44 0,22 0,5 0,37 -9,75%VALEA52 VALE PNA N1 0,17 0,07 0,18 0,12 -7,69%VALEA64 VALE PNA N1 0,09 0,05 0,1 0,06 -14,28%VALEA66 VALE PNA N1 0,05 0,03 0,06 0,04 0VALEA67 VALE PNA N1 0,03 0,01 0,03 0,01 -50,00%VALEA68 VALE PNA N1 0,01 0,01 0,02 0,01 0VALEA69 VALE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0VALEA70 VALE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0VALEA72 VALE PNA N1 1,55 1 1,55 1,38 -2,81%VALEA73 VALE PNA N1 0,27 0,13 0,3 0,2 -9,09%VALEA19 VALEE PNA N1 1,28 0,81 1,35 1,2 3,44%VALEA53 VALEE PNA N1 0,04 0,02 0,04 0,02 -33,33%VALEA63 VALEE PNA N1 0,12 0,07 0,12 0,08 -20,00%VALEA65 VALEE PNA N1 0,05 0,04 0,05 0,04 -33,33%VALEA76 VALEE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0VALEA80 VALEE PNA N1 9,6 9,6 9,73 9,73 -1,31% Cotação unitária - Opções de Compra - Fevereiro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.ABEVB86 ABEV /EJ ON 1,45 1,45 1,45 1,45 1,39%ABEVB16 ABEV FM/EJ ON 1 0,88 1,09 0,99 0ABEVB17 ABEV FM/EJ ON 0,36 0,3 0,41 0,34 -10,52%ABEVB18 ABEV FM/EJ ON 0,1 0,08 0,11 0,09 -10,00%ABEVB36 ABEV FM/EJ ON 0,62 0,54 0,73 0,58 -7,93%ABEVB37 ABEV FM/EJ ON 0,16 0,16 0,17 0,17 6,25%ABEVB57 ABEVE /EJ ON 0,42 0,42 0,5 0,5 6,38%ABEVB76 ABEVE /EJ ON 0,13 0,13 0,13 0,13 8,33%BBASB22 BBAS ON NM 3,09 2,65 3,09 2,84 -0,69%BBASB28 BBAS ON NM 0,21 0,18 0,21 0,21 -8,69%BBASB23 BBAS FM ON NM 2,32 1,89 2,36 2,12 -0,93%BBASB24 BBAS FM ON NM 1,59 1,28 1,69 1,48 -1,33%BBASB25 BBAS FM ON NM 1,07 0,85 1,14 0,97 -2,02%BBASB26 BBAS FM ON NM 0,72 0,5 0,72 0,59 -19,17%BBASB27 BBAS FM ON NM 0,45 0,3 0,45 0,38 -7,31%BBDCB32 BBDC /EJ PN N1 5,22 5,12 5,94 5,54 -2,63%BBDCB33 BBDC /EJ PN N1 4,32 4,32 4,7 4,7 -0,63%BBDCB34 BBDC /EJ PN N1 3,49 3,49 3,84 3,84 4,06%BBDCB35 BBDC /EJ PN N1 2,72 2,72 2,72 2,72 -7,48%BBDCB41 BBDC /EJ PN N1 0,41 0,39 0,42 0,41 13,88%BBDCB42 BBDC /EJ PN N1 0,21 0,21 0,21 0,21 -91,21%BBDCB80 BBDC /EJ PN N1 1,09 1,09 1,09 1,09 17,20%BBDCB83 BBDC /EJ PN N1 3,89 3,89 3,89 3,89 -9,11%BBDCB89 BBDC /EJ PN N1 0,56 0,56 0,56 0,56 115,38%BBDCB36 BBDC FM/EJ PN N1 2,55 1,9 2,63 2,35 2,17%BBDCB37 BBDC FM/EJ PN N1 1,91 1,38 1,96 1,71 3,63%BBDCB38 BBDC FM/EJ PN N1 1,2 0,96 1,41 1,25 4,16%BBDCB39 BBDC FM/EJ PN N1 0,94 0,71 0,97 0,82 -5,74%BBDCB40 BBDC FM/EJ PN N1 0,63 0,45 0,65 0,56 -3,44%BBDCB63 BBDCE /EJ PN N1 3,13 3,13 3,13 3,13 1,29%BBDCB7 BBDCE /EJ PN N1 1,74 1,74 1,74 1,74 7,40%BOVAB47 BOVA FM CI 2,54 2,21 2,57 2,57 11,25%BOVAB48 BOVA FM CI 1,91 1,91 1,94 1,94 70,17%BOVAB50 BOVA FM CI 0,83 0,83 1,05 1,03 13,18%BOVAB51 BOVA FM CI 0,55 0,55 0,75 0,69 115,62%BRFSB62 BRFS /EDJ ON NM 3,43 3,43 4,05 3,69 -5,14%BRFSB68 BRFS /EDJ ON NM 1,2 0,85 1,2 0,85 142,85%BRFSB63 BRFS FM/EDJ ON NM 3,23 2,71 3,23 3,06 -10,00%BRFSB64 BRFS FM/EDJ ON NM 3,06 2,05 3,06 2,44 -7,22%BRFSB65 BRFS FM/EDJ ON NM 2,05 1,65 2,05 1,99 -9,95%BRFSB66 BRFS FM/EDJ ON NM 1,5 1,25 1,59 1,25 -16,66%BRFSB67 BRFS FM/EDJ ON NM 1,2 1 1,2 1 -25,92%BRFSB7 BRFSE ON NM 0,76 0,76 0,91 0,91 /0,00%BVMFB11 BVMF ON NM 0,11 0,09 0,12 0,1 -16,66%BVMFB12 BVMF ON NM 0,03 0,03 0,03 0,03 0BVMFB88 BVMF ON NM 1,1 1,1 1,1 1,1 -2,65%BVMFB9 BVMF ON NM 1,03 1,03 1,03 1,03 -6,36%BVMFB94 BVMF ON NM 0,71 0,66 0,71 0,66 -14,28%

BVMFB1 BVMF FM ON NM 0,32 0,24 0,36 0,26 -18,75%BVMFB10 BVMF FM ON NM 0,43 0,26 0,44 0,35 -12,50%BVMFB40 BVMF FM ON NM 0,2 0,17 0,22 0,18 -5,26%BVMFB96 BVMF FM ON NM 0,7 0,53 0,7 0,55 -9,83%BVMFB98 BVMF FM ON NM 0,54 0,43 0,55 0,44 -16,98%CIELB38 CIEL FM ON NM 2,24 2,24 2,24 2,24 -8,57%CIELB39 CIEL FM ON NM 2,01 2,01 2,01 2,01 30,51%CSNAB5 CSNA /ED ON 0,84 0,84 0,94 0,89 -12,74%CSNAB52 CSNA /ED ON 0,67 0,67 0,76 0,74 -10,84%CSNAB54 CSNA /ED ON 0,74 0,46 0,74 0,57 -14,92%CSNAB66 CSNA /ED ON 0,12 0,12 0,19 0,19 58,33%CSNAB68 CSNA /ED ON 0,09 0,09 0,09 0,09 200,00%CSNAB7 CSNA /ED ON 0,08 0,08 0,08 0,08 0CSNAB74 CSNA /ED ON 0,03 0,03 0,03 0,03 50,00%CSNAB56 CSNA FM/ED ON 0,68 0,37 0,68 0,59 9,25%CSNAB58 CSNA FM/ED ON 0,53 0,3 0,53 0,48 11,62%CSNAB6 CSNA FM/ED ON 0,42 0,2 0,42 0,39 0CSNAB62 CSNA FM/ED ON 0,3 0,13 0,3 0,22 -12,00%CSNAB64 CSNA FM/ED ON 0,19 0,19 0,19 0,19 72,72%CTIPB34 CTIP /EJ ON NM 0,41 0,41 0,41 0,41 /0,00%CYREB11 CYRE FM ON NM 0,69 0,69 0,69 0,69 7,81%CYREB12 CYRE FM ON NM 0,24 0,23 0,24 0,23 9,52%CYREB40 CYRE FM ON NM 1,05 1,05 1,05 1,05 6,06%CYREB41 CYRE FM ON NM 0,46 0,41 0,46 0,41 10,81%CYREB42 CYRE FM ON NM 0,12 0,11 0,12 0,11 -63,33%ESTCB21 ESTC ON NM 0,59 0,59 0,59 0,59 7,27%ESTCB49 ESTC ON NM 1,16 1,16 1,16 1,16 /0,00%GGBRB12 GGBR PN N1 0,08 0,08 0,08 0,08 /0,00%GGBRB42 GGBR PN N1 0,06 0,06 0,06 0,06 0GGBRB9 GGBR PN N1 1,33 1,33 1,33 1,33 -6,33%GGBRB92 GGBR PN N1 1,13 1,13 1,13 1,13 46,75%GGBRB10 GGBR FM PN N1 0,81 0,65 0,83 0,73 -14,11%GGBRB11 GGBR FM PN N1 0,4 0,24 0,4 0,3 -14,28%GGBRB40 GGBR FM PN N1 0,45 0,45 0,53 0,5 -10,71%GGBRB41 GGBR FM PN N1 0,25 0,14 0,25 0,14 -26,31%GGBRB98 GGBR FM PN N1 0,94 0,81 0,94 0,81 -8,98%ITSAB40 ITSA PN N1 0,13 0,13 0,13 0,13 8,33%ITSAB98 ITSA PN N1 0,29 0,29 0,29 0,29 -14,70%ITSAB10 ITSAE PN N1 0,19 0,13 0,2 0,2 0ITSAB93 ITSAE PN N1 0,65 0,65 0,65 0,65 -8,45%ITUBB70 ITUB /ED PN N1 2,25 2,25 3,02 2,78 4,51%ITUBB75 ITUB /ED PN N1 1,73 1,68 2,18 2,18 3,80%ITUBB78 ITUB /ED PN N1 0,62 0,46 0,65 0,65 1,56%ITUBB79 ITUB /ED PN N1 0,41 0,41 0,42 0,42 5,00%ITUBB37 ITUB FM/ED PN N1 0,82 0,53 0,88 0,79 -5,95%ITUBB68 ITUB FM/ED PN N1 3,12 2,44 3,39 3,2 9,58%ITUBB72 ITUB FM/ED PN N1 2,45 1,81 2,62 2,5 8,69%ITUBB76 ITUB FM/ED PN N1 1,5 1,04 1,63 1,55 14,81%ITUBB77 ITUB FM/ED PN N1 1,02 0,66 1,13 1,04 14,28%ITUBB7 ITUBE PN N1 0,57 0,57 0,57 0,57 /0,00%ITUBB69 ITUBE /ED PN N1 2,53 2,53 3,2 3,2 19,85%ITUBB71 ITUBE /ED PN N1 2,36 2,36 2,74 2,66 2,30%ITUBB73 ITUBE /ED PN N1 1,73 1,73 2,29 2,29 12,80%ITUBB8 ITUBE /ED PN N1 0,3 0,28 0,3 0,28 -20,00%OIBRB1 OIBR PN N1 0,11 0,11 0,12 0,12 9,09%OIBRB11 OIBR PN N1 0,04 0,04 0,08 0,08 -11,11%OIBRB12 OIBR PN N1 0,02 0,02 0,02 0,02 -33,33%OIBRB65 OIBR PN N1 0,9 0,89 0,9 0,89 -11,00%OIBRB70 OIBR PN N1 0,67 0,67 0,67 0,67 -2,89%OIBRB75 OIBR PN N1 0,5 0,5 0,5 0,5 -19,35%OIBRB80 OIBR PN N1 0,38 0,37 0,38 0,38 -9,52%OIBRB85 OIBR PN N1 0,31 0,27 0,31 0,3 -21,05%OIBRB90 OIBR PN N1 0,19 0,18 0,21 0,18 -5,26%OIBRB95 OIBR PN N1 0,14 0,14 0,14 0,14 -30,00%PCARB97 PCAR PN N1 2,47 2,47 2,8 2,8 /0,00%PCARB40 PCARE PN N1 0,2 0,19 0,2 0,19 /0,00%PDGRB85 PDGR FM ON NM 0,1 0,1 0,1 0,1 11,11%PDGRB90 PDGR FM ON NM 0,06 0,06 0,06 0,06 0PETRB1 PETR PN 0,91 0,86 1,27 1,14 44,30%PETRB10 PETR PN 0,32 0,29 0,48 0,41 46,42%PETRB11 PETR PN 1,02 0,98 1,41 1,3 34,02%PETRB12 PETR PN 0,15 0,14 0,22 0,18 38,46%PETRB13 PETR PN 1,13 1,1 1,55 1,44 38,46%PETRB14 PETR PN 0,02 0,02 0,04 0,03 0PETRB16 PETR PN 1,62 1,5 1,98 1,87 28,96%PETRB17 PETR PN 1,75 1,75 1,75 1,75 31,57%PETRB18 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRB19 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRB4 PETR PN 0,51 0,49 0,81 0,72 38,46%PETRB48 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRB5 PETR PN 0,03 0,03 0,04 0,03 50,00%PETRB61 PETR PN 0,46 0,43 0,7 0,61 38,63%PETRB62 PETR PN 0,11 0,09 0,15 0,13 30,00%PETRB63 PETR PN 0,06 0,05 0,07 0,06 20,00%PETRB64 PETR PN 0,05 0,04 0,06 0,05 25,00%PETRB65 PETR PN 0,01 0,01 0,02 0,01 0PETRB66 PETR PN 0,01 0,01 0,01 0,01 0PETRB7 PETR PN 0,01 0,01 0,02 0,01 0PETRB70 PETR PN 0,2 0,2 0,33 0,28 40,00%PETRB72 PETR PN 0,08 0,07 0,11 0,09 28,57%PETRB74 PETR PN 0,02 0,02 0,02 0,02 0PETRB75 PETR PN 0,01 0,01 0,02 0,02 100,00%PETRB15 PETRE PN 1,37 1,32 1,58 1,5 35,13%PETRB3 PETRE PN 0,06 0,05 0,09 0,07 16,66%PETRB54 PETRE PN 0,03 0,03 0,05 0,05 66,66%PETRB58 PETRE PN 0,1 0,1 0,13 0,1 25,00%PETRB59 PETRE PN 0,17 0,17 0,27 0,23 43,75%PETRB60 PETRE PN 3 3 3,5 3,5 19,04%PETRB67 PETRE PN 0,69 0,64 0,93 0,85 37,09%PETRB68 PETRE PN 0,8 0,7 1,08 0,95 35,71%PETRB71 PETRE PN 2,3 2,3 2,3 2,3 35,29%PETRB77 PETRE PN 0,4 0,36 0,57 0,5 47,05%PETRB93 PETRE PN 0,04 0,04 0,06 0,06 20,00%PETRB94 PETRE PN 0,03 0,03 0,03 0,03 50,00%SBSPB49 SBSP ON NM 0,06 0,06 0,06 0,06 -82,85%TAEEB21 TAEE UNT N2 0,51 0,47 0,51 0,47 -20,33%USIMB44 USIM PNA N1 0,6 0,57 0,6 0,57 -18,57%USIMB46 USIM PNA N1 0,57 0,57 0,57 0,57 -8,06%USIMB58 USIM PNA N1 0,06 0,06 0,06 0,06 -33,33%USIMB6 USIM PNA N1 0,09 0,04 0,09 0,04 -55,55%USIMB48 USIM FM PNA N1 0,32 0,32 0,32 0,32 -11,11%USIMB49 USIM FM PNA N1 0,33 0,26 0,33 0,28 -12,50%USIMB5 USIM FM PNA N1 0,35 0,23 0,35 0,28 -28,20%USIMB52 USIM FM PNA N1 0,21 0,17 0,22 0,17 30,76%VALEB12 VALE PNA N1 7,61 7,52 7,8 7,79 0,12%VALEB14 VALE PNA N1 5,53 5,1 5,53 5,35 1,13%VALEB15 VALE PNA N1 5,59 5,59 5,88 5,78 -2,36%VALEB16 VALE PNA N1 4,84 4,83 4,93 4,83 0,41%VALEB17 VALE PNA N1 3,44 3,44 3,9 3,86 -1,27%VALEB18 VALE PNA N1 3,02 2,66 3,02 2,89 -1,36%VALEB19 VALE PNA N1 2,32 1,75 2,32 2,11 -5,80%VALEB20 VALE PNA N1 1,46 1,06 1,51 1,32 -2,94%VALEB21 VALE PNA N1 0,85 0,58 0,89 0,77 -3,75%VALEB22 VALE PNA N1 0,38 0,28 0,47 0,4 21,21%VALEB24 VALE PNA N1 0,1 0,06 0,1 0,07 0VALEB27 VALE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0VALEB28 VALE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0VALEB46 VALE PNA N1 3,61 3,42 3,61 3,42 1,48%VALEB49 VALE PNA N1 1,13 0,79 1,18 1,04 -2,80%VALEB80 VALE PNA N1 2,71 2,12 2,71 2,59 6,58%VALEB81 VALE PNA N1 1,88 1,49 1,88 1,72 -1,71%VALEB83 VALE PNA N1 0,6 0,45 0,6 0,55 -6,77%VALEB84 VALE PNA N1 0,28 0,23 0,28 0,27 0VALEB85 VALE PNA N1 0,17 0,13 0,18 0,16 -15,78%VALEB86 VALE PNA N1 0,12 0,09 0,12 0,11 -15,38%VALEB87 VALE PNA N1 0,05 0,05 0,05 0,05 -16,66%VALEB89 VALE PNA N1 0,02 0,02 0,03 0,02 0VALEB96 VALE PNA N1 0,03 0,03 0,04 0,04 0VALEB98 VALE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0VALEB51 VALEE PNA N1 0,31 0,23 0,33 0,33 0VALEB54 VALEE PNA N1 0,09 0,09 0,09 0,09 -18,18%VALEB56 VALEE PNA N1 0,02 0,02 0,02 0,02 0VALEB77 VALEE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0 Cotação unitária - Opções de Compra - Março - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.ABEVC57 ABEV /EJ ON 0,31 0,28 0,4 0,4 29,03%BBASC23 BBAS ON NM 2,35 2,35 2,35 2,35 -6,74%BBASC26 BBAS ON NM 0,9 0,9 0,9 0,9 12,50%BBDCC7 BBDCE /EJ PN N1 2,44 2,44 2,58 2,58 92,53%BBSEC57 BBSEE ON NM 1,68 1,68 1,68 1,68 /0,00%BBSEC60 BBSEE ON NM 1,87 1,87 1,87 1,87 19,10%BVMFC10 BVMF ON NM 0,63 0,61 0,63 0,61 0BVMFC11 BVMF ON NM 0,25 0,25 0,25 0,25 -10,71%CIELC79 CIELE ON NM 2,5 2,5 2,5 2,5 0,40%CSANC28 CSAN ON NM 0,9 0,9 0,9 0,9 /0,00%CTIPC65 CTIP /EJ ON NM 0,37 0,37 0,39 0,38 /0,00%ESTCC20 ESTC ON NM 1,65 1,65 1,65 1,65 3,12%ESTCC22 ESTC ON NM 0,7 0,7 0,7 0,7 /0,00%GGBRC60 GGBRE PN N1 0,7 0,7 0,82 0,82 -8,88%ITSAC91 ITSAE PN N1 0,8 0,8 0,8 0,8 14,28%ITUBC78 ITUB /ED PN N1 3,04 2,98 3,55 3,51 -26,10%ITUBC38 ITUBE /ED PN N1 1,05 1,05 1,05 1,05 34,61%ITUBC5 ITUBE /ED PN N1 2,4 2,4 2,4 2,4 /0,00%KLBNC44 KLBN UNT N2 0,88 0,88 0,88 0,88 /0,00%KLBNC45 KLBN UNT N2 0,3 0,3 0,3 0,3 /0,00%KROTC16 KROT ON NM 0,25 0,22 0,25 0,22 0KROTC43 KROT ON NM 0,92 0,92 0,92 0,92 43,75%OIBRC1 OIBR PN N1 0,23 0,23 0,27 0,27 /0,00%OIBRC11 OIBR PN N1 0,15 0,14 0,15 0,14 /0,00%OIBRC12 OIBR PN N1 0,1 0,09 0,1 0,1 /0,00%OIBRC13 OIBR PN N1 0,07 0,05 0,07 0,06 /0,00%OIBRC14 OIBR PN N1 0,03 0,03 0,03 0,03 /0,00%OIBRC80 OIBR PN N1 0,81 0,65 0,81 0,65 /0,00%OIBRC85 OIBR PN N1 0,61 0,61 0,61 0,61 /0,00%OIBRC90 OIBR PN N1 0,51 0,43 0,51 0,43 /0,00%PETRC11 PETR PN 1,89 1,89 2,09 2,09 19,42%PETRC12 PETR PN 1,65 1,65 2,06 2,06 38,25%PETRC13 PETR PN 1,59 1,59 1,93 1,86 28,27%PETRC14 PETR PN 1,49 1,49 1,72 1,72 35,43%PETRC15 PETR PN 1,35 1,35 1,53 1,53 33,04%PETRC16 PETR PN 1,21 1,21 1,56 1,42 25,66%PETRC17 PETR PN 0,03 0,03 0,05 0,05 66,66%PETRC18 PETR PN 1,17 1,17 1,33 1,29 25,24%PETRC19 PETR PN 0,02 0,02 0,02 0,02 0PETRC25 PETR PN 0,56 0,56 0,78 0,72 35,84%PETRC31 PETR PN 0,27 0,26 0,38 0,37 48,00%PETRC35 PETR PN 0,17 0,16 0,22 0,22 37,50%PETRC37 PETR PN 0,14 0,14 0,14 0,14 16,66%PETRC39 PETR PN 0,1 0,1 0,1 0,1 66,66%PETRC47 PETR PN 1,99 1,99 2,39 2,34 49,04%PETRC50 PETR PN 1,04 1,04 1,32 1,26 31,25%PETRC51 PETR PN 0,94 0,94 1,21 1,15 36,90%PETRC52 PETR PN 0,8 0,8 1,12 1,12 53,42%PETRC53 PETR PN 0,75 0,75 0,98 0,98 28,94%PETRC54 PETR PN 0,7 0,7 0,92 0,91 40,00%PETRC61 PETR PN 0,08 0,08 0,12 0,1 25,00%PETRC69 PETR PN 0,04 0,04 0,06 0,06 50,00%PETRC7 PETR PN 2,04 2,04 2,7 2,54 15,45%PETRC72 PETR PN 2,09 2,09 2,39 2,39 35,02%PETRC36 PETRE PN 0,15 0,15 0,18 0,18 28,57%PETRC38 PETRE PN 0,12 0,12 0,16 0,14 16,66%PETRC60 PETRE PN 0,09 0,09 0,1 0,1 -37,50%PETRC68 PETRE PN 0,04 0,04 0,04 0,04 33,33%PETRC8 PETRE PN 1,65 1,65 1,85 1,85 41,22%USIMC5 USIM PNA N1 0,32 0,32 0,32 0,32 -36,00%USIMC54 USIM PNA N1 0,26 0,26 0,26 0,26 -44,68%VALEC16 VALE PNA N1 3,83 3,83 4,14 4,14 11,59%VALEC17 VALE PNA N1 3,25 3,25 3,25 3,25 12,06%VALEC18 VALE PNA N1 2,41 2,4 2,41 2,4 -13,66%VALEC19 VALE PNA N1 1,76 1,65 1,81 1,74 -6,45%VALEC20 VALE PNA N1 1,25 1,03 1,27 1,27 4,95%VALEC21 VALE PNA N1 0,68 0,65 0,82 0,82 3,79%VALEC22 VALE PNA N1 0,43 0,42 0,53 0,5 -1,96%VALEC26 VALE PNA N1 0,09 0,07 0,1 0,1 -16,66%VALEC51 VALE PNA N1 0,56 0,56 0,65 0,65 1,56%VALEC52 VALE PNA N1 0,33 0,33 0,41 0,41 5,12%VALEC76 VALE PNA N1 0,19 0,19 0,21 0,21 -4,54%VALEC78 VALE PNA N1 0,11 0,11 0,12 0,12 50,00%VALEC79 VALE PNA N1 0,02 0,02 0,02 0,02 0VALEC90 VALE PNA N1 0,02 0,02 0,03 0,03 0VALEC92 VALE PNA N1 0,02 0,02 0,02 0,02 0VALEC94 VALE PNA N1 0,02 0,02 0,02 0,02 0VALEC85 VALEE PNA N1 0,02 0,02 0,02 0,02 0VALEC89 VALEE PNA N1 0,03 0,03 0,03 0,03 0

Continua...

FINANÇAS

Bovespa

17

Pregão

Movimento do Pregão

+3,05

+0,97

06/01/2015 07/01/2015 08/01/201530/12/2014 05/01/2015

-1,16

+1,02

-2,05

BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 9 DE JANEIRO DE 2015

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou o pregão regular de ontem em alta de +0,97% ao marcar 49.943,30 pontos, Máxi-ma de +1,61% (50.261), Mínima de -0,90% (48.006) com volume financeiro de R$ 6,02 bilhões. As maiores altas foram KROTON ON, PETROBRAS ON, PETROBRAS PN, TIM PART S/A ON e PDG RERALT ON. As maiores baixas foram USIMINAS PNA, EMBRAER ON, LOCALIZA ON, ELETRO-BRAS PNB e SID NAIONAL ON.

BVMFM60 BVMFE ON NM 0,8 0,8 0,8 0,8 -1,23%BVMFM79 BVMFE ON NM 0,01 0,01 0,01 0,01 0BVMFM85 BVMFE ON NM 0,03 0,03 0,03 0,03 200,00%BVMFM10 BVMFE FM ON NM 0,23 0,21 0,32 0,3 50,00%BVMFM94 BVMFE FM ON NM 0,08 0,08 0,08 0,08 60,00%BVMFM96 BVMFE FM ON NM 0,09 0,07 0,13 0,09 -10,00%BVMFM98 BVMFE FM ON NM 0,19 0,13 0,21 0,19 35,71%CIELM37 CIELE FM ON NM 0,28 0,14 0,28 0,14 -74,07%CIELM40 CIELE FM ON NM 1,58 1,58 1,58 1,58 1,93%CSNAM5 CSNAE /ED ON 0,01 0,01 0,02 0,02 0CSNAM52 CSNAE /ED ON 0,03 0,03 0,04 0,04 -33,33%CSNAM62 CSNAE /ED ON 0,35 0,35 0,35 0,35 -37,50%CSNAM54 CSNAE FM/ED ON 0,07 0,05 0,07 0,05 -16,66%CSNAM56 CSNAE FM/ED ON 0,08 0,08 0,16 0,14 -50,00%CSNAM58 CSNAE FM/ED ON 0,2 0,14 0,29 0,24 41,17%CSNAM6 CSNAE FM/ED ON 0,17 0,17 0,43 0,34 36,00%EQTLM22 EQTLE ON NM 0,02 0,02 0,02 0,02 100,00%EQTLM54 EQTLE ON NM 0,01 0,01 0,01 0,01 -50,00%ESTCM27 ESTCE ON NM 7,85 7,49 7,85 7,49 613,33%ESTCM28 ESTCE ON NM 8,84 8,46 8,84 8,46 306,73%ESTCM57 ESTCE ON NM 7,49 7,49 8,58 8,58 420,00%GGBRM96 GGBRE PN N1 0,13 0,13 0,13 0,13 30,00%GGBRM10 GGBRE FM PN N1 0,21 0,21 0,45 0,3 3,44%GGBRM40 GGBRE FM PN N1 0,53 0,5 0,8 0,66 10,00%GGBRM60 GGBRE FM PN N1 0,19 0,16 0,32 0,22 15,78%GGBRM98 GGBRE FM PN N1 0,11 0,11 0,2 0,12 -7,69%ITSAM94 ITSAE PN N1 0,07 0,07 0,07 0,07 -22,22%ITUBM32 ITUBE /ED PN N1 0,04 0,04 0,04 0,04 0ITUBM33 ITUBE /ED PN N1 0,11 0,07 0,11 0,07 -12,50%ITUBM34 ITUBE /ED PN N1 0,28 0,15 0,28 0,15 -31,81%ITUBM35 ITUBE /ED PN N1 0,23 0,23 0,23 0,23 -17,85%ITUBM36 ITUBE /ED PN N1 0,7 0,57 1,19 0,68 -17,07%ITUBM5 ITUBE /ED PN N1 1,09 1,09 1,09 1,09 0ITUBM65 ITUBE /ED PN N1 0,71 0,71 0,71 0,71 42,00%ITUBM66 ITUBE /ED PN N1 0,9 0,9 0,9 0,9 -2,17%ITUBM67 ITUBE /ED PN N1 1,62 1,62 1,62 1,62 -0,61%ITUBM7 ITUBE /ED PN N1 1,26 1,12 1,86 1,12 -21,67%ITUBM98 ITUBE /ED PN N1 1,81 1,8 1,81 1,8 -1,09%ITUBM4 ITUBE FM/ED PN N1 0,58 0,47 0,99 0,56 -20,00%ITUBM62 ITUBE FM/ED PN N1 0,05 0,05 0,07 0,07 40,00%ITUBM63 ITUBE FM/ED PN N1 0,11 0,08 0,16 0,08 -33,33%ITUBM64 ITUBE FM/ED PN N1 0,32 0,25 0,51 0,27 -22,85%OIBRM11 OIBRE PN N1 4,35 3,8 4,35 3,8 61,70%OIBRM90 OIBRE PN N1 2,46 2,46 2,46 2,46 9,33%PDGRM75 PDGRE FM ON NM 0,02 0,01 0,02 0,01 -50,00%PDGRM85 PDGRE FM ON NM 0,05 0,04 0,05 0,04 -20,00%PDGRM90 PDGRE FM ON NM 0,05 0,05 0,05 0,05 -58,33%PETRM1 PETRE PN 1,8 1,35 1,84 1,48 -23,71%PETRM10 PETRE PN 0,32 0,17 0,35 0,2 -47,36%PETRM12 PETRE PN 3,84 3,56 4,15 3,66 -12,23%PETRM13 PETRE PN 4,95 4,95 4,95 4,95 -4,99%PETRM14 PETRE PN 2,79 2,3 2,79 2,43 -16,78%PETRM16 PETRE PN 7 6,58 7 6,65 -11,33%PETRM17 PETRE PN 8 8 8 8 -2,20%PETRM18 PETRE PN 9 9 9 9 -5,26%PETRM2 PETRE PN 0,01 0,01 0,01 0,01 -50,00%PETRM23 PETRE PN 0,65 0,35 0,65 0,47 -33,80%PETRM25 PETRE PN 0,94 0,54 0,98 0,63 -38,23%PETRM26 PETRE PN 1,28 0,92 1,41 1,04 -29,72%PETRM27 PETRE PN 2,26 1,82 2,26 1,94 -25,09%PETRM28 PETRE PN 0,24 0,13 0,26 0,19 -40,62%PETRM29 PETRE PN 0,77 0,44 0,78 0,52 -38,82%PETRM3 PETRE PN 4,7 4,3 4,82 4,45 -9,73%PETRM39 PETRE PN 0,04 0,02 0,06 0,02 -71,42%PETRM4 PETRE PN 3,84 3,35 3,84 3,45 -13,31%PETRM45 PETRE PN 0,23 0,11 0,23 0,12 -47,82%PETRM46 PETRE PN 7,15 7,14 7,15 7,14 -6,42%PETRM49 PETRE PN 10,75 10,3 10,75 10,3 -7,62%PETRM51 PETRE PN 0,09 0,05 0,1 0,06 -53,84%PETRM53 PETRE PN 0,08 0,04 0,08 0,04 -60,00%PETRM54 PETRE PN 0,06 0,02 0,06 0,03 -57,14%PETRM56 PETRE PN 7,75 7,75 7,75 7,75 -5,48%PETRM62 PETRE PN 6,9 6,9 6,9 6,9 4,07%PETRM69 PETRE PN 5,4 5,4 5,4 5,4 -8,00%PETRM78 PETRE PN 1,8 1,65 1,8 1,71 -29,33%PETRM79 PETRE PN 0,5 0,32 0,6 0,36 -44,61%PETRM81 PETRE PN 0,16 0,09 0,18 0,11 -47,61%PETRM87 PETRE PN 1,51 1,12 1,51 1,26 -32,62%PETRM89 PETRE PN 1,18 0,74 1,18 0,87 -33,58%PETRM92 PETRE PN 3,26 2,84 3,26 2,93 -15,31%PETRM93 PETRE PN 3,07 2,68 3,07 2,68 -20,94%PETRM98 PETRE PN 0,02 0,01 0,02 0,01 -80,00%UGPAM81 UGPAE ON NM 0,67 0,67 0,89 0,89 32,83%USIMM45 USIME PNA N1 0,07 0,07 0,07 0,07 -41,66%USIMM46 USIME PNA N1 0,08 0,08 0,08 0,08 -50,00%USIMM48 USIME FM PNA N1 0,14 0,14 0,14 0,14 -26,31%USIMM5 USIME FM PNA N1 0,26 0,23 0,34 0,34 100,00%USIMM52 USIME FM PNA N1 0,36 0,36 0,48 0,48 54,83%VALEM15 VALEE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0VALEM17 VALEE PNA N1 0,01 0,01 0,02 0,01 0VALEM18 VALEE PNA N1 0,04 0,03 0,08 0,03 -40,00%VALEM19 VALEE PNA N1 0,15 0,15 0,31 0,18 -14,28%VALEM20 VALEE PNA N1 0,37 0,33 0,66 0,39 -9,30%VALEM29 VALEE PNA N1 7,28 7,28 7,28 7,28 -1,62%VALEM32 VALEE PNA N1 10,46 10,46 10,46 10,46 2,14%VALEM47 VALEE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0VALEM48 VALEE PNA N1 0,02 0,02 0,05 0,02 -33,33%VALEM49 VALEE PNA N1 0,07 0,06 0,14 0,07 -22,22%VALEM50 VALEE PNA N1 0,2 0,2 0,41 0,22 -12,00%VALEM51 VALEE PNA N1 0,54 0,54 0,98 0,6 -7,69%VALEM52 VALEE PNA N1 1,21 1,21 1,61 1,35 1,50%VALEM53 VALEE PNA N1 2,34 2,34 2,34 2,34 -20,40%VALEM58 VALEE PNA N1 6,72 6,72 6,72 6,72 -0,29%VALEM63 VALEE PNA N1 1,43 1,43 1,71 1,56 -4,29%VALEM64 VALEE PNA N1 1,65 1,65 2,18 1,78 -4,30%VALEM68 VALEE PNA N1 3,3 3,3 3,3 3,3 -0,30%VALEM69 VALEE PNA N1 3,97 3,97 3,97 3,97 -44,08%VALEM72 VALEE PNA N1 0,12 0,11 0,25 0,12 -25,00%VALEM73 VALEE PNA N1 0,84 0,84 1,21 0,96 4,34%VALEM78 VALEE PNA N1 7 6,96 7 6,96 -33,39%VALEM79 VALEE PNA N1 8,4 8,4 8,4 8,4 -1,86% Cotação unitária - Opções de Venda - Dezembro - 2015

Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.ABEVX14 ABEVE /EJ ON 0,17 0,17 0,17 0,17 -19,04%ABEVX16 ABEVE /EJ ON 0,82 0,82 0,98 0,98 /0,00%ITSAX9 ITSAE PN N1 0,51 0,51 0,51 0,51 0ITUBX51 ITUBE /ED PN N1 2,55 2,55 2,55 2,55 /0,00%ITUBX62 ITUBE /ED PN N1 2,38 2,38 2,38 2,38 /0,00% Cotação unitária - Opções de Venda - Fevereiro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.ABEVN16 ABEVE FM/EJ ON 0,17 0,14 0,21 0,17 -5,55%ABEVN17 ABEVE FM/EJ ON 0,53 0,46 0,61 0,54 -6,89%ABEVN36 ABEVE FM/EJ ON 0,35 0,3 0,39 0,31 -3,12%ABEVN86 ABEVE FM/EJ ON 0,1 0,07 0,11 0,07 -12,50%BBASN21 BBASE ON NM 0,28 0,28 0,28 0,28 -49,09%BBASN26 BBASE ON NM 2,09 2,09 2,25 2,25 14,79%BBASN27 BBASE ON NM 2,86 2,86 2,86 2,86 -27,41%BBASN30 BBASE ON NM 5,61 5,61 5,61 5,61 /0,00%BBASN50 BBASE ON NM 0,23 0,23 0,23 0,23 15,00%BBASN22 BBASE FM ON NM 0,51 0,4 0,51 0,41 -6,81%BBASN23 BBASE FM ON NM 0,62 0,6 0,8 0,62 -8,82%BBASN24 BBASE FM ON NM 1 0,92 1,2 0,98 -6,66%BBASN25 BBASE FM ON NM 1,42 1,36 1,69 1,48 -3,89%BBDCN32 BBDCE /EJ PN N1 0,17 0,13 0,18 0,16 6,66%BBDCN33 BBDCE /EJ PN N1 0,23 0,21 0,28 0,23 -11,53%BBDCN34 BBDCE /EJ PN N1 0,43 0,36 0,43 0,36 -7,69%BBDCN63 BBDCE /EJ PN N1 0,54 0,54 0,54 0,54 -3,57%BBDCN83 BBDCE /EJ PN N1 0,35 0,35 0,35 0,35 20,68%BBDCN35 BBDCE FM/EJ PN N1 0,6 0,51 0,66 0,59 0BBDCN36 BBDCE FM/EJ PN N1 0,82 0,72 1,03 0,88 0BBDCN37 BBDCE FM/EJ PN N1 1,15 1,08 1,5 1,08 -18,79%BBDCN38 BBDCE FM/EJ PN N1 1,7 1,54 2,08 1,71 -34,23%BRAPN14 BRAPE PN N1 0,3 0,3 0,3 0,3 /0,00%BRFSN61 BRFSE /EDJ ON NM 0,75 0,75 0,75 0,75 13,63%BRFSN63 BRFSE FM/EDJ ON NM 1,22 1,22 1,22 1,22 -33,69%BRFSN64 BRFSE FM/EDJ ON NM 1,58 1,58 1,91 1,91 -27,37%BRFSN65 BRFSE FM/EDJ ON NM 2,02 2,02 2,41 2,41 -3,21%BVMFN1 BVMFE ON NM 0,63 0,62 0,63 0,62 -17,33%BVMFN77 BVMFE ON NM 0,03 0,03 0,03 0,03 -57,14%BVMFN88 BVMFE ON NM 0,12 0,12 0,12 0,12 33,33%BVMFN9 BVMFE ON NM 0,15 0,13 0,15 0,13 -7,14%BVMFN98 BVMFE ON NM 0,41 0,29 0,41 0,29 -19,44%BVMFN10 BVMFE FM ON NM 0,46 0,37 0,54 0,51 13,33%BVMFN94 BVMFE FM ON NM 0,25 0,25 0,25 0,25 31,57%BVMFN96 BVMFE FM ON NM 0,33 0,33 0,33 0,33 17,85%BVMFN97 BVMFE FM ON NM 0,36 0,36 0,37 0,36 33,33%CIELN40 CIELE FM ON NM 1,74 1,74 1,74 1,74 -7,44%CSNAN49 CSNAE /ED ON 0,08 0,04 0,08 0,04 -69,23%CSNAN5 CSNAE /ED ON 0,06 0,06 0,06 0,06 0CSNAN52 CSNAE /ED ON 0,1 0,08 0,1 0,08 -20,00%CSNAN54 CSNAE FM/ED ON 0,1 0,1 0,2 0,15 0CSNAN56 CSNAE FM/ED ON 0,17 0,15 0,29 0,21 -41,66%CSNAN58 CSNAE FM/ED ON 0,21 0,21 0,36 0,32 -52,94%CSNAN6 CSNAE FM/ED ON 0,3 0,3 0,5 0,47 9,30%CYREN1 CYREE ON NM 0,05 0,05 0,05 0,05 -54,54%CYREN41 CYREE FM ON NM 0,5 0,49 0,52 0,49 -50,50%EMBRN23 EMBRE ON NM 0,3 0,3 0,3 0,3 66,66%ESTCN19 ESTCE ON NM 0,93 0,93 0,93 0,93 24,00%ESTCN28 ESTCE ON NM 8,08 8,08 8,08 8,08 223,20%ESTCN46 ESTCE ON NM 0,23 0,23 0,23 0,23 /0,00%GGBRN9 GGBRE PN N1 0,12 0,12 0,12 0,12 -20,00%GGBRN10 GGBRE FM PN N1 0,33 0,33 0,47 0,34 -5,55%GGBRN40 GGBRE FM PN N1 0,5 0,5 0,7 0,53 -52,25%GGBRN96 GGBRE FM PN N1 0,25 0,25 0,25 0,25 -7,40%GGBRN98 GGBRE FM PN N1 0,35 0,3 0,35 0,34 -2,85%ITSAN93 ITSAE PN N1 0,15 0,15 0,15 0,15 -59,45%ITUBN31 ITUBE /ED PN N1 0,17 0,14 0,17 0,14 -60,00%ITUBN70 ITUBE /ED PN N1 0,67 0,5 0,67 0,52 -18,75%ITUBN71 ITUBE /ED PN N1 0,73 0,59 0,73 0,6 -26,82%ITUBN72 ITUBE /ED PN N1 0,83 0,61 0,83 0,69 -53,69%ITUBN75 ITUBE /ED PN N1 0,81 0,79 0,96 0,79 -10,22%ITUBN69 ITUBE FM/ED PN N1 0,57 0,46 0,69 0,52 -10,34%ITUBN73 ITUBE FM/ED PN N1 0,83 0,68 1,04 0,74 -7,50%ITUBN76 ITUBE FM/ED PN N1 1,2 1,07 1,64 1,2 -6,97%ITUBN97 ITUBE FM/ED PN N1 0,43 0,3 0,43 0,35 2,94%OIBRN70 OIBRE PN N1 1,04 1,03 1,04 1,03 28,75%OIBRN75 OIBRE PN N1 1,35 1,35 1,35 1,35 125,00%OIBRN80 OIBRE PN N1 1,72 1,72 1,72 1,72 68,62%PDGRN75 PDGRE FM ON NM 0,05 0,05 0,05 0,05 66,66%PETRN1 PETRE PN 0,62 0,43 0,62 0,47 -28,78%PETRN10 PETRE PN 1,41 1,17 1,61 1,28 -24,70%PETRN11 PETRE PN 0,57 0,37 0,57 0,41 -30,50%PETRN12 PETRE PN 2,3 1,93 2,3 2,03 -24,53%PETRN13 PETRE PN 0,42 0,33 0,44 0,35 -30,00%PETRN14 PETRE PN 5,15 5,15 5,15 5,15 -3,91%PETRN15 PETRE PN 0,41 0,3 0,44 0,33 -29,78%PETRN16 PETRE PN 0,26 0,21 0,3 0,22 -29,03%PETRN17 PETRE PN 0,25 0,18 0,25 0,2 -28,57%PETRN18 PETRE PN 8 7,74 8 7,74 -6,74%PETRN19 PETRE PN 8,74 8,74 8,8 8,8 995,23%PETRN2 PETRE PN 0,12 0,12 0,13 0,13 -35,00%PETRN3 PETRE PN 3,44 3,04 3,44 3,14 -24,70%PETRN31 PETRE PN 22,09 22,09 22,09 22,09 -2,51%PETRN4 PETRE PN 1,02 0,75 1,02 0,81 -33,05%PETRN46 PETRE PN 0,09 0,09 0,09 0,09 /0,00%PETRN5 PETRE PN 4,63 4,63 4,63 4,63 25,47%PETRN59 PETRE PN 2,05 1,78 2,05 1,82 -23,20%PETRN60 PETRE PN 0,08 0,07 0,08 0,07 -22,22%PETRN61 PETRE PN 1,01 0,86 1,12 0,92 -25,20%PETRN62 PETRE PN 2,6 2,41 2,62 2,45 -18,33%PETRN63 PETRE PN 3,53 3,5 3,53 3,5 -13,79%PETRN67 PETRE PN 0,84 0,61 0,85 0,67 -30,20%PETRN68 PETRE PN 0,7 0,54 0,77 0,6 -26,82%PETRN70 PETRE PN 1,84 1,52 1,84 1,62 -29,56%PETRN72 PETRE PN 3,15 2,98 3,15 2,98 -12,86%PETRN77 PETRE PN 1,17 1,02 1,23 1,12 -24,83%SBSPN18 SBSPE ON NM 1,23 1,23 1,23 1,23 51,85%SBSPN46 SBSPE ON NM 0,48 0,48 0,48 0,48 26,31%TAEEN21 TAEEE UNT N2 0,72 0,68 0,73 0,68 -5,55%USIMN45 USIME PNA N1 0,15 0,15 0,16 0,16 -36,00%USIMN46 USIME PNA N1 0,13 0,13 0,13 0,13 -59,37%USIMN47 USIME PNA N1 0,22 0,22 0,26 0,25 56,25%USIMN6 USIME PNA N1 1,18 1,18 1,18 1,18 /0,00%USIMN5 USIME FM PNA N1 0,38 0,38 0,38 0,38 26,66%

USIMN52 USIME FM PNA N1 0,53 0,53 0,53 0,53 -22,05%VALEN13 VALEE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0VALEN14 VALEE PNA N1 0,02 0,02 0,03 0,02 0VALEN15 VALEE PNA N1 0,01 0,01 0,02 0,01 -50,00%VALEN16 VALEE PNA N1 0,03 0,02 0,04 0,04 0VALEN17 VALEE PNA N1 0,05 0,05 0,09 0,06 -14,28%VALEN18 VALEE PNA N1 0,12 0,12 0,19 0,13 -7,14%VALEN19 VALEE PNA N1 0,23 0,23 0,36 0,32 18,51%VALEN20 VALEE PNA N1 0,44 0,44 0,61 0,48 -4,00%VALEN21 VALEE PNA N1 0,85 0,83 1,19 0,89 -7,29%VALEN22 VALEE PNA N1 1,4 1,39 1,76 1,49 -1,32%VALEN24 VALEE PNA N1 3,34 3,12 3,34 3,22 -0,30%VALEN27 VALEE PNA N1 6,45 6,08 6,45 6,08 -4,85%VALEN43 VALEE PNA N1 0,01 0,01 0,01 0,01 0VALEN45 VALEE PNA N1 0,03 0,03 0,06 0,06 0VALEN46 VALEE PNA N1 0,08 0,08 0,1 0,08 -20,00%VALEN49 VALEE PNA N1 0,63 0,6 0,82 0,65 -5,79%VALEN51 VALEE PNA N1 1,99 1,73 1,99 1,73 -15,19%VALEN80 VALEE PNA N1 0,2 0,17 0,24 0,18 -10,00%VALEN81 VALEE PNA N1 0,32 0,32 0,5 0,34 -8,10%VALEN83 VALEE PNA N1 1,31 1,15 1,36 1,16 -2,52%VALEN96 VALEE PNA N1 4,12 4,04 4,15 4,15 -0,71% Cotação unitária - Opções de Venda - Março - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.BBDCO64 BBDCE PN N1 0,69 0,69 0,69 0,69 /0,00%BBDCO4 BBDCE /EJ PN N1 1,25 1,17 1,25 1,17 4,46%BBDCO98 BBDCE /EJ PN N1 0,67 0,67 0,67 0,67 86,11%BBSEO27 BBSEE ON NM 0,14 0,14 0,14 0,14 /0,00%BBSEO56 BBSEE ON NM 0,49 0,49 0,49 0,49 /0,00%BBSEO59 BBSEE ON NM 0,85 0,85 0,85 0,85 -16,66%BBSEO78 BBSEE ON NM 0,4 0,4 0,4 0,4 -31,03%BRAPO14 BRAPE PN N1 0,47 0,47 0,47 0,47 /0,00%BVMFO10 BVMFE ON NM 0,6 0,6 0,63 0,63 -29,21%CIELO64 CIELE ON NM 0,51 0,51 0,51 0,51 -12,06%CIELO66 CIELE ON NM 1,2 1,2 1,2 1,2 16,50%CSANO52 CSANE ON NM 0,53 0,53 0,53 0,53 -8,62%CSANO53 CSANE ON NM 1,33 1,33 1,34 1,34 /0,00%CTIPO1 CTIPE /EJ ON NM 0,28 0,25 0,28 0,27 -75,67%CTIPO74 CTIPE /EJ ON NM 0,65 0,61 0,65 0,65 /0,00%ESTCO19 ESTCE ON NM 1 1 1 1 -24,24%GGBRO92 GGBRE PN N1 0,33 0,32 0,34 0,32 /0,00%ITUBO5 ITUBE /ED PN N1 1,75 1,75 1,75 1,75 -5,91%ITUBO85 ITUBE /ED PN N1 0,5 0,5 0,5 0,5 56,25%ITUBO87 ITUBE /ED PN N1 1 1 1 1 -41,17%ITUBO97 ITUBE /ED PN N1 0,7 0,7 0,7 0,7 -58,82%KLBNO14 KLBNE UNT N2 0,34 0,34 0,34 0,34 /0,00%KLBNO63 KLBNE UNT N2 0,14 0,1 0,14 0,1 /0,00%KLBNO64 KLBNE UNT N2 0,4 0,4 0,4 0,4 /0,00%OGXPO92 OGXPE ON NM 1,93 1,93 1,93 1,93 -0,51%PETRO11 PETRE PN 0,36 0,35 0,38 0,37 -33,92%PETRO12 PETRE PN 0,4 0,4 0,43 0,42 -33,33%PETRO13 PETRE PN 0,46 0,45 0,49 0,48 -32,39%PETRO14 PETRE PN 0,63 0,52 0,63 0,52 -31,57%PETRO15 PETRE PN 0,66 0,57 0,68 0,62 -24,39%PETRO16 PETRE PN 0,92 0,63 0,92 0,64 -30,43%PETRO25 PETRE PN 1,7 1,7 1,7 1,7 126,66%PETRO37 PETRE PN 4 4 4 4 -6,97%PETRO47 PETRE PN 0,36 0,35 0,36 0,35 -27,08%PETRO50 PETRE PN 1,02 0,79 1,02 0,79 -34,16%PETRO51 PETRE PN 0,96 0,96 0,97 0,97 -23,01%PETRO52 PETRE PN 1,05 1 1,06 1 -25,92%PETRO7 PETRE PN 0,21 0,21 0,32 0,3 -16,66%PETRO8 PETRE PN 0,43 0,42 0,46 0,45 -32,83%USIMO9 USIME PNA N1 4,02 4,02 4,02 4,02 /0,00%VALEO16 VALEE PNA N1 0,23 0,23 0,25 0,25 -3,84%VALEO17 VALEE PNA N1 0,28 0,28 0,28 0,28 -33,33%VALEO19 VALEE PNA N1 0,93 0,93 0,93 0,93 29,16%VALEO20 VALEE PNA N1 1,27 1,27 1,27 1,27 1,60%VALEO52 VALEE PNA N1 3 3 3 3 4,16% Cotação unitária - Opções de Venda - Novembro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.BBSEW32 BBSEE ON NM 3,45 3,45 3,45 3,45 8,49% Cotação unitária - Opções de Venda - Abril - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.BRAPP14 BRAPE PN N1 0,56 0,56 0,56 0,56 /0,00%BRMLP15 BRMLE ON NM 0,79 0,79 0,79 0,79 /0,00%BRMLP16 BRMLE ON NM 1,2 1,2 1,2 1,2 /0,00%ESTCP28 ESTCE ON NM 7,52 7,52 7,93 7,93 /0,00%EVENP72 EVENE ON NM 1,71 1,71 1,71 1,71 /0,00%MULTP46 MULTE ON N2 2,22 2,22 2,22 2,22 /0,00%MULTP48 MULTE ON N2 3,02 3,02 3,02 3,02 /0,00%OGXPP91 OGXPE ON NM 2,22 2,22 2,23 2,23 0 Cotação unitária - Opções de Venda - Maio - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.EQTLQ27 EQTLE ON NM 1,32 1,32 1,37 1,37 /0,00%ESTCQ28 ESTCE ON NM 7,23 7,23 7,23 7,23 /0,00% Cotação unitária - Opções de Venda - Junho - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.PETRR78 PETRE PN 0,6 0,6 0,6 0,6 /0,00%PETRR92 PETRE PN 1,35 1,35 1,35 1,35 /0,00%VALER18 VALEE PNA N1 0,75 0,75 0,76 0,76 /0,00%

Continuação

Pregão

VALEC91 VALEE PNA N1 0,02 0,02 0,02 0,02 0VALEC93 VALEE PNA N1 0,02 0,02 0,02 0,02 0 Cotação unitária - Opções de Compra - Dezembro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.ABEVL65 ABEVE /EJ ON 0,66 0,66 0,86 0,76 /0,00%ITSAL6 ITSAE PN N1 0,54 0,54 0,55 0,55 0ITUBL12 ITUBE /ED PN N1 2,41 2,41 2,9 2,9 /0,00%ITUBL64 ITUBE /ED PN N1 2,58 2,58 2,58 2,58 /0,00%PETRL25 PETR PN 0,88 0,88 0,88 0,88 46,66% Cotação unitária - Opções de Compra - Novembro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.BBSEK39 BBSE ON NM 2,03 2,03 2,03 2,03 19,41% Cotação unitária - Opções de Compra - Abril - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.BRMLD19 BRML ON NM 0,66 0,66 0,66 0,66 /0,00%MULTD54 MULT ON N2 1,99 1,99 1,99 1,99 /0,00%PETRD51 PETR PN 0,1 0,1 0,1 0,1 0PETRD75 PETR PN 0,5 0,5 0,55 0,55 66,66%PETRD78 PETRE PN 0,39 0,37 0,39 0,37 54,16%PETRD9 PETRE PN 1,25 1,25 1,55 1,55 38,39%VALED85 VALE ON N1 0,71 0,71 0,83 0,72 /0,00%VALED19 VALE PNA N1 1,9 1,9 1,96 1,96 -4,85% Cotação unitária - Opções de Compra - Maio - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.PETRE10 PETR PN 1 1 1,1 1,1 /0,00%PETRE12 PETR PN 0,53 0,53 0,55 0,54 /0,00%PETRE96 PETR PN 1,1 1,1 1,3 1,3 /0,00% Cotação unitária - Opções de Compra - Junho - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.PETRF41 PETR PN 0,75 0,75 0,75 0,75 /0,00%PETRF90 PETR PN 1,77 1,77 1,77 1,77 41,60%VALEF20 VALE PNA N1 2 2 2,01 2,01 /0,00% Cotação unitária - Opções de Compra - Janeiro - 2016 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.PETRA35 PETR PN 1,24 1,06 1,26 1,26 -43,75%PETRA36 PETR PN 1,1 1,1 1,1 1,1 22,22%PETRA37 PETR PN 0,99 0,99 0,99 0,99 52,30%VALEA14 VALE PNA N1 4,45 3,6 4,45 3,6 /0,00%VALEA21 VALE PNA N1 2,66 2,66 2,95 2,95 8,85%VALEA22 VALE PNA N1 2,13 2,13 2,61 2,41 12,09%VALEA23 VALE PNA N1 1,65 1,65 2,04 2,04 2,00%VALEA24 VALE PNA N1 1,69 1,55 1,71 1,65 10,00%VALEA25 VALE PNA N1 1,29 1,29 1,45 1,35 17,39%VALEA26 VALE PNA N1 1,1 1,09 1,2 1,09 39,74%VALEA27 VALE PNA N1 0,65 0,65 0,9 0,85 30,76%VALEA86 VALE PNA N1 6,09 5,93 6,09 5,94 /0,00% Cotação unitária - Opções de Compra - Fevereiro - 2016 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.PETRB25 PETR PN 1,82 1,82 2,3 2,3 38,55%PETRB32 PETR PN 1,49 1,49 1,82 1,82 37,87%PETRB35 PETR PN 1,08 1,08 1,32 1,32 29,41%VALEB6 VALE PNA N1 6,17 6,07 6,17 6,07 19,48%VALEB7 VALE PNA N1 5,38 5,31 5,38 5,31 /0,00% Cotação unitária - Opções de Venda - Janeiro - 2015 Código Empresa/Ação Abert. Min. Máx. Fech. Osc.ABEVM47 ABEVE /EJ ON 0,61 0,61 0,63 0,63 -26,74%ABEVM56 ABEVE /EJ ON 0,13 0,07 0,13 0,07 -73,07%ABEVM77 ABEVE /EJ ON 0,4 0,28 0,4 0,28 -9,67%ABEVM17 ABEVE FM/EJ ON 0,45 0,34 0,54 0,44 -15,38%ABEVM46 ABEVE FM/EJ ON 0,06 0,06 0,06 0,06 0ABEVM7 ABEVE FM/EJ ON 0,19 0,13 0,25 0,13 -18,75%BBASM22 BBASE ON NM 0,07 0,06 0,1 0,06 -14,28%BBASM24 BBASE ON NM 0,34 0,34 0,56 0,38 -17,39%BBASM25 BBASE ON NM 0,97 0,97 1,33 1,13 7,61%BBASM26 BBASE ON NM 1,9 1,9 1,9 1,9 0BBASM27 BBASE ON NM 2,94 2,94 2,94 2,94 -24,22%BBASM28 BBASE ON NM 3,5 3,5 3,5 3,5 4,16%BBASM30 BBASE ON NM 5,94 5,94 5,94 5,94 3,30%BBASM56 BBASE ON NM 2,5 2,5 2,5 2,5 -30,36%BBASM64 BBASE ON NM 0,72 0,72 1,04 0,8 -12,08%BBASM21 BBASE FM ON NM 0,04 0,04 0,06 0,05 0BBASM23 BBASE FM ON NM 0,23 0,23 0,4 0,23 -20,68%BBASM52 BBASE FM ON NM 0,1 0,1 0,11 0,11 -15,38%BBASM54 BBASE FM ON NM 0,54 0,5 0,8 0,58 -10,76%BBDCM34 BBDCE /EJ PN N1 0,07 0,06 0,07 0,06 -14,28%BBDCM35 BBDCE /EJ PN N1 0,12 0,12 0,12 0,12 -7,69%BBDCM36 BBDCE /EJ PN N1 0,22 0,18 0,33 0,21 -32,25%BBDCM37 BBDCE /EJ PN N1 0,45 0,4 0,73 0,52 -5,45%BBDCM63 BBDCE /EJ PN N1 0,03 0,02 0,03 0,02 -50,00%BBDCM38 BBDCE FM/EJ PN N1 0,86 0,75 1,32 0,89 -7,29%BBDCM64 BBDCE FM/EJ PN N1 0,06 0,06 0,06 0,06 -33,33%BBDCM94 BBDCE FM/EJ PN N1 0,27 0,2 0,31 0,2 0BBDCM96 BBDCE FM/EJ PN N1 0,29 0,29 0,38 0,29 -12,12%BEEFM90 BEEFE ON NM 0,1 0,1 0,1 0,1 /0,00%BOVAM49 BOVAE FM CI 0,96 0,96 1,02 1,02 -64,33%BRFSM61 BRFSE /EDJ ON NM 0,26 0,26 0,26 0,26 4,00%BRFSM67 BRFSE /EDJ ON NM 2,84 2,84 2,84 2,84 /0,00%BRFSM62 BRFSE FM/EDJ ON NM 0,51 0,51 0,51 0,51 -37,03%BRFSM63 BRFSE FM/EDJ ON NM 0,61 0,61 0,93 0,77 -24,50%BRFSM64 BRFSE FM/EDJ ON NM 0,94 0,94 1,27 1,27 -53,81%BRFSM65 BRFSE FM/EDJ ON NM 1,12 1,12 2,01 1,52 -33,91%BVMFM1 BVMFE ON NM 0,34 0,27 0,44 0,31 -6,06%

Bovespa

Indicadores Econômicos

18

08/01/2015 07/01/2015 06/01/2015

COMERCIAL COMPRA R$ 2,6670 R$ 2,7060 R$ 2,6970

VENDA R$ 2,6680 R$ 2,7070 R$ 2,6980

PTAX (BC) COMPRA R$ 2,6913 R$ 2,6801 R$ 2,7016

VENDA R$ 2,6919 R$ 2,6807 R$ 2,7023

TURISMO COMPRA R$ 2,7070 R$ 2,7060 R$ 2,6400

VENDA R$ 2,8330 R$ 2,7070 R$ 2,8500

PARALELO COMPRA R$ 2,6900 R$ 2,7200 R$ 2,7200

VENDA R$ 2,8600 R$ 2,8700 R$ 2,8800

Índices Jan. Fev. Março Abril Maio Junho Julho Agosto Set. Out. Nov. Dez. No ano 12 meses

IGP-M (FGV) 0,48% 0,38% 1,65% 0,78% 0,13% -0,74% -0,61% -0,27% 0,20% 0,28% 0,98% 0,62% 3,69% 3,69%

IPC-Fipe 0,94% 0,52% 0,74% 0,45% 0,25% 0,04% 0,16% 0,34% 0,21% 0,37% 0,69% - 4,89% 5,57%

IGP-DI (FGV) 0,40% 0,85% 1,48% 0,78% 0,45% -0,63% -0,55% 0,06% 0,02% 0,59% 1,14% 0,38% 3,78% 3,78%

INPC-IBGE 0,63% 0,63% 0,82% 0,78% 0,60% 0,26% 0,13% 0,18% 0,49% 0,38% 0,53% - 5,57% 6,33%

IPCA-IBGE 0,55% 0,69% 0,92% 0,67% 0,46% 0,40% 0,01% 0,25% 0,57% 0,42% 0,51% - 5,58% 6,56%

ICV-DIEESE 1,95% 0,61% 0,81% 0,57% 0,14% 0,00% 0,68% 0,02% 0,23% 0,50% 0,52% - 6,18% 6,64%

IPCA-IPEAD 1,65% 0,24% 0,65% 0,92% 0,64% 0,2% 0,01% 0,18% 0,46% 0,41% 0,77% 0,59% 6,91% 6,91%

05/12 a 05/01 0,0435 0,543706/12 a 06/01 0,0252 0,525307/12 a 07/01 0,0560 0,556308/12 a 08/01 0,0666 0,566109/12 a 09/01 0,0859 0,586310/12 a 10/01 0,0824 0,582811/12 a 11/01 0,0698 0,570112/12 a 12/01 0,0233 0,523413/12 a 13/01 0,0196 0,519714/12 a 14/01 0,0500 0,550215/12 a 15/01 0,0883 0,588716/12 a 16/01 0,0816 0,582017/12 a 17/01 0,0963 0,596818/12 a 18/01 0,0729 0,573319/12 a 19/01 0,0415 0,541720/12 a 20/01 0,0343 0,534521/12 a 21/01 0,0656 0,565922/12 a 22/01’ 0,0790 0,5794

23/12 a 23/01 0,0878 0,588224/12 a 24/01 0,9003 0,590825/12 a 25/01 0,0632 0,591626/12 a 26/01 0,0576 0,557927/12 a 27/01 0,0546 0,554928/12 a 28/01 0,0852 0,585629/12 a 29/01 0,1028 0,588230/12 a 30/01 0,1242 0,588231/12 a 31/01 0,1242 0,588201/01 a 01/02 0,0878 0,588202/01 a 02/02 0,0831 0,583503/01 a 03/02 0,1005 0,601004/01 a 04/02 0,1224 0,623005/01 a 05/02 0,1636 0,664406/01 a 06/02 0,1463 0,647007/01 a 07/02 0,1624 0,6632

Dia 9

Comprovante de Juros sobre o Capital Próprio-PJ - Fornecimen-to, à beneficiária pessoa jurídica, do Comprovante de Pagamento ou Crédito de Juros sobre o Capital Próprio no mês de dezembro/2014 (art. 2º, II, da Instrução Normativa SRF nº 41/1998). Formulário

IPI - Pagamento do IPI apurado no mês de dezembro/2014 incidente sobre produtos classificados no código 2402.20.00 da Tipi (cigar-ros que contêm fumo) - Cód. Darf 1020. Darf Comum (2 vias)

Previdência Social (INSS) GPS - Envio ao sindicato. Envio, ao sin-dicato representativo da categoria profissional mais numerosa entre os empregados, da cópia da Guia da Previdência Social (GPS) relati-va à competência dezembro/2014. Havendo recolhimento de contri-buições em mais de uma GPS, en-caminhar cópias de todas as guias. Notas: (1) Se a data-limite para a remessa for legalmente considera-da feriado (municipal, estadual ou nacional), a empresa deverá ante-cipar o envio da GPS. (2) O prazo para cumprimento dessa obriga-ção até o dia 10 está previsto no in-ciso V do art. 225 do Regulamento da Previdência Social (RPS), apro-vado pelo Decreto no 3.048/1999. Recorda-se que tal dispositivo não sofreu expressamente qualquer alteração ou revogação, apesar de a Medida Provisória no 447/2008, convertida na Lei nº 11.933/2009, ter modificado o prazo de recolhi-mento das contribuições previden-ciárias das empresas, que passou para até o dia 20 do mês seguinte ao da competência. GPS (cópia)

Dia 14

IRRF - Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte corres-pondente a fatos geradores ocorri-dos no período de 1º a 10.01.2015, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra “b”, da Lei nº 11.196/2005): a) juros sobre capi-tal próprio e aplicações financeiras, inclusive os atribuídos a residentes ou domiciliados no exterior, e títu-los de capitalização; b) prêmios, inclusive os distribuídos sob a forma de bens e serviços, obtidos em concursos e sorteios de qual-quer espécie e lucros decorrentes desses prêmios; e c) multa ou qualquer vantagem por rescisão

de contratos.Darf Comum (2 vias)

IOF - Pagamento do IOF apurado no 1º decêndio de janeiro/2015: Operações de crédito – Pessoa Ju-rídica - Cód. Darf 1150. Operações de crédito - Pessoa Física - Cód. Darf 7893. Operações de câmbio - Entrada de moeda - Cód. Darf 4290. Operações de câmbio - Sa-ída de moeda - Cód. Darf 5220. Tí-tulos ou Valores Mobiliários - Cód. Darf 6854. Factoring - Cód. Darf 6895. Seguros - Cód. Darf 3467. Ouro e ativo financeiro - Cód. Darf 4028. Darf Comum (2 vias)

Dia 15

EFD-Contribuições - Entrega da EFD-Contribuições relativa aos fatos geradores ocorridos no mês de no-vembro/2014 (Instrução Normativa RFB nº 1.252/2012, art. 7º). Internet

Cide - Pagamento da Contribuição de Intervenção no Domínio Econô-mico cujos fatos geradores ocorre-ram no mês de dezembro/2014 (art. 2º, § 5º, da Lei nº 10.168/2000; art. 6º da Lei nº 10.336/2001): Incidente sobre as importâncias pagas, credi-tadas, entregues, empregadas ou remetidas a residentes ou domicilia-dos no exterior, a título de royalties ou remuneração previstos nos res-pectivos contratos relativos a forne-cimento de tecnologia, prestação de serviços de assistência técnica, cessão e licença de uso de marcas e cessão e licença de exploração de patentes - Cód. Darf 8741. Inci-dente na comercialização de petró-leo e seus derivados, gás natural e seus derivados e álcool etílico com-bustível (Cide-Combustíveis) - Cód. Darf 9331. Darf Comum (2 vias)

Cofins/CSL/ PIS-Pasep - Retenção na Fonte - Recolhimento da Cofins, da CSL e do PIS-Pasep retidos na fonte sobre remunerações pagas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas (Lei nº 10.833/2003, art. 35, com a redação dada pelo art. 74 da Lei nº 11.196/2005), no período de 16 a 31.12.2014. Darf Comum (2 vias)

Cofins/PIS-Pasep - Retenção na Fonte – Autopeças - Recolhimento da Cofins e do PIS-Pasep retidos na fonte sobre remunerações pagas por pessoas jurídicas referentes à aqui-sição de autopeças (art. 3º, §§ 3º, 4º, 5º e 7º, da Lei nº 10.485/2002, com a nova redação dada pelo art. 42 da Lei nº 11.196/2005), no período de 16 a 31.12.2014. Darf Comum (2 vias)

Fev. Março Abril Maio Junho Julo Agosto Set. Out. Nov. Dez. Jan.Salário 724,00 724,00 724,00 724,00 724,00 724,00 724,00 724,00 724,00 724,00 724,00 788,00CUB-MG* (%) 0,13 0,18 0,28 0,20 0,12 0,11 0,08 0,12 0,09 0,07 0,11 -UPC (R$) 22,36 22,36 22,40 22,40 22,40 22,43 22,43 22,43 22,49 22,49 22,49 22,55UFEMG (R$) 2,6382 2,6382 2,6382 2,6282 2,6382 2,6382 2,6382 2,6382 2,6382 2,6382 2,6382 2,7229TJLP (&a.a.) 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00 5,50*Fonte: Sinduscon-MG

Índices de rendimentoCompetência Crédito 3% 6%Setembro Novembro 0,3506 0,5910Outubro Dezembro 0,2950 0,5352

22/12 a 22/01 0,859623/12 a 23/01 0,868524/12 a 24/01 0,871025/12 a 25/01 0,823726/12 a 26/01 0,818027/12 a 27/01 0,815028/12 a 28/01 0,855929/12 a 29/01 0,893630/12 a 30/01 0,915231/12 a 31/01 -01/01 a 01/02 0,868502/01 a 02/02 0,863703/01 a 03/02 0,881304/01 a 04/02 0,923405/01 a 05/02 0,984906/01 a 06/02 0,957507/01 a 07/02 0,9737

Fator de correção anual residencial e comercialIPCA (IBGE)Dezembro 1.0656IGP-DI (FGV)Dezembro 1.0410IGP-M (FGV)Janeiro 1.0369

MOEDAS TAXA INÍCIO FIMBOLÍVAR FORTE 0,43 08/01/2015 08/01/2015BOLIVIANO 0,3939 08/01/2015 08/01/2015CEDI 0,8405 08/01/2015 08/01/2015CÓLON COSTARRIQUENHO 0,00507 08/01/2015 08/01/2015CÓLON SALVADORENHO 0,3092 08/01/2015 08/01/2015CORDOBA OURO 0,1031 08/01/2015 08/01/2015COROA DINAMARQUESA 0,4325 08/01/2015 08/01/2015COROA ISLANDESA 0,02089 08/01/2015 08/01/2015COROA NORUEGUESA 0,3503 08/01/2015 08/01/2015COROA SUECA 0,3413 08/01/2015 08/01/2015COROA TCHECA 0,1162 08/01/2015 08/01/2015DALASI 0,06343 08/01/2015 08/01/2015DINAR ARGELINO 0,03081 08/01/2015 08/01/2015DINAR DE BAHREIN 7,1679 08/01/2015 08/01/2015DINAR JORDANIANO 3,8114 08/01/2015 08/01/2015DINAR LÍBIO 2,2617 08/01/2015 08/01/2015DIRHAM DOS EM. ÁRABES 0,7357 08/01/2015 08/01/2015DÓLAR AUSTRALIANO 2,1964 08/01/2015 08/01/2015DÓLAR DE BAHAMAS 2,7023 08/01/2015 08/01/2015DÓLAR DE BERMUDAS 2,7023 08/01/2015 08/01/2015DÓLAR CANADENSE 2,2948 08/01/2015 08/01/2015DÓLAR DA GUIANA 0,0133 08/01/2015 08/01/2015DÓLAR DE CAYMAN 3,2955 08/01/2015 08/01/2015DÓLAR DE CINGAPURA 2,0256 08/01/2015 08/01/2015DÓLAR DE HONG-KONG 0,3485 08/01/2015 08/01/2015DÓLAR DO CARIBE OR. 1,0121 08/01/2015 08/01/2015DÓLAR DOS EUA 2,7023 08/01/2015 08/01/2015EURO 3,2182 08/01/2015 08/01/2015FRANCO COM. FIN. AFR. 0,004907 08/01/2015 08/01/2015FRANCO SUÍÇO 2,679 08/01/2015 08/01/2015GUARANI 0,0005712 08/01/2015 08/01/2015IENE 0,02274 08/01/2015 08/01/2015LIBRA EGÍPCIA 0,3779 08/01/2015 08/01/2015LIBRA ESTERLINA 4,1007 08/01/2015 08/01/2015LIBRA LIBANESA 0,00179 08/01/2015 08/01/2015LIBRA SÍRIA 0,01493 08/01/2015 08/01/2015NOVO DÓLAR DE TAIWAN 0,08447 08/01/2015 08/01/2015NOVO SOL 0,908 08/01/2015 08/01/2015PATACA 0,3386 08/01/2015 08/01/2015PESO ARGENTINO 0,3162 08/01/2015 08/01/2015PESO CHILENO 0,00439 08/01/2015 08/01/2015PESO COLOMBIANO 0,001105 08/01/2015 08/01/2015PESO CUBANO 2,7023 08/01/2015 08/01/2015PESO DOMINICANO 0,06106 08/01/2015 08/01/2015PESO FILIPINO 0,06007 08/01/2015 08/01/2015PESO MEXICANO 0,1818 08/01/2015 08/01/2015PESO URUGUAIO 0,1119 08/01/2015 08/01/2015QUETZAL 0,3559 08/01/2015 08/01/2015RANDE 0,2311 08/01/2015 08/01/2015IUAN RENMINBI 0,435 08/01/2015 08/01/2015RIAL DE CATAR 0,7423 08/01/2015 08/01/2015RIAL DE OMÃ 7,019 08/01/2015 08/01/2015RIAL IEMENITA 0,01258 08/01/2015 08/01/2015RIAL IRANIANO 0,0000992 08/01/2015 08/01/2015RIAL SAUDITA 0,7201 08/01/2015 08/01/2015RINGGIT 0,76 08/01/2015 08/01/2015RUBLO 0,04286 08/01/2015 08/01/2015RÚPIA INDIANA 0,04251 08/01/2015 08/01/2015RÚPIA DA INDONÉSIA 0,0002135 08/01/2015 08/01/2015RÚPIA PAQUISTANESA 0,02682 08/01/2015 08/01/2015SHEKEL 0,6841 08/01/2015 08/01/2015WON 0,002456 08/01/2015 08/01/2015ZLOTY 0,7467 08/01/2015 08/01/2015

23/12 0,01250197 2,79045417

24/12 0,01250265 2,79060598

25/12 0,01250313 2,79071502

26/12 0,01250313 2,79071502

27/12 0,01250366 2,79083294

28/12 0,01250366 2,79083294

29/12 0,01250366 2,79083294

30/12 0,01250440 2,79099810

31/12 0,01250513 2,79116048

01/01 0,01250567 2,79128158

02/01 0,01250567 2,79128158

03/01 0,01250617 2,79139357

04/01 0,01250617 2,79139357

05/01 0,01250617 2,79139357

06/01 0,01250689 2,79155318

07/01 0,01250751 2,79169062

08/01 0,01250809 2,79182080

09/01 0,01250858 2,79192938

TABELA DE CONTRIBUIÇÕES DE JANEIRO DE 2014Tabela de contribuição dos segurados empregados, inclusive o doméstico, e trabalhador avulsoSalário de contribuição Alíquota(R$) (%) Até 1.317,07 8,00De 1.317,08 até 2.195,12 9,00De 2.195,13 até 4.390,24 11,00

CONTRIBUIÇÃO DOS SEGURADOS AUTÔNOMOS, EMPRESÁRIO E FACULTATIVOSalário base (R$) Alíquota % Contribuição (R$)Até 682,50 (vlr. Mínimo) 11 75,07De 682,51 até 4.390,24 20 136,50 até 878,04

COTAS DE SALÁRIO FAMÍLIA Remuneração Valor unitário da quotaAté R$ 682,50 R$ 35,00Acima de R$ 682,51 a R$ 1.025,81 R$ 24,66

08/01CDB Pré 30 dias 11,88% - a.a.

Hot Money 1,45% - a.m.

Capital de Giro 15,14% - a.a.

CDI 11,58% - a.a.

Over 11,65% - a.a.

Fonte: AE

08/01/2015 07/01/2015 06/01/2015

Nova Iorque (onça-troy) US$ 1.209,20 US$ 1.213,10 US$ 1.217,13

BM&F-SP (g) R$ 103,70 R$ 104,60 R$ 105,50

Fonte: AE

Tributos Federais (%) Meta da Taxa a.a. (%)Junho 0,82 11,00

Julho 0,95 11,00

Agosto 0,87 11.00

Setembro 0,91 11,00

Outubro 0,95 11,25

Novembro 0,84 11,25

Dezembro 0,96 11,75

Base de Cálculo (R$) Alíquota Parcela a (%) deduzir (R$)Até 1.787,77 Isento IsentoDe 1.787,78 até 2.679,29 7,5 134,08De 2.679,30 até 3.572,43 15 335,03De 3.572,44 até 4.463,81 22,5 602,96Acima de 4.463,81 27,5 826,15

Deduções:a) R$ 179,71 por dependente (sem limite).b) Faixa adicional de R$ 1.787,77 para aposentados, pensionistas e

transferidos para a reserva remunerada com mais de 65 anos.c) Contribuição previdenciária.d) Pensão alimentícia.

Obs: Para calcular o valor a pagar, aplique a alíquota e, em seguida, a parcela a deduzir.

Fonte: Secretaria da Receita Federal - Vigência: Janeiro/2014

07/01........................................................................... US$ 372,951 bilhões

Fonte: BC

Fonte: AE/BC

Dólar

Custo do dinheiroSalário/CUB/UPC/Ufemg/TJLP

Ouro

Taxas Selic

Reservas Internacionais

Imposto de Renda

Taxas de câmbio Contribuição ao INSS

Agenda Federal

FGTS

Inflação TR/Poupança

Seguros TBF

Aluguéis

FINANÇAS

Fonte: FenasegFonte: Aduaneiras

BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 9 DE JANEIRO DE 2015

DEVEDOR: WD DISTRIBUIDORA DE AUTO PC LT - ENDEREÇO: AV: VILARINHO 3159 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31610-070 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.563.

DEVEDOR: ONIRIA DE JESUS LOUREIRO - ENDEREÇO: RUA FLOR DE ORQUIDEA,35 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31255-510 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.567.

DEVEDOR: COMBATE EQUIP.C.INCENDIO LTDA. - ENDEREÇO: RUA TABATINGA 534 - DT. APRESENTA-ÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30530-130 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.570.

DEVEDOR: PLANET CHOKOLATE COM DE CHOCOL - ENDEREÇO: AVENIDA GETULIO VARGAS, LOJA 02 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30112-021 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.571.

DEVEDOR: MARX CALÇADOS LTDA. - ME - ENDEREÇO: RUA FRANCISCO DESLANDES,900 - CRUZEIRO - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30310-530 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.573

DEVEDOR: COMERCIAL LOGÍSTICA DE INFORMA - ENDEREÇO: R DOS TUPIS 848 SLJ 01 - DT. APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30190-061 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.576.

DEVEDOR: NACELLE COMÉRCIO LTDA. - ENDEREÇO: RUA CACHOEIRA 879 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30240-000 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.579.

DEVEDOR: RONALDO DOS SANTOS - ENDEREÇO: AV VISCONDE DE IBITURUNA 103 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30640-080 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.587.

DEVEDOR: CARLOS AUGUSTO FORTUNATO DA SI - ENDEREÇO: AV OLEGARIO MACIEL, 742 , LOJA 118 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30180-110 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.588.

DEVEDOR: COMBATE EQUIPS C/ INCENDIO LTD - ENDEREÇO: RUA TABATINGA 534 - DT. APRESENTA-ÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30530-130 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.599.

DEVEDOR: JOÃO PEDRO MALAQUIAS - ENDEREÇO: RUA CEARA 1884 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30150-310 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.600.

DEVEDOR: MODA UP LTDA. ME - ENDEREÇO: RUA BERNARDO GUIMARAES, 1855 LJ 2A - DT. APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30140-082 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.602.

DEVEDOR: FABIO PASCHOAL - ENDEREÇO: RUA MAXIMO DE MAGALHÃES ALKMIN, 106 - DT. APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31785-280 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.613.

DEVEDOR: CONSTRUTORA FELIPE AZEVEDO - ENDE-REÇO: RUA JUAZEIRO DO NORTE,N 78 - DT. APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31872-020 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.631.

DEVEDOR: 04358 ALINE LOUISE TOLENTINO FERREIRA - ENDEREÇO: R DOUTOR RUBENS GUIMARAES 15 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30840-430 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.634.

DEVEDOR: BELO VASOS LTDA. - ME - ENDEREÇO: RUA JOSÉ BENEDITO ANTAO 60 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31250-115 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.648.

DEVEDOR: FÁCIL COMPUTADORES INDÚSTRIA E COMERC - ENDEREÇO: RUA MAGNOLIA 505 A - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 31230-060 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.660.

DEVEDOR: MARIA DE FATIMA DE JESUS - ENDEREÇO: RUA DANIEL JOSÉ DE CARVALHO,230 - DT. APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30610-770 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.661.

DEVEDOR: VANIA APARECIDA QUIRINO - ENDEREÇO: RUA MAESTRO GEORGE MARINUZZI 226, - DT. APRE-SENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30840-620 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.665.

DEVEDOR: IBRADEC SUPERMERCADO LTDA-ME - ENDEREÇO: RUA JOÃO NEIVA 615 - DT. APRESENTA-ÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31070-380 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.671

DEVEDOR: ALMOFADA ARTE LTDA. - ENDEREÇO: RUA ANDRADE CAVALCANTE, 233 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30340-000 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.673.

DEVEDOR: MADENOBRE LTDA. - ENDEREÇO: RUA CASTELO DE SINTRA 580, - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31330-200 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.675.

DEVEDOR: MILLS EST E SERVIÇOS DE ENG SA - ENDE-REÇO: ROD BR 262 KM 24 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31980-115 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.697.

DEVEDOR: GAS SOLUTIONS INST PREDIAIS IND LTDA. ME - ENDEREÇO: RUA HENRIQUE B PORTUGAL 480/304 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30570-392 - UF: MG - PRO-TOCOLO: 102.863.702

BELO HORIZONTE, 09 DE JANEIRO DE 2015.O TABELIÃO.

EDITAIS: 77

SEGUNDO TABELIONATO

2º TABELIONATO DE PROTESTO DE TÍTULOS E DOCU-MENTOS DE DÍVIDA DE BELO HORIZONTE. - TABELIÃO: BEL. JOSÉ MARIA DE ALKMIM FILHO. - TABELIÃO SUBSTITUTO: BEL. ALBERTO FLÁVIO DORNAS DE ALKMIM. - RUA ESPÍRITO SANTO, 845 SOBRE LOJA 37 - FONE: 31 3273-6333. - 30160-921 - BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS. - HORÁRIO DE ATENDIMENTO NO TABELIONATO. - DIAS ÚTEIS, DE 09:00 ÀS 12:00 E DE 13:00 ÀS 17:00 HORAS.

OCORRENDO AS HIPÓTESES DO ART. 15, DA LEI No 9.492, DE 10.09.1997, FICAM AS PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS ABAIXO RELACIONADAS NOTIFICADAS PARA, DENTRO DO PRAZO LEGAL DE 03 (TRÊS) DIAS ÚTEIS, A CONTAR DA DATA DE PÚBLICAÇÃO DESTE, VIREM A ESTE TABELIONATO A FIM DE PAGAR OS TÍTULOS OU DOCUMENTOS DE DÍVIDA QUE SE SEGUEM OU DAR AS RAZÕES, POR ESCRITO, POR QUE NÃO O FAZEM, FICANDO DESDE JÁ INTIMADAS DE SEU PROTESTO.

PRAZO FINAL PARA O PAGAMENTO: 14/01/2015

DEVEDOR: 01139101-PAULO LINS REPRESENTAÇÕES LT - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDERE-ÇO: AV. AFONSO PENA JÚNIOR, 251 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31170110. Protocolo: 202.860.266.

DEVEDOR: 53511 BEL ITALIA PIZZ LTDA. ME - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: AV. MIGUEL PERRELA, 460 - LOJA 5 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31330290. Protocolo: 202.860.536.

DEVEDOR: ABRACADABRA MODA INFANTIL LTDA. ME - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R ROSINHA SIGAUD 777 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30770560. Protocolo: 202.860.464.

DEVEDOR: ABRACADABRA MODA INFANTIL LTDA. ME - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R ROSINHA SIGAUD 777 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30770560. Protocolo: 202.860.645.

DEVEDOR: ADILSON ALVES MONTEIRO - DATA DA APRESENTAÇÃO: 23/12/2014 - ENDEREÇO: RUA JOA-QUIM PINTO 529 BATUQUE - CIDADE: MONTE CARME-LO/MG - CEP: 38500000. Protocolo: 202.858.841.

DEVEDOR: ADRIANA COM DE CORTINAS LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA JACUI 4001/LOJA 20 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31160190. Protocolo: 202.860.257.

DEVEDOR: AGROMEX AGROPECUARIA E MINERAÇÕES LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 05/12/2014 - ENDE-REÇO: ROD BR 381 FER DIAS KM 485/486 ZONA RURAL - CIDADE: ITATIAIUCU/MG - CEP: 35685000. Protocolo: 202.854.899.

DEVEDOR: AGROMEX AGROPECUARIA E MINERAÇÕES LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 05/12/2014 - ENDE-REÇO: ROD BR 381 FER DIAS KM 485/486 ZONA RURAL - CIDADE: ITATIAIUCU/MG - CEP: 35685000. Protocolo: 202.854.900.

DEVEDOR: ALBERTINO GOMES FERNANDES - ME - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R TUPIS, 1489 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30190062. Protocolo: 202.860.310.

DEVEDOR: ANTÔNIO MARCOS PINTO DOS SANTOS - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA EDGARD TORRES 710 LJ 3, - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31610510. Protocolo: 202.860.666.

DEVEDOR: BALUARTE MÓVEIS EQUIP.INF LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA MANOEL ELIAS DE AGUIAR,25 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE/MG - CEP: 31330520. Protocolo: 202.860.583.

DEVEDOR: BONTEMPO OPTICA LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R CONSE-LHEIRO LAFAIETE,622 LJ. A - CIDADE: BELO HORIZON-TE/MG - CEP: 31030010. Protocolo: 202.860.414.

DEVEDOR: CHARI COMÉRCIO DE ARTIGOS DO VES-TUARI - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDE-REÇO: RUA PARACATU 277 LOJA 16 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30180090. Protocolo: 202.860.301.

DEVEDOR: CHRISTIAN WILLIAN DOS SANTOS - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA CRUZEIRO DO SUL 970 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30642480. Protocolo: 202.860.333.

DEVEDOR: CMR TRATORES E COMÉRCIO LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: AV.CRISTIANO MACHADO 8959 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE/MG - CEP: 31760000. Protocolo: 202.860.330.

DEVEDOR: CONNECTT TELECOM COM DE EQUIP - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA RIO GRANDE DO SUL 54 - LOJA 27 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30170110. Protocolo: 202.860.502.

DEVEDOR: CONSTRUTORA SOMAR LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: AV AFONSO PENA 2522 LOJA 01 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30130007. Protocolo: 202.860.344.

DEVEDOR: CRIATIVA EVENTOS LTDA. - ME - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA ARACA, 116 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31230790. Protocolo: 202.860.268.

DEVEDOR: DEISELENE COSTA HESS - DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA VITORIO MAGNAVACCA N 345 AP 104 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE/MG - CEP: 30492015. Protocolo: 202.860.632.

DEVEDOR: DETRONIC DEDMONTES E TERRAPLANA-GEM LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R ESTORIL ,878 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE/MG - CEP: 31255190. Protocolo: 202.860.420.

DEVEDOR: DUZA PRESENTES UTILIDADES LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: AV FRANCISCO SA 94 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30411145. Protocolo: 202.860.506.

DEVEDOR: ELIZABETH MENDES MARTINS - DATA DA APRESENTAÇÃO: 23/12/2014 - ENDEREÇO: RUA DOM JOÃO PIMENTA 213 A CENTRO - CIDADE: MONTES CLAROS/MG - CEP: 39400003. Protocolo: 202.858.926.

DEVEDOR: EMPREITEIRA JOSÉ GERALDO PIMEN - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA JAMIL FARAH 612 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30570320. Protocolo: 202.860.574.

DEVEDOR: ENI MORAES GONÇALVES - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA GON-CALO COELHO, 130 APT 101 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE/MG - CEP: 31170040. Protocolo: 202.860.541.

DEVEDOR: FERNANDA RODRIGUES - DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA SÃO PEDRO DO HAVAI 108 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31565410. Protocolo: 202.860.561.

DEVEDOR: FRUTO PROIBIDO COM IND LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R TENENTE BRITO MELO,101 - CIDADE: BELO HORIZON-TE/MG - CEP: 30180070. Protocolo: 202.860.419.

DEVEDOR: GRÁFICA ANDRÉIA LTDA. - DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA JUAZEI-RO113 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31110490. Protocolo: 202.860.411.

DEVEDOR: GREG REPRESENTACAO LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA ALBERTO CINTRA 397 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31160370. Protocolo: 202.860.381.

DEVEDOR: IDENTIDADE EDITORA COMUNICACAO LTDA. ME - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA DOS DOMINICANOS,165 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30210408. Protocolo: 202.860.356.

DEVEDOR: INSTITUTO MINEIRO DE EDUCACAO E CULTURA - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: AV CRISTIANO MACHADO,4000 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31160900. Protocolo: 202.860.418.

DEVEDOR: JBA CONSTRUÇÕES E REFORMAS LTD - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA ALTINOPOLIS-905 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31573080. Protocolo: 202.860.589.

DEVEDOR: JLM TAVARES CONSTRUÇÕES EIRELI - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA DR. GERALDO STARLING SOARES,185 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30692000. Protocolo: 202.860.603.

DEVEDOR: JMEG INTERMEDIACOES PARTICIPAÇÕES EMP - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDE-REÇO: RUA VIEIRA DE CAMPOS, 109 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31730590. Protocolo: 202.860.327.

DEVEDOR: JOSÉ GERALDO CRUZ - DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA PADRE EUSTÁQUIO 1051/701 CARLOS PRATES - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30710580. Protocolo: 202.860.679.

DEVEDOR: L. G. COMÉRCIO INDÚSTRIA LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: AIMO-RES, 231 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30150311. Protocolo: 202.860.390.

DEVEDOR: LEONARDO SANDIN VIEIRA - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R DOUTOR CORNELIO ROSEMBURG 59 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE/MG - CEP: 31255770. Protocolo: 202.860.267.

DEVEDOR: LUCIANA FLORES COELHO - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA ITA-JUBÁ 1600 - APTO 501, - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31030430. Protocolo: 202.860.656.

DEVEDOR: MARCELA MAGALHÃES FONSECA - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA MONTE SANTO 375 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30710430. Protocolo: 202.860.417.

DEVEDOR: MARIA DA CONCEICAO CORREA - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA SÃO ROQUE, 700 AP201 SAGRADA FAMILIA - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31035460. Protocolo: 202.860.461.

DEVEDOR: MARIA SALETE DE CARVALHO - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R UM MIL TREZENTOS OITENTA SEIS 313 AGUAS CLA - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30670828. Protocolo: 202.860.256.

DEVEDOR: MARIANA DE ALMEIRDA CASTANHEIR - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA ANTÔNIO GUERRA 61 - CIDADE: BELO HORIZON-TE/MG - CEP: 31230270. Protocolo: 202.860.368.

DEVEDOR: MIX EMBAL BH IND E COMÉRCIO LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA HENRIQUE DIAS, 957 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31250250. Protocolo: 202.860.396.

DEVEDOR: NATANAEL CHAVES DOS SANTOS - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R.RITA,50 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31910700. Protocolo: 202.860.495.

DEVEDOR: NICHO ENGENHEIROS CONSULTORES - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: CLAUDIO MANOEL,237 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30140100. Protocolo: 202.860.489.

DEVEDOR: NUTRIMUS COMERCIAL LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA AIMO-RES, 3100 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30140073. Protocolo: 202.860.343.

DEVEDOR: PACTO CONSTRUTORA LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: AV RAJA GABAGLIA, 1001 SL 801 LUXEMBURGO - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30380403. Protocolo: 202.860.453.

DEVEDOR: REGIANE COSTA DE ALMEIDA - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA ALFREDINA AMARAL, 215 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30620220. Protocolo: 202.860.501.

DEVEDOR: RENOVACAO ALIMENTOS E BEBIDAS EIRELI - M - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDERE-ÇO: RUA TOMAS GONZAGA 588 144 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30180140. Protocolo: 202.860.353.

DEVEDOR: RG ESTRUTURAS E ESQUADRIAS METALI-CAS LTD - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R IPANEMA, 299 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE/MG - CEP: 31360330. Protocolo: 202.860.457.

DEVEDOR: RG ESTRUTURAS E ESQUADRIAS METALI-CAS LTD - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R IPANEMA, 299 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE/MG - CEP: 31360330. Protocolo: 202.860.458.

DEVEDOR: RMT COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: AV. DOS BANDEIRANTES 1689 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30315000. Protocolo: 202.860.350.

DEVEDOR: SANDRA CRISTINA DE MORAIS - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: BC CAPELA 2215 TOM JOBIM CIDADE INDUSTRIAL - CIDADE: CONTAGEM/MG - CEP: 32210192. Protocolo: 202.860.677.

DEVEDOR: SCA E PRO CONSTRUTORA LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R CONCEICAO DO M.DENTRO 546,B OURO PRETO - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31310240. Protocolo: 202.860.449.

DEVEDOR: SERRA MORENA MÁQUINAS E ENGENHA-RIA LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA MATO GROSSO 1051 LOJA SANTO AGOSTINHO - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30190081. Protocolo: 202.860.681.

DEVEDOR: SIND. RODOV. DE BELO HORIZONTE - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: AV. AMAZONAS 2445 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30180002. Protocolo: 202.860.630.

DEVEDOR: SORAYA BRAGA DE LIMA - DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA ANTÔNIO PEIXOTO GUIMARAES 76 APTO 2 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30770290. Protocolo: 202.860.358.

DEVEDOR: SOUZA MATTAR BIJOUTERIAS LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA MADRE DOS ANJOS N 807 - CIDADE: BELO HORIZON-TE/MG - CEP: 31814030. Protocolo: 202.860.591.

DEVEDOR: SPE CESTO INCORPORADORA S/A - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA RIO DE JANEIRO N 18, CENTRO - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30160040. Protocolo: 202.860.467.

DEVEDOR: TERRASA ENGENHARIA LTDA. ME - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: PAULO FREIRE DE ARAÚJO 50 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30494280. Protocolo: 202.860.604.

DEVEDOR: TORC TERRAPLANAGEM OBRAS RODOVIAS CON - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDE-REÇO: RUA MARANHAO 1694 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE/MG - CEP: 30150331. Protocolo: 202.860.315.

DEVEDOR: TURQUEZA TECIDOS E VESTUARIOS - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA TURQUESA, 215 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30411177. Protocolo: 202.860.627.

DEVEDOR: UNIPAR PARAFUSOS E ACESSÓRIOS LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA CURRAL DEL REI 384 PADRE EUSTÁQUIO - CIDA-DE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30720220. Protocolo: 202.860.676.

DEVEDOR: VALÉRIA DE JESUS MAXIMIANO 5777564860 - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA GILMAR PEREIRA ROSA, 285 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30626370. Protocolo: 202.860.273.

DEVEDOR: VERTICAL PROPAGANDA LTDA. - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA SAPU-CAI 65 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31150050. Protocolo: 202.860.272.

DEVEDOR: VVLC CALÇADOS E ACESSÓRIOS LTDA. ME - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDERE-ÇO: AV ANDRADAS, DOS 3000 PISO 2 LJ 2063 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30260070. Protocolo: 202.860.407.

DEVEDOR: WAGNER LIMA PIMENTEL - DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: RUA CRISTIANO MOREIRA SALES, 53/204 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 30494360. Protocolo: 202.860.634.

DEVEDOR: WILSON CALIXTO EIRELI ME - DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015 - ENDEREÇO: R AFONSO CELSO, 10 APT 503 - CIDADE: BELO HORIZONTE/MG - CEP: 31520430. Protocolo: 202.860.610.

BELO HORIZONTE, 09 DE JANEIRO DE 2015.JOSÉ MARIA DE ALKMIM FILHO. 2º TABELIÃO DE PROTESTO.

67 editais.

TERCEIRO TABELIONATO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 3º Tabelionato de Protesto de Títulos de Belo Horizonte - DOMINGO PIETRANGELO RITONDO - Tabelião - Rua dos Tupis, nº 457 - Loja - CEP 30.190-060 - Fone (31)3274-2549

EDITAL DE INTIMAÇÃOEm razão de as pessoas indicadas para aceitar ou pagar os títulos serem desconhecidas, suas localizações incer-tas ou ignoradas, forem residentes ou domiciliadas fora da competência territorial do Tabelionato, ou, ainda, não se dispuserem a receber a intimação nos endereços fornecidos pelos apresentantes, faço saber aos que o presente EDITAL DE INTIMAÇÃO virem que deram entrada para protesto os seguintes títulos, ficando intimados os respectivos responsáveis a pagar ou dar as razões por que não o fazem, dentro do prazo legal de 3 (três) dias úteis, após a publicação deste EDITAL.

PRAZO FINAL PARA PAGAMENTO: 14/01/2015.

DEVEDOR(A): ANA LUCIA SANTANA DE CAMPOS NOGUEIRA; ENDEREÇO: RUA TGROVADOR LUIZ OTA-VIO 42 - TERRAS ALTAS - JUIZ DE FORA-MG - CEP: 36073-210; APONTAMENTO: 31858589; DATA DE APRESENTAÇÃO: 23/12/2014

DEVEDOR(A): EDER SILVA SOARES; ENDEREÇO: AV 21, 696 - CAMILO PRATES - MONTES CLAROS-MG - CEP: 39400-000; APONTAMENTO: 31858622; DATA DE APRE-SENTAÇÃO: 23/12/2014

DEVEDOR(A): ADEMILTON CÉSAR DE MENESES; ENDE-REÇO: RUA MARIETA VERSIANI 346 CASA - NOVO HORIZONTE - UNAI-MG - CEP: 38610-000; APONTA-MENTO: 31858646; DATA DE APRESENTAÇÃO: 23/12/2014

DEVEDOR(A): WILIAN PALMEIRA; ENDEREÇO: RUA AMNON 150 - CANAA - IPATINGA-MG - CEP: 35164-134; APONTAMENTO: 31858668; DATA DE APRESENTAÇÃO: 23/12/2014

DEVEDOR(A): VINICIUS DOS SANTOS PEREIRA; ENDE-REÇO: RUA DO PARLAMENTO 625 - JD AUROPA - UBERLANDIA-MG - CEP: 38400-000; APONTAMENTO: 31858671; DATA DE APRESENTAÇÃO: 23/12/2014

DEVEDOR(A): GILMAR PEREIRA DAMASIO; ENDEREÇO: RUA PADRE ARNALDO 330 - CENTRO - BELISARIO-MG - CEP: 36888-000; APONTAMENTO: 31859062; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): WEVERLAN FONTES VIEIRA; ENDEREÇO: RUA SÃO JOÃO DEL REI 820 AP 102 - NOVO HORIZON-TE - NOVA SERRANA-MG - CEP: 35519-000; APONTA-MENTO: 31859063; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): TABATA APARECIDA BONELA FARNEZI; ENDEREÇO: RUA RIO PARDO 637 - RIACHO DAS PEDRAS - CONTAGEM-MG - CEP: 32265-190; APON-TAMENTO: 31859067; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): PATRICIA TORRENT LISBOA; ENDEREÇO: RUA PRINCESA ISABEL, 330 APTO 302 - IPIRANGA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31160-110; APONTAMEN-TO: 31859103; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): UP SERVICE SERVIÇOS SOLUÇÕES E; ENDEREÇO: RUA GABRO,206 - SANTA TEREZA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31035-536; APONTAMENTO: 31859264; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): SÉRGIO HENRIQUE GONC DE SOUZA; ENDEREÇO: RUA ALUISIO LOBAO VERAS N 215 - APT 401 - SERRANO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30882-550; APONTAMENTO: 31859265; DATA DE APRESEN-TAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): BARROS & MELLO REPRES. LTDA. -; ENDEREÇO: AV: PROFESSOR MILTON LAGE,51 - NOVA ESPERAN - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31230-470; APONTAMENTO: 31859269; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): FREDI & LAINY REP. LTDA; ENDEREÇO: AVENIDA REPÚBLICA, 90 - JARDIM DOS COME - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31640-630; APONTAMENTO: 31859328; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): CIT USINAGEM E FUND. LTDA. - ME; ENDEREÇO: RUA ITAPURA, A 425 - SAUDADE - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30285-070; APONTAMENTO: 31859331; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): CONSTRUTORA DALPASQUALE LTDA; ENDEREÇO: RUA MARCOS DE OLIVEIRA N. 36 - SANTA TEREZINHA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31340-100; APONTAMENTO: 31859338; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): MBO - CIVIL ESQUADRIAS E MATER; ENDEREÇO: RUA TUCUMAN, 450 - SÃO GERALDO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31050-560; APONTAMEN-TO: 31859348; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): JULIUS AUGUSTUS RACHI; ENDEREÇO: RUA CASTELO DE OBIDOS, 518, APTO 202 - CASTELO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31330-320; APONTA-MENTO: 31859358; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): PATRICIA SINDALVA DE SOUZA; ENDE-REÇO: RUA IBITINGA, 214 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31110-790; APONTAMENTO: 31859361; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): FERNANDA RODRIGUES DOS SANTOS; ENDEREÇO: RU JOÃO PINHEIRO,7A - BEIJA FLOR - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31998-300; APONTAMEN-TO: 31859374; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): LUCIANO NUNES DA SILVA; ENDEREÇO: RUA SILVIO GUEDES,135 - PALMEIRAS - BELO HORI-ZONTE-MG - CEP: 30575-640; APONTAMENTO: 31859375; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): LUCIANA FIGUEIREDO CAMPOS; ENDE-REÇO: AV VITORIO MARCOLA 43, - ANCHIETA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30310-360; APONTAMENTO: 31859376; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): RESERVA ENGENHARIA CONSULTORIA E GESTAO; ENDEREÇO: RUA WANDER ROCHA VAR-GAS, 305,, - MINASL NDIA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31812-090; APONTAMENTO: 31859382; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): GILSON CARDOSO RODRIGUES 106719696; ENDEREÇO: RUA PERIMETRAL, 178 APT 301 - PRADO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30410-650; APONTAMENTO: 31859390; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): LUCIANA FIGUEIREDO CAMPOS; ENDE-REÇO: AV VITORIO MARCOLA 43, - ANCHIETA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30310-360; APONTAMENTO: 31859394; DATA DE APRESENTAÇÃO: 29/12/2014

DEVEDOR(A): TATIANE CAMPOS VIEIRA; ENDEREÇO: RUA UM, 663 OLHOS D AGUA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30390-590; APONTAMENTO: 31859422; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): JS EMPREENDIMENTOS E CONSTRU-ÇÕES LTDA; ENDEREÇO: RUA MARIANO PROCOPIO 1065 - JOÃO PINHEIR - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30530-290; APONTAMENTO: 31859432; DATA DE APRE-SENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): RS BALANCAS AUTOMAÇÃO LTDA. ME; ENDEREÇO: R MRI FRNCISC,536-A - BOA VISTA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31060-330; APONTAMENTO: 31859437; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): MARLEY PEREIRA DA SILVA; ENDEREÇO: HENRIQUE DINIZ, 47 A - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31250-620; APONTAMENTO: 31859445; DATA DE APRE-SENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): REST GALERIA ARTE & GASTRONOMIA LTDA; ENDEREÇO: RUA PERNAMBUCO, 1300 LOJA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30130-151; APONTAMEN-TO: 31859467; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): LEONARDO RODRIGUES GRAVINO; ENDEREÇO: R GIBRALTAR, 187 - NS SRA DO CA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30880-070; APONTAMENTO: 31859475; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): GADE CONSULTORIA E ASSESSORIA LTDA; ENDEREÇO: R PROF MAGALHÃES DRUMOND 15 8 ANDAR STO ANTON - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30350-000; APONTAMENTO: 31859487; DATA DE APRE-SENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): RS BALANCAS AUTOMAÇÃO LTDA. ME; ENDEREÇO: R MRI FRNCISC,536-A - BOA VISTA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31060-330; APONTAMENTO: 31859488; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): SANDRA MARIA MACHADO PEDROSA; ENDEREÇO: RUA PATAGONIA, 46 / 601 - SION - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30320-080; APONTAMENTO: 31859519; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): METROPOLITAN GARDEN EMPREND E PARTICI; ENDEREÇO: R DESEMBARGADOR JORGE FONTANA 408 SAL - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30320-670; APONTAMENTO: 31859531; DATA DE APRE-SENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): LUSMARINA EXPEDITA DA SILVA 086676716; ENDEREÇO: RUA ERC LIA SIQUEIRA 5 LOJA - TAQUARIL A - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30295-410; APONTAMENTO: 31859552; DATA DE APRESEN-TAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): DANIELLE COSTA RODRIGUES; ENDERE-ÇO: RUA REIS DE ABREU 440 - BAIRRO ERMEL - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31250-080; APONTAMENTO: 31859575; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): JS EMPREENDIMENTOS E CONSTRU-ÇÕES LTDA; ENDEREÇO: RUA MARIANO PROCOPIO 1065 - JOÃO PINHEIRO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30530-290; APONTAMENTO: 31859584; DATA DE APRE-SENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): TIME SOLUTIONS TECM E CONSTRU-ÇÕES LTD; ENDEREÇO: AV RAJA GABAGLIA 2708 SL.310 3 ANDAR - ESTORIL - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30494-170; APONTAMENTO: 31859589; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ALESSANDRA BATISTA ALVES; ENDERE-ÇO: RUA MESTRE GUINARD, 104 - TUPI - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31846-140; APONTAMENTO: 31859590; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): SERVUS EMPREENDIMENTOS LTDA; ENDEREÇO: RUA TAVARES BASTOS, 261 APTO 101 - CORAÇÃO DE JESUS - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30380-172; APONTAMENTO: 31859596; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): D P V GONÇALVES; ENDEREÇO: RUA LILAS, 50 - JOÃO PINHEIRO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30530-370; APONTAMENTO: 31859597; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ROSA SECO COM. DE ROUPAS LTDA; ENDEREÇO: R. ROMUALDO LOPES CANCADO, 125, LJ 20 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30840-460; APON-TAMENTO: 31859607; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ANTÔNIO EUSTÁQUIO GOMES DA SILVA; ENDEREÇO: RUA OTAVIO BARRETO 08 - BOA VISTA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31060-390; APONTAMEN-TO: 31859610; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ANA CAROLINA REIS MACIEL ME; ENDE-REÇO: RUA JOÃO BATISTA VIANNA 198 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30662-390; APONTAMENTO: 31859612; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): REGINALDO CÉSARO A DE LIMA; ENDE-REÇO: RUA SETECENTOS E VINTE E UM 310 - VITORIA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31970-640; APONTA-MENTO: 31859616; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): MONNALISA BRASIL IND E COM DE ROUPAS; ENDEREÇO: RUA BRUMADINHO, 348 - PRADO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30411-189; APONTAMENTO: 31859640; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): A.D.F. DE SOUZA; ENDEREÇO: AV. CORO-NEL JOSÉ DIAS BICALHO, 222 L - BELO HORIZONTE--MG - CEP: 31275-050; APONTAMENTO: 31859644; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): OTACILIO DELFINO JÚNIOR 01495384640; ENDEREÇO: RUA BOM JESUS 05 - TAQUARIL - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30295-320; APONTAMENTO: 31859666; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): BLA BLA BAR LTDA. ME; ENDEREÇO: RUA MONTES CLAROS, 495 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30310-370; APONTAMENTO: 31859680; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): EDIVALDO PEDRO DOS SANTOS; ENDE-REÇO: R LUIZ GONZAGA DE SOUZA, 12 - JAQUELINE - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31748-131; APONTA-MENTO: 31859683; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ELIANE NEVES DA SILVA; ENDEREÇO: R.OTAVIANO PENAFORTE,121/301 - SERRA VERDE - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31630-270; APONTAMEN-TO: 31859705; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): PEDRINHAS MATS. DE CONSTR. LTD; ENDEREÇO: R.DR.ALVARO CAMARGOS 21 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31565-312; APONTAMENTO: 31859724; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): BH BEER INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE BEBID; ENDEREÇO: AVENIDA DO CONTORNO,7613 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30110-047; APONTAMEN-TO: 31859747; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): FRANCISCO SOLIMAR RODRIGUES DA SILVA - M; ENDEREÇO: RUA OSMARIO SOARES,260 - LJ 02 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30850-380; APON-TAMENTO: 31859770; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): FRANCISCO AURELIANO DE SOUZA; ENDEREÇO: RUA SERRA,72 BAIRRO DIAMANTE B.H. - DIAMANTE (BARREIRO) - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30660-580; APONTAMENTO: 31859786; DATA DE APRE-SENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): JV INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - ME; ENDEREÇO: R CAMOMILA - 7 - - LINDEIA (BARREIRO) - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30690-605; APONTA-MENTO: 31859816; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): OSMIRO OLIVEIRA LELES 07444367; ENDEREÇO: R ANAPURUS 02 - SÃO GABRIEL - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31980-210; APONTAMENTO: 31859822; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): EBDE EMPRES.BRAS.DECOR.E EVENTOS; ENDEREÇO: RUA DIVISA NOVA 42 - SALGADO FILHO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30550-330; APONTA-MENTO: 31859831; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): NOETE APARECIDA ANTUNES CABRAL; ENDEREÇO: R EXP SALVADOR ALVES 220 ITATIAIA - ITATIAIA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31360-700; APONTAMENTO: 31859842; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): WEBERT ROSEMBERG DE AVELAR ME; ENDEREÇO: RUA CORNELIO CERQUEIRA, 299 LJ1 - PADRE EUSTÁQUIO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30730-530; APONTAMENTO: 31859856; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): MARCELO PEREIRA DA SILVA; ENDERE-ÇO: RUA DOUTOR BROCHADO,90 - VERA CRUZ - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30285-140; APONTAMENTO: 31859866; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): JP COM DE CALÇADOS E ACESSÓRIO; ENDEREÇO: AVENIDA AUGUSTO DE LIMA 1912 BARRO PRE - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30190-003; APON-TAMENTO: 31859899; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): AGAPE AUDIO & VIDEO EIRELI; ENDERE-ÇO: R DOS BACURAUS, 10 LJ 1 - PLANALTO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31720-555; APONTAMENTO: 31859901; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): BELO COM IMP EXP MAQ COST LTDA; ENDEREÇO: AVENIDA AMAZONAS,1049 LOJA 23 - CENTRO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30180-000; APONTAMENTO: 31859913; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CONSTRUTORA DALPASQUALE LTDA; ENDEREÇO: RUA MARCOS DE OLIVEIRA N. 36 - SANTA TEREZINHA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31340-100; APONTAMENTO: 31859920; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

TERCEIRO SUBDISTRITO

LUIZ CARLOS PINTO FONSECA - TERCEIRO SUB-DISTRITO DE BELO HORIZONTE - OFICIAL DO REGISTRO CIVIL - RUA SÃO PAULO, 1620 - BAIRRO LOURDES - TEL.: 31.3337-4822

Faz saber que pretendem casar-se:

ADALTON ALVES CARNEIRO, SOLTEIRO, CABELEIREI-RO, maior, natural de Belo Horizonte, MG, residente nesta Capital à R. Georgina Penido, 241, São Lucas, 3BH, filho de João Isabel Carneiro e Alaide Alves Carneiro; e FABIO-LA ANDRADE QUEIROZ, solteira, Analista de R. H., maior, residente nesta Capital à R. Georgina Penido, 241, São Lucas, 3BH, filha de José Miranda de Queiroz e Maria de Fatima Andrade Miranda. (669527)

DANIEL MOREIRA LUCENA, SOLTEIRO, MÉDICO, maior, natural de Belo Horizonte, MG, residente nesta Capital à R. Feliciano Negrão,228, Santa Rosa, 2BH, filho de Bertulino Neto Cruz Lucena e Rigleia Maria Moreira Lucena; e BÁRBARA COUTO CARVALHO, solteira, Estudante, maior, residente nesta Capital à R. Pirapetin-ga,122/501, Serra, 3BH, filha de Vicente Batista de Car-valho e Esmeralda Luzdelmato Couto Batista de Carvalho. (669528)

ADENILSON INACIO DE AZEVEDO, SOLTEIRO, ADMI-NISTRADOR DE EMPRESAS, maior, natural de Colatina, ES, residente nesta Capital à R. Atenas, 25/202, Prado, 3BH, filho de Edivaldo Antunes de Azevedo e Julia Maria Inacio de Azevedo; e DANNIANA RAMOS RABELO, solteira, Advogada, maior, residente nesta Capital à R. Santo Antônio do Monte, 631/108, Santo Antônio, 3BH, filha de Antonio Cristovam Rabelo e Maria Augusta Ramos Rabelo. (669529)

MARCOS MONTEIRO FERREIRA DA ROCHA, SOLTEIRO, PUBLICITARIO, maior, natural de Juiz de Fora, MG, residente à Condominio Fazendinha Pedra Bonita, 19- C, Francisco Bernardino, Juiz de Fora, MG, filho de Mário Antônio Reis Ferreira da Rocha e Irene Monteiro Ferreira da Rocha; e LILIAN COSTA SARREIRO, solteira, Médica, maior, residente nesta Capital à Rua Tomé de Souza, 1225/1701, Savassi, 3BH, filha de Alnio Roberio de Souza Martins Sarreiro e Maria de Lourdes Costa Sarreiro. (669530)

JOÃO GARCIA DE AZEVEDO NETO, SOLTEIRO, MÉDICO, maior, natural de Belo Horizonte, MG, residente nesta Capital à Rua Rio Grande do Sul, 1332/1201, Santo Agostinho, 3BH, filho de José Mariano Melo Garcia e Maria da Piedade Marinho Garcia; e EDUARDA CABRINI ALMEIDA GUSSEN, solteira, Médica, maior, residente à Rua Dr Carlos Bernardes Costa, 775, Sinhaninha, Oliveira, MG, filha de Rubens Rios Gussen e Valéria Cabrini de Oliveira Almeida Gussen. (669530)

Apresentaram os documentos exigidos pela Legislação em Vigor. Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o na forma da Lei. Lavra o presente para ser afixado em cartório e publicado pela imprensa

Belo Horizonte, 08 de janeiro de 2015OFICIAL DO REGISTRO CIVIL.

5 editais.

QUARTO SUBDISTRITO

QUARTO SUBDISTRITO DE BELO HORIZONTE - AV. AMAZONAS, 4.666 - NOVA SUÍÇA - BELO HORIZONTE - MG - 31-3332-6847

Faz saber que pretendem casar-se :

JULIO CÉSAR MARIANO DA SILVA, solteiro, motofretista, nascido em 10/11/1980 em Belo Horizonte, MG, residente a Rua Estrada Do Cercadinho, 2278, Jardim America, Belo Horizonte, filho de JOSÉ MARIANO DA SILVA FILHO e MARIA IMACULADA AMANCIO SILVA Com ALINE ALVES GULARTI, solteira, cortadora de piloto, nascida em 07/02/1981 em Belo Horizonte, MG, residente a Rua Conselheiro Joaquim Caetano, 1387, Nova Granada, Belo Horizonte, filha de ROGÉRIO CAETANO GULARTI e MARLENE LOPES ALVES GULARTI.

GEOVANE MIRANDA DA SILVA, solteiro, vendedor, nascido em 08/05/1977 em Gouveia, MG, residente a Rua Regia, 347, Nova Cintra, Belo Horizonte, filho de ANTÔNIO ALVES DA SILVA e ALICE ALVES DE MIRANDA Com ANA CRISTINA DOS SANTOS SILVA, solteira, auxiliar admi-nistrativo, nascida em 04/02/1984 em Caraguatatuba, SP, residente a Rua Regia, 347, Nova Cintra, Belo Horizonte, filha de JOSÉ LOPES DA SILVA e MARIA TEREZINHA DOS SANTOS SILVA.

WILLIAM FERREIRA MIRANDA, solteiro, representante comercial, nascido em 19/02/1982 em Belo Horizonte, MG, residente a Rua Walter Camargos, 8, Vista Alegre, Belo Horizonte, filho de ILDEBRANDES MIRANDA TEI-XEIRA e ANA DAS GRACAS FERREIRA MIRANDA Com EDILAINE FAGUNDES DE SOUZA, solteira, tecnico em enfermagem, nascida em 23/06/1986 em Belo Horizonte, MG, residente a Rua Sao Jose, 295, Vista Alegre, Belo Horizonte, filha de GERALDO GALDINO DE SOUZA e ILDA FAGUNDES DE SOUZA.

JUNIO GOMES DE SOUZA, solteiro, vigia, nascido em 09/05/1991 em Belo Horizonte, MG, residente a Rua Frei Gonzaga, 95, Vista Alegre, Belo Horizonte, filho de SEBASTIÃO DE SOUZA e ZELIA LINA DA ROCHA SOUZA Com GEICIANE HELOIZA FERREIRA DE ASSIS, solteira, do lar, nascida em 03/11/1991 em Belo Horizonte, MG, residente a Rua Frei Gonzaga, 95, Vista Alegre, Belo Horizonte, filha de JUVENAL DE ASSIS e MARIA DO SOCORRO FERREIRA.

Apresentaram os documentos exigidos pelo Art. 1525 do Codigo Civil Brasileiro. Se alguem souber de algum impedimento, oponha-o na forma da lei.

Belo Horizonte, 08/01/2015.Alexandrina De Albuquerque Rezende Oficial do Registro Civil.

4 editais.

EDITAIS D E NOTIFICAÇAO

PRIMEIRO TABELIONATO

1º TABELIONATO DE PROTESTO DE TÍTULOS E DOCU-MENTOS DE DÍVIDA DE BELO HORIZONTE - TABELIÃO: LUIZ MÁRCIO FERREIRA DE CARVALHO - RUA DA BAHIA, 478 LJ 10 - CEP 30160.010 - FONE (31) 3212-1455. HORÁRIO DE ATENDIMENTO: DE SEGUNDA A SEXTA--FEIRA, DAS 09h ÀS 12h E 13h ÀS 17h

OCORRENDO AS HIPÓTESES DO ART.15, DA LEI Nº 9.492, DE 10/09/1997, FICAM AS PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS ABAIXO RELACIONADAS NOTIFICADAS PARA, DENTRO DO PRAZO LEGAL DE 03 (TRÊS) DIAS ÚTEIS, A CONTAR DA DATA DE PÚBLICAÇÃO DESTE, VIREM A ESTE TABE-LIONATO A FIM DE PAGAR OS TÍTULOS OU DOCUMEN-TOS DE DÍVIDA QUE SE SEGUEM OU DAR AS RAZÕES, POR ESCRITO, PORQUE NÃO O FAZEM, FICANDO DESDE JÁ INTIMADAS DE SEU PROTESTO.

PRAZO FINAL PARA O PAGAMENTO: 14/01/2015.

DEVEDOR: ELENILTON SABINO DOS SANTOS - ENDE-REÇO: AV AUSTRALIA 60 - DT. APRESENTAÇÃO: 23/12/2014 - CIDADE: RIBEIRAO DAS NEVES - CEP: 33823-000 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.860.944.

DEVEDOR: CARLINDO SANTOS DE ARAÚJO - ENDE-REÇO: RUA DEZESSEIS 475 - DT. APRESENTAÇÃO: 29/12/2014 - CIDADE: ITUIUTABA - CEP: 38300-070 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.861.395.

DEVEDOR: ANA CAROLINA DUARTE DA PAZ - ENDE-REÇO: RUA GUAJAJARAS 187 APTO 201 - DT. APRE-SENTAÇÃO: 29/12/2014 - CIDADE: NOVA SERRANA - CEP: 35519-000 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.861.399.

DEVEDOR: ROSALVO JÚNIOR PINTO - ENDEREÇO: AV AMAZONAS 467 STD 02, - DT. APRESENTAÇÃO: 05/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30180-000 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.039.

DEVEDOR: CLAUDIA MARCIA FRANCISCO - ENDERE-ÇO: RUA SACARA CABRAL 208 C 5 B - DT. APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30532-060 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.056.

DEVEDOR: WILIAN LOPES TEIXEIRA - ENDEREÇO: WILSON MODESTO RIBIRO 120 APAR 307 - DT. APRE-SENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31160-430 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.076.

DEVEDOR: MANUEL LOPES DOS SANTOS - ENDEREÇO: R AFEGANISTAO, 70 TIROL - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30662-517 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.080.

DEVEDOR: DANIEL MONTEIRO PARAIZO 11351550624 - ENDEREÇO: AV MAGENTA 990 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31970-745 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.102.

DEVEDOR: D.L.T DISTRIB.DE BEB.,BAR E REST - ENDE-REÇO: RUA PIUMI, 570 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31035-400 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.104.

DEVEDOR: JOLITA NUNES DA SILVA - ENDEREÇO: RUA VIANA DO CASTELO, 50 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31255-160 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.108.

DEVEDOR: BRUNO CÉSAR RIBEIRO MARQUES - ENDE-REÇO: R MATIAS AIRES,109 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30525-150 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.114.

DEVEDOR: CONSTRUTORA COESAMO LTDA. - ENDE-REÇO: RUA ALBERTO BRESSANE, 21 - 201 - DT. APRE-SENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30240-470 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.121.

DEVEDOR: JOSÉ TENORIO DOS SANTOS CONFECÇÃO ME - ENDEREÇO: RUA NORUEGA, 304 - DT. APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31620-020 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.124

DEVEDOR: METROPOLITAN GARDEN EMPREND E PARTICI - ENDEREÇO: R DESEMBARGADOR JORGE FONTANA 408 SAL - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30320-670 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.158.

DEVEDOR: FGH COMÉRCIO LTDA. - ENDEREÇO: RUA PIAUI 1476 LJ05 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30150-321 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.162.

DEVEDOR: MARC. SALVADOR - ENDEREÇO: R. DAVID FONSECA 330 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30620-230 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.165.

DEVEDOR: ANGELINA LUCIA RIBEIRO ARAÚJO - ME - ENDEREÇO: RUA ELCE RIBEIRO 75 - DT. APRESENTA-ÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31515-190 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.189.

DEVEDOR: JOB REINAN BARBOSA SILVA - ENDEREÇO: RUA FELIPE ALENCAR DE SOUZA ,50-CASA - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30668-550 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.193.

DEVEDOR: CONART INDÚSTRIA DE MODA LTDA. - ENDEREÇO: RUA ALAGOAS, 1314 - DT. APRESENTA-ÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30130-160 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.195.

DEVEDOR: REST. GALERIA ARTE & GAST. LTDA. - ME - ENDEREÇO: RUA PERNAMBUCO , 1300 - LOJA - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30130-151 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.197.

DEVEDOR: 01139101-PAULO LINS REPRESENTAÇÕES LT - ENDEREÇO: AV. AFONSO PENA JÚNIOR, 251 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 31170-110 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.205.

DEVEDOR: P E N COMÉRCIO DE ROUPAS LTDA. (07 LAG - ENDEREÇO: AV. LUIZ PAULO FRANCO, 500 - SALAS 80 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30320-570 - UF: MG - PRO-TOCOLO: 102.863.209.

DEVEDOR: P E N COMÉRCIO DE ROUPAS LTDA/DEL REY - ENDEREÇO: AV. PRESIDENTE CARLOS LUZ, 3001/SHOP. - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31250-900 - UF: MG - PRO-TOCOLO: 102.863.225.

DEVEDOR: CHARI COMÉRCIO DE ARTIGOS DO VES-TUARI - ENDEREÇO: RUA PARACATU 277 LOJA 16 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30180-090 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.240.

DEVEDOR: BONIFATI COM DE CAL ROU ACESS - ENDE-REÇO: AV CRISTIANO MACHADO 10150 - DT. APRE-SENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31742-052 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.281.

DEVEDOR: CONSTRUTORA CAPARAO S.A - ENDERE-ÇO: AV. DO CONTORNO, 6594 SL 1402 - DT. APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30110-044 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.323.

DEVEDOR: COPIADORA AFONSO PENA - ENDEREÇO: AVENIDA AFONSO PENA,0 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30130-002 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.353.

DEVEDOR: ZAPP AUTOMAÇÃO E SERVIÇOS LTDA. - ME - ENDEREÇO: AV ABILIO MACHADO, 1393 - DT. APRE-SENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30830-233 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.370

DEVEDOR: TET - TELECOM SERVIÇOS E COMER - ENDEREÇO: RUA IBIZA, 46 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31620-600 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.373.

DEVEDOR: IESA IND. E ESQUADRIAS DE ALUMINIO LTDA. - ENDEREÇO: RUA SÃO MIGUEL, 356 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 31710-350 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.392.

DEVEDOR: MARCILIO SIMIM CARNEIRO REPRESEN-TANTE - ENDEREÇO: MANOEL CAILLAUX, N 100 - BAIR-RO HORTO - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31030-040 - UF: MG - PRO-TOCOLO: 102.863.400.

DEVEDOR: PLENA CONTRUCOES E SERVIÇOS LTDA. - ENDEREÇO: AVENIDA ANDRADAS 367LOJA CENT - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30120-907 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.412.

DEVEDOR: METROPOLITAN GARDEN EMPREENDIMEN-TOS E PA - ENDEREÇO: DESEMBARGADOR JORGE FONTANA N 408 S1401 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30320-670 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.419.

DEVEDOR: COMERCIAL SOUZA MOTA LTDA. - ENDE-REÇO: GETULIO VARGAS, 1202, - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30112-021 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.421.

DEVEDOR: GRÁFICA SISTEMA LTDA. - ENDEREÇO: RUA CÉSARIO ALVIM292 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30720-270 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.431.

DEVEDOR: INACONCALHA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. - ENDEREÇO: AV AMAZONAS 9305 - DT. APRE-SENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30520-000 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.441.

DEVEDOR: BIOMA CONSULTORIA AMBIENTAL LTDA. - ENDEREÇO: RUA CONTRIA 821 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30431-028 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.448.

DEVEDOR: DISTRIBUIDORA PICOLI LTDA. - ENDEREÇO: AV DOM JOÃO ANTÔNIO DOS SANTOS, 181 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30535-530 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.451.

DEVEDOR: CRAZY HORSE ART.DE EQUIT. ESP. LTDA. - ENDEREÇO: RUA BERNARDO GUIMARAES 1341 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30140-081 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.453.

DEVEDOR: SUNSHINE COMÉRCIO DE TENDAS E TOLDOS LTD - ENDEREÇO: ALABANDINA 481 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30775-330 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.456.

DEVEDOR: PAULO CÉSAR RODRIGUES - ENDEREÇO: RUA VICENTE FEOLA, 257 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31730-260 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.467.

DEVEDOR: E O PRODUTOS ALIMENTICIOS LTDA. ME - ENDEREÇO: RUA FERNANDES TOURINHO, 363-FUN-CIONARIOS - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDA-DE: BELO HORIZONTE - CEP: 30112-000 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.474.

DEVEDOR: IND E COM DE CALÇADOS ZANOTE LTDA. - ENDEREÇO: RUA MARFIM, 335 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30880-410 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.486

DEVEDOR: AGUA PURA FILTROS E BEBEDOUROS LTDA. ME - ENDEREÇO: AV.AMAZONAS ,4475 NOVA SUISSA - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30421-169 - UF: MG - PRO-TOCOLO: 102.863.488.

DEVEDOR: MERAKI CONSTRUTORA LTDA. EPP - ENDE-REÇO: RUA ASTOLFO DUTRA,365 - POMPEIA - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30280-420 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.492.

DEVEDOR: PEDRO RODRIGUES DE CASTRO - ENDE-REÇO: RUA MARIA DE JESUS, 594 BL.04 APTO.103 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 31814-710 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.495.

DEVEDOR: LUCIANA IRIS TAVIEIRA - ENDEREÇO: RUA JOANA ANGELICA 9 C - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31810-390 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.518.

DEVEDOR: BIOTEST LTDA. - ENDEREÇO: RUA CEARA, 621 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30150-310 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.520.

DEVEDOR: LAVANDERIA MG LTDA. - ME - ENDEREÇO: RUA UM MIL CENTO E NOVENTA E OITO,566 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORI-ZONTE - CEP: 30720-262 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.538.

DEVEDOR: EKENFELS LOCACAO MANUTENCAO DE - ENDEREÇO: AV ABILIO MACHADO, 4180 - DT. APRE-SENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30830-000 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.542.

DEVEDOR: FERREIRA E MORATO COMÉRCIO LTD - ENDEREÇO: R. DR. LUCIDIO AVELAR, 18, - DT. APRE-SENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 30493-165 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.549.

DEVEDOR: CLEBER BASILIO DE SOUZA - ENDEREÇO: RUA ANFIBOLIOS,304 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZONTE - CEP: 31210-440 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.550.

DEVEDOR: DANILLO SOARES PRIMOLA - ENDEREÇO: R ALABANDINA 220 - DT. APRESENTAÇÃO: 06/01/2015 - CIDADE: BELO HORIZAONTE - CEP: 30775-330 - UF: MG - PROTOCOLO: 102.863.559.

EDITAIS DE CASAMENTO

FÓRUM19BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 9 DE JANEIRO DE 2015

DEVEDOR(A): CONSÓRCIO CONSTRAN / UTC-STATION; ENDEREÇO: AV CRISTIANO MACHADO 5600 - 31980-118 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.648; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): CONSTRUTORA DALPASQUALE LTDA.; ENDEREÇO: RUA MARCOS DE OLIVEIRA, 36 - 31340-100 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.354; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CONSTRUTORA DALPASQUALE LTDA.; ENDEREÇO: RUA MARCOS DE OLIVEIRA 36 31340-100 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.486; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): CONSTRUTORA JH9 LTDA.; ENDEREÇO: AV RAJA GABAGLIA 1492 - 30441-194 BELO HORIZON-TE MG; PROTOCOLO: 4859.384; DATA DA APRESEN-TAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): D M A CALÇADOS LTDA.; ENDEREÇO: PRACA MODESTINO SALES BARBOSA 70 LOJA - 30624-010 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.286; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): D M A CALÇADOS LTDA.; ENDEREÇO: PRACA MODESTINO SALES BARBOSA 70 LJ 02 - 30624-010 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.592; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): DAVID MENDES XAVIER; ENDEREÇO: RUA SÃO ROQUE 765 CASA - 31035-460 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.300; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): DEMILTON MIGUEL FERREIRA; ENDERE-ÇO: RUA LAGOA SANTA 65 - 30710-090 BELO HORI-ZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.397; DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): DOUGLAS PAULO DA CUNHA; ENDERE-ÇO: RUA PADRE FEIJO 1223 - 30285-350 BELO HORI-ZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.382; DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): EDILSON DE JESUS FURTADO; ENDERE-ÇO: RUA FRANCISCO FERNANDES 20 LOJA - 31842-470 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.323; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): EDILSON DE JESUS FURTADO; ENDERE-ÇO: RUA FRANCISCO FERNANDES 20 LOJA - 31842-470 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.331; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): EDSON DE OLIVEIRA COSTA JÚNIOR; ENDEREÇO: RUA SÃO PAULO 656 - 30170-130 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.328; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): EDUARDO ARAÚJO ALVES; ENDEREÇO: AV DJALMA VIEIRA CRISTO 402 - 30664-260 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.554; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): EKISSORIOS SOM E ACESSÓRIOS LTDA.; ENDEREÇO: RUA JOÃO SAMAHA 1115 - 31515-260 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.310; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ENXOVAIS ARAÚJO LTDA. ME; ENDERE-ÇO: AV CONTAGEM 1803 - 31080-255 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.404; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ERICA MOTA DOS SANTOS DE ALMEIDA; ENDEREÇO: RUA ARTUR DE CASTRO CUNHA 530 - 31995-090 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.269; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): FAMILY MODAS LTDA.; ENDEREÇO: AV AFONSO PENA 952 STAND 74 - 30130-906 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.516; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): FERMART ENGENHARIA E CONSTRU-ÇÕES LTDA.; ENDEREÇO: AV JULIO MESQUITA, 283 - 30692-460 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.381; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): FM & F TECNOLOGIA LTDA.; ENDEREÇO: RUA.SARGENTO LEVI MACHADO 91 31255-500 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.602; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): GAC COMERCIAL MONTERREY LTDA.; ENDEREÇO: ROD BR 356, 3049 QUIOSQ BH 12 PISO BH - 30320-900 BELO HORIZONTE BELVEDERE MG; PROTOCOLO: 4858.201; DATA DA APRESENTAÇÃO: 26/12/2014

DEVEDOR(A): GAPE COMÉRCIO DE ROUPAS E ACES-SÓRIOS LTDA.; ENDEREÇO: RUA TURQUESA 527 - 30411-203 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.572; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): GAS SOLUTIONS INST PREDIAIS IND LTDA. ME; ENDEREÇO: RUA HENRIQUE BADARO PORTUGAL 480/304 - 30570-392 BELO HORIZONTE PALMEIRAS MG; PROTOCOLO: 4859.414; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): GAS SOLUTIONS INSTALACOES PREDIAIS E INDUSTRIAIS L; ENDEREÇO: RUA HENRIQUE BADA-RO PORTUGAL 480/304 - 30570-392 BELO HORIZONTE PALMEIRAS MG; PROTOCOLO: 4859.415; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): GERALDO JANUARIO PEREIRA; ENDE-REÇO: RUA CANARIO 969 - 31950-390 BELO HORIZON-TE MG; PROTOCOLO: 4859.445; DATA DA APRESEN-TAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): GIOVANNI JONAS FERREIRA -EIRELLI ME-; ENDEREÇO: RUA JANUARIO PEREIRA GONCAVES 1702 - 31748-141 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.614; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): GLEYSON GLAICO CORDEIRO; ENDERE-ÇO: RUA CECILDES MOREIRA FARIA 187 30510-250 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.533; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): H & M ENGENHARIA LTDA.; ENDEREÇO: RUA DAS CANARIAS 1991 CS 2 - 31560-050 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.679; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): HELBERT BARBOSA; ENDEREÇO: RUA RODRIGUES CAMPOS 68 - 30690-300 BELO HORIZON-TE MG; PROTOCOLO: 4859.643; DATA DA APRESEN-TAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): HIDRA SERVIÇOS LTDA. ME; ENDEREÇO: RUA ARISTOLINO BASILIO DE OLIVEIRA 496 - 30692-190 BELO HORIZONTE REGINA MG; PROTOCOLO: 4858.323; DATA DA APRESENTAÇÃO: 26/12/2014

DEVEDOR(A): HOSPITAL SOCOR SA; ENDEREÇO: AV DO CONTORNO 10500 - 30110-140 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.324; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): HOSPITAL SOCOR SA; ENDEREÇO: AV DO CONTORNO, 10500 - 30110-140 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.352; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): HOSPITAL SOCOR SA; ENDEREÇO: AV DO CONTORNO, 10500 - 30110-140 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.357; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): HOSPITAL SOCOR SA; ENDEREÇO: AV CONTORNO 10500 - 30110-068 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.363; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): INCASA INDÚSTRIA DE MÓVEIS PLANE-JADOS LTDA.; ENDEREÇO: AV SANTA TEREZINHA 380 - 31365-000 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.575; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): INDÚSTRIA MIKULIK LTDA.; ENDEREÇO: AV ERICO VERISSIMO 1200 LOJA 7 31535-094 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.318; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): J W CENTRO AUTOMOTIVO LTDA. -ME-; ENDEREÇO: RUA MADRE TEREZA 24 B 31620-260 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.226; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): JAMPE ENGENHARIA EMPREENDIMEN-TOS E COMÉRCIO; ENDEREÇO: RUA CEARA 1221 S/801 - 30150-311 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.546; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): JOÃO PAULO DA SILVA; ENDEREÇO: RUA PERDOES 246 - 30710-520 BELO HORIZONTE PADRE EUSTÁQUIO MG; PROTOCOLO: 4859.245; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): JUNIA REGINA CLEMENTINO DA COSTA; ENDEREÇO: RUA EDMAR COLINE FERREIRA 708 - 31655-050 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.642; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): JV INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. -ME-; ENDEREÇO: RUA CAMOMILA 7 - 30690-605 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.249; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): LABORATÓRIO DE PROTESE SÃO JORGE LTDA.; ENDEREÇO: RUA GERALDO TEIXEIRA DA COSTA 140 - 30150-120 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.282; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): LAURA MARCELA DIAS SOUSA; ENDE-REÇO: RUA SANTA CRUZ 133 - 31510-070 BELO HORIZONTE VENDA NOVA MG; PROTOCOLO: 4859.548; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): LEONARDO ZANGEROLAME SOARES DOS SANTOS; ENDEREÇO: RUA AQUIDABAN 945 AP 102 - 30720-420 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.291; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): LOCBRAS LOCADORA DE FERRAMENTAS ELÉTRICAS; ENDEREÇO: RUA SANTA QUITERIA 80 - 30411-028 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.210; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): LOJA DA BORRACHA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA.; ENDEREÇO: RUA DOS TIMBI-RAS,2617 - 30140-061 BELO HORIZONTE MG; PROTO-COLO: 4859.329; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): MARIA CRISTINA VIEGAS CANCADO; ENDEREÇO: RUA ABRE CAMPO 520 AP 202 30350-190 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.537; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): MARIA DELBA DO NASCIMENTO SOARES; ENDEREÇO: RUA DOS MÉDICOS 1351 AP 203 - 30840-020 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.615; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): MARIA ELISA ABREU CRUZ DE MORAES; ENDEREÇO: RUA GERALDO RIBEIRO, 517 - 30870-220 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.370; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): MARINARI CONSTRUTORA LTDA.; ENDE-REÇO: RUA VIOLETA DE MELO 330 31275-020 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.534; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): MARLON SOUZA SACRAMENTO; ENDE-REÇO: AV FLOR DE SEDA 604 - 30690-580 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.458; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): MERCOSUL VIDROS COMÉRCIO LTDA. -ME-; ENDEREÇO: AV AMAZONAS 4072 30431-025 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.427; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): METALVEST INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA.; ENDEREÇO: RUA RAPOSO BOCARRO 59 - 31250-580 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.244; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): MURIEL ROHDE SCHMITT; ENDEREÇO: SHS METIA BRASIL 21 CONV BL-B AP 1103 - 70322-950 BRASILIA ASASUL DF; PROTOCOLO: 4858.839; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): NOETE APARECIDA ANTUNES CABRAL; ENDEREÇO: RUA EXP SALVADOR ALVES 220 - 31360-700 BELO HORIZONTE ITATIAIA MG; PROTOCOLO: 4859.271; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): O CRAVO E A ROSA COMÉRCIO VAREJ ARTIGOS VESTUARIO; ENDEREÇO: AV DOS ENGENHEI-ROS 688 - 30840-300 BELO HORIZONTE MG; PROTO-COLO: 4859.221; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): O CRAVO E A ROSA COMÉRCIO VAREJ ARTIGOS VESTUARIO; ENDEREÇO: AV DOS ENGENHEI-ROS 688 - 30840-300 BELO HORIZONTE MG; PROTO-COLO: 4859.222; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): OMEGA INFORMÁTICA LTDA. EPP; ENDE-REÇO: R JOSÉ DE ALENCAR ROGEDO, 155 - 31812-200 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.350; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): OSVALDO A MACHADO NETO; ENDERE-ÇO: RUA MIGUEL A DA SILVA 58 - 31515-400 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.234; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): P S O ENGENHARIA DE INFRAESTRUTU-RA LTDA.; ENDEREÇO: RUA IVON MAGALHÃES PINTO 403 - 30350-560 BELO HORIZONTE SANTA LUCIA MG; PROTOCOLO: 4859.268; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): PSO ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA LTDA.; ENDEREÇO: R YVON MAGALHÃES PINTO 403 - 30350-560 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.346; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): PSO ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA LTDA.; ENDEREÇO: RUA IVON MAGALHÃES PINTO, 403 - 30350-560 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.351; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): PSO ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA LTDA.; ENDEREÇO: RUA YVON MAGALHÃES PINTO 403 - 30350-560 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.360; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): R L D CURSOS E TREINAMENTOS LTDA. ME; ENDEREÇO: AV PADRE PEDRO PINTO 933 - 31510-000 BELO HORIZONTE VENDA NOVA MG; PROTOCOLO: 4859.559; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): R P M MOTORES E MÁQUINAS INDUS-TRIAIS LTDA.; ENDEREÇO: AV DOUTOR CRISTIANO GUIMARAES 886 - 31720-300 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.320; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): RAIMUNDO F BARRETO EVENTOS E BUFFET ME; ENDEREÇO: AV PROF MARIO WERNECK 2721 S/ 6-10 - 30575-180 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.676; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): RAJA PREMIUM SPE EMPREENDIMEN-TOS IMOBILIARIOS; ENDEREÇO: AV RAJA GABAGLIA 1137 - 30380-403 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.206; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): RAY DA SILVA PEREIRA; ENDEREÇO: RUA VITORINO CERQUEIRA 80 - 31810-260 BELO HORIZON-TE MG; PROTOCOLO: 4859.321; DATA DA APRESEN-TAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ROBERTA BASTOS DOS SANTOS; ENDE-REÇO: RUA JOANESIA 418 - 30240-030 BELO HORI-ZONTE SERRA MG; PROTOCOLO: 4859.636; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): RODRIGO REZENDE TECNOPISCINAS; ENDEREÇO: RUA PAULO PAPINI, 837 - 30270-400 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.353; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ROMENIQUE GOMES DE ANDRADE; ENDEREÇO: RUA HILDEMAR FALCAO 543 30690-230 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.674; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): SABRINA FREITAS DE BRITO; ENDEREÇO: RUA ITAITUBA, 05 - 31060-427 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.368; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): SALAO MADEMOISELLE BELEZA E ESTETICA; ENDEREÇO: RUA DORIVAL MACHADO 647 - 31525-150 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.656; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): SANDRA SUELI BATISTA MOURA; ENDE-REÇO: RUA:MANGUEIRAS 442 - 30580-340 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.432; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): SECOL CONSTRUTORA LTDA.; ENDERE-ÇO: RUA RIO GRANDE DO NORTE 694 30130-920 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.265; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): SENETO COMÉRCIO ATAC E VAREJ UTILIDADES DOMÉSTICAS; ENDEREÇO: RUA WANDA ABRAS 22 - 31660-070 BELO HORIZONTE MG; PRO-TOCOLO: 4859.635; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): SINAI TRANSPORTES LTDA.; ENDEREÇO: RUA VICENTE DUTRA 305 - 30660-140 BELO HORIZON-TE MG; PROTOCOLO: 4859.590; DATA DA APRESEN-TAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): TERRAPLENAGEM C W A LTDA.; ENDE-REÇO: RUA MARZAGANIA 160 - 30285-240 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.333; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): TRIO INFORMÁTICA LTDA.; ENDEREÇO: RUA CASSITERITA 1129 - 31080-150 BELO HORIZONTE SANTA INES MG; PROTOCOLO: 4859.246; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): TRUST ASSISTÊNCIA 24 HORAS LTDA.; ENDEREÇO: AV ANTÔNIO ABRAHAO CARAM 664 LOJA 01 - 31275-000 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.680; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): WA PRODUTOS DE LIMPEZA E HIGIENE LTDA.; ENDEREÇO: RUA CONQUISTA, 234 - 30710-160 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.358; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): WILLIAM LIVROS LTDA. -ME-; ENDEREÇO: AV ANTÔNIO CARLOS 6627 UFMG 30270-901 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.465; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): WL OFICINA MULTIMARCAS LTDA. ME; ENDEREÇO: AV PAES DE ABREU 18 31250-180 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.377; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

BELO HORIZONTE, 08 DE JANEIRO DE 2015TABELIÃ: ELZA TEREZINHA FREIRE

114 editais.

TABELIONATO DE CONTAGEM

TABELIONATO DE PROTESTOS DE TÍTULOS DE CONTAGEM - COMARCA DE CONTAGEM - ESTADO DE MINAS GERAIS - Av. José Faria da Rocha, nº 4011 - 1º Andar - Bairro - Eldorado - CEP: 32310-210 - CONTAGEM-MG - Telefone: (31) 2566-1100 - fax: (31) 2566-1090 - e-mail: [email protected] - Nancy Raquel Dutra Felipetto Malta - Tabeliã - www.protestocontagem.com.br - Horário de Funcio-namento: 09:00 às 17:00 horas.

EDITAL DE INTIMAÇÕES

PRAZO FINAL PARA PAGAMENTO: 14/01/2015

Em razão das pessoas indicadas para aceitar ou pagar os títulos serem desconhecidas, suas localizações incer-tas, ignoradas, ou inacessíveis, ou ainda, por não se dispuserem a receber a intimação nos endereços forne-cidos pelos Apresentantes, bem como se por outro motivo, for frustrada a tentativa de intimação postal ou por portador, hipóteses do art. 15 da Lei 9.492/1997 e art. 317 do Provimento nº 260/CGJ/2013 de 18/10/2013, faço saber aos que o presente EDITAL DE INTIMAÇÃO

virem que foram protocolizados a protesto os seguintes títulos, ficando intimados os respectivos responsáveis a pagar ou dar as razões por que não o fazem, resposta escrita, dentro do prazo legal de 3 (três) dias úteis, após a publicação deste EDITAL, ficando desde já notificados de seu protesto, caso não o façam:

Devedor: ROYAL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA., com endereço: RODOVIA MG 30,2 - DIST LOBO LEITE - PONTE DO ARCO - CONGONHAS-MG - CEP: 36415-000. Protocolo: 2224762, em 16/12/2014.

Devedor: BETA INDÚSTRIA MECÂNICA EIRELI, com endereço: RUA SÃO DIMAS, 85 - INDUSTRIAL - CON-TAGEM-MG - CEP: 32230-165. Protocolo: 2228233, em 02/01/2015.

Devedor: DISTRIBALAS E DOCES LTDA.-EPP, com endereço: AV JUSCELINO KUBITSCHEK 601 LJ A - CONTAGEM-MG - CEP: 32230-090. Protocolo: 2228286, em 02/01/2015.

Devedor: TRUCK MAIS EMPREENDIMENTOS IMOBILIA-RI, com endereço: RUA CRUZEIRO DO SUL 120 - CONTAGEM-MG - CEP: 32220-060. Protocolo: 2228377, em 02/01/2015.

Devedor: DISTRIBALAS E DOCES LTDA.-EPP, com endereço: AV JUSCELINO KUBITSCHEK 601 LJ A - INDUSTRIAL - CONTAGEM-MG - CEP: 32230-090. Protocolo: 2228440, em 02/01/2015.

Devedor: ANALISE MED LTDA. ME, com endereço: RUA FRANCA 367 SL 302 - INDUSTRIAL - CONTAGEM-MG - CEP: 32235-230. Protocolo: 2228448, em 02/01/2015.

Devedor: ROSEMARY BRITO DE OLIVEIRA ME, com endereço: RUA VASCONCELOS COSTA, 101 LOJA - INDUSTRIAL - CONTAGEM-MG - CEP: 32223-350. Protocolo: 2228557, em 02/01/2015.

Devedor: UNIAUTO PROTECAO VEICULAR, com ende-reço: AVENIDA ANDALUZIA, 147 - VL S PAULO - CON-TAGEM-MG - CEP: 32210-310. Protocolo: 2228619, em 02/01/2015.

Devedor: IMEPRE INDÚSTRIA MECÂNICA DE P, com endereço: R SENADOR LUCIO BITTENCOURT 547 - VILA SÃO PAU - CONTAGEM-MG - CEP: 32210-290. Proto-colo: 2228652, em 02/01/2015.

Devedor: IMEPRE INDÚSTRIA MECÂNICA DE P, com endereço: R SENADOR LUCIO BITTENCOURT 547 - VILA SÃO PAU - CONTAGEM-MG - CEP: 32210-290. Proto-colo: 2228665, em 02/01/2015.

Devedor: RAIMUNDO NONATO DE OLIVEIRA, com endereço: RUA OCEANIA, 19 - PQ TURISTA - CONTA-GEM-MG - CEP: 32110-420. Protocolo: 2228768, em 05/01/2015.

Devedor: PREMIUM ARTEFATOS DE BORRACHA, com endereço: RUA RIO SOLIMOES, 347 - NOVO RIACHO - CONTAGEM-MG - CEP: 32280-320. Protocolo: 2228772, em 05/01/2015.

Devedor: PREMIUM ARTEFATOS DE BORRACHA, com endereço: RUA RIO SOLIMOES, 347 - NOVO RIACHO - CONTAGEM-MG - CEP: 32280-320. Protocolo: 2228777, em 05/01/2015.

Devedor: ROBSON STYLE EIRELI ME, com endereço: R.REFINARIA DUQUE DE CAXIAS, 848 - LOJA - PETRO-LANDIA - CONTAGEM-MG - CEP: 32072-170. Protocolo: 2228782, em 05/01/2015.

Devedor: JUSSARA BARBOSA FERREIRA, com endereço: RUA WILMA DE ANDRADE, 268 - PARQUE DUVAL - PARQUE DUVAL DE BARR - CONTAGEM-MG - CEP: 32242-470. Protocolo: 2228910, em 05/01/2015.

Devedor: GABRIEL ANGELO SILVA COELHO, com endereço: AVENIDA FERNAO DIAS 1200 -JÁRDIM LAGUNA - CONTAGEM-MG - CEP: 32140-000. Protocolo: 2228914, em 05/01/2015.

Devedor: JOÃO MENDES DE CARVALHO, com endereço: RUA VEREADOR DIAS DINIZ 130 - LINDA VISTA - CONTAGEM-MG - CEP: 32041-620. Protocolo: 2228931, em 05/01/2015.

Devedor: JOÃO MENDES DE CARVALHO, com endereço: RUA VEREADOR DIAS DINIZ 130 - LINDA VISTA - CONTAGEM-MG - CEP: 32041-620. Protocolo: 2228939, em 05/01/2015.

Devedor: ABRALUB COMÉRCIO E REPRES. LTDA., com endereço: RUA PAULO ASSUNÇÃO, 181 - JARDIM INDUSTRIAL - CONTAGEM-MG - CEP: 32215-270. Protocolo: 2228955, em 05/01/2015.

Devedor: SEBASTIÃO RIVELINO LIMA, com endereço: R. JORGE JUSTINO DOS SANTOS,45/401 INCON - INCONFIDENTES - CONTAGEM-MG - CEP: 32260-130. Protocolo: 2228995, em 05/01/2015.

Devedor: GEOVANE AUGUSTO MARTINS 07459322600, com endereço: AVENIDA DOUTOR GUILHERMINO DE OLIVEIRA 8 - NOVO ELDORADO - CONTAGEM-MG - CEP: 32341-290. Protocolo: 2229012, em 05/01/2015.

Devedor: JOSÉ BENTO COSTA FILHO-ME, com endere-ço: R CARRARA 132 LOJA SANTA CRUZ INDUSTRIAL - SANTA CRUZ INDÚSTRIA - CONTAGEM-MG - CEP: 32340-370. Protocolo: 2229040, em 05/01/2015.

Devedor: DEISE MARIA SANTOS CLEMENTE, com endereço: R.IRAGUACU - 259 - N.ELDORADO - NOVO ELDORADO - CONTAGEM-MG - CEP: 32341-230. Pro-tocolo: 2229058, em 05/01/2015.

Devedor: ROBERTA ELY DO CARMO, com endereço: RUA LEONIS 343 APT 202 - JARDIM RIACHO DAS PE - CONTAGEM-MG - CEP: 32241-280. Protocolo: 2229091, em 05/01/2015.

Devedor: PREMIUM ART DE BORRACHAS LTDA., com endereço: BR. BR-040, 347 KM 523 - CONTAGEM-MG - CEP: 32145-480. Protocolo: 2229122, em 05/01/2015.

Devedor: ACESSÓRIOS ELETROLUNAUTO LTDA., com endereço: BR-381 KM 02 POSTO ESTRADAO, S/N - CONTAGEM-MG - CEP: 32280-680. Protocolo: 2229147, em 05/01/2015.

Devedor: CRF CONTABILIDADE LTDA. ME, com endere-ço: RUA HEMATITA, 98 - CARAJAS-A - CONTAGEM-MG - CEP: 32183-290. Protocolo: 2229159, em 05/01/2015.

Devedor: COMERCIAL S REGILEX LTDA. - ME, com endereço: RUA ARMINDA DOS REIS 64 - INDUSTRIAL - CONTAGEM-MG - CEP: 32220-270. Protocolo: 2229169, em 05/01/2015.

Devedor: DIONISIO AUGUSTO MOREIRA 0447032968, com endereço: RUA PAINEIRAS 1831 - ELDORADO - CONTAGEM-MG - CEP: 32310-400. Protocolo: 2229182, em 05/01/2015.

Devedor: DANIELLE CRISTINA FERREIRA, com endereço: R CIDADE DE MINAS 378 - CONTAGEM-MG - CEP: 32183-240. Protocolo: 2229203, em 05/01/2015.

Devedor: DROGARIA CAROL VOYTYLA LTDA., com endereço: RUA MONSENHOR JOÃO MARTINS, 1865 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 32140-470. Protocolo: 2229211, em 05/01/2015.

Devedor: MARIO VIRGILIO ESTELA, com endereço: AV. TELESFERICO, 555 - CONTAGEM-MG - CEP: 32370-000. Protocolo: 2229215, em 05/01/2015.

Devedor: VITORIA AUTO PEÇAS E ESCAPAMENTOS LTD, com endereço: RUA TIRADENTES,2940 - CONTA-GEM-MG - CEP: 32230-020. Protocolo: 2229223, em 05/01/2015.

Devedor: JB MANUTENCAO DE ELEVADORES AUTO-MOTIV, com endereço: R VINTE E TRÊS, 16 - CONTA-GEM-MG - CEP: 32183-180. Protocolo: 2229257, em 05/01/2015.

Devedor: SOON COMÉRCIO LTDA. EPP, com endereço: AVENIDA GENERAL DAVID SARNOFF, 5160 L - CONTA-GEM-MG - CEP: 32210-110. Protocolo: 2229264, em 05/01/2015.

Devedor: SOON COMÉRCIO LTDA. EPP, com endereço: AVENIDA GENERAL DAVID SARNOFF, 5160 L - CONTA-GEM-MG - CEP: 32210-110. Protocolo: 2229265, em 05/01/2015.

Devedor: SOON COMÉRCIO LTDA. EPP, com endereço: AVENIDA GENERAL DAVID SARNOFF, 5160 L - CONTA-GEM-MG - CEP: 32210-110. Protocolo: 2229266, em 05/01/2015.

Devedor: ESTRUTURE CONSTRUÇÕES INDUSTRIAIS LTD, com endereço: PADER FEIJO 111 NOVO PROGRES-SO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 32140-670. Proto-colo: 2229378, em 05/01/2015.

Devedor: MARMORARIA TROPICAL E ACABAMENTOS LTD, com endereço: RUA BERNA, N 256 APTO 201 - CONTAGEM-MG - CEP: 32340-430. Protocolo: 2229389, em 05/01/2015.

Devedor: IVONE MENEZES SANTOS, com endereço: RUA MANDARIM 454 - CONTAGEM-MG - CEP: 32145-370. Protocolo: 2229397, em 05/01/2015.

Devedor: MARMORARIA TROPICAL E ACABAMENTOS LTD, com endereço: RUA BERNA, N 256 APTO 201 - CONTAGEM-MG - CEP: 32340-430. Protocolo: 2229422, em 05/01/2015.

Devedor: ANISIO FERREIRA, com endereço: RUA LIMO-EIRO,182, CHACARA - CONTAGEM-MG - CEP: 32025-008. Protocolo: 2229429, em 05/01/2015.

Devedor: PREMIUM ARTEFATOS DE BORRACHA LTDA., com endereço: ROD BR 040 KM 523 GALPAO 01 - CONTAGEM-MG - CEP: 32145-480. Protocolo: 2229446, em 05/01/2015.

Devedor: BRAGA E COTA EMPREENDIMENTOS IMOBI-LIA, com endereço: AV. JOSÉ FARIA DA ROCHA, 5507 - CONTAGEM-MG - CEP: 32310-210. Protocolo: 2229450, em 05/01/2015.

Devedor: TOTTEN CONSTRUTORA LTDA., com endereço: ABRAAO EVANGELISTA DINOZ FONTE GRANDE - CONTAGEM-MG - CEP: 32013-530. Protocolo: 2229481, em 05/01/2015.

Devedor: LALY BAETA DA CUNHA FILHA, com endereço: RUA DORINATO LIMA, 144 - INCONFIDENTES - CON-TAGEM-MG - CEP: 32223-160. Protocolo: 2229587, em 05/01/2015.

Devedor: MARCELO PEREIRA, com endereço: RUA DOLOMITA, 58 - CARAJAS - CONTAGEM-MG - CEP: 32183-320. Protocolo: 2229593, em 05/01/2015.

Devedor: MÁRCIO GEOVANE RIZZO, com endereço: RUA MAGNOLIA, 255 - SAPUCAIA - CONTAGEM-MG - CEP: 32040-970. Protocolo: 2229595, em 05/01/2015.

Devedor: MÁRCIO VINICIO DO NASCIMENTO, com endereço: RUA DOS SALESIANOS, 109 - BANDEIRAN-TES - CONTAGEM-MG - CEP: 32240-460. Protocolo: 2229597, em 05/01/2015.

Devedor: MARIA DE LOURDES P DE OLIVEIRA, com endereço: RUA ANTÔNIO RAPOSO, 186 - AGUA BRAN-CA - CONTAGEM-MG - CEP: 32371-350. Protocolo: 2229602, em 05/01/2015.

Devedor: MARIZA HELENA, com endereço: RUA CAR-DEAL ARCOVERDE, 29 - AGUA BRANCA - CONTAGEM--MG - CEP: 32371-000. Protocolo: 2229606, em 05/01/2015.

Devedor: NAYARA CRISTIANE DE S. ARAÚJO, com endereço: RUA JOSÉ BARRA DO NASCIMENTO, 1912 - ELDORADO - CONTAGEM-MG - CEP: 32315-020. Protocolo: 2229609, em 05/01/2015.

Devedor: NELCE APARECIDA SOUSA, com endereço: RUA ANDA, 80 - ICAIVERA - CONTAGEM-MG - CEP: 32055-110. Protocolo: 2229610, em 05/01/2015.

Devedor: OSWALDINO MARTINS DE OLIVEIRA, com endereço: RUA DALIA, 402 - CAMPINA VERDE - CON-TAGEM-MG - CEP: 32150-260. Protocolo: 2229616, em 05/01/2015.

Devedor: PAULO MARTINS VIEIRA, com endereço: AVENIDA JOÃO DE DEUS COSTA, 170, APARTAMENTO - CENTRO - CONTAGEM-MG - CEP: 32040-580. Proto-colo: 2229620, em 05/01/2015.

Devedor: PAULO ROBERTO PEREIRA, com endereço: RUA TOPAZIO, 433 - CONJUNTO HABITACIONA - CONTAGEM-MG - CEP: 32183-420. Protocolo: 2229622, em 05/01/2015.

Devedor: QUENIA CRISTIANE NONATO DINIZ, com endereço: RUA VEREADOR DIAS DINIZ, 841 - LINDA VISTA - CONTAGEM-MG - CEP: 32041-620. Protocolo: 2229625, em 05/01/2015.

Devedor: REGINALDO FRANCISCO DE OLIVEIRA, com endereço: RUA ANTÔNIO PIRES, 1208 - BANDEIRANTES - CONTAGEM-MG - CEP: 32240-260. Protocolo: 2229626, em 05/01/2015.

Devedor: REGINALDO GREGORIO, com endereço: RUA PEROBA, 199 - JARDIM LAGUNA - CONTAGEM-MG - CEP: 32140-070. Protocolo: 2229627, em 05/01/2015.

Devedor: RENI VIANA DIAS CASTRO, com endereço: RUA CAPARAO, 502 - MONTE CASTELO - CONTAGEM--MG - CEP: 32285-080. Protocolo: 2229630, em 05/01/2015.

Devedor: RICARDO ALEXANDRÉ MIRANDA, com ende-reço: RUA SANTO LENHO, 705, APARTAMENTO 319, BLOCO - ALVORADA - CONTAGEM-MG - CEP: 32042-270. Protocolo: 2229631, em 05/01/2015.

Devedor: RINALDO BATISTA MONTEIRO, com endereço: RUA ANJO DA GUARDA, 308, APARTAMENTO 102 - FONTE GRANDE - CONTAGEM-MG - CEP: 32013-460. Protocolo: 2229633, em 05/01/2015.

Devedor: RONALDO TRINDADE TEIXEIRA, com endereço: RUA PEDRA DA LUZ, 284 - SAPUCAIA II - CONTAGEM--MG - CEP: 32071-173. Protocolo: 2229639, em 05/01/2015.

Devedor: RUBENS AFONSO DOS REIS, com endereço: RUA OSVALDO CRUZ, 787 - PEDRA AZUL - CONTAGEM--MG - CEP: 32185-080. Protocolo: 2229640, em 05/01/2015.

Devedor: SANDRA LUCIA DA SILVA, com endereço: RUA IPAMERI, 79 - SÃO CAETANO - CONTAGEM-MG - CEP: 32073-480. Protocolo: 2229643, em 05/01/2015.

Devedor: WESLEY FERREIRA SANDI, com endereço: RUA AFRICA, 09 - PARQUE TURISTAS - CONTAGEM-MG - CEP: 32110-520. Protocolo: 2229660, em 05/01/2015.

Devedor: ABELARDO DA CONCEICAO SANTOS, com endereço: RUA D, 280, APARTAMENTO 02 - INCONFI-DENTES - CONTAGEM-MG - CEP: 32260-630. Protocolo: 2229662, em 05/01/2015.

Devedor: VINICIUS LEANDRO DINIZ ME, com endereço: RUA TV D2 - ELDORADO - CONTAGEM-MG - CEP: 32315-280. Protocolo: 2229689, em 06/01/2015.

Devedor: ESTRUTURE CONSTRUÇÕES INDUSTRI, com endereço: R PADRE FEIJO 111 - NOVO PROGRES - CONTAGEM-MG - CEP: 32140-670. Protocolo: 2229700, em 06/01/2015.

Devedor: CRIAR DISTRIBUIDORA DE REVISTA, com endereço: RUA CASTANHEIRA, 169 - LJ 02 - ARVOREDO - CONTAGEM-MG - CEP: 32113-240. Protocolo: 2229810, em 06/01/2015.

Devedor: BM COMERCIAL LTDA., com endereço: ROD BR 040 KM 686,5 0000 - VILA PARIS - CONTAGEM-MG - CEP: 32372-140. Protocolo: 2229992, em 06/01/2015.

Devedor: CARLA MENDES GONÇALVES, com endereço: AV DOIS, 105 KENNEDY CONTAGEM MG - KENNEDY - CONTAGEM-MG - CEP: 32145-170. Protocolo: 2230011, em 06/01/2015.

Devedor: EVERTON SOUZA SANTOS CPF 073 249 82, com endereço: ALAGOAS DOS COMERCIANTES 165 - CANDIDA FERR - CONTAGEM-MG - CEP: 32145-688. Protocolo: 2230108, em 06/01/2015.

Devedor: JOÃO MARIANO PATRÍCIO, com endereço: RUA REFINARIA MANGUINHOS, 313 - CONTAGEM-MG - CEP: 32072-290. Protocolo: 2230145, em 06/01/2015.

Devedor: REINALDO SANTOS DA SILVA CHAGAS, com endereço: RUA HENRIQUETA MENDONCA RIGOLO, 150 L - CONTAGEM-MG - CEP: 32183-470. Protocolo: 2230147, em 06/01/2015.

Devedor: HCMUZZI ITAÚ POWER ALIMENTOS LTDA., com endereço: AV GENERAL DAVID SARNO 5160, LJ 142 - CONTAGEM-MG - CEP: 32210-110. Protocolo: 2230148, em 06/01/2015.

Devedor: SOON COMÉRCIO LTDA. EPP, com endereço: AVENIDA GENERAL DAVID SARNOFF, 5160 L - CONTA-GEM-MG - CEP: 32210-110. Protocolo: 2230167, em 06/01/2015.

Devedor: RODY MAIS PNEUS LTDA. ME, com endereço: R HELENA RODRIGUES BARBOSA, 67 LJ A - CONTA-GEM-MG - CEP: 32145-220. Protocolo: 2230176, em 06/01/2015.

Devedor: CARD ATACADO SERVIÇOS GRÁFICOS LTDA. -, com endereço: AV PIO XII, 877 LOJA 04 - CONTAGEM--MG - CEP: 32371-160. Protocolo: 2230186, em 06/01/2015.

Devedor: MACTEK PEÇAS E EQUIPAMENTOS LTDA., com endereço: RUA: SANTOS DUMONT 155 - CONTA-GEM-MG - CEP: 32371-500. Protocolo: 2230215, em 06/01/2015.

Devedor: HCMUZZI ITAÚ POWER ALIMENTOS LTDA., com endereço: AV GENERAL DAVID SARNO 5160, LJ 142 - CONTAGEM-MG - CEP: 32210-110. Protocolo: 2230247, em 06/01/2015.

Devedor: BATUTA PRODUTOS ALIMENTICIOS LTDA., com endereço: BEGONIA,314 - CONTAGEM-MG - CEP: 32150-350. Protocolo: 2230304, em 06/01/2015.

Devedor: WILTON TEIXEIRA DA SILVA, com endereço: RUA RIO RENO, 69 - NOVO RIACHO - CONTAGEM-MG - CEP: 32280-540. Protocolo: 2230316, em 06/01/2015.

Devedor: WILTON TEIXEIRA DA SILVA, com endereço: RUA RIO RENO, 69 - NOVO RIACHO - CONTAGEM-MG - CEP: 32280-540. Protocolo: 2230317, em 06/01/2015.

Devedor: COMERCIAL GRIFE EMBALAFEST LTD, com endereço: AVENIDA JOÃO CÉSAR DE OLIVEIRA 3040 - CONTAGEM-MG - CEP: 32341-001. Protocolo: 2230319, em 06/01/2015.

Devedor: RODY MAIS PNEUS, com endereço: RUA HELENA RODRIGUES BARBOSA,67 - KENNEDY - CONTAGEM-MG - CEP: 32145-220. Protocolo: 2230332, em 06/01/2015.

Devedor: MARIA DA PENHA ALVES ME, com endereço: RUA SIRMA 109, - SANTA CRUZ I - CONTAGEM-MG - CEP: 32310-000. Protocolo: 2230352, em 06/01/2015.

Devedor: RODY MAIS PNEUS LTDA-ME, com endereço: R. HELENA RODRIGUES BARBOSA, 67 - LJ A - PRES. KENNEDY - CONTAGEM-MG - CEP: 32145-220. Proto-colo: 2230353, em 06/01/2015.

Devedor: KARINE DO VALE RODRIGUES, com endereço: RUA ERNESTINA DINIZ,150 - CENTRO - CONTAGEM-MG - CEP: 32041-180. Protocolo: 2230355, em 06/01/2015.

Devedor: INOVAR CONTABILIDADE E GESTAO LTDA. ME, com endereço: SAUDADE, - NOVO PROGRESSO - CONTAGEM-MG - CEP: 32140-550. Protocolo: 2230356, em 06/01/2015.

Devedor: INOVAR CONTABILIDADE E GESTAO LTDA. ME, com endereço: SAUDADE, - NOVO PROGRESSO - CONTAGEM-MG - CEP: 32140-550. Protocolo: 2230357, em 06/01/2015. Devedor: JANE DOMINGUES, com endereço: R. AGUAS FORMOSAS - CONTAGEM-MG - CEP: 32183-000. Pro-tocolo: 2231237, em 08/01/2015.

Devedor: VICENTE NEVES FRAGA, com endereço: RUA TRÊS - CONTAGEM-MG - CEP: 32342-240. Protocolo: 2231243, em 08/01/2015.

É o presente EDITAL expedido e publicado de acordo com o disposto no art. 15 da Lei 9.492/1997 e art. 317 do Provimento nº 260/CGJ/2013 de 18/10/2013, e, afixado em lugar visível na sede deste Tabelionato de Protestos de Títulos de Contagem, na mesma data.

CONTAGEM, 09 de janeiro de 2015.Max Vinicius Felipetto Malta2º Escrevente Substituto

93 editais

TERCEIRO TABELIONATO

DEVEDOR(A): 00055 VARI VETRI LTDA. ME; ENDEREÇO: R PIAUI 1052 - FUNCIONARIOS - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30150-321; APONTAMENTO: 31859947; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): SANDRO LUCIO GONÇALVES AZEVEDO; ENDEREÇO: RUA CIRCULAR 350 CASA 01 - SÃO GABRIEL - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31980-630; APONTAMENTO: 31859951; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): EXITO ENGENHARIA E COMÉRCIO LTDA; ENDEREÇO: RUA LA PLATA 205 - SION - BELO HORI-ZONTE-MG - CEP: 30315-460; APONTAMENTO: 31859952; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): MARCENARIA DE CONTI LTDA; ENDERE-ÇO: RUA PIRITE, 439 - POMPEIA - BELO HORIZONTE--MG - CEP: 30280-300; APONTAMENTO: 31859969; DATA DE APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): DMA DISTRIBUIDORA MINEIRA DE ALU-MINIO; ENDEREÇO: RUA BORBOREMA, 1420, RENA-CENCA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31113-038; APONTAMENTO: 31860772; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): D.L.T DISTRIB.DE BEB.,BAR E REST; ENDEREÇO: RUA PIUMI, 570 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31035-400; APONTAMENTO: 31860777; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): REGIANE COSTA DE ALMEIDA; ENDERE-ÇO: R.ALFREDINA AMARAL, N 215 - MILIONARIOS - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30620-220; APONTAMEN-TO: 31860792; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): HP MECÂNICA 4X4 LTDA; ENDEREÇO: AV BARAO HOMEM DE MELO, 1320 - BELO HORIZONTE--MG - CEP: 30421-450; APONTAMENTO: 31860805; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): CONCRETO REDIMIX DO BRASIL SA; ENDEREÇO: RUA DA BAHIA, 504/SL,201/CENTRO - LAGOINHA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30160-010; APONTAMENTO: 31860813; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): MASTER DRINLLING BRSIL LTDA; ENDE-REÇO: RUA LECY GOMES BARBOSA ,350 - V.JATOBA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30664-004; APONTA-MENTO: 31860814; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): 23651-DANIEL MARTINS DE ARAÚJO; ENDEREÇO: RUA CENTRAL 295- COPACABANA COPA-CAB - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31550-400; APONTAMENTO: 31860841; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): EDISON PEREIRA DE MORAIS; ENDERE-ÇO: RUA FERNANDES TOURINHO,472,LOJA 03 - FUN-CIONARIOS - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30112-000; APONTAMENTO: 31860844; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): COMBATE EQ C INC LTDA. ME; ENDE-REÇO: R TABATINGA, 534 - LOJA - LJ - JOÃO P - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30530-130; APONTAMENTO: 31860881; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): MAD COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA. - EPP; ENDEREÇO: AV PRESIDENTE CARLOS LUZ, 215 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31230-000; APONTAMENTO: 31860884; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): ROBERTO FIGUEIREDO MARTINS; ENDE-REÇO: AV BRASIL 673 SALA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30140-000; APONTAMENTO: 31860897; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): JR VITORIA GAS EIRELI ME; ENDEREÇO: AVENIDA MAGENTA , 1360 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31970-745; APONTAMENTO: 31860915; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): CONST PORTO ALEGRE LTDA; ENDERE-ÇO: RUA VIA LACTEA,217 APTO 202 - SANTA LUCIA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30360-270; APONTAMEN-TO: 31860918; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): INGRID ALMEIDA DIAS DA SILVA; ENDE-REÇO: RUA DAS PERPETUAS, 584 - LINDEIA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30690-270; APONTAMENTO: 31860967; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): CHT MODAS LTDA. ME; ENDEREÇO: RUA ANGELO DE AQUINO FILHO 149 - CENTRO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31950-590; APONTAMENTO: 31860970; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): GERAIS COMÉRCIO DE PRESENTES LTDA; ENDEREÇO: AV D PEDRO II, 500 - JD MONTA-NHES - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30750-000; APONTAMENTO: 31860971; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): ASSOC BENEF DA CRIANCA; ENDEREÇO: AV DO CONTORNO, 8931 - GUTIERREZ - B.HTE-MG - CEP: 30110-130; APONTAMENTO: 31860996; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): JS EMPREENDIMENTOS E CONSTR. LTDA; ENDEREÇO: RUA MARIANO PROCOPIO, 1065 - JOÃO PINHEIR - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30530-290; APONTAMENTO: 31861001; DATA DE APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): DIONATAN DE AZEVEDO ALVES 04439158650; ENDEREÇO: RUA JOÃO ANTÔNIO CAR-DOSO 567- - OURO PRETO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31310-390; APONTAMENTO: 31861008; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): HP MECÂNICA 4X4 LTDA; ENDEREÇO: AV BARAO HOMEM DE MELO, 1320 - BELO HORIZONTE--MG - CEP: 30421-450; APONTAMENTO: 31861043; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): RENATA CORREIA DA SILVA; ENDEREÇO: AVENIDA DOM JOÃO VI,920 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30570-270; APONTAMENTO: 31861045; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): ARMARINHO AWTV LTDA. ME; ENDERE-ÇO: RUA PENIDO 93 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31910-710; APONTAMENTO: 31861054; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): FREIRE WL INDÚSTRIA DA CONFECÇÃO LTDA; ENDEREÇO: R ALEM PARAIBA, 963 - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31210-120; APONTAMENTO: 31861066; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): PLENA CONTRUCOES E SERVIÇOS LTDA; ENDEREÇO: AVENIDA ANDRADAS 367 LJ - CENTRO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30120-907; APONTAMEN-TO: 31861086; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): ASACORP EMPREENDIMENTOS E PAR-TICIPAÇÕES; ENDEREÇO: AV ÁLVARES CABRAL 1361 10 ANDAR - LOURDES - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30170-001; APONTAMENTO: 31861102; DATA DE APRE-SENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): TIAGO ESTEFANI RODRIGUES; ENDERE-ÇO: RUA GUILHERME PINTO DA FONSECA, 863 - CON-CORDIA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31110-656; APONTAMENTO: 31861113; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): MOTO E CIA OFICINA PEÇAS E ACESSÓ-RIOS; ENDEREÇO: AV DOM PEDRO II,1829 - CARLOS PRATES - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30710-010; APONTAMENTO: 31861114; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): FAMGRAN PARTICIPAÇÕES LTDA; ENDE-REÇO: RUA JORDANIA 220 - OURO PRETO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31310-470; APONTAMENTO: 31861169; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): GEDAL SERVIÇOS LTDA; ENDEREÇO: RUA PARAIBA, 966-LOJA 10 - FUNCIONARIOS - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30130-141; APONTAMENTO: 31861172; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): EDSON DE OLIVEIRA COSTA JÚNIOR; ENDEREÇO: RUA SÃO PAULO, 656 LOJA B2 - CENTRO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30170-130; APONTA-MENTO: 31861184; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): BRUG COMÉRCIO IMPORTA AO E EXPOR-TA AO LT; ENDEREÇO: AVENIDA RAJA GABAGLIGU-TIERREZ MG 1492 - GUTIERREZ - BELO HORIZONTE--MG - CEP: 30441-194; APONTAMENTO: 31861203; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): LAVANDERIA MG LTDA. - ME; ENDEREÇO: RUA UM MIL CENTO E NOVENTA E OITO,566 - PADRE EUSTAQ - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30720-262; APONTAMENTO: 31861208; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): SABE SOM COMERCIAL E ACES; ENDE-REÇO: RUA ARISTOLINO BASILIO DE OLIVEIRA, 46 - REGINA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30692-190; APONTAMENTO: 31861224; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): WD DISTRIBUIDORA DE AUTO PC LT; ENDEREÇO: AV: VILARINHO 3159 - VENDA NOVA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31610-070; APONTAMENTO: 31861233; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): JL CALÇADOS LTDA. ME; ENDEREÇO: RUA MONTE CASTELO,345 - ITAPOA - ITAPOA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31710-070; APONTAMENTO: 31861248; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): RESGATECNICA COMÉRCIO DE EQUIP; ENDEREÇO: RUA URANO, 150A - SANTA LUCIA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30350-580; APONTAMENTO: 31861263; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): CIDADE EDIFICACOES LTDA. EPP; ENDEREÇO: RUA FURTADO DE MENEZES 608, APT 4 - SANTA ROSA - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 31255-780; APONTAMENTO: 31861271; DATA DE APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): CONSTRUTORA CAPARAO S.A.; ENDE-REÇO: AV. CONTORNO 6594. 15 ANDAR - LOURDES - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30110-044; APONTAMEN-TO: 31861298; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): PT PARAFUSOS FERRAGENS E TINTAS LTDA. ME; ENDEREÇO: AVENIDA ABILIO MACHADO1270 - INCONFIDENCI - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30820-272; APONTAMENTO: 31861342; DATA DE APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): LUCAS ANDRADE LORENTZ; ENDEREÇO: RUA DOS AMERICANOS 1037, - MILION RIOS - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30620-050; APONTAMENTO: 31861351; DATA DE APRESENTAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): PT PARAFUSOS FERRAGENS E TINTAS LTDA. ME; ENDEREÇO: AVENIDA ABILIO MACHADO1270 - INCONFIDENCI - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30820-272; APONTAMENTO: 31861356; DATA DE APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015

DEVEDOR(A): DEUSDETH MACARIA RODRIGUES; ENDEREÇO: AV AUGUSTO DE LIMA 1324 AP 1509 - BARRO PRETO - BELO HORIZONTE-MG - CEP: 30190-003; APONTAMENTO: 31861372; DATA DE APRESEN-TAÇÃO: 06/01/2015

É o presente EDITAL expedido e publicado de acordo com o disposto na Lei nº 9.492, de 10.09.97, no artigo 15, º 1º, e afixado em lugar visível na sede deste 3º Tabelionato de Protesto de Títulos de Belo Horizonte, na mesma data. HORÁRIO DE EXPEDIENTE: 09:00 às 12:00 e 13:00 às 17:00 horas.

Belo Horizonte, 08 de janeiro de 2015.Cátia Helena da Silva - Escrevente

111 editais.

QUARTO TABELIONATO

4º TABELIONATO DE PROT. DE DOC. DE DÍVIDA DE B. HTE. - AV. ÁLVARES CABRAL, 970 - LOURDES - CEP: 30170-001 - HORÁRIO DE ATENDIMENTO: SEGUNDA A SEXTA-FEIRA, DAS 09 AS 12 HS E DAS 13 AS 17 HS

OCORRENDO AS HIPÓTESES DO ART. 15, DA LEI 9492, DE 10 DE SETEMBRO DE 1997, FICAM AS PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS ABAIXO RELACIONADAS OTIFICA-DAS PARA, NO PRAZO DE 03 (TRÊS) DIAS ÚTEIS, A CONTAR DA DATA DA PÚBLICAÇÃO DESTE, VIREM A ESTE TABELIONATO A FIM DE PAGAR OS DOCUMENTOS QUE SE SEGUEM, FICANDO DESDE JÁ INTIMADAS DE SEU PROTESTO, CASO NÃO O FAÇAM.

PAGAMENTO SOMENTE NO TABELIONATO. NÃO SERÁ ACEITO NENHUM OUTRO MEIO DE PAGAMENTO.

PRAZO FINAL DE PAGAMENTO: 14/01/2015

DEVEDOR(A): A TOUCH BRASIL COMERCIAL LTDA. -EIRELI ME-; ENDEREÇO: AV ÁLVARES CABRAL 320 - 30170-000 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.437; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): AILTON GODINHO BRAGA -EIRELI-; ENDEREÇO: RUA GUARANI 400 CENTRO 30120-040 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.214; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ALESSANDRO CARLOS RODIGUES DE ALMEIDA SA; ENDEREÇO: RUA BUENOS AIRES 15 - 30315-570 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.528; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): ALFA MATERIAL HOSPITALAR LTDA. -ME-; ENDEREÇO: RUA VERONICA 410 30881-560 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.287; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ALLIANZ SEGUROS SA; ENDEREÇO: AV RAJA GABAGLIA, 3079 - 30350-563 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.405; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ALPANA COMÉRCIO.ATACADISTA ROU-PAS E ACESSÓRIOS LTD; ENDEREÇO: RUA RUBI 474 - 30411-125 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.469; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): AM CHOCOLATES INDÚSTRIA COMÉRCIO LTDA.; ENDEREÇO: RUA ORIENTE, 643 30220-270 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.394; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): AMIR LUCIO REIS NETO; ENDEREÇO: RUA BARBOSA 100 - 30660-280 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.326; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ANJOS DA GUARDA ASSISTÊNCIA TÉC-NICA EM SEGURANÇA; ENDEREÇO: RUA VOLTA GRANDE 511 - 31030-340 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.278; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ARTEMA CONSTRUTORA LTDA.; ENDE-REÇO: RUA SÃO MANOEL 109 - 31015-390 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.298; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ARTSPEL DISTRIBUIDORA LTDA.; ENDE-REÇO: RUA ITAÚNINHA 222 - 31150-720 BELO HORI-ZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.588; DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): ATENA TRANSFORMAÇÃO DE VEÍCULOS LTDA.; ENDEREÇO: AV ITAÚ 350 - 30850-035 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.209; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): ATENA TRANSFORMAÇÃO DE VEÍCULOS LTDA.; ENDEREÇO: RUA ITAÚ 350 - 30850-035 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.247; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): AVNER ALLEN FIGUEIREDO; ENDEREÇO: RUA RIO GRANDE DO SUL 54 LOJA 820 - 30170-110 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.673; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): BEM CONSTRUTORA LTDA.; ENDEREÇO: RUA JOÃO ANTÔNIO CARDOSO 75 - 31310-390 BELO HORIZONTE OURO PRETO MG; PROTOCOLO: 4859.411; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): BH SEM GLUTEN PRODUTOS NATURAIS LTDA. ME; ENDEREÇO: AV FRANCISCO SA, 345 B - 30411-145 BELO HORIZONTE PRADO MG; PROTOCO-LO: 4859.374; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): BUGULU ALIMENTOS LTDA.; ENDEREÇO: RUA CURITIBA 2039 - 30170-122 BELO HORIZONTE LOURDES MG; PROTOCOLO: 4859.418; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): C T L CAMPOLINA TRANSPORTES E LOCACAO LTDA.; ENDEREÇO: RUA HOFFMAN 738 SL 3 - 30644-010 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.216; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CARVALHO & GREEN WOOD LTDA.; ENDEREÇO: RUA PERNAMBUCO 701 - 30130-151 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.327; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CASA DA RAÇÃO MATERIAIS CONSTRU-ÇÃO NOVO DIAMANTE L; ENDEREÇO: RUA DA OLARIA 551 LETRA A - 30627-172 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.217; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CASA DE CARNE AVELANDIA LTDA.; ENDEREÇO: RUA CONSELHEIRO LAFAIETE 660 - 31030-010 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.461; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): CASA DE CARNE AVELANDIA LTDA.; ENDEREÇO: RUA CONSELHEIRO LAFAIETE 660 - 31030-010 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.481; DATA DA APRESENTAÇÃO: 02/01/2015

DEVEDOR(A): CASA E ARTE CORTINAS; ENDEREÇO: R MONTEIRO LOBATO 261 LJ 03 - 31310-530 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.400; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CASA LEILOEIRA; ENDEREÇO: AV RAJA GABAGLIA 4697 - 30360-670 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.219; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CERÂMICA SÃO CRISTOVAO LTDA.; ENDEREÇO: RUA JACUI 732 - 31110-500 BELO HORI-ZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.301; DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CERÂMICA SÃO CRISTOVAO LTDA.; ENDEREÇO: RUA JACUI 732 - 31110-500 BELO HORI-ZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.302; DATA DA APRE-SENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CESTO PARTICIPAÇÕES SA; ENDEREÇO: RUA RIO DE JANEIRO 18 - 30160-040 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.264; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CIA DA OBRA ENGENHARIA E CONSTRU-ÇÕES LTDA.; ENDEREÇO: RUA MARQUEZ MARICA 474 - 30350-070 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.242; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CLEBER BASILIO DE SOUZA; ENDEREÇO: RUA ANFIBOLIOS 304 - 31210-440 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.299; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CLEUDIANE DE CASTRO SOARES LOPES; ENDEREÇO: RUA FALCAO 126 - 30624-200 BELO HORIZONTE MG; PROTOCOLO: 4859.297; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CLEUDSON DE SOUZA COSTA DINIZ; ENDEREÇO: AV PRESIDENTE 20 - 31550-100 BELO HORIZONTE COPACABANA MG; PROTOCOLO: 4859.250; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

DEVEDOR(A): CONDOMÍNIO RESIDENCIAL OURO PRETO SPATIUM; ENDEREÇO: R MANUEL ELIAS DE AGUIAR, 94 - 31330-520 BELO HORIZONTE MG; PRO-TOCOLO: 4859.375; DATA DA APRESENTAÇÃO: 30/12/2014

FÓRUM20BELO HORIZONTE, SEXTA-FEIRA, 9 DE JANEIRO DE 2015